Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


terça-feira, 28 de junho de 2011

Causas de erros terapêuticos em idosos

A expectativa de vida do brasileiro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), subiu para 72,7 anos em 2007.

Em 1997, o estudo apontava uma expectativa de 69,3 anos. Em 2006, era de 72,3 anos. O que muita gente não sabe, contudo, é que os idosos possuem demandas sociais, econômicas e sanitárias específicas para obtenção de condições adequadas de vida, além do uso mais frequente de medicamentos, questão que tem causado preocupação mundial quanto ao seu manuseio e consumo.

A intoxicação por medicamentos em idosos tem ocorrido com mais frequência nos últimos tempos, em todos os países. Segundo resultados de estudos científicos, os erros nos tratamentos, assim como as reações adversas às drogas (RAD), são razões comuns de efeitos não desejáveis ou resultados fatais entre as pessoas mais idosas. O entendimento dos motivos destas fatalidades pode ajudar no desenvolvimento de estratégias para evitar o aumento destes casos, sendo mais comum, sobretudo, nas idosas, como afirma o estudo conduzido por Skarupski et al. (2004).

Desde 1982, a Food and Drug Administration (FDA) recebeu aproximadamente 20.000 relatos de pacientes denunciando os erros de medicação. Entretanto, acredita-se que o número real seja muito maior. “Já os estudos do Institute of Medicine (IOM) “Err is Human: Building a Safer Health System”, de 1999, afirma que entre 44.000 e 98.000 mortes por ano ocorrem devido a erros médicos em hospitais e mais de 7.000 mortes ocorrem a cada ano devido a erros de medicação. Em resposta a esta pesquisa, todas os setores do Sistema de Saúde dos Estados Unidos sinalizam que estratégias para reduzir essa taxa de erros devem ser realizadas rapidamente”, comenta Professor de Cosmetologia e Diretor da IPUPO CONSULT, consultoria especializada no desenvolvimento de nutricosméticos para o mercado brasileiro, Maurício Pupo.

O armazenamento de remédios deve ser algo muito especial. É preciso, então, alguns cuidados para manter os medicamentos da sua farmácia em condições que garantam a sua eficácia. Por isso, a pessoa que deseja guardar seus remédios com segurança e encontrar praticidade no momento de consumi-lo, foi lançado no mercado o Pote Cápsula – D-Safety. O usuário pode separar o medicamento e o período que será utilizado a cada dia da semana. “Uma dica importante, é manter a sua caixa de remédios ao abrigo da luz, longe da umidade e de fontes de calor, ou seja, não é recomendado guardar remédios no banheiro, já que é um ambiente que sofre choque térmico constantemente. A cozinha também não é o melhor lugar para o armazenamento. Prefira os armários do quarto ou qualquer outro que apresente condições ambientes adequadas”, ensina o professor de cosmetologia.

Fonte: Professor Maurício Pupo
http://www.ipupoconsult.com.br/

Ginecologistas e obstetras de São Paulo param de atender planos em setembro

A Ginecologia e a Obstetrícia do Estado de São Paulo vão parar nos dias 1º, 2 e 3 de setembro de 2011.

A suspensão do atendimento ocorrerá no sistema de saúde suplementar e não serão feitos quaisquer procedimentos eletivos referentes a planos e seguros saúde. É uma espécie de ultimato que os especialistas paulistas dão às empresas após frustradas tentativas de negociações de reajustes de honorários e/ou de propostas muito aquém das expectativas.

Desde outubro de 2010, quando constituiu sua Banca de Negociações, a SOGESP fez inúmeras tentativas de diálogo com um total de 49 operadoras. A principal reivindicação é a adequação dos honorários médicos à CBHPM 2003 reajustados com base no IGPM até 2010.

Os números demonstram bem a intransigência das empresas, cujos nomes serão divulgados oportunamente. Até agora, 29 não se reuniram com a SOGESP, sendo que uma foi enfática em não querer nem conversar: a Porto Seguro.

Outro bloco, de 19 planos, abriu diálogo. No entanto, após o encontro e a formalização da proposta, apenas uma se dispôs efetivamente a negociar. Oito não responderam à proposta SOGESP e outras 6 a rejeitaram. De outras 4, aguarda-se contato, pois ainda estão no prazo para responder.

Diante de tal quadro, que denota efetivo desrespeito aos problemas enfrentados pelos ginecologistas e obstetras, foi aprovada durante a III Reunião com as Diretorias Regionais e Representantes Credenciados, em Campinas, em 19 de junho, a suspensão do atendimento aos planos de saúde no período de 1º a 3 de setembro. O ultimato ocorrerá justamente em meio ao XV Congresso Paulista de Obstetrícia e Ginecologia, quando os 6 mil profissionais debaterão quais os próximos passos do movimento, avaliando inclusive recomendações de descredenciamento coletivo, novas medidas judiciais, entre outras.

“Chegamos ao limite”, pontua César Eduardo Fernandes, presidente da SOGESP. “A SOGESP buscou o diálogo. Mas, a postura intransigente das operadoras requer outras atitudes. A prática da especialidade na saúde suplementar tornou-se inviável em São Paulo. Os honorários aviltantes têm levado muitos colegas a fechar consultórios, pois estão quebrando. Outros acumulam vários empregos colocando em risco a integridade profissional e a qualidade do atendimento às pacientes e aos fetos. Exigimos dignidade para nós e para os pacientes. São inúmeras as pressões de planos para corte nas solicitações de exames, de internações e de outros procedimentos, o que inviabiliza a boa medicina. É hora de dar um basta”.

É importante registrar que a suspensão abrangerá somente os atendimentos eletivos. As urgências e emergências estarão garantidas. Para não causar transtornos aos pacientes, a SOGESP orienta os ginecologistas e obstetras de São Paulo a fecharem suas agendas dos dias 1º, 2 e 3 de setembro, já remarcando eventuais consultas e procedimentos pré-combinados para outras datas.

“O paciente merecerá toda a nossa atenção e respaldo”, destaca Maria Rita Souza Mesquita, coordenadora da Comissão de Honorários Médicos da SOGESP. “Nosso embate com os planos de saúde, aliás, é em defesa dos direitos de assistência adequada dos cidadãos, além da valorização profissional”.

http://www.revistahospitaisbrasil.com.br/noticias_detalhe.asp?id_noticia=1948

Brasil e China terão acordo para produção de novas vacinas

Pacto será firmado em convenção internacional sobre biotecnologia.
Carta de intenções será assinada nesta terça-feira (28).

Brasil, China e Canadá firmam nesta terça-feira (28) um acordo internacional na área de biotecnologia para a produção de novas vacinas para combater doenças como câncer e tuberculose em território nacional. A carta de intenções será assinada por volta das 12h (horário de Brasília) em uma convenção internacional sobre o tema, realizada em Washington, nos Estados Unidos.

A vacina contra o câncer é a chamada "autóloga", feita com células retiradas do tumor do próprio paciente. O objetivo é evitar o retorno de tumores recorrentes.

No caso da imunização contra a tuberculose, a previsão é de que o Brasil possa produzir a nova vacina por meio de uma empresa filiada à Associação Brasileira de Biotecnologia (BrBiotec). O grupo ainda irá desenvolver kits de diagnóstico para a doença.

A reunião na capital norte-americana reúne 20 mil participantes, incluindo representantes de governos e empresas do setor.

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2011/06/brasil-e-china-fazem-acordo-para-producao-de-vacina-contra-cancer.html

Comer gordura trans faz ganhar peso ao longo do tempo, afirma nutrólogo

A gordura trans deixa os alimentos mais crocantes e faz tudo durar mais nas prateleiras. Mas nosso corpo não consegue transformar nem aproveitar essa gordura, que acaba se acumulando nas artérias.

Domingo, em Mississipi, é dia de manter as tradições, cantar as preces. Na igreja, também é dia de frango frito. Essa é outra tradição do Mississipi, o estado mais gordo dos Estados Unidos.

A balconista Corinne Clark, fiel fervorosa, nunca perdeu uma destas celebrações da fé e de calorias. “Nós costumávamos levar comida para a igreja. Era sempre todo tipo de galinha frita, salada de batata. As pessoas não pensavam em comida saudável. Elas simplesmente comiam”, diz.

Comiam na igreja, nos bares, nos restaurantes, em todo lugar até na hora do estudo. Frango frito fazia parte da merenda escolar todos os dias. Em uma escola, a direção resolveu dar um basta. Há dois anos, as enormes fritadeiras foram jogadas no lixo e, no lugar delas, o maior símbolo da mudança: fornos que assam usando ar quente. Nada de óleo. A gordura, que se espalhava por toda parte sumiu. Ficou até mais seguro: “Você escorregaria, era muito perigoso”, aponta a gerente do refeitório, Denita Blair.

Achamos o tamanho exato da mudança dando uma olhada no estoque. O que Denita Blair diz é impressionante. Antes das fritadeiras serem tiradas da cozinha, eram necessárias três bombonas por dia. Agora, a nova dura até dois anos. É a principal mudança dentro do refeitório, quase não tem mais gordura na cozinha. “É simplesmente mais saudável, você não tem mais aquela gordura toda para as crianças”, comemora Denita.

A gordura, claro, não ficou de fora das dicas de Harvard. Os cientistas alertam: prefira as gorduras saudáveis, que estão, por exemplo, nas nozes, nos peixes e nos óleos vegetais. “Escolha as gorduras boas para a sua dieta, o que significa usar óleos líquidos vegetais, sempre que possível”, orienta o nutrólogo Walter Willet, da Escola de Saúde Pública de Havard.

Há 100 anos, as indústrias de alimentos nos Estados Unidos passaram a fabricar comida usando um novo tipo de gordura, uma gordura revolucionária, destinada a mudar os destinos da alimentação no mundo. Com ela, a comida ficava muito mais barata, mais gostosa, e, por ter origem vegetal, todos acreditavam que ela seria muito mais saudável.

Oitenta anos depois, a luz das pesquisas revelou um dos maiores problemas alimentares do século: o consumo da gordura trans, uma gordura que faz mal para o nosso corpo e que, quando foi criada há 100 anos, era usada para fazer vela. É como se durante várias gerações, as pessoas tivessem incluído no cardápio vela no café da manhã, no almoço e no jantar. “Velas é o melhor que você pode fazer com a gordura trans. Você não deveria comê-la se você se preocupa com a sua saúde”, alerta o nutrólogo Walter Willet.

A gordura trans deixa os alimentos mais crocantes e faz tudo durar muito mais nas prateleiras. Mas nosso corpo não consegue transformar e nem aproveitar esse tipo de gordura, que acaba se acumulando nas artérias. Em Nova York e em Boston, ela já foi proibida nos restaurantes. No Brasil, os rótulos devem indicar a quantidade de gordura trans presente nos alimentos. A Organização Mundial da Saúde aconselha o consumo máximo de dois gramas por dia desse tipo de gordura.

“A gordura trans provavelmente teve uma contribuição importante na epidemia de obesidade. Vimos nos nossos estudos que as pessoas que comem mais gordura trans ganham mais peso ao longo do tempo”, diz Walter Willet, o nutrólogo da Escola de Saúde Pública de Harvard.

Mas não é fácil deixar para trás o gostinho sedutor da gordura perigosa. No Mississipi, as crianças contam que sentem falta da comida antiga servida na escola.

A diretora da escola Suzanne Walton sabe que a retirada das fritadeiras foi só o início da batalha contra a obesidade. Ainda é difícil convencer muitos pais, que não abandonam em casa a tradição da comida gordurosa do Mississipi. “Isso me machuca muito. Eu me preocupo com as crianças e a saúde delas. É um desafio muito grande e nós tentamos dar um passo por vez”, lamenta Suzanne.

Este ano, ela terá um argumento a mais: o índice de massa corporal das crianças foi medido pela primeira vez no ano passado. A olhos vistos, pelo menos, a mudança já aconteceu. A aula de yoga está cheia de crianças. “Este ano, nós estamos tirando novamente as medidas e poderemos ver se os estudantes estão progredindo. Então, poderemos dar aos pais um relatório sobre a saúde deles. E os pais vão entender: o que eles fazem aqui na escola está fazendo a diferença”, diz Suzanne.

Ela sabe que a tradição alimentar do Mississipi é perigosa. Há alguns anos, o marido dela sofreu um enfarte, e há poucas semanas descobriu que está diabético. Essa notícia é comum no país.

O pastor Reginald Griffin, da Igreja Batista, também tem a doença. Pensando na saúde dele e na dos fiéis, o religioso mudou a alimentação e passou a fazer jejuns de tempos em tempos, e tenta convencer quem vai à igreja a fazer o mesmo. "Eu não conseguia dobrar o meu terno. Agora, tem um pouco de espaço nele. Eu estou mostrando aos fiéis o meu exemplo”, conta.

A pregação na pequena Igreja Batista, ganhou novos significados. As tentações são tantas. A balconista Corinne Clark aceitou o desafio do pastor: “Nada de doces, nada de refrigerantes. Só água. Nada de comida gorda, só verduras. Definitivamente nenhuma fritura”, garante.

Quando batia a fome, ela orava. “Senhor, dai-me forças. Afaste-me de todo mal”, brinca Corinne.

A família teve que acompanhar o desafio da mudança. Os netos reclamaram, mas os resultados vieram. Ela até já estranha as roupas que aparecem na lavanderia onde trabalha. “O que me motiva é que muitos clientes entram na loja e eles estão enormes. Você pega as calças de alguém e olha. Meu Deus, eu poderia ser deste tamanho”, se espanta Corinne.

Mas a tentação ainda leva vantagem. O que será que tem perto de casa na hora em que é preciso fazer aquelas comprinhas de emergência?

Torresminho, salgadinho, pãozinho doce, refrigerante e biscoitinho de chocolate são o tipo de comida que Corinne consegue comprar perto da casa dela em um posto de gasolina. Agora, se ela quiser comida de verdade, aí ela terá que ir mais longe, porque o mercadinho mais próximo que oferece verduras, legumes, carne e arroz fica a meia hora, de carro.

O problema não é só de Corrine. Ao todo, 23 milhões de pessoas nos Estados Unidos vivem em lugares longes dos mercados que oferecem comida saudável. Essas regiões são conhecidas no país como "desertos alimentares".

Mas o chefe do Departamento de Saúde do Mississipi, Alfio Al Rausa, diz que tem uma outra tradição que engorda: o exagero. As porções em qualquer lugar que se vá sempre dão para mais de uma pessoa. Até os pratos aumentaram.

“Depois da Segunda Grande Guerra, as pessoas se reuniam para o churrasco do fim de semana, ninguém conseguia segurar quatro ou cinco pratos. Então inventaram um prato grande, onde você poderia pôr tudo, o milho, a salada de batata, um pedaço de carne, um cachorro quente, o hambúrguer. E aí você podia sentar com o prato nos joelhos e comer. Aquele prato gigante entrou para dentro das casas como o prato do jantar. E o que era o prato do jantar virou o prato da sobremesa” conta Al Rausa.

No caso de Corinne, a fé que remove montanhas também está, aos poucos, removendo da família dela o perigo da obesidade. “Obrigado, Senhor, por me dar forças. Sim, está funcionando. E agora, se eu vou para um restaurante, a comida não me incomoda mais. Eu posso comer uma salada e ficar feliz”, celebra.

http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2010/11/comer-gordura-trans-faz-ganhar-peso-ao-longo-do-tempo-afirma-nutrologo.html

Gene que produz pessoas magras é associado a problemas no coração

Coração SLP 1 (Foto: SLP / BBC)
Gene IRS1 reduz gordura sob a pele mas não tem
efeito sobre gordura no coração. (Foto: SLP / BBC)

Estudo sugere que apesar de reduzirem gordura sob a pele, variantes do IRS1 não diminuem perigosa gordura em torno das vísceras.

Genes que produzem pessoas magras foram associados a problemas no coração e a diabetes do tipo 2 - condições normalmente vinculadas ao excesso de peso.

O estudo, feito pelo Medical Research Council da Grã-Bretanha, sugere que variantes do gene IRS1 reduzem a gordura sob a pele, mas não têm efeito sobre a gordura presente nas vísceras, em torno de órgãos como o coração e o fígado - muito mais perigosa.

O trabalho foi publicado na revista científica Nature Genetics e envolveu estudos genéticos com 76 mil pessoas. A associação entre as variantes genéticas e a doença foi maior forte nos homens.

Magros
A chefe do estudo, Ruth Loos, pesquisadora da Epidemiology Unit do Institute of Metabolic Science, em Cambridge, na Inglaterra, disse que quando os cientistas perceberam a associação genética ficaram intrigados.

"Fizemos uma fascinante descoberta genética", disse Loos. E aconselhou: "Não são apenas os indivíduos obesos que podem estar predispostos a essas doenças metabólicas. Indivíduos magros não devem pressupor que são saudáveis com base em sua aparência."

O médico Iain Frame, diretor de pesquisas da entidade de auxílio a diabéticos Diabetes UK, disse que o estudo pode "esclarecer por que 20% das pessoas com diabetes do tipo 2 sofrem da condição apesar de terem um peso saudável".

"[A pesquisa] também é uma mensagem clara de que pessoas magras não podem ser complacentes em relação à sua saúde."

Comentando o novo estudo, o médico Jeremy Pearson, um dos diretores da British Heart Foundation, entidade britânica de combate às doenças do coração, disse:

"Esses resultados reforçam a ideia de que, para riscos ao coração, é particularmente importante não apenas quão obeso você é, mas sim onde você deposita a gordura."

"A gordura armazenada internamente é pior para você do que a armazenada sob a pele."

"Entretanto, isto não elimina o fato de que ser obeso é ruim para a saúde do seu coração, então devemos continuar tentando ficar magros e em boa forma física."

Fazer sexo duas vezes por semana aumenta vida em até um ano e meio


São apenas quatro letras que mexem com a imaginação, a autoestima, o comportamento e o humor: sexo. E a atividade não faz bem apenas para o corpo e a mente – a expectativa de vida também se beneficia. Quem transa duas vezes por semana pode ganhar até um ano e meio, segundo um estudo inglês.

O Ministério da Saúde brasileiro recomenda que as pessoas façam sexo com frequência, algo considerado tão importante quanto controlar a pressão arterial e estar no peso adequado. O próprio ato ajuda a emagrecer: em uma boa sessão de meia hora, podem-se queimar até 500 calorias.

Além da endorfina liberada, que causa satisfação e bem-estar, a dopamina age no organismo relacionada ao vício: por isso, quem faz sexo costuma querer sempre mais. Mas, para não correr nenhum risco, é fundamental usar sempre camisinha – disponível na rede pública para pessoas acima de 12 anos de idade.

Segundo especialistas, a atividade sexual não deve ser usada em um relacionamento como ferramenta de chantagem. Pelo contrário, conforme você vai conhecendo o parceiro e sabendo o que lhe agrada, a relação só tende a melhorar, com mais prazer e compreensão.

Estimular o outro com um filme, um brinquedo, uma posição ou uma fantasia nova pode ajudar a apimentar o namoro ou o casamento. E essas inovações são importantes para estimular o cérebro e manter a chama acesa. A tendência é que, após 5 anos, a frequência sexual caia pela metade, por isso aumentar a qualidade é tão necessário. Um beijo prolongado, que dure pelo menos 10 segundos, já contribui para elevar o desejo.

De acordo com o dr. José Bento, o sexo está relacionado à sobrevida humana na Terra. E, depois que os métodos contraceptivos foram descobertos, sobrou apenas a parte boa da prática. Ele disse, ainda, que o ritmo de homens e mulheres é diferente: enquanto eles atingem o orgasmo em 2,5 a 5 minutos em média, elas demoram de 14 a 20 minutos.

O sexo também diminui a depressão e pode ser feito inclusive por mulheres grávidas, desde que elas não tenham sangramentos, corrimentos, contrações nem estejam em trabalho de parto. Ainda segundo o ginecologista, o autoestímulo é tão positivo quanto a atividade sexual, principalmente para a mulher, que pode se conhecer mais.

Dicionário de termos médicos

Abscesso: Acúmulo de pus

Acatisia: Inquietação

Alopécia: perda de cabelos

Alucinação: Sensação visual, auditiva ou corporal com causa inexistente

Ambliopia: Diminuição da visão

Amenorréia: Ausência de menstruação

Amnésia: Perda da habilidade de recordar ou formar memórias

Ansiedade: Sensação de medo, preocupação, inquietação

Angioedema: coceira seguida de inchaço nas camadas mais profundas da pele

Anorexia: perda de apetite

Anorgasmia: incapacidade de experimentar um orgasmo

Arritmia: Batimentos cardíacos anormais

Artralgia: Dor nas articulações

Artrose: Degeneração das articulações

Astenia: perda ou diminuição da força muscular

Asterixe: Tremor nas mãos por disfunção hepática

Ataxia: desequilíbrio

http://www.efeitoscolaterais.blog.br/2009/03/dicionario-de-termos-medicos-doencas-sintomas-reacoes-ac/

Substâncias no Cigarro (fumo, filtro e papel)

A fumaça do cigarro contém mais de 4700 substâncias tóxicas, incluindo pelo menos 60 substâncias cancerígenas, e algumas até radiativas.

parar_de_fumar_cigarro_tabaco_fumo_substancias_droga_vicio_dependencia

 Todo o esforço da indústria do tabaco, ao longo dos anos, parece ter sido o de “melhorar” seu produto de forma que cause maior dependência em menos tempo; além de diminuir cada vez mais a faixa etária de seu “target” na publicidade. Felizmente, a comercialização do cigarro hoje, é alvo de uma série de restrições, o que não acontece (ainda) com o álcool.
 
Algumas substâncias nocivas, encontradas no fumo, no filtro, no papel e na fumaça do cigarro:
  • Acetato de chumbo: Cancerígeno.
  • Acetona: Solvente inflamável.
  • Ácido cianídrico: Bloqueia a recepção do oxigénio pelo sangue.
  • Acroleína: Provoca mau hálito.
  • Alcatrão: Tóxico e cancerígeno. Obstrui as vias respiratórias.
  • Amônia: Utilizado em produtos de limpeza.
  • Arsênico: Veneno.
  • Benzeno: Solvente químico.
  • Benzopireno: Substância cancerígena.
  • Butano: Gás inflamável. Combustível de isqueiro.
  • Cádmio: Metal tóxico presente em pilhas e baterias. Causa danos cerebrais.
  • DDT: Agrotóxico.
  • Dietilnitrosamina: Causador de lesões hepáticas.
  • Fenol: Corroi membranas mucosas. Afeta o sistema nervoso central.
  • Formol: Conservante cancerígeno.
  • Fósforo: Usado na preparação de mata-ratos.
  • Metanol: Usado como combustível de foguetes e automóveis.
  • Metopreno: Inseticida usado em anti-pulgas.
  • Monóxido de carbono: Gás inflamável e radioativo.
  • Naftalina: Veneno mata-baratas.
  • Nicotina: Também usado como insecticida. Provoca a dependência.
  • Pireno: Hidrocarboneto Cancerígeno utilizado como aromatizante.
  • Polônio: Elemento radiativo presente no lixo tóxico.
  • Terebentina: Solvente tóxico. Causa danos ao sistema nervoso central.
  • Xileno: Usado em tintas de caneta e sprays. Inflamável e cancerígeno. 
Considerando que a maioria dos fumantes se tornaram dependentes bem antes de termos essas informações, os avisos nos maços de cigarro, e a proibição da publicidade, o fumante deve ser tratado como doente e vítima, nunca como algoz, irresponsável ou mau-caráter. A proibição do fumo em locais fechados, entretanto, é bem-vinda, pois preserva os não-fumantes e ajuda o fumante a encarar as consequências da dependência.

 
http://www.efeitoscolaterais.blog.br/2009/02/substancias-cigarro-tabaco-fumo-filtro-papel/

CID.10

Acesse o site e pesquise o CID.10 desejado

http://virtualpsy.locaweb.com.br/cid.php?ltr=A

Ist Inter-regional Forum of Health Leaders in Évora - Portugal

The Fórum Hospital do Futuro and the Fundación para la Colaboración, in collaboration with Administração Regional de Saúde do Alentejo, and other partnering organisations, host the Iberian Summit of Healthcare Leaders, on February 4 and 5, 2011, in Évora, Portugal. This summit is designed to address Regional and Cross-border Strategies in Healthcare, with the purpose of providing an Iberian inter-regional debate on the Healthcare sector, gathering the main Iberian public institutions, both nationally and regionally.



http://www.iberianhealthcareforum.org/

Remédios antigos - Vinho de Coca

Esse vinho de coca foi feito pela Maltine Manufacturing Company de Nova York. A dosagem indicada diz: “Uma taça cheia junto com, ou imediatamente após, as refeições. Crianças em proporção.


Concursos na área da saúde por todo o Brasil


Vá em marcadores, clique em concursos e fique sabendo dos principais eventos que ocorrem por todo o Brasil na área da saúde.

Cancro de pele pode fazer mais 10 mil vítimas este ano em Portugal

Mais 10 mil casos de melanoma, o cancro de pele mais agressivo, podem surgir este ano em Portugal, avançou hoje um representante da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC).

Cancro de pele pode fazer mais 10 mil vítimas este ano | © 123RF
Foto 123RF

Para Osvaldo Correia, os números são “preocupantes”, quer a nível nacional quer internacional, razão pela qual a “sensibilização e a prevenção” são a melhor arma contra esta doença, que regista anualmente, em média, cerca de dez mil casos em Portugal.

O responsável falava hoje à margem de um rastreio que decorreu na Póvoa de Varzim e Vila do Conde, envolvendo 130 pessoas já sinalizadas pelos centros de saúde locais, das quais “30 por cento apresentaram lesões na pele, em alguns casos, graves”.

Os afetados são, segundo o clínico, oriundos da classe piscatória e agricultores, “duas das profissões de risco, porque exigem por parte dos trabalhadores uma elevada exposição ao sol”.

Mas o aparecimento do melanoma também está associado a exposições ao sol “intermitentes ou súbitas”, como acontece no verão, em dias de muito calor ou em férias esporádicas, disse ainda Osvaldo Correia.

Por isso, o risco de cancro de pele aumenta exponencialmente esta época, depois destes “golpes de calor”, porque os índices ultra violetas também “estão no seu extremo” - como acontece neste fim-de-semana, apontou ainda.

Uma alteração de comportamentos é o que pretende a APCC, ‘proibindo’ as idas à praia entre as 11:00 e as 16:00, a não utilização de chapéus e roupas adequadas e recomendando a aplicação desadequada de protetores solares.

E, se os números em Portugal são preocupantes, também a nível internacional são para refletir: “uma em cada cinco pessoas corre risco de ter cancro de pele, e uma em 50 poderá ter melanoma”, sublinhou.

O médico lembrou ainda que, todos os anos, o número de pessoas com cancro de pele “tem aumentado”, apesar de “a população estar mais sensível e alertada” para esta problemática.

Segundo Osvaldo Correia, as pessoas podem estar, agora, “a pagar erros cometidos no passado, às vezes, há mais de 20 ou 30 anos", porque "na altura, ao contrário de agora, não se conheciam os efeitos nocivos da exposição prolongada aos raios solares nem as consequências de escaldões e queimaduras solares".

Campanha alerta contra os perigos de vírus que infecta recém-nascidos em Portugal

"Proteja o seu Bebé" é o nome de campanha que será lançada hoje no Hospital Fernando da Fonseca e que visa sensibilizar para a importância da prevenção do vírus sincicial respiratório, que pode causar bronquiolite ou até pneumonia nos recém-nascidos.

A iniciativa, que tem como madrinha a atriz Cláudia Vieira, pretende "informar a população em geral, os futuros pais e os profissionais de saúde sobre a necessidade de protecção do bebé prematuro" em relação a este vírus, que causa uma das infeções do aparelho respiratório mais frequentes nos primeiros dois anos de vida.

Com o mote “Proteja o seu bebé”, esta campanha tem como mascote o koala Kiko e contará com diversos materiais de sensibilização como cartazes, folhetos, réguas medidoras para crianças, calendários, molduras com saudações, anúncios na imprensa e informação específica para recém mamãs de bebés prematuros.

O vírus sincicial respiratório pode causar bronquiolite e, em casos mais graves, pode haver complicação infecciosa e surgir pneumonia.

A infecção propaga-se por contacto através das mãos ou superfícies contaminadas e por tosse ou espirros. Em Portugal, este vírus surge, geralmente, nos meses de Outono e Inverno.

Os sintomas iniciais são febre baixa, corrimento nasal, acessos de tosse e espirros. Após três a cinco dias de doença podem surgir sintomas de maior gravidade, tais como tosse persistente, dificuldade respiratória e pieira.

Os principais grupos de risco são os bebés prematuros, bebés com doenças pulmonares crónicas e cardiopatias congénitas, tendo a campanha nacional de sensibilização o apoio da secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria.

O Vírus Sincicial Respiratório(VSR) é a principal causa de infeção das vias aéreas e pulmões nos bebés e crianças, menores de 2 anos de idade, sendo o principal agente infecioso que causa bronquiolite, uma infeção das vias aéreas mais pequenas dos pulmões.

O VSR é transmitido por crianças ou adultos infetados através de secreções do nariz e da boca, por contacto direto ou por gotículas através do ar. Pode ser contagioso, indirectamente, quando alguém toca objectos infetados com o vírus como brinquedos, portas, canetas.

Em países temperados, como Portugal, esta infeção surge sobretudo entre Outubro e Março.

O período de incubação é de 2 a 8 dias e o período maior contágio é nos primeiros 2 a 4 dias de infeção.

Inicialmente a criança tem um corrimento nasal, tosse moderada e por vezes febre e em 1 ou 2 dias a tosse agrava. Podem ter dificuldade a alimentar-se, devido à dificuldade em respirar.

Os grupos de risco para infeção a VSR são os bebés nascidos prematuros, crianças com doenças pulmonares e crianças com doenças cardíacas, assim como alguns bebés com imunodeficiências e doenças neuromusculares.

Para as crianças nascidas prematuras, com doenças cardíacas ou doenças pulmonares, a infecção a VSR pode ser uma doença grave, requerendo hospitalização. Os bebés prematuros têm os pulmões imaturos e neles pode ser difícil combater a infecção a VSR.

http://www.destak.pt/artigo/99366-campanha-alerta-contra-os-perigos-de-virus-que-infecta-recem-nascidos

Equipe vai sanear hospital de Sorocaba

Esquema de fraudes derrubou secretário estadual de Esportes e coordenador de Saúde

O interventor do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), Luis Claudio Silva, deve nomear hoje uma equipe de administradores e médicos para sanear a unidade. Desde o dia 16, o hospital público está no centro de uma investigação do Ministério Público e da Polícia Civil que apura esquema de fraudes em plantões. Os médicos não apareciam para trabalhar, mas eram pagos.

O interventor já alterou o sistema de plantões. Funcionários controlaram, no fim de semana, os horários dos plantonistas. Silva foi nomeado interventor no dia 20, após prisão do diretor do CHS, Heitor Consani, suspeito de fraude e também de dirigir licitações. As investigações levaram à demissão do secretário estadual de Esportes, Jorge Pagura, e do coordenador de Saúde, Ricardo Tardelli, citados em escutas. Eles negam envolvimento.

O interventor tem até o fim de agosto para apresentar um diagnóstico dos problemas. Já revelou a interlocutores que o hospital está sobrecarregado. O número de pacientes vindos de 48 municípios da região chega a três mil por dia. Silva pretende intervir no setor de marcação de consultas para reduzir a espera e na compra de equipamentos básicos em caráter emergencial.

O diretor da PUC-SP em Sorocaba, Eduardo Martinez, confirmou ter havido reclamações de falta de médicos nos plantões que têm a participação de residentes da universidade. O interventor pretender estabelecer um diálogo com a PUC-SP para corrigir os problemas. Atualmente, a universidade mantém 120 médicos recém-formados atuando em rodízio no conjunto. Outros 200 alunos do 5.º e 6.º anos cursam disciplinas práticas no hospital.

O prefeito de Sorocaba, Vitor Lippi (PSDB), que indicou o ex-diretor, classificou as denúncias envolvendo Consani como "uma surpresa ruim". Também deseja se reunir com o interventor.

Estudo mostra que diabete já atinge 10% da população mundial

Pesquisa em 200 países indica que a doença virou epidemia global; incidência é maior em nações em desenvolvimento
Quase 10% de toda a população mundial adulta tem diabete, e a incidência da doença está aumentando rapidamente. Como ocorre nos Estados Unidos e em outros países desenvolvidos, a falta de atividade física e a obesidade da população representam as principais causas do problema também nos países em desenvolvimento, como a Índia e parte da América Latina, do Caribe e do Oriente Médio.

Brian Snyder/ReutersEssa é a conclusão de um estudo publicado no final de semana pela revista médica Lancet, que acompanhou nas últimas três décadas os padrões no desenvolvimento da diabete e os valores médios das leituras do nível sanguíneo de açúcar em cerca de 200 países e regiões.

O resultado da pesquisa traz a previsão de grandes custos e do fardo das complicações físicas nos próximos anos do século, pois a doença aumenta o risco de a pessoa sofrer ataque cardíaco, insuficiência renal, cegueira e certos tipos de infecção.

"O estudo confirma aquilo que muitos suspeitavam: a diabete se tornou uma epidemia global", disse Frank Hu, epidemiologista da Faculdade de Saúde Pública de Harvard, que não participou dos trabalhos.

"Isso tem o potencial de sobrecarregar os sistemas de saúde de muitos países, principalmente aqueles em desenvolvimento."

Incidência. Em todo o mundo, a incidência da diabete em homens com mais de 25 anos aumentou de 8,3% em 1980 para 9,8% em 2008.

Para as mulheres com mais de 25 anos, o aumento foi de 7,5% para 9,2%.

"Este deve ser um dos traços que definirão a saúde mundial nas próximas décadas", disse Majid Ezzati, epidemiologista e bioestatístico da Faculdade Imperial de Londres, que liderou o estudo.

"Temos o simples fato da magnitude do problema. Além disso, diferentemente da pressão alta e do colesterol, não há tratamentos eficazes contra a diabete."

Tipos. Há dois tipos de diabete, um problema no metabolismo que faz com que o corpo seja incapaz de transportar o açúcar adequadamente até os tecidos por meio do sangue após uma refeição.

O tipo 1 é uma doença autoimune que surge na infância. O organismo destrói as células produtoras de insulina. O paciente deve receber injeções de insulina para sobreviver.

O tipo 2 corresponde a 90% dos casos e em geral é detectado depois dos 25 anos. Pode ser controlado por meio do uso da insulina, comprimidos e, em certos casos, perda de peso e prática de exercícios.

Estudo revela novos danos causados pelo bisfenol A

Composto usado em plásticos prejudica vida sexual de roedores; impacto em humanos é considerado provável

O bisfenol A (BPA, na sigla em inglês) prejudica o comportamento sexual de roedores, especialmente dos machos. É o que mostra um trabalho publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). A substância, utilizada pela indústria química na produção de diversos tipos de plástico, tem sido combatida por médicos e ambientalistas que defendem seu banimento.
No estudo, fêmeas de rato-veadeiro consumiram BPA na dieta durante a gestação e a amamentação. A proporção da substância não ultrapassava os níveis considerados seguros, estipulados pelo FDA, a autoridade sanitária americana: cerca de 50 miligramas por quilo de alimento.

A prole masculina dessas fêmeas era aparentemente idêntica aos roedores que não foram expostos ao BPA. Manifestavam, no entanto, um comportamento muito diferente. Não conseguiam sair de um labirinto simples que outros machos enfrentavam com facilidade.

Os cientistas viram um sintoma de feminilização na incapacidade do animal em lidar com informações espaciais: na espécie estudada, os machos possuem um senso de orientação muito mais aguçado. Sem ele, não conseguiriam encontrar as fêmeas espalhadas no ambiente e se reproduzir. Além disso, machos expostos ao BPA foram desprezados pelas fêmeas que, de alguma forma, percebiam a diferença com relação aos outros machos.

Os estudos em humanos ainda não são conclusivos. Mas Cheryl Rosenfeld, da Universidade de Missouri, coautora do artigo, aponta que os dados sugerem "que garotos podem ser mais suscetíveis ao produto que garotas".

A médica Ieda Verreschi, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo, concorda. "Estudos apontam que o bisfenol A imita o comportamento dos hormônios estrogênicos (grupo de hormônios sexuais que estimulam os caracteres femininos secundários)", diz. A sociedade iniciou uma campanha para o banimento do bisfenol no País: "Diga não ao bisfenol A, a vida não tem plano B".

A importação e a venda de mamadeiras que contêm o BPA está proibida na União Europeia. A China também tem uma lei que proíbe a produção de frascos para alimentação infantil que contenham plásticos feitos com o produto químico.

O BPA já foi banido no Canadá, na Costa Rica, na Malásia e em pelo menos 11 Estados americanos. No Brasil, a proibição do elemento químico está em discussão no Congresso. Em abril, a Justiça determinou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamentasse em 40 dias a inclusão de um alerta sobre a presença da substância nas embalagens dos produtos. A agência conseguiu prorrogar o prazo até agosto e está recorrendo da decisão.


http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110628/not_imp737760,0.php

Estudiosos desenvolvem vacina que combate a barriga d'água

Produto, feito com tecnologia totalmente nacional, obteve ótimos resultados em testes com animais

´

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) estão desenvolvendo uma vacina contra a esquistossomose, doença que afeta 4 milhões de pessoas no Brasil e 200 milhões ao redor do mundo. Já está previsto um programa de prevenção e controle efetivo de sua transmissão, capitaneada pela fundação. O produto, feito com tecnologia totalmente nacional, obteve ótimos resultados em testes com animais e ainda este ano terá sua segurança avaliada em seres humanos.

A esquistossomose caracteriza-se pela inflamação do fígado e do baço causada pelos ovos do verme Schistosoma mansoni. O aspecto físico resultante desse quadro justifica o nome popular da doença: barriga d'água. Segundo a médica responsável pela pesquisa, Miriam Tendler, além de comprometer a saúde, a esquistossomose prejudica as capacidades de aprendizagem e de trabalho e a qualidade de vida do doente.

Seu contágio ocorre depois que larvas do S. mansoni são liberadas na água pelo caramujo Biomphalaria, seu hospedeiro intermediário, e penetram na pele humana. O tratamento é realizado com medicamentos por via oral para matar o parasita dentro do corpo.

Saiba mais sobre as micoses e como evitá-las


Micoses são problemas de pele causados por fungos que podem estar em plantas, animais, no solo ou até nas pessoas

As micoses são uma dor de cabeça para muita gente, mas você sabe o que são? De acordo com a dermatologista do Hospital Moinhos de Vento Suzana Hampe, micoses são problemas de pele causadas por diferentes tipos de fungos. Eles podem estar presentes em animais, solo e plantas ou até nas próprias pessoas.

— As micoses podem ser superficiais, que são as mais comuns e dão na parte externa da pele ou as profundas, que são doenças mais raras e se manifestam por dentro da pele — diz.

Micoses superficiais

A médica exemplifica alguns tipos de micoses mais comuns:

:: Pé de atleta ou frieira

— Nascem por fungos que aparecem entre os dedos dos pés e que são causados principalmente por umidade. Pessoas que usam tênis ou calçados fechados e úmidos tem maior tendência a desenvolver o pé de atleta — explica.

:: Fungos transmitidos por animais

— Ocorrem em geral por contato com cães, gatos ou cavalos. As lesōes lembram um anel avermelhado com descamação, que cresce para a periferia e o centro tende a curar-se à medida que cresce. Coçam bastante — revela.

:: Fungos nas virilhas

— Mais comum em homens, pessoas acima do peso e que suam muito no local. Calção ou biquíni molhado por muito tempo na praia é um convite para ter o fungo. Aparecem lesões avermelhadas que podem coçar ou não. São frequentemente confundidas com assadura ou alergia, induzindo a pessoa a colocar medicamentos errados que podem apenas aliviar o quadro, mas não curar — alerta a médica.

:: Pitiriase Versicolor ou pano branco

— Forma várias e pequenas manchas brancas com leve descamação principalmente nas costas, peito e braços. Em alguns casos, podem ser rosadas ou acastanhadas. O pano branco ocorre com maior frequência em adolescentes e adultos jovens, pois produzem mais gordura no corpo — diz.

:: Micoses das unhas

— Aparecem como descolamentos de uma ou mais unhas, ficando uma área esbranquiçada e por baixo oca. É importante coletar material para identificar o tipo de fungo, para saber de onde veio e orientar o tipo de medicamento a ser usado, uma vez que a cura é mais demorada e pode ser necessário tomar medicação oral por longo prazo — ressalta.

Já as micoses mais profundas, a dermatologista alerta que são muito difíceis de acontecer e são mais complicadas.

— Por exemplo, o fungo Paracoccidioides brasilensis causa uma infecção pulmonar e pode se espalhar por dentro da pele — lembra.

Tratamento

Suzana explica que o tratamento para as micoses variam de caso para caso e que somente um médico dermatologista pode indicar qual o melhor para você.

— Na maioria dos casos, as micoses não acarretam grandes complicações e um simples creme antifúngico pode resolver. Mas a escolha do tempo de tratamento e se vai necessitar remédio oral vai depender do tamanho e da extensão das lesões, do tipo de fungo, de onde se localizam as lesões e se a pessoa tem uma boa defesa também — alerta.

Prevenção

Veja as dicas da dermatologista para que evitar as micoses:

:: Quem tem contato com animais domésticos deve observar se o cão ou o gato não tem falhas no pelo em forma de rodelas, já que isso pode sinalizar fungos;

:: Deve-se secar bem os pés e entre os dedos após o banho;

:: Pessoas que suam muito podem usar talcos antisépticos entre os dedos do pé e calçados, além de procurar não repetir os calçados todos os dias;

:: Procure usar meias e roupas íntimas que absorvem a umidade como as de algodão;

:: Não compartilhar toalhas, meias e calçados;

:: Pessoas com tendência a formar o pano branco, não devem usar hidratante nas partes oleosas do corpo;

:: As roupas devem ser bem ventiladas;

:: Não abusar de carboidratos na dieta;

:: Praticar atividades físicas com roupas de tecidos leves como o Dryfit e algodão;

:: Para quem coloca muito a mão na água é melhor usar luvas de borracha com forro de algodão. Esta é a melhor forma de evitar a candidíase nas mãos.