Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Sorocaba: Sem conseguir entrar no Hospital Regional, ambulâncias deixam pacientes na calçada

Os veículos que chegam dos 48 municípios atendidos pelo Hospital Regional de Sorocaba têm de desembarcar os pacientes no meio da rua. O trânsito precisa ser bloqueado temporariamente até que o doente seja colocado ou retirado da ambulância e os motoristas ficam irritados com a demora.
A  situação é constrangedora. O paciente que jestá frágil, debilitado, é transportado em macas sem estofado. Este é o caso de uma senhora de 92 anos, que amputou recentemente uma das pernas. A família dela está indignada com a forma de tratamento. Os motoristas reclamam que o problema está no estacionamento, que só tem veículos de funcionários do hospital. Segundo eles, ambulâncias que vêm de outras cidades estão proibidas.
Outro paciente amputou as duas pernas e também teve de ser transportado da mesma maneira. A maca percorreu boa parte da calçada até chegar à ambulância. E o pior é que o motorista diz que isso acontece todos os dias.
No mesmo dia, outra mulher estava sendo removida no meio da rua e mais uma vez o trânsito foi interrompido. O motorista da ambulância não concorda com a situação, mas disse que não tem o que fazer.
Enquanto a equipe da TV  Tem fazia a reportagem, uma cena quase inacreditável aconteceu em uma lanchonete em frente ao hospital. De repente, um homem começou a passar mal, aparentemente com uma convulsão. Funcionários da lanchonete pediram ajuda no hospital, que fica do outro lado da rua, e ouviram a resposta que era preciso chamar o Samu.
O tempo foi passando e ninguém chegava para socorrer o homem. Pessoas que estavam próximas tentavam ajudar como podiam. Depois de alguns minutos, dois vigilantes do hospital se aproximaram e, pelo rádio, um deles pediu uma maca. Mas como não são da área de saúde, eles não tinham preparo para transportar o paciente da maneira correta. Quem testemunhou a cena viu os momentos de tensão se transformarem em revolta.
Fonte temmais.com

Halterofilista foi preso vendendo anabolizantes pela internet em Brasília

Um halterofilista foi preso pela Polícia Civil em Brasília suspeito de vender anabolizantes pela internet. O suspeito é estudante de educação física e foi preso quando fazia a entrega de medicamento a um cliente, em uma quadra da Asa Norte.

Com um mandado de busca e apreensão, agentes encontraram cerca de 30 frascos do anabolizante Stanozolol na casa do halterofilista. A comercialização do medicamento não é permitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), segundo o delegado Virgílio Ozelami, da Delegacia do Consumidor.

- A origem dos medicamentos ainda vai ser investigada para chegarmos aos fornecedores que, muito provavelmente são do Rio de Janeiro - disse Ozelami.

Os agentes da polícia também encontraram proteína, produto que só pode ser comercializado mediante autorização da Anvisa.

Após uma denúncia, os policiais localizaram uma página na internet para venda do produto. A polícia pediu à Justiça que fosse permitida a interceptação telefônica.

- Ele tinha uma clientela fiel e costumava fazer entregas perto da casa dele. Fazia contato por mensagem de celular e também por programas de comunicação instantânea na internet. Suspeitamos que um perfil em uma rede social também era usado - disse o delegado.

O halterofilista vai responder pela venda de medicamento sem registro na Anvisa, crime que tem pena de 10 a 15 anos de prisão. Não há previsão de sanção para os usuários de anabolizantes, explica o delegado.
Fonte O Globo

Medicamento à base de curry pode ajudar na recuperação do cérebro após AVC

Substância foi testada em coelhos

Testes realizados com cobaias animais sugerem que um novo medicamento híbrido, fabricado em parte com curry, pode ajudar a regenerar os neurônios depois de um AVC (acidente vascular cerebral).

O composto molecular do curry contém curcumina, um pigmento natural de cor amarela extraído do açafrão,  muito popular no sudeste asiático e no Oriente Médio.

Testes em humanos com o medicamento, que restaura as ligações que alimentam os neurônios, poderão ter início em breve, de acordo com o cientista Paul Lapchak, do conceituado centro médico Cedars-Sinai.

A nova droga não ataca os coágulos que provocam o AVC, mas, quando administrada durante uma hora em coelhos, que seria equivalente a três horas para humanos, "reduziu os problemas musculares e de coordenação motora provocados pelo derrame", segundo o estudo.

O composto híbrido, chamado de CNB-001, "atravessa a barreira hematoencefálica, é rapidamente distribuído no cérebro e regula uma série de mecanismos cruciais envolvidos na sobrevivência dos neurônios", explica Lapchak. O especialista apresentou suas conclusões no Congresso sobre Acidentes Vasculares Cerebrais da Associação Internacional do Coração.

Lapchak destaca que o tempero em si não apresenta os benefícios do medicamento, uma vez que não é bem absorvido pelo organismo e não é capaz de atingir seu objetivo em altas concentrações.

Além disso, sua entrada no cérebro é naturalmente bloqueada pelo mecanismo de proteção conhecido como barreira hematoencefálica, que filtra as substâncias que chegam ao sistema nervoso central através da corrente sanguínea.

Conhecido como ativador do plasminogênio tecidual, a substância é injetada diretamente na veia para dissolver coágulos e restituir o fluxo sanguíneo.

Fonte Band

Como se prevenir contra o AVC


Especialista revela novos medicamentos para prevenir a doença que mais mata no Brasil

A cada cinco minutos um brasileiro morre em decorrência do AVC, que mata 100 mil pessoas por ano no País. O acidente vascular cerebral, popularmente chamado de derrame, é a maior causa de morte no Brasil, e pode ser desencadeado por um problema no ritmo do coração – fato ainda desconhecido pela maioria das pessoas.

O tipo de arritmia cardíaca mais frequente na população mundial – a fibrilação atrial – aumenta em cinco vezes o risco de AVC. Um em cada seis derrames são causados pela fibrilação atrial, doença que provoca a formação de coágulos dentro do coração, que podem chegar até o cérebro e entupir um vaso sanguíneo – ocasionando o AVC.

Para evitar o derrame, muitos pacientes com fibrilação atrial precisam tomar remédios anticoagulantes – assim chamados porque evitam a formação de coágulos. A terapia anticoagulante padrão foi lançada há mais de 50 anos e apresenta uma série de limitações que complicam a sua utilização – tais como restrições alimentares, interações com vários medicamentos e necessidade de exames de sangue frequentes para ajustar a dose do remédio.

Novo medicamento

A boa notícia é que os brasileiros acabaram de ganhar uma nova alternativa para a prevenção do derrame nas pessoas que sofrem de fibrilação atrial. Primeiro de uma nova geração de anticoagulantes orais, Pradaxa (dabigatrana) foi aprovado pela Anvisa com base em estudos clínicos com mais de 18 mil pacientes em todo o mundo.

“De acordo com os estudos, o medicamento previne três de cada quatro derrames decorrentes da fibrilação atrial, índice superior às terapias mais antigas,” afirma o cardiologista Dalmo Moreira, professor titular do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, de São Paulo.

Segundo o médico, as principais vantagens de Pradaxa são sua maior eficácia na prevenção do AVC e maior segurança, quando comparado ao tratamento disponível. Os estudos mostraram que o novo anticoagulante reduz em 75% o risco de AVC em relação ao placebo. Quando comparado ao medicamento mais antigo, a proteção de Pradaxa contra o AVC é 35% superior.

Fonte Band

Mulheres tendem a roncar mais após a menopausa

Ronco pode estar relacionado com a diminuição hormonal que ocorre neste período

Estilo de vida, obesidade e até mesmo a menopausa podem estar relacionados ao ronco. De acordo com o otorrinolaringologista José Tavares, as mulheres têm tendência a roncar mais após a menopausa.

Isso ocorre porque o ronco pode estar ligado com a diminuição hormonal. Outros fatores comumente associados ao ronco são o ganho de peso e a obesidade.

— A gordura tende a se depositar nas regiões da face e pescoço, estreitando a sua via aérea. Perder peso não apenas deverá melhorar sua qualidade de sono, como também de sua vida como um todo — afirma Tavares.

O médico alertou ainda para o fato de que, na maioria das vezes, o ronco é apenas um sintoma de um problema mais grave:

— O ronco pode ser o topo de um "iceberg" havendo a possibilidade de você ter a síndrome da apneia do sono, fragmentação do mesmo ou múltiplos despertares ao longo da noite — explica.

Fonte Zero Hora

Abiu

Abiu - O abiu é fruto do abieiro,uma árvore da família das Sapotáceas, a mesma família do quixaxá,tutiribá,sapoti etc. Originária do Peru, acha-se perfeitamente aclimatada em nosso país.

Utilidades Medicinais

Inflamações - Aplicar localmente cataplasma do azeite extraído das sementes.

Otite -  Pingar algumas gotas do azeite do caroço do abiu, morno, Infelizmente este azeite não é fácil achar no mercado.

Pulmões, doenças crônicas do - Fazer refeições com a polpa do abiu cozida em água e sal. Utilizar morno, inclusive o caldo, ao qual se pode adicionar mel. Este caldo com mel pode ser tomado ao longo do dia, às colheradas.

Fonte agrobyte.com.br

Menino com doença rara só descobre problema após morte do pai

Criança sofre de defeito genético que provoca alterações nos ossos, olhos e coração

Muitas famílias vivem com pessoas que possuem algum tipo de doença rara e, por isso, muitas vezes têm dificuldade de resolver. Porém, muitos dão a volta por cima e conseguem levar uma vida normal.

Caio, de seis anos, herdou a síndrome de Marfan do pai e vai precisar de acompanhamento especializado por toda a vida. A mãe, que sempre desconfiou que o filho tinha algum problema, só descobriu a doença quando o marido morreu aos 34 anos e o atestado de óbito ficou pronto. A síndrome é um defeito genético que passa de pai para filho e provoca alterações nos ossos, olhos e no coração.

As doenças raras afetam, em média, uma em cada cem pessoas. Com a evolução da medicina, muitos foram os avanços em relação aos diagnósticos e tratamentos destes tipos de problemas. De acordo com centros de estudos no mundo todo, existem cerca de 7.000 tipos de doenças raras. Sabe-se também que cerca de 2% dos recém-nascidos vivos possuem algum tipo de alteração genética. No entanto, não existe nenhum exame sobre o risco reprodutivo e as chances de um casal ter um filho com alguma doença rara.

Assista ao vídeo: 

Fonte R7

Ministério Público de SP abre ação contra entrega de leitos públicos aos planos de saúde



Ato visa a impedir a doação de 25% dos leitos de hospitais públicos

A Promotoria de Justiça de Direitos Humanos de São Paulo ajuizou nesta terça-feira (9) ação civil pública para impedir a entrega de 25% dos leitos de hospitais públicos estaduais, gerenciados por organizações sociais, para particulares e planos de saúde.
A possibilidade de que estabelecimentos públicos de saúde reservem até 25% de sua capacidade operacional para atender pacientes usuários do sistema privado e conveniado foi instituída por uma lei de 27 de dezembro de 2010, regulamentada no último dia 6 de julho.

Para os promotores, porém, "se a medida for implementada haverá uma situação aflitiva na saúde pública do Estado, uma vez que os dependentes do SUS (Sistema Único de Saúde) perderão 25% dos leitos públicos dos hospitais estaduais de alta complexidade, que já são, notoriamente, insuficientes para o atendimento da demanda de nossa população".

A Promotoria também argumenta que o Conselho Nacional de Saúde, órgão encarregado de traçar as políticas públicas na área de saúde, se manifestou contra a entrega de leitos públicos para particulares e planos de saúde.

Fonte R7

Instituto de medicina minimamente invasiva chega ao Brasil para tratamento de câncer

Centro de referência mundial tem um dos focos no tratamento digestivo

O maior instituto de medicina minimamente invasiva da América Latina, o IRCAD, está no Brasil. Vinculado ao Hospital de Câncer de Barretos, a chegada do centro médico é uma das maiores conquistas no setor de saúde do país.

Para falar sobre o projeto, que traz avanço de tecnologia e capacitação médica mundial para o Brasil, e dá esperanças para milhares de pacientes, o médico Henrique Prata, diretor-geral do Hospital de Câncer de Barretos, e o cirurgião oncológico, Armando Melani, falam sobre o instituto e o que ele traz de mais avançado.

Veja as entrevistas no vídeo abaixo.

Assista:


Fonte R7

Ar seco aumenta procura por hospitais em Presidente Prudente (SP)


Umidade do ar chegou a apenas 12% na cidade nesta segunda-feira (8)

Devido à baixa umidade do ar, que nesta segunda-feira (8) chegou a apenas 12%, o atendimento de pacientes aumentou em 30% nos hospitais e postos de saúde de Presidente Prudente, a maior cidade do extremo oeste paulista.

No Hospital Regional, que serve a mais de 50 municípios, o movimento foi maior em comparação à semana passada e ao fim de semana.

"Ontem, encheu bastante [o hospital], principalmente na pediatria, que sempre aumenta quando baixa a umidade", contou Maycon Roberto Elvira, de 20 anos, recepcionista do hospital.

- Comparado com a semana passada, houve aumento de 30% no atendimento. Idosos e crianças compareceram em maior número, eles são mais afetados pelo ar seco.

Maycon disse ainda que os pacientes reclamavam de "nariz entupido, dor de cabeça e dor de garganta".

Já no Pronto Atendimento 24 horas, posto de saúde municipal, 238 pessoas procuraram socorro médico no domingo.

Na segunda-feira, o número saltou para 350 atendimentos. "Por conta do ar seco, atendemos mais gente ontem (segunda-feira), gente que reclamava de tosse, febre e dor de garganta. Eu mesma estou tossindo e culpo o ar seco", disse Sônia Maria Messias, de 46 anos, que trabalha na administração do posto.

O Hospital Iamada também confirmou aumento no atendimento. Houve 52 consultas no domingo e 83 na segunda-feira. A Santa Casa não registrou nenhuma mudança. "Foi normal, na segunda-feira não aumentou", resumiu uma das enfermeiras, que pediu para não ser identificada. Os bombeiros confirmaram aumento nos focos de incêndio, mas sem gravidade. A corporação não forneceu números.

A situação do ar melhorou a partir da madrugada de hoje com a chegada de uma nova frente fria, que veio acompanhada de chuvas fracas, como explicou Tadeu Tommaselli, de 52 anos, professor de Climatologia da Unesp (Universidade Estadual Paulista).

- A frente fria deu uma refrescadinha. Normalmente, quando a temperatura diminui a umidade fica um pouco maior. Se o tempo ficar seco, piora a umidade.

A umidade abaixo de 45% causa problemas, segundo ele.

- Abaixo disso (45%) as pessoas mais sensíveis sentem os efeitos.

Já sobre a umidade do ar ideal, o climatologista acrescentou que a porcentagem deve ficar entre 45% e 80%.

Fonte R7

Exercícios combatem apneia do sono

Médico afirma haver ligação direta entre atividade física e distúrbios respiratórios do sono

Quem anda mais, ronca menos. Exercícios aeróbios são benéficos para portadores de distúrbios respiratórios do sono, como apneia e ronco.

Estudos recentes provaram que o benefício é direto. “Mesmo quem não emagrece com os exercícios consegue amenizar o problema”, afirma Sílvio Musman, pneumologista e médico do exercício.

Até recentemente, os médicos acreditavam apenas que houvesse um benefício indireto do exercício para a apneia.

“Excesso de peso e obesidade são importantes fatores de risco para o distúrbio”, aponta Musman.

O excesso de gordura no corpo também se acumula na região da garganta e isso prejudica a passagem do ar nas vias aéreas altas. Se houver acúmulo acentuado na região abdominal, a gordura causa pressão no diafragma, músculo logo abaixo da costela, e prejudica a respiração.

Com os exercícios regulares, a perda de peso ajuda a eliminar a gordura acumulada em regiões prejudiciais. “Indiretamente, isso combate os problemas respiratórios do sono”, aponta o médico.

Mas novos estudos conseguiram provar uma relação direta entre exercícios e distúrbios respiratórios do sono ao avaliar os pacientes com dificuldade para perder peso. “Eles também tiveram melhora”, afirma.

A origem da relação ainda está sendo investigada, mas o médico destaca duas hipóteses. “O exercício pode proporcionar variações metabólicas que influenciam os distúrbios”, sugere o médico. Outra hipótese é a própria melhora no condicionamento físico, que afeta também o condicionamento cardiorrespiratório e permite que a pessoa ronque menos.

“Mas essa ainda é uma lacuna científica, falta uma resposta”, lamenta o especialista. Além de prejudicar a qualidade do sono, a apneia aumenta o risco de problemas cardiovasculares, causa sonolência diurna, prejudica memória e capacidade de concentração.

Exercícios localizados
Uma técnica de exercícios localizados pesquisada por médicos do Instituto do Sono, em São Paulo, também se mostrou bastante eficiente contra apneia. Ela reduz em 40% os sintomas.

São movimentos para língua e palato mole (região da garganta) que fortalecem a musculatura local e reduzem as interrupções da respiração durante o sono. Os benefícios são mensurados pela polissonografia, exame para diagnóstico de apneia.

O número de cessação na respiração por hora de sono passou de 22,4 para 13,7 interrupções/hora. Em 60% dos casos, a melhora foi tão significativa que os pacientes passaram de uma apneia de grau moderado para leve.

Os exercícios podem ser usados junto a outros tratamentos contra apneia, porque existe o risco do problema voltar, caso a pessoa deixe de praticar os movimentos.

Prevalência da apneia
Em São Paulo, o Instituto do Sono fez um estudo em 2007 e verificou que 32,9% da população tem algum nível de apneia. A pneumologista Luciana Palombini esclarece que o tratamento adotado no instituto é avaliado caso a caso.

“É preciso ver se a pessoa tem algum desvio ou alergia no nariz”, exemplifica. Se for um desvio, pode haver indicação cirúrgica. Amídalas (hoje elas são chamadas de tonsilas) grandes demais também podem ser a origem do problema.

Um dos métodos mais utilizados, caso não haja indicação cirúrgica, é a máscara facial noturna. “O uso é por tempo indeterminado”, afirma a médica. Mas ela explica que a estratégia terapêutica pode ser complementada com exercícios. “Se a pessoa tiver excesso de peso e emagrecer, ela pode melhorar e não precisar mais da máscara”, aponta.

Para o benefício direto do exercício, Musman afirma que ainda não existe um protocolo definido. “São poucos estudos, alguns apenas com exercícios aeróbios e outro com esse tipo de atividade combinada com musculação”, diz ele.

Entre os especialistas em medicina do exercício, a principal recomendação é regularidade na atividade física. A pessoa deve escolher um esporte ou exercício que mais lhe agrade, e que seja compatível com sua rotina e condição de saúde, para incorporá-lo ao dia a dia. Tendo essa regularidade, direta e indiretamente, o exercício vai combater os distúrbios respiratórios do sono.

Fonte IG

Desmaio


É a perda repentina e temporária de consciência, devido à diminuição do oxigênio no cérebro. As causas são variadas e estão ligadas a fatores como a alimentação (baixo nível de açúcar no sangue e falta de comida no organismo), o estado emocional (nervosismo, situação de pânico), fatores relacionados a atividades diárias (cansaço, excesso de tempo em pé, ambientes sem ventilação), dor intensa e problemas de saúde como acidentes e distúrbios cardíacos.

Como reconhecer:

Antes de desmaiar é comum a pessoa apresentar sensação de moleza no corpo, suor frio, náusea, pulso fraco, pressão arterial baixa e respiração cada vez mais lenta. O momento imediatamente anterior ao desmaio é relatado como “enxergar tudo preto”.

Como agir:

- Se a vítima apresenta os sintomas descritos acima mas ainda não desmaiou, sente-a em uma cadeira e diga a ela para baixar a cabeça abaixo dos joelhos e esperar a tontura passar

- Se a pessoa já desmaiou, deite-a no chão, elevando as pernas em relação ao resto do corpo para facilitar a circulação de sangue para o cérebro

- Afrouxe as roupas da vítima e ventile o ambiente

- Quando ela recuperar a consciência ofereça um pouco de água com açúcar

- Se a ânsia de vômito continuar, vire-a de lado

Fonte IG

Fatores de risco para o desmaio

A perda de consciência pode partir de situações que você nem imagina. Confira quais são

O desmaio ocorre quando você perde a consciência temporariamente devido a uma queda repentina no fluxo sanguíneo para o cérebro.

A Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos lista essas possíveis causas de desmaios:

- Grande esforço durante a evacuação.
- Ataque de tosse prolongado.
- Ficar de pé por muito tempo.
- Levantar rapidamente quando se estava deitado.
- Em caso de extrema dor ou medo.
- Ter um sangramento intenso.
- Sofrer uma desidratação significativa.
- Ter uma rápida queda de pressão arterial.

Gravidez ectópica também pode ter episódios de desmaio
- Tomar certos medicamentos ou abusar de drogas ou álcool.
- Hiperventilar.
- Baixa taxa de açúcar no sangue.

Fonte IG

Vitaminas

O que são

São micronutrientes importantes no processo de metabolismo de carboidratos, lipídios e proteínas. Embora as vitaminas sejam substâncias essenciais ao organismo, a maioria dos animais não consegue produzi-las em quantidade suficiente, ou não as produz. Por esse motivo, a ingestão de alimentos que as contenham é necessária.

No ser humano, a quantidade a ser ingerida pode variar conforme idade, sexo, estado de saúde e atividade física do indivíduo. As doses devem ser aumentadas em gestantes e lactantes, em indivíduos em crescimento ou com saúde debilitada, e mesmo trabalhadores em funções que exijam muito esforço físico. Mas, é um engano pensar que os alimentos podem ser trocados pelas vitaminas: sem a ingestão da comida, o organismo simplesmente não consegue absorvê-las.

As vitaminas são classificadas conforme substâncias que as dissolvem. São lipossolúveis, solúveis em gorduras, as vitaminas A, D, K, armazenadas no fígado, e a vitamina E, que é distribuída para todos os tecidos de gordura no corpo. As substâncias lipossolúveis não são facilmente excretadas pelo organismo e tendem a se acumular provocando intoxicação se ingeridas em excesso.

Outro grupo é o das hidrossolúveis, ou solúveis em água, como as vitaminas C e as do complexo B (1, 2, 3, 5, 6, 8 e 9), que permanecem no corpo por um pequeno período de tempo antes de serem excretadas pelos rins e, por essa razão, devem ser ingeridas diariamente. A B12 também é hidrossolúvel, mas permanece armazenada no fígado.

Tipos

A classificação das vitaminas é feita apenas por suas solubilidades e não pelas funções que exercem. Cada uma é responsável por uma ou mais funções específicas, independentemente do grupo a que pertencem.

Grupo das vitaminas lipossolúveis compreendem:

- Vitamina A - Importante oxidante que protege células contra radicais livres. Principais fontes: frutas e vegetais de cor forte, como cenoura, abóbora, brócolis e espinafre e gorduras amarelas de alimentos animais como fígado, ovos e leite.

- Vitamina D - É sintetizada com a ajuda dos raios solares e imprescindível para a produção de insulina e a manutenção do sistema imunológico. Ajuda na absorção do cálcio. Principais fontes: peixes gordos como o atum e o salmão.

- Vitamina K - Componente na formação de 13 proteínas essenciais para a coagulação do sangue e envolvida na construção dos ossos. Principais fontes: alimentos verdes, como vegetais de folhas e legumes (couve, couve de Bruxelas, brócolis, salsa).

- Vitamina E (tocoferol) - Forte antioxidante contra radicais livres; previne o câncer e doenças cardiovasculares; protege o sistema reprodutor; previne catarata; reforça o sistema imunológico; melhora a ação da insulina. Principais fontes: óleos (girassol, amendoim), sementes de girassol, amêndoas, amendoim, vegetais de folhas verde-escuras.

Grupo das principais vitaminas hidrossolúveis (complexo B):

- Vitamina B1 (Tiamina) - Mantém sistema nervoso e circulatório saudáveis; auxilia na formação do sangue e no metabolismo de carboidratos; previne o envelhecimento; melhora a função cerebral; combate a depressão e a fadiga; converte o açúcar no sangue em energia. Principais fontes: vegetais de folhas (alface romana, espinafre), berinjela, cogumelos, grãos de cereais integrais, feijão, nozes, atum, carne bovina e de aves.

- Vitamina B2 (Riboflaviana) - Ligada à formação de células vermelhas do sangue e anticorpos; envolvida na respiração e processos celulares; previne catarata; ajuda na reparação e manutenção da pele e na produção do hormônio adrenalina. Principais fontes: vegetais, grãos integrais, leite e carnes.

- Vitamina B3 (Nicotinamida) - Aumenta a circulação; reduz triglicérides e colesterol; ajuda no funcionamento adequado do sistema nervoso e imunológico; regula o açúcar no sangue; protege o corpo contra poluentes e toxinas. Principais fontes: levedura, carnes magras de bovinos e de aves, fígado, leite, gema de ovos, cereais integrais, vegetais de folhas (brócolis, espinafre), aspargos, cenoura, batata-doce, frutas secas, tomate, abacate.

- Vitamina B5 (Ácido pantotênico) - Ajuda na formação de células vermelhas do sangue e na desintoxicação química; previne degeneração de cartilagens; ajuda na construção de anticorpos; reduz colesterol e triglicérides; ajuda nas disfunções hormonais. Principais fontes: carnes, ovos, leite, grãos integrais e inteiros, amendoim, levedura, vegetais (brócolis), algumas frutas (abacate), ovário de peixes de água fria, geleia real.

- Vitamina B6 (Piridoxina) - Reduz o risco de doenças cardíacas; ajuda na manutenção do sistema nervoso central e no sistema imunológico; reduz espasmos musculares; alivia enxaquecas e náuseas; reduz o colesterol; melhora a visão; previne aterosclerose e câncer. Principais fontes: cereais integrais, semente de girassol, feijões (soja, amendoim, feijão), aves, peixes, frutas (banana, tomate, abacate) e vegetais (espinafre).

- Vitamina B7 (Biotina) - Auxilia no crescimento celular, produção de ácidos graxos e redução de açúcar no sangue; combate infecções; promove a saúde das glândulas sudoríparas, do tecido nervoso, da medula óssea, das glândulas sexuais e células sanguíneas; previne a calvície; alivia dores musculares; baixa a intolerância à insulina em diabéticos. Principais fontes: carne de aves, fígado, rins, gema de ovo, couve-flor, ervilha.

- Vitamina B9 (ácido fólico) - Manutenção dos sistemas imunológico, circulatório e nervoso; antitóxico; ajuda a combater o primeiro infarto, o câncer de mama e de cólon, parasitas intestinais e envenenamento alimentar; diminui o risco de aterosclerose; promove a saúde dos cabelos e da pele; reforça o sistema imunológico e o sistema nervoso central. Principais fontes: fígado, rins, vegetais de folhas verdes, couve-flor.

- Vitamina B12 (Cobalamina) - auxilia a síntese de células vermelhas do sangue; manutenção do sistema nervoso; ajuda no crescimento e desenvolvimento do corpo. Principais fontes: fígado, rins, carnes, peixes, ovos, leite, queijo.

- Vitamina C (ácido ascórbico) - Indispensável para a síntese do colágeno; ajuda na manutenção das funções glandulares e do crescimento; manutenção dos tecidos; previne o câncer; aumenta a imunidade; protege contra infecções. Principais fontes: frutas cítricas frescas (laranja, limão, tomate abacaxi, mamão papaia) e vegetais frescos (repolho, couve-flor, espinafre, pimentão verde).

- Colina - Ajuda na memorização e no tratamento do Alzheimer; controla o colesterol e as gorduras no corpo; ajuda a eliminar substâncias tóxicas (venenos e drogas) e na reconstrução do fígado danificado pelo álcool. Principais fontes: lecitina de soja, gema de ovo. 

Curiosidades

Pessoas que vivem em regiões de pouca incidência de raios ultravioleta B ou de pele escura, idosos e indivíduos obesos possuem, em geral, níveis mais baixos de vitamina D devido à pouca absorção dos raios solares.

Pesquisas recentes demonstraram que a ingestão em excesso de betacaroteno e de vitamina A por mulheres lactantes portadoras de HIV aumenta a carga viral no leite. O tabagismo associado a altas doses de betacaroteno também parece aumentar o risco de câncer de pulmão. O excesso da vitamina A pode envenenar o organismo e causar doenças e má formação de nascença.

As células cancerosas são as nossas próprias células que dispararam a crescer e a se multiplicar. Portanto, necessitam de nutrientes mais do que qualquer outra célula do corpo. Por essa razão, as vitaminas – em especial o ácido fólico (B9), indispensável para a divisão celular – podem contribuir para a propagação do câncer. Em pessoas livres dessa doença, as vitaminas têm grande poder de proteção contra esse mal.

Pessoas que se alimentam principalmente de carboidratos processados (arroz beneficiado, farinha de trigo e açúcar brancos) estão sob o risco de deficiência da vitamina B1. O arroz e os grãos de trigo polidos, assim como o açúcar branqueado, têm todas as vitaminas removidas no processamento.

O ácido pantotênico (B5) pode ser perdido no cozimento dos alimentos (assados e fervuras), bem como em alimentos regados a vinagre, bicarbonato de sódio e enlatados. A vitamina B12 também é perdida na fermentação para produção de iogurtes e no leite fervido.

Doenças relacionadas

- Acne
- Anemia
- Cirrose
- Depressão
- Desordens autoimunes
- Diarreia
- Enxaqueca
- Estresse
- Flatulência
- Gripe
- Hipertensão
- Infertilidade

Fonte IG

Índice Glicêmico é um aliado na dieta

Controlar o consumo de carboidratos reeduca a alimentação e ajuda a perder peso

Hábito e obrigação para os diabéticos, o controle do Índice Glicêmico (IG) também pode ser incorporado à rotina de quem deseja manter ou perder peso. O método propõe o controle na ingestão de carboidratos.

Miriam Nogueira Martinez, nutricionista do Hospital São Luiz de São Paulo, explica que todo carboidrato tem capacidade de elevar a glicemia do organismo. Alguns, porém, têm efeitos maiores e, conseqüentemente, são mais danosos para quem deseja perder medidas.

Segundo a especialista, quanto mais doce e menos integral for o alimento, maior será seu índice glicêmico. Ela alerta que essa variação depende muito do tipo do carboidrato. O índice de referência universal usado pelos nutricionistas é o pão branco, que é comparado à própria glicose, e tem o nível 100.

Quando o índice é alto, como o caso do pãozinho (100) ou do chocolate (em média 70), o organismo reage com uma resposta exagerada por conta do excesso de glicose no sangue, pontua a especialista. A absorção é mais rápida e provoca, rapidamente, uma quebra brusca da glicose, responsável por gerar a sensação de fome pouco tempo após a refeição. Essa reação não ocorre com os alimentos de baixo ou médio nível. O índice funciona com um regulador: ajuda a controlar o apetite e a evitar a fome precoce.
“Devemos considerar o índice como um farol. O vermelho representa os alimentos mais doces, com alto valor na tabela. O amarelo é um alerta, pois corresponde aos alimentos com um nível que vai de 56 a 69, e o verde são aqueles que tem um índice abaixo de 55.”

O sinal verde, porém, não é um aval para o consumo deliberado. Antonio Cláudio Duarte, médico e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (CREMERJ), explica que muitos alimentos extremamente gordurosos possuem um baixo valor glicêmico.

“Existem alimentos que são ricos em gordura, mas têm um baixo índice. O amendoim está entre o nível médio e baixo, mas tem muita gordura, o que eleva a caloria da dieta. A melancia, em contrapartida, possui 103 de índice. Ela não precisa ser banida, mas deve ser consumida com moderação.”

Para os especialistas, conhecer o método e saber substituir os alimentos é fundamental. Eles alertam, porém, que as tabelas ainda não são baseadas na alimentação do brasileiro, a referência é internacional.
“É importante procurar ajuda de um nutricionista porque as fontes não trabalham com a realidade da comida do nosso Pais”, diz Miriam.

Resultados e indicação
Conhecer o índice glicêmico dos alimentos e basear a alimentação nesse método requer disciplina, mas não tem contra-indicação. Os resultados, segundo os médicos, são positivos e rapidamente visíveis. “Essa dieta reeduca o paciente. Ingerir comidas mais ricas em vitaminas, minerais, fibras e menos calóricas ativa o metabolismo."

Segundo a nutricionista do Hospital São Luiz, o intestino funciona melhor, e isso se reflete na saúde da pele e do cabelo. Nas primeiras semanas, a perda de peso é mais acelerada, depois o corpo responde com menor intensidade. "O controle do indice não precisa ser feito apenas para quem deseja perder peso, é ideal para aqueles que buscam uma alimentação saudável."

 
Fonte IG

O bom do amendoim

Rico em nutrientes, o alimento pode ajudar a reduzir o colesterol e até ser um saboroso aliado no emagrecimento

Uma recente pesquisa realizada pelo IBOPE, para a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (ABICAB), revelou que 66% da população costuma consumir amendoim. Porém, 63% disseram desconhecer os valores nutritivos e a variedade de benefícios que o produto traz para a saúde.

O levantamento mostrou ainda que muitos consumidores tem conceitos equivocados a respeito do alimento, considerando-o engordativo (17%), com colesterol e gordura ruim (12%) e causador de problemas no fígado (4%).

Um trabalho elaborado pela nutricionista e fitoterapeuta brasileira Vanderli Marchiori, no entanto, mostaa o lado bom do amendoim.

“Sua composição é rica em ácidos graxos insaturados – benéficos à saúde –, e fonte de proteína vegetal, fibra dietética, minerais, vitaminas e antioxidantes, que podem proteger as células e ajudar no combate a doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. Por isso, o amendoim é um grande aliado da nutrição humana”, diz a especialista.

Entre todas as oleaginosas, o amendoim é a que fornece mais proteína. Por conter muitas gorduras monoinsaturadas, também reduz o colesterol e previne a formação de coágulos nas artérias, evitando doenças cardíacas. “Devido ao baixo índice glicêmico, pode ajudar a prevenir o diabetes do adulto e, por ser rico em vitamina E, combate as rugas e deixa os cabelos brilhantes”, completa Vanderli.

Considerado um alimento funcional, o amendoim pode até atuar como inibidor de apetite.

“Foi comprovado cientificamente que após a ingestão de uma pequena porção os níveis de saciedade elevam-se e se mantêm por mais de duas horas. Ou seja, mais do que o dobro de saciedade quando comparado aos lanches hipocalóricos normalmente recomendados em planos alimentares para redução de peso. Portanto, desde que consumido com moderação, o snack pode ser um saboroso aliado na manutenção do peso”, diz a nutricionista Lizandri Rangan, do Hospital Leforte, de São Paulo.

E se você gosta, pode consumi-lo diariamente. Mas cuidado com o tamanho da porção: 100 gramas contêm 596 calorias. Por isso, as especialistas recomendam apenas 30 gramas (ou cerca de 32 unidades) de amendoim torrado, na hora dos lanches intermediários.

Atenção, antes de consumir:
- Hipertensos devem restringir o consumo de amendoim com sal
- Diabéticos precisam ter atenção com derivados doces, como pé-de-moleque
- Quem tem alergia ao alimento precisa prestar atenção nas embalagens de produtos, para verificar se há derivados de amendoim em sua composição

- O amendoim deve ser armazenado em local protegido de luz, pois é rico em gordura e pode ficar rançoso com o calor

- Mantenha-o também em lugar seco. Repare se a embalagem está intacta, pois o contato com a umidade pode facilitar a proliferação de fungos nocivos à saúde.

Fonte IG