Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sábado, 26 de março de 2011

Christina Machado Repórter da Agência Brasil Brasília - O Diário Oficial da União publica na edição de hoje (24) a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que vai garantir mais controle no uso da talidomida. A decisão foi tomada segunda-feira passada (21), durante a segunda reunião da diretoria colegiada da Anvisa, aberta ao público e transmitida ao vivo. De acordo com a resolução, a notificação de casos de reação adversa ao medicamento passará a ser obrigatória. O texto determina que a embalagem apresente a fotografia de uma criança com deficiência física provocada pelo remédio. Ele é usado no Brasil para o tratamento da aids, hanseníase, do lúpus, câncer e de doenças crônicas. As vigilâncias sanitárias passarão a conceder o receituário para os médicos. No modelo atual, as vigilâncias sanitárias liberam uma numeração referente à quantidade de receitas que o médico necessita, mas a impressão é de responsabilidade dos profissionais. A mudança vai possibilitar mais controle sobre a entrega do medicamento aos usuários. A norma da Anvisa também estabelece critérios para a devolução e o descarte do remédio e detalha a responsabilidade criminal pelo uso indevido. Uma listagem reúne todas as doenças para as quais o uso da talidomida é autorizado. A resolução entrará em vigor no prazo de 90 dias contados a partir de hoje. Durante esse período, será submetida ao Conselho Nacional de Saúde, podendo sofrer ou não alguma mudança conforme orientação do conselho. A talidomida provoca o encurtamento de braços e pernas de bebês quando utilizada durante a gravidez. O primeiro caso foi registrado no início da década de 60. Desde 1997, uma lei proíbe o uso do remédio por mulheres em idade fértil, com exceção para casos especiais. http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-03-24/resolucao-da-anvisa-sobre-talidomida-e-publicada-no-diario-oficial

EUA autorizam remédio para tratar melanoma em estágio avançado

A FDA (agência americana de controle de medicamentos) autorizou a comercialização do Yervoy (ipilimumab) do laboratório Bristol Myers Squibb --um tratamento destinado a prolongar a vida das pessoas com melanoma em estágio avançado, segundo comunicado publicado nesta sexta-feira. "Yervoy é a primeira terapia aprovada pela FDA que demonstrou claramente prolongar a vida de enfermos com metástase causada por melanoma", disse Richard Pazdur, diretor do escritório de avaliação de tratamentos anticancerosos da FDA. O melanoma, um câncer de pele, é uma das formas mais letais da doença. Sua incidência registrou um grande aumento, entre outras formas de tumor nos últimos 30 anos. O estudo clínico da fase 3 em 649 pacientes em vários países demonstrou que os tratados com Yervoy sobreviveram dez meses depois do diagnóstico, contra os seis meses e meio dos enfermos que receberam uma vacina experimental anticancerosa. O ipilimumab é um anticorpo monoclonal administrado via intravenosa, sendo geralmente bem tolerado. Este anticorpo pertence a um novo tipo de medicamentos que ativam as células T (timócitos), uma categoria de linfócitos que desempenha um papel importante na resposta imunológica celular. Segundo a OMS, o câncer de pele é responsável por 66.000 mortes no mundo a cada ano, 80% deles por causa de melanomas. Mais da metade dos pacientes têm menos de 59 anos. Nos Estados Unidos, foram diagnosticados 68.130 novos casos de melanoma em 2010 e morreram 8.700 pessoas, segundo o Instituto Nacional do Câncer americano. http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/894130-eua-autorizam-remedio-para-tratar-melanoma-em-estagio-avancado.shtml

"Disque-médico" prescreve remédio sem ver paciente

A reportagem testou na quinta-feira (24) o serviço de orientação médica por telefone Dr. Responde, vendido em forma de cupom, com desconto, em um site de compras coletivas desde segunda-feira, conforme a Folha noticiou. O cupom de R$ 44,50 dá direito a dez ligações, durante um ano. Segundo o Código de Ética do Conselho Federal de Medicina, é vedado ao médico estabelecer vínculo com empresas que comercializam cartões de descontos. É também proibido prescrever tratamento sem exame direto do paciente, salvo em casos de urgência. Na ligação, que durou cerca de nove minutos e meio, a médica Glaura Ingrid Neme prescreveu os remédios Floratil e Dramin B6 para queixa de diarreia, depois de ter feito algumas perguntas sobre o problema. Não é preciso ter receita médica para comprar os medicamentos prescritos. Também recomendou ingestão de líquidos e de bebidas isotônicas. No fim, orientou que, em caso de piora, o paciente deveria procurar um gastroenterologista. Não foram perguntados detalhes como o peso do paciente, se tem alergias ou se já tinha usado os medicamentos indicados. Para o clínico-geral do hospital Sírio-Libanês Luis Fernando Penna, é um erro. A pessoa pode achar que já está tratada e os remédios podem mascarar o problema. "Não se investiga a causa." Renato Azevedo Júnior, vice-presidente do Conselho Regional de Medicina de São Paulo, diz que médico não pode receitar sem exame. A exceção é a prescrição por telefone de medicamentos que aliviam os sintomas quando o médico já conhece e acompanha o paciente. No caso de diarreia, as causas podem ser várias. Só o médico, com exame presencial, pode fazer a análise. "Alerto para que os médicos não prestem esse serviço porque correm o risco de serem punidos." Já a médica do serviço afirma que só são prescritos medicamentos que aliviam os sintomas. "O serviço é limitado, mas tudo é feito com muita responsabilidade. Em casos graves, digo que não posso atender e pedimos que chame uma ambulância." http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/893867-disque-medico-prescreve-remedio-sem-ver-paciente.shtml

Ação pede alertas nas embalagens de enxaguantes bucais

O Ministério Público Federal em Guarulhos entrou com uma ação para que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) exija que fabricantes de enxaguantes bucais com álcool informem na embalagem que o produto pode causar câncer. A ação cita uma matéria da Folha de abril de 2009. Segundo o texto do documento, estudos citados na matéria provam a relação entre câncer de boca e o uso de enxaguantes com álcool. Uma das pesquisas foi feita no Brasil com 309 pacientes e publicada na "Revista de Saúde Pública" da USP. De acordo com o Ministério Público, a partir da publicação da matéria, instaurou-se um inquérito civil para avaliar os riscos do produto. Um parecer da Anvisa foi requisitado. Em março de 2010, a agência declarou que faltam provas para relacionar o uso do produto com o risco de câncer. "A Anvisa foi negligente. A dúvida justifica a precaução. Rótulos e embalagens devem informar sobre a existência de estudos e do risco", diz Matheus Magnani, promotor e autor da ação. A ação foi encaminhada com pedido de liminar - pode passar a valer assim que for avaliada por um juiz. A Anvisa informou que ainda não recebeu nenhuma notificação sobre a ação e, por enquanto, não quer se manifestar sobre o assunto. http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/894136-acao-pede-alertas-nas-embalagens-de-enxaguantes-bucais.shtml

Brasil reduz número de casos novos de tuberculose

Central de Notícias SÃO PAULO - O Brasil reduziu de 73.673 para 70.601 o número de casos novos de tuberculose entre 2008 e 2010. Com a redução, o número de pacientes por 100 mil habitantes baixou de 38,82 para 37,99. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 24, em Brasília, pelo secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, por causa do Dia Mundial de Luta contra a Tuberculose. Apesar dos dados serem positivos, a tuberculose é um dos principais problemas de saúde pública do Brasil. A tuberculose é a terceira causa de óbitos por doenças infecciosas e a primeira entre pacientes com aids. De acordo com os dados de 2010, as maiores incidências estão nos estados do Rio de Janeiro (71,8 por 100 mil habitantes), Amazonas (69,2/100 mil), Pernambuco (47,5/100 mil), Pará (46,2/100 mil) e Rio Grande do Sul (45,3/100 mil). As menores taxas de incidência do país foram registradas no Distrito Federal (11,7/100 mil), Tocantins (13,6/100 mil) e Goiás (14,6/100 mil). Entre as capitais, as maiores incidências são registradas em Porto Alegre (111,3/100 mil), Recife (97,2/100 mil), Belém (95,1/100 mil), Rio de Janeiro (93,4/100 mil) e Manaus (93,2/100 mil). Desde o final de 2009 o Brasil adota um novo esquema terapêutico para tratar a doença. Antes, o tratamento era feito com três drogas e o paciente era obrigado a tomar até nove comprimidos diferentes por dia. Nesse período, 9,4% dos doentes abandonavam o tratamento. Com o novo esquema, os pacientes ingerem entre 2 e 4 comprimidos por dia. A expectativa é que a taxa de abandono seja reduzida para menos de 5% (parâmetro usado pela OMS) até 2015. Doença. A tuberculose é uma doença causada pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis), que afeta vários órgãos do corpo, principalmente os pulmões. Ela é transmitida pelo ar, quando o paciente tosse ou espirra. Os principais sintomas são tosse prolongada (por mais de três semanas) com ou sem catarro, cansaço, emagrecimento, febre (noturna) e suor noturno. http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,brasil-reduz-numero-de-casos-novos-de-tuberculose,696706,0.htm

Médicos fazem paralisação de 24 horas em Betim-MG

Solange Spigliatti - Central de Notícias SÃO PAULO - Os médicos da rede pública de Betim, em Minas, iniciaram uma paralisação de 24 horas nesta sexta-feira, 25, como forma de mostrar a insatisfação da categoria com o posicionamento da Prefeitura em relação às reivindicações dos médicos. Alguns hospitais estão em escala mínima e atendendo apenas urgências e emergências. O atendimento está mais prejudicado nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), de acordo com o sindicato, que confirma que a adesão dos médicos não chegou aos 90% esperados, já que a maioria não é concursada e teme a perda do emprego. A paralisação começou às 7 horas e deve seguir até as 7 horas de amanhã. Os médicos de Betim reivindicam melhoria das condições de trabalho com garantia de equipes completas de serviços, com realização de concurso público para preenchimento das vagas; garantia da disponibilidade constante de medicamentos, materiais e equipamentos médicos em todas as unidades de saúde. Além disso, eles pedem promoção de ações em conjunto com os órgãos competentes de forma a garantir condições mínimas de segurança para servidores e usuários em todas as unidades de atendimento. No aspecto salarial, os médicos reivindicam a recomposição dos vencimentos básicos; cálculo dos adicionais sobre o salário base; e extensão dos benefícios conquistados aos médicos contratados. De acordo com o sindicato, as quatro UAIs (Unidades de Atendimento Imediato) - Alterosas, Guanabara, Sete de Setembro e Teresópolis - funcionam de forma precária, superlotadas, com vários buracos nas escalas por falta de médicos, com estrutura física inadequada, falta de equipamentos e medicamentos. http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,medicos-fazem-paralisacao-de-24-horas-em-betim-mg,697226,0.htm

Cremesp irá apurar erro em cirurgia no Guarujá

Jovem de 24 anos teve pino colocado no joelho errado; operação foi realizada pelo SUS Marcela Gonsalves, da Central de Notícias SÃO PAULO - O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) abriu nesta sexta-feira, 25, sindicância para apurar um erro em procedimento cirúrgico realizado no Hospital Santo Amaro, no Guarujá (SP). A paciente Tatiane Andrade da Silva, de 24 anos, deu entrada no hospital na segunda-feira para colocar um pino no joelho direito, porém a operação foi realizada no joelho esquerdo. A ocorrência foi registrada pela família de Tatiane na Delegacia Seccional do município. A operação era necessária por causa de uma queda que ela sofreu no ano passado e foi realizada através do Sistema Único de Saúde (SUS). Ela percebeu o erro assim que o efeito da anestesia passou. Segundo nota divulgada pelo hospital, exames clínicos e tomográficos apresentaram o mesmo problema nos dois joelhos. Anda de acordo com o texto, "a decisão para a cirurgia foi compartilhada com a paciente que, como a mesma declarou, teve ciência dos procedimentos agendados". Não há prazo para a conclusão da sindicância, mas segundo a assessoria de imprensa do Cremesp, caso haja indícios de infração ética, ao final das investigações será aberto um processo ético profissional contra os médicos responsáveis. http://www.estadao.com.br/noticias/geral,cremesp-ira-apurar-erro-em-cirurgia-de-joelho-no-guaruja,697276,0.htm