Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Setembro Amarelo alerta para casos de suicídio

Organizada pela Associação Internacional de Prevenção do Suicídio, a campanha tem como objetivo divulgar ações preventivas
 
 
A cada 40 segundos, uma pessoa se suicida no mundo, segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde. Em uma tentativa de reduzir esse número — a meta da OMS é diminuir em 10% a taxa mundial até 2020 —, a Associação Internacional de Prevenção do Suicídio criou a campanha do Setembro Amarelo e estabeleceu o dia 10 de setembro como o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio. A ideia é discutir o assunto e divulgar ações preventivas.
 
— O suicídio é o desfecho de uma doença física ou mental e pode ser prevenido quando falamos sobre o assunto. Hoje, ele é tratado como tabu, o que contribui para que continue acontecendo — explica Roberta Grudtner, coordenadora da residência médica em psiquiatria do Hospital Psiquiátrico São Pedro.
 
Zero Hora

Genérico, original e similar: entenda a nomenclatura dos medicamentos

Quem vai a farmácia se depara com diferentes nomenclaturas na hora de comprar um medicamento
 
É possível encontrar medicamento genérico, original, similar, comercial, ético, equivalente e ainda de referência.
 
O farmacêutico Jackson Rapkiewicz explica que essa lista, na prática, é menor. “Na verdade, as nomenclaturas que deve ser utilizadas são: medicamento de referência, genérico, similar e similar equivalente”, simplifica.
 
É necessário compreender e orientar o consumidor no ponto de venda, caso haja dúvidas sobre qual medicamento é o indicado.
 
Medicamento de referência: é aquele que passou por vários anos de pesquisa em laboratório. Também é chamado de inovador, original, comercial ou ético.
 
Medicamento genérico: é idêntico ao de referência e vai funcionar da mesma forma, entretanto, não tem um nome comercial, uma marca.
 
Medicamento similar: tem o mesmo princípio ativo de um produto de referência, porém, com um nome comercial. Ele pode diferir em características relativas ao tamanho e forma, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipientes e veículo.
 
Medicamento similar equivalente: indicado para substituição, a partir de uma lista da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
 
De acordo com o farmacêutico, a Anvisa definiu que todos os medicamentos similares precisam passar por testes laboratoriais. “Isso tem sido feito gradativamente e dentro de poucos anos todos os medicamentos similares vão ter passado pelo teste”, finaliza.
 
G1

Ministério anuncia compra de remédio para doença rara

O Ministério da Saúde comprará o medicamento Riluzol, a partir de outubro deste ano. O remédio é considerado essencial no tratamento da esclerose lateral amiotrófica (ELA), doença neurodegenerativa progressiva, rara e incurável. Hoje a compra é feita pelas secretarias de Saúde dos estados, após receber dinheiro do governo federal
 
O objetivo do ministério é ampliar o acesso de pacientes diagnosticados com a doença. O gasto previsto é R$ 7,6 milhões e representa economia de R$ 13,6 milhões. A primeira encomenda será de 2,3 milhões comprimidos para atender ao consumo médio mensal de 142,7 mil unidades.
 
“Apesar de ser uma doença sem cura, o medicamento reduz a velocidade de progressão da doença e prolonga a vida do paciente”, informou o ministério, por meio de nota. A expectativa do governo é que 3,5 mil pacientes sejam beneficiados com a medida até o final do ano.
 
A compra centralizada é resultado de uma Parceria para Desenvolvimento Produtivo entre o Laboratório Farmacêutico da Marinha e o Laboratório Cristália, para a transferência de tecnologia destinada à produção do Riluzol.
 
Agência Brasil

Cade aprova aquisição da 4 Bio pela Raia Drogasil

Com negócio de R$ 24 milhões, rede ingressa no mercado de medicamentos de especialidades

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição do controle acionário da 4 Bio Medicamentos Especiais pela Raia Drogasil. A decisão consta de despacho publicado no Diário Oficial da União (DOU) na última sexta-feira (04/09).
 
Anunciado no mês de julho, o negócio custou R$ 24 milhões e marcará a entrada da Raia Drogasil no mercado varejista de medicamentos de especialidades e sua participação no capital social da 4 Bio será de 55%. O valor da aquisição será pago mediante subscrição e posterior aquisição de ações.
 
Em julho, a Raia Drogasil anunciou ter finalizado o segundo trimestre de 2015 com receita bruta de R$ 2,3 bilhões, crescimento de 22,9% em relação ao segundo trimestre do ano anterior.
 
Fonte DCI

Concurso Público para Farmacêutico no CRF-SP

Estão abertas as inscrições para concurso público do CRF São Paulo
 
Cargos: Farmacêutico consultor e fiscal

Carga horária de 40 horas semanais.

Valor da inscrição: R$ 47,00.

Inscrições até às 21 horas de 13 de outubro de 2015, pelo site www.iq.org.br

Remuneração: R$ 5.591,92 e R$ 6.110,43, respectivamente.

Uso de Prontuário Eletrônico: saúde privada x pública

O Prontuário do Paciente é o documento central produzido durante um atendimento (hospitalar ou ambulatorial), pois registra o estado de saúde do paciente e todo o processo de cuidado da equipe assistencial
 
A utilização de um Prontuário Eletrônico do Paciente, com registros eletrônicos e troca de informações entre profissionais durante o atendimento, é uma valiosa ferramenta para aumento da eficiência e gestão da qualidade nos serviços de saúde.
 
Conforme o TIC Saúde 2014, na maior parte (35%) dos estabelecimentos privados de saúde os prontuários dos pacientes são totalmente eletrônico, enquanto nos estabelecimentos públicos a realidade é outra: apenas 09% têm registros totalmente eletrônicos.
 
A região Centro-Oeste é a que apresentou a maior proporção de estabelecimentos com prontuários eletrônicos de maneira geral. O segmento que se destaca é o de Serviços de Apoio à Diagnose e Terapia, com 55% possuindo prontuários totalmente eletrônicos, o que é natural, uma vez que para os hospitais esse processo é mais lento devido à complexidade do registro de informações clínicas e implantação de sistemas que atendam às suas necessidades. É importante perceber também que muitos estabelecimentos possuem um modelo híbrido de registro: parte da informação está em papel e outra parte está eletrônica.
 
Felizmente, a quantidade de estabelecimentos de saúde que possuem um sistema eletrônico para o gerenciamento e armazenamento de informações de saúde dos pacientes é bem maior em ambos os setores: 76% no privado e 55% no público, o que favorece estratégias de planejamento e de análises gerais por parte dos gestores.
 
Saúde Business

Anvisa suspende lote de Tintura Creme Beauty Color

Foto: Reprodução
A Anvisa determinou a suspensão da distribuição, da comercialização e do uso do lote 130039804 da Tintura Creme Beauty Color validade até fevereiro de 2016 . O produto é fabricado pela empresa Bonyplus Indústria e Comércio, Importação e Exportação de Cosméticos Ltda.
 
A Agência tomou esta medida considerando o laudo de análise fiscal emitido pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). O documento apresentou resultados insatisfatórios nos ensaios de analises e rotulagem e no teor de peróxido de hidrogênio no lote citado.
 
Além da suspensão, a Anvisa determinou que a empresa promova o recolhimento do estoque existente no mercado.
 
A medida está na Resolução 2.546/2015 publicada nesta quarta-feira (9/9) no Diário Oficial da União (DOU).
 
ANVISA

Anvisa apresenta novo guia para transporte de produtos biológicos

O Fórum Estratégico América Latina CMC 2015 reuniu na última semana, nos dias 24 e 25 de agosto, as principais entidades do mercado e os órgãos reguladores do Chile, Cuba e Peru, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Food and Drug Administration (FDA) para discutir as tendências em regulação, produção e transporte de produtos biológicos
 
Liana Montemor, farmacêutica e gerente do Valida Laboratório de Ensaios Térmicos, empresa do Grupo Polar, líder no mercado na fabricação de elementos refrigerantes, foi uma das palestrantes e comemorou a iniciativa da Anvisa em apresentar o conteúdo do guia de qualificação de transporte de produtos biológicos que está sendo desenvolvido pela entidade durante a apresentação de Bernardo Oliveira.
 
“Esse guia será um grande ganho para o setor, que poderá contar com o apoio de informações vindas diretamente da Agência Regulatória, eliminando dúvidas com relação a como desenvolver o estudo e quais os pontos fundamentais a serem abordados. Em um assunto que envolve tantos cenários e tantas variáveis, a orientação para a melhor direção faz toda diferença”, ressalta.
 
Segundo a Anvisa, o guia entrará em consulta pública nas próximas semanas e é importante a avaliação de todos os envolvidos do setor.
 
Saúde Business

Anvisa suspende produtos estéticos irregulares

Foto: Reprodução
A Anvisa determinou a suspensão da fabricação, da distribuição, da comercialização e da divulgação – inclusive no site www.dermotecbrasil.com.br – de todos os equipamentos com finalidade de embelezamento estéticos e seus acessórios fabricados pele empresa a I.N. dos Santos e Cia Ltda. O nome fantasia da empresa é Dermotec Brasil
 
A determinação ocorreu porque o produto fabricado pela empresa não possui registro na Agência. Além da suspensão, a Anvisa decidiu, ainda, que a empresa promova o recolhimento do estoque do produto existente no mercado.
 
A medida está na Resolução 2.547/2015 publicada nesta quarta-feira (9/9) no Diário Oficial da União (DOU).
 
ANVISA

Novos tratamentos trazem avanços no combate à enxaqueca


Foto: Gonza Rodrigues / Arte ZH
Evitar o uso excessivo de analgésicos é principal desafio dos pesquisadores
 
Um dia estressante, uma noite maldormida, um conflito na família e lá está ela. A dor de cabeça aparece para muita gente e talvez seja impossível encontrar alguém que não tenha convivido com esse problema em algum momento da vida. Pudera: de acordo com estudos da Sociedade Internacional de Cefaleia e da Sociedade Brasileira de Cefaleia, existem mais de 200 tipos de dor de cabeça identificados.
 
Entre todos eles, um dos mais comuns e também mais conhecidos é a enxaqueca. Apesar de frequentemente confundida com outras cefaleias, ela tem características bem específicas: a dor ocorre de um lado só da cabeça, tem intensidade moderada a intensa, normalmente é pulsante, dura entre quatro e 72 horas e costuma ser acompanhada de outros sintomas como náusea, vômito, tontura, sensibilidade à luz e ao barulho.
 
Encontrar tratamentos para evitar as crises de enxaqueca e o uso excessivo de analgésicos entre as pessoas que sofrem com a doença é um dos grandes desafios da área médica e um dos temas do 29º Congresso Brasileiro de Cefaleia, que terminou neste sábado em Curitiba, no Paraná. Para quem convive com o problema, uma boa notícia: as novidades apresentadas são animadoras.

Saiba a diferença entre enxaqueca e dor de cabeça comum:
A enxaqueca afeta cerca de 15% da população brasileira, o que significa que pelo menos 20 milhões de pessoas convivem com essa dor incapacitante. Entre as mulheres, o problema é ainda maior: a prevalência chega a cerca de 25% no Brasil, um número até três vezes maior do que o dos homens.
 
Um dos erros mais comuns de quem sofre com a enxaqueca é a automedicação. O uso excessivo de analgésicos provoca um aumento na frequência e na intensidade da dor, agravando a situação. Portanto, quem toma mais de dois comprimidos por semana precisa ficar atento.
 
— Funciona como um processo de dependência em que seu organismo vai pedir cada vez mais, e a forma que o corpo encontra de pedir analgésico é com a dor. Quanto mais você toma, mais vai precisar e mais dor você vai ter. Isso dificulta muito, exigindo o uso de doses mais altas e drogas mais fortes — alerta o neurologista Murilo Schaefer, membro da Sociedade Brasileira de Cefaleia, da Sociedade Internacional de Cefaleia e da Associação Americana para Estudos da Dor de Cabeça.
 
A busca da ciência por tratamentos que possam diminuir o consumo de analgésicos tem encontrado bons resultados. Alternativas como a neuroestimulação e o uso da toxina botulínica são formas eficientes e cada vez mais comuns de ajudar quem sofre com as dores. Conheça algumas delas:

Neuroestimulação
Uma das mais promissoras novidades no combate à enxaqueca são os tratamentos à base de neuroestimulação. Trata-se de uma técnica que estimula diversos nervos cranianos por meio de aparelhos, tornando o paciente mais resistente às crises.

Desde março deste ano, está disponível no Brasil um dos aparelhos mais acessíveis para aplicar a neuroestimulação. É uma espécie de tiara, usada na parte frontal da cabeça.
 
– Ela faz a estimulação de um ramo do nervo trigêmeo, que é acionado na crise da enxaqueca. É um tratamento que pode ser usado tanto para evitar as dores quanto nos momentos de crise – explica a neurologista Liselotte Menke Barea, professora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre e coordenadora do ambulatório de dor de cabeça da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.

Como forma preventiva, o uso do aparelho deve ser diário, com sessões de cerca de 20 minutos. Os efeitos são sentidos cerca de um ou dois meses depois. Seu uso só deve ser feito com acompanhamento médico.

– A neuroestimulação tem boa indicação principalmente para os pacientes com enxaqueca crônica e que fazem uso excessivo de medicamentos analgésicos – complementa Liselotte.
 
Novo medicamento
Depois de cerca de 10 anos sem descobertas importantes para o tratamento preventivo da enxaqueca, as pesquisas sobre um novo medicamento têm animado a comunidade médica. Em fase adiantada de estudos, a droga é aplicada por meio de injeções e inibe a ação do CGRP, um peptídeo liberado durante a crise de enxaqueca.
 
— A droga é um anticorpo que age contra os receptores do CGRP prevenindo as dores. Os primeiros estudos tiveram um bom resultado e, agora, devem começar pesquisas com um número maior de pacientes para testar a segurança e a eficácia, além de estabelecer com mais clareza os efeitos colaterais — afirma Marcelo Ciciarelli, doutor em neurologia pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP).
 
Três medicamentos com a mesma ação estão sendo estudados, mas ainda não há uma previsão oficial de quando eles estarão disponíveis no mercado. Ciciarelli acredita que o processo deve levar de três a cinco anos para ser concluído.
 
Toxina botulínica
Conhecida por seu uso estético, a toxina botulínica é uma importante aliada no tratamento da enxaqueca. Indicada para pessoas que sofrem com dores crônicas, em crises que surgem mais de 15 ou 20 vezes por mês, a toxina evita o uso excessivo de medicamentos orais e analgésicos.
 
— Ela atua inibindo a atuação de substâncias responsáveis pelo processo inflamatório das artérias que causa a dor. A aplicação é feita em 31 pontos da cabeça e da nuca, cercando a dor como se fosse uma coroa — explica o neurologista Marcelo Ciciarelli.
 
De acordo com o neurologista Murilo Schaefer, o tratamento com a toxina botulínica costuma trazer bons resultados. As aplicações são realizadas em média a cada três meses, por um período que varia para cada paciente.
 
Estilo de vida e prevenção
A incidência da enxaqueca é determinada pela genética, mas manter um estilo de vida saudável pode ajudar a diminuir as crises. Fazer atividades físicas aeróbicas regularmente, dormir bem, tomar bastante água, alimentar-se a cada três horas e evitar o estresse são atitudes que trazem grandes benefícios.
 
Alguns alimentos como o vinho tinto, os queijos curados e os embutidos são conhecidos por desencadear a dor de cabeça, mas os especialistas alertam que nada pode ser levado ao pé da letra.
 
— Isso é muito relativo. Muita gente tem enxaqueca e consome esses alimentos sem problema algum. Em geral, os gatilhos são múltiplos. A crise provavelmente vai aparecer no dia em que a pessoa que já é predisposta trabalhou mais, ficou mais cansada, dormiu menos e se estressou — pondera a neurologista Liselotte Barea.
 
Zero Hora

Abertos editais para seleção de gerentes-gerais da Anvisa

A Anvisa publicou, nesta quarta-feira (9/9), sete editais de abertura de processos seletivos para cargos de gerentes-gerais da Agência. As inscrições estarão abertas entre os dias 10 e 17 de setembro e devem ser realizadas por meio de formulário eletrônico específico, descrito em cada um dos editais
 
As vagas são para os cargos em comissão de Gerência-Executiva, código CGE II, das seguintes áreas: Gerência-Geral de Gestão de Pessoas (GGPES); Gerência–Geral de Gestão da Tecnologia da Informação (GGTIN); Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde (GGTES); Gerência-Geral de Toxicologia (GGTOX); Gerência–Geral de Cosméticos (GGCOS); Gerência-Geral de Coordenação e Fortalecimento do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (GGCOF)e Gerência–Geral de Alimentos (GGALI).
 
Os requisitos obrigatórios para a investidura no cargo são nível superior completo e experiência profissional de, no mínimo, 5 (cinco) anos. Os editais descrevem como requisitos desejáveis ao candidato algumas outras habilidades, como a capacidade de ler e interpretar textos em língua inglesa, conhecimentos em informática e experiência profissional com gestão de pessoas, projetos e orçamento. A proatividade, inovação, capacidade de articulação e pactuação também são algumas das competências exigidas.
 
Os processos seletivos serão compostos por duas fases. A primeira é a análise curricular. Já a segunda, é uma entrevista. No entanto, os editais ressaltam que, caso haja consenso da Diretoria Colegiada da Agência a respeito do candidato que deverá ocupar o cargo, a segunda etapa da seleção poderá ser dispensada.
 
ANVISA