Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

EUA: propaganda antifumo gera polêmica

Propaganda antifumo traz imagens fortes, que geraram polêmica / Divulgação
Propaganda antifumo traz imagens fortes, que geraram polêmica
Legislação de Nova York determina uso de Imagens com pessoas mutiladas veiculadas em maços de cigarros e produtos com açúcar

A utilização de imagens impactantes para desestimular o consumo de cigarros e produtos com grande quantidade de açúcar vem trazendo polêmica em Nova York. Segundo o correspondente da Band, Luiz Megale.

A lei que determina o uso destas imagens foi criada pelo prefeito Michael Bloomberg. A prefeitura tem utilizado cartazes de pessoas mutiladas e um homem com obesidade mórbida. Os registros trouxeram ainda mais polêmica depois que foi utilizada foto alterada por computador.

Além dos cartazes nos produtos, a veiculação de anúncios com foco extremamente negativo vem dessagrando alguns setores da população. No entanto, as inserções devem continuar.

Fonte Band

7 Mitos da medicina nos quais até os médicos acreditam

Um estudo publicado na Grã-Bretanha, em 2007, levantou uma questão que preocupa os profissionais da área: mitos e ideias do senso comum, a respeito de saúde, que romperam a esfera da crença popular, e até os médicos passaram a acreditar. Confira sete destes mitos:

1) Celulares são perigosos em hospitais: Foi comprovado que os telefones celulares em funcionamento afetam cerca de 4% dos equipamentos de hospital, mas só se estiver a menos de um metro de distância do aparelho. Caso contrário, não há nenhum dano em usar o celular no ambiente hospitalar. Um estudo recente vai ainda mais longe: 300 testes foram feitos com celulares em mais de 75 salas de tratamento médico, e não houve uma interferência sequer.


2) Cesariana é o melhor tipo de parto:  A possibilidade de fazer o bebê nascer com um simples procedimento cirúrgico, ao invés do dolorido parto tradicional, foi muito bem vinda por mães e obstetras do século XX. Tanto que muitas mulheres simplesmente passaram a descartar o parto normal, mesmo que fosse completamente viável. A cesariana, na verdade, é um procedimento que envolve diversos riscos, como infecções e complicações cirúrgicas. O ideal é apenas recorrer à cesariana quando o parto normal for confirmadamente arriscado, para a mãe ou a criança.


3) Ler no escuro prejudica a visão: Poucos mitos foram tão difundidos quanto a ideia de que ler com baixa luz no ambiente “força a vista”. Mas também não existe nenhum indício científico de que possa haver algum dano permanente. No máximo, os olhos ficam cansados pelo esforço, mas após uma noite de sono já estão prontos para outra.


4) O ser humano usa somente 10% de  seu cérebro: Ressonâncias magnéticas e tomografias computadorizadas vasculham minuciosamente cada setor do cérebro. E garantem que não existem partes inativas dentro de nossa caixa craniana, muito menos 90% de toda essa massa. Até um exame detalhado, neurônio por neurônio, não detecta pontos inutilizados em nosso cérebro. O mito teria surgido, segundo os pesquisadores, de programas intelectuais do início do século XX, que incentivavam a população a estimular mais o próprio cérebro.


5) Unhas e cabelos ainda crescem após a morte:  Isso é fisicamente impossível. A impressão que temos ao ver um cadáver de unhas e cabelos e compridos é devido à pele. Após a morte, o tecido da epiderme se retrai e encolhe, o que deixa cabelos e unhas em evidência.


6) Devemos beber no mínimo 2 copos de água por dia: Uma das clássicas receitas para a boa saúde é manter a hidratação, bebendo no mínimo dois litros de água por dia. Não existe, no entanto, nenhuma evidência médica de que precisemos de uma dose tão alta assim. O necessário são dois litros de fluído, mas nessa conta também entram quaisquer outras bebidas, além de frutas e verduras, o que diminui a exigência de água.


7) Quanto mais você raspa os pelos, mais eles crescem duros e crespos: Já em 1928, um estudo resolveu fazer a comparação entre pelos raspados frequentemente e pelos deixados por fazer, e descobriu que não existe diferença nenhuma. O que dá essa impressão é o fato de que as frequentes raspagens vão paulatinamente desgastando apenas as pontas da barba. Quem não deixa crescer muito e só costuma ver a ponta da barba acaba achando que ela está crescendo mais grossa.


Fonte Hypescience

Não beba ainda! Benefícios de 1.000 garrafas de vinho tinto podem vir num remédio

Você já deve ter ouvido falar dos benefícios do vinho inúmeras vezes. Um deles foi descoberto quando cientistas alegaram que o vinho tinto continha resveratrol – um composto que pode aumentar a saúde e talvez até mesmo prolongar a vida.

Porém, estudos sugerem que, para ver os benefícios desse composto, é preciso consumir grandes quantidades dele, muito mais do que é encontrado em uma garrafa de vinho.

Agora, uma nova pesquisa indica que é possível obter uma dose grande de resveratrol a partir de comprimidos existentes – uma classe de drogas que está sendo testada para uso em tratamentos de mal de Alzheimer e mal de Parkinson.

Os resultados sugerem que essas drogas, conhecidas como inibidores fosfodiesterase tipo 4 (PDE4), podem fornecer uma maneira prática de colher os benefícios do vinho tinto sem consumir baldes da bebida (o que certamente seria ruim).

“O estudo revela uma função para essa classe de medicamentos que não tinha sido explorada ainda”, disse o pesquisador Dr. Jay H. Chung. No entanto, o estudo foi realizado em ratos, e os resultados terão que ser replicados para saber se são válidos para humanos.

Os cientistas queriam descobrir exatamente como o resveratrol, um composto do vinho tinto, agia dentro das células.

Eles descobriram que o resveratrol inibe uma proteína conhecida como fosfodiesterase tipo 4 (PDE4). Isso significa que ele é um inibidor da PDE4. Sabendo que drogas chamadas inibidores de PDE4 estavam sendo testadas para o tratamento de Alzheimer, os pesquisadores deram uma delas, rolipram, para os ratos.

Eles descobriram que a droga produzia todos os benefícios de saúde do resveratrol, incluindo prevenção da obesidade e melhor controle sobre os níveis de açúcar no sangue.

Em estudos com pessoas, o resveratrol mostrou efeitos antidiabetes. Mas era preciso ingerir cerca de 1.000 garrafas de vinho tinto por dia a fim de ter bons benefícios de saúde.

Inibidores de PDE4 poderiam ser uma solução realista para as pessoas obterem os mesmos benefícios. Além disso, eles podem ser menos tóxicos do que o resveratrol em si, porque o composto interage com muitas proteínas dentro das células.

O próximo passo da pesquisa é analisar os efeitos do rolipram em pessoas obesas com resistência à insulina.

Outro inibidor de PDE4, chamado roflumilaste, já está aprovado como tratamento para pessoas com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Os efeitos colaterais desta droga incluem náusea, diarreia e tontura, que é um enorme passo na compreensão do que o resveratrol faz, a nível biológico.[LiveScience]

Fonte Hypescience

Será que o açúcar pode ser tóxico?

No tempo que você leva para ler essa frase, uma pessoa no mundo morreu de diabetes tipo 2. Duas outras serão diagnosticadas com a doença.

A diabetes tem uma progressão lenta e está ligada com a obesidade, e por isso é considerada “diferente” e “autoinduzida”. Apesar de ser uma “assassina”, não é tão violenta como o câncer e doenças infecciosas. Mas, ao analisar os impactos pessoais e econômicos que ela causa, nós deveríamos dar mais atenção para ela.

De acordo com uma pesquisa da Universidade da Califórnia, o açúcar é um risco à saúde – contribuindo com cerca de 35 milhões de mortes por ano – e por isso deveria ser considerado uma substância potencialmente tóxica como o álcool e o tabaco.

Os pesquisadores dizem que sua ligação com a diabetes é tão grande, que impostos extras deveriam ser cobrados sobre comidas e bebidas com muito açúcar. Eles também recomendam o banimento da venda desse tipo de alimento perto de escolas, assim como restrições de idade nos produtos.

Você deve ter pensado: açúcar? Tóxico? Impossível. A verdade é que existe muita evidência de que o açúcar realmente é perigoso, por ser um fator de duas epidemias irmãs: a obesidade e a diabetes.

Os pesquisadores argumentam que particularmente tóxica é a sacarose – um composto natural formado de glicose e frutose, que é refinado para produzir o açúcar branco e um super açúcar processado. Ambos são adicionados aos alimentos processados – cereais, barras de café da manhã, algumas carnes, iogurtes, sopas e molhos. Ao invés de aumentar o conteúdo de frutas de um alimento, os produtores preferem colocar mais açúcar processado.

O que faz desse açúcar tão perigoso é que a frutose do açúcar refinado é quebrada primeiro no fígado (ao contrário da glicose que é lentamente liberada dos carboidratos complexos, durante a digestão). O rastro que esse açúcar refinado deixa no fígado começa um processo que pode levar até a diabetes tipo 2.

Isso porque altos níveis de açúcar no sangue significam que o pâncreas tem que produzir muita insulina – um hormônio que controla essa quantidade. Com o tempo, o pâncreas se cansa e começa a parar. Ao mesmo tempo, as células do corpo ficam resistentes aos efeitos da insulina, mantendo os níveis de açúcar no sangue muito altos.

É importante esclarecer que isso é diferente da diabetes tipo 1, quando as células do sistema imunológico atacam e destroem as células secretoras de insulina. Isso pode afetar pessoas muito jovens, e não tem relação com a alimentação. A tipo 2 é predominante na meia idade, afetando as populações de países desenvolvidos, e iniciada com uma dieta rica em açúcar e alimentos processados. Ela afeta todos os órgãos do corpo e está ligada com doenças do rim e do coração. Atinge também a circulação sanguínea e os vasos, podendo levar a amputações e cegueira.

Por causa da nossa alimentação, a diabetes tipo 2 está atingindo proporções epidêmicas. No Reino Unido, existem 2,6 milhões de pessoas afetadas, e outras 1 milhão ainda não foram diagnosticadas. O custo dessa situação na saúde é extraordinário. Globalmente, o gasto econômico é estimado em quase R$ 1 trilhão por ano. Para colocar em perspectiva, o custo dos terremotos e do tsunami no Japão foi de R$ 180 bilhões.

Mas ao contrário da ligação entre o fumo e o câncer de pulmão, a relação entre o açúcar e a diabetes não chegou ao público, não se transformando em políticas de saúde. Talvez esteja na hora de tratar a comida com açúcar da mesma maneira que os cigarros. Mas qual a chance de conseguirmos isso quando as cadeias de fast food e indústrias alimentícias estão cada vez mais influenciando as políticas de saúde? [Telegraph]

Fonte Hypescience

Droga psicodélica pode ser antidepressiva

Um novo estudo que analisou o cérebro “viajando” das pessoas que consomem cogumelos mágicos documentou a forma como as drogas psicodélicas agem. As descobertas sugerem que tais drogas poderiam ser usadas para tratar a depressão.

Dois estudos de cientistas britânicos sobre os efeitos da psilocibina, o ingrediente ativo em cogumelos mágicos, mostrou que, ao contrário das expectativas, o composto não aumenta, e sim suprime a atividade em áreas do cérebro que também são amenizadas com outros tratamentos antidepressivos.

Psicodélicos são conhecidos como drogas que expandem a mente, por isso, as pessoas comumente assumem que eles aumentam a atividade do cérebro. “Mas, surpreendentemente, nós descobrimos que a psilocibina na verdade diminui a atividade em áreas que têm as mais densas conexões com outras áreas”, disse David Nutt.

Essas regiões do cérebro com densas conexões desempenham um papel na limitação de nossa experiência do mundo e de como mantê-lo em ordem. “Agora, sabemos que a desativação destas regiões leva a um estado em que o mundo é experimentado como estranho”, explica Nutt.

No primeiro estudo, 30 voluntários receberam psilocibina no sangue durante uma ressonância magnética que mediu as mudanças na sua atividade cerebral. Os pesquisadores observaram diminuição da atividade cerebral nessas regiões com muitas conexões e muitos voluntários descreveram um sentimento de “engrenagens sendo soltas” e senso de autoexistência sendo alterado.

O segundo estudo envolveu 10 voluntários e descobriu que a psilocibina aprimorou suas memórias de lembranças pessoais.

As áreas chave do cérebro identificadas, uma chamada de córtex pré-frontal medial (mPFC) e outra chamada córtex cingulado posterior (PCC), são objeto de debate entre os neurocientistas, mas a PCC é considerada como uma região que desempenha um papel na consciência e autoidentidade.

A mPFC é conhecida por ser hiperativa na depressão, e os pesquisadores dizem que outros tratamentos para a doença, incluindo medicamentos como Prozac bem como terapia cognitiva-comportamental e de estimulação profunda do cérebro também parecem suprimir a atividade mPFC.

A ação de amortecimento da psilocibina sobre esta área pode torná-la útil e potencialmente antidepressiva.

Também descobriu-se que a psilocibina reduz o fluxo sanguíneo no hipotálamo – uma parte do cérebro onde as pessoas que sofrem de uma condição conhecida como “cefaleia em salvas” muitas vezes passam por aumentos no fluxo de sangue. Isso poderia explicar porque alguns pacientes com cefaleia em salvas dizem que seus sintomas melhoram após tomar a droga psicodélica.

Os estudos, que estão entre um punhado de pesquisas sobre substâncias psicodélicas realizadas desde os anos 1960 e 1970, revive um campo promissor em que drogas que alteram a mente podem oferecer melhora do humor sustentável e alívio da ansiedade.

Os resultados sugerem que a psilocibina poderia ser útil na psicoterapia. Porém, Nutt e outros especialistas advertem que as pesquisas são muito preliminares e precisam ser replicadas para saber se o uso da droga é mesmo eficaz e principalmente seguro.

“Certamente não estamos mandando as pessoas comerem cogumelos mágicos”, disse. “Mas essa droga tem um impacto fundamental sobre o cérebro e devemos estudá-la e se possível otimizá-la para ver se há um benefício terapêutico”, explica.[Reuters]

Fonte Hypescience

Bebê de 7,04 kg nasce na China

Chun Chun nasceu em Henan com o dobro do peso de uma criança normal.Ele bateu o recorde nacional de bebê mais gordo por apenas 40 gramas.

A criança e a mãe passam bem em um hospital local da cidade de Xinxiang, na província de Henan, de acordo com a agência Xinhua.

O menino, que foi batizado de Chun Chun, nasceu logo após o início do Ano Novo Lunar. Como este é o ano do dragão, é considerado localmente um bom momento para se ter filhos.

"Minha mulher não estava diferente de outras mulheres grávidas. Ela bebia e comia normalmente como deveria ser. Mas deu à luz um menino tão grande, gordo. Hoje é o primeiro dia da primavera no calendário chinês e ele é um "bebê dragão". Eu estou muito feliz, disse Han Jingang, o pai, à TV local.
A mãe, Wang Yujuan, de 29 anos, disse que tinha sentido algo "especial".

"Eu claramente senti que meu corpo estava mais desajeitado que quando eu estive grávida de minha filha. Minha barriga estava maior do que esteve então. Eu achei que meu bebê fosse ter entre 4,5 e 5 quilos. Eu nunca esperava saber que ele pesa 7 quilos", disse.

A primeira filha do casal, hoje com 6 anos, nasceu com 4 quilos.

"Um bebê normal deveria pesar entre 3 e 3,5 quilos. Esse bebê tem o dobro de peso de um normal, disse Shang Lili, chefe do departamento de Obstetrícia da maternidade local.

A agência Xinhua disse que, entre 2008 e 2010, três bebês de exatos 7 quilos nasceram na China e eram até então os recordistas. Com 40 gramas a mais, Chun Chun bateu o recorde.

O bebê mais pesado do mundo que se tem registro nasceu com 10,8 quilos, mas morreu poucas horas depois em Ohio, nos EUA, em 1879, segundo o Livro Guinness de Recordes.

Fonte G1

Camomila Romana

Resumo
Camomila romana: planta medicinal utilizada em uso interno contra os espasmos e a digestão, em uso externo como desinfetante e cicatrizante, é geralmente encontrada em forma de infusão, compressas ou líquido.

Observações
A camomila romana é menos utilizada em fitoterapia que a camomila ou matricária (bem mais estudada cientificamente), no entanto, a camomila romana tem um efeito amargo (que favorece e estimula a digestão) e desinfetante (para os cuidados da boca) mais fortes do que os da camomila.

Atenção! A camomila romana pode desencadear alergias de tipo retardado (alergia mais grave no segundo contato), portanto, se você for sensível à camomila romana, não a utilize mais e peça conselhos a um farmacêutico.

Nomes
Nome em português: Camomila romana
Nome latim: Camamelum nobile
Nome inglês: camomile
Nome francês: Camomille romaine
Nome alemão Römische Kamille
Nome italiano: camomilla romana

Família
Asteraceae (Asteráceas)

Constituintes
Óleos essenciais, camazuleno, nobilina.

Partes utilizadas
Flores secas.

Efeitos da camomila romana
Antiflogístico, diaforético, desinfetante, cicatrizante, carminativo, amargo.

Indicações da camomila romana
Em uso interno (para ingerir)
Contra os espasmos, os problemas digestivos e a transpiração excessiva.

Em uso externo
Contra as inflamações (efeito mais marcado que o da camomila ou matricária), problemas de cicatrização, lavagens e desinfecção da boca e dos machucados, cuidados dos cabelos.

Efeitos secundários
Risco de reação alérgica (tipo retardado) à camomila romana. Leia a bula dos medicamentos.

Contra-indicações
Alergia à camomila romana. Leia a bula dos medicamentos.

Interações
Desconhecemos

Preparações à base de camomila romana

- Infusão de camomila romana

- Solução (para gargarejo, por exemplo) de camomila romana

- Pomada de camomila romana

Onde cresce a camomila romana?
A camomila romana cresce na Europa.

Quando floresce a camomila romana?
A camomila romana floresce geralmente no início do verão europeu, em junho.

Fonte Criasaúde

2012 é o ano dos pacientes online?

Programas de Uso Significativo (MU), reforma de saúde e o amor do público por dispositivos móveis são os recursos que finalmente levarão ao completo envolvimento dos pacientes com sua própria saúde

As resoluções de Ano Novo continuam na mente de muitas pessoas. Com os presentes de Natal ganhados na forma de smartphones, iPads e apps relacionados à saúde, há grandes chances de essas resoluções serem cumpridas. Então poderia ser 2012 o ano que possibilitaria o engajamento tecnológico dos pacientes?

As resoluções de Ano Novo podem ser apenas a ponta do iceberg. O uso significativo (MU) e as accontoubale care organizations (ACOs) irão encorajar o engajamento dos pacientes, segundo Patti Brennan, professora de enfermagem e engenharia da University of Wisconsin-Madison e diretora nacional do programa do Project HealthDesign.

O programa, lançado há anos e fundado pela Robert Wood Johnson Foundation, explora maneiras de melhorar os registros pessoais de saúde ao capturar e integrar dados gravados de pacientes.

Patti diz que com MU e ACOs, começa a realmente importar o que acontece com os pacientes quando eles não estão na clínica.

Em primeiro lugar, a lei HITECH mais o programa Meaningful Use (Uso Significativo) de US$27 bilhões, possuem mais médicos no sistema do que dados digitalizados de pacientes. Também, nos Estágios 2 e 3, é esperado interação mais eletrônica entre pacientes e médicos.

Enquanto isso, mais médicos planejam participar das accountable care organizations, cujo modelo de pagamento recompensa fornecedores de saúde por cuidado mais coordenado e melhoria dos resultados dos pacientes.

Para que essas organizações funcionem, os médicos têm que convencer pacientes a se envolverem mais em sua própria saúde – incluindo o uso de seus próprios dados para controlar sua saúde. De fato, pagamento atados com melhores resultados dos pacientes – ajudados pelo uso inteligente de dados dos pacientes – é uma grande ajuda para que fornecedores de saúde participem com mais afinco no engajamento dos pacientes, afirmou Patti.

Ela diz que muitos médicos não querem uma avalanche de novos dados adicionados ao EHR e outros sistemas de software de monitoramento de saúde de seus pacientes ou dispositivos de bem-estar. Isso é especialmente verdadeiro já que a maioria desses dados não melhora o cuidado de emergência.

Entretanto, quando há um problema que requer atenção imediata, as equipes do Project HealthDesign descobriram que o monitoramento de dados do paciente pode ser enviado ou compartilhado com sucesso com outros profissionais, tais como enfermeiras de triagem e gerentes de caso, que podem facilitar a intervenção precoce, ou dar respostas aos pacientes sem sobrecarregar os médicos.

Pacientes com condições crônicas querem uma maneira fácil de monitoramento sem que seja necessário muito esforço, porque quando têm que fazer muitas coisas ou de forma muito frequente, acabam desistindo do monitoramento dentro de poucas semanas ou meses, afirmou Patti.

Mas até o momento, envolver os pacientes em sua saúde – e usando TI para isso – é um desafio, como ficou evidente com o fechamento no ano passado do Google Health, um serviço de registro pessoal de saúde.

No Google, é possível ver que o envolvimento do paciente é muito difícil, afirmou Missy Krasner, ex-executiva do Google Health. Krasner acabou de se juntar a empresa Morgenthaler Ventures como nova executiva, ela ajudará a identificar promessas de TI de saúde nas quais investir. No momento, os produtos de fornecimento de engajamento do paciente estão entre os “que provocam interesse”. O grande desafio é mudar para “continuar em uso após episódios de cuidado”.

Segundo ela, ferramentas incluindo aplicativos móveis que facilitam que pacientes enviem com segurança informações relevantes para seus fornecedores de saúde – mesmo que por meio de mensagem de texto – são promissores. Há plataforma que podem juntar todos os dados gerados pelos dispositivos de monitoramento de saúde, assim, os pacientes com doenças crônicas não precisam consultar vários portais do dispositivo para verem seus dados de saúde.

Krasner acredita que as ferramentas de engajamento de pacientes podem conseguir mais credibilidade – e possivelmente uso mais regular – quando fornecidas por médicos.

De sua parte, o Projetc HealthDesign tem atualmente cinco equipes em projetos explorando como a captura, coleta e compartilhamento de dados registrados dos pacientes podem melhorar a interação entra pacientes e médicos e melhorar os resultados.

O objetivo: observar como pacientes podem coletar, armazenar e usar as observações de vida diária (observations of daily life – ODLs) de forma que ajudem os médicos a tomar decisões e dar insights em sua própria saúde.

“Os ODLs se prestam como sentinelas da saúde pessoal”, afirmou Patti. Ao coletar ODLs, as pessoas pode conseguir pistas sobre saúde que podem levar a mudanças de comportamento.

Por exemplo, em um projeto da Project HealthDesing, pacientes com Crohn, um doença digestiva progressiva, usam iPads e outros dispositivos móveis para rastrear dor, nível de energia e outros sintomas.

Os pacientes podem compartilhar o resumo de seus ODLs com seus médicos durante ou entre as consultas. E a coleta dessas ODLs também pode ajudar os pacientes a reconhecerem padrões envolvendo certos alimentos ou situações que levem ou contribuam para uma imprevisível piora da doença.

Outros projetos do Project HealthDesign incluem o uso de smartphones, outros dispositivos móveis e sensores que coletam dados ODL de pacientes com asma, recém-nascidos com alto risco de saúde, pacientes idosos com risco de demência e adolescentes gerenciando a obesidade.

Até junhos, todos os cinco projetos devem ser encerrados.

Desde o lançamento do programa do Project HealthDesign há vários anos, houve cerca de uma dúzia de equipes com o intuito de “explorar o poder e o potencial da próxima geração de registros pessoais de saúde”.

Durante esse tempo, o conceito de PHRs evolui e “foi repensando de um conjunto de registros do paciente para uma plataforma de ação”, finalizou Patti.

Tradução: Alba Milena, especial para o Saúde Web.

Fonte: Marianne Kolbasuk McGee InformationWeek EUA; replicada pela InformationWeek Brasil

Por SaudeWeb

ANS aplica multas em 17 operadoras

Valores das multas variam entre R$ 18 mil a R$ 604 mil. A maior delas foi aplicada à Central Nacional Unimed por causa de mudanças na rede de cobertura das operadoras sem notificação prévia

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) negou recursos a 17 operadoras de planos de saúde contra multas aplicadas pela instituição fiscalizadora, segundo decisão publicada nesta última sexta-feira (03) no Diário Oficial da União (DOU).

Os valores das multas variam entre R$ 18 mil a R$ 604 mil. Segundo o jornal Valor Econômico, a maior delas foi aplicada à Central Nacional Unimed por causa de mudanças na rede de cobertura das operadoras sem notificação prévia a ANS.

Às autuações, aplicadas entre o dia 31 de janeiro e 2 de fevereiro deste ano, não cabem mais recursos na esfera administrativa, já que a Diretoria Colegiada da ANS é a última instância decisiva. Caso discordem da decisão, as empresas terão que ir ao Judiciário para tentar anular as multas.

A reportagem do Valor Econômico divulgou que a Unimed não informou se recorrerá judicialmente da autuação de R$ 604 mil nem informou a causa específica da multa. Já a assessoria da ANS informou que não poderia revelar o motivo da ação porque o processo é sigiloso.

Fonte: DOU e Valor Econômico

Por SaudeWeb

Cientistas desenvolvem método não invasivo para monitorar pressão intracraniana

Nos últimos cinco anos, pesquisadores do Instituto de Física da USP, em São Carlos, provaram que o aumento ou a diminuição da pressão intracraniana causa variações volumétricas lineares na caixa craniana

Equipamentos resultantes de pesquisa coordenada por Sérgio Mascarenhas na USP em São Carlos estão em fase de patenteamento e registro para serem comercializados.

Há mais de dois séculos perdurava um dogma na medicina, conhecido como doutrina de Monro-Kellie, que afirmava que o crânio é uma estrutura óssea rígida e inextensível. Nos últimos cinco anos, pesquisadores do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos começaram a derrubar esse paradigma, estabelecido em 1783.

Eles provaram que o aumento ou a diminuição da pressão intracraniana causa variações volumétricas lineares na caixa craniana. E que, em função dessa pequena elasticidade da estrutura óssea, seria possível medir e monitorar a pressão interna do cérebro de pacientes com hidrocefalia, traumatismo craniano e tumores, sem a necessidade de perfurar o crânio, como fazem os equipamentos existentes atualmente.

Para isso, os cientistas fundaram uma empresa e desenvolveram por meio de um projeto, realizado com apoio do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), um método simples e minimamente invasivo.

Idealizado pelo professor Sergio Mascarenhas, fundador e ex-coordenador do polo do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP em São Carlos, o equipamento ganhou agora mais duas novas versões.

“Começamos o projeto com um método minimamente invasivo e, por meio das pesquisas que realizamos ao longo desses cinco anos, conseguimos desenvolver nos últimos meses mais dois equipamentos não invasivos”, disse Gustavo Henrique Frigieri Vilela, pesquisador da empresa Sapra Assessoria, apoiada pelo PIPE, à Agência FAPESP.

Segundo Vilela, para realizar o monitoramento da pressão intracraniana pelo primeiro equipamento que desenvolveram, era necessário raspar o cabelo e realizar uma pequena incisão na pele da cabeça do paciente, de modo a colar um sensor sobre o crânio que registra sua deformação óssea – que é proporcional à pressão interna do cérebro.

Por meio dos dois novos equipamentos não é preciso sequer cortar o cabelo do paciente. “Basta tocar o sensor sobre o couro cabeludo para realizar o monitoramento”, afirmou.

A primeira nova versão do equipamento, que pode ser utilizada em clínicas e ambulatórios, é um sistema que se prende à cabeça do paciente para medir a deformação do crânio.

Por sua vez, o segundo novo equipamento, batizado de Brain Strap, é uma faixa de 10 centímetros para ser colocada em volta da cabeça do paciente, que não precisa ficar imóvel e pode estar acordado ou realizando atividade física durante o monitoramento.

Segundo Vilela, os dois novos equipamentos têm a mesma sensibilidade do método minimamente invasivo e serão patenteados nos Estados Unidos e alguns países da Europa por meio do apoio da FAPESP.

Os três equipamentos estão em fase de registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e serão certificados posteriormente na agência regulatória de alimentos e fármacos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) e na Comunidade Europeia para poderem ser comercializados.

“Nós aprimoramos os protótipos dos equipamentos, depois patenteamos e agora estamos na fase de registro para podermos alcançar o mercado”, disse Vilela.

Artigos e nova empresa
O equipamento minimamente invasivo foi testado em pacientes com traumatismo cerebral internados no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto.

Posteriormente, passou a ser testado para diversas outras aplicações, como no diagnóstico e acompanhamento de pacientes com acidente vascular cerebral (AVC) – que aumenta o volume interno do cérebro e a pressão intracraniana –, além de no diagnóstico de morte encefálica, quando desaparece a pressão intracraniana, e epilepsia.

Outras possíveis aplicações do equipamento estão em farmacologia, para medir os efeitos de drogas que atuam sobre desequilíbrios químicos do cérebro que alteram a pressão intracraniana – como a enxaqueca – e em veterinária, para medir a pressão intracraniana de animais de grande porte, como boi e porco, de modo avaliar a presença de encefalite – que aumenta o encéfalo e a pressão intracraniana.

Comparando o equipamento com os métodos invasivos existentes hoje para monitorar a pressão intracraniana nos estudos clínicos iniciais, de acordo com Vilela, os resultados atingidos pelo dispositivo que criaram foram melhores. Além disso, o método minimamente invasivo também foi capaz de captar os sinais de respiração e batimento cardíaco dos pacientes.

“O equipamento passou de ser um monitor clínico para um multiparamédico, capaz de registrar, além da pressão intracraniana, as frequências cardíaca e respiratória dos pacientes”, afirmou.

Em fevereiro, os pesquisadores brasileiros publicarão um capítulo na Acta Neurochirurgica Supplementum, em que demonstram por meio do método que desenvolveram que a doutrina de Monro-Kellie não é mais válida.

Intitulado Intracranial Pressure and Brain Monitoring XIV, o livro reunirá cerca de 80 artigos de pesquisas apresentadas no 14º Simpósio Internacional de Pressão Intracraniana e Monitoramento Cerebral, que ocorreu em setembro de 2010 em Tuebingen, na Alemanha.

Em março, eles também publicarão outro artigo, no International Journal of Mechatronics and Manufacturing Systems, em que descrevem a utilização do novo equipamento e do método minimamente invasivo para o monitoramento da pressão intracraniana em neurocirurgia e neurofisiologia.

“Nosso projeto tomou uma proporção um pouco maior do que imaginávamos no início e possibilitou o surgimento de uma nova empresa, chamada Brain Care, que estamos registrando para comercializar os equipamentos para aplicação neurológica”, disse Vilela.

Fonte SaudeWeb

Agfa HealthCare obtém certificação FDA

Selo permite a comercialização do digitalizador de imagens DX-M com detectores de agulha (NIP) nos Estados Unidos

A Agfa HealthCare recebeu o certificado Food & Drug Administration (FDA) que permite a comercialização do digitalizador de imagens DX-M com detectores de agulha (NIP) nos Estados Unidos.

De acordo com a empresa, a solução já era comercializada em toda a Europa, com o aval do certificado EUREF. O DX-M é um digitalizador de última tecnologia em radiologia computadorizada (CR) que, com a novidade, passa a ser a única solução de CR para mamografia digital que conta com as duas certificações internacionais mais importantes.

Segundo Dirk Debusscher, Vice-Presidente de Imagem na Agfa HealthCare, a multinacional está satisfeita com a conquista. E diz que a companhia continua comprometida me oferecer padrões baseados em detectores de agulhas para as soluções de CR.

Fonte SaudeWeb

Brasília: Hospital de Base vai receber R$2,3 mi

Verba será utilizada para capacitação pessoal e aquisição de equipamentos para a unidade hospitalar como aparelhos de raios-X móvel e de ultrassom, camas hospitalares, macas, ventiladores pulmonares e marcapassos cardíacos

Nesta sexta-feira, (03), o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou a liberação de R$ 2,3 milhões para o Hospital de Base do Distrito Federal (DF). A verba será utilizada para capacitação pessoal e aquisição de equipamentos para a unidade hospitalar como aparelhos de raios-X móvel e de ultrassom, camas hospitalares, macas, ventiladores pulmonares e marcapassos cardíacos.

Esses recursos fazem parte dos R$ 3 milhões que serão repassados pelo governo federal ao hospital, por meio do SOS Emergências, para aquisição de equipamentos e reformas. Também serão repassados outros R$ 3,6 milhões anuais para custeio da unidade, além de R$ 300 mil para estruturação do grupo que acompanhará o programa. O HBDF passou a integrar a rede nacional de atenção às urgências do Sistema Único de Saúde (SUS) em novembro de 2011. Até o momento, 11 unidades do país fazem parte do programa coordenado pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, a SOS Emergências é uma grande oportunidade para dar um salto na Saúde Pública. E diz que um dos principais objetivos é humanizar o atendimento à população, porque esta unidade é referência no tratamento de traumas de pacientes de todo o Brasil.
Novos leitos

Padilha também anunciou a criação de 80 leitos para a emergência. O ministro diz que com eles, é possível reduzir o número de pacientes que ficam nos corredores da emergência à espera de um local definitivo. A partir de março, a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital também receberá 30 novos leitos.

Alexandre Padilha destacou o trabalho que está sendo realizado no HBDF pelo Governo do Distrito Federal. No Hospital de Base, a direção está comprometida em melhorar a situação. Ainda precisam ser feitas muitas mudanças para que as emergências dos principais hospitais públicos do país prestem o atendimento que a população merece, mas as transformações necessárias já tiveram início com o SOS Emergências, ressaltou o ministro.

Classificação de risco
Algumas medidas apontadas pelo SOS Emergências já foram implantadas no HBDF. Desde o início deste mês, está em funcionamento na emergência o sistema 24 horas de acolhimento e classificação de risco, que prioriza o atendimento para os casos mais graves. Ao fazer o registro na emergência, o paciente passa por uma avaliação prévia, feita por um enfermeiro, que classifica o paciente de acordo com a sua necessidade de atendimento.

Essa classificação é dividida em quatro categorias: azul (casos que não necessitam de atendimento na emergência e podem ser encaminhados aos postos de saúde), verde (casos mais simples, que podem, inclusive, ser encaminhados para outros serviços de emergência), amarelo (intermediários) e vermelho (graves, que necessitam ser vistos por um médico imediatamente). Até janeiro, o sistema funcionava apenas das 7h às 23h.

O diretor-geral do Hospital de Base, Julival Ribeiro, diz que a instituição está aprimorando a classificação de risco para garantir um atendimento emergencial a quem realmente precisa. Cerca de 80% das pessoas que procuram a emergência do hospital na verdade não necessitam de um pronto atendimento. O novo sistema permitirá que encaminhemos os pacientes para o local adequado, dando melhores condições de atendimento à população.

O SOS Emergências integra a Rede Saúde Toda Hora e vai alcançar, até 2014, os 40 maiores prontos-socorros brasileiros, abrangendo todos os 26 estados e o DF. O objetivo é buscar solução para as principais necessidades desses hospitais, qualificar a gestão, ampliar o acesso aos usuários em situações de urgência e garantir atendimento ágil, humanizado e com acolhimento.

Fonte SaudeWeb

Agora o NAT é lei! Exija seu direito!

HIV: MG recebe teste mais rápido e seguro

Ministério da Saúde lança próximas etapas para implementação nacional do Teste NAT. Tecnologia reduz tempo para a identificação mais rápida e segura dos vírus HIV e da Hepatite C

O Ministério da Saúde lançou nesta sexta-feira (3), em Belo Horizonte (MG), as próximas etapas para a implementação nacional do Teste NAT em exames de sangue para a detecção dos vírus HIV e da Hepatite C. A estimativa é que, ainda neste primeiro semestre, o teste – que reduz a chamada “janela imunológica” para a identificação mais rápida e segura destes vírus – esteja implementado em mais sete hemocentros do país, chegando a 14 unidades inseridas na hemorrede pública brasileira.

“A utilização do Teste NAT é um avanço extraordinário para o Sistema Único de Saúde e a população usuária do SUS porque ele dá mais garantia e qualidade ao sangue, impedindo a possibilidade, que já era pequena, de transmissão dos vírus HIV e da Hepatite C”, explica o secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Helvécio Magalhães, em comunicado. Com este exame – tecnicamente denominado Teste de Ácidos Nucleicos – a janela imunológica ou o tempo em que o vírus permanece indetectável por testes cai de 22 para 10 dias, no caso do vírus transmisssor da aids; e de 35 para 12 dias, em relação ao vírus da Hepatite C.

“A redução da janela imunológica significa que, por meio dessa tecnologia inovadora liderada pelo Ministério da Saúde, elevaremos os níveis de segurança em todos os hemocentros do país dentro de pouco tempo”, reforça Magalhães, ao destacar a redução do risco transfusional destes dois vírus a partir da utilização do Teste NAT.

Este exame é aplicado em países da Europa, nos Estados Unidos, na Austrália e no Japão. No Brasil, o Teste NAT já está implementado nos hemocentros Hemorio (RJ), Hemocentro de Brasília (DF), Hemosc (SC), Hemope (PE), Hemocamp (SP), Fundação Pró-Sangue (SP) e Fundação Hemominas (MG) que, juntos, respondem por cerca de 50% do sangue coletado no país. E as próximas Plataformas NAT serão implementadas nos serviços de hemoterapia de Ribeirão Preto (SP) e dos estados de Mato Grosso do Sul, Ceará, Bahia, Paraná, Amazonas e Pará, também inseridos na Hemorrede/SUS.

“Com o Teste NAT, temos mais qualidade e maior controle para a questão da transmissão (dos vírus HIV e da Hepatite C). O sangue passa por um conjunto de testes que é muito mais eficaz, refinado e sofisticado, tornando a transfusão originária desse sangue ainda mais segura. O NAT foi desenvolvido com tecnologia nacional, sem importação de produtos e com alta qualidade para a garantia do sangue”, acrescenta Helvécio Magalhães.

Este é um exame para a detecção de ácido nucléico. O Teste NAT identifica o material genético do vírus e não os anticorpos (como ocorre em outros exames), o que permite um resultado mais rápido e eficaz. Em Minas Gerais, a Fundação Hemominas utiliza o Teste NAT na triagem dos doadores de sangue desde o final do ano passado, atendendo à toda a demanda da hemorrede pública do estado, que tem a maior rede hemoterápica do país.

Parcerias
O projeto para o desenvolvimento de Testes de Ácidos Nucleicos (NAT) para a triagem de bolsas de sangue em serviços de hemoterapia vem sendo realizado por um consórcio público formado pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos–Biomanguinhos/Fiocruz, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e o Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), sob a coordenação do Ministério da Saúde. Também são parceiros do projeto a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia; a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás); a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e os centros que compõem a hemorrede pública.

Entre as etapas de implementação do Teste NAT destacaram-se a realização de um projeto-piloto com a participação do Hemocentro Coordenador de Santa Catarina e um estudo multicêntrico, do qual participaram o Hemosc (SC), a Fundação Pró-Sangue (SP), o Hemorio (RJ) e o Hemope (PE). Até este momento, já foram testadas cerca de 700 mil amostras utilizando-se a Plataforma NAT, com tecnologia totalmente nacional.

Para a oferta do Teste NAT em todo o país, o investimento do Ministério da Saúde será de aproximadamente R$ 17 milhões por ano. Estes recursos vão financiar desde a produção dos kits do teste até o controle de qualidade dos exames.

Fonte: Agência Saúde – Ascom/MS

Por SaudeWeb

Merck reverte prejuízo e lucra US$ 1,5 bi no quarto trimestre

A farmacêutica espera que o lucro em 2012 fique entre US$ 2,04 por ação e US$ 2,30 por ação. Já a receita líquida deverá ficar próxima a de 2011

A farmacêutica Merck anunciou lucro líquido de US$ 1,51 bilhão no quarto trimestre de 2011, contra prejuízo de US$ 531 milhões obtido em igual época do ano anterior.

Neste sentido, no acumulado do ano, o lucro saiu de US$ 861 milhões em 2010 para US$ 6,27 bilhões.

Já as vendas líquidas da companhia avançaram apenas 1,6% nos três últimos meses de 2011, na variação anual, para US$ 12,294 bilhões. De janeiro a dezembro, o lucro subiu para US$ 48 bilhões.

A companhia destacou que as vendas nos mercados emergentes representaram em torno de 18% das vendas globais da companhia. China, por exemplo, mostrou crescimento de 37% nas vendas.

A farmacêutica espera que o lucro em 2012 fique entre US$ 2,04 por ação e US$ 2,30 por ação. Já a receita líquida deverá ficar próxima a de 2011.

“Nosso desempenho global em 2011 confirma nossa capacidade de alcançar os resultados operacionais fortes a medida que investimos no longo prazo”, disse Kenneth Frazier, presidente da companhia.

Fonte SaudeWeb

Entidades discutem acordo de cooperação com Opas

Representantes da Argentina, Brasil, Cuba e Colômbia participaram do encontro, que reuniu as Autoridades Reguladoras de Referência Regional: Anvisa (Brasil), Anmat (Argentina), Cecmed (Cuba), e Invima (Colômbia)

Os avanços relativos aos acordos de cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e as agências de regulação sanitária das Américas, voltados para medicamentos e produtos biológicos, foram apresentados durante reunião realizada em Washington, Estados Unidos, nos dias 1 e 2 de fevereiro. Representantes da Argentina, Brasil, Cuba e Colômbia participaram do encontro, que reuniu as Autoridades Reguladoras de Referência Regional: Anvisa (Brasil), Anmat (Argentina), Cecmed (Cuba), e Invima (Colômbia).

O objetivo da reunião foi discutir as perspectivas de trabalho conjunto entre as autoridades sanitárias e a Opas. Entre os temas tratados, destacam-se: o impacto que a iniciativa vem representando para o fortalecimento das atividades nacionais das Agências a as perspectivas no âmbito regional; a implementação dos modelos sustentáveis para fortalecer a fiscalização; o controle e a vigilância de produtos e processos baseados nas Boas Práticas Regulatórias; o apoio das autoridades reguladoras de referência aos processos de compra de medicamentos e produtos biológicos da Opas; e a garantia da qualidade, segurança e eficácia dos produtos comercializados na região.

Durante os dois dias de trabalho, os representantes assumiram o compromiso de fomentar a confiança entre os países, por meio de inúmeras iniciativas, como a facilitação do acesso a informações nacionais sobre registro, pós-registro e inspeções, utilizando a Plataforma Regional de Inovação e Acesso às Tecnologias de Saúde da Opas. A Diretora da Opas, Mirta Roses Periago, presidiu o encontro

Fonte SaudeWeb

Especial Carreiras: oportunidades fora da área clínica


Pessoas da área da saúde podem obter realização profissional em segmentos como acreditação, TI, consultoria e auditoria

O desenvolvimento da saúde no Brasil vem ampliando o ramo de atuação dos profissionais. Dessa forma, o Saúde Business Web preparou o especial “Além do estetoscópio”, trazendo diferentes oportunidades de carreira em saúde, que não necessariamente estão ligadas à rotina clínica.
Atuar em outro ofício, que não o de salvar vidas, dá às pessoas a chance de expandir seus conhecimentos em saúde e entender o funcionamento do sistema como um todo.  

Leia o Especial além do estetoscópio:
Auditoria: uma oportunidade para médicos
Acreditação enriquece currículo de profissionais
Projeto em TI é oportunidade de carreira para médico
Consultoria em saúde: uma área em plena expansão

Fonte SaudeWeb

ABRAMGE, SINDHOSP e as fraudes na saúde, quem está certo?

Segundo especialista, o Brasil não é um país corrupto, é apenas pouco auditado

O sistema privado de saúde tem gastos excessivos que nem sempre se revertem, exclusivamente, em favor da saúde dos seus clientes. Fraude ou falta de uma melhor auditoria?

Duas entidades encabeçam esta discussão, demonstrando a preocupação necessária com o controle dos gastos assistenciais cujo crescimento extrapola os índices aceitáveis de equilíbrio financeiro das operadoras de planos de saúde e dos hospitais. Exatamente. As fraudes no sistema prejudicam operadoras e hospitais. São danosas para ambos. Com as fraudes apenas o fraudador é que sai ganhando. Nada faz a favor do sistema, pensa apenas em si mesmo. Busca o ganho fácil e cada vez mais vultoso. É muita ganância, favorecida pela frouxidão dos controles hoje estabelecidos.

LEIA MAIS

Tanto a ABRAMGE quanto o SINDHOSP tem dirigentes que admiro e respeito. Convivo com suas ideias a mais de duas décadas e sei da sua seriedade. Ambos estão corretos em suas colocações. O que falta é uma melhor e mais ampla participação da auditoria.

”O Brasil não é um país corrupto, é apenas pouco auditado”, frase de Stephen Kanitz que utilizo, gentilmente autorizado pelo autor, em algumas de minhas aulas ou palestras sobre auditoria em saúde, por refletir meu sentimento. Faltam auditores na área da saúde. Poucos médicos, enfermeiros, administradores e outros profissionais da área se dedicam a esta atividade.

O Conselho Federal de Medicina não reconhece a Auditoria Médica como especialidade ou área de atuação, apesar das Resoluções e dos artigos do Código de Ética Médica dedicados a disciplinar esta atividade, vide Resolução CFM Nº 1.973, de 14 de julho de 2011. (http://www.cremesp.org.br/library/modulos/legislacao/versao_impressao.php?id=10133).

Além disso não tenho conhecimento da existência de nenhum enfermeiro especialista em auditoria com título concedido pela Sociedade Brasileira de Enfermeiros Auditores em Saúde – SOBEAS, apesar da Resolução 266 do Conselho Federal de Enfermagem ter reconhecido a especialidade em 2001.

Cursos de pós graduação, extensão, MBA e especialização na área da auditoria em saúde surgiram e se multiplicaram e mesmo assim faltam profissionais.

Este é um dos problemas, temos poucos profissionais nesta atividade. Além disso o foco da auditoria tem sido maior sobre duas etapas do processo: antes e depois dos eventos. Autorização prévia e análise de contas. A auditoria concorrente, mais difícil e delicada, tem sido relegada a um segundo plano. Poucos a fazem com equilíbrio, empenho e seriedade. Poucos médicos e enfermeiros se dedicam a esta atividade representando operadoras de planos de saúde e poucos hospitais utilizam suas equipes de auditores (quando as possuem) no acompanhamento de internações ou procedimentos.

Em geral tudo é feito depois. Análise documental, avaliação de indicadores e apresentação dos resultados sob a forma de relatórios gerenciais de auditoria. Sem esquecermos da GLOSA, é claro! O precioso troféu dos auditores em saúde. Claro que é mais fácil demonstrar glosas efetuadas que gastos evitados, embora estes possam ser infinitamente superiores.

Não menosprezo a fase de autorização prévia, com análise de relatórios de solicitação, avaliação de protocolos e diretrizes, perícias pré operatórias e avaliação coerente do custo x benefício de algumas condutas. De jeito algum. É neste momento que muita economia pode ser gerada, além do benefício que uma indicação bem discutida pode trazer para o cliente. Mas a auditoria concorrente é fundamental para o embasamento de inúmeras ações, inclusive de monitoramento após a alta de doentes com potencial risco de reinternação.

O diálogo constante com as equipes do hospital, médicos, enfermeiros, nutricionistas, farmacêuticos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos e gestores é a maneira mais correta para o equilíbrio no relacionamento da operadora de planos de saúde com o hospital. Os profissionais que participam da equipe de auditoria concorrente é que podem estabelecer este diálogo e quem ganha com isto é o cliente.

Atitudes preventivas de auditoria, gastos evitados e não glosados. Procedimentos indicados com embasamento de diretrizes e protocolos reconhecidos. Menos judicialização e mais diálogo, é disso que precisamos.

Fonte SaudeWeb

Indústria farmacêutica: veja 4 reivindicações dos trabalhadores

As bandeiras de destaque são: aumento real nos salários e na PLR, além da gratuidade de medicamentos para todos os trabalhadores e suas famílias

Dirigentes e lideranças sindicais, e todas as regiões do estado de São Paulo, da FEQUIMFAR (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo) participaram no último dia 2 de fevereiro do Seminário de Negociação Coletiva do setor farmacêutico, realizado nas dependências do Sindicato dos químicos de Botucatu.

“O atual momento econômico é favorável para ampliar a participação do trabalhador na renda nacional. Para esta campanha, nossas principais bandeiras de luta são aumento real nos salários e na PLR, além da gratuidade de medicamentos para todos os trabalhadores e suas famílias, entre outros benefícios que assegurem a qualidade de vida dos trabalhadores”, diz o presidente do Sindicato dos Químicos de Guarulhos e Região – Sindiquímicos e Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Químico – CNTQ, Antonio Silvan Oliveira.

“Nesta campanha salarial e social, estaremos mobilizando trabalhadores e trabalhadoras da indústria farmacêutica junto a uma série de manifestações para garantir nossas reivindicações. O faturamento e a produtividade das indústrias farmacêuticas estão em franca expansão, sendo assim, nossa luta é para que os trabalhadores e trabalhadoras recebam a sua parte” Sergio Luiz Leite, Serginho, presidente da FEQUIMFAR (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo).

De acordo com a Federação Nacional dos Médicos (Fenam), o evento, que marca o início da Campanha Salarial e Social da categoria, possibilitou uma avaliação criteriosa e a discussão de uma série de dados e números referentes ao setor. Ao término dos trabalhos, foi deliberada uma pré-pauta de reivindicações dos trabalhadores, bem como as estratégias para a negociação com o setor patronal.

As principais reivindicações da categoria são:
-Reajuste salarial: 5% de aumento real + INPC (inflação do período)
-Piso salarial de R$ 1.200,00
-PLR no valor de 02 salários normativos
-Acesso gratuito aos medicamentos para os trabalhores e seus familiares

Bandeiras de luta:- Aumento real
- Reposição das perdas salariais
- PLR (participação nos lucros e/ou resultados)
- Acesso gratuito a medicamentos a todos trabalhadores, trabalhadoras e dependentes
- Igualdade de oportunidades

Fonte: Fenam

Por SaudeWeb

Farmacêuticas encerram centros de pesquisa de doenças degenerativas

Estratégia de mudar a direção dos investimentos ocorre após empresas investirem pesado em uma área que envolve alto risco e requer anos de estudos e testes clínicos em animais e humanos para obter resultados e remédios com segurança e eficácia comprovadas

A farmacêutica suíça Novartis vai seguir o caminho dos laboratórios britânicos GlaxoSmithKline e AstraZeneca e fechará em breve a unidade de neurociência em Basileia, onde fica a sede da empresa. Em 2010, as duas multinacionais inglesas encerraram atividades de pesquisa para novos tratamentos de doenças cerebrais. As informações são do portal G1.

Os centros fechados estudavam tratamentos para problemas como depressão, Alzheimer, Parkinson, psicoses e transtornos de humor, entre outros.

De acordo com a publicação, a estratégia de mudar a direção dos investimentos ocorre após essas farmacêuticas investirem pesado em uma área que envolve alto risco e requer anos de estudos e testes clínicos em animais e humanos para obter resultados e remédios com segurança e eficácia comprovadas.

Segundo o psiquiatra Mauro Aranha, do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), é natural que os laboratórios revejam suas linhas de financiamento.

Aranha diz que eles trabalham dentro de uma lógica de mercado, e as novas descobertas de psicotrópicos não acrescentam muito às drogas tradicionais, que são muito boas e mais baratas que as modernas.

Ele diz ainda que os medicamentos mais eficazes para tratar transtornos de humor, depressão e psicoses, por exemplo, são das décadas de 1950 e 1960. É o caso do carbonato de lítio, da imipramina, da clomipramina e da clorpromazina.

O psiquiatra destaca, porém, que os governos precisam ter métodos de controle de vigilância sanitária para que os laboratórios não tirem do mercado os remédios que são eficazes e baratos.

Esse foi o caso da piridostigmina, contra miastenia grave (doença que causa fraqueza muscular), que saiu das prateleiras das farmácias e depois voltou.

A neurologista Elza Tosta, presidente da Academia Brasileira de Neurologia, diz que o impacto dessa estratégia das farmacêuticas pode ser grande, porque atualmente todos os grandes estudos na área são feitos pela indústria.

Para Elza, deveria haver uma maior presença do governo e parcerias com as universidades.

Aranha concorda e explica que as universidades públicas deveriam ser providas pelo Estado para não depender tanto das farmacêuticas na fabricação de novos medicamentos.

Elza cita que nos EUA as universidades trabalham em pesquisas de forma paralela e independente dos laboratórios.

A versão das farmacêuticas
Segundo nota da Novartis ao site, após o fechamento da unidade na Basileia, as pesquisas em neurociência vão ser centradas nos componentes genéticos das diferentes doenças e serão realizadas na região de Cambridge e Boston, nos EUA.

O laboratório também pretende se concentrar mais na área molecular e de desenvolvimento humano. Mais tarde, a empresa quer estudar doenças autoimunes, inflamações e transplantes. Programas clínicos já previstos ou em andamento não serão prejudicados, de acordo com a nota.

Também via assessoria, a GlaxoSmithKline informa que vai manter os investimentos em pesquisa e desenvolvimento no campo da neurociência, apesar do encerramento das atividades no centro de Verona, na Itália.

Atualmente, o laboratório britânico mantém estudos sobre doenças como esquizofrenia, depressão, ansiedade, distúrbios do sono e epilepsia. Este ano, a empresa deve solicitar à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a aprovação de 12 novos produtos voltados para o tratamento dessas doenças no Brasil. Hoje, a GlaxoSmithKline comercializa nove produtos no país com essa finalidade.

Ainda segundo a nota ao veículo, a farmacêutica fechou no ano passado um acordo com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para apoiar projetos de pesquisa, capacitação de profissionais e co-investimentos iniciais de até R$ 3 milhões. Além disso, estuda doenças negligenciadas, como a malária, e novos antibióticos contra bactérias resistentes.

De acordo com a AstraZeneca, as pesquisas canceladas são especificamente no campo da psiquiatria, e há um empenho para desenvolver novos tratamentos em neurociência. Hoje, o laboratório tem dez medicamentos no mercado, entre anestésicos, antipsicóticos e remédios contra enxaqueca.

A empresa diz que também concentra estudos em fase 2 para o tratamento de doenças como Alzheimer, Parkinson, dor crônica e depressão. E seu foco são principalmente drogas contra problemas infecciosos, gastrointestinais, cardiovasculares, respiratórios e oncológicos.

Fonte SaudeWeb

Concurso Prefeitura de Itiquira (MT)

Entre 09 a 24 de fevereiro de 2012, a Secretaria Municipal de Turismo da Prefeitura de Itiquira, Mato Grosso, estará recebendo inscrições para o concurso público recém-aberto pela Administração. O certame servirá para o preenchimento de 216 vagas no quadro de funcionários da Prefeitura e está sendo organizado pela empresa Sydcon - Tecnologia de Sistemas de Informática e Consultoria Ltda. Leia o edital completo e seu anexo.
Há chances em cargos de níveis fundamental, médio e superior. Confira:
Auxiliar de Serviços Gerais, Guarda, Gari, Servente, Artífice em Copa / Cozinha, Coveiro, Eletricista de Veículos, Motorista CNH Categoria D ou E, Pedreiro, Pintor, Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Saúde Bucal-ASB, Recepcionista, Almoxarife, Monitor de Esportes, Operador de Escavadeira Hidráulica, Agente Administrativo, Agente Ambiental, Fiscal da Vigilância Sanitária, Fiscal de Obras e Posturas, Técnico em Enfermagem, Técnico em Raio X, Técnico em Informática, Pregoeiro, Procurador Jurídico, Assistente Social, Biólogo, Controlador Interno, Enfermeiro, Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Químico, Nutricionista, Gestor Público, Médico (cirurgião-clínico geral), Odontólogo, Psicólogo, Médico Veterinário e Professor de vários níveis/disciplinas.
A remuneração oferecida será de até R$ 6.000,00.
Como ficou dito acima, as inscrições serão sendo realizadas na Secretaria Municipal de Turismo da Prefeitura de Itiquira, localizada à rua José Carlos Correia da Silva, S/N Complexo Beira Rio - centro da cidade.
A taxa de inscrição será de R$ 30,00 (fundamental), R$ 50,00 (médio) ou R$ 70,00 (superior).
A prova objetiva está prevista para o dia 11 de março de 2012, às 08h00min,  em local a ser confirmado até o dia 05 de março, mediante publicação no quadro de avisos da Prefeitura Municipal,  e nos sites  http://www.sydcon.com.br/, http://www.itiquira.mt.gov.br/ e http://www.amm.org.br/.
Os gabaritos oficiais das provas objetivas serão publicados no dia seguinte ao da aplicação das provas escritas, até às 17h00min.
A prova prática poderá ser realizada no mesmo dia das provas objetivas, dependendo do número de candidatos que farão este tipo de prova, caso seja realizada em outra data, o horário e local serão publicados em edital complementar especifico.
Os títulos deverão ser entregues no local da inscrição na Secretaria Municipal de Turismo, pessoalmente ou por terceiros, sem necessidade de procuração.
A validade do concurso público será de dois anos, a contar da data de sua homologação, podendo ser prorrogada por igual período, a critério da administração municipal.

Saiba mais

Concurso Prefeitura de Sete Quedas - MS

No Estado de Mato Grosso, a Prefeitura de Sete Quedas abriu concurso público de provas e títulos para provimento de diversos cargos, bem como formação de cadastro de reserva. Serão distribuídas 32 vagas para cargos de nível fundamental, médio e superior, com salários de até R$ 9.619,20.

Cargos
Nível Superior: Médico, Enfermeiro, Odontólogo, Fonoaudiólogo, Psicólogo (saúde), Biólogo, Assistente Social (saúde) e Fisioterapeuta.
Apoio Administrativo: Assistente de Administração, Agente Administrativo, Auxiliar de
Enfermagem, Agente Comunitário de Saúde (indígena), Agente Comunitário de Saúde (Centro), Auxiliar de Odontólogo e Técnico em Radiologia.
Serviço Técnico e Operacional: Projetista, Operador de Máquinas, Topógrafo, Motorista  de Veículos de Carga e Auxiliar de Serviços Gerais (Vila Carioca).
Serviços Auxiliares: Vigia, Cozinheira (saúde), Zelador (saúde), Lavadeira (saúde), Zelador e Recepcionista.
Grupo dos Trabalhadores da Educação Básica: Cozinheira (indígena) e Monitor.
A carga horária será de 20 e 40h semanais, dependendo do cargo.

Inscrições
As inscrições serão realizadas no período de 06 a 17 de fevereiro de 2012, no endereço eletrônico: http://www.setequedas.ms.gov.br/. Quem preferir, poderá efetuar a inscrição na sede da Prefeitura Municipal (Rua Monteiro Lobato, nº 675, Centro, em Sete Quedas-MS). O candidato deverá pagar taxa de inscrição para concorrer à vaga no cargo de seu interesse:
-Cargos de nível superior: R$ 80,00;
-Cargos de nível médio: R$ 50,00;
-Cargos de nível fundamental e fundamental incompleto: R$ 30,00.
Provas e Gabaritos
As provas escritas serão realizadas provavelmente no dia 18 de março de 2012. Será dado conhecimento do gabarito Oficial do Concurso a todos os candidatos até 04 dias após a realização das Provas Escritas.
O prazo de validade do concurso será de 02 anos, a contar da data da homologação do seu resultado, podendo ser prorrogado por igual período, a critério da Administração.

Concurso Prefeitura de Mesquita - MG 2012 II

Publicado edital de concurso público para preenchimento de vagas no quadro de funcionários da Prefeitura de Mesquita, Estado de Minas Gerais, sob a organização da empresa Exame Auditores e Consultores LTDA.

O concurso visa preencher 100 vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade. A remuneração varia de R$ 613,00 a R$ 2.128,18, em jornadas de 20 a 40 horas semanais.
Confira também as vagas oferecidas no processo seletivo aberto pela Prefeitura de Mesquita.
Cargos
Nível Fundamental - Auxiliar de Serviços Gerais, Bombeiro Hidraulico II, Calceteiro, Carpinteiro, Gari, Mecânico, Mecânico de Máquinas Pesadas, Motorista I, Pedreiro, Pintor, Vigia e Zeladora/Cantineira;

Nível Médio - Almoxarife, Assistente de Secretaria, Assistente Técnico de Pessoal, Assistente Técnico de Segurança do Trabalho, Assistente Técnico em Informática, Assistente Técnico Fiscal de Vigilância Sanitária, Auxiliar Administrativo (I, II e III) e Professor I;

Nível Superior -  Administrador, Analista de Sistema, Analista Financeiro, Assistente Social, Enfermeiro, Engenheiro Civil e Pedagogo.
Inscrições

As inscrições presenciais serão realizadas, na Sede da Prefeitura de Mesquita, no período de 11 de abril a 10 de maio de 2012, das 13h às 18h, exceto sábado, domingo e feriado. Já as inscrições pela internet, poderão ser efetuadas, através do endereço eletrônico http://www.exameconsultores.com.br/, solicitada entre 9h do dia 11 de abril até 23h59 do dia 10 de maio.

A taxa de inscrição varia de R$ 32,00 a R$ 70,00, de acordo com o cargo desejado.
Provas

A Prova Objetiva de Múltipla Escolha e a prova prática serão realizadas no Município de Mesquita, na data provável de 01 de julho de 2012.

O local de realização das provas e a confirmação de data e horário serão divulgados até o dia 25 de junho de 2012, no quadro de avisos da Prefeitura de Mesquita, no endereço eletrônico da empresa organizadora - http://www.exameconsultores.com.br/ e em mídia impressa (Diário Oficial do Estado – “Jornal Minas Gerais”, Jornal de grande circulação da região/município “Diário do Aço” e Diário Oficial dos Municípios Mineiros - www.diariomunicipal.com.br/amm-mg).
Validade

A validade do concurso público será de 2 (dois) anos, contados da data de sua homologação, podendo ser prorrogado por igual período.

Saiba mais

» Edital Prefeitura de Mesquita – Minas Gerais

Prefeitura de Mesquita (MG) abre processo seletivo I

A Prefeitura de Mesquita, Estado de Minas Gerais, abrirá inscrições dia 13 de fevereiro de 2012 para o processo seletivo destinado à contratação temporária 39 funcionários de níveis médio e superior, com vencimentos que variam de R$ 622,00 a R$ 7.336,69, para carga horária de 20, 30 e 40 horas semanais.
Confira também as vagas disponíveis no concurso de Mesquita.
Cargos
As chances são para os cargos de agente de saúde, assistente social, enfermeiro, fonoaudiólogo, médico, monitor do CRAS, nutricionista, odontólogo, psicólogo, técnico de enfermagem e técnico em higiene.
Inscrições e Taxas
As inscrições podem ser realizadas no site da empresa organizadora - http://www.exameconsultores.com.br/ até 23h59 do dia 26 de fevereiro de 2012 ou, presencialmente, na sede da Prefeitura Municipal de Mesquita, situada à Rua Getúlio Vargas, nº 171, Centro, até o dia 24 de fevereiro de 2012, no horário de 13h às 18h.
De acordo com a empresa organizadora do certame, Exame Auditores & Consultores - Ltda, as taxas variam de R$ 45,00 para nível médio e de R$ 70,00 para nível superior.
Provas e Gabaritos
A prova objetiva de múltipla está prevista para o dia 18 de março de 2012. A relação de candidatos inscritos, o local de realização das provas e confirmação de data e horário, serão divulgados até 13h do dia 12 de março de 2012. O gabarito da Prova Objetiva de Múltipla Escolha será divulgado no dia 20 de março de 2012, às 13h.
Validade
O prazo de validade do processo seletivo é de 01 ano, contado da data da homologação  do resultado final, podendo ser prorrogado por uma única vez, por igual período, mediante ato do Prefeito Municipal.