Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Hospital São Luiz é condenado a pagar R$ 78 mil a paciente por abuso

Paciente diz ter sido molestada na UTI da unidade do Jabaquara em 2014. Técnico de enfermagem foi demitido por não fazer anotações no prontuário
 
O Hospital São Luiz, da Rede D’OR, foi condenado pela Justiça a pagar uma indenização de mais de R$ 78 mil a uma paciente. A paciente, de 23 anos, alega que foi sofreu abuso sexual de um funcionário enquanto estava internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da unidade Jabaquara, na Zona Sul de São Paulo. Cabe recurso.
 
Em nota, a assessoria de imprensa do hospital não comentou a decisão. "Diante da determinação judicial de segredo de Justiça, estamos impedidos de nos manifestar sobre o caso", disse.
 
O julgamento em primeira instância ocorreu no dia 21 de julho. Em sua decisão, o juiz Antonio Botto Muscari, da 4ª Vara Cível da Capital, determinou o pagamento de R$ 78.800 com juros de 1% ao mês, custas processuais e honorários advocatícios de 15%.
 
A chefe de cozinha esteve no hospital no dia 10 de novembro de 2014 e apresentava febre, dores no corpo e tosse. Após a realização de exames, foi diagnosticada com pneumonia e transferida para a UTI.
 
De acordo com a sentença, no dia 13 de novembro, um técnico de enfermagem foi aplicar uma medicação na paciente e colocou as mãos por baixo do lençol, acariciou suas pernas e colocou a mão dentro da sua calcinha. A jovem relata que o funcionário também entrava no banheiro enquanto ela tomava banho.
 
“Ela ficou traumatizada e está até hoje pelo ocorrido neste hospital”, afirmou o advogado Ademar Gomes, que vai recorrer da sentença e pedir uma indenização no valor de R$ 150 mil. A defesa do hospital diz que as alegações da paciente “parecem representar muito mais uma interpretação equivocada da rotina de uma unidade de terapia intensiva”.
 
A unidade de saúde também questiona o fato da paciente estar consciente, dispondo de câmeras de monitoramento e campainha de emergência à beira do leito e não tenha tido a iniciativa de reagir a abordagem supostamente inadequada.
 
Após deixar o hospital, a chefe de cozinha registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Defesa da Mulher por abuso sexual.
 
Apesar de dizer que não havia provas contra o técnico de enfermagem, o funcionário foi demitido pelo hospital por justa causa. A justificativa do São Luiz é que ele deixou de fazer anotações no prontuário da paciente.
 
Durante o julgamento, uma funcionária do hospital disse que o técnico de enfermagem “costumava brincar de passar a mão molhada nas costas” de uma colega de trabalho, tendo sido necessário dar-lhe “um basta”.
 
Uma testemunha arrolada pela defesa do hospital contou que o técnico admitiu ter “tocado nas coxas” da moça com o argumento que pretendia checar seu pulso. No entanto, esse procedimento é impossível de ser realizado. A testemunha também relatou que o funcionário confirmou ter tocada a paciente após retirar a luva.
 
Uma fisioterapeuta da unidade afirmou que a paciente lhe contou que teve as partes íntimas tocadas “com os olhos vermelhos em razão de choro”. Outra funcionária relatou que notou que a vítima “parecia abalada e inclusive chorou”.
 
G1

Como deve ser a vacinação em pacientes com Doença de Crohn e outras DII?

Saiba qual o momento e os tipos de vacina que pacientes com doenças inflamatórias intestinais podem tomar
 
Dr. João Ricardo Duda Coloproctologista
 
A Doença de Crohn e a Retocolite Ulcerativa são doenças inflamatórias intestinais (DII), onde há uma resposta inflamatória crônica cuja causa principal deve-se a uma desregulação do sistema imunológico. Por isso, cada vez mais se faz uso de medicamentos que atuam na imunossupressão, como os corticoides, a azatioprina, o metotrexato e a terapia biológica - que no Brasil atualmente é representada pelo infliximabe e pelo adalimumabe. 
 
Pacientes com DII tem risco aumentado de infecção, podendo ter evolução grave em pacientes com imunossupressão e desnutrição. É neste contexto que a vacinação profilática deve ser salientada. De maneira geral, os calendários vacinais devem ser seguidos pelos pacientes com DII, porém, vacinas de vírus vivos devem ser evitadas naqueles em terapia imunossupressora. Há três tipos de vacinas:         
                    
 -bactérias ou vírus mortos
 
- bactérias ou vírus vivos atenuados
 
- proteínas ou açúcares extraídos de vírus ou bactérias sintetizados em laboratório
 
As vacinas de organismos vivos atenuados são seguras em indivíduos saudáveis. Já em indivíduos em tratamento com imunossupressão, podem causar infecção incontrolável.    
 
Momento da vacinação
O ideal é que as vacinas sejam administradas antes do início do tratamento com imunossupressão, cerca de um mês antes do imunossupressor, ou dois a três meses após sua interrupção. Caso este cenário não possa ser cumprido, vacinas de organismos vivos não devem ser administradas. Vacinas de organismos mortos/inativos podem ser recomendadas mesmo em pacientes em tratamento com imunossupressão.  
 
Recomendações para vacinação nos pacientes com Doença Inflamatória Intestinal
 
Vacinas Inativadas
Podem ser usadas em pacientes já em tratamento com imunossupressão:
  • Influenza: anualmente, uma vez ao ano
  • dT / DTP (Tétano / Pertussis): administrar caso não tenha recebido nos últimos 10 anos
  • Pneumocócica: uma vez a cada cinco anos
  • Hepatite A: duas doses. A inicial e outra após seis a 12 meses. Reforços a cada dez anos
  • Hepatite B: três doses em um, dois e seis meses
  • Meningocócica: caso não tenha sido vacinado antes
  • HPV : Homens homossexuais e mulheres entre 9 e 26 anos
Vacinas de Micro-Organismos Vivos
Elas não devem ser realizadas em pacientes em tratamento com imunossupressão:
  • Varicela: checar títulos. Em caso sem imunidade, vacinar. Aguardar de quatro a 12 semanas antes de iniciar a imunossupressão
  • Herpes-zoster: a partir dos 50 anos. Aguardar de quatro a 12 semanas antes de iniciar a imunossupressão
  • Sarampo-Caxumba-Rubéola: checar títulos. Aguardar de quatro a 12 semanas antes de iniciar a imunossupressão. Reforço aos 50 anos
  • Febre amarela: vacinar em caso viagem programada para áreas endêmicas. O intervalo de imunossupressão deve ser de quatro meses
  • BCG: contraindicada em imunossuprimidos
Tuberculose
Outro cuidado muito importante antes de se iniciar o tratamento com imunossupressores biológicos (Anti-TNF alfa) é certificar-se sobre a presença do Micobacterium Tuberculosis (TB) em sua forma latente, a qual pode ser ativada durante a imunossupressão e desencadear a tuberculose em sua forma típica.
 
Por isso, devem ser feitos os seguintes exames antes de iniciar o tratamento com drogas biológicas:                             
  • Raios x de Tórax
  • Teste Tuberculínico (PPD)
Pacientes com tuberculose latente devem ser tratados por seis a nove meses com isoniazida, iniciada ao menos 30 dias antes dos medicamentos Anti-TNF alfa (Infliximabe ou Adalimumabe).

 
Minha Vida

Stress no trabalho pode causar doenças mentais

De acordo com novo estudo, altos níveis de stress no ambiente de trabalho aumentam o risco de licença médica devido a transtornos mentais. Mulheres são as mais afetadas
 
Trabalhadores com estilo de vida estressante, que fumam, têm trabalhos exigentes e com pouco apoio social correm um risco maior de tirar licença médica devido a problemas de saúde mental. É o que diz um estudo publicado na edição de agosto do periódico científico Journal of Occupational and Environmental Medicine.
 
Pesquisadores suecos analisaram dados de 12 000 trabalhadores e descobriram que, ao longo de cinco anos, cerca de 8% foram afastados do emprego por sofrerem de problemas psiquiátricos. Destes, 75% eram mulheres.
 
Os resultados confirmam pesquisas anteriores que já haviam mostrado que condições psicológicas no ambiente de trabalho afetam as taxas de licença médica por problemas de saúde mental. Para reduzir esse risco, segundo a pesquisa, os trabalhadores devem ser incentivados a uma prática atividade física regular e de alta performance. Além disso, os autores do estudo defendem que os empregadores passem a abordar os problemas existentes no ambiente de trabalho.
 
"Intervenções, como reduzir as elevadas exigências do trabalho podem revelar-se eficazes para diminuir o risco de licença médica associadas a transtornos mentais", disse Lisa Mater, uma das autoras do estudo e pesquisadora do Instituto Karolinska, na Suécia.
 
Veja

Dia Nacional da Saúde: bons hábitos colaboram para um envelhecimento saudável

Nesta quarta-feira, 5 de agosto, é comemorado o Dia Nacional da Saúde
 
A data foi escolhida em ocasião do nascimento do médico sanitarista Oswaldo Cruz, importante figura no movimento sanitarista brasileiro e responsável pelas erradicações de perigosas epidemias que acometiam o Brasil no final do século XIX e começo do século XX.
 
Mas não é somente neste dia que se deve cuidar saúde. Ser saudável depende de uma série de fatores físicos e mentais que devem fazer parte da rotina de todos, como uma boa alimentação, privilegiando alimentos frescos em detrimento de alimentos processados e ultraprocessados, ingestão suficiente de água, a prática de atividades físicas, lazer e descanso.
 
Cuidar da saúde integralmente é um hábito que todos devem ter desde a infância, objetivando um envelhecimento saudável e com qualidade de vida. Cristina Hoffmann, coordenadora de Saúde da Pessoa Idosa do Ministério da Saúde, observa que as decisões tomadas no presente refletem diretamente na condição geral da saúde no futuro. “O processo de envelhecimento traz mudanças no organismo de todos. Fatores como práticas corporais, alimentação saudável, convívio e relações afetivas contribuem para tenhamos um envelhecimento mais saudável”, disse.
 
Ou seja: se adotarmos hábitos saudáveis somente quando alcançarmos uma idade mais avançada, poderemos perder um tempo importante de prevenção, sofrendo com diversas dificuldades no processo de envelhecimento que poderiam ser evitadas. “Se ao longo da vida você tem mais cuidado, os problemas que você apresentaria no futuro podem ser minimizados”, completa Cristina.
 
Então, aproveite o dia de hoje para se conscientizar e começar a inserir atitudes mais saudáveis em seu dia a dia. O Ministério da Saúde possui um conjunto de políticas para fortalecer e recuperar os bons hábitos alimentares dos brasileiros. Um exemplo foi o lançamento das publicações Guia Alimentar para População Brasileira e o Guia de Alimentos Regionais Brasileiros, que reforçam a importância da alimentação saudável para prevenção de doenças e a valorização da cultura alimentar regional brasileira, com diversas opções saudáveis, receitas e dicas para o preparo dos alimentos.
 
Outra atitude que pode ajudar é a prática de atividades físicas. Os parâmetros atuais recomendam 150 minutos de exercícios moderados por semana para manter a saúde e o condicionamento físico, que pode ser uma caminhada, uma volta de bicicleta ou exercícios em uma academia. Para incentivar essa prática saudável, o Sistema Único de Saúde conta com o Programa Academia da Saúde. O Ministério da Saúde também coordena a campanha Da Saúde se Cuida Todos os Dias, que incentiva a vida saudável dos brasileiros através do controle do tabagismo, redução do consumo do álcool, segurança no trânsito, parto saudável, entre outros.
 

Novo tratamento ajuda paraplégicos a recuperar movimentos das pernas sem cirurgia

Técnica usa estímulos elétricos para recuperar pacientes que sofreram com lesões na coluna espinhal
 
Lesões na coluna espinhal podem ser fatais, afinal essa estrutura do corpo é responsável por levar os comandos do cérebro para todo o corpo. E mesmo quando essas contusões não matam, muitas vezes podem levar a paralisia das pernas ou mesmo dos braços também. No entanto, um novo tipo de terapia, testado nos Estados Unidos, tem mostrado resultados animadores para a recuperação desse tipo de caso, sem necessidade de cirurgia. Os resultados foram publicados na edição de Agosto do Journal of Neurotrauma.                         
ADVERTISEMENT
 
Neste estudo, cinco pacientes homens com paralisia dos membros inferiores há mais de dois anos foram submetidos a sessões de treinamento de 45 minutos por 18 semanas. Nessas sessões, eletrodos foram colocados na parte inferior das costas desses pacientes, transmitindo uma série única de correntes elétricas, que não causava desconforto algum aos pacientes. No começo do experimento, os pacientes só moviam as pernas quando o estímulo elétrico era forte o suficiente para causar reações involuntárias. Mas, com o passar do tempo, no entanto, era pedido que os pacientes tentassem mover as pernas enquanto esses estímulos elétricos eram aplicados, o que fez com que a gama de movimentos aumentasse significativamente. 
 
Nas últimas quatro semanas, foi adicionado também ao tratamento o medicamento buspirona duas vezes ao dia. Esse remédio mimetiza a ação do hormônio serotonina e já ajudou a induzir movimentos em ratos com problemas na coluna espinhal. 
 
No final do estudo, os homens conseguiam mover as pernas sem estimulação elétrica, mas ainda precisavam tomar a buspirona. Os movimentos tinham as mesmas características de quando os pacientes ainda recebiam estimulação elétrica. 
 
Minha Vida

Semana da Amamentação

O leite materno merece atenção especial por conter todos os nutrientes essenciais para o crescimento e desenvolvimento adequado dos pequenos
 
A afirmação é da nutricionista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Ariane Braz Antonio. Na Semana Mundial da Amamentação, entre os dias 1 a 7 de agosto, a especialista revela ainda que a substância é melhor digerida, quando comparado a outros leites. Confira as dicas dela para não errar na hora de planejar a alimentação dos recém-nascidos.

A importância desse alimento está relacionada, sobretudo, às substâncias encontradas nele. Entre elas, de acordo com Ariane, estão carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas (A, D, E, K, C e complexo B) e minerais (cálcio, ferro e zinco). "Todos altamente biodisponíveis, ou seja, são absorvidos facilmente pelo organismo dos bebês." Além desses nutrientes já citados, é possível encontrar também imunoglobulina que ajuda na imunidade, o que os protege de infecções. 

No peito, a amamentação deve respeitar alguns critérios. A prática deve ser adotada de, no mínimo, 6 meses a, no máximo, 2 anos. "A partir do sexto mês, as crianças já podem experimentar novos alimentos. Isso porque, depois dessa idade, é necessário inserir outras substâncias para que o aporte de calorias e nutrientes seja complementado. É uma forma de colaborar para que as necessidades da criança sejam supridas", revela a nutricionista.

Nesse momento, os pais podem incluir no cardápio todos os tipos de legumes, frutas e vegetais.  No entanto, as novidades devem ser oferecidas, separadamente, para que a criança conheça o sabor de cada um. "Lembrando-se de que, se ela fizer careta, isso não quer dizer que não gostou do alimento. A expressão pode ser apenas porque está reagindo a um novo sabor."
 
A indicação de Ariane é oferecer entre 10 a 12 vezes a nova comida, o tempo necessário para que os pequenos avaliem se gostaram ou não. "Nessa fase da vida é que formamos os hábitos alimentares, então não é recomendado acrescentar açúcar, sal e alimentos industrializados, pelo menos, durante o primeiro ano de vida."
 
Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos
 
Informações para a imprensa:
TREE COMUNICAÇÃO
(11) 3093-3636 / 3093-3604
Isabel Lopes - isabel.lopes@tree.inf.br
Felipe Amorim - felipe.amorim@tree.inf.br

Últimas palavras dos doentes terminais são sobre amor, diz pesquisa

Foto: Reprodução/Youtube
Pesquisa realizada pela empresa britânica Escolha Perfeita Funerais e divulgada pelo jornal britânico The Daily Telegraph mostra que as últimas palavras ditas por doentes terminais a seus entes queridos costumam ser conselhos sobre amor, família e carreira
 
O estudo foi feito com 2.198 pessoas que haviam perdido um parente ou alguém próximo recentemente. Os resultados mostraram que 83% delas haviam recebido algum tipo de conselho antes da morte de seus entes e destes, 62% eram sobre amor, 56% sobre carreira, 43% sobre a família e por último, mas não menos importante, 39% sobre educação.

Segundo um porta-voz da empresa, "muitos querem dar um último conselho a seus familiares antes de morrerem. Aqueles sobre amor são muito comuns nesta situação. Esta é a última chance de deixar seu amado saber o que você pensa e muitos aproveitam esta oportunidade de partilhar os últimos pensamentos".
 
Eles também dizem para as pessoas especiais que sejam felizes (29%) e outros 17% foram aconselhados a viver a vida sem arrependimentos. Além disso, 6% dos participantes disseram ter recebido algum tipo de lição e 21% ouviram que deveriam esquecer os erros do passado.
 
Rede TV UOL

Surto de bactéria mata 7 pessoas em Nova York

Sintomas da legionela são parecidos com os das pneumonias atípicas
 
O número de mortes por infectados com a “doença do legionário”, ou legionela, subiu para sete, segundo fontes oficiais da cidade de Nova York, nos Estados Unidos, na última segunda feira (3). As informações são do site cbcnews.

Mary Basset, secretária municipal de saúde de Nova York, afirma que o município já está tomando as devidas providências.

— Estamos levando isso muito a sério e logo o problema será resolvido.

Mais de 80 pessoas foram diagnosticadas com a doença, que se caracteriza pela inalação de água contaminada com a bactéria.
 
De acordo com as fontes oficiais, 64 pessoas foram hospitalizadas, delas 28 já foram liberadas, e as sete que morreram tinham outros problemas de saúde.
 
Em 2015, 2.400 pessoas foram infectadas com a doença nos EUA. EM Nova York, na semana passada, dois focos foram encontrados em um hotel e em um hospital no Bronx.

As torres de refrigeração dos estabelecimentos, principal foco de contaminação da bactéria já começaram a ser analisadas. Segundo os órgãos oficiais, 17 torres já foram analisadas e cinco delas mostraram contaminação.

A legionela é um tipo de pneumonia causada por uma bactéria e a forma de infecção mais comum é pela inalação de vapor, gotículas de água, neblina contaminada, e em grandes unidades de refrigeração por água. Ela não é transmitida de pessoa para pessoa.

A doença apresenta duas formas clínicas: a infecção pulmonar ou "Doença do Legionário", que se caracteriza por pneumonia com febre alta, e a forma não pneumônica conhecida como "Febre de Pontiac", que é mais leve. Se tratada a tempo, o índice de mortalidade não chega aos 6%, de acordo com fontes sanitárias.

Os sintomas são parecidos com os das pneumonias atípicas, podendo chegar a ser inicialmente confundida com gripe, mas inclui vômitos, dores de cabeça e no corpo, diarreia, tosse e urina com sangue. Pode haver alterações nos órgãos internos, mais ou menos severas em função do estado de saúde da pessoa infectada.
 
R7

SNGPC ficará indisponível na tarde deste domingo (9/8)

Neste domingo, dia 9 de agosto, a Anvisa fará uma manutenção nos servidores do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), responsável pelo registro de vendas ao consumidor dos medicamentosde controle especial. O sistema ficará indisponível das 14h às 18h
 
Durante o período, o registro de venda de medicamentos sob controle especial continuará sendo feito normalmente pelo sistema interno das drogarias e farmácias.
 
Porém, o arquivo XML contendo as movimentações de entrada e saída dos medicamentos somente deverá ser transmitido para o SNGPC quando o sistema retomar sua operação normal.
 
ANVISA

SP: Justiça exige novamente presença integral de farmacêuticos em prefeitura

Nesta semana, o CRF-SP conseguiu mais uma decisão favorável da Justiça declarando a validade das multas aplicadas em dispensários de medicamentos municipais. Dessa vez, contra a Prefeitura de Mairiporã
 
Com fundamento na Lei nº 13.021/2014, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região, por meio de seu Desembargador Federal Johonsom Di Salvo, indeferiu o pedido da prefeitura para que o CRF-SP parasse de fiscalizar, autuar, aplicar multas e realizar qualquer cobrança em razão da ausência de farmacêutico responsável nos seus dispensários de medicamentos.
 
De acordo com o Desembargador, a presença do farmacêutico à frente de dispensários de medicamentos, com o advento da Lei nº 13.021/2014, rechaça qualquer dúvida quanto à sua aplicabilidade aos estabelecimentos públicos. A sentença aponta ainda que as unidades fiscalizadas realizam a dispensação de medicamentos controlados, sendo também por esta razão exigida responsabilidade técnica exercida por farmacêutico habilitado na forma da Portaria nº 344/1998, da Anvisa.
 
“Segundo a nova Lei nº 13.021/2014, os estabelecimentos de dispensação de medicamentos são considerados: (a) farmácia sem manipulação (drogaria): estabelecimento de dispensação e comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos em suas embalagens originais; (b) farmácia com manipulação: estabelecimento de manipulação de fórmulas magistrais e oficinais, de comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, compreendendo o de dispensação e o de atendimento privativo de unidade hospitalar ou de qualquer outra equivalente de assistência médica. Como se vê, os dispensários de medicamentos da rede pública, e também aqueles dos hospitais, passam a ser legalmente considerados como farmácias”, afirmou.
 
O art. 5º da Lei nº 13.021/14 é, segundo o Desembargador Federal Johonson Di Salvo, categórico no sentido de condicionar ao funcionamento das farmácias de qualquer natureza, obrigatoriamente, a responsabilidade e a assistência técnica de farmacêutico habilitado na forma da lei.
 
“A partir da nova lei, farmácias e drogarias deixam de ser meros estabelecimentos comerciais para se transformarem em unidades de prestação de assistência farmacêutica e à saúde, além de orientação sanitária individual e coletiva; o mesmo ocorre com locais públicos e privados de dispensação de medicamentos (manipulados e/ou já industrializados). E ainda impõe a obrigatoriedade da presença permanente (art. 6º, I) do farmacêutico naquilo que ela mesma trata como farmácias de qualquer natureza”, ressaltou.
 
CRF -SP

EUA aprovam pílula para tratar epilepsia criada com impressora 3D

A empresa Aprecia Pharmaceuticals anunciou nesta terça-feira que conseguiu a aprovação da Administração de Alimentos e Remédios (FDA) dos EUA para comercializar uma pílula contra a epilepsia produzida com uma impressora 3D
 
A empresa indicou que, graças à tecnologia de impressão tridimensional, foi possível criar com detalhes uma estrutura porosa que permite que a pastilha se dissolva mais rapidamente, ao mesmo tempo que concentra uma maior quantidade de remédio.
 
O sistema de impressão, batizado de ZipDose, pode concentrar até 1.000 miligramas em um só dose, segundo indicou a companhia, com base em Ohio (EUA), em seu comunicado. O remédio da Aprecia Spritam, o primeiro produzido por impressão 3D, chegará ao mercado no início de 2016.
 
A tecnologia de impressão tridimensional ficou extremamente mais barata nos últimos anos, permitindo a desenvolvedores, desenhistas e especialistas de todos os tipos de disciplinas aplicá-la à criação em tempo recorde de peças e ferramentas mais complexas.
 
Até o momento, a FDA tinha aprovado a comercialização de aparatos médicos e próteses criadas com impressoras 3D.
 
Segundo a Aprecia, sua nova tecnologia de impressão de remédios servirá para melhorar a administração em crianças e idosos.

EFE