Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Use a inteligência social para alavancar sua carreira

Veja dicas de especialistas para se relacionar melhor e ganhar pontos no ambiente de trabalho

Que tal transformar todas as horas gastas em redes sociais num instrumento poderoso para achar uma oportunidade de trabalho incrível? Já pensou em usar sua habilidade como ombro amigo para conseguir um aumento? Habilidades como essas tornam-se competências fundamentais para avaliar sua inteligência social, um conceito novo definido como a capacidade de lidar com as outras pessoas e entender os sentimentos alheios.

Cada vez mais valorizadas em ambientes de trabalho, as habilidades sociais podem ser a diferença entre crescer profissionalmente ou permanecer estagnado. “Se um gênio acadêmico ou técnico aumenta sua habilidade social, torna-se um profissional imbatível”, afirma Alexandre Bortoletto, instrutor da SBPNL – Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística.

O conceito é um desdobramento e uma ampliação da teoria das inteligência múltiplas do psicólogo norteamericano da Universidade de Harvard, Howard Gardner. No livro "Estruturas da Mente", Gardner descreve inteligência como a capacidade humana de criar e de resolver problemas e afirma que existem vários tipos de inteligência, todos igualmente importantes.

A teoria das inteligências múltiplas já deu origem a pelo menos um best seller, "Inteligência emocional", de Daniel Goleman, que fez sucesso nos anos 1990.

Nesse seu novo livro “Inteligência Social”, Daniel Goleman, afirma que o modo como interagimos influencia nosso comportamento e o funcionamento do corpo, com impactos até na neuroquímica do humor, por exemplo. Além de literalmente, fazer bem para nós, valores positivos, como empatia, altruísmo e generosidade têm poder de nos conectar com outras pessoas e trazem ganhos sociais. E a melhor maneira de desenvolvê-los é praticando. “Mudanças grandes de ambiente são necessárias para desenvolver habilidade sociais”, diz Bortoletto.

A professora doutora da FEA-SP e coordenadora do Programa de Vida e Carreira, Tania Casado, no entanto, embora cautelosa em relação a 'termos da moda', concorda. Habilidades sociais, interesse pelos outros e capacidade de estabelecer relações são e sempre foram importantes nas empresas.

Agora preste atenção nas dicas dos especialistas para melhorar suas habilidades sociais no trabalho

Tente imaginar como as pessoas vêem você
Não existe um padrão para uma apresentação pessoal correta: isso depende do meio profissional. Terno bem cortado, postura e linguagem formal podem destoar num ambiente mais descolado, como uma agência de design. A regra é mimetizar. Se quiser ser sempre convidado para o almoço com o pessoal do escritório (e lembrado em projetos e indicações para vagas no futuro), preste atenção na forma que as pessoas se vestem, falam e os assuntos preferidos. Mesmo que não sejam os seus, vale a pena fazer pequenos ajustes.

Além do networking, tente causar impressões positivas
Fazer e manter contatos profissionais são componentes da inteligência social, mas não dizem tudo. Todo contato precisa ser associado a uma experiência positiva com o outro. Emails ou ligações inconvenientes podem mais fazer estrago do que trazer benefícios.

Ter um elogio pertinente a algum trabalho recente na ponta da língua ou fazer um comentário interessante podem ajudar o outro a lembrar de você positivamente. “Não significa bajular. A melhor forma de não ser mal interpretado é ter um plano de ação para seu crescimento pessoal”, diz Richeli Sachetti, coach e instrutora da Sociedade Brasileira de Coaching.

Empatia é a palavra-chave para se aproximar de alguém. “Se uma pessoa que fala muito rápido, ao conversar com uma outra, que fala muito devagar, conseguir desalecerar, também vai conseguir entrar na mesma sintonia do outro”, lembra Alexandre. É o tal do “rapport”, expressão francesa que significa estabelecer uma conexão. Uma dica de João Oliveira é escutar mais do que falar. “A briga começa porque alguém interrompe o outro. Quem tem escuta passiva é amigo de todo mundo”, diz o especialista.

A professora Tania Casado lembra que o sucesso de uma rede profissional depende da simetria na relação.

“Ninguém constrói uma rede sem ter reputação e reciprocidade. Não adianta querer que a rede se mobilize a seu favor, se você não se coloca a disposição dela”, afirma. Ou seja, é preciso ser generoso e disponível para poder contar com os outros. “Isso transmite éticas e valores, porque ninguém chega lá sozinho”, lembra Sachetti.

Mantenha-se conectado com o mundo e use as redes sociais com inteligência
Redes sociais são uma ótima oportunidade para alimentar a engrenagem social a favor da carreira. São um poço de informações sobre cultura organizacional das empresas, perfis profissionais e pessoais, que podem ser usadas para estreitar laços e se adaptar a ambientes. Como num happy-hour, o clima é informal e mais próximo, mas deve-se ter cuidado com gafes, já que o vexame online nem sempre pode ser deletado.

É importante saber ser relevante também. “Quem não tem algum amigo que só posta bobagens? Correntes, solicitações, recomendações: as pessoas perderam a noção e abusam, tratam a rede de relacionamentos com pouco respeito”, afirma Tania. Postar conteúdo de qualidade e ser atencioso com as pessoas é o melhor caminho para se tornar referência e ganhar influência.

Descubra o que o seu corpo fala
João Oliveira, autor do livro “Saiba Quem Está à Sua Frente” (Wak Editora), é especialista em linguagem corporal e dá cinco dicas para você pôr em prática no trabalho. “A mais importante é mover menos as mãos. Quem mexe muito as mãos demonstra ignorância lingüística, faltam símbolos verbais”, diz Oliveira. Sorrir é importante, mesmo que o sorriso não seja 100% espontâneo. “As pessoas correspondem”, diz. Mantenha a postura e o ângulo da cabeça em 90º. “Isso demonstra que você é seguro de si.” Ao andar, o ideal é não balançar os braços. Por fim, numa entrevista ou reunião, não bloqueie com bolsa e objetos o caminho entre você e o interlocutor.

Saiba falar, ouvir e, sobretudo, perguntar
Feedback no fundo é como um jogo onde é preciso saber falar, ouvir e perguntar. “Se eu me relaciono bem, escuto melhor meu colega, recebo e dou feedback melhor”, afirma Bortoletto. Richeli Sachetti, coach e instrutora da Sociedade Brasileira de Coaching, afirma que muitas vezes saber onde melhorar é um enigma. “Quando a pesssoa não sabe em qual aspecto ela precisa melhorar, precisa pedir feedbacks específicos”, diz Sachetti. Em outras palavras, quanto mais concretos os exemplos de atitudes e comportamentos que devem ser trabalhados, maiores as chances do feedback trazer mudanças concretas. É preciso saber falar e ouvir de forma racional, de maneira não ofensiva e sem levar comentários para o lado pessoal. “Receber e dar feedbacks são dois lados do mesmo aprendizado. Quem sabe receber críticas e feedback também sabe dar feedback. Eu melhoro para ouvir quando eu aprendo a falar”, recomenda Bortoletto.

Fonte iG

Download: Guia do cuidador de pacientes acamados

Esta é uma  cartilha indicada para quem é cuidador de pacientes acamados. Elaborada em 2010 e distribuída pelo Ministério da Saúde e Instituto Nacional do Câncer, esta cartilha traz algumas informações importantes para orientar o cuidador do paciente que está em casa ou no hospital.



 
             

Download: Livro - Higienização das mãos em Serviços de Saúde - Anvisa - 2007

pdf


Download Now  

Círculo virtuoso: familiares de pessoas que fizeram cirurgias de redução de estômago têm maior propensão a emagrecerem também

Familiares de pessoas que fizeram cirurgia para redução de estômago podem acabar perdendo peso também, assim como se engajarem em rotinas de exercícios e uma melhor alimentação.

É isso o que indica um estudo recente sobre o tema, feito por pesquisadores da Universidade de Stanford, nos EUA, e que acompanhou as famílias de 35 pacientes que se submeteram ao procedimento de redução de estômago (a chamada “cirurgia de bypass em y”).

Os membros das famílias desses indivíduos obesos chegaram a emagrecer até 3,6 Kg em média, afirmam os pesquisadores. Da mesma maneira, as crianças dessas famílias também diminuíram seu índice de massa corpórea (IMC).

“Os familiares podem acabar perdendo peso por estarem próximos da pessoa em tratamento contra a obesidade, o que quer dizer que acabam assimilando uma dieta mais restrita, normalmente indicada pelos médicos no pré e pós-operatório”, explica John Morton, um dos autores do estudo publicado no periódico Archives of Surgery.

De acordo com os pesquisadores, os indivíduos adultos dessas famílias, após um ano de acompanhamento, haviam modificado seus hábitos alimentares, diminuindo os consumos alimentares de fundo emocional e os episódios de descontrole alimentar. Tanto adultos quanto crianças indicaram que haviam aumentado seus níveis de atividades físicas no período. Isso também contribuiu para um aumento no nível metabólico desses indivíduos.

O efeito observado é um “círculo virtuoso” que já foi indicado por outros estudos envolvendo fumantes: quando a esposa ou o marido param de fumar o outro parceiro tem enormes chances de fazer o mesmo. Da mesma forma, há efeitos de “círculos viciosos”, onde pessoas próximas ganham peso quando um amigo tem maior descontrole alimentar ou é obeso.

Se outras pesquisas confirmarem que a cirurgia bariátrica tem esse tipo de efeito benéfico para a família dos indivíduos operados, dizem os pesquisadores, seria importante que os médicos responsáveis começassem a pensar em implantar programas de apoio aos familiares, potencializando o efeito do círculo virtuoso desse tipo de cirurgia.

Fonte O que eu tenho

Música ajuda a aliviar as dores, confirma pesquisa

Alguns estudos já indicaram que distrações causam alívio momentâneo nas dores que um indivíduo possa estar sentindo. A conclusão de uma pesquisa recente comprova que a música é uma dessas distrações, e é efetiva em especial para pessoas altamente ansiosas e que sofrem com dores.

O estudo, que foi publicado no periódico The Journal of Pain, foi feito por pesquisadores da Universidade de Utah, nos EUA, e avaliou a hipótese inicial dos benefícios da música para dispersar a atenção durante testes com estímulos dolorosos.

Os experimentos foram feitos com mais de 140 indivíduos. Durante os testes eles foram instruídos a ouvir uma série de músicas, se concentrar nas melodias e identificar variações tonais. Paralelamente, eles recebiam pequenos choques elétricos na ponta dos dedos.

A pesquisa confirmou que a sensibilidade e o incômodo com a dor diminuíam enquanto eles ouviam as músicas e se concentravam nas tarefas propostas pelos pesquisadores. Ao que parece, a música ativa certos caminhos sensoriais no cérebro, estimulando respostas emocionais e ativando a atenção cognitiva nesse processo.

A música, portanto, é comprovadamente um método para auxiliar a transformar uma tarefa intelectual em um método efetivo de desviar a atenção de uma dor.

E o mais surpreendente foi que as pessoas com as melhores respostas nesses testes foram aquelas avaliadas pelos pesquisadores como bastante ansiosas. Essas pessoas se mostraram concentradas na música de tal forma que mal podiam indicar se haviam sentido algum tipo de dor durante o processo.

De acordo com os autores, isto pode indicar que outros métodos para aliviar a ansiedade também podem contribuir para diminuir as dores. Os resultados também indicam que os métodos para aliviar sintomas dolorosos deveriam levar em conta as características de personalidade de cada pessoa e isso deve ser o tema de próximas pesquisas.

Fonte O que eu tenho

SP: noivos vão à Justiça para liberar cigarro

Segundo o Procon, 17 dos 21 casais que acionaram a Jjustiça conseguiram anular os efeitos da lei / Tiago Queiroz/AE
AE
Nos últimos três anos, 21 casais entraram com processos, sendo que 17 deles conseguiram anular os efeitos da lei

Alguns paulistanos estão recorrendo à Justiça para que os convidados possam fumar em festas de casamento sem ser incomodados pela lei antifumo.

Nos últimos três anos, 21 casais entraram com processos, a maior parte em 2011, segundo a “Folha de S. Paulo”. O Procon diz que 17 deles (80%) conseguiram anular os efeitos da lei.

As festas acontecem em salões tradicionais da cidade, como o do Jockey Club. O argumento que tem convencido os juízes é de que o casamento não é um evento de acesso livre, diferentemente dos bares.

Fonte Band

Custo de remédios pode diminuir 11%

Entre as classes terapêuticas que podem ser contempladas estão remédios para o tratamento de câncer, hipertensão e antibióticos

A Receita Federal vai incluir novos remédios na chamada “lista positiva”, que conta com medicamentos que têm isenção de PIS (Programa de Integração Social) e Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social). Com isso, os preços desses remédio podem cair 11%.

Em novembro de 2011, o Sindusfarma (Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo) solicitou à Cmed (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos) e ao Ministério da Saúde a inclusão de mais 346 princípios ativos à lista.

Entre as classes terapêuticas que podem ser contempladas estão remédios para o tratamento de câncer, hipertensão, diabetes, antibióticos, antialérgicos, contraceptivos, anti-hemorágicos, redutores de colesterol, calmantes, vacinas, osteoporose e outros.

De acordo com a Receita, a minuta de decreto deve ser concluída nas próximas semanas, mas o prazo de publicação depende do Ministério da Fazenda e da Casa Civil.

Fonte Band

Teste de osteoporose pode ter intervalo de 15 anos, diz estudo

A osteoporose progride de forma tão lenta que quem faz o primeiro teste e tem resultado normal aos 65 anos pode esperar até 15 anos para a próxima densitometria óssea.

É o que diz um novo estudo publicado nesta semana na revista médica "New England Journal of Medicine".

A pesquisa faz parte de uma iniciativa ampla que vem reavaliando a forma de diagnosticar e tratar a doença, que pode causar fraturas de quadril e vértebras.

A classe de drogas conhecida como bisfosfonatos consegue prevenir fraturas em quem tem osteoporose. Mas os médicos não querem mais que as mulheres, mais afetadas após a menopausa, tomem as drogas para sempre.

Agora, com o novo estudo, os pesquisadores se perguntam também se faz sentido pedir exames frequentes de densitometria para uma maioria que não está nem perto da zona de perigo após o teste inicial.

"A densitometria óssea tem sido exagerada", afirma Steven Cummings, um dos autores do estudo e professor de epidemiologia na Universidade da Califórnia (EUA).

Editoria de arte/Folhapress
Pesquisa
A pesquisa acompanhou, por mais de uma década, 5.000 mulheres a partir de 67 anos. Logo que foram recrutadas, elas fizeram um exame de densitometria. Nenhuma tinha osteoporose.

Menos de 1% das mulheres com densidade óssea normal no primeiro teste desenvolveram a doença nos 15 anos seguintes. Entre as que tinham densidade um pouco baixa no teste, 5% ficaram com osteoporose depois desse período. No grupo com o pior resultado, 10% ficaram com a doença depois de um ano.

Segundo Joan McGowan, do Instituto Nacional de Artrite dos EUA, o estudo dá provas de que se a pessoa tem densidade óssea normal aos 60 ou 70, não vai ter osteoporose nos próximos cinco anos a não ser que alguma coisa aconteça. Essa coisa pode ser o uso de remédios como cortisona ou ter doenças que afetem os ossos. Mas a médica diz que a recomendação do estudo vale para a maioria.

Segundo o ginecologista Mauro Abi Haidar, chefe do departamento de climatério da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a pesquisa está em sintonia com achados recentes. "Pesquisas anteriores mostraram que não faz diferença esperar dois ou três anos entre os exames."

A recomendação de tomar remédios para mulheres com densidade óssea um pouco abaixo do normal, condição chamada de osteopenia, também está entrando em desuso.

Hoje, diz Ethel Siris, pesquisadora de osteoporose na Universidade Columbia, a osteopenia é vista como um fator de risco e não como uma doença a ser tratada.

Ela lembra, no entanto, que mulheres ou homens que já sofreram fraturas graves (de vértebras, quadril, ombro, pélvis ou punho) precisam levar a doença a sério e se tratar. "Mas não há risco imediato para quem tem resultados normais nos testes."

Fonte Folhaonline

Remédios antigos: Agarol

Prescrição inadequada de antibióticos aumenta resistência e dificulta tratamento de doenças respiratórias

Estudo da Unifesp mostrou que remédios mais prescritos não apresentaram a resposta esperada


Pesquisa realizada na cidade de São Paulo sugere que os médicos estão prescrevendo antibióticos em doses menores do que as que seriam adequadas ou que são ineficazes para o tratamento de doenças respiratórias, como pneumonia, faringite e sinusite. O risco da prescrição de antibióticos em doses inadequadas ou errados para o tipo de doença é o aumento da resistência ao medicamento e, consequentemente, uma maior dificuldade no tratamento.

A conclusão é de uma simulação feita pelo Laboratório Especial de Microbiologia Clínica da Unifesp. Os resultados foram publicados na revista científica BMC Infectious Diseases.

— A resistência ocorre porque a pessoa ingere a droga, mas não elimina as bactérias. Assim, elas podem ser transmitidas entre as pessoas — diz o infectologista Carlos Kiffer, autor da pesquisa.

Por meio de um modelo matemático (simulação de Monte Carlo), os pesquisadores compararam as prescrições de antibióticos e os efeitos das doses nos três tipos mais comuns de bactérias: Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae e Moraxella catharralis. O estudo teve como amostra receituários emitidos por 400 médicos de São Paulo — os dados referem-se a prescrições feitas na comunidade e não em hospitais e foram informados pela IMS Health. Foram analisadas as receitas, o tipo de infecção diagnosticada e as doses de antibiótico recomendadas.

Os resultados sugerem que os antibióticos mais prescritos não apresentaram a taxa de resposta esperada (acima de 90%). São eles: Azitromicina, ( 27,4% das prescrições), seguido do Amoxicilina (15,4%) e do Levofloxacina (14,7%). Os pesquisadores esperavam um índice alto de sucesso nos antibióticos mais comuns, mas observaram uma boa taxa de resposta só em três das drogas prescritas: Gatifloxacina, Moxifloxacina e Amoxicilina-Clavulanato. Elas figuram entre as menos prescritas no ranking.

Riscos
De acordo com o pesquisador, as infecções respiratórias costumam ter baixa morbidade: cerca de 70% a 80% dos pacientes conseguem resolver o problema espontaneamente. O problema, explica, são os outros 20% a 30% de doentes, que podem ter alguma complicação e, por isso, precisam receber a dose correta do medicamento. Se houver resistência à droga, o tratamento será mais difícil.

O infectologista Antônio Carlos Pignatari, professor titular da Unifesp, diz que os resultados demonstram que é necessário que os médicos reconsiderem o tipo de terapia que estão recomendando.

Para Kiffer, no mundo ideal, o correto seria o médico colher material do paciente, examinar e identificar se o problema é causado por vírus ou bactéria. E, de acordo com o resultado, prescrever o antibiótico correto para aquela doença.

— Mas estamos longe do mundo ideal. Raramente são colhidos exames e a disponibilidade de testes rápidos ainda é limitada. Mesmo quando se colhem exames, os resultados demoram cerca de 72 horas para ficarem prontos. E o médico não vai esperar, ele vai e, muitas vezes, deve medicar o paciente na hora — diz.

Renato Grinbaum, infectologista do Hospital Beneficência Portuguesa, diz que a simulação de Monte Carlo traz sugestões e não resultados definitivos — que só poderiam ser comprovados por meio de estudos clínicos.

— Os resultados sugerem que as dosagens deveriam ser individualizadas. Como é quase impossível fazer isso com os pacientes, a sugestão é usar esses antibióticos em doses um pouco maiores. O problema é que dose maior pode aumentar efeito colateral, e isso o estudo não demonstra — avalia Grinbaum.

Fonte ZeroHora

Mais agressivo que a TPM, Transtorno Disfórico Pré-Menstrual (TDPM) atinge 10% das brasileiras

Problema impede que mulheres realizem atividades cotidianas, como trabalhar

Mudanças de humor, nervos à flor da pele, ansiedade, choro fácil. Estes sintomas são velhos conhecidos das mulheres que sofrem de Tensão Pré-Menstrual (TMP). Mas o que muitas desconhecem é o Transtorno Disfórico Pré-Menstrual (TDPM), responsável pela alteração de humor em cerca de 10% das mulheres brasileiras em idade produtiva.

Mais agressivo que a TPM, o transtorno priva a mulher de viver, uma vez que ela se sente incapaz de desempenhar suas funções diárias, sofre intensos ataques de oscilação de humor e súbita vontade de isolamento, garante a ginecologista Carolina Ambrogini, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

— A serotonina é o neurotransmissor responsável pela regulação do humor e, com a proximidade da menstruação, a produção desse agente e dos hormônios caem, e a mulher torna-se instável — define a especialista.

Assim como na TPM, a TDPM altera o ritmo de vida por, no mínimo, uma semana. Mas os cuidados precisam ser redobrados, com máxima atenção a sintomas como o humor depressivo, a ansiedade, a falta de concentração, o inchaço corporal e a enxaqueca.

Enquanto na TPM as mulheres ficam alteradas e apresentam um leque de sintomas, na TDPM elas se tornam literalmente incapacitadas: desempenhar funções corriqueiras como trabalhar, por exemplo, pode se tornar uma tarefa difícil. Segundo a ginecologista, as mulheres mais aptas a desenvolver o problema são aquelas que "apresentam quadros de depressão, estresse, desequilíbrio de serotonina, ansiedade e distúrbios psicológicos, como a síndrome do pânico".

Tratamento
A prática de exercícios físicos e o simples ato de consumir um chocolate podem aliviar os efeitos da TPM. Já na TDPM as recomendações são outras. Por tratar-se de um distúrbio de neurotransmissores, não se pode falar em cura. Visto que nenhum exame pode detectar o problema, o diagnóstico realizado é clínico, e a paciente deve descrever, principalmente, os sintomas relacionados ao humor.

— O tratamento recomendado é o uso de antidepressivos, que aumentam o nível de serotonina no organismo. No entanto, existem mulheres que preferem bloquear a menstruação por meio do uso contínuo de pílulas — esclarece a médica.

Algumas recomendações ajudam a amenizar os efeitos agressivos do transtorno. Evitar chocolate, doces e cafeína são importantes, já que estes alimentos estimulam a produção de serotonina. Os exercícios aeróbicos também são aconselháveis, uma vez que propiciam a liberação de endorfina no corpo. Praticar ioga também é uma ótima dica, pois age como um calmante para os nervos.

A chegada da menstruação ameniza os sintomas, o que não significa que a mulher está livre do incômodo. O tratamento demanda tempo, paciência, e é importante que a mulher fuja de situações que possam agravar o seu estado de estresse.

Fonte Zero Hora

Saiba como se defender do câncer de pele

 

Pessoas de pele clara, com mais de 40 anos, são as principais vítimas da doença


É inevitável a exposição ao sol no verão. Mas é preciso estar protegido para encarar os raios untravioletas e prevenir o câncer de pele nesta época do ano.

Comum entre pessoas com mais de 40 anos, o câncer de pele acomete, principalmente, indivíduos de pele clara, sensíveis à ação dos raios solares, ou com doenças cutâneas prévias, explica a médica oncologista Letícia Carvalho. Em crianças e negros, com exceção daqueles que apresentam doenças cutâneas prévias, a incidência da doença é relativamente rara.

Responsável por 70% dos diagnósticos da doença, o carcinoma basocelular é o câncer de pele mais frequente, seguido do carcinoma epidermóide, com 25% dos casos, e o melanoma, detectado em 4% dos pacientes. Embora as áreas de maior incidência da doença sejam aquelas mais expostas ao sol, como face, orelhas, colo, braços e mãos, ela também pode surgir em regiões cobertas, como dorso e pernas.

De acordo com a especialista, o principal tratamento da doença consiste na remoção cirúrgica da lesão. Tratamento tópico ou radioterapia também podem ser realizados. Mas o procedimento recomendado fica à critério do medico, que leva em conta o tamanho, a topografia da lesão e o subtipo de câncer de pele.

O índice de cura do câncer de pele varia de acordo com o tipo de câncer. Porém, o mais importante é o diagnostico precoce da doença. O médico deve ser consultado no surgimento de qualquer lesão suspeita o mais rápido possível.
Conheça os sintomas
:: Aparência elevada e brilhante, translúcida, avermelhada, castanha, rósea ou multicolorida na pele;

:: Surgimento de uma pinta preta ou castanha que muda de cor, textura, torna-se irregular nas bordas e aumenta de tamanho;

:: Aparecimento de mancha ou ferida que não cicatriza e que tende a crescer, apresentando coceira, crostas, erosões ou sangramento.

Dicas para se proteger da doença

::
Não se exponha ao sol sem proteção;

:: Evite a exposição nos horários em que os raios ultravioletas são mais intensos: das 10h às 16h;

:: Use protetor solar diariamente. O ideal é que o Fator de Proteção Solar (FPS) seja, no mínimo, 15;

:: Reaplique o filtro solar a cada duas horas;

:: Ao praticar atividades ao ar livre, utilize também óculos escuros e chapéu.

Fonte Zero Hora

Consumo de alguns alimentos pode influenciar na cor e no cheiro da urina

Cor, limpidez e outras características físicas da urina podem revelar uma série de problemas de saúde

Eu adoro aspargos e costumo comê-los com frequência. Uma conhecida, porém, me disse certa vez que toma o cuidado de evitar esse vegetal tão saudável, simplesmente porque ele deixa a sua urina com um cheiro ruim.

Tive vontade de perguntar a ela quem provavelmente se importaria com isso, com exceção, talvez, de algum desconhecido em um banheiro público. Certamente existem crimes piores.

Como uma das quatro rotas pelas quais as substâncias normalmente saem do corpo (as outras são as fezes, a respiração e o suor), a urina tem um papel valioso na medicina: ela oferece indícios não só do que as pessoas comem e bebem, mas também da forma como seu corpo está funcionando. Os médicos solicitam amostras da urina rotineiramente para tomar conhecimento desses indícios, tanto a pacientes que parecem saudáveis quanto aos que estão obviamente doentes.

Cor, limpidez e outras características físicas da urina, bem como as substâncias nela dissolvidas, podem revelar sinais de uma enorme série de problemas, incluindo infecções, distúrbios metabólicos hereditários, doença renal, câncer de bexiga, diabetes, abuso de substâncias, exposição a toxinas, ingestão inadequada ou excessiva de líquidos e, como bem sabem muitos atletas de competição, o uso de drogas que favorecem o desempenho esportivo.

Uma pesquisa europeia, conduzida ao longo de oito anos e publicada recentemente, utilizou o teor de sódio de amostras de urina de 24 horas de 3.681 adultos para estimar o efeito da ingestão diária de sódio sobre o desenvolvimento de pressão alta e de doenças e mortes causadas por problemas cardíacos. Os autores chegaram à conclusão — bastante contestada — de que ingerir uma quantidade muito pequena de sódio na alimentação é mais arriscado do que ingerir uma quantidade muito grande. De todo modo, até nova ordem, seria sensato para a maioria dos americanos reduzir significativamente a quantidade de sal e outras fontes alimentares de sódio consumidas regularmente.

Cor e odor
A urina pode adquirir odores indesejáveis decorrentes do consumo de alguns alimentos, como aspargos (o responsável mais provável por isso é um fator genético que algumas pessoas possuem), e bebidas, como café, ou em consequência de problemas de saúde, como infecção urinária ou diabetes (pode surgir um cheiro doce por conta do excesso de açúcar). Mas a característica da urina em que os leigos mais costumam reparar é a cor.

A cor normal da urina de uma pessoa bem hidratada é um amarelo claro e pálido, cor que é transmitida pelo pigmento urobilina. Já a desidratação — que pode ocorrer como consequência de beber poucos líquidos, suar muito ou sofrer de repetidas crises de vômito ou diarreia — resulta em uma urina escura, com cheiro de amônia, que deve ser tratada como uma advertência para beber mais água ou outros líquidos simples. Mas uma urina de cor constantemente escura pode ser sinal de hepatite, uma doença hepática que requer atenção médica imediata.

De modo menos sério, muitos alimentos e certos medicamentos podem conferir à urina uma cor incomum e, às vezes, preocupante para os desavisados. Por exemplo, a beterraba contém um pigmento chamado betalaína, que deixa as mãos e a água de cozimento vermelhas, podendo fazer com que a urina fique com uma cor que pode se assemelhar ao sangue. Da mesma forma, a amora e o ruibarbo podem tornar a urina vermelha ou rosa.

Uma urina que lembra a coloração de chá pode acompanhar o consumo de feijão fava e às vezes ruibarbo. O betacaroteno, presente na cenoura, no suco de cenoura e em altas doses de vitamina C, pode causar uma urina alaranjada, e as vitaminas B e os aspargos podem levar a urina a ter uma cor esverdeada.

Entre os medicamentos capazes de afetar a cor da urina estão o laxante sene, que pode provocar uma coloração avermelhada ou marrom-avermelhada; a clorpromazina (Amplictil) e a tioridazina (Mellaril), que podem causar vermelhidão; a indometacina (Indocin), a cimetidina (Tagamet) e a prometazina (Fenergan), que podem tornar a urina azul ou verde; a varfarina (Coumadin), a fenazopiridina (Pyridium) e a rifampicina, capazes de provocar uma coloração laranja; e a cloroquina (Aralen), o metronidazol (Flagyl), a nitrofurantoína (Furadantin) e a primaquina, que podem tornar a urina marrom. Claro, às vezes aparece sangue na urina — por exemplo, como resultado de uma infecção urinária, uma pedra nos rins ou na bexiga, uma próstata aumentada ou um choque acidental que tenha ferido a bexiga ou uretra. Além disso, também pode surgir sangue na urina devido à prática de atividades físicas extenuantes, como após uma maratona ou triatlo.

Se não houver uma explicação óbvia para a presença do sangue na urina — ou se ela persistir —, é obrigatório marcar uma consulta médica para verificar se há incidência de doença renal ou câncer. Se não for descoberta nenhuma outra explicação para a existência de um tom avermelhado na urina, deve ser feito um teste para verificar a presença de níveis tóxicos de chumbo e mercúrio.

Se a urina for eliminada muito rapidamente, ele pode parecer espumosa. Mas uma urina constantemente espumosa pode ser sinal de está ocorrendo perda de proteínas, um sintoma de doença renal. Nesse caso, é necessário um exame médico.

Normalmente, uma urina turva decorre de uma infecção na bexiga ou do trato urinário, que costuma ser acompanhada por uma necessidade frequente de urinar e uma sensação de queimação ou dor ao fazê-lo.

Outros fatores importantes
O volume de urina produzida pode ser um importante indicador de hidratação. Normalmente, uma pessoa saudável produz cerca de 100 mililitros (cerca de 96 gramas) de urina por hora, aproximadamente um copo a cada duas horas e meia. Se a produção horária exceder 300 mililitros, há sinal de ingestão excessiva de líquidos; se o volume estiver abaixo de 30 mililitros, há indício de uma provável desidratação.

Consumir muitos alimentos salgados ou carboidratos pode reduzir temporariamente a produção de urina, porque o açúcar, o sal e o amido retêm mais água no corpo do que, por exemplo, as proteínas. E consumir alimentos ou bebidas diuréticos — incluindo bebidas que contenham cafeína (como café, chá e muitos refrigerantes), bebidas alcoólicas (especialmente cerveja) e alimentos com alto teor de água, como melancia ou aspargos — pode resultar temporariamente em uma produção de urina acima da média.

Atualmente, é comum testar a urina de atletas e de animais que participam de práticas esportivas, para investigar sinais de drogas que possam ter melhorado o seu desempenho físico, promovendo uma vantagem competitiva desleal. Às vezes, os atletas que tomam remédios contra problemas de saúde legítimos também são pegos.

Em uma análise de uma amostra de urina coletada em um check-up de rotina, é provável que seja verificada a presença de açúcar (indicador de diabetes) e proteínas (sinal de doença renal), e talvez de ácidos biliares (indício de doença hepática) ou glóbulos brancos (resultantes de uma infecção).

Se existirem sintomas de uma infecção do trato urinário, o organismo responsável — geralmente a bactéria E. coli, que reside normalmente no trato digestivo inferior — pode ser isolado da urina e, se necessário, submetido a um teste de sensibilidade a antibióticos.

As meninas que tomam banhos de espuma e as mulheres sexualmente ativas (especialmente as que acabam de iniciar a vida sexual ou as que estão voltando a ter relações) ficam particularmente propensas a infecções do trato urinário. Os médicos têm uma expressão nada agradável para esse problema que costuma acometer as mulheres que iniciam uma relacionamento sexual novo: eles se referem a ele como "cistite de lua de mel".

Em uma pessoa saudável, no entanto, a urina é estéril e não contém microrganismos infecciosos, nem glóbulos brancos tentando combatê-los. Assim, ao produzir uma amostra de urina para análise, é extremamente importante empregar o que os médicos chamam de técnica do "jato médio".

Esse método de coleta requer que a pessoa primeiro urine no vaso sanitário antes de depositar a quantidade necessária para o teste. Não deixe de cobrir a amostra imediatamente, para reduzir o risco de contaminação.

Fonte Zero Hora

Oftalmologista recomenda alimentação equilibrada para retardar ou atenuar doenças oculares

Especialista dá dicas de alimentos e mostra como preparar a "salada para enxergar bem"

Já ouviu falar que cenoura faz bem para os olhos, não é? Pois não é só ela. Frutas de várias cores e verduras de tonalidade verde-escuro, como espinafre, couve e brócolis, contêm antioxidantes que protegem os olhos, reduzindo os danos provocados pelos radicais livres, o que ajuda a adiar doenças como degeneração macular, catarata e olho seco. Ovos, milho verde, mamão, laranja e kiwi também contêm luteína, substância fundamental no combate à degeneração macular relacionada à idade. Além, é claro, de cenoura e abóbora, ricas em vitamina A e vitamina C.

A receita é do oftalmologista Renato Neves. Segundo ele, uma dieta bem equilibrada pode retardar ou atenuar doenças oculares, assim como parar de fumar e abandonar o sedentarismo.

— O ideal é acrescentar mais peixes à dieta, principalmente aqueles ricos em ômega 3, como salmão, atum, sardinha e bacalhau. Habituar-se a comer mais frutas e saladas também é importante, já que aumentar a ingestão de vitaminas, minerais, proteínas saudáveis e luteína também traz vários benefícios para a saúde ocular — recomenda.

Na opinião do médico, além de incluir mais castanhas, linhaça e óleo de canola às receitas — que evitam a síndrome do olho seco, muito frequente nas grandes cidades e na terceira idade — também se deve reduzir a ingestão de sódio.

— O excesso de sódio na dieta é um grande vilão da saúde, favorecendo o desenvolvimento de catarata na terceira idade. Vale a pena prestar atenção nas informações das embalagens e dar preferência a alimentos com sódio reduzido — orienta.

Salada para ver melhor
O oftalmologista Renato Neves não fica só na teoria. Ele dá a receita da "Salada para enxergar bem". Tome nota dos ingredientes:

:: um salmão ou atum grelhado;

:: um maço de espinafre cortado;

:: seis folhas frescas de alface romana;

:: duas cenouras raladas;

:: uma berinjela pequena levemente cozida e cortada em cubos;

:: um maço de brócolis;

:: cubinhos de pimentões amarelo, verde e vermelho, sem pele;

:: seis couves de Bruxelas;

:: sementes de linhaça dourada;

:: castanhas do Pará trituradas.

A dica do médico é temperar com o "Molho caesar ocular", preparado com óleo de canola, suco de limão, vinagre de maçã, mostarda de Dijon, um filé de anchova ralado, uma gema de ovo e queijo parmesão.

Fonte Zero Hora

Como identificar problemas de audição na infância

A cada mil crianças, três nascem com algum comprometimento auditivo

Saber se as crianças enxergam bem é uma das grandes preocupações dos pais com filhos em idade escolar. Mas, tão importante quanto entender o que está escrito na lousa é ouvir com clareza o que o professor diz. O cuidado com a saúde auditiva não costuma fazer parte dos exames de rotina, mas as estatísticas provam que os ouvidos estão cada vez mais expostos a ruídos nocivos.

— Pesquisas alertam que pessoas com menos de 30 anos estão apresentando problemas auditivos antes mesmo dos seus pais e avós — afirma a fonoaudióloga Talita Donini.

De acordo com dados do Hear the World — iniciativa mundial da Phonak, que tem por objetivo conscientizar o público em geral sobre os cuidados com a audição — a cada mil crianças, três nascem com algum comprometimento auditivo. Aliado ao barulho do trânsito e das construções, o uso constante de celulares e aparelhos MP3 comprometem ainda mais a audição.

— Nem mesmo os bebês escapam desses estímulos precoces aos ouvidos, em função dos brinquedos sonoros que existem hoje em dia — garante a especialista.

Daí a importância da realização de avaliações audiológicas. A fonoaudióloga alerta para a procura imediata de um tratamento, caso seja detectado algum problema auditivo na criança.

— A perda auditiva é um problema grave, que compromete o desenvolvimento da linguagem — alerta a especialista.

O primeiro passo é procurar um otorrinolaringologista. O próprio pediatra pode fazer esse encaminhamento. Após a consulta, a criança deve realizar exames solicitados para avaliar a audição e, caso seja necessário, deve ser encaminhada para um fonoaudiólogo.

Para acompanhar a saúde auditiva de seus filhos, fique atento a alguns detalhes:
:: a criança não reage a barulhos fortes;

:: não atende quando é chamado pelo nome;

:: pede para aumentar o som da TV, computador ou telefone com frequência;

:: se mostra "avoada";

:: dificuldade em manter a atenção;

:: parece irritada e dificilmente faz vínculos com outras crianças;

:: prefere brincar sozinha;

:: dificuldade na alfabetização;

:: troca de fonemas na escrita;

:: dificuldade de aprendizado em geral.

Fonte Zero Hora

Cacau

Resumo
Cacau: planta (medicinal) com um efeito estimulante sobre o sistema nervoso, utilizado para tratar uma depressão ou depressão leve, mas também utilizado na prevenção de doenças cardiovasculares, se apresenta na forma de alimento (chocolate), bem como de cápsula.

Nomes
Nome em português: Cacau
Nome latim: Theobroma cacao
Nome inglês: Cacoa, cacoa tree
Nome francês: Cacao, Cacaoyer
Nome alemão: Kakao (Kakaofrüchte)
Família
Sterculiaceae (Esterculiáceas)

Constituintes
Xantinas [teobromina,...], feniletilamina (responsável pelo efeito anti-depressivo), flavonóides, endorfinas, polifenóis

Partes utilizadas
Grãos

Efeitos do cacau
Ação sobre o sistema nervoso (leve anti-depressivo), antioxidante, emagrecedor, diurético.

Indicações do cacau - Benefícios do cacau
- Consumido em forma de chocolate, ele pode ter um efeito contra a depressão leve e uma ação positiva sobre o sistema cardiovascular (graças ao efeito antioxidante.

- Em cápsula, ele pode ter um efeito positivo contra o excesso de peso e gordura. Atenção, na forma de chocolate (alimento) é completamente o oposto do que parece, especialmente se você consumir mais que duas barrinhas por dia.

- Outro estudo britânico realizado com 114 mil pessoas, publicado em Agosto de 2011, mostrou que pessoas que consomem duas barrinhas de chocolate (de preferência preto) por dia, tinham um risco 37% menor de sofrer de doenças cardiovasculares (por exemplo, infarto do coração), 29% menor de sofrer de AVC e 31% menor de sofrer de diabetes.

Efeitos secundários
Enxaqueca, distúrbios gastrointestinais, ganho de peso (no caso de consumo excessivo de chocolate).

Contra-indicações
-

Interações
-

Preparações à base de cacau

- Em forma de alimento: chocolate

- Infusão de cacau

- Cápsula de cacau

- Em forma de mateiga de cacau (contra o ressecamento labial)

Onde cresce o cacau?
O cacau cresce geralmente nos países tropicais.

Quando colher o cacau?
-

Observações
O cacau está na origem do chocolate, um alimento bastante consumido em todo o mundo, principalmente no ocidente. A origem do cacau vem dos Maias, para os quais este era considerado o "alimento dos Deuses". Do ponto de vista médico e nutritivo, estudos comprovaram o efeito benéfico do cacau (do chocolate meio amargo, de preferência) para tratar uma depressão passageira ou melhorar o sistema cardio-vascular. A concentração de cacau é superior no chocolate meio amargo, portanto, se você quiser ter os efeitos benéficos do cacau, dê preferência a este tipo de chocolate.

Fonte Criasaúde

Alunos de escolas públicas serão examinados por equipes de saúde a partir de março

Profissionais estarão em 50 mil escolas de 2.000 municípios do país

As condições de saúde de 11 milhões de estudantes de escolas públicas brasileiras serão avaliadas por médicos, enfermeiros e dentistas das unidades básicas de saúde a partir de março.

Os profissionais estarão em 50 mil escolas de 2.000 municípios do país.

A presidenta Dilma Rousseff falou sobre o assunto nesta segunda-feira (23) durante o programa oficial de rádio Café com a Presidenta.

- Muitas vezes, um problema de saúde, se não for identificado, pode atrapalhar o rendimento escolar.

Ela acrescentou que o governo deverá ainda envolver os pais no combate à obesidade infantil, problema que afeta um quinto das crianças brasileiras.

- Reduzindo a obesidade infantil, vamos prevenir outras doenças que podem ocorrer no futuro, como a hipertensão e o diabetes.

Dilma Rousseff destacou também as alterações no programa de vacinação infantil, que ocorrem a partir de agosto.

A vacina contra a pólio, conhecida como paralisia infantil, será injetável nas duas primeiras doses para bebês e crianças.

- Há 22 anos não registramos nenhum caso de paralisia infantil transmitido no país, mas a pólio ainda existe em 24 países. Como as pessoas viajam de lugar para outro e podem trazer o vírus, precisamos manter nossas crianças protegidas.

Entretanto, a dose oral, com a campanha do personagem Zé Gotinha, irá continuar para manter a proteção de crianças até cinco anos de idade.

Outra alteração no calendário de vacinação se refere à vacina pentavalente. Ela é a soma de duas vacinas já existentes: a da hepatite B e a tetravalente.

- Com uma só injeção, a vacina pentavalente vai proteger agora a criança contra cinco doenças: o tétano, a difteria, a coqueluche, a hepatite B e um tipo de meningite grave. A combinação das vacinas é boa para a criança, que vai precisar tomar uma injeção a menos, mas também é um avanço no processo de vacinação.

A presidente lembrou também que a meta do governo é investir R$ 7,6 bilhões para construir 6 mil escolas de educação infantil até 2014.

Fonte R7

Passear com o cachorro combate o estresse

cachorro caminhada 300x430Caminhada faz bem ao dono e ao animal, que fica mais calmo

Uma maneira interessante de ficar em forma é aproveitar os passeios com seu animal de estimação.

Sem querer, o cachorro passa a ser um incentivador ao dono sedentário.

Além disso, a iniciativa também ajuda a eliminar o estresse, pois ao focar sua atenção no animal, a mente se desvia dos problemas.

O ideal é treinar com o animal pelo menos três vezes por semana.

Quando o dono e o cachorro estiverem mais condicionados, essa frequência pode aumentar para cinco vezes por semana. Pode-se começar com uma caminhada lenta que vai aumentando conforme a frequência do exercício. O melhor é começar com 10 minutos de caminhada, mais cinco de uma rápida e assim ir aumentando sucessivamente.

Animais que se exercitam ao lado do dono ficam corajosos e mais calmos, pois ao irem para a rua, relaxam.

Fonte R7

Adolescente com doença rara não come nada há 18 anos

garoto doenca rara estomago 300x225
BBC
Garoto não consegue nem mesmo beber água da torneira

Cientistas em Londres estão investigando o caso de um menino que tem uma doença rara que faz com que ele não consiga comer.

O jovem Muhammad Miah, de 18 anos, não consegue nem mesmo beber água da torneira.

- A água precisa ser fervida ou mineral, caso contrário meu estômago não aprova. Meu estômago é muito sensível.

Desde a infância, ele é obrigado a se alimentar de forma artificial. Durante o dia, ele toma um líquido acrescido de proteínas, carboidratos, gordura, água, minerais e vitaminas.

À noite, um aparelho especial bombeia nutrientes diretamente em seu estômago através de um tubo especial.

Antigamente, ele era alimentado usando métodos intravenosos, com os nutrientes entrando direto na corrente sanguínea, sem passar pelos processos normais de digestão.

Um episódio, no entanto, marcou Muhammad.

- Meu estômago parou de funcionar totalmente. Eu não conseguia nem mesmo ser alimentado por nutrientes líquidos ou água. Isso durou vários meses.

Doença rara
Muhammad sofre de uma condição rara chamada pseudo-obstrução intestinal, que afeta apenas entre 12 e 15 crianças em todo o Reino Unido. O intestino perde toda a capacidade de fazer a comida passar pelo aparelho digestivo.

Os médicos no hospital Great Ormond Street, em Londres, onde Muhammad está sendo tratado, acreditam que no caso do jovem a doença foi provocada por uma falha nos nervos do músculo do intestino.

Muhammad ainda consegue ver o lado positivo na sua doença.

- Às vezes eu acho que sou mais saudável do que as outras pessoas. Quando você pensa em todos os tipos de porcarias que as pessoas estão comendo... pelo menos eu não vou engordar.

Ele conta também que nunca chega a sentir fome.

- Minhas refeições são tão bem cronometradas agora, que eu sinto fome de verdade, para ser sincero. E quando eu estou passando muito mal, eu não sinto fome. É algo normal para mim.

Apesar da atitude positiva, ele enfrenta muitos problemas no seu cotidiano. Muhammad está estudando para entrar na universidade. Devido à sua doença, há dias em que ele fica tão sem energia que mal consegue sair da cama.

O especialista em pediatria e problemas intestinais Nikhil Tharpar, do Instituto de Saúde Infantil da University College London, afirma que há urgência na medicina em se compreender melhor como o estômago funciona.

- Nós só conseguimos controlar os sintomas no momento. O tratamento é só permitir que pacientes como Muhammad sobrevivam. Nós não vamos oferecer nenhuma cura. Mas nós queremos entender como esses defeitos de nascença surgem, e fazer um pouco de pesquisa com células-tronco para desenvolver alguns dos nervos que não existem [no paciente].

Tharpar diz que crianças com pseudo-obstrução intestinal levam o defeito consigo a vida toda.

- Essas crianças são muito corajosas, apesar de tudo. Ela vivem com uma péssima qualidade de vida, estão sempre entrando e saindo do hospital todas as semanas e sofrem de constipação crônica. Elas vivem no limite.

Fonte R7

Vírus da gripe aviária faz mais uma vítima na China

Desde 2003, morreram no país por causa do vírus H5N1 um total de 23 pessoas

Um homem de 39 anos, que foi internado no dia 6 de janeiro em um hospital de Guiyang, capital da Província de Guizhou, se tornou a segunda vítima fatal do vírus H5N1 da gripe aviária na China após a primeira, também outro homem no mês passado, informou o departamento provincial de Saúde.

 
O homem que morreu no dia 31 dezembro, motorista de ônibus da Província de Cantão, foi a primeira vítima da gripe aviária na China em 18 meses.

Segundo as autoridades de Guizhou, das 71 pessoas localizadas que tiveram estreito contato com o homem falecido neste domingo (22), nenhuma desenvolveu por enquanto os sintomas da doença.

Desde 2003, morreram na China por causa do vírus H5N1 um total de 23 pessoas após contrair a gripe aviária.

As autoridades de Hong Kong e China continental coordenam medidas desde que em meados de dezembro foi descoberto o vírus em frangos chineses, o que levou a sacrificar milhares de aves para evitar a expansão do vírus.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) nunca provou a transmissão entre humanos do vírus H5N1 da gripe aviária desde que se detectou em 2003 e a maior parte das vítimas foi infectada por contato direto com aves que tinham o vírus. Mas, segundo as autoridades das províncias onde viviam os dois recentes chineses que morreram, nenhum deles manteve contato direto com aves infectadas.

Fonte R7

Médicos de São Paulo receitam dose menor de antibiótico do que a adequeda

Pesquisa mostra que a prática pode atrapalhar o tratamento de doenças respiratórias

Pesquisa realizada na cidade de São Paulo sugere que os médicos estão prescrevendo antibióticos em doses menores do que as que seriam adequadas ou que são ineficazes para o tratamento de doenças respiratórias, como pneumonia, faringite e sinusite.

A conclusão é de uma simulação feita pelo Laboratório Especial de Microbiologia Clínica da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Os resultados foram publicados na revista científica BMC Infectious Diseases.

O risco da prescrição de antibióticos em doses inadequadas ou errados para o tipo de doença é o aumento da resistência ao medicamento e, consequentemente, uma maior dificuldade no tratamento.

É para evitar resistência, por exemplo, que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) passou a exigir a retenção de uma via da receita na venda desses medicamentos, como explica Carlos Kiffer, autor da pesquisa.

- A resistência ocorre porque a pessoa ingere a droga, mas não elimina as bactérias. Assim, elas podem ser transmitidas entre as pessoas.

Fonte R7

Pesquisadores da gripe aviária transmissível entre mamíferos suspendem estudos

Comunidade científica internacional está receosa com risco e uso indevido da pesquisa

Os cientistas envolvidos no desenvolvimento de uma mutação do vírus H5N1, agente da gripe aviária e capaz de ser transmitido entre mamíferos e, potencialmente, entre seres humanos, anunciaram que suspenderão durante dois meses seus trabalhos devido aos temores gerados pelo estudo.

Duas equipes realizavam esta pesquisa. A primeira em um laboratório do centro médico universitário Erasmus de Rotterdam (Holanda), que anunciou em setembro a criação de um vírus da gripe aviária modificado, que, teoricamente, é capaz de ser transmitido entre mamíferos e potencialmente entre humanos.

O outro grupo de pesquisa, situado na Universidade de Wisconsin (Estados Unidos), também conseguiu criar uma cepa do vírus capaz de gerar contágio sem o intermédio das aves.

No fim de dezembro, a OM S(Organização Mundial da Saúde) expressou sua profunda preocupação com estas descobertas, destacando que estes anúncios "geraram inquietações sobre os possíveis riscos e pelo uso indevido associado às pesquisas".

Os pesquisadores afirmaram, em uma carta publicada pelas revistas especializadas Science e Nature, que "diante das preocupações [geradas] pelas recentes pesquisas sobre a gripe aviária, [nós] cientistas que trabalhamos nas formas de transmissão da cepa H5N1 combinamos interromper as investigações sobre esta área durante 60 dias, com o objetivo de dar tempo à comunidade internacional para se expressar".

Fonte R7

Humor: O pedaço aqui já tem dono!

Exames: Tempo de protombina

O que é
Também conhecido como tempo de atividade da protrombina, este exame mede a atividade de alguns fatores de coagulação do sangue.

Para que serve
É usado para monitorar o uso de anticoagulantes orais, alguns tipos de anemia, doenças hepáticas e deficiência de certos fatores da coagulação.

Preparo do paciente
Jejum de quatro horas. O paciente deve informar o uso de medicamentos, especialmente anticoagulantes.

Valores de referência
Tempo de Protrombina (TP): 10,7 a 14,3 segundos

Para pacientes em uso de terapia anticoagulante e por questões de segurança, o TP é correlacionado a um índice denominado Relação Normatizadora Internacional (RNI), calculado com base no TP do paciente e sua relação com um TP controle.

Fonte iG

Alzheimer

Definição

A demência é a perda da função cerebral que ocorre com determinadas doenças. O Alzheimer é uma forma de demência que piora gradativamente com o tempo. Ela afeta a memória, o raciocínio e o comportamento.
Foto: ADAM
O tecido nervoso envelhecido é menos apto a se comunicar mais rapidamente com outros tecidos neurais

A deterioração da memória, bem como problemas de linguagem, a capacidade de tomar decisões, fazer julgamentos e a personalidade são características necessárias para o diagnóstico.

Nomes alternativos

Demência senil - Alzheimer; Mal de Alzheimer

Causas, incidência e fatores de risco

A idade e o histórico familiar são fatores de risco para o Alzheimer:
  • Conforme você envelhece, o risco de desenvolver a doença aumenta. Contudo, desenvolvê-la não é parte normal do envelhecimento
  • Ter um parente cosanguíneo como um irmão, uma irmã ou um dos pais que tenham desenvolvido Alzheimer aumenta seu risco
  • Ter certas combinações genéticas de proteínas que parecem ser anormais no Alzheimer também aumenta o risco
Outros fatores de risco que não ainda não foram comprovados incluem:
  • Hipertensão arterial de longa duração
  • Histórico de traumatismo craniano
  • Sexo feminino
Existem dois tipos de doença de Alzheimer – a de início precoce e a de início tardio.
  • No Alzheimer de início precoce, os sintomas aparecerem pela primeira vez antes dos 60 anos e ele é menos comum que o de início tardio. Porém, tende a progredir rapidamente. A doença precoce pode ser hereditária. Já foram identificados vários genes relacionados a ela
  • O Alzheimer de início tardio, a forma mais comum da doença, se manifesta em pessoas com 60 anos ou mais. Ele pode estar presente em algumas famílias, mas o papel genético não é tão claro
A causa do Alzheimer não é completamente conhecida, mas considera-se que engloba fatores genéticos e ambientais. O diagnóstico do Alzheimer é feito verificando a presença de certos sintomas e descartando outras causas de demência. A única forma de saber com certeza se alguém Alzheimer é examinando uma mostra do tecido do cérebro depois da morte.
As seguintes alterações são mais comuns no tecido cerebral de pessoas com Alzheimer:
  • "Emaranhados neurofibrilares" (fragmentos torcidos de proteína dentro das células nervosas que causam uma obstrução)
  • "Placas neuríticas" (grupos anormais de células nervosas mortas ou morrendo, outras células cerebrais e proteína)
  • "Placas senis" (áreas onde os produtos das células nervosas que estão morrendo se acumulam ao redor da proteína).
Quando as células nervosas (neurônios) são destruídas, há uma diminuição das substâncias químicas que ajudam as células nervosas a enviar mensagens entre si (chamados de neurotransmissores). Como resultado, as áreas do cérebro que normalmente funcionam juntas ficam desconectadas. O acúmulo de alumínio, chumbo, mercúrio e outras substâncias no cérebro já não é considerado uma causa do Alzheimer.

Sintomas

Entre os sintomas da demência estão dificuldade em muitas áreas da função mental, como:
  • Linguagem
  • Memória
  • Percepção
  • Comportamento emocional ou personalidade
  • Capacidades cognitivas (como cálculo, pensamento abstrato ou capacidade de julgamento)
Geralmente, a demência começa com esquecimento.
O comprometimento cognitivo leve é o estágio entre o esquecimento normal devido ao envelhecimento e o desenvolvimento do Alzheimer. As pessoas com comprometimento cognitivo leve têm problemas leves com o raciocínio e a memória que não interferem nas atividades diárias. Muitas vezes, elas estão cientes do esquecimento. Nem todas as pessoas com comprometimento cognitivo leve desenvolvem Alzheimer.
Os sintomas de comprometimento cognitivo leve incluem:
  • Esquecer eventos ou conversas recentes
  • Dificuldade para realizar mais de uma tarefa ao mesmo tempo
  • Dificuldade para resolver problemas
  • Levar mais tempo para realizar atividades mais complexas
Os primeiros sintomas de Alzheimer podem incluir:
  • Problemas de linguagem, como dificuldade para encontrar o nome familiar dos objetos
  • Perder coisas
  • Perder-se em caminhos familiares
  • Alterações de personalidade e perda das habilidades sociais
  • Perda de interesse em coisas de que gostava antes, falta de ânimo
  • Dificuldade de realizar tarefas que exigem algum raciocínio, mas que antes eram feitas com facilidade, como conferir os gastos no talão de cheques, jogar (buraco ou outros jogos) e aprender novas informações ou rotinas
À medida que o Alzheimer avança, os sintomas se tornam mais óbvios e interferem com a capacidade da pessoa de cuidar de si.
Os sintomas podem incluir:
  • Esquecer detalhes de eventos recentes
  • Esquecer eventos da própria história de vida, perder consciência de quem você é
  • Alterações nos padrões de sono, acordando durante a noite frequentemente
  • Maior dificuldade de ler ou escrever
  • Capacidade de discernimento diminuída e perda da capacidade de reconhecer o perigo
  • Usar palavras erradas ou não pronunciar as palavras corretamente, falar em frases confusas
  • Evitar contato social
  • Ter alucinações, discussões, gestos e comportamentos violentos
  • Ter delírios, depressão ou agitação
  • Dificuldade de realizar tarefas básicas, como cozinhar, se vestir adequadamente ou dirigir
As pessoas com Alzheimer severo não conseguem:
  • Compreender a linguagem
  • Reconhecer familiares
  • Realizar atividade básicas e cotidianas, como comer, se vestir e tomar banho
Outros sintomas que podem ocorrer com o Alzheimer:

Exames e testes

Muitas vezes, o Alzheimer pode ser diagnosticado com base no histórico e exame físico por um médico ou enfermeiro habilidosos. O médico fará a anamnese, o exame físico (incluindo um exame neurológico) e realizará um exame do estado mental. Podem ser solicitados exames para determinar se outros problemas médicos estão causando ou piorando a demência.
Essas doenças incluem:
Uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética do cérebro pode ser realizada para procurar outras causas de demência, como um tumor cerebral ou AVC.
  • Nos estágios iniciais da demência, os exames de imagem do cérebro podem ser normais. Nos estágios posteriores, a ressonância magnética pode mostrar uma diminuição de diferentes áreas do cérebro
  • Embora os exames de imagem não confirmem o diagnóstico de mal de Alzheimer, eles excluem outras causas da demência (como AVC ou tumor)

Tratamento

Infelizmente, não existe cura para a doença de Alzheimer.
Os objetivos no tratamento são:
  • Diminuir a velocidade de progressão da doença (embora isso seja difícil)
  • Gerenciar os problemas de comportamento, confusão, distúrbios do sono e agitação
  • Modificar o ambiente doméstico
  • Apoiar os membros da família e outros cuidadores
TRATAMENTO COM DROGAS
A maioria das drogas usadas para tratar o Alzheimer destinados a diminuir a velocidade com que os sintomas avançam. Geralmente, o benefício trazido por essas drogas é pequeno e os pacientes e suas famílias podem não perceber muita diferença.
Os pacientes e cuidadores devem fazer aos médicos as seguintes perguntas sobre o uso ou não dessas drogas e em que momento:
  • Quais são os possíveis efeitos colaterais do medicamento e eles compensam os riscos, dado que haverá somente uma pequena mudança no comportamento ou na função?
  • Qual é o melhor momento, se houver algum, para usar essas drogas no curso do Alzheimer?
Existem dois tipos de medicamentos disponíveis:
  • Donepezil, rivastigmina e galantamina afetam o nível de uma substância química no cérebro chamado de acetilcolina. Os efeitos colaterais incluem indigestão, diarreia, perda de apetite, náusea, vômitos, cãibras musculares e fadiga
  • A memantina é outro tipo de droga aprovada para o tratamento. Os possíveis efeitos colaterais incluem agitação ou ansiedade
Outros medicamentos podem ser necessários para controlar comportamentos agressivos, agitados ou perigosos. Eles geralmente são usados em doses muito baixas. Pode ser necessário suspender todos os medicamentos que piorem a confusão. Esses medicamentos podem ser analgésicos, cimetidina, depressivos do sistema nervoso central, anti-histamínicos, calmantes e outros. Nunca mude ou suspenda nenhum medicamento sem consultar seu médico primeiro.
SUPLEMENTOS
Muitas pessoas tomam ácido fólico (vitamina B9), vitamina B12 e vitamina E. Porém, não há evidências contundentes de que tomar essas vitaminas previna o mal de Alzheimer ou diminua a progressão da doença uma vez instalada.
Algumas pessoas acreditam que a erva ginkgo biloba previne ou diminui o desenvolvimento da demência. Contudo, estudos de alta qualidade falharam em demonstrar que essa erva diminui a probabilidade de desenvolver demência. Não use ginkgo se estiver tomando medicamentos anticoagulantes como a varfarina ou um tipo de antidepressivos chamados de inibidores da monoamina oxidase (IMAO).
Se estiver consideram algum medicamento ou suplemento, você deve consultar seu médico primeiro. Lembre-se que as ervas e os suplementos de venda livre disponíveis não são regulamentados pelo governo.

Evolução (prognóstico)

A velocidade com que o Alzheimer avança varia para cada pessoa. Se o Alzheimer se desenvolve rapidamente, é mais provável que piore rapidamente. Os pacientes com a doença frequentemente morrem antes do normal, embora um paciente possa viver de 3 a 20 anos depois do diagnóstico.
A fase final da doença pode durar de alguns meses a vários anos. Durante esse tempo, o paciente se torna imóvel e totalmente inválido. A morte geralmente ocorre por uma infecção ou insuficiência de algum sistema do corpo.

Complicações

  • Perda da capacidade funcional ou de cuidar de si mesmo
  • Escaras, contraturas musculares (perda da capacidade de mover as articulações devido à perda da função muscular), infecção (principalmente infecções do trato urinário e pneumonia) e outras complicações relacionas com a imobilidade durante os estágios finais do mal de Alzheimer
  • Quedas e fraturas ósseas
  • Perda da capacidade de interagir
  • Desnutrição e desidratação
  • Insuficiência dos sistemas do organismo
  • Comportamento nocivo ou violento em relação a si mesmo ou aos outros
  • Abuso por parte de um cuidador sobrecarregado

Ligando para o médico

Consulte seu médico se alguém próximo apresentar sintomas de demência senil do tipo Alzheimer.
Entre em contato com seu médico se uma pessoa com essa doença tiver uma alteração repentina no estado mental. Uma mudança repentina pode indicar outra doença.
Converse sobre a situação com um médico se você for o cuidador de uma pessoa com essa doença e a doença piorar a ponto de você já não poder cuidar da pessoa em casa.

Prevenção

Embora não exista uma forma de prevenir o mal de Alzheimer, existem algumas práticas que podem ser úteis se incorporadas à sua rotina diária, principalmente se você tiver um histórico da doença. Converse com seu médico sobre qualquer uma dessas abordagens, principalmente aquelas que envolvem tomar um medicamento ou suplemento.
  • Tenha uma dieta baixa em gordura
  • Coma peixes de água fria (como atum, salmão e cavala), ricos em ácidos graxos ômega-3, pelo menos 2 ou 3 vezes por semana
  • Reduza a ingestão de ácido linoleico encontrado na margarina, na manteiga e em outros laticínios
  • Aumente os antioxidantes como carotenoides, vitamina E e vitamina C comendo muitas verduras e frutas de cores escuras
  • Mantenha uma pressão arterial normal
  • Permaneça ativo mentalmente e socialmente durante toda a sua vida
  • Considere com seu médico tomar anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) como ibuprofeno, sulindaco ou indometacina. As estatinas, um tipo de medicamento usado normalmente para o colesterol alto, pode ajudar a diminuir o risco de desenvolver Alzheimer. Converse com seu médico sobre as vantagens e desvantagens de usar esses medicamentos para prevenção
Além disso, os primeiros testes de uma vacina contra o Alzheimer estão em andamento.

Fonte iG