Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 27 de maio de 2015

Enxaguante bucal tem mais utilidades do que você imagina

O antisséptico bucal livra os cabelos da caspa, impede que o PET faça xixi no tapete e ainda deixa o azulejo brilhante
 
1. Ora bolhas!
Pé com bolhas? Umedeça um chumaço de algodão com o produto e passe na região, uma vez ao dia. O mentol alivia a dor e o antisséptico acelera a cicatrização.
 
2. Xô, fungos!
Encha um pulverizador com uma parte de antisséptico e três de água. Borrife nas plantas com fungos, uma vez por semana e o problema será resolvido.
 
3. Unha boa
Três vezes por semana, deixe por 15 minutos as unhas amareladas (sinal de fungos) numa solução meio a meio de enxaguante e vinagre branco. Verá como elas clarearão!
 
4. Belos Azulejos
Combine 1/2 xíc. (chá) do enxaguante com 2 xíc. (chá) de água e esfregue nos ladrilhos com esponja. O timol e o mentol matam fungos e germes, e o álcool faz o azulejo brilhar.
 
5. Cadê a caspa?
Após lavar o cabelo, massageie o couro cabeludo, por 30 segundos, com 1 colher (sopa) de antisséptico – evite o azul ou verde para não mudar a cor dos fios. Aplique o condicionador de costume,  enxágue bem e a caspa diminuirá.
 
6. Cheiro bom!
Roupas com odor de suor? Adicione 1 xíc. (chá) do enxaguante de cor clara no espaço do sabão em pó da máquina e ligue-a. As substâncias antibacterianas acabam com o cheiro ruim.
 
7. Atmosfera limpa
Para evitar bactérias no interior úmido e quente do umidificador de ar, basta limpar o recipiente da água com 2 col. (sopa) do antisséptico. Os microorganismos não resistem!
 
8. Adeus roxinho!
Para não aparecer hematoma naquela pancada, passe algodão embebido no enxaguante (com eucaliptol). Ele estimula o fluxo sanguíneo e desfaz o aglomerado de sangue.
 
9. Sem cheiro de alho
Livre-se do cheiro desagradável esfregando um chumaço de algodão com o antisséptico sobre a pele limpa. Deixe secar e enxágue. Os compostos  neutralizarão as substâncias que dão aroma ao alho.
 
10. Mudança de hábito
Para que o PET não faça as necessidades no tapete, pulverize o local com a solução de 1 medida de água e 3 de enxaguante claro (para não manchar). O cheiro de menta o mantém bem longe.
 
Viva.com.br

Laserterapia é nova arma para acabar com herpes bucal

 Foto: Berents / Shutterstock
A laserterapia pode ajudar tanto no tratamento quanto na
prevenção do herpes reduzindo o período de manifestação da
doença e aliviando a dor
Técnica com efeito terapêutico e capacidade de reparação tecidual promete prevenir e tratar disfunções de forma mais rápida e indolor
 
A laserterapia é cada dia mais usada na odontologia, porque garante resultados eficientes e indolores ao paciente. Essa luz não ionizante, que promove efeitos anti-inflamatório, analgésico e de reparação, já é encarada como uma solução para quem sofre com herpes, inflamação na mucosa da boca e cárie.
 
O laser pode ser de alta potência (mais conhecido como laser cirúrgico) ou de baixa, que oferece propriedades mais terapêuticas. “Pode ser usado isoladamente ou como coadjuvante em outros tratamentos”, diz Luana Campos, cirurgiã-dentista especializada em laserterapia da clínica Interclin. 
 
Como benefício adicional, a técnica não apresenta contraindicação. “Porém alguns cuidados são necessários, como o uso obrigatório dos óculos de proteção durante os atendimentos”, diz a especialista.  
 
Fim do herpes
A laserterapia pode ajudar tanto no tratamento quanto na prevenção do problema. “As ondas têm o poder de reduzir o período de manifestação da doença, aliviar a dor e aumentar o intervalo em que o vírus do herpes volta a afetar a pessoa infectada”, diz Luana. “Também pode ser utilizado no tratamento de aftas”, afirma. 
 
Esse tipo de tratamento ainda oferece a vantagem de não causar resistência viral e ser bem tolerada pelos tecidos bucais. Ou seja, a repetição da aplicação não oferece riscos ao paciente.
 
Confira outros benefícios do laser: 
 
Remoção de cárie : As lesões cariosas podem ser removidas com os lasers de alta potência, com mínima destruição dental e sem o desconforto provocado pela técnica convencional.  
 
Hipersensibilidade dental: Após a correta identificação da causa, os benefícios do laser vão desde o controle de uma possível inflamação gengival até analgesia local.  
 
Cirurgia em tecidos mole : Os lasers de alta potência são utilizados em diversos tipos de cirurgia em tecidos moles da boca, como língua, lábios e freio labial. Proporciona menor sangramento, desinfecção local e cicatrização acelerada.  
 
Remoção de pigmentação melânica gengival : Trata-se de uma alteração de cor (mancha escurecida) encontrada com maior prevalência em pessoas negras. Os lasers podem ser utilizados para a remoção dessas manchas gengivais de maneira menos agressiva.  
 
Mucosite oral : Pacientes que são submetidos à quimioterapia ou radioterapia na região de cabeça e pescoço podem desenvolver grandes úlceras espalhadas por toda a cavidade oral, que causam dor e diminuição na qualidade de vida. Nesses casos o tratamento com laser, além de promover o alívio do desconforto, acelera o processo de cicatrização das lesões, o que diminui o risco do desenvolvimento de infecções oportunistas.  
 
Diminuição do fluxo salivar e boca seca : A falta de saliva na boca compromete as funções orais normais (fala, mastigação e deglutição) e aumenta o risco de infecções e perda dos dentes. O tratamento convencional inclui o uso de medicações estimulantes do fluxo salivar, porém, por apresentarem diversos efeitos colaterais, não podem ser prescritas para todos os pacientes. Já o uso do laser traz resultados satisfatórios sem nenhum efeito colateral.

Terra

Entenda a importância da vitamina D para as crianças

Nutriente colabora para o bom desempenho dos músculos e nervos

A vitamina D é imprescindível para a formação e o fortalecimento dos ossos, em especial para as crianças. A falta dessa vitamina quando associada à falta de cálcio pode ocasionar falha no desenvolvimento infantil e levar até a deformidade dos ossos. Para incluir essa importante substância é importante a exposição solar diária de 20 minutos, para a reposição natural da vitamina D no sangue, e buscar incluir na dieta alimentos fonte de cálcio e vitamina D.

Conhecida também como a vitamina do sol, pois sua principal fonte de síntese provém da exposição solar, esse nutriente colabora ainda para o bom desempenho dos músculos e nervos, a coagulação do sangue, o crescimento celular e a utilização de energia, além de ajudar no processo de aprendizagem.

“A vitamina D é extremamente importante para o desenvolvimento saudável da criança. Para conseguir manter o bom nível dela no organismo, a recomendação é de 10 a 20 minutos de banhos de sol ao dia. A criança pode aproveitar a praia e a piscina desde cedo. No entanto, os horários de pico devem ser evitados, pois é quando a intensidade dos raios ultravioleta é muito forte e pode causar danos à pele, principalmente na do bebê, que é mais sensível, explica a chefe do setor de Doenças Metabólicas da Unifesp e membro da Diretoria da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), Dra. Marise Lazaretti Castro.

Segundo a especialista, apesar de alguns alimentos serem fonte dessa vitamina, como peixes gordurosos, leite e ovos, a quantidade presente é muito pequena e insuficiente para suprir as necessidades do corpo.

“Durante a vida intrauterina, o feto retira esta substância do sangue materno, mas, depois do nascimento, precisa produzir sua própria vitamina, pela exposição ao sol, pela dieta alimentar ou por meio da suplementação. Por este motivo, os pediatras orientam às mães que exponham seus bebês ao Sol diariamente. Quando mais velhos, devem ainda estimular brincadeiras e esportes ao ar livre, como era feito antigamente”, destaca.
 
Guia da Pharmacia

Peso, sono e dinheiro reduzem produtividade no trabalho

A lista de itens que afetam o lado profissional também conta com problemas com depressão e assédio moral

Na sua opinião, quais motivos levam à baixa produtividade no trabalho? Se respondeu fumar, beber ou comer muito, está enganado. De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade de Cambridge e Rand Europe, ambas na Inglaterra, esses itens nem aparecem na lista dos principais fatores. A vida profissional é prejudicada principalmente por preocupações financeiras e dormir menos de sete horas por noite. Os dados são do jornal Daily Mail.
 
O estudo analisou dados de empresas que participaram de um concurso para descobrir a mais saudável do Reino Unido, tendo acesso a informações de mais de 21 mil trabalhadores. Constatou-se que a lista com os 12 fatores que têm o maior efeito sobre a produtividade também conta com estar abaixo do peso, estar acima do peso, inatividade física e adição de gorduras não-saudáveis às refeições, como manteiga e maionese.
 
Outros itens mencionados são sintomas de depressão , sofrer assédio moral no local de trabalho, ter relações tensas com os colegas, exigências irrealistas, pressão arterial elevada e algum problema musculoesquelético.
 
Pesquisas recentes sobre o sono indicam que dormir apenas seis horas ou menos pode prejudicar a pele e aumentar o risco de diabetes. A falta de sono também está associada com um risco maior de Alzheimer e Parkinson. Segundo especialistas, o cérebro precisa do descanso adequado para se purificar de substâncias tóxicas.
 
Terra

Membro da Família Real Britânica visita o SUS

Foto: Divulgação Embaixada do Reino Unido
Foto/Divulgação Embaixada do Reino Unido
O Príncipe Richard, Duque de Gloucester , esteve no Brasil na última semana visitando várias unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) do Rio de Janeiro e de São Paulo
 
O objetivo da visita foi fortalecer a já consolidada relação entre Brasil e Reino Unido na área da saúde. Ambos os países possuem sistemas universais de saúde pública. O National Health System (NHS), nome oficial do sistema de saúde britânico, serviu como inspiração para criação do SUS e segue como um grande aliado na troca de experiência sobre a gestão da saúde pública.
 
Em sua primeira visita ao Brasil, o membro da Família Real Britânica buscou compreender melhor o funcionamento do sistema de saúde brasileiro e discutir pontos para que possa haver uma maior cooperação nos negócios, academia e filantropia.
 
Entre as visitas, o duque conheceu a AACD e o SAMU em São Paulo. Já no Rio, ele visitou o Complexo Estadual do Cérebro, o Centro de Operações do Rio, a Fiocruz, a Favela do Alemão, a UPA do Complexo do Alemão. O Embaixador do Reino Unido no Brasil, Alex Ellis, acompanhou as visitas e ressaltou a boa impressão que tiveram. “Foi um prazer visitar o SAMU em São Paulo com o príncipe Richard. Ficamos impressionados com a tecnologia usada para garantir que diante de tanta demanda, os pacientes que precisam de atendimento de urgência recebam uma resposta rápida”, enfatizou.
 
Sobre o Duque de Gloucester
O príncipe Richard é neto de George V e primo de primeiro grau da Rainha Elizabeth II. O Duque de Gloucester está associado a mais de 150 organizações de caridade relacionadas a diversos temas, entre eles: saúde, questões ambientais, cultura e artes e forças armadas.
 

Saiba por que os Centros de Parto Normal favorecem a saúde das mães e bebês

Crédito: Piotr MarcinskiHumanizar e melhorar a assistência às gestantes no parto e no pós-parto. Esses são alguns dos objetivos dos Centros de Parto Normal, criados em 1999, pelo Ministério da Saúde para atender gestantes e recém-nascidos
 
A iniciativa dá a opção de a mulher escolher como se movimentar livremente no local do parto e a ter acesso a métodos alternativos de alívio de dor, como massagens, caminhadas e banhos de banheira. Além disso, os Centros de Parto Normal oferecem às gestantes o ambiente ideal para receber o bebê, com iluminação e temperatura adequadas.
 
De acordo com a coordenadora de saúde da mulher do Ministério da Saúde, Esther Vilela, todas essas condições oferecidas à mulher nesses centros favorecem a troca e o respeito entre mãe, filho e família,“Uma mulher, para ela ter um bom parto, ela precisa de um ambiente acolhedor, com privacidade, que ela tenha direito a um acompanhante de sua livre escolha, que ela tenha acesso ao contato com a água, seja por chuveiro, seja por banheira, que ela tenha um espaço para ela caminhar durante o trabalho de parto e que realmente ela se sinta segurada de toda essa tecnologia para que o seu organismo, o seu corpo possa fazer o trabalho que só ele faz.”
 
O bebê da dona de casa Thaiane Santos da Silva nasceu este ano em um centro de parto normal na Bahia. Ela conta que o atendimento humanizado oferecido pelos profissionais foi essencial para o sucesso do parto."Foram bastante atenciosos. Cheguei era mais ou menos duas horas da manhã eles mandaram eu ficar caminhando, fiquei internada. E foi maravilhoso. Até hoje estão sendo atenciosos comigo. Eles me ajudaram a fazer exercício, me colocaram numa sala que tinha bola, cavalinho e foi esse exercício que me ajudou bastante. Uma mulher também, doula, fez massagem nas minhas costas, me colocou no banheiro, tomei banho de água quente".
 
Os Centros de Parto Normal fazem parte do programa Rede Cegonha, estratégia do Ministério da Saúde que tem o objetivo de implementar uma rede de cuidados para garantir às mulheres o direito ao planejamento reprodutivo e à atenção humanizada a gravidez, ao parto e ao recém-nascido.
 
Fonte: Victor Maciel/ WebRádio Saúde

Judicialização: Governos gastam R$ 314 mi com remédio importado

Em meio ao aumento de ações contra o Sistema Único de Saúde (SUS), os governos federal e estadual foram obrigados a gastar, por determinações judiciais, R$ 314 milhões em 2014 com a compra de remédios importados sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)
 
São, na maioria das vezes, medicamentos indicados para doenças graves já comercializados em outros países, mas ainda em análise pelos órgãos regulatórios brasileiros. Por serem importados, a compra de poucas unidades tem grande impacto nas finanças públicas.
 
A outra situação mais comum de processo contra o SUS é o pedido de medicamentos que já são comercializados no País, mas que não constam da lista de remédios fornecidos pela rede pública.
 
Somados todos os tipos de medicamentos e tratamentos (disponíveis no País ou não), o gasto total dos dois governos com demandas judiciais na área da saúde superou o valor de R$ 1,2 bilhão em 2014 e deverá chegar a R$ 1,7 bilhão neste ano.
 
No caso do Ministério da Saúde, o gasto com demandas judiciais foi de R$838,4 milhões, valor 500% superior ao gasto com o cumprimento de ações em 2010. Desse total, R$ 257,9 milhões foram usados para a compra de apenas 11 tipos de remédios não registrados na Anvisa.
 
A Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo gastou R$ 430 milhões com o cumprimento de ações judiciais no ano passado, dos quais R$ 56,2 milhões pagaram remédios importados.
 
O número total corresponde a mais de um terço de todo o montante gasto pela pasta em assistência farmacêutica.
 
O excesso de judicialização da saúde tem chamado a atenção do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que, na semana passada, promoveu um evento para discutir e aprovar enunciados que orientem os juízes no julgamento desse tipo de ação.
 
Um desses enunciados recomenda que não seja deferido pedido judicial de medicamento sem aprovação da Anvisa, “salvo prova da evidência científica e necessidade premente”. Outro orienta o juiz a notificar o médico que prescrever remédio não incluído em lista ou protocolo do SUS, para que “preste esclarecimento sobre a necessidade de prescrição”.
 
Para o secretário estadual da Saúde, David Uip, o crescimento dos gastos dos governos com demandas judiciais de saúde é preocupante. A previsão de Uip é de que as despesas da pasta com o cumprimento dessas decisões subam para R$ 700 milhões neste ano. “Tem coisas (que são pedidas na Justiça) que são pertinentes, mas se tem um órgão federal (Conitec – Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS) que analisa o que deve ser incorporado ao SUS, esse órgão deve ser observado. Precisamos avançar na discussão, porque isso vai ficar inadministrável”, diz.
 
A pasta afirma que é obrigada pela Justiça a adquirir, além de medicamentos, itens considerados “estranhos ao SUS”, como xampus, absorventes, leite de vaca e de cabra in natura e até poltronas de massagem.
 
Para a advogada especializada em direito à saúde, Renata Vilhena, o excesso de ações se deve à lentidão dos órgãos regulatórios em aprovar a incorporação de novos remédios ao SUS. “Tem muita coisa que está sendo usada há anos fora do País e ainda está em análise aqui”, diz.
 
Foi graças a uma decisão judicial que o filho da administradora Milena Brum, de 45 anos, pôde fazer um tratamento contra um distúrbio no crescimento. Ele teve o medicamento custeado pelo SUS por uma década, até 2013. O valor do remédio ultrapassava R$ 2 mil por mês. “Essa opção de entrar na Justiça deveria ser mais divulgada.”
 
O Estado de São Paulo

Anvisa alerta sobre a presença de medicamentos em suplementos

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) alerta aos consumidores sobre a constatação da presença de medicamentos em suplementos denominados EDGE Amplified Weight Release, iNDiGO, AMPD Gold Bee Pollen, BtRim Max e iNSANE Bee Pollen
 
A Gerência-Geral de Alimentos (GGALI) recebeu, por meio do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) e da Vigilância Sanitária de Minas Gerais, notificação da Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) sobre recall dos produtos acima citados, fabricados pela empresa Detox Transforms Health and Nutrition.
 
Após análise pela FDA foi identificado que o iNDiGO e o BtRim Max contém fenolftaleína. Os riscos para a saúde do uso a longo prazo de fenolftaleína incluem distúrbios gastrointestinais potencialmente graves, arritmia cardíaca e câncer.
 
O EDGE Amplified Weight Release e o Insane Bee Pollen contém fenolftaleína e fluoxetina. Além de possíveis riscos à saúde da fenolftaleína, é contraindicado o uso concomitante de fluoxetina com outros medicamentos.
 
O AMPD Gold Bee Pollen contém sildenafil, que pode interagir com os outros medicamentos.
 
Homens que tomam medicamentos que contêm nitratos podem estar em risco de hipotensão. Além disso, certos medicamentos, tais como ritonavir, cetoconazol e itraconazol, bem como o consumo de grandes quantidades de álcool pode aumentar e piorar os efeitos do sildenafil.
 
De acordo com o Decreto-Lei n 986/69, que dispõe sobre Normas Básicas em Alimentos, no Brasil, estão excluídos da categoria de alimentos os produtos com finalidade medicamentosa ou terapêutica, qualquer que seja a forma como se apresentem ou o modo como são administrados. Desta forma, os suplementos não são enquadrados na categoria de alimentos no país.
 
Até o momento, não há indícios de que os produtos tenham sido exportados oficialmente ao Brasil.
 
No entanto, por se tratar de produtos comercializados internacionalmente por meio de uma ampla gama de canais de distribuição, a Anvisa recomenda aos consumidores brasileiros que não façam o uso dos suplementos em questão. Os produtos não atendem à legislação brasileira mas são comercializados na internet e também podem ter sido adquiridos por meio da importação direta por consumidores.
 
Mais informações podem ser encontradas em: www.fda.gov/Safety/Recalls
 
UOL

Obesidade na adolescência aumenta risco de câncer no intestino, diz estudo

 Adolescentes acima do peso têm risco maior de desenvolver câncer no intestino no futuro (Foto: Thinkstock)
Adolescentes acima do peso têm risco maior de desenvolver
 câncer no intestino no futuro
Pesquisa acompanhou 240 mil homens suecos por 35 anos; os jovens que eram obesos tiveram 2,38 vezes mais chances de desenvolver tumor colorretal
 
Adolescentes acima do peso têm risco maior de desenvolver câncer no intestino no futuro, de acordo com um estudo da Universidade de Harvard e do hospital da Universidade de Orebro, na Suécia.
 
Os pesquisadores acompanharam cerca de 240 mil homens suecos por 35 anos.
 
A análise, divulgada na publicação científica Gut, mostrou que os adolescentes acima do peso tinham o dobro do risco de ter câncer do que os com peso adequado. As chances são ainda mais altas para adolescentes obesos.
 
O câncer de intestino é o terceiro tipo de câncer mais comum no mundo, com cerca de 1,4 milhão de novos casos por ano.
 
O consumo de carne vermelha processada e gordura abdominal já tinha sido ligado ao desenvolvimento da doença.
 
Crescimento acelerado
Os participantes do estudo tinham idades entre 16 e 20 anos quando a pesquisa começou.
 
A grande maioria tinha peso normal, mas 6,5% estavam acima do peso e 1% era obeso.
 
Houve 855 casos de câncer colorretal no estudo.
 
Os obesos tiveram 2,38 vezes mais chances de desenvolver tumor no intestino.
 
"O final da adolescência marca a transição da infância para a idade adulta e é um período de crescimento acelerado, principalmente entre homens, então esse período pode representar uma janela crítica", diz o estudo.
 
"É importante que entendamos o papel da infância e da adolescência no desenvolvimento de câncer colorretal."
 
"A forte associação observada entre obesidade na adolescência e câncer colorretal na passagem para a meia idade e o aumento da prevalência de obesidade na adolescência pode lançar luz sobre o crescimento da incidência de câncer colorretal entre adultos", adicionou.
 
Fortes indícios
Rachel Thompson, do Fundo Mundial para Pesquisas sobre Câncer, disse que os indícios sugerem que a obesidade é um fator de risco para câncer de intestino.
 
"A descoberta é interessante porque dá uma indicação que o câncer de intestino pode estar associado ao estilo de vida ao longo da vida."
 
"De certas maneiras, pesquisas entre a relação entre fatores como a obesidade e risco de câncer ainda estão começando."
 
"Será interessante ver se pesquisas futuras comprovarão a relação entre gordura corporal na juventude e risco de câncer no futuro."
 
G1

Preços de remédios variam até 976% em São Paulo, diz Procon-SP

GNEWS_Remédios (Foto: GloboNews)
Foto: Globo News - Preços variam até 976%
Maior variação foi encontrada no preço do Paracetamol. Remédios genéricos são, em média, 57,72% mais baratos, segundo estudo
 
Os preços dos medicamentos podem variar até 976% em São Paulo, segundo pesquisa da Fundação Procon-SP.
 
Entre os medicamentos genéricos, a maior diferença foi encontrada no Paracetamol de 200 mg/ml, gotas, 15 ml. O preço médio do remédio é de R$ 3,83, mas o custo variou de R$ 0,90 e R$ 9,69. Acesse a lista detalhada aqui.
 
Entre os medicamentos de referência, a maior variação foi de 296,06% na Amoxicilina, 500 mg, 21 cápsulas, da Glaxosmithkline. Enquanto em um local, o produto era vendido por R$ 15,48, em outro chegou a custar R$ 61,31. O preço médio é de R$ 45,49.
 
De acordo com a pesquisa, foram analisados os preços de 68 medicamentos, entre genéricos e de referência de 15 drogarias.
 
Ao comparar os preços médios dos genéricos com os de referência, os remédios genéricos, são em média, 57,72% mais baratos do que os de referência.
 
Entre as cidades do interior participantes da pesquisa, a maior diferença encontrada foi de 767,27%, no medicamento genérico Dipirona Sódica , 500 mg/ml, gotas 10 ml, na cidade de Ribeirão Preto. Em um local, custava R$ 1,10 e, em outro, R$ 9,54.
 
Entre os medicamentos de referência, a maior variação foi em Caçapava. O Nisulid (Nimesulida), 100 mg, 12 comprimidos, da Aché, apresentou variação de 331,45%. O custo variou entre R$ 7,60 e R$ 32,79.
 
G1

Suspeito de golpes em redes sociais no Rio chegou a examinar mulher

Homem conhecia mulheres por redes sociais e, segundo a polícia, se dizia médico (Foto: Matheus Rodrigues / G1)
Foto: Matheus Rodrigues / G1: Homem conhecia mulheres
por redes sociais e, segundo a polícia, se dizia médico
Paulo César conhecia vítimas por sites de relacionamento. Suspeito se dizia médico e tinha passagem pela polícia por outros crimes
 
O homem preso nesta segunda-feira (26) suspeito de usar redes sociais para aplicar golpes, chegou a se passar por médico e examinar a parente de uma das vítimas. De acordo com o delegado que conduziu as investigações, Fábio Asty, durante uma operação na casa do Paulo Cesar Dantas da Mota foram achados carimbos e jalecos com o nome do suspeito.
 
"Ele também vai responder por violação sexual mediante fraude porque deu uma consulta a uma mulher que estava com problemas na prótese de silicone. Ele chegou a apalpar os seios sem ser médico. Tinha jaleco, tinha carimbo, crachá e mesmo assim ele não confessou o crime", afirmou o delegado.
 
Paulo Cesar Dantas da Mota foi preso nesta segunda-feira (25) em um bar na Avenida Armando Lombardi, na Barra da Tijuca, Zona Oeste, enquanto se encontrava com uma possível vítima. Durante as investigações, os policiais apreenderam óculos, roupas de marca e objetos que comprovam que o homem se passava por médico.
 
De acordo com policiais da 32ª DP (Taquara), o criminoso se aproximava de mulheres com poder aquisitivo médio a alto, por meio de sites de relacionamento como Tinder e Par Perfeito. Ele se apresentava como médico, mesmo não tendo concluído nenhum curso superior. Após ganhar a confiança das vítimas, ele aplicava golpes usando o cartão de crédito delas. O falso médico chegou a comprar presentes avaliados em RS7,5 mil com o cartão de uma das vítimas.
 
Um contrato de abertura de conta corrente em abril deste ano em nome do pai do suspeito, falecido há 13 anos, também foi encontrado. Contra ele havia mandado de prisão preventiva por 37 crimes de estelionato, além de apropriação indébita, exercício ilegal da profissão e violência sexual mediante fraude.
 
O delegado assistente da 32ª DP (Taquara) afirmou também que o falso médico era bastante galanteador com as vítimas. "Ele era bastante galanteador, deixava as vítimas apaixonadas por ele e em um determinado momento conseguia benefício econômico. Ele foi preso a partir de uma vítima que o conheceu através do site de relacionamento. Eles iniciaram um namoro e conseguiu a confiança dele. Em um momento oportuno conseguiu o cartão de crédito da vítima", disse.
 
A Policlínica Granato informou que não tem nenhuma relação com Paulo Cesar Dantas da Mota mesmo que o suspeito tenha usado um receituário da instituição. O sócio diretor da Rede de Policlínicas, Paulo Granato, esclareceu ainda que a equipe diretora busca a seriedade e qualidade no atendimento e que todos os médicos que atendem na unidade possuem registro de CRM e são referência em medicina. “Nós nunca vimos esse senhor e ele nunca fez parte do corpo de médicos da nossa empresa. Trata-se de um roubo de receituário e estamos tomando todas as providências para esclarecer o caso", afirmou o diretor.

G1