Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sexta-feira, 20 de julho de 2012

Saiba mais sobre: Sol, calor e protetor solar

Empresas podem ter que oferecer protetor solar a funcionários

Empregadores podem ser obrigados a fornecer protetor solar aos empregados que realizem atividades a céu aberto. Essa é a base do Projeto de Lei 4027/12, do deputado Márcio Marinho (PRB-BA), que está sob análise da Câmara dos Deputados.

Pelo texto, a empresa deverá oferecer fator de proteção solar adequado ao tipo de pele do empregado; capacidade de proteção tanto contra os raios ultravioletas A quanto os ultravioletas B; comprovação de que o produto é hipoalergênico; entre outros requisitos.

Compete ainda ao empregador, segundo o texto, orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, a guarda e a conservação do protetor, além de exigir e fiscalizar seu uso correto.

Dano solar
Marinho argumenta que a medida é necessária porque, “apesar de todos os estudos acerca dos efeitos deletérios da exposição excessiva ao sol, os males do trabalho a céu aberto ainda não são considerados pela legislação trabalhista”.

O projeto foi apensando ao PL 5061/09, em análise na Comissão de Seguridade Social e Família. A proposta ainda será analisada pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte iG

109 fatos que marcaram a história da sáude dos últimos 20 anos

Era 1992. O Brasil passava por transformações políticas e econômicas. Nas ruas, além dos “caras pintadas” que ecoavam o “Fora Collor”, as transações eram feitas em cruzeiros. No Rio de Janeiro acontecia a Rio 92 e, em Barcelona, na Espanha, os Jogos Olímpicos.

Depois de eleger Fernando Collor de Mello, primeiro Presidente da República eleito por voto direto após o Regime Militar, o País vivia a decepção de assistir o seu impeachment depois de uma série de escândalos políticos e fracassos econômicos. Neste cenário, a Revista FH dava seus primeiros sinais de vida, aparecendo como um encarte da revista Guia de Fornecedores Municipais, que circulava na extinta Expo Saúde.

Mais tarde, o Brasil dizia adeus à inflação com a adoção do Real. Fernando Henrique Cardoso era o novo Presidente da República e o futebol brasileiro conquistava o tetracampeonato. Era 1994, surgia a primeira edição da revista FH, originalmente com o título Guia de Fornecedores Hospitalares.

De lá para cá, duas décadas de acontecimentos: o 11 de setembro e a guerra declarada ao terror, o mapeamento do genoma humano e a crise econômica mundial iniciada em 2008 – cujos abalos ainda persistem. Por aqui, ocorreram a criação da ANS e da Anvisa, chegaram os genéricos, a política de combate ao cigarro, a eleição da primeira mulher à presidência do País. Muitas foram as mudanças no Brasil e no mundo – inclusive na saúde -, testemunhadas pela FH – ávida por perseguir informações relevantes para o líder do setor e, dessa forma, contribuir para o desenvolvimento do sistema. Neste mês de junho, a revista chega a 200 edições.

Veja abaixo alguns dos fatos mais marcantes da história da saúde brasileira e internacional.

 
1992: Adib Jatene é nomeado ministro da Saúde no governo de Fernando Collor de Melo. Após um momento conturbado na política, o ano termina com o impeachment do presidente Collor e o então vice-presidente Itamar Franco assume a presidência. Para a pasta de Saúde é nomeado Jamil Haddad, que tem como principais objetivos: a fabricação de remédios mais baratos nos laboratórios oficiais e uma nova proposta de ampliação do orçamento para a Central de Medicamentos (Ceme). Em seu legado destacam-se a criação de farmácias populares para a venda de medicamentos produzidos pelas faculdades de farmácia e a implantação do SUS em 400 municípios. *Além da nomeação de Jatene, em 1992: O Poder Legislativo aprova a Lei 8489/92, que regulamenta a retirada e transplante de órgãos, tecidos e partes do corpo humano com fins terapêuticos e científicos. *Na América Latina é realizada a Conferência Internacional de Promoção da Saúde, trazendo formalmente o tema para o contexto sub-regional. *Na ocasião foi elaborada a Declaração de Santafé de Bogotá, com 11 compromissos, dos quais os principais eram: impulsionar o conceito de saúde, convocar as forças sociais para aplicar a estratégia de promoção da saúde e incentivar políticas públicas. *1993: Vai e vem na pasta da Saúde. Após a saída de Jamil Haddad, em agosto, passaram pelo ministério Saulo Pinto Moreira, que assume interinamente por 10 dias até a posse de Henrique Antônio Santillo. É assinado o Tratado de Maastricht que estabeleceu a criação da União Europeia, composta por 27 países. No texto assinado pelos países membros está o estabelecimento de normas comuns de segurança para a saúde pública. *É aprovada a Norma Operacional Básica 01/93, que regulamenta o processo de descentralização da gestão dos serviços e ações na esfera do Sistema Único de Saúde (SUS). *É aprovada a Lei 8.689 que extingui o Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (Inamps).

1994: Explode a epidemia de Ebola no Zaire, matando 90% das pessoas infectadas pelo vírus. *Pesquisadores da Duke University provam que cirurgias entre espécimes é possível, após transplantar corações de porcos alterados geneticamente para babuínos. O estudo possibilitou que, anos depois, a medula de um símio fosse transplantada para um paciente com Aids *É criado, pelo Governo Federal, o Programa Saúde da Família (PSF), como estratégia do Ministério da Saúde para a reorientação dos serviços de atenção básica à saúde. No início do programa, apenas 55 municípios eram contemplados por 328 equipes compostas por um médico, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e quatro agentes comunitários. * Brasil consegue erradicar a poliomielite e recebe o certificado da Organização Mundial da saúde (OMS) pelo mérito. *1995: Adib Jatene, que já havia comandado a pasta de fevereiro a outubro de 1992, assume novamente o Ministério da Saúde, desta vez, nomeado pelo novo presidente da República, Fernando Henrique Cardoso. *Sob a gestão do ministro Jatene é criada a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que entraria em vigor em 1997. O objetivo inicial do novo imposto era suprir a falta de recursos da pasta da saúde após a extinção do Inamps. *Nasce a Revista Guia de Fornecedores Hospitalares, publicação pioneira no segmento de saúde brasileiro. * Edward Lewis, Eric Francis Wieschaus e Christiane Nüsslein-Volhard receberam o Nobel de Fisiologia/Medicina por demonstrarem que todas as faculdades das células são formadas em última instância por seu fator hereditário. Isso possibilitou que outros cientistas entendessem o segredo do desenvolvimento embrionário.

1996: Governo brasileiro aprova Lei Federal 9.313 que garante a distribuição gratuita e universal de medicamentos para o tratamento de HIV /Aids *Jatene deixa o ministério da Saúde e quem assume é José Carlos Seixas. Ele já tinha ocupado os cargos de secretário-executivo e secretário-geral do ministério da Saúde. No final do ano Seixas é substituído por Carlos César de Albuquerque. *A medicina avança no campo da genética e é clonado o primeiro animal da história, a ovelha Dolly.

1998: Fernando Henrique Cardoso (foto) é reeleito e nomeia José Serra como ministro da Saúde. - É criada a primeira Organização Social de Saúde (OSS) no Estado de São Paulo. Na capital paulista, o Hospital Santa Marcelina assume a gestão do Hospital Itaim Paulista. *É criada a lei dos planos de saúde. A Lei 9.656 é responsável por reger as relações jurídicas entre seguradora e beneficiário, ação que antes era regulada pelo Código de Defesa do Consumidor. * O SUS completa uma década e avança nas políticas públicas de atenção e acesso à saúde. * Nos EUA, o FDA aprova o Viagra para ser utilizado no tratamento de impotência masculina, tornando-se o primeiro medicamento aprovado para tratar esta doença no país.

1999: É aprovada a Lei 9787-99, que define a criação dos medicamentos genéricos sob a fiscalização da Vigilância Sanitária. Ela foi criada a partir do projeto 2.020, apresentado à Câmara dos Deputados em 1991. *A Lei nº 9.782 define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária e cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência regulatória trouxe para a vigilância sanitária a vinculação ao Sistema Nacional de Saúde. *É criada a Organização Nacional de Acreditação (ONA), que já certificou mais de 150 hospitais. - É promulgada pelo Congresso Nacional a Emenda Constitucional 29 (PEC-29), que vincula verbas Federais, Estaduais e Municipais para o setor da saúde e estabelece metas para o aumento dos repasses a serem atingidas até 2004. *Desenvolvimento da Aspirina completa cem anos. O medicamento é o mais consumido no mundo e usado como analgésico, anti inflamatório, anti pirético e anti plaquetar.É apresentado pela Unicamp, o primeiro coração 100% artificial do País.

2000: No campo da genética, o Instituto Ludwig e a Fapesp atingem a marca de 1 milhão de sequências de genes de câncer. *Dois anos após a criação da Lei 9.656 dos planos de saúde surge a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), responsável por monitorar e regular o setor privado de serviços de atenção à saúde. *Cientistas da Grã-Bretanha e Estados Unidos apresentam os primeiros esboços do mapeamento completo do genoma humano. *Entre as oito metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU), batizados de Objetivos do Milênio, três são relacionadas à saúde: reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde materna e combater o HIV/AIDS, malária e outras doenças.

2001: É feito o primeiro rascunho do genoma humano, que possui cerca de 27 mil genes. - É criada a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), responsável por promover saneamento básico e cuidar da assistência à saúde das populações indígenas. - A Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP) é criada durante o 1º Fórum Top Hospital, realizado em Brasília. Formada inicialmente por 23 hospitais, seu primeiro presidente foi Reynaldo Brandt, também presidente do conselho deliberativo da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein.

2003: Após assumir a Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva nomeia Humberto Costa como ministro da Saúde. Sob sua gestão é criado o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU), que possui cobertura nacional. *Ministério da Saúde assina acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz) para a produção nacional da vacina tríplice. *Governo Federal e Ministério da Saúde lançam o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). - *É promovida a primeira edição do Saúde Business Forum pela IT Mídia. *A Dix, operadora de saúde carioca, fundada em 1997, adquire a Amico e leva uma carteira de beneficiários de 400 mil vidas. A aquisição teve um impacto tão grande na empresa que ela passou a se chamar Dix Amico. * É lançado o portal Saúde Business Web, concentrando notícias de todos os elos do setor sob um único portal. *O Projeto Genoma Humano é finalizado com 99% do DNA sequenciado. A partir das informações obtidas com a decodificação será possível desenvolver novos medicamentos e prevenir doenças predispostas como câncer e Alzheimer.

2004: Brasil, China, Rússia, Nigéria, Ucrânia e Tailândia criam uma rede para a produção de medicamentos genéricos para a Aids. O projeto também prevê a troca de tecnologia para a produção de preservativos e exames para detecção do vírus HIV. - Dasa se torna a primeira empresa de saúde brasileira a abrir capital na bolsa de valores. *Ministério da Saúde lança política nacional de humanização do SUS, que define que todo paciente tem direito de saber quem são os profissionais de saúde que o atendem, redução das filas com acolhimento e avaliação de riscos e direito a acompanhante durante internação e consultas. *Governo Federal cria o Programa Farmácia Popular do Brasil que visa ampliar o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre a população. O projeto possui rede própria de Farmácias e parcerias com drogarias da rede privada. *Brasil assume o comando da missão de paz da Organização das Nações Unidas (Minustah/ONU), no Haiti, para manutenção da paz na região e ajuda humanitária após o terremoto que matou mais de 300 mil pessoas. Em conjunto com Cuba o País também trabalha para a reconstrução do sistema de saúde haitiano.

2005: É instaurada a CPI dos Sanguessugas após o Ministério Público denunciar o envolvimento do então ministro da saúde Humberto Costa. O executivo deixa a pasta em julho do mesmo ano. Durante as investigações também foram citados os nomes dos ex-ministros da Saúde: José Serra, Jarbas Negri e Saraiva Felipe. A comissão foi encerrada após concluir que não havia provas suficientes contra nenhum dos investigados. * Mesmo com o suposto envolvimento na máfia dos sanguessugas, Saraiva Felipe (foto) assume o Ministério da Saúde. *Por meio da portaria 1721/05 é instituída a Política de Estruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos. - *Governo Federal decreta estado de calamidade nos hospitais públicos do Rio de Janeiro e inicia intervenção nas instituições. *A gripe aviária surge na Ásia. No primeiro ano de epidemia, foram registrados cerca de 177 casos de H5N1 em países asiáticos e africanos com aproximadamente 98 mortes. *É realizado, na França, o primeiro transplante facial do mundo.

2006: Por meio da portaria 1721/05 é instituída a Política de Estruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos. - ONA certifica a primeira Santa Casa do País. Após um processo que se iniciou em 2002, com a reforma física e a criação de novas instalações, a Santa Casa de São José dos Campos tornou-se a primeira Santa Casa do Brasil a receber a acreditação nível 1 da ONA. O valor total dos investimentos foi de R$5 milhões, concedidos pelo BNDES. - Oito meses após assumir a pasta, ministro Saraiva Felipe deixa o cargo na substituído por Agenor Álvares (foto), que antes era secretário-executivo do ministério da Saúde. - É estabelecido o Pacto de Gestão, documento que estipula responsabilidades sanitárias para União, Estados e Municípios, e define as diretrizes de gestão do Sistema Único de Saúde (SUS), entre elas a descentralização, regionalização e financiamento e regulação. - Relatório da OMS sobre a situação da saúde no mundo revela que déficit de médicos chega a 4,3 milhões de profissionais. - É aprovada a primeira vacina contra o HPV.

2007: Amilpar inicia operações na bolsa de valores. Com oferta de ações, operadora captou R$1,2 bilhão. - Após reeleição, Lula nomeia José Gomes Temporão como ministro da Saúde. - É enviado ao Congresso o Projeto de Lei Complementar que propõe a criação das Fundações Estatais de Saúde. - É extinta a CPMF. - A candidata chinesa Margaret Chan é designada diretora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS). A escolha da nova diretora ocorreu em decorrência da morte do ex-diretor-geral Lee Jong-wook em maio do mesmo ano.

2008: O candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama, vence as eleições nos EUA. Um dos principais programas de sua campanha é fazer a reforma no sistema americano de saúde, que contemplaria mais 50 milhões de pessoas que não têm direito à assistência médica no país. - Lançado em janeiro o Google Health, registro de saúde on line. - O Sistema Único de Saúde (SUS) completa 20 anos, e o problema do subfinanciamento continua. - O Rio de Janeiro sofre com a maior epidemia de dengue, que causou a morte de 54 pessoas contaminou cerca de 43 mil. Para auxiliar no atendimento às vítimas, o exército brasileiro montou hospitais de campanha em toda a cidade. - Samcil compra Hospital e Maternidade Assunção, em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo. - Emenda 29 é aprovada no Senado. Projeto é encaminhado para Câmara dos Deputados. - Por meio da MP 446 é criado o conjunto de sete hospitais de excelência pelo Ministério da Saúde, formado por: Albert Einstein, H-Cor, Samaritano, Sírio Libanês, Hospital Alemão Oswaldo Cruz e Moinhos de Vento. - Surto de febre amarela causa caos nos postos de vacinação em todo o País. - Brasil aprova o uso de células tronco embrionárias em pesquisas. - Grupo Fleury anuncia a compra do Centro de Medicina Diagnóstica Campana. - Ministérios da Saúde, Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior lançam as bases do Complexo Industrial de Saúde. - Grupo Fleury anuncia a compra do Centro de Medicina Diagnóstica Campana. - Amil compra Hospital Santa Lúcia por R$60 milhões e inicia operações na Zona Sul do Rio de Janeiro. - Ministérios da Saúde, Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior lançam as bases do Complexo Industrial de Saúde.

2009: Brasil começa a produzir medicamentos contra a Aids. Farmanguinhos, da FioCruz, e Lafape foram os laboratórios responsáveis pela produção do genérico do Efavirenz, usado no tratamento da doença. - Fleury inicia operações na bolsa de valores. O grupo fechasse 2009 com um valor de mercado de aproximadamente R$2,5 bilhões. - Amil assume controle acionário da Medial. Operadora comprou 51,9% das ações por R$ 612,5 milhões. Após aquisição, participação da operadora no mercado de saúde suplementar brasileiro passa de 7,9% para 15,1%. - Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2009, foram registrados 70.893 casos confirmados de influenza A (H1N1), ou gripe suína, em 116 países. Ao todo, 311 pessoas morreram vítimas da doença. - OMS declara que o surto de gripe A, encontra-se em estado de pandemia, sendo a 1º do século XXI e do 3º milênio

2010: Edson Bueno  passa a ser o maior acionista individual da Dasa. Nesse mesmo ano, o laboratório emite R$ 1,83 bilhão em ações para imcorporar MD1, empresa de diagnóstico por imagem. Títulos foram utilizados para substituir os papéis da MD1 como parte da incorporação. - Eurofarma anuncia a compra de 100% do capital da Segmenta, fabricante de produtos hospitalares e líder na categoria de soros, e cria a Eurofarma Segmenta. O valor da operação não foi revelado. Operação reforça atuação da empresa no segmento hospitalar na área pública e privada. - Grupo Fleury compra Labs D´Or por R$1 bilhão e passa de 29 para 85 laboratórios no Rio de janeiro. Esta é a maior aquisição do grupo em 84 anos. - Brasil dá um passo à frente na gestão das unidades públicas de saúde. O governador da Bahia, Jaques Wagner (dir.), e o secretário de saúde, Jorge Solla (esq.), estabeleceram a primeira Parceria Público-Privada (PPP) do setor. O Hospital do Subúrbio recebeu investimentos de R$ 100 milhões e é inaugurado em agosto do mesmo ano. - Países membros do G8 destinarão US$ 7,3 bilhões para países pobres. Medida pretende auxiliar estas nações a atingirem as Metas do Milênio, da OMS. Batizada de Iniciativa Moskoka, G8 contará com auxílio financeiro também da Holanda, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Espanha, Suíça, Fundação Gates e Fundação das Nações Unidas. A Casa Branca anunciou um aporte à iniciativa de US$ 1,3 bilhão.

2011: Dilma Rousseff é eleita e nomeia Alexandre Padilha para assumir a pasta da Saúde durante seu mandato. - Após a morte de seu fundador Luiz Roberto Silveira Pinto, a Samcil é comprada pela Greenline. A operadora paulista devia R$700 milhões, sendo R$200 milhões para credores e fornecedores e R$500 milhões em impostos. - Em junho de 2011, a revista Fornecedores Hospitalares engloba o conteúdo da publicação Saúde Business para formar a revista FH. A publicação nasce com o propósito de levar conteúdo relevante de todos os elos da cadeia de saúde. - É aprovada na Câmara dos Deputados, em Brasília, a Lei Complementar que regulamenta os gastos públicos para o setor de saúde, a Emenda 29. - Em 29 de junho de 2011, a Qualicorp faz a oferta pública de ações (IPO). O valor da captação (primária) foi de R$337 milhões, líquido do valor da comissão e outros gastos correspondentes - Com a expectativa de fortalecer sua atuação no segmento de luxo, Amil compra Lincx por R$170 milhões. - OMS alerta sobre o perigo das superbactérias. Segundo a entidade, os micro-organismos resistentes não são um problema novo, porém estão se tornando perigosos e ameaçam vários tratamentos e cirurgias, como o de câncer e o transplante de órgãos.

2012: Rede D´Or São Luiz, de Jorge Moll, compra os Hospital Santa Luzia e o Hospital do Coração do Brasil, em Brasília, e inicia operações também na região Centro-Oeste do País. - Após muitas especulações no mercado, Rede D´Or São Luiz assina memorando de compra do Hospital Nossa Senhora de Lourdes, em São Paulo. Valor da aquisição estimado em R$300 milhões. - MSD forma joint venture com Cristália e Eurofarma. A Supera RX com o objetivo de incorporar 60 medicamentos em cinco anos. Nasce a Bionovis, associação da Aché Laboratórios Farmacêuticos, EMS Participações e União Química Farmacêutica Nacional com o principal foco nos produtos biotecnológicos - Alert e Benner anunciam joint venture. Empresa nasce com um faturamento de R$115 milhões e pretende atingir R$300 milhões em três anos. -Rio 20 coloca em pauta a saúde. Temas como a cobertura universal, já abordado na Rio 92, resíduos sólidos e a produção da economia verde são discutidos.

Fonte SaudeWeb

109 fatos que marcaram a história da sáude dos últimos 20 anos

Era 1992. O Brasil passava por transformações políticas e econômicas. Nas ruas, além dos “caras pintadas” que ecoavam o “Fora Collor”, as transações eram feitas em cruzeiros. No Rio de Janeiro acontecia a Rio 92 e, em Barcelona, na Espanha, os Jogos Olímpicos.

Depois de eleger Fernando Collor de Mello, primeiro Presidente da República eleito por voto direto após o Regime Militar, o País vivia a decepção de assistir o seu impeachment depois de uma série de escândalos políticos e fracassos econômicos. Neste cenário, a Revista FH dava seus primeiros sinais de vida, aparecendo como um encarte da revista Guia de Fornecedores Municipais, que circulava na extinta Expo Saúde.

Mais tarde, o Brasil dizia adeus à inflação com a adoção do Real. Fernando Henrique Cardoso era o novo Presidente da República e o futebol brasileiro conquistava o tetracampeonato. Era 1994, surgia a primeira edição da revista FH, originalmente com o título Guia de Fornecedores Hospitalares.

De lá para cá, duas décadas de acontecimentos: o 11 de setembro e a guerra declarada ao terror, o mapeamento do genoma humano e a crise econômica mundial iniciada em 2008 – cujos abalos ainda persistem. Por aqui, ocorreram a criação da ANS e da Anvisa, chegaram os genéricos, a política de combate ao cigarro, a eleição da primeira mulher à presidência do País. Muitas foram as mudanças no Brasil e no mundo – inclusive na saúde -, testemunhadas pela FH – ávida por perseguir informações relevantes para o líder do setor e, dessa forma, contribuir para o desenvolvimento do sistema. Neste mês de junho, a revista chega a 200 edições. Veja nas próximas páginas alguns dos fatos mais marcantes da história da saúde brasileira e internacional.


1992: Adib Jatene é nomeado ministro da Saúde no governo de Fernando Collor de Melo. Após um momento conturbado na política, o ano termina com o impeachment do presidente Collor e o então vice-presidente Itamar Franco assume a presidência. Para a pasta de Saúde é nomeado Jamil Haddad, que tem como principais objetivos: a fabricação de remédios mais baratos nos laboratórios oficiais e uma nova proposta de ampliação do orçamento para a Central de Medicamentos (Ceme). Em seu legado destacam-se a criação de farmácias populares para a venda de medicamentos produzidos pelas faculdades de farmácia e a implantação do SUS em 400 municípios. *Além da nomeação de Jatene, em 1992: O Poder Legislativo aprova a Lei 8489/92, que regulamenta a retirada e transplante de órgãos, tecidos e partes do corpo humano com fins terapêuticos e científicos. *Na América Latina é realizada a Conferência Internacional de Promoção da Saúde, trazendo formalmente o tema para o contexto sub-regional. *Na ocasião foi elaborada a Declaração de Santafé de Bogotá, com 11 compromissos, dos quais os principais eram: impulsionar o conceito de saúde, convocar as forças sociais para aplicar a estratégia de promoção da saúde e incentivar políticas públicas. *1993: Vai e vem na pasta da Saúde. Após a saída de Jamil Haddad, em agosto, passaram pelo ministério Saulo Pinto Moreira, que assume interinamente por 10 dias até a posse de Henrique Antônio Santillo. É assinado o Tratado de Maastricht que estabeleceu a criação da União Europeia, composta por 27 países. No texto assinado pelos países membros está o estabelecimento de normas comuns de segurança para a saúde pública. *É aprovada a Norma Operacional Básica 01/93, que regulamenta o processo de descentralização da gestão dos serviços e ações na esfera do Sistema Único de Saúde (SUS). *É aprovada a Lei 8.689 que extingui o Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (Inamps).

1994: Explode a epidemia de Ebola no Zaire, matando 90% das pessoas infectadas pelo vírus. *Pesquisadores da Duke University provam que cirurgias entre espécimes é possível, após transplantar corações de porcos alterados geneticamente para babuínos. O estudo possibilitou que, anos depois, a medula de um símio fosse transplantada para um paciente com Aids *É criado, pelo Governo Federal, o Programa Saúde da Família (PSF), como estratégia do Ministério da Saúde para a reorientação dos serviços de atenção básica à saúde. No início do programa, apenas 55 municípios eram contemplados por 328 equipes compostas por um médico, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e quatro agentes comunitários. * Brasil consegue erradicar a poliomielite e recebe o certificado da Organização Mundial da saúde (OMS) pelo mérito. *1995: Adib Jatene, que já havia comandado a pasta de fevereiro a outubro de 1992, assume novamente o Ministério da Saúde, desta vez, nomeado pelo novo presidente da República, Fernando Henrique Cardoso. *Sob a gestão do ministro Jatene é criada a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que entraria em vigor em 1997. O objetivo inicial do novo imposto era suprir a falta de recursos da pasta da saúde após a extinção do Inamps. *Nasce a Revista Guia de Fornecedores Hospitalares, publicação pioneira no segmento de saúde brasileiro. * Edward Lewis, Eric Francis Wieschaus e Christiane Nüsslein-Volhard receberam o Nobel de Fisiologia/Medicina por demonstrarem que todas as faculdades das células são formadas em última instância por seu fator hereditário. Isso possibilitou que outros cientistas entendessem o segredo do desenvolvimento embrionário.

1996: Governo brasileiro aprova Lei Federal 9.313 que garante a distribuição gratuita e universal de medicamentos para o tratamento de HIV /Aids *Jatene deixa o ministério da Saúde e quem assume é José Carlos Seixas. Ele já tinha ocupado os cargos de secretário-executivo e secretário-geral do ministério da Saúde. No final do ano Seixas é substituído por Carlos César de Albuquerque. *A medicina avança no campo da genética e é clonado o primeiro animal da história, a ovelha Dolly.

1998: Fernando Henrique Cardoso (foto) é reeleito e nomeia José Serra como ministro da Saúde. - É criada a primeira Organização Social de Saúde (OSS) no Estado de São Paulo. Na capital paulista, o Hospital Santa Marcelina assume a gestão do Hospital Itaim Paulista. *É criada a lei dos planos de saúde. A Lei 9.656 é responsável por reger as relações jurídicas entre seguradora e beneficiário, ação que antes era regulada pelo Código de Defesa do Consumidor. * O SUS completa uma década e avança nas políticas públicas de atenção e acesso à saúde. * Nos EUA, o FDA aprova o Viagra para ser utilizado no tratamento de impotência masculina, tornando-se o primeiro medicamento aprovado para tratar esta doença no país.

1999: É aprovada a Lei 9787-99, que define a criação dos medicamentos genéricos sob a fiscalização da Vigilância Sanitária. Ela foi criada a partir do projeto 2.020, apresentado à Câmara dos Deputados em 1991. *A Lei nº 9.782 define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária e cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência regulatória trouxe para a vigilância sanitária a vinculação ao Sistema Nacional de Saúde. *É criada a Organização Nacional de Acreditação (ONA), que já certificou mais de 150 hospitais. - É promulgada pelo Congresso Nacional a Emenda Constitucional 29 (PEC-29), que vincula verbas Federais, Estaduais e Municipais para o setor da saúde e estabelece metas para o aumento dos repasses a serem atingidas até 2004. *Desenvolvimento da Aspirina completa cem anos. O medicamento é o mais consumido no mundo e usado como analgésico, anti inflamatório, anti pirético e anti plaquetar.É apresentado pela Unicamp, o primeiro coração 100% artificial do País.

2000: No campo da genética, o Instituto Ludwig e a Fapesp atingem a marca de 1 milhão de sequências de genes de câncer. *Dois anos após a criação da Lei 9.656 dos planos de saúde surge a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), responsável por monitorar e regular o setor privado de serviços de atenção à saúde. *Cientistas da Grã-Bretanha e Estados Unidos apresentam os primeiros esboços do mapeamento completo do genoma humano. *Entre as oito metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU), batizados de Objetivos do Milênio, três são relacionadas à saúde: reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde materna e combater o HIV/AIDS, malária e outras doenças.

2001: É feito o primeiro rascunho do genoma humano, que possui cerca de 27 mil genes. - É criada a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), responsável por promover saneamento básico e cuidar da assistência à saúde das populações indígenas. - A Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP) é criada durante o 1º Fórum Top Hospital, realizado em Brasília. Formada inicialmente por 23 hospitais, seu primeiro presidente foi Reynaldo Brandt, também presidente do conselho deliberativo da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein.

2003: Após assumir a Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva nomeia Humberto Costa como ministro da Saúde. Sob sua gestão é criado o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU), que possui cobertura nacional. *Ministério da Saúde assina acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz) para a produção nacional da vacina tríplice. *Governo Federal e Ministério da Saúde lançam o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). - *É promovida a primeira edição do Saúde Business Forum pela IT Mídia. *A Dix, operadora de saúde carioca, fundada em 1997, adquire a Amico e leva uma carteira de beneficiários de 400 mil vidas. A aquisição teve um impacto tão grande na empresa que ela passou a se chamar Dix Amico. * É lançado o portal Saúde Business Web, concentrando notícias de todos os elos do setor sob um único portal. *O Projeto Genoma Humano é finalizado com 99% do DNA sequenciado. A partir das informações obtidas com a decodificação será possível desenvolver novos medicamentos e prevenir doenças predispostas como câncer e Alzheimer.

2004: Brasil, China, Rússia, Nigéria, Ucrânia e Tailândia criam uma rede para a produção de medicamentos genéricos para a Aids. O projeto também prevê a troca de tecnologia para a produção de preservativos e exames para detecção do vírus HIV. - Dasa se torna a primeira empresa de saúde brasileira a abrir capital na bolsa de valores. *Ministério da Saúde lança política nacional de humanização do SUS, que define que todo paciente tem direito de saber quem são os profissionais de saúde que o atendem, redução das filas com acolhimento e avaliação de riscos e direito a acompanhante durante internação e consultas. *Governo Federal cria o Programa Farmácia Popular do Brasil que visa ampliar o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre a população. O projeto possui rede própria de Farmácias e parcerias com drogarias da rede privada. *Brasil assume o comando da missão de paz da Organização das Nações Unidas (Minustah/ONU), no Haiti, para manutenção da paz na região e ajuda humanitária após o terremoto que matou mais de 300 mil pessoas. Em conjunto com Cuba o País também trabalha para a reconstrução do sistema de saúde haitiano.

2005: É instaurada a CPI dos Sanguessugas após o Ministério Público denunciar o envolvimento do então ministro da saúde Humberto Costa. O executivo deixa a pasta em julho do mesmo ano. Durante as investigações também foram citados os nomes dos ex-ministros da Saúde: José Serra, Jarbas Negri e Saraiva Felipe. A comissão foi encerrada após concluir que não havia provas suficientes contra nenhum dos investigados. * Mesmo com o suposto envolvimento na máfia dos sanguessugas, Saraiva Felipe (foto) assume o Ministério da Saúde. *Por meio da portaria 1721/05 é instituída a Política de Estruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos. - *Governo Federal decreta estado de calamidade nos hospitais públicos do Rio de Janeiro e inicia intervenção nas instituições. *A gripe aviária surge na Ásia. No primeiro ano de epidemia, foram registrados cerca de 177 casos de H5N1 em países asiáticos e africanos com aproximadamente 98 mortes. *É realizado, na França, o primeiro transplante facial do mundo.

2006: Por meio da portaria 1721/05 é instituída a Política de Estruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos. - ONA certifica a primeira Santa Casa do País. Após um processo que se iniciou em 2002, com a reforma física e a criação de novas instalações, a Santa Casa de São José dos Campos tornou-se a primeira Santa Casa do Brasil a receber a acreditação nível 1 da ONA. O valor total dos investimentos foi de R$5 milhões, concedidos pelo BNDES. - Oito meses após assumir a pasta, ministro Saraiva Felipe deixa o cargo na substituído por Agenor Álvares (foto), que antes era secretário-executivo do ministério da Saúde. - É estabelecido o Pacto de Gestão, documento que estipula responsabilidades sanitárias para União, Estados e Municípios, e define as diretrizes de gestão do Sistema Único de Saúde (SUS), entre elas a descentralização, regionalização e financiamento e regulação. - Relatório da OMS sobre a situação da saúde no mundo revela que déficit de médicos chega a 4,3 milhões de profissionais. - É aprovada a primeira vacina contra o HPV.

2007: Amilpar inicia operações na bolsa de valores. Com oferta de ações, operadora captou R$1,2 bilhão. - Após reeleição, Lula nomeia José Gomes Temporão como ministro da Saúde. - É enviado ao Congresso o Projeto de Lei Complementar que propõe a criação das Fundações Estatais de Saúde. - É extinta a CPMF. - A candidata chinesa Margaret Chan é designada diretora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS). A escolha da nova diretora ocorreu em decorrência da morte do ex-diretor-geral Lee Jong-wook em maio do mesmo ano.

2008: O candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama, vence as eleições nos EUA. Um dos principais programas de sua campanha é fazer a reforma no sistema americano de saúde, que contemplaria mais 50 milhões de pessoas que não têm direito à assistência médica no país. - Lançado em janeiro o Google Health, registro de saúde on line. - O Sistema Único de Saúde (SUS) completa 20 anos, e o problema do subfinanciamento continua. - O Rio de Janeiro sofre com a maior epidemia de dengue, que causou a morte de 54 pessoas contaminou cerca de 43 mil. Para auxiliar no atendimento às vítimas, o exército brasileiro montou hospitais de campanha em toda a cidade. - Samcil compra Hospital e Maternidade Assunção, em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo. - Emenda 29 é aprovada no Senado. Projeto é encaminhado para Câmara dos Deputados. - Por meio da MP 446 é criado o conjunto de sete hospitais de excelência pelo Ministério da Saúde, formado por: Albert Einstein, H-Cor, Samaritano, Sírio Libanês, Hospital Alemão Oswaldo Cruz e Moinhos de Vento. - Surto de febre amarela causa caos nos postos de vacinação em todo o País. - Brasil aprova o uso de células tronco embrionárias em pesquisas. - Grupo Fleury anuncia a compra do Centro de Medicina Diagnóstica Campana. - Ministérios da Saúde, Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior lançam as bases do Complexo Industrial de Saúde. - Grupo Fleury anuncia a compra do Centro de Medicina Diagnóstica Campana. - Amil compra Hospital Santa Lúcia por R$60 milhões e inicia operações na Zona Sul do Rio de Janeiro. - Ministérios da Saúde, Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior lançam as bases do Complexo Industrial de Saúde.

2009: Brasil começa a produzir medicamentos contra a Aids. Farmanguinhos, da FioCruz, e Lafape foram os laboratórios responsáveis pela produção do genérico do Efavirenz, usado no tratamento da doença. - Fleury inicia operações na bolsa de valores. O grupo fechasse 2009 com um valor de mercado de aproximadamente R$2,5 bilhões. - Amil assume controle acionário da Medial. Operadora comprou 51,9% das ações por R$ 612,5 milhões. Após aquisição, participação da operadora no mercado de saúde suplementar brasileiro passa de 7,9% para 15,1%. - Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2009, foram registrados 70.893 casos confirmados de influenza A (H1N1), ou gripe suína, em 116 países. Ao todo, 311 pessoas morreram vítimas da doença. - OMS declara que o surto de gripe A, encontra-se em estado de pandemia, sendo a 1º do século XXI e do 3º milênio

2010: Edson Bueno  passa a ser o maior acionista individual da Dasa. Nesse mesmo ano, o laboratório emite R$ 1,83 bilhão em ações para imcorporar MD1, empresa de diagnóstico por imagem. Títulos foram utilizados para substituir os papéis da MD1 como parte da incorporação. - Eurofarma anuncia a compra de 100% do capital da Segmenta, fabricante de produtos hospitalares e líder na categoria de soros, e cria a Eurofarma Segmenta. O valor da operação não foi revelado. Operação reforça atuação da empresa no segmento hospitalar na área pública e privada. - Grupo Fleury compra Labs D´Or por R$1 bilhão e passa de 29 para 85 laboratórios no Rio de janeiro. Esta é a maior aquisição do grupo em 84 anos. - Brasil dá um passo à frente na gestão das unidades públicas de saúde. O governador da Bahia, Jaques Wagner (dir.), e o secretário de saúde, Jorge Solla (esq.), estabeleceram a primeira Parceria Público-Privada (PPP) do setor. O Hospital do Subúrbio recebeu investimentos de R$ 100 milhões e é inaugurado em agosto do mesmo ano. - Países membros do G8 destinarão US$ 7,3 bilhões para países pobres. Medida pretende auxiliar estas nações a atingirem as Metas do Milênio, da OMS. Batizada de Iniciativa Moskoka, G8 contará com auxílio financeiro também da Holanda, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Espanha, Suíça, Fundação Gates e Fundação das Nações Unidas. A Casa Branca anunciou um aporte à iniciativa de US$ 1,3 bilhão.

2011: Dilma Rousseff é eleita e nomeia Alexandre Padilha para assumir a pasta da Saúde durante seu mandato. - Após a morte de seu fundador Luiz Roberto Silveira Pinto, a Samcil é comprada pela Greenline. A operadora paulista devia R$700 milhões, sendo R$200 milhões para credores e fornecedores e R$500 milhões em impostos. - Em junho de 2011, a revista Fornecedores Hospitalares engloba o conteúdo da publicação Saúde Business para formar a revista FH. A publicação nasce com o propósito de levar conteúdo relevante de todos os elos da cadeia de saúde. - É aprovada na Câmara dos Deputados, em Brasília, a Lei Complementar que regulamenta os gastos públicos para o setor de saúde, a Emenda 29. - Em 29 de junho de 2011, a Qualicorp faz a oferta pública de ações (IPO). O valor da captação (primária) foi de R$337 milhões, líquido do valor da comissão e outros gastos correspondentes - Com a expectativa de fortalecer sua atuação no segmento de luxo, Amil compra Lincx por R$170 milhões. - OMS alerta sobre o perigo das superbactérias. Segundo a entidade, os micro-organismos resistentes não são um problema novo, porém estão se tornando perigosos e ameaçam vários tratamentos e cirurgias, como o de câncer e o transplante de órgãos.

2012: Rede D´Or São Luiz, de Jorge Moll, compra os Hospital Santa Luzia e o Hospital do Coração do Brasil, em Brasília, e inicia operações também na região Centro-Oeste do País. - Após muitas especulações no mercado, Rede D´Or São Luiz assina memorando de compra do Hospital Nossa Senhora de Lourdes, em São Paulo. Valor da aquisição estimado em R$300 milhões. - MSD forma joint venture com Cristália e Eurofarma. A Supera RX com o objetivo de incorporar 60 medicamentos em cinco anos. Nasce a Bionovis, associação da Aché Laboratórios Farmacêuticos, EMS Participações e União Química Farmacêutica Nacional com o principal foco nos produtos biotecnológicos - Alert e Benner anunciam joint venture. Empresa nasce com um faturamento de R$115 milhões e pretende atingir R$300 milhões em três anos. -Rio 20 coloca em pauta a saúde. Temas como a cobertura universal, já abordado na Rio 92, resíduos sólidos e a produção da economia verde são discutidos.


109 fatos que marcaram a história da sáude dos últimos 20 anos

Era 1992. O Brasil passava por transformações políticas e econômicas. Nas ruas, além dos “caras pintadas” que ecoavam o “Fora Collor”, as transações eram feitas em cruzeiros. No Rio de Janeiro acontecia a Rio 92 e, em Barcelona, na Espanha, os Jogos Olímpicos.

Depois de eleger Fernando Collor de Mello, primeiro Presidente da República eleito por voto direto após o Regime Militar, o País vivia a decepção de assistir o seu impeachment depois de uma série de escândalos políticos e fracassos econômicos. Neste cenário, a Revista FH dava seus primeiros sinais de vida, aparecendo como um encarte da revista Guia de Fornecedores Municipais, que circulava na extinta Expo Saúde.

Mais tarde, o Brasil dizia adeus à inflação com a adoção do Real. Fernando Henrique Cardoso era o novo Presidente da República e o futebol brasileiro conquistava o tetracampeonato. Era 1994, surgia a primeira edição da revista FH, originalmente com o título Guia de Fornecedores Hospitalares.

De lá para cá, duas décadas de acontecimentos: o 11 de setembro e a guerra declarada ao terror, o mapeamento do genoma humano e a crise econômica mundial iniciada em 2008 – cujos abalos ainda persistem. Por aqui, ocorreram a criação da ANS e da Anvisa, chegaram os genéricos, a política de combate ao cigarro, a eleição da primeira mulher à presidência do País. Muitas foram as mudanças no Brasil e no mundo – inclusive na saúde -, testemunhadas pela FH – ávida por perseguir informações relevantes para o líder do setor e, dessa forma, contribuir para o desenvolvimento do sistema. Neste mês de junho, a revista chega a 200 edições. Veja nas próximas páginas alguns dos fatos mais marcantes da história da saúde brasileira e internacional.


1992: Adib Jatene é nomeado ministro da Saúde no governo de Fernando Collor de Melo. Após um momento conturbado na política, o ano termina com o impeachment do presidente Collor e o então vice-presidente Itamar Franco assume a presidência. Para a pasta de Saúde é nomeado Jamil Haddad, que tem como principais objetivos: a fabricação de remédios mais baratos nos laboratórios oficiais e uma nova proposta de ampliação do orçamento para a Central de Medicamentos (Ceme). Em seu legado destacam-se a criação de farmácias populares para a venda de medicamentos produzidos pelas faculdades de farmácia e a implantação do SUS em 400 municípios. *Além da nomeação de Jatene, em 1992: O Poder Legislativo aprova a Lei 8489/92, que regulamenta a retirada e transplante de órgãos, tecidos e partes do corpo humano com fins terapêuticos e científicos. *Na América Latina é realizada a Conferência Internacional de Promoção da Saúde, trazendo formalmente o tema para o contexto sub-regional. *Na ocasião foi elaborada a Declaração de Santafé de Bogotá, com 11 compromissos, dos quais os principais eram: impulsionar o conceito de saúde, convocar as forças sociais para aplicar a estratégia de promoção da saúde e incentivar políticas públicas. *1993: Vai e vem na pasta da Saúde. Após a saída de Jamil Haddad, em agosto, passaram pelo ministério Saulo Pinto Moreira, que assume interinamente por 10 dias até a posse de Henrique Antônio Santillo. É assinado o Tratado de Maastricht que estabeleceu a criação da União Europeia, composta por 27 países. No texto assinado pelos países membros está o estabelecimento de normas comuns de segurança para a saúde pública. *É aprovada a Norma Operacional Básica 01/93, que regulamenta o processo de descentralização da gestão dos serviços e ações na esfera do Sistema Único de Saúde (SUS). *É aprovada a Lei 8.689 que extingui o Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (Inamps).

1994: Explode a epidemia de Ebola no Zaire, matando 90% das pessoas infectadas pelo vírus. *Pesquisadores da Duke University provam que cirurgias entre espécimes é possível, após transplantar corações de porcos alterados geneticamente para babuínos. O estudo possibilitou que, anos depois, a medula de um símio fosse transplantada para um paciente com Aids *É criado, pelo Governo Federal, o Programa Saúde da Família (PSF), como estratégia do Ministério da Saúde para a reorientação dos serviços de atenção básica à saúde. No início do programa, apenas 55 municípios eram contemplados por 328 equipes compostas por um médico, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e quatro agentes comunitários. * Brasil consegue erradicar a poliomielite e recebe o certificado da Organização Mundial da saúde (OMS) pelo mérito. *1995: Adib Jatene, que já havia comandado a pasta de fevereiro a outubro de 1992, assume novamente o Ministério da Saúde, desta vez, nomeado pelo novo presidente da República, Fernando Henrique Cardoso. *Sob a gestão do ministro Jatene é criada a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que entraria em vigor em 1997. O objetivo inicial do novo imposto era suprir a falta de recursos da pasta da saúde após a extinção do Inamps. *Nasce a Revista Guia de Fornecedores Hospitalares, publicação pioneira no segmento de saúde brasileiro. * Edward Lewis, Eric Francis Wieschaus e Christiane Nüsslein-Volhard receberam o Nobel de Fisiologia/Medicina por demonstrarem que todas as faculdades das células são formadas em última instância por seu fator hereditário. Isso possibilitou que outros cientistas entendessem o segredo do desenvolvimento embrionário.

1996: Governo brasileiro aprova Lei Federal 9.313 que garante a distribuição gratuita e universal de medicamentos para o tratamento de HIV /Aids *Jatene deixa o ministério da Saúde e quem assume é José Carlos Seixas. Ele já tinha ocupado os cargos de secretário-executivo e secretário-geral do ministério da Saúde. No final do ano Seixas é substituído por Carlos César de Albuquerque. *A medicina avança no campo da genética e é clonado o primeiro animal da história, a ovelha Dolly.

1998: Fernando Henrique Cardoso (foto) é reeleito e nomeia José Serra como ministro da Saúde. - É criada a primeira Organização Social de Saúde (OSS) no Estado de São Paulo. Na capital paulista, o Hospital Santa Marcelina assume a gestão do Hospital Itaim Paulista. *É criada a lei dos planos de saúde. A Lei 9.656 é responsável por reger as relações jurídicas entre seguradora e beneficiário, ação que antes era regulada pelo Código de Defesa do Consumidor. * O SUS completa uma década e avança nas políticas públicas de atenção e acesso à saúde. * Nos EUA, o FDA aprova o Viagra para ser utilizado no tratamento de impotência masculina, tornando-se o primeiro medicamento aprovado para tratar esta doença no país.

1999: É aprovada a Lei 9787-99, que define a criação dos medicamentos genéricos sob a fiscalização da Vigilância Sanitária. Ela foi criada a partir do projeto 2.020, apresentado à Câmara dos Deputados em 1991. *A Lei nº 9.782 define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária e cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência regulatória trouxe para a vigilância sanitária a vinculação ao Sistema Nacional de Saúde. *É criada a Organização Nacional de Acreditação (ONA), que já certificou mais de 150 hospitais. - É promulgada pelo Congresso Nacional a Emenda Constitucional 29 (PEC-29), que vincula verbas Federais, Estaduais e Municipais para o setor da saúde e estabelece metas para o aumento dos repasses a serem atingidas até 2004. *Desenvolvimento da Aspirina completa cem anos. O medicamento é o mais consumido no mundo e usado como analgésico, anti inflamatório, anti pirético e anti plaquetar.É apresentado pela Unicamp, o primeiro coração 100% artificial do País.

2000: No campo da genética, o Instituto Ludwig e a Fapesp atingem a marca de 1 milhão de sequências de genes de câncer. *Dois anos após a criação da Lei 9.656 dos planos de saúde surge a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), responsável por monitorar e regular o setor privado de serviços de atenção à saúde. *Cientistas da Grã-Bretanha e Estados Unidos apresentam os primeiros esboços do mapeamento completo do genoma humano. *Entre as oito metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU), batizados de Objetivos do Milênio, três são relacionadas à saúde: reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde materna e combater o HIV/AIDS, malária e outras doenças.

2001: É feito o primeiro rascunho do genoma humano, que possui cerca de 27 mil genes. - É criada a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), responsável por promover saneamento básico e cuidar da assistência à saúde das populações indígenas. - A Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP) é criada durante o 1º Fórum Top Hospital, realizado em Brasília. Formada inicialmente por 23 hospitais, seu primeiro presidente foi Reynaldo Brandt, também presidente do conselho deliberativo da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein.

2003: Após assumir a Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva nomeia Humberto Costa como ministro da Saúde. Sob sua gestão é criado o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU), que possui cobertura nacional. *Ministério da Saúde assina acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz) para a produção nacional da vacina tríplice. *Governo Federal e Ministério da Saúde lançam o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). - *É promovida a primeira edição do Saúde Business Forum pela IT Mídia. *A Dix, operadora de saúde carioca, fundada em 1997, adquire a Amico e leva uma carteira de beneficiários de 400 mil vidas. A aquisição teve um impacto tão grande na empresa que ela passou a se chamar Dix Amico. * É lançado o portal Saúde Business Web, concentrando notícias de todos os elos do setor sob um único portal. *O Projeto Genoma Humano é finalizado com 99% do DNA sequenciado. A partir das informações obtidas com a decodificação será possível desenvolver novos medicamentos e prevenir doenças predispostas como câncer e Alzheimer.

2004: Brasil, China, Rússia, Nigéria, Ucrânia e Tailândia criam uma rede para a produção de medicamentos genéricos para a Aids. O projeto também prevê a troca de tecnologia para a produção de preservativos e exames para detecção do vírus HIV. - Dasa se torna a primeira empresa de saúde brasileira a abrir capital na bolsa de valores. *Ministério da Saúde lança política nacional de humanização do SUS, que define que todo paciente tem direito de saber quem são os profissionais de saúde que o atendem, redução das filas com acolhimento e avaliação de riscos e direito a acompanhante durante internação e consultas. *Governo Federal cria o Programa Farmácia Popular do Brasil que visa ampliar o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre a população. O projeto possui rede própria de Farmácias e parcerias com drogarias da rede privada. *Brasil assume o comando da missão de paz da Organização das Nações Unidas (Minustah/ONU), no Haiti, para manutenção da paz na região e ajuda humanitária após o terremoto que matou mais de 300 mil pessoas. Em conjunto com Cuba o País também trabalha para a reconstrução do sistema de saúde haitiano.

2005: É instaurada a CPI dos Sanguessugas após o Ministério Público denunciar o envolvimento do então ministro da saúde Humberto Costa. O executivo deixa a pasta em julho do mesmo ano. Durante as investigações também foram citados os nomes dos ex-ministros da Saúde: José Serra, Jarbas Negri e Saraiva Felipe. A comissão foi encerrada após concluir que não havia provas suficientes contra nenhum dos investigados. * Mesmo com o suposto envolvimento na máfia dos sanguessugas, Saraiva Felipe (foto) assume o Ministério da Saúde. *Por meio da portaria 1721/05 é instituída a Política de Estruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos. - *Governo Federal decreta estado de calamidade nos hospitais públicos do Rio de Janeiro e inicia intervenção nas instituições. *A gripe aviária surge na Ásia. No primeiro ano de epidemia, foram registrados cerca de 177 casos de H5N1 em países asiáticos e africanos com aproximadamente 98 mortes. *É realizado, na França, o primeiro transplante facial do mundo.

2006: Por meio da portaria 1721/05 é instituída a Política de Estruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos. - ONA certifica a primeira Santa Casa do País. Após um processo que se iniciou em 2002, com a reforma física e a criação de novas instalações, a Santa Casa de São José dos Campos tornou-se a primeira Santa Casa do Brasil a receber a acreditação nível 1 da ONA. O valor total dos investimentos foi de R$5 milhões, concedidos pelo BNDES. - Oito meses após assumir a pasta, ministro Saraiva Felipe deixa o cargo na substituído por Agenor Álvares (foto), que antes era secretário-executivo do ministério da Saúde. - É estabelecido o Pacto de Gestão, documento que estipula responsabilidades sanitárias para União, Estados e Municípios, e define as diretrizes de gestão do Sistema Único de Saúde (SUS), entre elas a descentralização, regionalização e financiamento e regulação. - Relatório da OMS sobre a situação da saúde no mundo revela que déficit de médicos chega a 4,3 milhões de profissionais. - É aprovada a primeira vacina contra o HPV.

2007: Amilpar inicia operações na bolsa de valores. Com oferta de ações, operadora captou R$1,2 bilhão. - Após reeleição, Lula nomeia José Gomes Temporão como ministro da Saúde. - É enviado ao Congresso o Projeto de Lei Complementar que propõe a criação das Fundações Estatais de Saúde. - É extinta a CPMF. - A candidata chinesa Margaret Chan é designada diretora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS). A escolha da nova diretora ocorreu em decorrência da morte do ex-diretor-geral Lee Jong-wook em maio do mesmo ano.

2008: O candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama, vence as eleições nos EUA. Um dos principais programas de sua campanha é fazer a reforma no sistema americano de saúde, que contemplaria mais 50 milhões de pessoas que não têm direito à assistência médica no país. - Lançado em janeiro o Google Health, registro de saúde on line. - O Sistema Único de Saúde (SUS) completa 20 anos, e o problema do subfinanciamento continua. - O Rio de Janeiro sofre com a maior epidemia de dengue, que causou a morte de 54 pessoas contaminou cerca de 43 mil. Para auxiliar no atendimento às vítimas, o exército brasileiro montou hospitais de campanha em toda a cidade. - Samcil compra Hospital e Maternidade Assunção, em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo. - Emenda 29 é aprovada no Senado. Projeto é encaminhado para Câmara dos Deputados. - Por meio da MP 446 é criado o conjunto de sete hospitais de excelência pelo Ministério da Saúde, formado por: Albert Einstein, H-Cor, Samaritano, Sírio Libanês, Hospital Alemão Oswaldo Cruz e Moinhos de Vento. - Surto de febre amarela causa caos nos postos de vacinação em todo o País. - Brasil aprova o uso de células tronco embrionárias em pesquisas. - Grupo Fleury anuncia a compra do Centro de Medicina Diagnóstica Campana. - Ministérios da Saúde, Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior lançam as bases do Complexo Industrial de Saúde. - Grupo Fleury anuncia a compra do Centro de Medicina Diagnóstica Campana. - Amil compra Hospital Santa Lúcia por R$60 milhões e inicia operações na Zona Sul do Rio de Janeiro. - Ministérios da Saúde, Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior lançam as bases do Complexo Industrial de Saúde.

2009: Brasil começa a produzir medicamentos contra a Aids. Farmanguinhos, da FioCruz, e Lafape foram os laboratórios responsáveis pela produção do genérico do Efavirenz, usado no tratamento da doença. - Fleury inicia operações na bolsa de valores. O grupo fechasse 2009 com um valor de mercado de aproximadamente R$2,5 bilhões. - Amil assume controle acionário da Medial. Operadora comprou 51,9% das ações por R$ 612,5 milhões. Após aquisição, participação da operadora no mercado de saúde suplementar brasileiro passa de 7,9% para 15,1%. - Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2009, foram registrados 70.893 casos confirmados de influenza A (H1N1), ou gripe suína, em 116 países. Ao todo, 311 pessoas morreram vítimas da doença. - OMS declara que o surto de gripe A, encontra-se em estado de pandemia, sendo a 1º do século XXI e do 3º milênio

2010: Edson Bueno  passa a ser o maior acionista individual da Dasa. Nesse mesmo ano, o laboratório emite R$ 1,83 bilhão em ações para imcorporar MD1, empresa de diagnóstico por imagem. Títulos foram utilizados para substituir os papéis da MD1 como parte da incorporação. - Eurofarma anuncia a compra de 100% do capital da Segmenta, fabricante de produtos hospitalares e líder na categoria de soros, e cria a Eurofarma Segmenta. O valor da operação não foi revelado. Operação reforça atuação da empresa no segmento hospitalar na área pública e privada. - Grupo Fleury compra Labs D´Or por R$1 bilhão e passa de 29 para 85 laboratórios no Rio de janeiro. Esta é a maior aquisição do grupo em 84 anos. - Brasil dá um passo à frente na gestão das unidades públicas de saúde. O governador da Bahia, Jaques Wagner (dir.), e o secretário de saúde, Jorge Solla (esq.), estabeleceram a primeira Parceria Público-Privada (PPP) do setor. O Hospital do Subúrbio recebeu investimentos de R$ 100 milhões e é inaugurado em agosto do mesmo ano. - Países membros do G8 destinarão US$ 7,3 bilhões para países pobres. Medida pretende auxiliar estas nações a atingirem as Metas do Milênio, da OMS. Batizada de Iniciativa Moskoka, G8 contará com auxílio financeiro também da Holanda, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Espanha, Suíça, Fundação Gates e Fundação das Nações Unidas. A Casa Branca anunciou um aporte à iniciativa de US$ 1,3 bilhão.

2011: Dilma Rousseff é eleita e nomeia Alexandre Padilha para assumir a pasta da Saúde durante seu mandato. - Após a morte de seu fundador Luiz Roberto Silveira Pinto, a Samcil é comprada pela Greenline. A operadora paulista devia R$700 milhões, sendo R$200 milhões para credores e fornecedores e R$500 milhões em impostos. - Em junho de 2011, a revista Fornecedores Hospitalares engloba o conteúdo da publicação Saúde Business para formar a revista FH. A publicação nasce com o propósito de levar conteúdo relevante de todos os elos da cadeia de saúde. - É aprovada na Câmara dos Deputados, em Brasília, a Lei Complementar que regulamenta os gastos públicos para o setor de saúde, a Emenda 29. - Em 29 de junho de 2011, a Qualicorp faz a oferta pública de ações (IPO). O valor da captação (primária) foi de R$337 milhões, líquido do valor da comissão e outros gastos correspondentes - Com a expectativa de fortalecer sua atuação no segmento de luxo, Amil compra Lincx por R$170 milhões. - OMS alerta sobre o perigo das superbactérias. Segundo a entidade, os micro-organismos resistentes não são um problema novo, porém estão se tornando perigosos e ameaçam vários tratamentos e cirurgias, como o de câncer e o transplante de órgãos.

2012: Rede D´Or São Luiz, de Jorge Moll, compra os Hospital Santa Luzia e o Hospital do Coração do Brasil, em Brasília, e inicia operações também na região Centro-Oeste do País. - Após muitas especulações no mercado, Rede D´Or São Luiz assina memorando de compra do Hospital Nossa Senhora de Lourdes, em São Paulo. Valor da aquisição estimado em R$300 milhões. - MSD forma joint venture com Cristália e Eurofarma. A Supera RX com o objetivo de incorporar 60 medicamentos em cinco anos. Nasce a Bionovis, associação da Aché Laboratórios Farmacêuticos, EMS Participações e União Química Farmacêutica Nacional com o principal foco nos produtos biotecnológicos - Alert e Benner anunciam joint venture. Empresa nasce com um faturamento de R$115 milhões e pretende atingir R$300 milhões em três anos. -Rio 20 coloca em pauta a saúde. Temas como a cobertura universal, já abordado na Rio 92, resíduos sólidos e a produção da economia verde são discutidos.


Amil tem nota nacional elevada para AA pela Fitch

Segundo a agência o rating reflete a eficiência da operadora na gestão de seus negócios, sucesso na intergração de companhias adquiridas e o conservadorismo no gerenciamento do perfil financeiro

A nota nacional de longo prazo da Amil (AMIL3) foi elevada de AA- para AA, pela agência de classificação de risco Fitch, com perspectiva estável. O novo rating também inclui as suas terceira e quarta emissões de debêntures. As informações são do “Portal Exame”.

Em nota enviada ao mercado, a Fitch informou que o rating reflete a histórica eficiência da Amil na gestão de seus negócios, seu sucesso na intergração de companhias adquiridas e o conservadorismo no gerenciamento do perfil financeiro.

A nova nota também reflete a contínua melhora da rentabilidade e o consistente incremento da geração operacional de caixa da companhia, assim como a disciplina financeira e a eficiência operacional com que a Amil administrou a aquisição da Medial.

Segundo a Fitch, o ambiente de competição na fragmentada indústria de saúde no Brasil a exposição dos negócios da companhia a riscos não gerenciáveis e de mudanças regulatórias que possam afetar os fundamentos do setor são fatores que limitam as classificações.

O anúncio do novo rating da Amil ocorreu no primeiro dia útil após a suspensão de 19 planos de saúde da Amil pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), 13 da Excelsior Med e seis da ASL Assistência a Saúde. Para alguns especialistas a suspensão pode ter impacto na margem bruta e na margem Ebtida das empresas, com reflexos no desempenho das ações.

Fonte SaudeWeb

Sueca SKF mira nos fabricantes nacionais de equipamentos hospitalares

De olho no aumento da nacionalização de fabricantes de equipamentos médico-hospitalares, a sueca SKF, de serviços em mecatrônica, entra forte no setor

O PAC equipamentos, anunciado em junho pela Dilma Rousseff, deve impulsionar o setor de equipamentos médicos. Além de investimento de R$ 8,4 bilhões, a ação governamental também prevê margens de preferência de 8% a 25% para compra de equipamentos adquiridos pela esfera pública. Quanto maior a complexidade e demanda pelo equipamento maior será o estímulo. De olho nessa oportunidade, a companhia sueca decidiu aportar no País uma plataforma de produtos e serviços em mecatrônica.

A tecnologia auxilia, por exemplo, no acionamento e controle de movimento de camas hospitalares ou cadeiras odontológicas. Com a chegada dessa ciência no Brasil, a empresa espera que fabricantes de equipamentos médico-hospitalares aumentem o índice de nacionalização de suas máquinas e ajudem a diminuir o déficit transacional na saúde, que deve atingir a cifra recorde de US$ 12 bilhões.

“Enquanto o Governo Federal negocia a instalação de fábricas no País com grandes fabricantes de equipamentos médico-hospitalares, podemos fornecer produtos e serviços em mecatrônica que ajudam a melhorar o desempenho, a produtividade e a eficiência dessas máquinas. São sistemas mecânicos, eletrônicos e de controle totalmente integrados e dotados de moderna tecnologia”, conta Paola Jimenez, gerente de Produtos em Mecatrônica, em comunicado.

Meta de crescimento
No segmento médico a SKF conta com linha de produtos que vão desde guias e atuadores lineares até pilares telescópicos. Os componentes têm a função de ajudar a empurrar, baixar ou levantar uma cama hospitalar, aparelho de tomografia ou cadeira odontológica.

“É um setor que não para de crescer. Somente no ano passado foram movimentados mundialmente cerca de US$ 690 milhões com a venda de equipamentos médico-hospitalares. O Brasil é um importante player e estamos atentos às mais recentes movimentações de mercado. Vamos entrar forte nessa disputa”, revela Paola.

Além do setor médico, a SKF está de olho em outros setores importantes, como o de máquinas-ferramenta, alimentos e bebidas, automotivo, agrícola e petroquímico. “Atuamos no mundo com cera de 500 engenheiros altamente capacitados em mecatrônica. É uma equipe qualificada e especializada em soluções de engenharia avançada. Essa tecnologia está sendo transferida agora para o Brasil”, detalha a executiva.

A projeção de faturamento da companhia é de R$ 10 milhões a partir de 2015. Todos os produtos poderão ser adquiridos por meio de venda direta ou pela Rede de Distribuição SKF.

O Grupo SKF está presente em 10 países com sua plataforma de mecatrônica. Tem operações no Canadá, Suécia, Estados Unidos, Alemanha, Itália, China, Tailândia, Suiça, França e Itália.

Fonte SaudeWeb

USP avalia qualidade de vida de jovens portadores de HIV

Estudo recomenda que o tratamento não seja apenas com antirretrovirais, mas que leve em conta a qualidade de vida, preocupando-se de forma geral com alimentação, atividade física, perda auditiva, etc

A perda auditiva e a otite média supurada – uma inflamação no ouvido médio que pode ser causada pelo uso de um antirretroviral – têm alta ocorrência entre as crianças e adolescentes portadores de HIV-Aids, atingindo pelo menos 36% dos indivíduos avaliados, de acordo com um estudo realizado na Universidade de São Paulo (USP).

Outra pesquisa realizada na USP mostra que os adolescentes portadores de HIV-Aids, embora necessitem, a princípio, de cuidados redobrados com a alimentação, apresentam uma dieta semelhante à dos não-portadores – com alto consumo de açúcar, gordura saturada e sódio e consumo insuficiente de cereais integrais e frutas.

Os dois estudos fizeram parte do projeto Qualidade de vida e sua relação com o curso de vida de crianças e adolescentes portadores de HIV-Aids, apoiado pela FAPESP na modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular e coordenado pela professora Maria do Rosário Latorre, da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP.

Os estudos sobre a perda auditiva e sobre a dieta corresponderam, respectivamente, à tese de doutorado de Aline Medeiros da Silva e à dissertação de mestrado de Luana Tanaka. Ambas foram orientadas por Latorre e defendidas em 2011 na FSP-USP, com bolsas da FAPESP. Além dessas pesquisas, o projeto gerou mais um doutorado e dois mestrados ainda em curso.

De acordo com Latorre, os estudos de coorte foram realizados com crianças potadoras de HIV-Aids atendidas no Instituto da Criança, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

“O projeto teve o objetivo de analisar a qualidade de vida de crianças e adolescentes portadores de HIV-Aids em relação à saúde, adesão ao uso de medicamentos, presença de lipodistrofia, perda auditiva e sobrevida”, disse Latorre à Agência FAPESP.

Silva, que é fonoaudióloga, avaliou 106 indivíduos portadores de HIV-Aids com idades de 5 a 19 anos, atendidas no Instituto da Criança, com o objetivo de estimar a prevalência de perda auditiva entre elas, identificando os fatores associados a essa ocorrência. Além do doutorado, Silva teve bolsas da FAPESP também na Iniciação Científica e no Mestrado.

Dois critérios foram usados para identificar a perda auditiva. O BIAP, uma classificação internacional que tira uma média dos resultados a partir de uma audiometria, é amplamente usado para diagnósticos de perda auditiva. O ASHA é um critério mais rigoroso, que classifica alterações muito pequenas como perda auditiva.

“Mesmo na classificação BIAP, essas crianças e adolescentes apresentaram uma prevalência muito alta de perda auditiva: 35,8%. Pela ASHA, a prevalência chegou a 59,4%. Estudos de base populacional feitos no Brasil mostram que, entre as crianças sem HIV-Aids, a prevalência de perda auditiva pode ir de 2% a 20%, dependendo do critério”, disse Silva.

A otite média supurada, segundo Silva, apareceu como um fator de risco para a perda auditiva. Foi detectada também uma correlação entre a perda auditiva e o uso do antirretroviral Lamivudina.

“As crianças que tiveram otite média supurada tiveram uma prevalência maior de perda auditiva, assim como as que utilizaram a Lamivudina. Tanto os indivíduos que apresentaram a inflamação, como os que utilizaram o antirretroviral, apresentaram uma chance seis vezes maior de apresentar perda auditiva”, afirmou.

A partir das conclusões do estudo, Silva recomenda que as crianças com HIV-Aids tenham acompanhamento em longo prazo e que sejam avaliadas periodicamente em relação à perda auditiva.

“Essas crianças têm o sistema imunológico muito debilitado e necessitam de um cuidado especial. O ideal seria que, no serviço público, essas crianças fossem valiadas a cada seis meses com uma audiometria, a fim de acompanhar a evolução do quadro antes que a perda auditiva se estabeleça”, declarou.

No estudo sobre a dieta, Tanaka utilizou os dados referentes a entrevistas com 88 indivíduos de 10 a 19 anos, portadores de HIV-Aids, atendidos pelo Instituto da Criança. A metodologia consistiu em aplicar uma adaptação brasileira do Índice de Qualidade da Dieta, que avalia consumo de itens como frutas, vegetais, óleos, cereais, cereais integrais, gorduras saturadas, sódio e outros.

“Alguns valores chamaram a atenção. Verificamos que 72% dos adolescentes não consomem cerais integrais. O consumo aumentado de sódio ocorre em 86% dos entrevistados. Também verificamos médias baixas para consumo de frutas e calorias provenientes de gorduras sólidas”, disse Tanaka.

Segundo Tanaka, os valores apresentados indicam uma dieta de baixa qualidade que, no entanto, não difere da dieta típica dos adolescentes brasileiros não portadores do HIV-Aids. De acordo com ela, o estudo indica que há necessidade de uma melhora da dieta entre os jovens infectados.

“A literatura internacional mostra que a terapia antirretroviral pode contribuir para o aumento de gordura na região abdominal e pode estar associada a valores aumentados de colesterol ruim. Por isso, muitos desses adolescentes estão submetidos a riscos maiores que a população não infectada quando se alimentam mal. Entretanto, a forma como eles se alimentam é semelhante”, declarou.

O estudo, segundo Tanaka, recomenda que o tratamento dos jovens portadores de HIV-Aids não seja focado apenas no rigor da terapia com antirretrovirais, mas que leve em conta a qualidade de vida dos pacientes, preocupando-se de forma geral com a alimentação, a atividade física, a perda auditiva e o surgimento de doenças oportunistas.

Fonte SaudeWeb

Síndrome disfórica ou transtorno disfórico pré-menstrual?

Você sabe diferenciar os tipos de TPM? Especialista tira dúvidas e dá dicas sobre tratamentos e atividades que ajudam a melhorar os sintomas.

Quando o assunto é TPM – síndrome disfórica, ou síndrome pré-mentrual – não há mulher que não tenha sentido pelo menos um dos quase cem sintomas relacionados à condição. Entre estes sinais estão irritabilidade, ansiedade, labilidade emocional, sensação de perda de controle ou estar no limite, tensão e humor deprimido. Alterações no sono, fadiga, aumento do apetite ou vontade de comer doces, salgados ou chocolate, dificuldade de concentração e sensação de inchaço também fazem parte da lista.

A TPM é, portanto, a presença cíclica de sintomas físicos e psicológicos na segunda fase do ciclo menstrual, mas que desaparecem com a menstruação. “Para definição de TPM, os critérios mais usados são os adotados pelo Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia (American College of Obstetrics and Gynecology – ACOG). Esses critérios foram desenvolvidos pela Universidade da Califórnia em San Diego (UCSD) e o Instituto Nacional de Saúde Mental (National Institute of Mental Health – NIMH)”, explica a ginecologista e obstetra Patrícia de Rossi, da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (Sogesp).

Os critérios diagnósticos são:

· Um ou mais sintomas afetivos (depressão, explosões de raiva, irritabilidade, ansiedade, confusão, isolamento social) e somáticos (sensibilidade mamária, sensação de distensão abdominal, cefaleia, edema de extremidades) durante os cinco dias antes da menstruação nos últimos três ciclos menstruais;

· Os sintomas devem melhorar até o quarto dia de menstruação e não acontecer até o 13º dia do ciclo;

· Os sintomas devem estar presentes na ausência de terapia farmacológica, ingestão hormonal, uso de álcool ou drogas;

· Os sintomas ocorrem em dois ciclos avaliados prospectivamente;

· Os sintomas causam disfunção no desempenho social ou econômico.

Transtorno disfórico pré-menstrual
Mas, quando os sintomas mais significativos são os psicológicos causando grande impacto no dia a dia, pode se tratar de transtorno disfórico pré-menstrual, uma forma mais severa da TPM que acomete de 3% a 5% das mulheres.

“Os critérios mais importantes para diagnóstico não são os sintomas predominantes, mas o padrão cíclico, a gravidade dos sintomas e o quanto eles afetam a vida diária”, diz a ginecologista.

Patrícia explica que, assim como na TPM, não existe um teste objetivo para diagnóstico da TDPM. A identificação é baseada no histórico médico e psiquiátrico completo da paciente. A Associação Americana de Psiquiatria estabeleceu a definição e critérios para o diagnóstico do “transtorno disfórico da fase lútea tardia”, que foram utilizados posteriormente para a definição de TDPM no DSM-IV-R (Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais).

“Uma anamnese detalhada é necessária para estabelecer o diagnostico e o diferencial com doenças mentais (principalmente transtornos do humor e ansiedade), anemia e doenças tireoidianas.”

Ela lembra ainda que é preciso verificar se estes sintomas não são, na realidade, a piora de sintomas de problemas físicos ou relacionados à saúde mental que a mulher já tem, como enxaqueca, síndrome do pânico, depressão, transtorno bipolar do humor. “Se não houver resolução dos sintomas depois do começo da menstruação, a hipótese de TPM nessas pacientes está afastada”, diz.

ABC da TPM?
Recentemente se popularizou um conceito de quatro tipos de TPM, que seriam combatidos com mudanças, principalmente na alimentação, e prática de exercícios. Mas Patrícia explica que esta classificação por tipos não é consenso. “Muito pelo contrário. Este conceito surgiu na década de 1980, quando o pesquisador Guy Abraham estudou perfis nutricionais como causa dos sintomas. Li relatos associando essa classificação à Organização Mundial da Saúde, mas não encontrei as referências originais. Vários suplementos nutricionais foram estudados para uso na TPM, porém não há resultados consistentes”, explica Patrícia.

A ginecologista diz que, de forma geral, o tratamento inicial da TPM deve incluir medidas não farmacológicas. A orientação da paciente e seus familiares ajuda a entender a síndrome e os cuidados que devem ser tomados para sua melhora. “Dentre as orientações iniciais, deve ser ressaltada a redução do estresse, repouso adequado e atividade física. Por exemplo, exercícios aeróbicos podem melhorar o humor e a retenção hídrica.”

Alimentação
Orientações alimentares podem melhorar vários sintomas da TPM. “Diminuição do consumo de cafeína reduz a irritabilidade e a insônia; menor ingestão de sal diminui o inchaço, a mastalgia e o ganho de peso”, diz Patrícia de Rossi.

Refeições frequentes com carboidratos complexos minimizam os distúrbios alimentares e a ocorrência de hipoglicemia. Outras orientações incluem moderação na ingestão de açúcar refinado e aumento do consumo de proteínas e vitaminas.

Interrupção da menstruação
Em casos mais extremos, algumas mulheres optam pela interrupção da menstruação, como forma de se verem livres dos sintomas da TPM. Esta pode ser uma opção também para quem sofre de TDPM.

Segundo Patrícia de Rossi, a melhor forma de interromper a menstruação é com uso contínuo (sem intervalo) de contraceptivos orais combinados. “Para isso, é necessário que todos os comprimidos tenham a mesma fórmula e dose. Obviamente, mulheres com contraindicações aos hormônios da pílula combinada não podem utilizar esse esquema”. Fazem parte deste grupo as mulheres com enxaqueca com aura (um sintoma específico, geralmente visual, que antecede a crise), antecedente de trombose, câncer de mama e fumantes com mais de 35 anos.

Outro método usado para interromper ou reduzir a menstruação é o dispositivo intrauterino de levonorgestrel. Mas, segundo a ginecologista, este método não apresenta a eficácia equivalente e não é indicado para o tratamento específico da TPM.

“Há um anticoncepcional oral que mostrou em estudos ser eficaz para alívio dos sintomas da TPM e TDPM (Yaz®, Bayer), mas uma revisão tipo metanálise da Cochrane Review não foi capaz de mostrar diferenças significativas entre essa pílula e outras formulações. Na prática, é uma opção válida”, indica.

Uso contínuo não afeta fertilidade
O uso de anticoncepcional oral combinado de forma contínua, afirma Patrícia, não gera danos para a saúde. “A composição da pílula, com os dois principais hormônios produzidos pelos ovários (estrogênio e progestogênio), tem uma atuação equilibrada no endométrio que se sustenta enquanto a mulher tomar a pílula.”

Ao interromper o uso, há uma brusca redução dos níveis hormonais que “sustentam” o endométrio e ocorre um sangramento semelhante à menstruação. “Portanto, o uso contínuo não produz ‘sangue’ demais ou outras ideias estranhas como ‘ir para a cabeça’”, diz.

Da mesma forma, o uso contínuo de contraceptivos hormonais combinados não afeta a fertilidade, da mesma forma como as mulheres que tomam a pílula irregularmente conseguem engravidar quando interrompem o uso. “Na verdade, as pílulas bloqueiam o estímulo de hormônios da hipófise e “repousam” os ovários. Creio que as pessoas acabam confundindo, porque algumas mulheres param de tomar pílula e imaginam engravidar automaticamente, fato que não ocorre nem mesmo naquelas que não usam nenhum método e que obviamente depende da idade da mulher”, conclui.

Fonte O que eu tenho

Má qualidade do sono está relacionada com demência

Dormir duas horas a mais ou a menos favorece o declínio cognitivo, aponta estudo

Quem tem sono de má qualidade pode ter problemas que vão muito além do que a sonolência e o mau humor do dia seguinte: um estudo feito por pesquisadores da Brigham and Women's Hospital in Boston (EUA) sugere que dormir tanto poucas horas quanto muitas está relacionado à deterioração mental e a doença de Alzheimer. O ideal seria dormir entre seis e oito horas diárias. Os resultados serão apresentados na reunião anual da Associação de Alzheimer, em Vancouver, Estados Unidos.

A pesquisa examinou dados de mais de 15.000 mulheres com idades acima dos 14 anos e apontou que aquelas que dormiam menos de cinco horas ou mais de nove horas por dia tiveram um pior funcionamento mental do que as participantes que dormiram sete horas por dia. Dormir mais ou menos que o recomendado foi equivalente a dois anos a mais de envelhecimento cognitivo. O estudo também mostrou que mulheres que dormiam sete horas por dia no início, mas que depois mudaram o seu comportamento de sono, também apresentaram declínio cognitivo.

De acordo com os pesquisadores, os resultados abrem caminho para estudar melhor como o sono interfere no desenvolvimento cognitivo, mas ainda não estabeleceram uma relação de causa e efeito. O estudo ainda precisa ser revisado para ser publicado em uma revista científica.

Durma melhor com essas nove dicas
Dormir bem melhora o humor, a memória, previne doenças e faz você viver mais. A ciência não para de comprovar os benefícios de uma noite bem dormida. Mas a falta de sono costuma ser um problema para muitos. Às vezes, basta alguma mudança simples nos hábitos antes de dormir, no travesseiro ou no colchão para resolver este drama. Confira as dicas abaixo.

1. Use sempre travesseiro
A melhor posição para dormir é de lado. Assim, a coluna fica longe das dores e os músculos também. A altura do travesseiro tem que ser igual à distância entre o pescoço e a parte externa do braço. Já para quem dorme com a barriga para cima, o melhor é levar para a cama um apoio mais baixo, preenchendo o espaço entre o pescoço e a nuca. O travesseiro deve ser trocado, no mínimo, a cada dois anos.

2. Evite se deitar de bruços
A pessoa que dorme de barriga para baixo acorda cansada e toda dolorida, pois o rosto não pode ficar afundado no travesseiro. Além disso, as regiões torácica e a lombar são prejudicadas nessa postura.

3. Colchão sem pressão
"O colchão ideal para um sono tranquilo não pode ser muito macio nem muito firme", ensina a diretora da Copespuma, Gisele Sapiro. Prefira os de látex, que se adaptam com perfeição aos contornos do corpo, aliviando os pontos de pressão.

4. Procure relaxar
Não vá para a cama assim que chegar do trabalho. Primeiro tome um banho morno, procure relaxar, para só então ir se deitar.

5. Desligue a TV e o computador
A luz desses aparelhos atrasa a produção das substâncias responsáveis pelo aviso de que é hora de dormir.

6. Exercícios físicos com atenção
Você deve praticar atividades físicas somente até quatro horas antes de ir dormir, ou o corpo ainda estará agitado, prejudicando o sono.

7. Beba chá ou leite
No caso do chá caso, é preciso escolher as ervas certas. Nada de tomar chá preto ou verde, ricos em cafeína, que é estimulante. Prefira os chás de melissa e camomila, que induzem ao sono e melhoram a sua qualidade. Quanto ao leite, ele é rico em triptofano, substância que ajuda o corpo a relaxar e dormir melhor.

8. Faça refeições leves
Faça uma refeição com alimentos leves, como aspargos, palmito, arroz, batata, aveia e soja. Tomar sopas com esses ingredientes é uma excelente pedida. Aquele bife gigante jamais deve ser comido à noite, porque o excesso de proteína animal ativa o sistema nervoso simpático, responsável por deixar seu corpo em estado de alerta.

9. Cuidado com o álcool
Após alguns goles, o álcool pode afrouxar estruturas da região da faringe, comprometendo a respiração. O resultado é o ronco, que prejudica as fases do sono, fazendo a pessoa acordar várias vezes no meio da noite.

Fonte Minha Vida