Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Acúmulo de gordura na barriga aumenta risco de osteoporose em homens

Pesquisa aponta que a obesidade é um fator de risco para a perda óssea e a diminuição da resistência óssea em homens
 
Homens com maior acúmulo de gordura abdominal têm maior risco de desenvolver osteoporose mais tarde na vida, de acordo com estudo de pesquisadores da Harvard Medical School, nos EUA.
 
A pesquisa aponta que a obesidade é um fator de risco para a perda óssea e a diminuição da resistência óssea em homens.
 
"É importante para os homens ter a consciência de que o excesso de gordura da barriga não é apenas um fator de risco para doença cardíaca e diabetes, também é um fator de risco para a doença óssea", afirma a pesquisadora Miriam Bredella.
 
Bredella e seus colegas avaliaram 35 pacientes com idade média de 34 anos e índice de massa corporal (IMC) de 36,5, obesidade grau 2.
 
Os voluntários foram submetidos a uma tomografia do abdômen e da coxa para avaliar a quantidade de gordura e massa muscular, além de outro exame em alta resolução do antebraço, para analisar a força dos ossos e o risco de fraturas.
 
A análise mostrou que os homens com maior acúmulo de gordura visceral tinham menor resistência óssea em comparação com aqueles com menos gordura visceral. Não houve associação entre idade ou IMC total e propriedades mecânicas do osso.
 
"Nós não fomos surpreendidos pelos nossos resultados que a gordura abdominal é prejudicial para a resistência óssea em homens obesos. O que nos surpreendeu foi que homens obesos com uma grande quantidade de gordura visceral tinham a força óssea significativamente reduzida em comparação com aqueles com IMC similar, mas pouco acúmulo de gordura na barriga", conclui Bredella.
 
Fonte isaude.net

Pesquisa revela contribuição do xarope de milho na epidemia global de diabetes

Países que consomem altos níveis do produto têm 20% maior incidência da doença do que os países que não permitem o adoçante
 
Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, descobriram que o consumo elevado de xarope de milho de alta frutose, adoçante encontrado em alguns alimentos pode estar contribuindo para a crescente epidemia global de diabetes tipo 2.
 
O estudo mostra que países que contém altos níveis de xarope em seus alimentos tiveram 20% maior incidência de diabetes do que os países que não permitem o adoçante.
 
A análise revelou também que a associação do produto com a prevalência de diabetes ocorreu independentemente da disponibilidade de açúcares totais e níveis de obesidade.
 
"Nosso estudo mostra uma relação ecológica que sugere que há riscos potenciais derivados do consumo de altos níveis de xarope de milho de alta frutose", afirma o coautor da pesquisa Stanley Ulijaszek.
 
Ulijaszek e seus colegas avaliaram 42 países em todo o mundo. Os resultados mostraram que os Estados Unidos têm o maior consumo de xarope per capita da população a uma taxa de 25 kg por ano. O segundo maior consumo é da Hungria, com uma taxa anual de 16 kg por habitante.
 
Canadá, Eslováquia, Bulgária, Bélgica, Argentina, Coréia, Japão e México também são consumidores relativamente altos do adoçante. O Reino Unido foi um dos países com níveis mais baixos de consumo, menos de 0,5 kg por habitante.
 
A equipe notou que países com maior uso do produto tiveram uma prevalência média de diabetes tipo 2 de 8% contra 6,7% em países que não usam o adoçante.
 
"Esta pesquisa sugere que o xarope de milho de alta frutose pode aumentar o risco de diabetes tipo 2, que é uma das causas mais comuns de morte no mundo de hoje", afirma Ulijaszek.
 
Segundo os pesquisadores, a ligação é provavelmente impulsionada pela maior quantidade de frutose em alimentos e bebidas que contêm o xarope. Frutose e glicose são ambas encontradas no açúcar ordinário, a sacarose, em quantidades iguais, mas o xarope de milho tem uma maior proporção de frutose. O maior teor de frutose torna o produto mais doce e fornece maior estabilidade e uma melhor aparência aos alimentos processados.
 
"O estudo acrescenta a um corpo extenso de literatura científica que indica o consumo de xarope de milho pode resultar em consequências negativas distintas para a saúde e mais deletéria do que o açúcar natural", conclui o autor da pesquisa Michael I Goran.
 
Fonte isaude.net

Anticoncepcional associado ao cigarro aumenta risco de trombose em mulheres

Estudo foi realizado no Hospital de Transplantes de São Paulo. No total, 400 mulheres entre 20 e 45 anos foram acompanhadas
 
Levantamento realizado no ambulatório de trombofilia do Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo (antigo Hospital Brigadeiro), unidade da Secretaria de Estado da Saúde na capital paulista, mostra que o uso de pílula anticoncepcional, associado ao tabagismo, pode elevar expressivamente as chances das mulheres desenvolverem trombose.
 
O estudo foi elaborado com base nos atendimentos ambulatoriais de 2011. No total, 400 mulheres entre 20 e 45 anos com trombose venosa foram acompanhadas, das quais 180 (45%) fumavam e também usavam o método contraceptivo.
 
As pacientes que não faziam uso de nenhuma destas substâncias corresponderam a 23 mulheres, ou 6%, aproximadamente. As demais 197 usuárias que desenvolveram o problema apresentavam, ainda, outros fatores de risco, mas também já tiveram contato com o fumo e a pílula anticoncepcional em algum momento.
 
A trombose venosa profunda ocorre quando há formação de um coágulo sanguíneo em uma veia do interior de nosso corpo, dentro dos músculos das pernas, por exemplo.
 
"É como se o sangue formasse uma ' rolha' no vaso sanguíneo e não deixasse o sangue circular" , explica a médica hematologista Denise Zahr.
 
Os hormônios dos anticoncepcionais, como o estrógeno e a progesterona, alteram a circulação e aumentam os fatores de coagulação do sangue. Por isso as chances de desenvolvimento de coágulos nestas veias profundas são maiores.
 
De maneira geral, o problema pode estar associado a alterações genéticas, mas é relacionado, principalmente, as dislipidemias (hipertensão arterial e colesterol) e fatores de risco como a obesidade, o sedentarismo e o tabagismo.
 
" Este efeito colateral da pílula é informado na bula do medicamento, mas nem sempre as mulheres são bem orientadas pelos especialistas. A combinação do uso do anticoncepcional com o cigarro, ou mesmo a um dos fatores de risco para trombose funciona como uma bomba para o organismo. É extremamente importante que o médico conheça bem a história de sua paciente antes de receitar qualquer tipo de medicação, além de acompanhar de perto o tratamento" , ressalta Denise.
 
Somente especialistas podem indicar o melhor método de prevenção para cada mulher, conforme sua idade, histórico familiar e condição financeira. Além da pílula, existem outros contraceptivos como o dispositivo intrauterino (DIU). O preservativo ainda impede o contato com as doenças sexualmente transmissíveis.
 
" Realizar caminhadas e exercícios físicos regularmente, consumir uma dieta equilibrada, evitar a automedicação e abandonar o cigarro, são maneiras seguras de evitar a trombose" , finaliza a especialista.
 
Fonte isaude.net

Terapia de relaxamento reduz sintomas da menopausa pela metade

O objetivo é ensinar às mulheres a encontrarem os grupos musculares, relaxando com a ajuda de técnicas de respiração
 
Mulheres que se submeteram a terapia de grupo, aprendendo a relaxar, reduziram os sintomas da menopausa pela metade. Os resultados são de estudo realizado na Linköping University , em Linköping (Suécia).
 
Resultado da tese de doutorado de Elizabeth Nedstrand, da Linkoping University, o estudo trabalhou com um grupo de mulheres aleatoriamente designadas a três tratamentos diferentes, paralelamente ao uso do estrogênio: acupuntura, exercícios e relaxamento com o uso de um método baseado na terapia cognitiva comportamental desenvolvida pelo psicólogo Lars-Göran Ost.
 
O sucesso dos resultados levou a um estudo maior que, a partir de 2007, trabalhou com um grupo de 60 mulheres que procuraram seus médicos com sintomas moderados a graves da menopausa, com ciclos de até 50 vezes por semana. Elas foram divididas aleatoriamente em dois grupos: um de dez sessões de terapia de grupo e o outro que passou apenas por um controle, sem receber tratamento algum.
 
Segundo Nedstrand, o objetivo da terapia é ensinar às mulheres a encontrarem os grupos musculares de seus corpos, aprendendo a relaxar com a ajuda de técnicas de respiração. Os participantes receberam exercícios para praticar diariamente em casa. Durante o período de intervenção e, por três meses seguintes, as mulheres mantiveram um diário de suas ondas de calor. Elas também tiveram que preencher um questionário de qualidade de vida em três ocasiões, além de apresentar uma amostra de saliva para análise de cortisol, o hormônio do estresse.
 
As mulheres que participaram do grupo de tratamento reduziram os índices de ondas de calor diárias de 9.1 para 4.4, sendo que o efeito manteve-se durante três meses após a última sessão de terapia. Elas também relataram melhora da qualidade de vida como memória, concentração, sono e ansiedade. Por outro lado, não foram observadas diferenças estatisticamente significativas na secreção do hormônio do stress.
 
" O estudo confirma que o relaxamento aplicado pode ajudar as mulheres com os problemas da menopausa. Minha esperança é que este tratamento possa ser oferecido às mulheres pelos centros de atendimentos primários e prestadores privados de cuidados de saúde," completa.
 
 
A menopausa
Sete em cada 10 mulheres sofrem com a chegada da menopausa com sintomas como calor, insônia, baixa na libido, depressão, irritabilidade. Para uma em cada dez mulheres, estes problemas duram cinco anos ou mais, principalmente com relação à insônia. A ciência ainda não identificou o que está por trás destes sintomas. O que se sabe é que as quantidades decrescentes de hormônios femininos (estrogênio) afeta o centro responsável pela regulação de calor no hipotálamo.
 
Com base neste conhecimento, a terapia de reposição de estrogênio foi largamente utilizada. De acordo com os responsáveis por este estudo, os médicos suecos chegaram a receitar a terapia, no final dos anos 90, para cerca de 40% das mulheres com sintomas moderados a graves de menopausa. Com o tempo, foi observada uma relação direta deste tratamento com o aumentou do risco de câncer da mama e de doença cardiovascular, o que levou à busca de terapias alternativas.
 
Fonte isaude.net

Mensagens negativas têm pouco impacto sobre o cérebro de dependentes

Joshua Brown, principal investigador do estudo
Joshua Brown, principal investigador do estudo
Descoberta tem potencial para ajudar a direcionar políticas de saúde pública para reduzir ou impedir o abuso de drogas e álcool
 
Pesquisadores da Universidade de Indiana, nos EUA, descobriram que mensagens negativas são menos eficazes para pessoas que fazem uso abusivo de álcool e drogas.
 
A descoberta pode ajudar a guiar políticas de saúde pública para impedir o abuso de drogas e álcool ou dissuadir as pessoas de se envolverem em comportamentos de risco.
 
"Os resultados são um tanto irônicos, porque muitos anúncios de serviço público dizem "Drogas são ruins para você", "Basta dizer não", ou "Este é o seu cérebro em drogas" mostrando uma imagem de ovos fritos. O que estamos vendo é que as mensagens negativas não estão tendo o mesmo impacto sobre o cérebro", afirma o principal investigador Joshua Brown.
 
Utilizando técnicas de neuroimagem, os pesquisadores examinaram o impacto de diferentes mensagens sobre os cérebros de indivíduos dependentes de substância e comparou-o com seus efeitos sobre pessoas não dependentes.
 
Eles também procuraram determinar onde está o problema no circuito cérebro, mensagem e comportamento. Eles sugeriram que talvez o cérebro de pessoas dependentes de substâncias é sensível ao risco, mas o conhecimento não orienta seu comportamento. Ou talvez dependentes percebam as mensagens de forma diferente em primeiro lugar.
 
Para responder a estas questões, os participantes participaram de um jogo virtual, o Iowa Gambling Task, frequentemente utilizado em estudos psicológicos sobre tomada de decisão. Quatro baralhos de cartas aparecem em uma tela, e os participantes são informados de que vão ganhar ou perder dinheiro, escolhendo certos baralhos.
 
O grupo dependente da substância mostrou menos atividade no cérebro em resposta à mensagens negativas de que um baralho certo levaria a perdas. As mensagens negativas também levaram decisões piores e significativamente mais arriscadas do grupo de dependentes de substâncias tóxicas do que no grupo de não usuários.
 
Os resultados sugerem que o nível de atividade cerebral em regiões do cérebro que avaliam o risco é menor em indivíduos dependentes de substância do que aqueles que não usam drogas ou álcool.
 
Os dois grupos analisados processam as mensagens de forma diferente, particularmente aquelas mensagens que enfatizam a perda ou redução de perspectivas de ganho.
 
A pesquisa contribui para um crescente corpo de evidências que analisam o impacto de determinados tipos de mensagens sobre os mecanismos neurais envolvidos na tomada de decisões arriscadas.
 
Segundo Brown, ainda não pode dizer se as mensagens positivas são mais eficazes para reduzir o uso de drogas porque sua experiência envolveu decisões sobre o dinheiro em vez de drogas. Eles estão trabalhando nisso, porém, estão apenas começando a ver como as pessoas tomam decisões com relação às drogas.
 
Fonte isaude.net

Consumo elevado de vitamina E reduz risco de câncer de fígado

Pesquisa realizada na China sugere que papel antioxidante da vitamina pode prevenir o aparecimento de danos no DNA
 
Alto consumo de vitamina E a partir da dieta ou de suplementos vitamínicos pode reduzir o risco de câncer de fígado, segundo estudo de pesquisadores da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos.
 
A pesquisa sugere que papel antioxidante da vitamina solúvel em gordura pode prevenir o aparecimento de danos no DNA.
 
Para determinar a relação entre a ingestão de vitamina E e o risco de câncer de fígado, os pesquisadores dos EUA, em conjunto com cientistas do Shanghai Cancer Institute analisaram dados de 132,837 pessoas na China estudadas entre 2002 e 2006.
 
Utilizando questionários, os pesquisadores realizaram entrevistas individuais para coletar dados sobre os hábitos alimentares dos participantes do estudo. Os participantes foram questionados sobre quão frequentemente eles comeram alimentos ricos em vitamina E e tomaram suplementos vitamínicos.
 
A equipe então comparou o risco de câncer de fígado entre os participantes que apresentaram alto consumo de vitamina E e aqueles com baixa ingestão.
 
A análise incluiu 267 pacientes com câncer de fígado (118 mulheres e 149 homens) que foram diagnosticados entre após o início do estudo.
 
Os resultados mostraram que a ingestão de vitamina E pela dieta ou por meio do uso de suplementos de vitamina E foram ambos associados a um menor risco de câncer de fígado. Esta associação foi consistente entre os participantes com e sem auto relato de doença hepática ou histórico familiar de câncer de fígado.
 
O câncer de fígado é a terceira causa mais comum de mortalidade por câncer no mundo, o quinto câncer mais comum em homens e o sétimo mais comum em mulheres. Aproximadamente 85% dos casos da doença ocorrem em países em desenvolvimento, com 54% só na China.
 
Fonte isaude.net

Hipersônia, a necessidade de dormir mais que 8 horas diárias

O cérebro, durante a noite, secreta uma substância chamada líquido cefalorraquidiano (LCR) que é responsável por regular uma série de funções no corpo, incluindo o sono e o estado de alerta. Muitas pessoas, entretanto, têm uma produção desregulada do LCR e isso pode se refletir em uma maior necessidade de sono.
 
O problema foi chamado de hipersônia, e faz com que essas pessoa – e não são poucas – precisem de mais de 70 horas de sono semanais (o normal é que entre 56 e 70 horas semanais sejam o suficiente).
Indivíduos com hipersônia também têm maior dificuldade em acordar pela manhã, e passam o dia com menor concentração, como se não tivessem dormido o suficiente. Problemas no trabalho, na escola e menor sensibilidade a substâncias que as deixariam mais acordadas (como o café ou outros estimulantes) também são característica dessa condição que é relativamente nova para os médicos e neurocientistas.
 
“Pessoas com hipersônia afirmam se sentir como se estivessem sempre andando em um nevoeiro durante o dia. Eles estão fisicamente acordados, mas não com a mente alerta”, explca David Rye, autor de uma pesquisa sobre o tema publicada no periódico Science Translational Medicine.
 
“Normalmente quando atendemos pacientes com muito sono pensamos inicialmente em problemas neurológicos, glandulares ou nutricionais e o tratamento passa, muitas vezes, pelo uso de medicamentos estimulantes. Mas isso, sabemos agora, é como acelerar um carro com o freio de mão puxado”, explica o pesquisador da Universidade de Emory, nos EUA.
 
Confusão e novas técnicas
“A hipersônia é bastante impactante e sabe-se muito pouco sobre a condição. Nosso estudo é um dos primeiros a trazer mais dados sobre isso, o que pode melhorar as técnicas e terapias para tratar o problema”, aponta Merrill Mitler, outro autor da pesquisa.
 
Em algumas pessoas, diz o artigo, a hipersônia é similar aos efeitos de se tomar sedativos. “Isso é muito similar a uma incosciência, e as pessoas com hipersônia têm que lutar contra isso no dia a dia para conseguir dar conta de tudo o que precisam fazer durante seus afazeres cotidianos”, afirma Rye que lembra ainda que a prevalência do problema ainda não está clara, pois ainda é confundida com outros problemas relacionados com o ritmo do sono.
 
“Até agora os médicos caracterizavam esse problema como ‘sono longo’, e mesmo chegavam a tratá-lo como uma forma de narcolepsia, o que não confirmamos que não é. Os medicamentos para esse tipo de problema não são os mesmos usados para outros problemas relacionados ao sono ou ao estado de vigília, e estamos tentando descobrir o que pode melhorar o estado de alerta desses indivíduos”, finalizam os autores.
 
Fonte O que eu tenho

Amnésia alcoólica, a atuação do álcool na memória

Sabe quando você acorda após uma noite de bebedeira e não se lembra de nada do que aconteceu na balada, simplesmente um blackout total? Cientistas da Universidade de Sussex, Inglaterra, realizaram um estudo para provar se a chamada amnésia alcoólica existe mesmo. Segundo os pesquisadores, o álcool pode estar a afetando os neurotransmissores e estariam alterando a maneira com que a memória é formada. O alto consumo da bebida inibe a memória pós ingestão, fazendo o individuo lembrar apenas o que ocorreu antes, o que na maioria das vezes é uma boa lembrança.
 
Durante a pesquisa foram comparadas as habilidades de memória dos voluntários para imagens mostradas antes e depois da ingestão de bebidas não-alcoólicas e alcoólicas. O resultado mostrou que quem bebeu álcool teve a memória aumentada para as imagens vistas antes do consumo e deteriorada para as imagens vistas depois.
 
Os pesquisadores também identificaram uma dificuldade na capacidade de julgamento de determinadas situações e valores. Outra descoberta foi que tendemos a nos lembrar mais dos fatos positivos do que dos negativos, o que faz com que lembremos mais das partes divertidas do que das coisas vergonhosas que fizemos com o julgamento afetado pelo álcool.
 
Não está claro como o álcool muda a maneira como as memórias são formadas, mas ele pode estar alterando os neurotransmissores que formam as memórias. É incerto o ponto exato do mecanismo de memória em que o álcool atue, mas pesquisas científicas demonstram que há uma espécie de anestesia do cérebro e a transferência da memória de curta duração para memória de longa duração é prejudicada, fazendo com que não fixemos os fatos.
 
Outro ponto intrigante sobre o qual não há nada conclusivo é o porquê algumas pessoas não têm esses blackouts ou apresentam muito raramente algum tipo de perda de memória, já que essa condição foi verificada tanto em dependentes de álcool quanto em pessoas que bebem socialmente. O que se sabe do fato é que alguns têm uma tolerância maior aos efeitos nocivos do excesso de álcool do que outros e que isso pode indicar um fator genético ou da maneira como o corpo processa o álcool.
 
Fonte Corposaun

Tempero e blueberry brasileiro estimulam a memória

blueberries Tempero e blueberry brasileiro estimulam a memóriaEstudos com folhas de sálvia, usada com frequência para temperar peixes e carnes, e o mirtilo, o bluebarry brasileiro, revelam que tanto a planta como a fruta azul são ricos em flavonóides que ajudam a desacelerar o declínio das funções mentais e até proteger contra o Alzheimer.
 
Com o envelhecimento da população em todo o mundo e a melhora na qualidade de indivíduos da melhor idade, estimular a memória tornou-se um dos grandes desafios da medicina moderna. Além das novas drogas, estudos recentes têm demonstrado que alguns alimentos contribuem para melhorar a função cognitiva, a compreensão verbal e a habilidade numérica.
 
“Um dos elementos mais estudados e divulgados é o Ômega 3, presente em peixes. É comprovado que indivíduos na melhor idade que possuem dieta rica em produtos marinhos têm melhor performance cognitiva, pois além de proteger o cérebro contra estresse oxidativo, o Ômega 3 regula a neurotransmissão. No entanto, dietas deficientes da substância podem levar, inclusive, a um prejuízo na aprendizagem”, explica Sandra Chemin, docente do curso de Nutrição da Anhembi Morumbi, integrante da rede internacional de universidades Laureate.
 
Ainda de acordo com a nutricionista, outros compostos que atuam na memória são os flavonóides, que ajudam a desacelerar o declínio das funções mentais e até protegem contra Alzheimer. “Há alguns anos, pensava-se que os flavonóides agiam como o Ômega 3 e, até mesmo, como a vitamina C, ou seja, como antioxidantes. Entretanto, estudos mais recentes demonstraram que eles interagem com a quinase, uma proteína que regula o fluxo de sangue nos tecidos cerebrais”, completa.
 
Frutinha da inteligência
Atualmente foram identificados mais de seis mil flavonóides, responsáveis por cores e sabores dos alimentos. Um estudo de 2010, com dois mil voluntários entre 70 a 75 anos, que relataram consumir de forma periódica vinho, chá e chocolate (alimentos ricos em flavonóides), revelou a melhora na função cognitiva se comparado às pessoas que raramente ingerem esses produtos.
 
“Entre outros alimentos ricos em flavonóides está também o mirtilo, o blueberry brasileiro, pequena fruta azul originária da América do Norte e muito consumida pelas suas propriedades medicinais. Pesquisa com adultos que bebem até duas xícaras de suco de mirtilo por dia mostrou que esses indivíduos tiveram desempenho intelectual 30% melhor”, conta a professora da Anhembi Morumbi.
 
Tempero da memória
Outra descoberta mostrando o poder dos alimentos que elevam os níveis de concentração está ligada a um tempero muito utilizado na cozinha brasileira para ressaltar o sabor de peixes e carnes: a sálvia. Estudos demonstraram que, pessoas que se submeteram a uma bateria de teste por computador em uma sala aromatizada com sálvia comum, apresentaram memória mais precisa que aquelas que realizaram os mesmos exames em ambientes desodorizados.
 
“A razão disto é que a planta é rica em um flavonóide chamado hispulina, que parece interagir com receptores de cultura de células cerebrais, formando ácido gama-aminobutírico, um neurotransmissor que afeta justamente a cognição e os estados de ânimo. Vale apontar ainda, que os fatores genéticos que afetam a neurodegeneração já foram identificados, porém alimentos como a sálvia e o mirtilo podem determinar a idade cerebral, atrasar a perda de memória e até colaborar com as funções cognitivas”, finaliza Sandra.
 
Fonte Corposaun

Medicamentos biológicos podem evitar a morte prematura de pacientes com artrite reumatoide

De acordo com pesquisa – Biologics and Mortality Risk in Rheumatoid Arthritis: Results of a Population Based Study – apresentada na reunião anual do Colégio Americano de Reumatologia, evento que reuniu em Washington (EUA) especialistas em reumatismo de todo o mundo, o tratamento com medicamentos biológicos pode reduzir o risco de morte prematura em pacientes com artrite reumatoide.
 
A artrite reumatoide é uma doença crônica que provoca rigidez, dor, inchaço, limitação de movimentos e a perda da função de múltiplas articulações. “Embora as articulações sejam as principais áreas afetadas pela artrite reumatoide, a inflamação pode desenvolver-se em outros órgãos. Doentes com artrite reumatoide têm uma taxa de mortalidade elevada. No Brasil, estima-se que a doença atinja 1% da população. Como falamos de aproximadamente 1,9 milhão de brasileiros doentes, falamos de uma doença importante”, destaca o reumatologista Sergio Bontempi Lanzotti, que participou do evento.
 
Já sabemos que os agentes biológicos, como drogas antitumorais do fator de necrose (comumente chamados de anti-TNF), são prescritos para controlar a inflamação e prevenir lesões articulares causadas pela artrite reumatoide. Também são eficazes em reduzir a dor e melhorar a função física dos pacientes acometidos pela doença.
 
Agora, cientistas do Centro de Pesquisa de Artrite do Canadá, ligados à Universidade Britânica de Columbia, avaliaram se os benefícios da redução da inflamação sistêmica nos pacientes artríticos estão relacionados a um menor risco de morte prematura nesse grupo de pacientes.

Para isto, revisaram dados de pacientes do Ministério da Saúde canadense. O estudo incluiu todos os casos notificados com artrite reumatoide que receberam tratamento entre janeiro de 1996 e março de 2006. Os casos foram acompanhados até março de 2010. Todos os serviços de saúde utilizados – incluindo medicamentos, internações e exames de laboratório a partir de janeiro de 1990 – foram avaliados.
 
Os pacientes que usaram um agente biológico durante o acompanhamento foram colocados num mesmo grupo. Cada paciente deste grupo foi então relacionado a um paciente de um grupo de controle que nunca havia utilizado um agente biológico, mas que havia sido tratado com pelo menos três tipos de drogas antirreumáticas, tais como o metotrexato, a leflunomida, a hidroxicloroquina e a sulfassalazina.
 
O estudo avaliou 4.312 participantes no total, dos quais 2.156 eram usuários de agentes biológicos e 2.156 não. A idade média dos participantes foi de 56 anos de idade, e 74,7% dos participantes eram do sexo feminino. Os pesquisadores observaram 573 mortes, dos quais 326 estavam no grupo de controle e 247 no grupo de usuários de medicamentos biológicos.
 
Os resultados do estudo revelaram que a exposição aos agentes biológicos foi associada com uma redução de 25% no risco de morte prematura em comparação com qualquer outra medicação utilizada para tratar a artrite reumatoide.
 
“Saber que os agentes biológicos utilizados para tratar a artrite reumatoide podem reduzir o risco de morte prematura é muito significativo para as pessoas que vivem com a doença e seus médicos. Os resultados do estudo podem ajudar as pessoas a pesarem riscos e benefícios do uso destes medicamentos. Os pacientes devem conversar com seus reumatologistas para determinar o melhor curso de seu tratamento“.
 
Fonte Corposaun

Cirurgia plástica íntima é mania mundial que preocupa ginecologistas

Lábios vaginais recauchutados e outros retoques na genitália feminina não podem ser facilmente exibidos como peitões de silicone ou barriguinhas lipoaspiradas. Mesmo assim, são o último fenômeno no cardápio moderno das intervenções plásticas.
 
Nos EUA, são feitas mais de 1,5 milhão de cirurgias íntimas. No Reino Unido, 1,2 milhão. No Brasil, médicos apontam um crescimento de 50% nos últimos dois anos.
 
Jamie McCartney/Divulgação
Um dos painéis que compõem o "Grande Mural da Vagina", do artista plástico inglês Jamie McCartney
Um dos painéis que compõem o "Grande Mural da Vagina", do artista plástico inglês Jamie McCartney
 
O ginecologista Paulo Guimarães é expert em "design vaginal". Dá cursos de formação em cosmetoginecologia para médicos. Nos treinamentos, diz, 900 mulheres são operadas por ano, a preços menores. No consultório, "com atendimento personalizado e sigilo", afirma fazer 15 cirurgias íntimas por mês.
 
O cirurgião plástico Marcelo Wulkan, que atende em São Paulo e tem trabalhos sobre redução de lábios vaginais em publicações internacionais, diz fazer cem desses procedimentos por ano.
 
Mesmo médicos mais conhecidos por outros tipos de cirurgia, como implantes mamários e plástica de nariz, estão vendo a procura crescer.
 
"Nos últimos dois anos, passei de uma cirurgia íntima para três por mês", conta Eduardo Lintz, chefe de cirurgia plástica do hospital HCor, de São Paulo, e professor do Instituto Ivo Pitangui, no Rio. No total, Lintz faz cerca de 40 cirurgias plásticas mensais.
 
Tamanho-padrão
Como não há evidências de que os lábios vaginais cresceram nos últimos anos, especula-se que o aumento de cirurgias redutoras esteja ligado à uma nova busca de medidas genitais "padrão".
 
E o que é uma vagina normal? Assim como as estatísticas brasileiras sobre cirurgia íntima, as medidas são imprecisas. "Isso é um pouco subjetivo. Quando o lábio menor não ultrapassa 2 cm de largura pode ser considerado normal", diz Wulkan.
 
Está longe de ser consenso. Segundo estudo no "British Journal of Obstetrics and Gynaecology", a diversidade de tamanhos observada nos lábios vaginais da população é imensa, o que amplia o espectro de normalidade.
 
O mesmo estudo aponta que trabalhos anteriores definiram como acima do normal lábios com mais de 4 cm de largura, mas essa medida deve ser revista e ampliada.
 
Quando os lábios menores ultrapassam os maiores, a tendência é serem considerados candidatos à cirurgia. Mas não se trata de uma imperfeição física.
 
"É constitucional, a mulher nasce com essa característica, como nasce com um nariz grande", diz Lintz.
 
No entanto, o que é natural já não é o normal.
 
Imagens de nus femininos, reportagens e material didático criam o modelo de normalidade, diz a antropóloga Thais Machado-Borges, do Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Estocolmo, Suécia.
 
No estudo "Um olhar antropológico sobre a mídia, cirurgia íntima e normalidade", ela diz que as mulheres consideram atrativas as formas que correspondam a esse modelo, criadas por técnicas cirúrgicas. "Será que essas cirurgias podem transformar zonas erógenas em 'paisagens' onde reina o prazer?", questiona.
 
Como em relação a narizes, peitos e bundas, o padrão estético muda conforme a época e o país. "Nos EUA, as mulheres querem vagina pequena, cor-de-rosa. As brasileiras querem no mesmo tom de pele do das mãos, com lábios de 1 cm a 1,5 cm", diz o ginecologista Paulo Guimarães.
 
"É o modelo imaginário do órgão de menininha, o formato 'sou virgem'", interpreta a psicóloga Rachel Moreno.
 
A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia alerta seus membros sobre riscos dessa onda.
 
"É preciso muito cuidado para mexer em locais com tantas terminações nervosas. As cirurgias íntimas são vendidas como soluções para dificuldades sexuais, mas, se você mexer onde não era para mexer, você piora o que era para melhorar", diz Gerson Lopes, presidente da comissão de sexologia da entidade.
 
Fonte Folhaonline

Associação questiona eficácia de filtros solares do país

Entre dez marcas de filtros solares de uso adulto à venda no país, duas têm menos da metade do FPS (Fator de Proteção Solar) declarado no rótulo, segundo teste laboratorial encomendado pela Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor).
 
A avaliação incluiu produtos das marcas L'Oreal, La Roche-Posay, O Boticário, Coppertone, Cenoura&Bronze, Sundown, Avon, Nivea, Banana Boat e Red Apple, todos com FPS 30.
 
As fabricantes contestam o resultado e questionam a metodologia empregada.
 
Os produtos foram submetidos a uma análise in vitro para checar o fator de proteção, além de passarem por testes de irritabilidade da pele, fotoestabilidade, hidratação, rotulagem e desperdício causado pela embalagem.
 
De acordo com os resultados obtidos pela Proteste, os produtos Nivea Sun e Banana Boat foram os piores no quesito FPS. Os produtos têm fator de proteção 13 e dez, respectivamente, em vez de 30, de acordo com a análise.
 
Editoria de Arte/Folhapress
Os mais bem avaliados nesse item foram o L'Oreal Solar Expertise, o La Roche-Posay Anthelios Hélioblock e o Cenoura&Bronze.
 
MétodosS
O ensaio é feito em placas (cuja rugosidade simula à da pele humana), submetidas à radiação ultravioleta, de acordo com a Proteste.
 
Segundo o médico Sérgio Schalka, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e especialista em fotoproteção, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) exige testes feitos in vivo, em pessoas, para determinar o FPS.
 
O coordenador técnico da Proteste, Dino Lameira, afirma que o método in vitro foi o escolhido porque o objetivo do teste era comparar os produtos entre si, e esse tipo de avaliação é melhor do que o ensaio in vivo para isso.
 
"O método é reconhecido, apesar de não ser o oficial."
 
Ana Palieraqui, pesquisadora médica da entidade, afirma que o método in vitro foi preferido justamente por não usar voluntários humanos. "A Comissão Europeia recomenda desde 2006 que sejam feitos testes in vitro, para não expor pessoas à radiação ultravioleta. Os resultados dos dois tipos de teste são equivalentes."
 
No entanto, diz Schalka, o teste que não usa voluntários é mais sensível aos produtos que têm barreiras físicas contra o sol, ou seja, que refletem mais a luz. Os que têm barreiras químicas ficam prejudicados por esse tipo de avaliação, segundo ele.
 
O médico lembra que, se a pessoa usar o produto em pouca quantidade, a proteção contra a radiação cai muito. "Uma dica fácil é aplicar meia colher de chá do filtro no rosto e meia em cada braço, uma colher de chá em cada perna, uma no peito e barria e uma nas costas. Para uma criança de seis anos, metade disso é suficiente."
 
Radiação
A proteção contra raios UVA também foi medida. A partir de 2014, os filtros solares à venda no país deverão ter proteção UVA no valor de um terço da do UVB. Assim, um filtro 30 terá de apresentar uma proteção UVA de 10.
 
Os raios UVB causam queimaduras solares, câncer de pele e são mais fortes no verão. Já os UVA são constantes durante o ano e levam ao envelhecimento da pele e ao bronzeamento.

Cenoura&Bronze e Red Apple tiveram os piores resultados em proteção UVA.
 
A situação entre os produtos voltados ao público infantil é melhor, segundo o teste. Os cinco analisados tiveram boa avaliação na proteção UVB e dois foram reprovados quanto ao UVA.
 
Outro lado
A Abihpec (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) afirmou, em nota, que "refuta mais uma vez os dados sensacionalistas divulgados pela Proteste". Em 2009, a entidade havia publicado um teste semelhante.
 
Ainda segundo a nota, a avaliação é "pífia" e usa métodos não reconhecidos. Segundo a associação, a publicação é um ataque ao setor de cosméticos do Brasil.
 
A Nivea afirma que seus produtos são testados na Alemanha seguindo protocolos internacionais de qualidade e que discorda dos resultados da Proteste. Em nota, a empresa informa que não teve acesso ao estudo na íntegra e por isso não pôde avaliar os métodos usados.
 
A Energizer, que produz o Banana Boat, afirma que ainda vai revisar os dados enviados pela reportagem. "A empresa cumpre as normas de certificação da Anvisa."
 
A La Roche-Posay diz que todos os dados contidos no rótulo de seu filtro solar foram comprovados em testes feitos com metodologias aprovadas pela Anvisa e que desconhece os métodos usados pela Proteste.
 
Segundo a empresa, o filtro Anthelios Hélioblock já apresenta uma relação entre proteção UVA e UVB maior do que a exigida pelos padrões europeus, "embora essa recomendação entre em vigor no Brasil só a partir de 2014".
 
O Boticário declarou cumprir todos os requisitos da legislação vigente.
 
A Avon afirma que garante a segurança e a eficácia de todos os seus produtos, realizando os testes aprovados pelas entidades reguladoras.
 
O laboratório Schering Plough, detentor da marca Coppertone no Brasil, declarou que todos os produtos são aprovados com rigor científico e obedecem a padrões nacionais e internacionais.
 
Em nota, a Cenoura&Bronze afirma seguir os padrões exigidos pela Anvisa e que sua linha com FPS 30 foi submetida recentemente a testes que comprovaram a eficácia do produto.
 
A Kimberly-Clark Brasil, que detém a marca Huggies Turma da Mônica, afirma que avalia seus produtos periodicamente, para manter seus padrões de qualidade e atender aos requisitos da Anvisa.
 
A Sundown, da Johnson &Johnson, declarou que seus produtos passam por testes em instituições idôneas.
 
A Red Apple e a L'Oreal foram procuradas, mas não se pronunciaram.

Fonte Folhaonline

Hospital faz detecção de câncer de pele à distância

Um projeto em desenvolvimento no Hospital de Câncer de Barretos, no interior paulista, usa fotos enviadas por e-mail para facilitar o diagnóstico de câncer de pele.
 
O objetivo é antecipar a detecção da doença em moradores de cidades onde não há médicos especialistas que possam fechar o diagnóstico.
 
O programa começou a ser testado há 18 meses, e 900 imagens já foram analisadas de forma experimental. Segundo o médico Carlos Eduardo Goulart Silveira, do departamento de prevenção do Hospital de Câncer de Barretos, houve 85% de concordância entre os diagnósticos feitos ao vivo e os realizados por meio das fotos.
 
A ideia, afirma Silveira, nasceu a partir das visitas feitas pela equipe do hospital com a unidade móvel, que percorre cidades de Estados do Norte e do Centro-Oeste, além de São Paulo e Minas Gerais, fazendo exames para detectar câncer de mama, do colo do útero, de próstata e pele. "Visitamos muitas cidades pequenas e nesse locais há um deficit de médicos e especialistas. Vemos também uma incidência muito alta de câncer de pele, e essas pessoas precisam esperar até um ano a nossa chegada."
 
Para agilizar o atendimento, foi criado o projeto de teledermatologia. "Em países desenvolvidos, a telemedicina já está mais estabelecida. Nos países em desenvolvimento, onde há mais carência de acesso ao médico, ela ainda não é tão utilizada."
 
Os médicos do hospital analisam fotos das lesões tiradas por enfermeiros ou técnicos que são treinados em Barretos. Usando uma câmera comum ou de celular, eles registram a imagem da lesão, permitindo a identificação de seu tamanho e relevo.
 
A foto é enviada por e-mail aos especialistas do hospital. Se a suspeita for de lesão maligna, é marcada uma consulta no hospital para dar início ao tratamento.
 
Segundo Silveira, o projeto ainda está funcionando de forma experimental em cidades próximas a Barretos. O telediagnóstico deve ser posto em prática de vez em 2013.
 
"Isso evita viagens desnecessárias, economiza tempo."
 
Recursos
Ainda inicial no país, a telemedicina já conta com outro programa de diagnóstico à distância.
 
Um grupo da Unifesp, liderado pelo médico Rubens Belfort Jr., faz a detecção de problemas na retina e de glaucoma, em especial em pacientes diabéticos, com a ajuda de fotos do fundo do olho feitas em centros de saúde em São Paulo e analisadas por especialistas em retina.
 
Segundo Belfort, presidente da SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina), esse recurso economiza cinco consultas médicas. Depois que a foto é analisada, o paciente recebe uma mensagem que o direciona ao local de tratamento.
 
Desde o início do ano passado, 2.100 imagens foram analisadas no projeto. Há duas máquinas em funcionamento, uma no centro de diabetes da Escola Paulista de Medicina e outra no ambulatório Tito Lopes, na zona leste. Outras duas serão instaladas na região da Vila Maria.
 
"É impossível o oftalmologista atender a todos os pacientes. A única forma de solucionar o problema da saúde no país é modernizar a política de recursos humanos."
 
Para Belfort, o trabalho do médico deve ser concentrado na interpretação dos dados, realização do diagnóstico e prescrição do tratamento.
 
"A única maneira de melhorar a assistência médica é usar a tecnologia para baratear custos e substituir as tarefas", diz o médico.
 
Demétrius Daffara/Editoria de Arte/Folhapress
 
Fonte Folhaonline

Farmacêuticas devem controlar testes terceirizados, aponta relatório

Acesso das populações de baixa renda aos medicamentos tem melhorado, segundo o relatório - Divulgação
Divulgação
Acesso das populações de baixa renda aos medicamentos
tem melhorado, segundo o relatório
Empresas do ramo são pouco transparentes, segundo Índice de Acesso aos Medicamentos
 
Poucas companhias farmacêuticas mantêm medidas de controle estritas para assegurar que testes feitos por meio de empresas terceirizadas em países em desenvolvimento sejam seguros e respeitem a ética, aponta um relatório independente.
 
A maioria das farmacêuticas não forneceu evidências de que não exerce qualquer influência sobre os métodos como os testes são conduzidos pelas empresas contratadas, segundo o Índice de Acesso aos Medicamentos (IAM), relatório publicado a cada dois anos e que reúne as 20 maiores companhias do ramo.
 
A GlaxoSmithKline encabeça a lista das melhores farmacêuticas, seguida de perto pela Johnson & Johnson e pela Sanofi. A AstraZeneca foi uma das que mais decaiu desde o último relatório. A edição atual elogia os esforços de algumas empresas para reduzir os preços dos remédios e torná-los mais acessíveis às populações de baixa renda.
 
O índice aponta que aproximadamente um bilhão de pessoas em todo o mundo não podem pagar pelos medicamentos que precisam, mas reconhece que houve progresso a esse respeito, com as companhias dando descontos de até 60% em seus produtos.
 
Um dos autores, David Sampson, disse que embora os analistas tenham sido mais rígidos neste ano e o cenário econômico tenha mudado para mais difícil, "todas as companhias melhoraram quanto às iniciativas sobre o acesso aos produtos".
 
A crítica mais contundente, porém, diz respeito à transparência dessas empresas em seus testes. "Há uma tendência crescente de terceirização de testes clínicos, mas como sempre ocorre nesses processos, a relação entre as duas partes precisa ser extremamente estreita e administrada com cuidado", diz ele.
 
"Enquanto a maioria das companhias fala sobre códigos de conduta, apenas quatro delas revelou detalhes das ações disciplinares que tiveram de tomar quando houve desvios. A regulamentação em países em desenvolvimento é mais variável e qualquer coisa que coloque os pacientes em risco é uma prática inaceitável de bastante preocupante", completa.
 
O índice também examinou os produtos farmacêuticos em desenvolvimento. O foco continua em remédios contra doenças fatais como infecções respiratórias e causadoras de diarreia, aids e malária, mas doenças tropicais também ganharam mais atenção.
 
O relatório também notou programas de redução de preços de determinados medicamentos em países particularmente afetado por determinadas doenças, prática que deveria ser expandida, de acordo com os autores do documento. Um dos exemplos foram os preços variáveis do anticoncepcionais da Bayer em 11 países da África Subsaariana.
 
A GSK foi elogiada por fornecer toda sua variedade de vacinas a preços acessíveis aos países em desenvolvimento. Já a AstraZeneca caiu da 7ª para a 16ª posição devido ao fato de que "não promoveu avanços em suas políticas de acesso" desde o último relatório.
 
Fonte Estadão

Sachê 'purificador' aumenta acesso à água potável em áreas pobres

Em 30 minutos, água está pronta para consumo novamente - P&G/Reprodução
P&G/Reprodução
Em 30 minutos, água está pronta para consumo novamente
Substância é capaz de tornar até 10 litros de água potáveis em apenas 30 minutos
 
Basta abrir o pequeno sachê e despejar o pó em um recipiente cheio de água suja e em cinco minutos a lama começa a se agrupar, formando grandes blocos, para depois afundar, deixando a água limpa e quase pronta para consumo.
 
"É deixar a sujeira afundar, coar a água, aguardar 20 minutos e estará pronta para beber", afirma Greg Allgood, diretor da divisão americana do programa sem fins lucrativos da Procter & Gamble para fornecer água potável a países em desenvolvimento e zonas que sofreram desastres.
 
"Revertemos o sistema de uma usina de tratamento de água para que algo que custa dezenas de milhões de dólares passasse a custar três centavos e meio", completa Allgood. Adicionando os gastos com distribuição, envio, educação e treinamento dos grupos de ajuda, o custo total de cada sachê não passa de 10 centavos de dólar.
 
Um único sachê pode purificar até 10 litros de água, o bastante para o consumo de cinco pessoas durante um dia. Não importa se o filtro ou se o recipiente não estiverem limpos - a substância limpa a água mesmo assim.
 
O pó é composto de sulfato de ferro - responsável por reunir a sujeita, os metais pesados e os parasitas presentes na água - e cloro - responsável por matar os vírus e bactérias, inclusive as causadoras do cólera.
 
"Quando a água está bem suja, não há muitas tecnologias de baixo custo que possam funcionar", diz Allgood, PhD em toxicologia e enviado da P&G na Clinton Global Initiative, que inaugurou nesta quinta-feira, 29, uma fábrica de sachês em Cingapura. "Parece estranhos para nós, mas muitas vezes as pessoas veem isso e dizem 'Meu Deus, eu estava bebendo água suja!'", conta.
 
Cerca de 40 milhões de sachês serão feitos ainda em 2012 em uma fábrica no Paquistão e outros 100 milhões na central de Cingapura. A meta é que sejam produzidos 200 milhões de sachês a ano até 2020, o que resultará em 2 bilhões de litros de água potável.
 
Muitos dos pacotes são enviados para projetos de desenvolvimento na África e em países emergentes da Ásia, mas também foram destinados a pessoas afetadas por enchentes e outros desastres no Pquistão, na Tailândia, nas Filipinas, na Indonésia e no Haiti, segundo Allgood.
 
A água potável é fundamental para pessoas soropositivas, uma vez que seus sistemas imunológicos os torna muito vulneráveis a infecções, podendo tornar alguns casos fatais com facilidade.

Fonte Estadão

Fórmula pode prever riscos de recém-nascido se tornar obeso

Obesidade tem se tornado um problema muito comum nos países desenvolvidos - Divulgação
Obesidade tem se tornado um problema muito
comum nos países desenvolvidos
Calculadora online leva em conta peso do bebê, IMC dos pais e outras informações da família
 
Cientistas britânicos desenvolveram uma ferramenta capaz de prever quais as chances de um recém-nascido se tornar uma criança obesa. O estudo que teve como resultado o método de cálculo foi publicado na quarta-feira, 28, o jornal especializado PLOS ONE.
 
A fórmula, disponível em uma calculadora online, estima o risco de a criança se tornar obesa com base em seu peso de nascimento, no índice de massa corporal (IMC) de seus pais, no número de pessoas que viverão com ela durante a infância e em características da mãe, como se é fumante e qual seu status profissional.
 
Os pesquisadores disseram esperar que o método seja usado para identificar os bebês sob alto risco e ajudar as famílias a tomar medidas que evitem que as crianças ganhem peso de forma prejudicial.
 
A obesidade infantil é a mais frequente causa que leva à diabete tipo 2, assim como várias doenças cardiovasculares, e está se tornando um problema comum nos países desenvolvidos. Segundo a Associação Americana do Coração, quase 18% dos meninos e 16% das meninas entre 2 e 19 anos nos Estados Unidos são obesos. Na Grã-Bretanha, 17% dos meninos e 15 das meninas com idades entre 2 e 15 anos também, de acordo com o Serviço Nacional de Saúde.
 
"Uma vez que a criança se torna obesa, é difícil de perder peso, então a prevenção é a melhor estratégia e precisa começar o quanto antes", disse Philippe Froguel, do Imperial College de Londres, que liderou o estudo. "Infelizmente, as campanhas públicas de prevenção têm sido bastante ineficazes entre as crianças de idade escolar. Ensinar os pais sobre os perigos da má nutrição e do sobrepeso seria muito mais efetivo", completou.
 
A equipe de Froguel desenvolveu a fórmula usando dados de um estudo que avaliou 4 mil crianças na Finlândia em 1986. Inicialmente eles estavam pesquisando se era possível calcular o risco com base nos perfis genéticos, mas o teste que desenvolveram não mostrou-se eficar. Em vez disso, descobriram que as informações não genéticas disponíveis a partir do momento do nascimento eram suficientes para fazer as previsões.
 
A fórumla mostrou-se bastante exata não apenas entre as crianças finlandesas, mas também em testes realizados posteriormente na Itália e nos Estados Unidos. "O teste leva pouco tempo, não requer exames laboratoriais e não custa nada", concluiu Froguel.
 
Apesar de concluir que fatores genéticos não são úteis na previsão de riscos de obesidade, os cientistas afirmam que um em dez casos são causados por mutações raras que afetam significativamente a regulação do apetite. Segundo os pesquisadores, os exames para esses tipos de mutações podem se tornar disponíveis nos próximos anos, uma vez que os custos da tecnologia para o sequenciamento do DNA estão caindo.
 
Fonte Estadão

Americanos criam sistema de 'previsão' de surtos de gripe

Projeto pode ajudar autoridades na preparação para combate e prevenção da doença
 
Um estudo conduzido pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Columbia aponta ser possível prever surtos de gripe da mesma forma como os meteorologistas preveem as condições climáticas, o que pode representar uma grande vantagem para autoridades ligadas ao setor da saúde.
 
Usando dados coletados em tempo real pelo Google e cruzando tais informações com um programa de computador que simula a disseminação da gripe, os pesquisadores desenvolveram um sistema que pode gerar previsões locais da gravidade e da duração de surtos da doença.
 
Esse tipo de previsão pode fazer com que as autoridades se preparem mais adequadamente para os surtos de gripe, segundo Irene Eckstrand, do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos. Anualmente, a gripe mata entre 250 mil e 500 mil pessoas por ano.
 
Se as previsões forem minimamente precisas, fariam com que as autoridades veiculassem vacinas e antibióticos para áreas em maior estado de necessidade, segundo Jeffrey Shaman, um dos autores do estudo. "Se você tem uma previsão que adianta o surto em seis semanas e é confiável, pode mandar as vacinas para determinado local porque haverá temoo o bastante para distribuí-las antes de a doença chegar de fato", diz.
 
Shaman disse também que as previsões poderiam acompanhar os programas de informações meteorológicas da televisão para que o público em geral tome suas próprias medidas para evitar a infecção ao procurar vacinas e já monitore os sintomas da doença.
 
Para conduzir a pesquisa, os cientistas usaram dados de uma ferramenta chamada Googloe Flu Trends, que reúne os termos que as pessoas usam no buscador da internet para saber onde há surtos da doença. O software foi lançado em 2008 e notifica o Centro de Controle de Prevenção de Doenças dos Estados Unidos em tempo real. Com o programa de computador e as informações dos usuários, eles geraram previsões semanais que adiantaram o pico do surto de gripe em mais de sete semanas antes de ocorrer de fato.
 
O projeto piloto, publicado na segunda-feira, 26, no Proceedings of the National Academy of Sciences, jornal científico americano, analisou dados apenas da área de Nova York, usando informações colhidas entre 2003 e 2008.
 
Fonte Estadão

Testes da OMS podem elevar para 3 o nº de mortes por novo coronavírus

No total, já foram informados quatro novos casos, três na Arábia Saudita e um no Catar
 
GENEBRA - A Organização Mundial da Saúde (OMS) espera os resultados de laboratório para confirmar uma nova morte na Arábia Saudita causada pelo coronavírus detectado no último mês de setembro, o que elevaria para três o número de infectados falecidos.
 
 
"Estamos à espera que se confirmem dois novos casos, dos quais um resultou fatal. Apesar de, a princípio, a pessoa que se recuperou ter testado negativo para o coronavírus, o resultado não é confiável e estamos à espera de uma segunda comprovação", disse nesta quarta-feira à Agência Efe o porta-voz da OMS, Gregory Härtl.
 
As duas pessoas supostamente contagiadas são parentes de outros dois residentes da Arábia Saudita, um deles falecido, cujos contágios foram confirmados em laboratório e anunciados na semana passada pela agência sanitária das Nações Unidas.
 
No total, a OMS informou na sexta-feira quatro novos casos, três na Arábia Saudita e outro no Catar, o que eleva para seis o número de infectados até o momento pelo novo coronavírus, que se manifesta nos pacientes como uma síndrome respiratória e renal.
 
O primeiro caso desta nova modalidade de coronavírus foi detectado e confirmado pelo Centro Médico da Universidade Erasmus, na Holanda, no começo do ano em um homem de 60 anos da Arábia Saudita, que faleceu após ser hospitalizado.
 
O segundo caso foi o de um catariano que antes de adoecer viajou à Arábia Saudita e que se recuperou em um hospital britânico.
 
Em ambos casos os pacientes sofreram insuficiência renal, algo que surpreendeu os médicos, porque normalmente não se relaciona com uma síndrome pulmonar, razão pela qual começaram a investigar.
 
Fadela Chaib, porta-voz da OMS, esclareceu que as duas mortes registradas até o momento "não estão relacionadas".
 
O novo vírus foi detectado no início de setembro e foi classificado como um coronavírus, a família à qual também pertencem a gripe estacional e a síndrome respiratória aguda severa conhecida como Sars.
 
Um mês depois, a OMS garantiu que "não havia evidência da transmissão do vírus de humano a humano".
 
Este organismo, junto com os governos da Arábia Saudita e Catar, segue trabalhando para conhecer melhor o coronavírus e sua fonte, e pediu aos demais países que mantenham o alerta.
 
Até que disponha de nova informação sobre a doença, a OMS pediu que se considere que o vírus pode estar presente em outros países diferentes dos dois nos quais os casos foram detectados.
 
Neste sentido, a OMS instou as autoridades sanitárias a realizar testes em pacientes que apresentem pneumonias com sintomas não comuns inclusive quando não tenham viajado ou não tenham estado em contato com catarianos ou sauditas.
 
Além disso, propôs investigar qualquer cepa de Sars ou a presença de alguma destas síndromes nos profissionais de saúde "independentemente do lugar onde apareçam", e manteve sua decisão de não recomendar nenhuma restrição de viagem.
 
Fonte Estadão

Concurso Prefeitura de Macaé - RJ

Abertas as inscrições para concurso público n° 02/2012 na Prefeitura de Macaé, Estado do Rio de Janeiro. O certame é destinado ao provimento de cargos efetivos para o Programa de Saúde de Família (PSF), Núcleo de Apoio à Saúde de Família (NASF) e Programa dos Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Serão oferecidas 118 vagas (10% serão reservadas às pessoas portadoras de deficiência), com carga horária de 40 horas semanais e remuneração variada entre R$ 686,74 a R$ 7114,25. Confira o edital.
 
Cargos
- Nível Fundamental: Auxiliar Saúde Bucal (2), Motorista (2), Agente Comunitário de Saúde (100);
- Nível Médio: Técnico de Enfermagem (2);
- Nível Superior: assistente Social (2), Cirurgião Dentista (2), Enfermeiro (2), Fisioterapeuta (2), Médico PSF (2), Nutricionista (2).

Inscrições
Os interessados poderão realizar as inscrições via internet, do dia 30 de novembro até às 24 horas do dia 14 de dezembro de 2012, no site www.incp.org.br, ou pessoalmente, do dia 03 a 14 de dezembro de 2012, de segunda a sexta-feira, das 10 às 17 horas, na Fábrica da Cidadania - Rua Teixeira de Gouveia, 636 Centro Macaé /RJ.

O valor da taxa de inscrição varia entre R$ 20,00 para cargos de nível Fundamental e médio e R$ 30,00 para cargos de nível superior.

Provas
O concurso será composto de provas objetivas para todos os cargos que serão realizadas na cidade de Macaé/RJ, com data prevista para o dia 29 de dezembro de 2012, com duração de 3 horas para sua realização, em dois turnos, das 9:00 às 12:00 para o cargo de nível médio ( Técnico de Enfermagem) e das 14:00 às 17:00 para todo nível fundamental e todo nível superior.

Os candidatos inscritos para o cargo de Motorista classificados, serão submetidos à prova prática, realizada na cidade de Macaé, prevista para 27 de janeiro de 2012, em local que será publicado em jornal encarregado das publicações da Administração Municipal e no site da organizadora INCP www.incp.org.br.

Validade
O concurso será válido por 02 anos, contados da data de sua homologação, prazo este que poderá ser prorrogado, caso a Administração julgue necessário.

Edital / Publicações

Prefeitura de Natal - RN lança edital de processo seletivo

A Prefeitura de Natal, Estado do Rio Grande do Norte, através da Secretária Municipal de Saúde, publicou edital N° 008/2012 de processo seletivo para a contratação por tempo determinado dos seguintes profissionais: Médico, Enfermeiro, Assistente Social, Técnico em Enfermagem, Auxiliar de Farmácia, Técnico em Radiologia, Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Manutenção, Auxiliar de Serviços Gerais, Copeiro e Maqueiro.
 
O certame tem o objetivo de selecionar, temporariamente, profissionais para o preenchimento de 269 vagas para a realização das atividades na Unidade de Pronto Atendimento Dr. José Ruy Pereira / UPA-Pajuçara, tendo em vista a excepcional necessidade da Administração Pública.
 
Os vencimentos variam de R$ 622,00 a R$ 5.750,00 em carga horária de 24 e 40 horas semanais.
 
Os interessados deverão efetivar sua inscrição no período de 29 a 30 de novembro de 2012, no horário das 08hoomin às 14h00min, no Auditório da sede da Secretaria Municipal de Saúde no seguinte endereço: Rua Fabrício Pedrosa, 915, Areia Preta - Natal/ RN - CEP 59.014-030. Não será cobrado taxa de inscrição.
 
O processo seletivo será constituído de única etapa de análise curricular e o resultado final será publicado no Diário Oficial do Município (www.natal.rn.gov.br/dom) por ordem decrescente de classificação.
 
O prazo de validade do certame é de 90 dias, podendo ser prorrogado por igual período, se no interesse da Administração Pública.

Hospital Geral de Guaianases (SP) abre processo seletivo

O Hospital Geral de Guaianases, no Estado de São Paulo, lançou os editais N°s 124 e 125/2012 de processo seletivo para 13 contratações por tempo determinado na classe de Médico, especialidade Pediatria. O vencimento inicial corresponde a R$ 1.993,02, acrescido de Produtividade, no valor de até R$ 2.640,00, incluídos demais benefícios, de acordo com a unidade e Legislação Vigente.
 
Serão reservados 5% das vagas para candidatos com deficiência, desde que o numero das vagas atinja o percentual aqui estabelecido.
 
As inscrições serão realizadas no período de 3 a 21 de dezembro de 2012 das 9h às 16h, no Serviço de Recursos Humanos do respectivo Hospital, sito à Avenida Miguel Achiole da Fonseca, nº. 1092, Guaianases, São Paulo.
 
O certame constará Análise Curricular de caráter eliminatório e o seu prazo de validade será improrrogável, com duração de 1 ano a partir da data de publicação da classificação Final, ou antes, de findo este prazo, em razão de homologação de concurso público.

UFAM lança edital de processo seletivo

Foi divulgado edital de processo seletivo N° 08/2012 da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), voltado ao provimento de vagas docentes. Serão oferecidas 123 vagas com carga horária de 20 a 40h semanais e remuneração variada entre R$ 1.597,92 a R$ 4.472,00.
 
O certame visa a contratação de professores substitutos, em caráter temporário para as Unidades Acadêmicas da Capital: Escola de Enfermagem de Manaus (EEM), Faculdade de Educação (FACED), Faculdade de Odontologia (FAO), Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF), Faculdade de Estudos Sociais (FES), Faculdade de Medicina (FM), Faculdade de Tecnologia (FT), Instituto de Ciências Biológicas (ICB), Instituto de Ciências Exatas (ICE), Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL); e também para as Unidades Acadêmicas do Interior, Instituto de Saúde e Biotecnologia de Coari (ISB), Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia de Parintins (ICSEZ), Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia de Itacoatiara (ICET), Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente (IEAA), e para o Instituto de Natureza e Cultura de Benjamin Constant (INC).
 
Inscrições e taxas
Quem se interessar deve efetuar a inscrição no período de 29 de novembro a 05 de dezembro de 2012, no horário compreendido entre 9h00 às 11h00 e das 14h00 às 16h00, nas Secretarias das Unidades Acadêmicas onde as vagas estão sendo oferecidas.

As taxas variam de acordo o cargo escolhido, com os seguintes valores:

- Professor Auxiliar de Ensino I - 20 horas: R$39,95.
- Professor Auxiliar de Ensino I - 20 horas e com Especialização: R$ 42,79.
- Professor Auxiliar de Ensino I - 40 horas: R$ 55,38.
- Professor Auxiliar de Ensino I - 40 horas e com Especialização: R$ 58,91.
- Professor Assistente I - 20 horas: R$ 51,81.
- Professor Assistente I - 40 horas: R$ 79,72.
- Professor Adjunto I - 20h: R$ 67,46.
- Professor Adjunto I - 40h: R$ 111,80.

Provas
A seleção será feita por meio de Análise Documental, Prova de Títulos e Prova Didática. O resultado final tem como data prevista para ser divulgado a partir do dia 20 de dezembro de 2012.

Concurso Prefeitura de Derrubadas - RS

A Prefeitura de Derrubadas, cidade localizada a 473 km de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, abriu inscrições para realização de concurso público Nº. 001/2012 destinado a selecionar profissionais de níveis fundamental, médio e superior. Confira o edital.
 
A seleção oferece 41 vagas com salários que variam entre R$ 622,73 a R$ 5.893,56, dependendo da função ocupada, lembrando que 5% das vagas serão destinadas a portadores de necessidades especiais.
 
Cargos
Médico, Veterinário, Nutricionista, Serviços Gerais, Técnico Enfermagem, Cirurgião Dentista, Contador, Agente de Recursos Humanos, Professor, Técnico Agrícola, Agente Administrativo, Agente Administrativo Auxiliar, Operador de Máquinas, Motorista e Serviços Gerais de Escola.
 
Inscrição
As inscrições serão realizadas somente através do site - www.unijui.edu.br/asc/concursos-publicos, até às 23h59min do dia 16 de dezembro de 2012. A taxa de inscrição varia conforme o nível de escolaridade:
 
Nível fundamental: R$ 50,00;
Nível médio: R$ 75,00;
Nível superior: R$ 75,00, 100,00 e 150,00.
 
Prova
A prova escrita será aplicada na data provável de 03 de fevereiro de 2013, com início às 9 horas e término às 12 horas, em local a ser divulgado previamente através de edital e pelos meios de comunicação. O gabarito será divulgado no site oficial da entidade organizadora - www.unijui.edu.br/asc/concursos-publicos e da Prefeitura de Derrubadas - www.derrubadas-rs.com.br.
 
A documentação referente a prova de títulos deverá ser apresentada e entregue pelos candidatos aprovados na prova escrita, na data estipulada através de edital para a entrega dos títulos.
 
Validade
O concurso será válido por 2 anos, contados da data de sua homologação, podendo ser prorrogado, uma vez, por igual período.

Edital / Publicações

Prefeitura de Flores da Cunha (RS) abre processo seletivo

Foi divulgado edital N°001/2012 de processo seletivo da Prefeitura de Flores da Cunha, Estado do Rio Grande do Sul, visando à contratação de pessoal, por prazo determinado para desempenhar a função de Médico Clínico Geral, na Secretaria Municipal da Saúde. A remuneração será de R$ 1.439,04 para dedicação de 10h semanais.
 
Podem concorrer candidatos com graduação e registro no Conselho Regional de Medicina.
 
As inscrições seguem abertas até o dia 10 de dezembro de 2012, no Setor de Pessoal, ao Centro Administrativo Municipal Ângelo Araldi (rua São José, nº. 2.500, Bairro Centro) das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h. Não será cobrada taxa de inscrição.
 
Todos os participantes serão submetidos à análise curricular no período que vai de 24 de dezembro de 2012 a 3 de janeiro de 2013.
 
O prazo de validade do certame será de dois anos, prorrogável, uma única vez, por igual período.

Hospital Maternidade Interlagos - SP abre vagas

O Hospital Maternidade Interlagos "Waldemar Seyssel - Arrelia", em São Paulo, divulgou edital N° 197/2012 de concurso público destinado à contratação de 09 profissionais para ocuparem vagas de Técnico de Enfermagem. O vencimento será de R$ 961,44 e demais benefícios de acordo com a unidade e Legislação Vigente, acrescido de Prêmio Incentivo no valor de até R$ 306,00, para jornada de trabalho de 30 horas semanais.
 
As inscrições serão recebidas no período de 5 a 12 de dezembro de 2012, das 10h às 16h, no Serviço de Recursos Humanos, Seção de Recrutamento e Seleção, na unidade detentora do certame, sito à Avenida Interlagos, nº. 7.001, Cidade Dutra, São Paulo-SP.
 
O candidato poderá preencher a ficha de inscrição pelo site www.saude.sp.gov.br ou retirá-la na unidade detentora do certame. O valor da taxa de inscrição será de R$ 40,57.
 
O concurso público constará de Prova de Conhecimentos Gerais e Específicos com questões de múltipla escolha.
 
A prova será realizada na cidade de São Paulo, no período da manhã ou tarde, e os candidatos serão convocados por meio de edital a ser publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo www.imprensaoficial.com.br.
 
O concurso terá validade de 2 anos, contados a partir da data da publicação de sua homologação em Diário Oficial do Estado, prorrogável uma vez por igual período, a critério da Secretaria da Saúde, não cabendo qualquer ato posterior.