Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


domingo, 9 de setembro de 2012

Garotas com TDAH correm maior risco de suicídio

 

É isto que afirma um estudo recente feito pela Universidade da Califórnia, e que acompanhou quase 230 meninas com idades entre seis e 12 anos no início da pesquisa que durou uma década.

Os dados dos pesquisadores indicam que mulheres jovens diagnosticadas com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) têm o risco aumentado em até quatro vezes para o suicídio ou para se machucar seriamente na tentativa de tirar a própria vida.

“O TDAH pode indicar um problema psicológico futuro que leve a pensamentos suicidas, especialmente na idade de final da adolescência e início da vida adulta. Nossos resultados apontam que as mulheres, em especial, estão em maior risco”, diz Stephen Hinshaw, um dos autores da pesquisa.

Após os dez anos de coleta de dados os pesquisadores fizeram uma análise final com as garotas envolvidas, chegando a conclusões que deram origem a diversos artigos científicos, entre eles o presente, publicado no periódico Journal of Consulting and Clinical Psychology.

O time de pesquisadores indicou que quase 22% das garotas com TDAH, contra 8% do grupo controle (sem a condição) haviam tentado o suicídio durante o período da pesquisa. Aquelas que haviam se machucado seriamente com a intenção ou pensamentos suicidads chegou a 51% contra 19% no grupo controle

“As garotas e mulheres com TDAH parecem internalizar mais alguns tipos de problemas, procurando comportamentos que trazem risco de integridade física e de vida, assim como mostram maior impulsividade e indicam ter menor controle sobre as próprias ações. Estes sintomas podem ser indícios de problemas que descrevemos em nossa pesquisa”, finalizam os autores.

Fonte O que eu tenho

Seios flácidos e caídos: saiba como prevenir

Desbanque mitos e descubra as reais causas da flacidez das mamas

Toda mulher sofrerá com a gravidade dos seios quando ficarem mais velhas - certo? Não é bem assim. Segundo o cirurgião plástico Romeu Frisina Filho, o fator genético é o que mais pesa na sustentação dos seios. "Com a idade mais avançada, irá acontecer a flacidez de todos os tecidos do corpo e, consequentemente, das mamas, mas há mulheres idosas que podem ter mamas ainda muito firmes e bem posicionadas, por causa da sua genética", explica.

Além da hereditariedade, há uma série de hábitos que podem acelerar ou retardar o caimento natural, que vão desde fumar e perder peso até tomar sol. Confira o que especialistas recomendam para ter seios mais firmes e empinados, e desbanque alguns mitos, como o de que amamentação faria o peito ficar "caído".
 
Mãe amamentando o bebê - Foto: Getty ImagesAmamentação
A afirmação de que amamentar faz as mamas caírem é controversa. Uma pesquisa da Universidade de Kentucky, nos EUA, por exemplo, indica que o aleitamento não necessariamente aumenta a flacidez.

O cirurgião Romeu Frisina explica que, durante a amamentação, ocorre um aumento da glândula mamária com produção e acúmulo de leite, aumento do tecido gorduroso e consequente estiramento da pele. "Com o término deste período, poderá haver uma involução da estrutura mamária e da pele, ou seja, uma atrofia que pode apresentar graus diferentes, podendo apresentar mais ou menos flacidez", afirma.
                    
Mulher fumando - Foto: Getty ImagesTabaco: cuidado com ele!
O mesmo estudo da Universidade de Kentucky aponta que o vilão da saúde dos seios pode ser o tabaco. Segundo os pesquisadores, há substâncias do fumo que quebram a proteína elastina, que forma as fibras elásticas da pele e é responsável por deixá-la firme e saudável.

"Tanto o tabaco como o álcool são prejudiciais, pois alteram a circulação sanguínea e os níveis de oxigênio que chega aos tecidos, o que faz com que o metabolismo das glândulas e da pele da mama fique prejudicado", conta Romeu Frisina.
 
Sutiã - Foto: Getty ImagesO uso do sutiã é dispensável?
Nem sempre. Como o efeito da gravidade favorece a queda das mamas, mulheres com seios muito grandes podem se beneficiar da sustentação fornecida pelo uso do sutiã. O uso dessa peça íntima durante o sono, no entanto, não é um fator importante para a prevenção da flacidez. "É desnecessário dormir com sutiã, a não ser que a mulher tenha as mamas grandes e sinta-se mais confortável ao dormir com ele", afima Romeu Frisina.
 
FRutas e verduras - Foto: Getty ImagesFrutas e verduras no cardápio
É preciso variar a alimentação com boas fontes de nutrientes que ajudam na produção de colágeno e elastina, proteínas que dão sustentação à pele e evitam a flacidez. "Uma dieta balanceada é importante para saúde como um todo e influencia a pele também", afirma a dermatologista Juliana de Andrade, de São Paulo. Alimentos com vitaminas A e C, cobre, zinco e cálcio são boas opções. Já alimentos ricos em açúcar e carboidratos simples devem ser moderados, pois podem acelerar o processo de envelhecimento da pele.
 
Mulher tomando sol - Foto: Getty ImagesExcesso de sol
A exposição solar é importante para deixar a pele saudável ? mas desde que com moderação. "A radiação ultravioleta acelera o processo de degeneração das fibras colágenas e pode influenciar negativamente a flacidez", alerta a dermatologista Juliana Andrade. A recomendação da dermatologista Ediléia Bagatin, da Unifesp, é evitar exposições muito longas e em horário de sol forte (das 10h às 16h), além de passar protetor solar diariamente nas partes expostas do corpo, incluindo os seios.
 
Mulher correndo - Foto: Getty ImagesCorrida e outros esportes
"Oriento as minhas pacientes a usarem um top bem justo quando praticam este tipo de esporte, bem como outras atividades físicas", alerta o cirurgião plástico Romeu Frisina. O balanço dos seios ao correr força as estruturas de sustentação das mamas, o que pode provocar flacidez se a intensidade do exercício for acentuada.
Mulher que emagreceu demais - Foto: Getty ImagesCuidado com a perda de peso
Perder muito peso ou emagrecer e engordar a toda hora - o famoso "efeito sanfona" - pode prejudicar a elasticidade da pele. "As mamas também têm tecido gorduroso, que aumenta quando a mulher engorda e diminui quando ela emagrece", conta Romeu Frisina. Se esse estiramento da pele for muito brusco ou frequente, pode destruir as fibras elásticas. "Com isso, a pele não retrai mais e fica fina, frouxa e distendida, assim como os ligamentos que seguram a glândula mamária, que ficam alongados e frouxos, resultando na flacidez", esclarece.
 
Fonte Minha Vida

Fumar agrava os riscos de aneurisma cerebral

Cinco anos após largar o vício, risco se torna equivalente ao de não fumantes

Fumar aumenta e muito o risco de hemorragia potencialmente fatal causada por um aneurisma, aponta um novo estudo. Aneurisma é uma protuberância ou inchaço que ocorre em um vaso sanguíneo quando sua parede está enfraquecida. A chance de sobreviver ao rompimento de um aneurisma é de 50%, sendo que a maior parte dos sobreviventes costuma carregar sequelas para o resto da vida. A descoberta foi publicada no Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry.

Para a pesquisa, um especialista da Seoul National University Hospital, na Coreia do Sul, e colegas compararam 426 pessoas que haviam sofrido hemorragia cerebral entre 2002 e 2004 com 426 que não haviam tido o problema. A idade média dos voluntários era de 50 anos.

O grupo afetado por hemorragia cerebral apresentava mais adeptos do tabagismo além de indivíduos de famílias com histórico de derrame ou pressão alta do que o outro grupo. Cerca de 38% das vítimas de hemorragia eram fumantes, enquanto que apenas 24% dos voluntários do segundo grupo fumavam.

Após levar em conta o peso dos participantes, a ingestão de sal e o histórico familiar de diabetes, os pesquisadores concluíram que fumantes tinham um risco quase três vezes maior de sofrer hemorragia cerebral do que não fumantes. O tempo de uso do cigarro e o número de cigarros também influencia o risco.

Cinco anos após largar o vício, entretanto, o risco de sofrer uma hemorragia pelo rompimento de um aneurisma era o mesmo de não fumantes. O mesmo não acontece com quem fuma 20 cigarros ou mais por dia. Neste caso, o risco de hemorragia permanecia duas vezes maior mesmo após cortar o mau hábito.

Dicas para parar de fumar
Largar o vício é um dos maiores desafios na vida de um fumante. Por isso, recaídas são extremamente comuns, já que nas primeiras semanas é difícil controlar a vontade de dar uma tragada.
 
A seguir, confira dicas para cortar o cigarro da sua vida.

1. Evite tentações
Pelo menos nos primeiros dias sem cigarro, evite ficar em ambientes em que muitas pessoas fumem. Afinal, testes de resistência como esse não costumam ajudar o tabagista. Com o tempo, fica mais fácil conviver com quem fuma sem passar vontade.

2. Acabe com a rotina
Para muitos, fumar faz parte da rotina, assim como lavar o rosto ao acordar ou escovar os dentes antes de dormir. Por isso, engane a vontade de pegar um cigarro mudando o dia a dia.

3. Mude o foco
Nos primeiros dias sem fumar, o tabagista tem picos de vontade extremamente perigosos. Nesses momentos, a melhor saída é buscar se concentrar em outra atividade. Escove os dentes, beba um copo de água ou invista em outra atividade que exija que você preste atenção no que está fazendo.

4. Busque apoio
Envolver amigos e familiares em uma mesma meta ajuda a alcançar o objetivo. Desta maneira, um incentiva o outro e o grupo ganha força como um todo.

Fonte Minha Vida

Menina de 7 anos pega doença de esquilo morto durante viagem com a família

Conhecida popularmente como peste negra, doença teve sua pandemia no fim da Idade Média

Sierra Jane Downing, de apenas 7 anos, começou a se sentir mal dias depois de retornar de uma viagem com a família, em um acampamento no sudoeste do Colorado, Estados Unidos. Devido à febre alta, os pais pensaram que fosse uma simples gripe, mas os médicos desconfiaram que pudesse ser peste bubônica, também conhecida como peste negra. As informações são do Daily Mail.

Exatamente por ser uma doença rara nos dias de hoje, o diagnóstico não é fácil de ser feito. A Dra. Jennifer Snow, que cuidou da garota, comenta que nunca tinha visto um caso como este fora dos livros científicos.

— Você aprende sobre isso na faculdade durante a aula de microbiologia, mas eu nunca tinha visto um caso como este antes. Se ela tivesse ficado em casa, poderia facilmente ter morrido.

Para a equipe médica, Sierra contraiu a doença a partir de um esquilo morto. Devido aos sintomas, a médica explica que a peste pode ser facilmente confundida com outras patologias.

— Sierra chegou ao hospital com alta frequência cardíaca e baixa pressão arterial. Tudo apontava originalmente para sinais do que chamamos de choque séptico.

A peste negra ficou muito conhecida no fim da Idade Média porque matou 25 milhões de pessoas na Europa. Segundo os médicos, sem tratamento a praga mata em torno de dois terços das pessoas infectadas em até quatro dias.

Desde 2006, nenhum caso de peste bubônica em ser humano foi registrado no Colorado. Autoridades federais de saúde garantem que apenas sete casos são relatados nos EUA a cada ano.

Fonte R7

Garotinho fanático por futebol faz 40 cirurgias para tirar “água no cérebro”

Doença é causada por um cisto que incha o cérebro e faz pressão no crânio

Laughlan Dougall, de 10 anos, já passou por 40 cirurgias para tentar curar uma dor de cabeça que já dura há 8 anos — o garoto de Cambuslang, Inglaterra, sofre de dores no cérebro desde os dois anos.

Os médicos diagnosticaram um cisto aracnoide lobo frontal, um crescimento que incha o cérebro e faz pressão no crânio, causando dores de cabeça constantes.

Desde então, em média, Laughlan passa por uma operação a cada dois meses para drenar o líquido para expandir o seu crânio, segundo o site Daily Mail.

Os médicos fizeram uma conexão entre o cérebro e o estômago do garoto para o fluído do cisto escorrer, mas como esse desvio sofre algumas falhas, a equipe médica precisa mudar essa “ligação” regularmente.

Devido ao número de operações, Laughlan também desenvolveu hidrocefalia, conhecida também como “água no cérebro”.

Apesar de ser fanático por futebol, o garoto ainda não está em condições em jogar, assim como, frequentar a escola todos os dias.

Em outubro do ano passado, Laughlan passou por uma cirurgia para remover um osso de seu crânio para dar mais espaço ao cérebro. No entanto, esse procedimento não obteve resultado.

Hoje o garoto está encabeçado em uma campanha para arrecadar dinheiro para as crianças que sofrem da mesma doença que ele.

Fonte R7

Crise de enxaqueca pode ser tratada com sexo

Estudo mostra que não só relação íntima como também a prática de exercício e uma boa noite de sono podem ser a solução

Um estudo da Sociedade Brasileira de Cefaléia descobriu que as pessoas que sofrem de enxaqueca encontram solução para seu problema na pratica do sexo, de exercícios e com uma boa noite de sono.

A união desses três aumenta a endorfina no cérebro, o que ajuda no controle da doença. Mas ainda segundo a pesquisa, é necessário que a pessoa que sofre deste mal também seja medicada com pequenas doses de remédios não-analgésicos, como os utilizados no tratamento da depressão, pressão alta e tonteira. O medicamento equilibra os neurotransmissores do cérebro afetados com a doença.

Fonte R7

Gordura trans está com os dias contados

Cientistas da USP criam salgadinho que substitui trans por nutriente capaz de proteger o intestino

Responsável pelo aspecto crocante das frituras e rainha absoluta do preparo de bolachas recheadas, sorvetes e batatas fritas, a gordura trans dá adeus. Durante cinco décadas esse ácido graxo aumentou o prazo de validade de inúmeros alimentos industrializados.

Atualmente, um olhar atento nas embalagens deixa claro que a trans foi riscada de muitos pacotes. E estudiosos asseguram que ela não voltará mais.

Cientistas da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo criaram um salgadinho que, em vez de trans, oferece um nutriente capaz de proteger o intestino. A mudança começa no processo de aromatização, que dá cheiro e sabor ao produto.

Para o preparo dos alimentos, é usado um composto não oleoso, rico em fibras que substitui com sucesso a trans. Esse ingrediente é à base de inulina e oligofrutose. Ou seja, estimula bactérias benéficas da flora intestinal, combatendo a prisão de ventre.

E uma boa notícia: a novidade foi aprovada pelos consumidores. O salgadinho apresenta as mesmas características dos similares encontrados no mercado, sem fazer mal à saúde!
 
Fonte R7

Desde que não sejam aquecidos demais, óleos de canola, girassol e milho não fazem mal à saúde

Óleos vegetais em temperatura ambiente contribuem para a diminuição do colesterol ruim

Eles são indicados para temperar a salada, preparar o arroz, feijão, carne, aves, peixes, verduras e legumes. A principal vantagem desses óleos vegetais é que contêm substâncias antioxidantes que ajudam a combater a formação de radicais livres, reduzindo os riscos de doenças degenerativas, como o câncer.

Por serem ricos em gordura mono e poliinsaturada, esses óleos vegetais contribuem também para a diminuição do colesterol ruim (LDL) no sangue. Mas os estudiosos fazem um alerta: todo seu benefício vai por água abaixo quando esses óleos são submetidos a altas temperaturas.

Uma vez utilizados para fritura, a gordura boa contida neles se transforma em saturada e diminui o bom colesterol, HDL.

Fonte R7

Dificuldade para dormir pode ser sintoma inicial de Alzheimer

Acredita-se que componente da doença seja a formação de proteína no cérebro

Dormir mal pode ser uma indicação inicial de Alzheimer, aponta um estudo realizado em camundongos na universidade de Washington.

Acredita-se que um componente chave da doença seja a formação de placas de proteína no cérebro.

No estudo divulgado na publicação científica Science Translational Medicine, os pesquisadores mostraram que os camundongos têm o sono interrompido quando essas placas começam a ser formadas.

Especialistas dizem que se a relação entre esses dois fatores for comprovada, a informação pode ser uma importante ferramenta para o tratamento da doença.

É consenso na literatura médica de que quanto mais cedo se descobrem os sinais de Alzheimer, mais efetivo tende a ser o tratamento contra a doença.

Portadores da enfermidade não apresentam problemas de memória ou clareza de pensamento até estágios mais avançados e, quando isso ocorre, partes do cérebro já foram destruídas, dificultando ou mesmo impossibilitando o tratamento.

Os níveis de proteína amilóide oscilam naturalmente, tanto em camundongos quanto pessoas, ao longo de um período de 24 horas. Mas, com o Alzheimer, tais placas são formadas permanentemente.

Na pesquisa conduzida em Washington, os pesquisadores afirmaram que camundongos de hábitos noturnos costumam dormir 40 minutos a cada hora, mas tão logo as placas começam a ser formadas, o período de sono é reduzido para 30 minutos. Um dos pesquisadores, David Holtzman, disse:

— Se estas anormalidades começam cedo assim no desenvolvimento do Alzheimer humano, elas podem nos fornecer um sintoma facilmente perceptível (da doença).

Mas descobertas em camundongos nem sempre são aplicáveis a humanos e podem existir outros motivos para a interrupção do sono.

Especialistas dizem que são necessários mais estudos para que se tenha uma visão mais clara do problema.

Fonte R7

Lei uruguaia transforma população em potencial doadora de órgãos

A Câmara dos Deputados uruguaia aprovou em caráter definitivo uma lei que transforma toda a população do país em doadora potencial de órgãos, exceto se o indivíduo manifestar oposição em vida, informou o Parlamento.

O projeto, que contou com o apoio de legisladores de todos os partidos políticos, agora deve ser promulgado pelo Poder Executivo.

Segundo o texto, "toda pessoa maior de idade que, em pleno gozo de suas faculdades, não tiver expresso oposição a ser doadora por alguma das formas previstas (...), se presumirá ter consentido na ablação de seus órgãos, tecidos e células em caso de morte, para fins terapêuticos ou científicos".

Caso se trate de menor de idade ou pessoa incapaz, o consentimento deverá ser dado por seu representante legal, após constatado o falecimento.

Uma proposta apresentada por alguns deputados para que os familiares tenham a possibilidade de se opor à doação acabou não avançando.

Até agora, a lei de 1971 que regulamentava a doação de órgãos no Uruguai previa que são doadoras as pessoas que tiverem declarado em vida o desejo de sê-lo ou através do consentimento de familiares após seu falecimento. Desde 2003, estipula-se que são supostos doadores aqueles que morrerem de causa violenta que demande perícia de médico legista.

A entrada em vigor da norma ocorrerá ao completar um ano de sua promulgação.

Fonte R7

Estudos revelam mais funções do DNA

Onze anos atrás, quando o primeiro rascunho de sequenciamento do genoma humano foi publicado, uma das maiores surpresas foi constatar que apenas 2% das 3 bilhões de “letras” químicas que o compõem correspondem a genes propriamente ditos. Os outros 98% foram apelidados de “DNA lixo”, por não ter função conhecida no corpo.
 
Mais de uma década de ciência depois, mais de 30 trabalhos publicados simultaneamente em quatro revistas científicas de peso, incluindo Nature e Science, descartam em definitivo o apelido pejorativo, confirmando várias evidências acumuladas ao longo dos anos de que o “DNA lixo”, na verdade, é valioso.
 
A geneticista Mayana Zatz, coordenadora do Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo (USP), acredita que os dados abrirão muitas perspectivas de tratamento, apontando para novos alvos genéticos e melhorando o entendimento de como o genoma funciona.
 
Uma das áreas médicas que certamente tirará proveito dos dados é a oncologia, na qual a relação entre genética e fisiologia se dá de forma mais acentuada. Os resultados, oriundos do projeto Enciclopédia de Elementos de DNA (Encode, na abreviatura em inglês, que significa “codificar”), indicam que mais de 80% do genoma humano têm algum tipo de função bioquímica operacional. “Eu diria que o termo ‘DNA lixo’ pode ser definitivamente jogado no lixo”, diz a geneticista Mayana.
 
Dentro do que se chamava de lixo, os pesquisadores do Encode encontraram uma riqueza milionária de sequências chamadas reguladoras, que não codificam proteínas diretamente, mas interagem de alguma forma com o funcionamento dos genes. Algumas funcionam como interruptores, ligando ou desligando genes. Outras, como um botão de volume: aumentando ou diminuindo a intensidade com que eles se expressam.
 
É esse maquinário regulatório que permite ao ser humano ser uma espécie biologicamente tão complexa com “apenas” 20 mil genes - bem menos do que um grão de arroz. “
 
O genoma humano é muito mais complexo do que imaginávamos”, diz Mayana. “Estão confirmando a suspeita de que essas sequências também têm um sentido biológico enorme”, reforça Dirce Maria Carraro, diretora do Laboratório de Genômica e Biologia Molecular do Hospital A.C. Camargo. Medicina O projeto Encode, criado em 2003 para estudar o funcionamento do genoma, já consumiu US$ 185 milhões. Mais de 440 pesquisadores, de 32 laboratórios, participam dos trabalhos em vários países.
 
Um dos principais líderes do consórcio é o pesquisador John Stamatoyannopoulos, da Universidade de Washington, um dos principais centros de pesquisa genômica do mundo.
 
Os especialistas ressaltam, porém, que os novos dados ainda não têm utilidade imediata para a Medicina.
 
Nos próximos anos, os cientistas devem descobrir aplicações para as descobertas.

Fonte R7

Displasia óculo-aurículo-vertebral (Síndrome de Goldenhar)

A Displasia óculo-aurículo-vertebral (também chamada de Síndrome de Goldenhar) é uma desordem de desenvolvimento rara, relacionada a um defeito genético e que pode causar graves anomalias na coluna vertebral e também assimetria facial.

Foi descrita pela primeira vez por Goldenhar (em 1952) como uma combinação de tumores epibulbares dérmicos, apêndices peri-auriculares e pavilhões auriculares com má formação[1].

Diagnóstico
O diagnóstico geralmente é feito durante o período gestacional mediante ecografia fetal e, após o nascimento, com o uso de ressonância magnética nuclear, ou radiografias.

Causas
A causa da síndrome de Goldenhar é em grande parte desconhecida. No entanto, pensa-se ser multifatorial embora possa haver um componente genético que seria responsável ​​por certos padrões familiares. Tem sido sugerido que há um desenvolvimento tardio do arco branquial no final do primeiro trimestre da gestação.

Tratamento
O tratamento é normalmente confinado a intervenção cirúrgica, pois pode ser necessário para ajudar a criança a desenvolver por exemplo a distração da mandíbula com enxerto ósseo, dermóide ocular, citorredução, reparação da fenda palatina, cirurgia de reparação da coluna vertebral, etc. Alguns pacientes com síndrome de Goldenhar necessitarão de aparelhos auditivos ou óculos.

Sinonímia
  • Síndrome do primeiro arco branquial
  • Síndrome do primeiro e segundo arco branquial
  • Microssomia hemifacial

Referências
1. Orphanet (ORPHA374) - Síndrome de Goldenhar

Fonte Wikipedia

Parasita devorador de olho pode atacar quem usa lentes de contato

A acanthamoeba é um parasita unicelular minúscula que se
alimenta de bactérias encontradas em lentes de contato sujas
Acanthamoeba causa irritação, visão turva, inchaço da pálpebra e dor

Pessoas que usam lentes de contato correm o risco de ficarem cegos, alertam os cientistas. Foi encontrado o parasita Acanthamoeba, em água de torneira, piscinas e chuveiros.

Este alerta está voltado para todas as pessoas que usam lentes, principalmente para a Grã-Bretanha, com 3,7 milhões de usuários.

O número de infecções é pequeno, mas o tratamento é longo, doloroso e não é totalmente eficaz. A acanthamoeba é um parasita unicelular minúscula que se alimenta de bactérias encontradas em lentes de contato sujas.

Quando a lente entra em contato com o olho, o parasita atravessa a córnea que é a camada mais externa do globo ocular. Os sintomas que essa infecção traz são: olhos irritados e lacrimejantes, visão turva, sensibilidade à luz, inchaço da pálpebra superior e muita dor.

Segundo o oftalmologista Graeme Stevenson, a visão pode ficar danificada dentro de uma semana.

— Geralmente, ela deixa cicatrizes. A córnea é a janela para ver as coisas e, se a infecção penetra em direção à terceira camada, a pessoa fica com cicatrizes e com uma espécie de para-brisas gelado.

Para o tratamento dessa infecção, usa-se um tipo de colírio que deve ser pingado a cada 20 minutos todos os dias. Além disso, a pessoa deve permanecer até três semanas no hospital.

Em casos mais graves, recomenda-se o transplante de córnea.
 

Fonte R7

Menina tem a orelha reconstruída a partir de costelas

Com síndrome de Goldenhar, Chloe passou por 40 cirurgias, mas conseguiu alinhar o seu rosto

Chloe Duffin, de 9 anos, que mora em Glasgow, Inglaterra, teve sua orelha reconstruída a partir de suas costelas, para poder voltar a usar brincos.

A menina nasceu com síndrome de Goldenhar, uma condição rara que causou um desenvolvimento incompleto da região maxilar e da orelha. Além disso, suas vias respiratórias foram bloqueadas e ela não consegue escutar do ouvido esquerdo.

Ela, que já havia passado por 40 cirurgias, foi informada de que teria que esperar para passar por mais uma cirurgia facial, segundo o site Daily Mail.

No entanto, depois de duas operações, os médicos conseguiram reconstruir a orelha a partir da costela da menina e, assim, deu-lhe também um novo osso maxilar.

Como os dois lados de seu rosto estavam desalinhados, os médicos tiveram que criar um novo canal do ouvido para que a posição da orelha esquerda ficasse igual ao da direita. Sua mãe, Lynne, de 35 anos, disse:

— O melhor dia de nossa vida foi depois da operação, quando os médicos mostraram seus dois ouvidos na mesma altura que o seu rosto.

Depois da cirurgia, Chloe pode realizar o sonho de usar brincos iguais a suas amigas.

Fonte R7

Um milhão de mortos por suicídio a cada ano, segundo OMS

Taxas mais elevadas são a dos países do leste da Europa, enquanto as mais baixas se situam na América Central e do Sul

Um milhão de pessoas por ano se suicidam, uma quantidade maior que o total de vítimas de guerras e homicídios, um problema que se agrava, segundo o relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) publicado em Genebra.

O relatório foi elaborado para a décima edição do Dia Mundial de Prevenção de Suicídio que acontece na próxima segunda-feira (10).

A OMS destacou que as taxas de suicídio mais elevadas são a dos países do leste da Europa, como Lituânia ou Rússia, enquanto as mais baixas se situam na América Central e do Sul, em países como Peru, México, Brasil ou Colômbia.

Estados Unidos, Europa e Ásia estão na metade da escala.

Não há estatísticas sobre o tema em muitos países africanos e do sudeste asiático.

"Uma pessoa se suicida no mundo a cada 40 segundos aproximadamente, ou seja, mais do que o número combinado das vítimas de guerras e homicídios", informou o relatório da Organização Mundial da Saúde.

O número de tentativas de suicídio ainda é muito grande, com 20 milhões de tentativas por ano. Cinco por cento das pessoas no mundo fazem uma tentativa de suicídio pelo menos uma vez em sua vida, segundo a OMS.

O problema está se agravando e o suicídio "se transformou em um problema de saúde muito importante" para a OMS, informou nesta sexta-feira (7) o Dr. Shekhar Saxena, ao apresentar esse relatório à imprensa em Genebra.

— O suicídio é uma das grandes causas de morte no mundo e durante os últimos anos, sua taxa aumentou em 60% em alguns países.

O suicídio é a segunda causa de morte no mundo entre os adolescentes de 15 a 19 anos, mas também alcança taxas elevadas entre pessoas mais velhas.

A OMS destaca que há três vezes mais suicídios entre homens do que entre mulheres, independente das faixas de idade e os países considerados.

Por outro lado, há três vezes mais tentativas de suicídio entre as mulheres que entre os homens.

A disparidade entre as estatísticas é explicada pelo fato que os homens empregam métodos mais radicais que as mulheres para morrer.

Fonte R7

Forma rara de autismo poderia ser tratada com suplementos alimentares, segundo estudo

Cerca de 25% das pessoas que sofrem de autismo são também epilépticos

Um simples suplemento alimentar poderia ajudar a tratar um tipo raro de autismo que está vinculado à epilepsia e, ao que tudo indica, a uma deficiência de aminoácidos, segundo um estudo publicado na revista Science esta semana.

Cerca de 25% das pessoas que sofrem de autismo são também epilépticos, ou seja, possuem um problema nas conexões elétricas cerebrais caracterizado por convulsões cujas causas são em sua maior parte desconhecidas.

Pesquisadores americanos da Universidade da Califórnia em San Diego e de Yale (Connecticut, nordeste dos Estados Unidos) foram capazes de isolar uma mutação genética em alguns pacientes autistas epilépticos que acelera o metabolismo de certos aminoácidos, o que gera uma carência.

Esta descoberta poderia ajudar os médicos a diagnosticar este tipo de autismo mais rapidamente, o que permitiria também começar um tratamento mais cedo.

Segundo os autores deste trabalho, seria possível também tratar esta forma de autismo com suplementos alimentares que contêm os chamados aminoácidos ramificados, como mostram experimentos realizados com camundongos geneticamente modificados para ter a mesma mutação genética.

"Foi muito surpreendente encontrar mutações genéticas que afetam o metabolismo e que são específicas do autismo e podem ser potencialmente tratadas", afirmou o coautor do estudo Joseph Gleeson, professor de neurociência da Universidade da Califórnia, em San Diego.

— O que é mais excitante é que o potencial tratamento é óbvio e simples: trata-se de dar aos pacientes afetados os aminoácidos que faltam a seu organismo.

O professor Gleeson e seus colegas sequenciaram uma parte do genoma de crianças autistas em duas famílias que sofriam epilepsia e que contavam com a mutação do gene que regula o metabolismo dos aminoácidos ramificados.

A equipe de Gleeson realizou testes com suplementos alimentares comuns disponíveis em herbários em camundongos modificados geneticamente.

Os camundongos com a mutação genética específica mostraram sintomas de autismo, incluindo ataques de epilepsia, mas ao serem tratados com suplementos alimentares, a condição deles melhorou.

"Estudar os animais foi essencial para nossa descoberta", afirmou Gaia Novarino, do laboratório Gleeson, e principal autor do estudo.

— Uma vez que descobrimos que podemos tratar a condição em camundongos, a questão era se funcionaria de forma eficaz em nossos pacientes.

Os pesquisadores forneceram o suplemento a pacientes humanos, mas ainda não há dados suficientes para determinar se o tratamento serviu para melhorar os sintomas do autismo.

Fonte R7

Surto de meningite faz vítimas em três cidades do MA

Segundo dados divulgados pela Vigilância, foram registrados 13 casos com uma morte

A Superintendência de Vigilância Epidemiológica do Estado do Maranhão (Suvisa-MA) confirmou que há um surto de meningite bacteriana no município de Sambaíba, distante cerca de 900 km de São Luís. Segundo dados divulgados pela Vigilância, foram registrados 13 casos com uma morte. Outros dois óbitos estão sob suspeita.

A Suvisa-MA também confirmou que há seis casos em outras duas cidades vizinhas, São Raimundo das Mangabeiras e Loreto. O surto começou a ser investigado pela Suvisa-MA depois que uma mulher gestante morreu em virtude da doença.

O primeiro alerta foi dado pela Coordenação do Programa de Saúde de Sambaíba, que chegou a divulgar um relatório informando que a cidade, que tem cerca de 5 mil habitantes, tinha registrado 15 casos e confirmando três mortes em virtude da doença.

O coordenador Dorgival Pereira afirmou, quando divulgou o relatório, que já foram tomadas algumas providências.

— Estamos acompanhando a situação com relatórios diários. As aulas nas escolas da cidade já foram suspensas para evitar um maior contágio. Já descobrimos que a origem é bacteriana, mas o Ministério da Saúde é quem vai decidir se haverá o envio de vacinas para imunizar toda a população.

Em nota divulgada nesta quinta-feira (6), a Vigilância Epidemiológica informou que todos os pacientes já estão sendo tratados no Hospital de Urgência da cidade de Balsas, a 88 km de Sambaíba. Além disso, informou que, uma vez a doença sendo de origem bacteriana, não existe vacina apropriada para esse tipo de meningite.

Contudo, o órgão estadual afirmou que já está enviando os medicamentos adequados para tratar a meningite bacteriana e profissionais irão vacinar a população contra o tipo viral da doença.

Fonte R7

Exame de rotina impede homem de morrer e deixar três filhos órfãos

Motorista de caminhão descobre câncer extremamente raro e fatal dentro do olho a tempo de tratamento

O motorista de caminhão Gareth Wells, de 48 anos, descobriu uma doença rara durante um exame oftalmológico de rotina. Chamado de melanoma de coroide, o tumor cresce dentro do olho e pode ser fatal se não tratado rapidamente. As informações são do Daily Mail.

— Sem esse exame oftalmológico, o tumor poderia ter se espalhado e talvez eu não tivesse sobrevivido para contar a história. Foi muito assustador!

Pai de três filhos, Wells foi submetido a procedimentos para “matar” o tumor — que incluiu 18 minutos de radioterapia diretamente no olho. Mas, no dia seguinte o tumor estourou, causando descolamento de retina. Para salvar sua visão, os médicos precisaram agir rapidamente e realizar outro procedimento.

A segunda operação foi um sucesso, assim como a recuperação de Wells. Agora, ele é capaz de enxergar com o auxílio de óculos. O oftalmologista Dr. Raj Sandhu, que acompanhou o tratamento, comemora o resultado.

— A história de Gareth só mostra que os exames oculares são extremamente importantes, não só para avaliar a visão, mas também para detectar outros problemas de saúde.

Contente com a cura, o motorista de caminhão agradece o médico e incentiva as pessoas a priorizarem os exames de rotina.

— Eu sou muito grato ao Dr. Sandhu porque ele salvou a minha vida. Agora sei que os check-ups são muito importantes e já avisei minha família e amigos para visitarem o oftalmologista regularmente.

Fonte R7

Ser casado aumenta a chance de sobrevivência de pessoas com câncer de pulmão

Estudo revela que estado civil ajuda paciente a viver por mais tempo após tratamento da doença

Pesquisadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, descobriram que ser casado pode fazer uma grande diferença no tempo que as pessoas sobrevivem após o tratamento para câncer de pulmão. As informações são do Daily Mail.

O estudo analisou 168 pacientes com câncer de pulmão avançado, que foram submetidos à quimioterapia e radiação durante 10 anos, entre janeiro de 2000 e dezembro de 2010.

De acordo com os resultados, 33% dos doentes casados estavam ainda vivos após três anos de tratamento em comparação com 10% dos solteiros.

As mulheres casadas tiveram a melhor taxa de sobrevivência de três anos (46%), e os homens solteiros demonstraram a pior: 3%. Já mulheres solteiras e homens casados ​​tiveram a mesma taxa de sobrevivência.

Dra. Elizabeth Nichols, principal autora do estudo e residente de oncologia radiológica na universidade reforça que o estado civil é importante para o sucesso do tratamento e sobrevida do paciente.

— Nossos resultados sugerem a importância do apoio social na gestão e tratamento dos pacientes com câncer de pulmão. Isso porque eles podem precisar de ajuda no dia a dia, além de exigirem cuidados adequados. Acreditamos que este apoio do cônjuge pode ter impacto maior no aumento da sobrevida do que as novas técnicas terapêuticas.

Mesmo assim, a médica enfatiza a importância de novas pesquisas.

— Temos que continuar pesquisando novas drogas e terapias para combater o câncer, além de buscar as formas de melhor apoiar os pacientes.

O vice-presidente de assuntos médicos da Universidade de Maryland Albert Reece completa:

—Precisamos descobrir maneiras de ajudar a todos os pacientes com câncer a viver mais tempo, com melhor qualidade de vida, independentemente do estado civil.

Fonte R7

Mulher de meio corpo desafia a Medicina e é mãe de dois filhos saudáveis

Rose se recusou a abortar mesmo sabendo que as chances de sobrevivência dos filhos eram mínimas

Rosemary Siggins, mais conhecida como Rose, nasceu com agenesia sacral, doença rara que provoca anomalias na coluna vertebral. Em decorrência do quadro, a mulher teve que remover a metade inferior do corpo quando tinha apenas dois anos de idade. As informações são do Daily Mail.

Apesar da condição física, Rose é mãe de Lucas, de 13 anos, e Shelby, de seis, e leva-os à escola todos os dias em seu carro especialmente adaptado.

— Meu skate é muito importante para mim. É a diferença entre se sentir preso e livre.

Durante a adolescência, Rose tornou-se uma pessoa insegura e preocupada de nunca ter um namorado ou poder construir sua própria família. Mas, em 1997, ela conheceu Dave Siggins —funcionário de uma loja de peças de carro.

— Houve uma atração imediata de ambas as partes. Ele me tratou como qualquer outra mulher e disse que eu era bonita. Oito meses depois, começamos a namorar.

Após um ano de relacionamento, Rose ficou grávida. Apesar de a doença causar danos no sistema reprodutivo, o casal diz ter uma vida sexual normal.

— O médico desaconselhou a gravidez porque o bebê poderia esmagar os meus órgãos internos. Mesmo sabendo que as chances de sobrevivência eram quase nulas, recusei o aborto. Por sorte, foi uma gravidez fácil e Lucas nasceu saudável por cesariana.

Quando o garoto completou seis anos, Rose descobriu sua segunda gravidez, mas admite que desta vez foi mais complicado.

— Eu tinha sangramento, problemas respiratórios e dores abdominais. Mas na segunda cesariana também precisei remover o apêndice e a vesícula biliar.

Desafios diários
Apesar de valente, Rose percebeu que tem limitações e admite que sua saúde piorou nos últimos anos. Ela conta que sente as mãos e braços desgastados e está preocupada a ser forçada a usar uma cadeira de rodas. Mesmo assim, não desiste da vida.

— Por toda a minha vida enfrentei diferentes desafios, mas sou grata de ter dois filhos fantásticos e um marido amoroso. Meus filhos adoram ter a menor mãe do mundo!

Fonte R7

Políticas antidrogas ainda são "ingênuas" no país, diz especialista

Brasília – Com a divulgação de estudo em que o Brasil aparece em segundo lugar em número de usuários de crack e cocaína do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, especialistas na área de saúde apontam para reflexão sobre as políticas antidrogas adotadas no país.

Especialista em dependência química e integrante da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (Abead), o psiquiatra Carlos Salgado ressalta a ênfase dada ao modelo ambulatorial por parte das políticas públicas, deixando, em segundo plano, o tratamento com internação. A demanda por mais vagas para internação acentuou-se com o consumo do crack, já que a droga deixa os usuários em situações de extrema gravidade, avalia o psiquiatra.

Salgado acredita que os cuidados ambulatoriais são úteis para parte dos usuários, porém a ênfase nesse tipo de tratamento é uma "política ingênua". “Pensam que a dependência química é uma questão de escolha de vida e que não precisa de grandes investimentos. O que temos tido é uma visão que aplica uma ideologização da liberdade. O sujeito é livre pra usar drogas e quando precisar vai para o ambulatório,” disse o médico.

Em dezembro do ano passado, o governo federal lançou programa de combate ao crack, que prevê, entre outras ações, criação de enfermarias especializadas nos hospitais da rede pública e leitos exclusivos para internação de curta duração, crises de abstinência e casos de intoxicações graves de usuários de drogas. Estão previstos investimentos de R$ 4 bilhões até 2014. O psiquiatra destaca o início dos investimentos do governo na abertura de vagas para internação, porém argumenta que o orçamento voltado para a saúde é insuficiente para preencher todas as lacunas.

Perguntado sobre tratamentos adotados em outros países que poderiam ser implantados no Brasil, Salgado assegura que o país tem condições de criar modelos adequados para todos os níveis de dependência química e que não precisa seguir nenhum outro adotado no exterior. “Na rede privada, o Brasil oferece tratamentos, em todos os níveis de dependência, iguaizinhos ou até melhores dos que ocorrem nos países mais ricos do mundo. O Brasil sabe muito sobre dependência química, mas o Poder Público resolveu ouvir pessoas que pensam de forma ingênua.”

O levantamento do Instituto Nacional de Pesquisa de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas (Inpad), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), aponta baixo índice, menos de 10%, de busca dos usuários de cocaína e crack por tratamento.“O acesso é muito difícil no Brasil e a qualidade do tratamento é muito precária. Então, é isso que a gente tem que mudar, nós temos que criar um sistema que realmente funcione”, disse o psiquiatra e organizador do estudo, Ronaldo Laranjeira, durante a divulgação dos dados.

Procurada pela Agência Brasil, a assessoria do Ministério da Saúde informou que não irá se pronunciar sobre a pesquisa, por se tratar de tema relacionado ao Ministério da Justiça, que também não comentou os resultados do levantamento.

Fonte Agência Brasil