Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


domingo, 20 de abril de 2014

Normas da ABNT

maisumbnt Baixar Trabalhos academicos: Normas da ABNTINFORMAÇÕES DO LIVRO
Idioma: Português
Legenda: Indisponível
Tamanho: 98,44 KB
Formato: epub
Nome do Álbum: Trabalhos academicos: Normas da ABNT
Ano de Lançamento: 2011
 
Descrição: A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o órgão responsável pela normalização técnica no Brasil, fornecendo a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro.

Trata-se de uma entidade privada e sem fins lucrativos e de utilidade pública, fundada em 1940.
 
Confira Abaixo.
fileserve2 Baixar Trabalhos academicos: Normas da ABNT filesonicb Baixar Trabalhos academicos: Normas da ABNTmegaupload Baixar Trabalhos academicos: Normas da ABNTeasyshare2 Baixar Trabalhos academicos: Normas da ABNT
rapidblog2 Baixar Trabalhos academicos: Normas da ABNTbitshare2 Baixar Trabalhos academicos: Normas da ABNTmediafire2 Baixar Trabalhos academicos: Normas da ABNTdepositblo Baixar Trabalhos academicos: Normas da ABNT


Obs: Para converter esse Arquivo baixe o programa aqui.

Sobotta – Atlas de Anatomia Humana Vol.1 e 2

sobbotav1 Sobotta – Atlas de Anatomia Humana Vol.1 e 2 [Pedido]INFORMAÇÕES DO LIVRO
Idioma: Português
Legenda: Indisponível
Tamanho: 277.6 MB
Formato: RAR/PDF
Nome: Atlas Anatomia Humana
Vol: 1 e 2
 
INFORMAÇÕES DO LIVRO
Ano de Lançamento: 2000/2006

Descrição: O objetivo deste livro é atender aos estudantes, usuários e médicos, em especial anatomistas. Já no capítulo inicial encontram-se assuntos novos e um panorama sobre sua sistemática. Esta obra traz também figuras, sobretudo esquemáticas, que auxiliam no estudo.


Servidor Para Download
|   MUKUPLOAD    |   

Sintomas de infarto: dor no peito não é único sinal

Quanto antes você procurar um hospital, menores são os riscos

Por Dr. Bruno Valdigem

As doenças cardiovasculares são líderes em morte no mundo, sendo responsáveis por quase 30% das mortes no Brasil. Dentre estas, o Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) é a causa principal. De acordo com o Datasus, agência de controle de dados do governo, foram registrados 2028 óbitos por doenças cardiovasculares no estado de São Paulo apenas no mês de agosto de 2013. A mortalidade hospitalar por infarto agudo na internação é alta, e maior quanto mais demorado o tempo entre o início dos sintomas e o atendimento final. Os fatores de risco para o infarto são obesidade, hipertensão, colesterol alto, estresse, diabetes ou infartos anteriores. Homens na meia idade e mulheres após a menopausa são os mais afetados pelo problema.
 
O infarto acontece quando parte do músculo cardíaco morreu por falta de oxigênio. A nutrição do músculo é feita pelas artérias coronárias, que levam sangue e nutrientes até o coração. Se uma artéria dessas "entupir" - que ocorre quando uma placa de gordura perto da parede interna do vaso rompe - o fluxo de sangue é interrompido e aquela área entra em sofrimento (causando dor) e se esse fluxo não for reestabelecido a tempo, o tecido morre.
 
Identificando o infarto
 

Hábitos ruins ao coração
A dor do IAM é uma sensação mal definida, surda, que pode se alojar em qualquer local entre o lábio inferior e a cicatriz umbilical. Ainda que a maioria das pessoas sinta dor no meio do peito, em aperto, espalhando para o braço direito, vemos com muita frequência apresentações menos características. Já vi pessoas com dor no queixo, dor nas costas. As características do infarto em mulheres são muito menos típicas, com queixas de queimação ou agulhadas no peito ou ainda falta de ar sem dor. Qualquer dor nessas regiões que se mantêm por mais de 20 minutos deve ser investigada e considerada doença grave, especialmente se associada aos seguintes sintomas:
 
- Vômitos
 
- Suor frio
 
- Fraqueza Intensa
 
- Palpitações
 
- Falta de ar
 
Na presença dessas sensações, é de extrema importância procurar ajuda no pronto socorro mais próximo em no máximo uma hora. Conforme o tempo passa a dor diminui, mas o dano torna-se mais extenso e irreversível. Após 12 horas de dor, o músculo em sofrimento já morreu quase por completo.
 
Em municípios com disponibilidade de atendimento domiciliar rápido, como o excelente SAMU de São Paulo, vale a pena acioná-lo. Na ausência de uma ambulância, busque uma acompanhante que possa dirigir ou acompanhar até o medico (sempre em um hospital de emergência, para não transformar um consultório medico em uma UTI). Evite dirigir com suspeita de infarto, pois arritmias e desmaios são frequentes no inicio do quadro, colocando em risco você e os outros. Carregue consigo seus exames mais recentes, se estiverem acessíveis e não forem atrasar a sua viagem. Fique tranquilo e explique tudo ao seu acompanhante e médico, em especial a presença de alergias e doenças prévias.
 
Minha Vida

Endometriose: conheça os fatores de risco para a doença

mulher deitada no sofá vendo TV - Foto: Getty Images
Getty Images
O sedentarismo é um dos fatores de risco para a doença
Histórico familiar e menstruação precoce são sinais de atenção
 
A endometriose atinge de 10 a 15% das mulheres em idade reprodutiva, segundo dados da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Isso significa que mais de seis milhões de mulheres no Brasil sofrem com esse problema.
 
A endometriose é uma condição na qual o tecido que reveste a parede interna do útero (endométrio) cresce em outras regiões do corpo, causando dor, sangramento irregular e possível infertilidade. Essa formação de tecido normalmente ocorre na região pélvica, nos ovários, no intestino, no reto, na bexiga e na pélvis.
 
"Os sintomas principais da endometriose são as cólicas menstruais que não melhoram com medicação habitual, dores na relação sexual e sintomas urinários e intestinais como dor ao evacuar e sangramento", explica a ginecologista Sueli Raposo, do Laboratório Pasteur, em Brasília.
 
Segundo a especialista, o diagnóstico da doença costuma ser muito tardio, uma vez que ela tem uma evolução lenta e muitas mulheres ignoram esses sintomas. Por isso é importante fazer o acompanhamento com o ginecologista e ficar atento aos fatores que podem favorecer a doença.
 
Conheça-os:
 
Histórico familiar
Ainda não se sabe a causa exata da endometriose, mas sabe-se que o histórico familiar é um fator importante para se observar. "Mulheres com mãe ou irmã com endometriose apresentam maior risco de ter a doença e podem apresentar formas mais graves", explica a ginecologista Sueli Raposo, do Laboratório Pasteur, em Brasília. Por isso, se você tem algum caso da doença na família, converse com seu ginecologista e fique atento para o acompanhamento.                    
 
Número de menstruações
"Mulheres com ciclos menstruais mais curtos, fluxo menstrual intenso e primeira menstruação precoce parecem apresentar maior risco de endometriose", explica a ginecologista Sueli. Além disso, explica a especialista, alguns estudos mostraram que um menor número de gestações também pode estar associado a um risco para endometriose, pelo fato de a gravidez diminuir o número de gestações - mas ainda não há dados suficientes que comprovem essa tese. "Com a mudança na vida das mulheres, que hoje adiam a maternidade, isso leva a um maior número de ciclos menstruais durante a vida, aumentando as chances de ter a doença", afirma Sueli. Se compararmos com as mulheres do século passado, que tinham a primeira menstruação mais tardia e filhos mais cedo, além de passar longos períodos amamentando, o número de menstruações era bem menor do que agora - e a quantidade de menstruações está diretamente ligada com o risco de endometriose, sendo que quanto mais ciclos, maior as chances. Menos menstruações significam menos endométrio.
 
Tabagismo
Uma das teorias mais aceitas para a causa da endometriose é a Teoria Imunológica, e pode explicar por que só algumas mulheres desenvolvem a doença. "O que ocorre é uma falha no sistema imunológico, situação no qual as células do endométrio não são eliminadas corretamente devido a uma falha nesse sistema, e acabam migrando para a pelve, levando à endometriose", declara a ginecologista Sueli. Nesse cenário, o cigarro tem uma atuação importante no sistema imunológico, e como tal pode contribuir para o aparecimento da doença. "Importante lembrar também que o cigarro diminui em três vezes a chance de engravidar, pois a nicotina altera o funcionamento dos ovários, afeta a qualidade dos óvulos e diminui a regularidade das ovulações", ressalta a especialista. Em uma mulher com endometriose, que já tem o risco aumentado de infertilidade, o cigarro poderá só agravar a condição - portanto, se o tabagismo não contribuir para o aparecimento da endometriose, pode agravar as complicações da doença.
 
Sedentarismo
A alta produção de estrogênio também é um fator importante por trás da endometriose, uma vez que esse hormônio produzido pelos ovários faz parte do ciclo menstrual ? e quanto maior a produção de estrogênio, mais intenso o ciclo. "A atividade física regular irá regular esse hormônio, contribuindo para a prevenção da endometriose", explica a ginecologista Rosa. A recomendação é fazer atividades aeróbicas de três a quatro vezes por semana. De acordo com a ginecologista Sueli, a atividade física também vai melhorar a imunidade da mulher.
 
Estresse
Assim como o cigarro, o estresse também causa alterações no sistema imunológico, contribuindo para o aparecimento da endometriose. "Existem estudos que mostram o perfil da mulher com endometriose, e no geral elas são mais ansiosas e estressadas, exigentes, detalhistas e com dificuldade em dizer não, por isso muitas vezes um trabalho com psicoterapia também é necessário", aponta a ginecologista Sueli.
 
Usar ou não anticoncepcionais?
De acordo com as especialistas, o uso de anticoncepcionais pode diminuir o risco, uma vez que eles diminuem o fluxo menstrual. Inclusive, os anticoncepcionais são recomendados para mulheres que já tem endometriose. "O anticoncepcional oral combinado tem sido usado como tratamento com bons resultados na redução dos sintomas", explica a ginecologista Sueli Raposo. Dessa forma, se você usa anticoncepcionais hormonais, pode ser que suas chances de endometriose sejam diminuídas.
 
Idade
Segundo a ginecologia Rosa Maria Neme, do Centro de Endometriose São Paulo, a doença raramente aparece antes da primeira menstruação e tende a reduzir após a menopausa. "Mas não há relação entre a idade do diagnóstico e a severidade da doença", completa Sueli Raposo. A endometriose pode aparecer a partir da primeira menstruação até a última com média de diagnóstico aos 30 anos. Dessa forma, é importante ficar atento aos sintomas: menstruações dolorosas, dor durante ou após a relação sexual e cólicas que duram semanas no período anterior ou após a menstruação são suspeitos para endometriose.
 
Minha Vida

Popularização de atividades como skate e mountain bike aumenta o risco de lesões de cabeça e pescoço

Popularização de atividades como skate e mountain bike aumenta o risco de lesões de cabeça e pescoço Ellen Weinstein/The New York Times
Foto: Ellen Weinstein / The New York Times
Jovens ávidos por adrenalina estão tentando copiar os ídolos dos esportes radicais, correndo um grande risco
 
Apesar de vários acidentes já noticiados, como a morte no ano passado de Caleb Moore, piloto de veículo de neve, então com apenas 25 anos, a popularidade dos esportes radicais aumentou nos últimos anos.
 
Participantes dos X Games e de outros eventos esportivos costumam executar regularmente proezas de tirar o fôlego em esquis e snowboards, skates e mountain bikes, todas repetidas inúmeras vezes no YouTube e na televisão para um público crescente que corre atrás da emoção.
 
O problema é que muitos jovens ávidos por adrenalina estão tentando copiar os ídolos dos esportes radicais, correndo um grande risco. Cheios de confiança, muitos participantes não têm a habilidade e o treinamento para realizar tais proezas. E muitas vezes não utilizam o equipamento de segurança que poderia reduzir o risco de ferimentos sérios. Amadores sem árbitros, técnicos nem enfermeiros por perto podem terminar com ossos quebrados, pancadas severas, vasos sanguíneos rompidos ou deficiência pelo resto da vida — se conseguirem sobreviver.
 
Mais de quatro milhões de lesões atribuídas a esportes radicais ocorreram de 2000 a 2011 nos Estados Unidos, de acordo com dados coletados pelo Sistema de Vigilância Eletrônica Nacional de Ferimentos. No primeiro estudo sobre a natureza de tais traumatismos, a cirurgiã ortopédica da Faculdade de Medicina da Universidade do Michigan Ocidental, Vani J. Sabesan, em conjunto com outros colegas, examinou a incidência de lesões na cabeça e pescoço, as mais graves entre as que não resultam em morte.
 
Na recente reunião anual da Associação Norte-Americana de Cirurgiões Ortopédicos, Sabesan informou que mais de 40 mil ferimentos do gênero acontecem todos os anos entre os praticantes de sete esportes radicais, como skate, snowboarding, mountain biking e motocross. Segundo sua análise, 83% das lesões eram na cabeça e 175 no pescoço, com 2,5% delas descritas como graves, resultando em possível morte ou deficiência pelo resto da vida.
 
— O nível de competição e lesões que estamos vendo não para de aumentar. Muitos se recuperam, mas não necessariamente sem consequências a longo prazo — afirmou a cirurgiã ortopédica.
 
Sabesan observou que os ferimentos na cabeça e no pescoço causavam preocupação particular por causa das consequências a curto e longo prazos: pancadas, fraturas e lesões cerebrais traumáticas, que podem resultar em depressão crônica, dores de cabeça, paralisia e até morte.
 
Skate entre os mais perigosos
A prática do skate origina a maioria dos ferimentos na cabeça e pescoço nos EUA: mais de 129 mil foram informados durante os 12 anos do estudo.
 
O snowboarding produziu mais de 97 mil casos similares, enquanto os esquiadores registraram 83 mil, e os praticantes de motocross, mais de 78 mil.
 
Segundo Sabesan, mais pessoas praticam esportes radicais todos os anos e as idades dos participantes são cada vez menores.
 
— Os jovens veem o snowboarder Shaun White levar o esporte a um novo nível, e parte da garotada quer copiar suas proezas. Na verdade, a cultura diz que é bom tentar fazer isso — afirma a pesquisadora.
 
Sabesan destaca que o skate é particularmente perigoso porque os capacetes, agora uma rotina entre os esquiadores, não são obrigatórios. Ela alerta que quando se cai de cabeça no concreto ou asfalto, o dano é pior do que na neve.
 
O estudo constatou que o risco de sofrer fratura de crânio praticando skate é 54 vezes maior do que no snowboard.
 
Equipamentos de segurança
A primeira recomendação de Sabesan para reduzir o risco de lesão séria é usar o equipamento de segurança adequado.
 
— Uma coisa simples como usar capacete pode ser excelente na prevenção de uma deficiência para a vida toda — destaca Sabesan.
 
Sua própria experiência serve de exemplo. Enquanto treinava para triatlo, ela foi arremessada sobre o guidom da bicicleta e caiu de cabeça. Um capacete a protegeu.
 
A ocorrência de ferimentos graves aumenta quando o índice de participação em esportes radicais cresce. Sabesan acrescenta que ainda não há estudos adequados dos riscos associados.
 
— Não temos parâmetro. Ninguém monitora lesões ocorridas nos X Games. Existem estudos mínimos sobre deslocamentos do quadril e do joelho, ossos quebrados ou efeitos a longo prazo à cabeça e outros ferimentos — diz a cirurgiã ortopédica.
 
Para Sabesan, as descobertas apontam para a necessidade de supervisão capacitada e assistência médica nos eventos de esportes radicais, bem como o treinamento apropriado de participantes e a obrigação de uso do equipamento de proteção adequados.
 
Recado da especialista para os pais
Obrigue a criança que anda de skate a usar capacete, cotoveleira e munhequeira. O praticante de snowboard, cujos pés ficam presos à prancha, deve usar munhequeira para proteger o punho caso caia com as mãos estendidas. E, é claro, quem estiver de bicicleta, esqui ou prancha, deve usar o capacete projetado para a atividade.

The New York Times  / Zero Hora

Pessoas com apneia do sono são 340% mais propensas a morrer de câncer, indica estudo

Os mesmos também são duas vezes mais suscetíveis a desenvolver a doença
 
Pessoas com apneia do sono são 340% mais propensas a morrer de câncer, de acordo com um novo estudo. Aqueles que sofrem desta condição também têm duas vezes mais chances de desenvolver a doença.
 
Os pesquisadores acreditam que isso possa ocorrer porque a apeia do sono priva alguns dos tecidos do corpo de oxigênio, o que estimula o crescimento de tumores.
 
A apneia obstrutiva do sono é uma condição que faz com que a respiração seja interrompida ao dormir. Ela é causada pelos músculos e tecidos moles na garganta, que ao colidirem causam um bloqueio total da via aérea durante, pelo menos, 10 segundos de cada vez. Ela está associada ao excesso de peso e pode causar ronco e sonolência diurna.
 
Estima-se que a condição atinja cerca de 4% dos homens de meia-idade no Reino Unido e 2% das mulheres da mesma faixa etária. A apneia obstrutiva do sono também é conhecida por aumentar o risco de uma pessoa ter pressão alta, ataques cardíacos, derrames e diabetes tipo 2.
 
O estudo acompanhou 397 pessoas durante 20 anos a partir de 1990. Cada pessoa recebeu um teste de sono em casa para determinar se eles tinham apneia obstrutiva do sono e todos foram monitorados para ver se desenvolveriam câncer durante o estudo.
 
Os resultados apoiaram as evidências de uma investigação, de Wisconsin, nos EUA, que sugeriu que indivíduos com apneia obstrutiva do sono grave seriam 480% mais propensas a morrer de câncer do que aqueles que não sofriam com a condição.
 
Apesar da relevância dos dados, alguns especialistas alertam que mais pesquisas são necessárias para determinar se o aumento do risco de câncer em pacientes com apneia do sono está definitivamente ligado ao seu distúrbio do sono.

Zero Hora

Mulher que confessou crime indicou à polícia nome de medicação dada ao menino

Um dos remédios seria o Midazolan, de nome comercial Dormonid, de uso controlado e vendido apenas com receituário
 
Ao confessar o assassinato de Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, a assistente social Edelvânia Wirganovicz apontou para a Polícia Civil uma das substâncias que a madrasta do menino, Graciele Ugulini, teria dado ao menino no dia do crime.

Conforme o depoimento, um dos remédios seria o Midazolan, um sedativo e indutor anestésico muito usado em pequenos procedimentos, como endoscopias. 

Consultada por Zero Hora, a médica clínica geral Lisangela Preissler explica que se usado em doses excessivas o Midazolan pode levar à insuficiência respiratória. A necropsia feita em Frederico Westphalen foi “inconclusiva” para a causa da morte. A polícia aguarda novos exames periciais. 
 
Edelvânia disse à polícia “lembrar do Midazolan, o qual Kelly (como Graciele é conhecida entre amigos) disse que ia deixar ele meio desmaiado e outro que era mais forte, que injetado em seguida do Midazolan seria fatal.” 

Ainda conforme o depoimento, Kelly teria dado um primeiro comprimido a Bernardo antes de sair de Três Passos, a fim de que ele já dormisse na viagem. Mas não teria feito efeito e já em Frederico Westphalen ele teria tomado outra dose. Edelvânia confirmou aos policiais que Bernardo recebeu uma injeção no braço esquerdo. O Midazolan também existe na apresentação injetável.

Segundo a médica Lisangela, a apresentação oral da substância, conhecida pelo nome comercial de Dormonid, só pode ser comprada em farmácias mediante receituário azul, já que é de uso controlado. Já a apresentação injetável estaria disponível apenas em hospitais e clínicas para a realização de procedimentos como a endoscopia.

A polícia investiga se a medicação foi retirada da Clínica Cirúrgica Boldrini, de propriedade do pai de Bernardo, Leandro Boldrini, em Três Passos. Edelvânia, no entanto, falou aos policiais que Kelly pegaria o remédio no hospital de Três Passos, “eis que disse que tinha acesso à medicação.”
 
Zero Hora

Estudo mostra que internet ajuda a diminuir depressão em idosos

Idosa na internet
Idosos que usam internet sofrem menos com depressão
Uma nova forma de reduzir os efeitos da depressão em idosos é o uso da internet. Uma pesquisa elaborada nos EUA mostrou que 10 milhões de idosos sofrem com a doença por se sentirem sozinhos
 
A professora Sheila Cotten, da Universidade de Michigan, coordena um projeto que avaliou aposentados por 6 anos. A pesquisa realizada com mais de 22.000 aposentados mostrou que os idosos de sentem muito sozinhos e não tem com quem conversar.
 
O contato com a rede social diminuiu em 30% os índices de depressão. Ela considera este estudo o mais abrangente do gênero.
 
As comparações foram realizadas em grupo, sendo que um usava a tecnologia, enquanto o outro não. Nos idosos que moram sozinhos, os níveis de depressão foram maiores. O surpreendente é que, em algumas pessoas, a doença continuou se manifestando sem reação a tecnologia.
 
Segundo informações, isso aconteceu porque os idosos que usaram a tecnologia aliada a suas rotinas tiveram apenas um complemento que os ajudaram a distrair, melhorando a autoestima e saúde. Mas, os que não tiveram o uso moderado, receberam impactos negativos.
 
A pesquisa foi publicada no jornal de Ciências Psicológicas e Ciências Sociais da Universidade.
 
Gadoo

Casos de gripe podem aumentar durante a Copa do Mundo, alertam especialistas

Thinkstock
Casos de gripe podem aumentar durante a Copa do Mundo
Médicos avisam que brasileiros não vacinados estão mais propensos a contrair a doença
 
A gripe é uma doença infecciosa muito comum e altamente contagiosa, que passa de pessoa para pessoa. Apesar de não escolher época do ano para atacar, sabe-se que o vírus influenza está mais presente no outono e inverno. Como a Copa do Mundo vai acontecer exatamente na estação mais fria do ano no Brasil, os especialistas ouvidos pelo R7 já demonstram preocupação de aumento de casos da doença.  
 
A infectologista Rosana Ritchmann, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, lembra que o País deve receber mais de 500 mil turistas do mundo inteiro, “aumentando a circulação de cepas virais”.
 
— Estamos preocupados com a Copa. O vírus da gripe pode ser transmitido em ambientes aglomerados, como os estádios de futebol, por meio de espirros e também objetos contaminados, e sobrevive até 24 horas no ambiente. Além disso, há a possibilidade de o turista trazer consigo novas cepas, que podem se disseminar entre a população não vacinada.
 
A médica acrescenta que até dentro do avião é comum contrair gripe. Um estudo realizado com 54 passageiros de um voo da Nova Zelândia mostrou de 72% das pessoas que estavam na aeronave desenvolveram a síndrome gripal.
 
Para o professor José Cássio de Moraes, da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, a melhor forma de afastar o risco de gripe é tomar a vacina.
 
— O vírus da gripe não tem preconceito, atinge todas as idades e classes sociais. Embora o governo comtemple apenas o grupo de risco, a vacina é indicada para todas as idades a partir de seis meses.
 
Campanha de vacinação
 Este ano a vacina vai imunizar contra duas cepas do vírus influenza A (H1N1 e H3N2) e uma cepa do influenza B — determinadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) por serem capazes de causar doenças graves e mortes em adultos e crianças.
 
Mesmo vacinada, a pediatra Isabella Ballalai, presidente da SBIm-RJ (Sociedade Brasileira de Imunizações do Rio de Janeiro) lembra que a pessoa pode ficar gripada ao longo do ano, já que a vacina protege apenas contra três tipos de vírus.
 
— A pessoa pode ser infectada por um vírus que não faz parte da vacina. Além disso, é importante enfatizar que a imunização não protege resfriado, que muitas vezes é confundido com gripe.
 
Vacina não causa gripe
Segundo os especialistas, a vacina leva 14 dias para começar a fazer efeito e não provoca reações graves. As mais comuns são dor ou vermelhidão no local de aplicação. Para aqueles que não acreditam na imunização por acharem que causa gripe, Rosana faz um alerta.
 
— É impossível causar gripe porque a vacina é produzida com vírus morto, ou seja, inativo. Se a pessoa ficar gripada nas duas semanas após a vacinação, provavelmente já estava com o vírus incubado.

R7

5 vantagens dos abacates em comparação a outras frutas

Conheça alguns benefícios e vantagens no consumo de abacates
Getty Images
Que o abacate é composto por vários nutrientes importantes para o corpo humano todos sabem. Mas os benefícios vão além do que muitos imaginam
 
A fruta é composta por nutrientes e outros elementos que podem ajudar a saúde física e a parte estética. Abaixo você pode conferir 5 vantagens do consumo de abacates em relação a outras frutas.
 
Potássio
O abacate possui mais potássio que uma banana. Ela conta com 487 mg em cada unidade do fruto (grande), enquanto o abacate possui 975 mg.
 
Amadurecimento
Os abacates amadurecem mais rapidamente que uma banana ou maçã. Se armazenados em um saco com uma maçã ou banana, os gases aprisionados vão ajudá-los a amadurecerem mais facilmente.
 
Proteína
Essas frutas contam com proteínas de boa qualidade. O abacate possui 18 das mais importantes proteínas necessárias para os humanos.
 
Substitutos de manteigas
Os abacates em porções corretas podem reduzir o uso de manteiga em receitas, como biscoitos de chocolate, pão de banana e brownies.
 
Cabelo e Pele
Os abacates também contribuem para deixar o cabelo mais saudável e a pele em dia. Os antioxidantes, aminoácidos e óleos essenciais dentro de um abacate ajudam a reparar cabelos danificados, e hidratar a pele. Eles também são benéficos em relação a queimaduras e diminuem o surgimento de rugas.
 
Gadoo

ONU contrata voluntários para campanha contra Aids durante a Copa do Mundo

Reprodução/Campanha Proteja o Gol
Campanha da ONU contra a Aids procura voluntários
Colaboradores vão participar de ações de prevenção e distribuir informativos sobre a doença
 
O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) está contratando voluntários até o dia 5 de maio para atuarem na campanha "Proteja o gol" de ações de prevenção da doença durante a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Os interessados devem ter mais de 18 anos e residir nas cidades que aderiram à campanha - Curitiba, Fortaleza, Recife, Natal, Cuiabá, Salvador, Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Manaus.
 
Para participar, os interessados podem se inscrever na página da campanha na internet. O trabalho será colaborar nas ações de prevenção, distribuindo materiais informativos e preservativos. A organização irá providenciar treinamento e os participantes receberão certificado de participação. A intenção da campanha é trazer o engajamento do futebol para um tema mais sério, informa o diretor executivo do Unaids, Michel Sidibé.
 
— No futebol, os jogadores se unem para atingir resultados. Da mesma forma, como um time  devemos nos unir para alcançar a meta zero em novas infecções por HIV.
 
O objetivo da campanha é usar a popularidade do futebol, especialmente entre o público jovem, para promover a conscientização sobre a prevenção do HIV. O novo embaixador Internacional da Boa Vontade do Unaids é o zagueiro da seleção brasileira David Luiz.

— O mundo estará olhando para o meu país para assistir futebol de excelência durante a Copa do Mundo e essa é, sem dúvida uma ótima oportunidade para o Unaids e eu agirmos em conjunto.

Do total estimado de 35,5 milhões de pessoas vivendo com HIV no mundo, aproximadamente 5,4 milhões são jovens entre 10 e 24 anos. De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil, cerca de 150 mil pessoas vivem com o vírus e não têm conhecimento.
 
R7

Pesquisa da USP desenvolve aparelho que detecta dengue em 20 minutos

Novo aparelho permite diagnosticar a doença em apenas
20 minutos
Cientista espera que o novo método esteja disponível nos próximos dois anos
 
Um aparelho portátil e de baixo custo, desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (USP), é capaz diagnosticar com precisão os pacientes com o vírus da dengue em apenas 20 minutos, já a partir dos primeiros sintomas. A novidade está sendo possível porque um estudo mostrou alta concentração da proteína NS1, produzida pelo vírus.
 
Atualmente, o exame para detectar a doença só pode ser feito no sexto dia, o que faz com que ela seja confundida com outras infecções e nem sempre tratada da forma adequada. A demora no diagnóstico pode levar, especialmente nos casos de reincidência, à morte, como explica o Francisco Guimarães, professor responsável pelo estudo.
 
— O teste convencional não pode ser feito nos primeiros dias, porque ele mede a concentração de anticorpos. [O paciente] tem que ter quadro avançado de dengue. O novo aparelho detecta a proteína já nos primeiros dias.
 
O dispositivo, similar ao que é utilizado na medição de glicemia, funciona da seguinte forma: o anticorpo que reage à proteína NS1 é cultivado na gema do ovo. Em seguida, ele é colocado em alta concentração sobre uma membrana metálica, a qual em contato com o sangue infectado, reage eletricamente.
 
Guimarães destaca que a utilização de ovos de galinha para produzir os anticorpos foi uma das formas encontradas para baratear o custo do produto.
 
— A gente gerou fora do corpo humano, sem usar animal, e isso faz com que o preço fique muito baixo. Apesar de o corpo ter milhões de proteínas, só aquela do vírus da dengue se liga ao anticorpo.
 
O especialista ainda comenta o preço do aparelho, que deve custar entre R$ 100 e R$ 200.
 
— A ideia é que todo posto de saúde, mesmo em lugares mais remotos, possam fazer o teste rápido, sem que o sangue tenha que ser levado para grandes centros. Evita-se a demora no resultado, pois é um teste direto.

O professor espera que, em no máximo dois anos, o dispositivo esteja disponível para venda.
 
— Fizemos o protótipo, mas ele tem que passar ainda pela etapa de desenvolvimento do produto, de validação pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária], de produção e só então a etapa de venda. Esse é o prazo mais otimista.
 
A próxima fase da pesquisa é desenvolver biossensores que identifiquem o tipo de vírus da dengue.
 
R7

Água de quiabo e suco de maxixe podem ajudar contra diabetes

Quiabo
O diabetes é uma doença muitas vezes silenciosa que atinge milhões de pessoas no mundo inteiro

Só para se ter ideia da mortalidade da doença, no Brasil ela mata quatro vezes mais que a aids, segundo dados do Ministério da Saúde.

Se você tem a doença, é muito importante a orientação de um bom médico.

Mas não menospreze o poder da medicina caseira.

Estas duas receitas caseiras que ensinaremos adiante, por exemplo, são poderosíssimas.

Falemos de cada uma delas.
 
A primeira: a água de quiabo
 
O quiabo (Abelmoschus esculentus) é amado ou odiado por muitos por causa da característica de ser bem "pegajoso".
 
Mas é justamente graças à sua "baba" que o quiabo tem muitas propriedades medicinais: é bom para a visão, trata úlcera estomacal, atua contra a asma, normaliza o colesterol, evita o câncer de cólon, combate a prisão de ventre.
 
Outro grande benefício do quiabo é o controle do diabetes e do colesterol.
 
Sem exagero, podemos dizer que o quiabo é o melhor remédio natural para o diabetes.
 
E o segredo é a mucilagem liberada pelo quiabo, conhecida popularmente como "baba".
 
Nela há uma grande concentração de fibras que ajudam a baixar os níveis de glicose no sangue a partir do intestino.
 
Em estudo de 2011 publicado no Journal of Pharmacy and Bio-allied Science, os pesquisadores confirmaram que o quiabo era uma potencial fonte alternativa para o tratamento do diabetes, pois reduziu o nível de açúcar no sangue de forma significativa em animais testados em laboratório.
 
Para fazer a água de quiabo, você vai precisar de 4 quiabos e de 200 ml de água.
 
Corte os quatro quiabos no meio, descartando as pontas, e ponha-os num copo d'água.
 
Tampe o copo. Deixe de molho durante a noite.
 
Na manhã seguinte, retire os quiabos e beba a água.
 
De preferência, tome essa água em jejum e espere meia hora para comer ou beber.
 
Maxixe
A segunda receita é o suco de maxixe
O maxixe (Cucumis anguria L.) é rico em zinco, mineral importante para o bom funcionamento de todos os tecidos do corpo e para o metabolismo do açúcar e de proteínas.
 
Também é fonte de cálcio, fósforo, ferro, sódio, magnésio, vitamina C, vitaminas do complexo B e betacaroteno (pró-vitamina A).
 
Por ser rico em zinco, auxilia no combate e na prevenção dos distúrbios da próstata; diminui o depósito do mau colesterol; elimina manchas brancas nas unhas e ajuda na cicatrização de ferimentos diversos.
 
É muito útil nos casos de cálculo renal, hemorroidas, inflamação dos rins e vômito.
 
Como no cozimento quase todo o zinco se perde, é bom comer o maxixe cru, em salada e em suco (sugestões: maçã, cenoura e maxixe; maçã e maxixe; maçã, salsão e maxixe; laranja e maxixe).
 
O suco de maxixe é um santo remédio para quem tem diabetes, faça o teste e comprove.
 
A receita e o tratamento são muito simples.
 
Raspe um maxixe e corte-o ao meio.
 
Adicione 1 copo d'água e bata tudo no liquidificador por cinco minutos, coe e beba.
 
Tome esse suco duas vezes por dia: em jejum e 30 minutos após o jantar.
 
A cura pela natureza

Criança transmite o vírus da gripe pelo dobro de tempo de um adulto, diz infectologista


Thinkstock
Criança transmite o vírus da gripe por até 14 dias, diz médica
Neste ano, governo vai oferecer vacina para crianças de seis meses a cinco anos
 
A gripe é a maior causa de hospitalização em crianças do que qualquer outra doença que se previne por vacinação. Segundo o Ministério da Saúde, 4.396 crianças entre um e quatro anos foram internadas em 2013. Como o vírus influenza é altamente contagioso, cada vez que o pequeno fica doente, é comum pais, irmãos e pessoas próximas também adoecerem, explica a infectologista Rosana Ritchmann, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas.
 
— A criança transmite o vírus da gripe por até 14 dias após o início dos sintomas, ou seja, pelo dobro de tempo de um adulto.
 
Para evitar que os colegas de sala de aula também sejam contagiados pelo vírus, a recomendação é que a criança fique em casa, o que na maioria das vezes implica em absenteísmo (falta) dos pais ao trabalho para cuidar dos filhos doentes.
 
— Por isso, a vacinação é a melhor forma de prevenir a doença e indiretamente proteger também as pessoas que convivem com as crianças.
 
Neste ano, o governo federal ampliou a faixa etária e a campanha contra a gripe vai vacinar crianças de até cinco anos. Até o ano passado, foram vacinadas apenas crianças entre seis meses e dois anos. Além dos pequenos, vão receber a vacina gratuitamente idosos, gestantes, mulheres em período de puerpério (até 45 dias após o parto), índios, profissionais e trabalhadores da área da saúde e pacientes crônicos.
 
Embora a imunização esteja contraindicada para bebês com menos de seis meses, o professor José Cássio de Moraes, da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, reforça que “gestante imunizada automaticamente imuniza o bebê”.
 
— A vacina não traz nenhum prejuízo para o feto, pelo contrário, vai protegê-lo por meio da mãe. Além disso, a chance de uma grávida ficar hospitalizada por causa de gripe é sete vezes maior se comparado às não grávidas em idade reprodutiva.
 
Vacina não causa gripe
Muita gente ainda é resistente a aderir à vacina por acreditar que ela causa gripe. Rosana enfatiza que “a imunização é produzida com vírus inativos, tornando-se impossível desencadear a doença”.
 
— A gripe até pode aparecer porque a vacina só começa a agir após 14 dias da aplicação, mas não é ela a causadora. O vírus pode já estar incubado, ou ser um simples resfriado que a vacina não protege ou a pessoa ser acometida por algum vírus que não esteja contemplado na vacina.
 
Como a vacina não consegue contemplar todos os tipos de vírus que circulam no hemisfério sul, a OMS (Organização Mundial da Saúde) orienta priorizar os de maior circulação, ou seja, duas cepas do vírus influenza A (H1N1 e H3N2) e uma cepa do vírus influenza B. Em média, sua efetividade é de 70% a 90% em adultos saudáveis entre 18 e 59 anos.
 
De acordo com estimativas da OMS, a gripe atinge entre 5% a 10% da população mundial todos os anos, provocando de três a cinco milhões de casos graves no mundo e levando a morte entre 250 a 500 mil pessoas.
 
Além da vacina, alguns hábitos podem ajudar a prevenir gripes e resfriados, entre eles, lavar bem as mãos várias vezes por dia, usar lenço de papel ao tossir ou espirrar e evitar o contato com pessoas doentes e compartilhar os mesmos objetos, orienta a infectologista.
 
— É preciso saber diferenciar gripe, resfriado e quadros causados por influenza. Praticamente não existe gripe sem febre e tosse, o que é ausente no resfriado. Já em casos de influenza o paciente apresenta sintomas como mal-estar, dor muscular e febre.
 
A médica acrescenta que a gripe é uma doença muito transmissível, especialmente em ambientes com aglomeração de pessoas e costuma aumentar no inverno devido ao clima frio e seco.
 
 
R7

Perfume e maquiagem em excesso podem atrapalhar no ambiente de trabalho

Anmfoto
Não ao exagero: no trabalho, mulheres devem evitar maquiagem
 carregada e apostar em tonalidades neutras e que condizem
 mais com a ocasião
Cheiro de cigarro, roupas inadequadas e mau hálito entram na lista do que incomoda e afeta desempenho dos funcionários
 
Perfume forte, cheiro de cigarro, maquiagem exagerada, roupas inadequadas, mau hálito e cheiro forte de suor. No ambiente de trabalho, estas podem ser situações incômodas e atrapalhar o desempenho dos funcionários, desviando a atenção e até provocando irritação de colegas.
 
O iG conversou com especialistas, que deram dicas para não errar no dia a dia ou mesmo em uma entrevista de emprego.
 
De acordo com Luci Molina, uma das autoras do livro “Guia de estilo para candidatos ao poder: e para quem já chegou lá” (Editora Senac), tudo depende do ambiente de trabalho.
 
Para a escritora, tudo que chama mais a atenção do que o próprio desempenho do funcionário deve ser evitado. Além disso, o subconsciente dos colegas de trabalho assimila características que trazem aversão, fazendo com que queiram se afastar.
 
As mulheres devem evitar maquiagem carregada, sapatos barulhentos, roupas com transparência e decotes muito ousados. Joias e maquiagens exageradas também podem passar uma impressão indesejada no ambiente profissional.
 
Unhas limpas, atenção com um possível problema de caspa, fugir das roupas amassadas e mal cuidadas (manchadas ou descosturadas) são sugestões que valem também para os homens, assim como o cuidado com o desodorante. Manchas de suor na roupa ou mau cheiro são problemas facilmente notados pelos colegas de trabalho.
 
Segundo a especialista, apenas quem está a menos de um metro pode sentir seu perfume, além de quem o abraça ou o cumprimenta. “Alguém que tem rinite, por exemplo, pode se sentir incomodado. O ideal é sempre pensar nos outros”, sugere Luci.
 
Afinal, você não quer se tornar referência como aquela que deixa um rastro de perfume quando anda pelo escritório. Ou então ser motivo de piada porque seu terno preto está todo marcado por camadas de caspa.
 
Como reagir ao incômodo
Para quem se sente incomodado, só resta a boa e velha sinceridade – com uma abordagem delicada. Se há algo que não está agradando e afeta outras pessoas, o ideal é conversar com o colega de trabalho de maneira educada e propor soluções para o problema.
 
Por exemplo, usar menos perfume – ou até mesmo uma fragrância mais fraca –, indicar um bom tutorial de maquiagem ou até mesmo um bom xampu para caspa. “De repente, até melhora o jeito que você enxerga a pessoa”, afirma Luci. “A elegância suprema é a boa educação”, completa.
 
A autora do livro propõe uma reflexão. “Você contrataria alguém que chega com sapato fazendo barulho, perfume exagerado e maquiagem muito forte, se essa pessoa vai ficar sentada do seu lado o tempo todo?”, pergunta. Para a escritora, uma imagem boa passa seriedade, até por ser a primeira impressão em uma entrevista de emprego.
 
5 dicas para não extrapolar os limites da etiqueta empresarial
 
HomensMulheres
Fazer e aparar a barba com frequênciaUsar maquiagem neutra, sem exageros
Manter as unhas bem cortadas e limpasEvitar decotes, roupas curtas e justas
Não exagerar no perfumeNão exagerar no perfume 
Tratar a caspa (para os dois)Evitar sapatos barulhentos
Usar meias da cor do sapato ou da calça que está usandoNão exagerar nas joias e bijuterias

* Dicas de Ilana Berenholc, Luci Molina e Ana Candida Machado

Segundo Ilana Berenholc, CEO da empresa Ilana Berenholc Consultoria de Imagem, a vestimenta e o cuidado pessoal afetam a maneira como se é percebido no ambiente de trabalho. A especialista indica que é fundamental entender os códigos visuais e o grau de formalidade em cada área de atuação. “Se é algo que não está alinhado com a empresa ou área de atuação, pode gerar dúvidas quanto ao profissionalismo e competência”, conta Ilana.
 
Quanto aos aromas em excesso, o espaço pessoal das pessoas ao redor deve ser respeitado, para a especialista, já que cheiros fortes podem incomodar bastante, particularmente pessoas alérgicas. Uma opção de tipos de fragrâncias mais suaves são Eau de Toillete, Eau Fraiche ou Eau de Cologne. “Menos é mais, certamente”, afirma.
 
Para Ana Candida Machado, especialista em comunicação pela imagem e diretora da Your IDesign, a dica para as mulheres é apostar em uma maquiagem neutra e evitar cores fortes. O mesmo para estampas de roupas muito exageradas e com tonalidades muito marcantes. “Cores e estampas extravagantes podem passar uma imagem inadequada ao seu conteúdo e ao seu trabalho”, diz.
 
Fumantes podem incomodar
Assim como com os perfumes, em que a indicação é usar fragrâncias mais suaves , o cheiro de cigarro também pode incomodar, mesmo que o fumante vá a um local arejado. “O cheiro de cigarro fica impregnado na roupa. Assim como há pessoas que têm alergia a perfume, também há as alérgicas a esse odor”, afirma Ana Candida. Aqui, o bom senso é sempre um bom aliado. A diretora da Your IDesign indica que os fumantes diminuam a quantidade de cigarros e andem sempre com uma bala de hortelã, pois algumas pessoas se incomodam com o hálito e o cheiro da roupa.
 
No caso dos homens, a diretora da Your IDesign sugere fazer a barba com frequência ou cuidar bem e aparar, além de ter um cuidado extremo com as unhas e mantê-las limpas e cortadas. Mulheres com as unhas exageradamente compridas também podem desagradar.
 
iG

Conheça os alimentos e dois cardápios que protegem o coração

Getty Images
Salmão, atum e sardinha são os peixes mais indicados para
 proteger o coração
Alguns alimentos têm o poder de melhorar a saúde do músculo cardíaco. Saiba quais são eles e aprenda a inseri-los nas refeições do dia a dia
 
Azeite, alho, linhaça, produtos integrais e aveia apresentam uma semelhança positiva. Se consumidos em quantidades ideais, todos eles ajudam a melhorar a saúde do coração.
 
A dieta ideal para o cardíaco – e também para quem não quer entrar para a estatística dos que sofreram panes no principal músculo do organismo – deve ser composta principalmente dos chamados "alimentos cardioprotetores".
 
Eles são compostos por bioativos com ação sobre a diminuição da pressão arterial, do colesterol LDL (conhecido como colesterol ruim), triglicérides e sobre o controle do peso. Também contribuem na melhora do HDL (colesterol bom) e a diminuição da agregação plaquetária, que é responsável por controlar a boa circulação sanguínea para evitar coágulos e acidentes vasculares cerebrais (AVC).
 
- Salmão, atum e sardinha são os peixes mais indicados para proteger o coração
 
- Chá verde é outro amigo dos cardíacos
 
- Chocolate escuro: maior teor de cacau (amargo) traz benefícios ao coração
 
- O azeite também é muito recomendado pelos cardiologistas
 
- O alho, em especial para temperos, é outro escalado para a dieta dos cardiopatas
 
- Ele é calórico, mas o abacate em doses certas só ajuda o coração
 
- Aveia, mesmo misturada aos pratos quentes, é ótima protetora
 
- A soja também é queridinha dos cardiologistas
 
- O iogurte, principalmente o natural e sem açúcar, é muito recomendado
 
- O tomate é cheio de substâncias que protegem o coração
 
- A uva também é aliada, seja o suco ou o vinho, desde que em doses controladas
 
Para ajudar na tarefa de fazer da alimentação uma aliada da saúde cardíaca, veja dois cardápios recheados de comidas cardioprotetoras. É só conferir.
 
Opção 1
 
Café da Manhã:
- Pão francês pode ser substituído por pão integral, bolacha de água e sal ou torrada com margarina com fitosteróis (para diminuição do colesterol ruim)
 
- Leite desnatado ou queijo branco, leite de soja, ou iogurte natural
 
- Pode-se substituir café por chá verde. Cereais, ou aveia
 
Lanche da manhã: fruta da época ou suco natural (uva, ou suco de uva)
 
Almoço e jantar:
- Arroz (preferencialmente integral) ou batata ou mandioca ou milho ou inhame ou cará. Feijão pode ser trocado por ervilha, soja, grão-de-bico, ou lentilha
 
- Carnes magras e grelhadas, cozidas e assadas, preferencialmente frango ou peixe
 
- Ovo cozido ou omelete. Incluir legumes crus e cozidos como: tomate, cenoura, beterraba, nabo, rabanete, abobrinha, abóbora, chuchu, berinjela, quiabo, vagem, pepino, jiló. A sugestão é que sejam temperados com um pouco de azeite e alho
 
- Verduras cruas e cozidas como: alface, acelga, agrião, escarola, mostarda, espinafre, couve, rúcula ou almeirão
 
Importante: Uma colher de farinha de linhaça na refeição do almoço ajuda a diminuir a absorção de gorduras e carboidratos
 
Lanche da tarde:  fruta ou suco natural
 
Lanche da noite:  chá e torradas. Substituir o pão francês por pão integral
 
Opção 2
 
Café da manhã: iogurte com morangos e cereais sem açúcar, ou vitamina de leite de soja com aveia em flocos e banana, ou leite desnatado com pão integral e margarina light.
 
Almoço ou jantar:
Salada verde com abacaxi e azeite para temperar. Arroz (preferencialmente integral), ou batata cozida, ou purê de mandioca ou purê de mandioquinha. Feijão ou vinagrete de grão (lentilha, soja, feijão branco ou ervilha). Filé de peixe assado empanado com linhaça e gergelim, ou filé de frango grelhado. Tomate recheado com queijo branco ou legumes cozidos (cenoura, beterraba, chuchu, abobrinha). Suco de laranja com couve. Queijo branco com geleia de goiaba sem açúcar ou fruta da época
 
Lanche da tarde:  abacate ou fruta com farinha de linhaça, ou suco de limão com água de coco
 
Ceia:  chá verde com suco de maracujá
 
Sugestão de lanches saudáveis: Pastel assado de berinjela, sanduíche de pão integral com atum enlatado em água e sal, cebola e alface. Sopa de abóbora com gengibre.

iG