Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 7 de junho de 2017

Conheça o Bulário Eletrônico da Anvisa

Serviço disponibiliza à população e aos profissionais de saúde informações completas das bulas de diversos medicamentos


A Anvisa disponibiliza o bulário eletrônico (acesso a bulas completas) para você. São informações completas de mais de 7.000 medicamentos com detalhes como:
  • reações adversas (efeitos desagradáveis que o medicamento pode provocar),
  • indicação (para que serve),
  • precaução (que cuidados devo tomar quando usar este produto), entre outros.
Sistema – As bulas são incluídas automaticamente no bulário quando a empresa fabricante solicita o peticionamento eletrônico (registro) do medicamento junto à Agência. Depois dessa solicitação, a empresa ainda precisa seguir alguns critérios estabelecidos pela Anvisa. Além disso, a Agência vem alimentando a base de dados também com informações sobre os medicamentos fitoterápicos, radiofármacos, além de dados sobre os rótulos dos medicamentos.
Você também encontra no bulário, conteúdos sobre educação em saúde, legislação da área de vigilância sanitária e endereços eletrônicos importantes. Por meio da interface, a Agência contribui para uma consciência sanitária da população por incentivar o consumo seguro de medicamentos.  Para saber mais, assista o vídeo abaixo com o passo a passo de acesso ao bulário eletrônico.

ANVISA

Rio Grande do Sul: Banco de Leite precisa de doações

29834742722 1b25878685 z
Foto: Rodrigo Nunes/MS
Mães que estiverem amamentando, com excesso diário de leite (no mínimo em torno de 50ml), clinicamente saudáveis e residentes em Porto Alegre podem ser doadoras, beneficiando os bebês prematuros nascidos no Hospital Materno Infantil Presidente Vargas (HMIPV)

Administrada pela Secretaria Municipal de Saúde, a instituição atende pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e é referência para todo o Estado em pré-natais de alto risco. Nesses casos, o leite materno é fundamental na luta pela sobrevivência dos bebês internados na UTI neonatal, já que as mães ainda não têm produção suficiente para suprir as necessidades do próprio filho.

As doações são essenciais para manter os estoques do Banco de Leite do hospital, que tem capacidade para processar até 100 litros de leite humano por mês, quantidade que seria suficiente para suprir as necessidades dos bebês prematuros internados na neonatologia. Atualmente, no entanto, o banco tem conseguido manter a média de 15 litros por semana, quando seriam necessários 40 litros, mais que o dobro do estoque no momento.
Entre as mães doadoras está a técnica de enfermagem Roberta Pereira, 34, funcionária do HMIPV. Após trabalhar na neonatologia, não teve dúvidas de que poderia fazer parte desta ação tão importante para salvar vidas. Hoje, ainda amamenta o filho de 1 ano e nove meses, o Heitor, e aguarda a chegada do Antônio. "Sei o quanto a doação é essencial para os bebês prematuros na luta diária pela sobrevivência e fico muito feliz de poder ajudar", comenta Roberta, grávida de seis meses.
"Dos 25 leitos disponíveis na neonatologia, 5% são ocupados por bebês que nasceram com algum tipo de patologia intestinal, necessitando passar por processo cirúrgico", destaca a coordenadora do Banco de Leite, enfermeira Maria Inês Voigt. Os demais são prematuros de diferentes graus. "Para todos eles, o leite humano é fundamental no sentido de restabelecer a saúde e propiciar alta precoce", comenta. Conforme Maria Inês, a maioria das mães ainda não produz leite suficiente para o consumo do filho por causa do estresse do procedimento cirúrgico enfrentado pelo bebê ou pela própria internação logo após o nascimento.
Como ser doadora: Se estiver amamentando, com excesso diário de leite, basta entrar em contato com o Banco de Leite Humano, que fica na avenida Independência, 661, esquina com rua Garibaldi, telefone 3289-3334. Serão confirmados os critérios de doação - como exames de saúde e informações do pré-natal - e repassadas orientações iniciais para esgotar as mamas manualmente e armazenar o leite com segurança, até que a doadora possa se dirigir ao Banco de Leite para a primeira doação. Será feito preenchimento de cadastro e coletada assinatura de termo de consentimento. Após, a equipe começa a buscar o leite direto na residência, momento em que poderá esclarecer dúvidas. O leite recebido passará por uma análise de qualidade, segurança e pasteurização e, só depois, será liberado ao consumo dos bebês.
Diariamente, a equipe do banco auxilia no esgotamento (retirada) do leite materno, e a prioridade é sempre para o próprio filho, estimulando com isso o aumento da produção. Quando essa produção é ainda insuficiente às necessidades diárias do bebê, devido ao estresse materno, é prescrito leite humano doado. "Este leite supre a necessidade do bebê e tranquiliza a mãe. É um ato de solidariedade, amor, doação e altruísmo, gerando sentimento de bem-estar à doadora", avalia Maria Inês.
Agradecimento: Neste mês, o hospital reuniu mulheres que têm feito doações ao Banco de Leite para uma confraternização especial, como forma de agradecimento e valorização. O encontro ocorreu no dia 19, data em que se comemora o Dia Nacional da Doação de Leite Humano. Entre os benefícios, o leite materno aumenta a imunidade, diminui o risco de doenças infecciosas e diarreias, além de atuar no sistema cognitivo.
Banco de Leite do Hospital Materno Infantil Presidente Vargas

Avenida Independência, 661, esquina com rua Garibaldi, 6º andar - Porto Alegre
Telefone: 51 3289-3334

Texto de: Vanessa Conte/SMS POA

Edição de: Andrea Brasil/SMS POA

Simpósio Internacional de Mastologia reúne especialistas no Rio de Janeiro

O SIMRIO 2017 conta com programação científica dedicada ao debate do diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Rio de Janeiro, 6 de junho de 2017 – Entre 15 e 17 de junho, renomados especialistas em doenças mamárias se reunirão para a sétima edição do Simpósio Internacional de Mastologia (SIMRIO 2017), que acontece no Rio de Janeiro, no auditório do Centro Médico do BarraShopping, zona oeste da cidade. A expectativa é reunir cerca de 200 profissionais de saúde, além de estudantes de medicina, com o objetivo de oferecer uma visão multidisciplinar dos temas abordados. 

No dia 15, das 13h às 17h, o evento inicia com o Curso de Atualização de Procedimentos Invasivos para o Diagnóstico do Câncer de Mama, promovido pelo Alta Excelência Diagnóstica e a CDPI e coordenado pelas radiologistas mamárias Fernanda Philadelpho e Maria Júlia Calas. O curso contará com aulas teóricas e práticas sobre tipos e métodos para biópsia, técnicas, indicações, limitações e contraindicações, além das novidades no diagnóstico por imagem. 

Em análises clínicas, o laboratório Sérgio Franco apresenta, no dia 16, às 12h, o simpósio satélite Mastologistas e Patologistas e a Incorporação da Genética Molecular na Prática Clínica, que relaciona os avanços da genética para a detecção de patologias da mama. O debate será apresentado pelos médicos Ilana Zalcberg e Wilhermo Torres.  

A programação conta ainda com os palestrantes internacionais Allie Bukowski e Tari King, dos Estados Unidos, e o italiano Giuseppe Vialle. Serão realizadas ainda mesas-redondas e conferências com temas como os desafios da redução da mortalidade do câncer; recursos genéticos; abordagens cirúrgicas e inovações para o diagnóstico, além do debate com a apresentadora Sabrina Parlatore sobre o acesso das brasileiras à detecção precoce do câncer de mama e ao tratamento ágil da doença. 

Para participar do SIMRIO 2017, promovido pela Sociedade Brasileira de Mastologia – Regional Rio de Janeiro, basta se inscrever pelo site www.interevent.com.br/eve nto/simrio2017.

Serviço:
Simpósio Internacional de Mastologia – SIMRIO 2017.
Data: de 15 a 17 de junho de 2017.
Local: auditório do Centro Médico BarraShopping – Av. das Américas, 4.666/3º andar – Barra da Tijuca – Rio de Janeiro.


Rachel Lopes
Assessoria de Imprensa
rachel@saudeempauta.com.br

Viekira Pak: contraindicação do uso de anticoncepcionais orais combinados contendo etinilestradiol

Anvisa relembra que as mulheres em tratamento da hepatite C com o medicamento Viekira Pak (ritonavir/ombitasvir/veruprevir+dasabuvir) não devem utilizar anticoncepcionais orais combinados contendo etinilestradiol



Resumo:

A Gerência de Farmacovigilância relembra que mulheres tratando de hepatite C com Viekira Pak não devem utilizar anticoncepcionais orais contendo etinilestradiol.

Identificação do produto ou caso:

Viekira Pak (ritonavir/ombitasvir/veruprevir+dasabuvir)

Problema:

O Viekira Pak (ritonavir/ombitasvir/veruprevir+dasabuvir) foi aprovado pelo Ministério da Saúde para integrar o Protocolo Clinico de Diretrizes Terapêuticas  (PCDT) de Hepatite C. Desta forma, a Anvisa publica este alerta para relembrar que as mulheres em tratamento da hepatite C com o medicamento Viekira Pak (ritonavir/ombitasvir/veruprevir+dasabuvir) não devem utilizar anticoncepcionais orais combinados contendo etinilestradiol, orientações que já constam na bula do medicamento.

Os ensaios clínicos realizados para o registro do medicamento demonstraram que em cerca de 1% dos pacientes que utilizam o medicamento contendo ritonavir/ombitasvir/veruprevir+dasabuvir (Viekira Pak) ocorreram elevações transitórias e assintomáticas de ALT (alanina aminotransferase) em 5 vezes ou mais acima do valor normal. Estas alterações foram mais frequentes em mulheres que também faziam uso de medicamentos contendo etinilestradiol (hormônio sintético usado na maioria dos anticoncepcionais orais combinados, adesivos e anéis vaginais contraceptivos). As elevações ocorreram tipicamente durante as primeiras 4 semanas de tratamento e costumaram ser transitórias.

Ação:

Assim como disposto na bula do medicamento Viekira Pak, os medicamentos contendo etinilestradiol devem ser descontinuados aproximadamente 2 semanas antes do início da terapia com Viekira Pak. Deve-se realizar a troca dos anticoncepcionais contendo etinilestradiol por medicamentos contraceptivos apresentando apenas progestágeno ou métodos de contracepção não hormonais durante o tratamento. Medicamentos que apresentam etinilestradiol em sua composição podem ser retomados aproximadamente 2 semanas após a conclusão da terapia com Viekira Pak.

A Anvisa orienta ainda às pacientes que:
  • não pare de tomar seu medicamento ou o troque sem antes consultar seu médico;
  • procure atendimento médico imediatamente caso ocorra cansaço, fraqueza, falta de apetite, náusea, vômito e fezes descoloridas durante o tratamento.

E ainda, profissionais de saúde e pacientes devem reportar os casos de reações adversas relacionados ao uso de medicamentos a Anvisa através do NotivisaCentral de Atendimento ao Público e Ouvidoria.

Histórico:

A hepatite C é causada pelo vírus C (HCV) transmitido principalmente por meio de transfusão de sangue e outros procedimentos médicos invasivos (particularmente até a década de 90); compartilhamento de material para uso de drogas, objetos de higiene pessoal – como lâminas de barbear e depilar, alicates de unha ou outros objetos que furam ou cortam; na confecção de tatuagem e colocação de piercings. O vírus acomete o fígado e em muitos casos pode evoluir para a sua forma crônica levando a graves problemas hepáticos como fibrose, cirrose e câncer hepático e nas fases avançadas da doença pode ocasionar a morte do paciente.

Em 2015, A Anvisa registrou os novos medicamentos para tratamento da hepatite C: sofosbuvir (Sovaldi®), simeprevir (Olysio®), daclatasvir (Daklinza®) e ombistavir/veruprevir/ritonavir+dasabuvir (Viekira Pak®). Com isso, médicos e pacientes passaram a ter mais opções terapêuticas para a doença que apresentam vantagens em relação às terapias já existentes: com destaque para o tempo reduzido de tratamento e para os benefícios do uso oral. 

Desde agosto deste ano de 2016, a Agência em parceria com o Ministério da Saúde vem monitorando os eventos adversos relacionados ao uso desses novos medicamentos que foram incorporados no SUS em junho de 2015 e constantes no atual Protocolo Clinico de Diretrizes Terapêuticas  (PCDT) de Hepatite C . Os pacientes que finalizaram e também aqueles que iniciaram o tratamento mas interromperam e/ou abandonaram o esquema de terapêutico para o tratamento da hepatite C estão sendo contatados via telefone pelas Coordenações Estaduais do Programa de Hepatites ou outro parceiro do programa.

Assim, por meio da farmacovigilância ativa destes medicamentos pretende-se caracterizar clínica e epidemiologicamente os pacientes tratados para hepatite C; identificar possíveis fatores associados ao abandono de tratamento e ausência de resposta virológica; identificar possíveis reações não descritas e graves e caracterizar as principais reações ocorridas durante o tratamento. E, desta forma, desenvolver-se-á ações para o tratamento dos pacientes com hepatite C com maior segurança e efetividade.

Recomendações:

A Anvisa monitora continuamente os medicamentos e solicita aos profissionais de saúde e pacientes que notifiquem os eventos adversos ocorridos com o uso de qualquer medicamento. A comunicação de suspeitas de eventos adversos pelos pacientes pode ser realizada por meio dos canais disponíveis para atendimento ao cidadão:  Central de Atendimento ao Público e Ouvidoria. Para o profissional de saúde, a Anvisa disponibiliza o sistema Notivisa para a realização das notificações de eventos adversos.

Anexos:


Referências:


Informações Complementares:

A Agência Australiana publicou no seu último Boletim chama a intenção para a interação medicamentosa entre Viekira Pak e etinilestradiol. Leia o Boletim na integra em: Medicines Safety Update: Viekira PAK and Viekira PAK-RBV - interaction with ethinyloestradiol. Therapeutic Goods Administration (TGA). Australia, 2017.

ANVISA

Plataforma da Sandoz estimula a participação de profissionais farmacêuticos

A Sandoz, divisão de genéricos e biossimilares da Novartis, acaba de lançar o programa Qualidade Profissional Sandoz, uma plataforma de treinamento online que levará conhecimento para profissionais farmacêuticos e de atendimento do varejo farmacêutico de todo o País, reconhecendo os participantes com melhor performance e engajamento

O programa faz parte da estratégia da companhia de levar educação continuada a profissionais ligados à saúde, contribuindo com a ampliação do acesso à informação qualificada para a população.

“No Brasil, há mais de 70 mil farmácias com milhares de profissionais envolvidos no atendimento a pacientes. Levar acesso à capacitação para esses profissionais significa levar acesso a um melhor serviço para os estabelecimentos e melhor informação aos pacientes. O Qualidade Profissional Sandoz vem para reforçar esse compromisso com a educação continuada que a Sandoz vem apoiando há muito tempo”, afirma Guilherme Barsaglini, Diretor de Marketing e Inteligência de Mercado da Sandoz.

O treinamento trata de temas ligados às principais classes terapêuticas existentes, abordando conhecimentos sobre seis áreas: cardiologia, sistema nervoso central, anti-infecciosos, gastro, saúde feminina e saúde masculina. Os conteúdos são oferecidos em forma de textos, videoaulas e games – estes últimos aplicados para fixação do conteúdo –, em uma plataforma digital focada 100% no perfil do público.

“Desenvolvemos um material adaptado a profissionais de farmácias, com uma linguagem apropriada e um formato móvel e interativo, adequado ao modelo de serviço dessas pessoas. Dessa forma, conseguiremos possibilitar uma maior aprendizagem dos conteúdos de maneira mais estimulante”, explica Barsaglini.

Por Catarina Bretas-Conteúdo Comunicação