Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Nova lei obriga bulas mais legíveis e explicativas em embalagens de medicamentos

O objetivo é evitar enganos, como nos episódios com morte em função da administração errada

Visando impedir a troca de medicamentos na hora do uso, além de obrigar os fabricantes a disponibilizar bulas com letras maiores e informações mais explicativas ao público, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) de 30 de dezembro, a Lei nº 13.236, que estabelece normas gerais para inibir erros de administração, trocas indesejadas e uso equivocado de medicamentos.

A publicação altera a Lei nº 6.360 (1976), que "dispõe sobre a Vigilância Sanitária a que ficam sujeitos os Medicamentos, as Drogas, os Insumos Farmacêuticos e Correlatos, Cosméticos, Saneantes e Outros Produtos". O objetivo é evitar enganos, como nos episódios com morte em função da administração de medicamentos errados, em hospitais, e também evitar possíveis erros em situação de urgência. O texto também determina que embalagens de medicamentos de uso infantil sejam diferentes das de uso adulto.

Para o presidente do Conselho Regional de Farmácia do Piauí, Ítalo Rodrigues, houve um aumento considerável de estudos relacionados à segurança do paciente e erros de medicação nos últimos anos, o que levou a um maior conhecimento sobre o assunto, confirmando sua importância como um problema mundial de saúde pública. "Falta de conhecimento leva a automedicação incorreta e erro de medicação, cometidos até por profissionais da saúde, lesionando o paciente. O ideal é que isso seja evitado".

Esses erros podem estar relacionados à prática profissional, produtos usados na área de saúde, procedimentos, problemas de comunicação, incluindo prescrição, rótulos, embalagens, nomes, preparação, dispensação, distribuição, administração, educação, monitoramento e uso de medicamentos. Para facilitar a adequada identificação e uso dos medicamentos, fabricantes, agências regulatórias, organizações de saúde e especialmente as farmácias devem assegurar que todos os medicamentos tenham rótulos claros, identificações diferenciadas para medicamentos com nomes e pronúncia semelhantes.

A orientação geral para as pessoas é não guardar os seus medicamentos fora das caixas originais, pois pode gerar confusão, e sempre conferir antes de tomar. Em caso de ingestão de medicamento errado, a recomendação é buscar ajuda em uma Unidade Básica de Saúde.

Matéria publicada no Blog de Humberto Costa, autor do Projeto de Lei, explica que a medicação passará a ter rotulagem e embalagem “claramente” diferentes em caso de produtos de composição distinta para possibilitar a sua imediata e precisa identificação. “Observamos muitos casos em todo o país em razão de erros na administração de medicamentos. Uma das causas é, justamente, a utilização de rótulos e embalagens iguais ou semelhantes para produtos de composição diferente”, avalia. “É uma lei que vem ajudar os brasileiros nesse sentido.” As regras da Lei nº 13.236 passam a valer 180 dias após a publicação no Diário Oficial da União.

Medicamentos Similares
Também foi publicada no Diário Oficial da União, em 29 de dezembro, a Lei 13.235/2015, que obriga a indústria farmacêutica a verificar a equivalência dos medicamentos similares, fabricados ou não no país, aos de referência. Com isso, medicamentos similares e genéricos deverão passar pelos mesmos controles de qualidade. A lei é resultado do Projeto de Lei do Senado 152/2012, do senador Walter Pinheiro (PT-BA), aprovado na Câmara dos Deputados em dezembro. Ela também atualiza a Lei 6.360/1976, que trata da vigilância sanitária referente a esses produtos. A Lei 13.235 passa a valer em 180 dias da data de publicação.

Foto: Reprodução da Internet

CRF - PI

Saúde divulga diretriz nacional para estimulação precoce de bebês com microcefalia

Saúde divulga diretriz nacional para estimulação precoce de bebês com microcefalia Conteúdo orienta equipes da atenção básica e especializada para reabilitação de crianças de 0 a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor. Mais de 7 mil profissionais serão capacitados 

O Ministério da Saúde disponibiliza, nesta quarta-feira (13), a todos os profissionais e gestores do país, as Diretrizes de Estimulação Precoce: Crianças de 0 a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor decorrente de microcefalia. O documento foi desenvolvido em razão do cenário de urgência dado pelo aumento de casos de microcefalia em todo o país em decorrência de infecção pelo vírus Zika. São orientações aos profissionais das equipes da Atenção Básica e Atenção Especializada para a estimulação precoce. O conteúdo é direcionado às crianças com microcefalia, podendo se aplicar ainda a outras condições ou agravos de saúde que interfiram no desenvolvimento neuropsicomotor nesta fase.


É a primeira vez que o Ministério da Saúde reúne em um único documento todas as diretrizes para estimulação precoce de crianças com atraso no seu desenvolvimento. “As Diretrizes unificam o conhecimento e a conduta de atenção às crianças com microcefalia, para promover a estimulação no menor tempo possível, entre zero e três anos, que é a janela de oportunidade para a redução do nível de comprometimento causado pela malformação”, disse o secretário de Atenção à Saúde, do Ministério da Saúde, Alberto Beltrame.

Elaboradas com apoio de pesquisadores, especialistas e profissionais de diversas instituições do país com experiência e conhecimento sobre estimulação precoce, as Diretrizes complementam o Protocolo de Atenção à Saúde e Resposta à Ocorrência de Microcefalia Relacionada à Infecção pelo vírus Zika. Lançado em 14 de dezembro, o Protocolo orienta o atendimento desde o pré-natal até o desenvolvimento da criança com microcefalia, em todo o País.

As Diretrizes abordam aspectos relacionados ao desenvolvimento neuropsicomotor da criança, como a avaliação do desenvolvimento auditivo, visual, motor, cognitivo e da linguagem, a estimulação precoce, o uso de tecnologia assistiva (bengalas e cadeiras de rodas), além de outros aspectos, como a importância do brincar e a participação da família na estimulação precoce.

O material auxiliará o profissional de saúde na elaboração de um programa de estimulação precoce que possibilite um melhor desenvolvimento da criança com microcefalia, em especial até os três anos, período de maior resposta aos estímulos. Por exemplo, em uma criança com deficiência visual é possível fazer a estimulação a partir do uso de objetos luminosos em local escuro e também coloca-la para rolar a partir do seguimento visual do objeto.

Na Atenção Básica, o material é direcionado às Unidades Básicas de Saúde, Saúde da Família e Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASFs). Na Atenção Especializada, o público-alvo é a Atenção Domiciliar, Hospitalar, Ambulatórios de Especialidades e de Seguimento do Recém-Nascido, e Centros Especializados em Reabilitação.

Capacitação
O Ministério da Saúde prepara o lançamento de um curso à distância para capacitar profissionais de saúde que vão atuar na estimulação precoce. O curso será ofertado a fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogos, médicos, entre outros profissionais que trabalham com estimulação precoce e que atuam nos diversos serviços da Rede SUS (Atenção Básica e Especializada), como os ligados aos NASF e os Centros Especializados em Reabilitação, que serão certificados após a conclusão do curso.

A meta do Ministério é que 7.525 profissionais, pelo menos, participem desta capacitação. O curso será desenvolvido em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte. As matrículas devem começar em março.

Rede de reabilitação
O SUS conta, atualmente, com 1.543 serviços de reabilitação em todo o país que atuam em diferentes modalidades, física, auditiva, visual e intelectual.

Dentro do Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia, lançado no final de 2015 e que prevê maior agilidade na estruturação dessas unidades, já foram habilitados 12 centros de reabilitação. Outros 11 se encontram em fase de conclusão das obras, com previsão de término no primeiro semestre de 2016, cujo investimento na construção e compra de equipamento somam R$ 43,4 milhões. Mais R$ 25,2 milhões anuais serão destinados para o custeio destas unidades. Outros 65 serviços de reabilitação serão habilitados em Centros Especializados em Reabilitação, ampliando assim a capacidade de atendimento da rede e passarão a receber adicional de R$ 109,2 milhões por ano.

A partir do Plano Viver sem Limite, lançado em 2011 pelo Governo Federal, e da Instituição da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência, em 2012, o Ministério da Saúde tem investido na ampliação da oferta desses serviços. Foram habilitados 136 Centros Especializados em Reabilitação (CER) em todo país. As novas unidades representam impacto de R$ 287,7 milhões por ano para o custeio do atendimento em reabilitação.

No total, o investimento do Ministério da Saúde para custear o atendimento em reabilitação é na ordem de R$ 650,6 milhões por ano, além dos valores destinados a obras e equipamentos. Esses recursos também podem ser complementados pelos governos estaduais e municipais.

O secretário de Atenção à Saúde, Alberto Beltrame, assinou nesta semana, duas portarias aprovando o repasse de recursos Federais no valor de R$ 19,8 milhões destinados à aquisição de equipamentos para 13 CERs e duas Oficinas Ortopédicas.

Por Diogo Caixote, da Agência Saúde
Atendimento à Imprensa - (61) 3315-3587/3580

Lotes de medicamentos da empresa Prati Donaduzzi são interditados

Nesta quinta -feira (14/1), foram suspensos diversos lotes de medicamentos empresa Prati Donaduzzi & Cia Ltda fabricados em desacordo com o registro na Anvisa

A decisão ocorreu porque a empresa alterou o processo de produção dos itens listados abaixo, sem a avaliação prévia da Agência, e por isso, a distribuição, a venda e o uso dos produtos, deve ser interrompida.

O estoque existente no mercado também deve ser recolhido.

Confira os lotes dos medicamentos interditados

Produto
Lote
DICLOFENACO SÓDICO 50mg comprimidoLotes produzidos até 19/10/2015 em desacordo com o registro.
ESTOLATO DE ERITROMICINA 50mg/mL suspensão oralTodos os lotes válidos produzidos em desacordo com o registro.
NIMESULIDA 50mg/mL suspensão oralTodos os lotes válidos produzidos em desacordo com o registro

A medida está na Resolução 88/2016 publicada no Diário Oficial da União (DOU).

ANVISA

Sinais de que é hora de ir ao dentista

A dor é o principal sinal de alerta, mas feridas e sangramentos também requerem atendimento imediato de um profissional de odontologia

Emergências dentárias acontecem e há quem não saiba identificar os sinais de que é hora de ter uma ajuda especializada de forma imediata. Muita gente inclusive protela enquanto pode a ida ao dentista. Mas de acordo com os especialistas, algumas situações são flagrantes de que um profissional precisa cuidar da saúde bucal.

“A principal urgência em odontologia é a dor. Tem quem sofra com a dor e tente sanar com analgésicos e mil e uma alternativas, fazem bochechos… Embora resolva momentaneamente, não tira a necessidade de ir ao dentista”, explica Vera Soviero, professora da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) e coordenadora do curso de odontologia da Faculdade de Medicina de Petrópolis:

Esse dolorido desconforto tem uma origem predominante. “A causa mais comum de dor de dente é a cárie, que acontece quando ácidos produzidos por algumas bactérias corroem o esmalte dos dentes e atingem a dentina. Quando a cárie não é diagnosticada no início, a inflamação atinge a polpa do dente, causando o abcesso, que causa inchaço e dor nos tecidos que circundam o dente”, esclarece a dentista Camila Galatti, da Abdala Galatti Odontologia.

Dores durante a mastigação podem estar relacionados tanto a cáries, a doenças periodontais, a fraturas dentárias ou a alguma prótese removível mal adaptada, explica Camila. Dores na região de ATM (articulação temporo-mandibular, que liga o maxilar a mandíbula), próximo ao ouvido, igualmente requerem atendimento o quanto antes.

Dente quebrado ou trincado também requer pronto atendimento. “Dependendo do tipo de traumatismo, o tempo de socorro faz diferença no prognóstico daquele dente”, alerta Vera.

Geralmente, sangramentos indicam inflamação gengival por falha na higiene – a placa bacteriana acumula no espaço entre os dentes e a gengiva, quadro conhecido como gengivite. O uso frequente do fio ou da fita dental ajuda a prevenir e a tratar o problema, aponta Camila. No entanto, ter o acompanhamento do odontólogo evita que a situação se agrave a ponto de causar uma periodontite ou a perda do dente.

Se o sangramento for abundante, acompanhado de inchaço da gengiva e de um odor forte, agende o quanto antes uma consulta. “Esses sintomas indicam doença periodontal e que o osso que circunda o dente já foi atingido. Se há sangramento espontâneo, pode haver alguma doença concomitante [além do problema bucal]”, analisa Vera.

Já casos em que a pessoa observa feridas na boca exigem observação atenta, sendo que é normal que surjam aftas ou que a pessoa morda a língua ou a bochecha, por exemplo. Mas se a ferida não cicatrizar em um período de até sete dias, independente de haver dor, procure a orientação de um especialista.

Sensibilidade nos dentes ao ingerir algo gelado e que passa tão logo o estímulo acabe é comum, segundo Vera. “A dentina é a parte mais vascularizada e enervada, quando ela fica exposta por desgaste no esmalte, seja por fratura, queda de restauração, ou exposição de raiz, a gente sente dor. Isso acontece quando ingerimos alimentos quentes, ácidos ou gelados”, pondera Camila.

Mas é preciso ligar o sinal de alerta se a dor for persistente. “É um indício de que pode ser necessário fazer tratamento de canal. Essa dor tende a piorar quando a pessoa está na posição deitada, então, é comum queixas de dor ao acordar ou não conseguir dormir devido à dor”, conclui Vera.

Artigo fornecido pela Colgate-Palmolive. Copyright 2016 Colgate-Palmolive.

"Primeira grande epidemia de zika vírus acontece no Brasil", diz infectologista

Segundo Marcos Boulos, prefeituras brasileiras erraram em não manter grupo permanente de controle do vetor Aedes aegypti


Marcos Boulos:
Divulgação/TV Brasil
Marcos Boulos: "Precisamos conhecer melhor o zika para saber no que ele pode transformar"

Um dos mais respeitados infectologistas do Brasil, o professor e ex-diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e coordenador de Controle de Doenças da Secretaria da Saúde de São Paulo, Marcos Boulos, acredita que o País vive atualmente a maior epidemia já registrada no mundo por zika vírus.

Em entrevista ao programa Espaço Público, na TV Brasil, na última terça-feira (12), o especialista defendeu o combate sistemático ao mosquito Aedes aegypti, transmissor não apenas do zika vírus, mas também da dengue e da febre chikungunya. Para ele, as prefeituras brasileiras erraram ao não manter um grupo técnico permanente de controle do vetor.

Boulos lembrou que a infecção por zika vírus, até então, era considerada uma doença mais branda que a própria dengue, já que causa febre baixa, manchas pelo corpo que desaparecem em dois ou três dias e quadros clínicos menos graves, que dificilmente levam à morte. Foi a associação da doença com casos de microcefalia em bebês que levantou a bandeira vermelha.

O infectologista destacou que, em todos os locais onde foi registrado surto do zika vírus, como na Polinésia Francesa, e em algumas pequenas cidades da África, o cenário não se repetiu posteriormente. “Se isso acontecer, até que não vai ser tão ruim assim. Vamos passar por um momento epidêmico importante e, depois, é provável que exista uma calmaria", afirmou o especialista.

“Precisamos conhecer melhor o zika vírus para saber no que ele pode se transformar. Estamos assustados com os para-efeitos, as coisas que estão acontecendo por causa do vírus”, declarou. “É preocupante as pessoas quererem engravidar sabendo que, se houver zika vírus, podem, eventualmente, ter uma criança com problemas e isso vai atrapalhar a vida e o desenvolvimento dessa família.”

Um novo balanço divulgado nesta terça (12) pelo Ministério da Saúde revela que 3.530 casos suspeitos de microcefalia relacionada ao zika vírus em recém-nascidos foram notificados no País entre 22 de outubro de 2015 e 9 de janeiro. O boletim também traz a confirmação de que a morte de dois recém-nascidos e dois abortos de bebês com a malformação no Rio Grande do Norte foram em decorrência da doença.

As notificações da malformação estão distribuídas em 724 municípios de 21 Estados. Pernambuco, o primeiro a identificar aumento de microcefalia, continua com o maior número de casos suspeitos (1.236), o que representa 35% do total registrado em todo o país. Em seguida, estão Paraíba (569), Bahia (450), Ceará (192), Rio Grande do Norte (181), Sergipe (155), Alagoas (149), Mato Grosso (129) e Rio de Janeiro (122).

O Ministério da Saúde só tem divulgado o número de casos em que há suspeita de que o recém-nascido tem microcefalia relacionada ao zika vírus. Os bebês têm o quadro confirmado ou descartado depois que passam por exames neurológicos e de imagem, como a ultrassonografia transfontanela e a tomografia.

O governo investiga ainda se a morte de outros 46 bebês com microcefalia na região Nordeste também tem relação com o zika. O vírus começou a circular no Brasil em 2014, mas só teve os primeiros registros feitos pelo ministério em maio do ano passado.

Veja no infográfico abaixo curiosidades sobre o mosquito Aedes aegypti:



Agência Brasil / iG

10 erros na hora de passar o repelente

Todo mundo quer distância do mosquito Aedes aegypti, mas para o repelente ter o efeito desejado é preciso passá-lo adequadamente Mau uso de repelentes pode causar intoxicação em crianças e adultos; aprenda técnicas e veja quantas vezes por dia você pode aplicá-lo, de acordo com a composição do produto

Com a epidemia de doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti - dengue, zika vírus e chikungunya - cada vez mais grave, os repelentes de insetos estão cada vez mais em destaque, chegando a ficar em falta nas farmácias. No entanto, para se proteger adequadamente não basta apenas comprar o primeiro repelente que se vê na farmácia e aplicá-lo indiscriminadamente.

Sob pena de jogar dinheiro fora e acabar desprotegido, é necessário obedecer algumas regras para que a eficácia seja satisfatória e não aconteçam problemas maiores, como uma intoxicação. Repelente não é uma água insossa, mas um produto que, quando usado de maneira incorreta, pode causar efeitos colaterais.

Veja erros comuns na hora de passar o repelente:

1. O primeiro erro que alguém pode cometer é tratar todos os repelentes como iguais, passando-os sem considerar suas diferenças quanto à durabilidade e efeitos.

2. Erro: passar o repelente mais de três vezes por dia. E esse é o máximo de aplicações que os médicos recomendam diariamente.

3. Há basicamente três tipos de repelentes disponíveis no Brasil: o DEET, o IR 3535 e a icaridina.

4. O DEET e o IR 3535 afugentam os mosquitos por até quatro horas. A icaridina é a mais eficiente e consegue os insetos por até 10 horas, reduzindo a quantidade de aplicação ao longo do dia.

5. Erro: Não priorizar as áreas expostas na hora de aplicar o repelente, como o rosto, pernas e braços, também é um erro. Aplicar o produto em todo o corpo aumenta as chances de intoxicação.

6. Erro: aplicar repelente em ambientes fechados também aumenta as chances de intoxicação. Prefira lugares abertos, onde o ar circula mais e o odor do produto se dispersa melhor.

7. Erro: dormir com o repelente no corpo não é uma boa prática. O produto pode passar para os lençóis e acabar contato com áreas sensíveis, como olhos e a boca. Tome um banho antes de deitar.

8. Erro: Não lavar as mãos, especialmente das crianças, depois da aplicação do repelente. As mãos sujas com o produto podem acabar em contato com os olhos e a boca, o que pode causar intoxicação.

9. Erro: aplicar o repelente nas áreas próximas das mucosas (olho, nariz e boca).

10. Erro: passar o repelente em áreas feridas do corpo. Isso aumenta a chance de intoxicação.

11. Erro: tratar os repelentes naturais, como a citronela, como inofensivos é um equivoco. Além de não ter eficácia comprovada, eles ainda podem causar reações alérgicas.

12.Erro: passar repelentes em crianças com menos de dois anos de idade. Mais sensível, a pele delas tem pouca defesa, absorvendo mais o produto, o que pode gerar complicações sistêmicas, neurológicas e pulmonares.

A dermatologista Carolina Marçon, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, conta que há basicamente três tipos de repelentes disponíveis no Brasil. “O que contém DEET, IR 3535 ou icaridina”, diz ela. O primeiro deles, o DEET, é um dos mais comuns e protege a pessoa das picadas de inseto por quatro horas, em média. O IR 3535 também afugenta os mosquitos por até quatro horas. O mais eficiente deles, à base de icaridina, consegue afastar os seres alados por até 10 horas, reduzindo a quantidade de aplicação ao longo do dia.

“Deve-se aplicar o repelente de inseto no máximo três vezes ao dia, por isso o de icaridina é mais interessante, dada sua eficácia prolongada. Além disso, quando se aplica menos vezes, o risco de reação ao repelente diminui”, diz a médica.

Atualmente, no entanto, consumidores têm tido dificuldade para encontrar o produto, já que apenas uma marca no Brasil comercializa o repelente com esse princípio ativo. Segundo o departamento de marketing da empresa, a produção desse tipo de repelente aumentou oito vezes, mas ainda não dá conta de toda a demanda.

A presidente do departamento de dermatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, Kerstin Taniguchi Abagge, explica que a maioria dos repelentes usa o DEET, substância sintética que pode causar reações alérgicas na pele, dependendo da sensibilidade de cada um, da concentração, do veículo (se creme, loção alcoólica ou spray) e se a pele está machucada ou não, já que lesões facilitam a penetração das substâncias.

“Existem atualmente repelentes sem DEET, que são mais seguros para crianças”, explica a médica. “Alguns repelentes causam reações sérias quando ingeridos, por isso há uma grande fiscalização da Anvisa quanto à concentração que pode ser comercializada no Brasil”, ressalta Kerstin.

Crianças menores de dois anos devem passar longe dos repelentes de inseto, salvo recomendação expressa e orientação do pediatra. “A criança tem pouca defesa corpórea e uma pele que absorve mais.

O uso de repelente abaixo de dois anos de idade pode causar complicações sistêmicas, neurológicas e pulmonares”, alerta a dermatologista. Mosquiteiros podem ajudar a evitar as picadas, nesse caso.

Acima dessa idade, o repelente é relativamente seguro. No uso habitual, não costuma apresentar problema, nem mesmo para quem tem doenças respiratórias que normalmente sofrem com químicos inalados. Essa segurança existe pois o meio de administração do princípio ativo geralmente é alcoólico, explica o pneumologista do Hospital das Clínicas de São Paulo Francisco Mazon, que também é professor da Universidade de São Paulo (USP).

O jeito certo de aplicar
O repelente de inseto deve ser aplicado nas áreas expostas - incluindo o rosto - no máximo três vezes ao dia, recomenda a Carolina. O pneumologista do HC Francisco Mazon explica ainda que a aplicação excessiva do repelente aumenta o risco de intoxicação.

“Isso varia de acordo com o tipo de repelente e a quantidade usada”, detalha. Segundo Francisco, parte do repelente pode ser absorvida pela pele, especialmente pelas mucosas, daí a recomendação para evitar o contato.“É necessário cuidado ao aplicar no rosto, evitando contato com as mucosas – boca, nariz e olhos – e aplicar sempre em local com boa ventilação”, recomenda.

Além disso, Kerstin recomenda que os pais ou cuidadores lavem as mãos das crianças depois da aplicação, já que elas podem colocar a mãos nos olhos ou na boca. “A criança não deve dormir com o repelente, e sim tomar banho com água e sabonete para removê-lo”, alerta. A mesma recomendação vale para os adultos. Não se dorme com repelente de insetos, afirma Carolina.

No caso de idosos, o repelente deve ser aplicado com cuidado, já que eles têm a pele mais frágil, segundo o geriatra do Hospital das Clínicas de São Paulo, Paulo Camiz.

“Se existirem feridas, pode ter a absorção pelo corpo e o repelente ser tóxico. Isso pode também acontecer em jovens, mas a chance de um idoso lesar a pele, por ser mais frágil, é maior”, alerta Camiz.

Citronela
Para a presidente da divisão de dermatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, os repelentes à base de citronela, assim como outras plantas, não são inofensivos e não demonstram uma efetividade superior aos demais.

“Podem causar reações alérgicas e mesmo reações do tipo ‘fitofotodermatite’, como aquelas causadas por frutas como o limão e plantas leitosas”, diz ela. “Nem sempre os produtos ditos ‘naturais’ são melhores que os sintéticos”, alerta Kerstin.

Carolina explica que ainda não há estudos que provem que a citronela é uma melhor opção. “Portanto, repelentes com óleo de citronela, eucalipto e andiroba não têm segurança comprovada para se usar em crianças. Além disso, eles são muito voláteis e têm tempo de ação muito curto”, diz. “Mas também não podem ser aplicados mais do que três vezes ao dia”, recomenda.

Além disso, Carolina explica que a pulseira com citronela não é eficiente. “Ela protege num raio de quatro centímetros ao redor, ou seja, só aquela parte do braço”, alerta.

iG

Prefeitura de São José do Rio Claro - MT abre processo seletivo

A Prefeitura de São José do Rio Claro, no Mato Grosso, publicou o edital de processo seletivo nº 01/2016. O objetivo é contratar temporariamente sete profissionais para as vagas de Psicólogo, Nutricionista, Educador Físico, Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Assistente Social que atuarão no Núcleo de Apoio à Saúde da Família - NASF da Secretaria Municipal de Saúde e Orientador Social e Facilitador de Oficina que atuarão nos programas no âmbito da Secretaria de Promoção e Orientador Social. Os vencimentos podem chegar a R$ 2.670,38, por jornada de 30 ou 40 horas semanais de trabalho.

Inscrição
As inscrições serão recebidas até 26 de janeiro de 2016, das 8h às 17h, exceto sábado e domingo, na Secretaria Municipal de Promoção e Assistência Social, situada na Rua Guanabara, nº 443, São José do Rio Claro/MT, CEP: 78435-000 ou por terceiro com procuração específica.

Prova
Os candidatos serão avaliados por meio de provas objetivas e títulos. A aplicação da prova objetiva está prevista para 31 de janeiro de 2016, no horário das 8 horas e terá duração de 4 horas.

O candidato deverá apresentar os originais e cópias simples dos seguintes documentos para a avaliação de títulos e análise de curriculos:

  • Carteira de Identidade com foto recente (Carteira de Trabalho, Carteira do Conselho,CNH, etc.);
  • Cadastro de Pessoa Física (CPF) do candidato;
  • Comprovante de Escolaridade comprovando que o candidato possui ter o pré-requisito requerido para o cargo informado (Diploma/Certificado de conclusão do curso, caso seja entregue Declaração de Conclusão do Curso esta deverá obrigatoriamente vir acompanhada do Histórico Escolar);
  • Registro no Conselho de Classe (se for o caso), mesmo que provisório, que rege a profissão do cargo a que concorre. Não será aceito protocolo de solicitação de registro profissional;
  • Comprovante de Pagamento da Anuidade do Conselho de Classe do ano vigente ou Declaração de Quitação (se for o caso);
  • Todos os documentos que comprovem escolaridade deverão ser oriundos de instituições reconhecidas pelo MEC ou devem ser registrados pelo MEC, conforme o caso. Caso o candidato tenha curso realizado no exterior, este só será considerado quando atendida a legislação nacional aplicável;
  • Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar documento oficial e original de identidade com foto, por motivo de perda, roubo ou furto, deverá apresentar documento que comprove o registro do fato em órgão policial, expedido no prazo máximo de 30 dias, sendo o candidato submetido à identificação especial;

O candidato aprovado na prova objetiva deverá apresentar os documentos exigidos para a avaliação de títulos, na Secretaria de Assistência Social - Prefeitura Municipal de São José do Rio Claro, Rua Guanabara, 443, São José do Rio Claro/MT, CEP: 78435-000 ou através do envio de correspondência, com aviso de recebimento, para “Secretaria de Assistência Social - Prefeitura Municipal de São José do Rio Claro, Rua Guanabara, 443, São José do Rio Claro/MT, CEP: 78435-000” constando no envelope “Avaliação de Títulos - Processo Seletivo Simplificado”, na data prevista de 15 de fevereiro de 2016.

Validade
O prazo de validade será de um ano contado da data da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado uma vez por até igual período. Edital publica do no Jornal Oficial Eletrônico dos Municípios do Estado de Mato Grosso, do dia 13 de janeiro de 2016, a partir da pág. 157.

Concurso Prefeitura de Matozinhos - MG

Em Minas Gerais, a Prefeitura de Matozinhos publicou edital nº. 001/2016 de concurso público para provimento de cargos efetivos. Sob coordenação técnica da Fundação Mariana Resende Costa - FUMARC, o concurso pretende recompor parte do quadro efetivo de servidores, ofertando 164 vagas de níveis fundamental, médio e superior, com salários de até R$ 3.266,43, para carga horária de 20 a 40h semanais.

Cargos: Advogado, Assistente Social, Enfermeiro, Especialista em Educação, Farmacêutico, Nutricionista, Psicólogo, Terapeuta Ocupacional, Agente Comunitário de Saúde, Agente de Zoonoses, Monitor de Esporte, Auxiliar de Serviços Gerais, Operador de Máquina Leve, Motorista de Ambulância, Motorista de Veículos Leves/Pesados, Assistente Administrativo, Auxiliar de Secretaria Escolar, Fiscal de Tributos Municipais, Monitor de Creche, Monitor de Saúde Mental, Fiscal de Obras e Posturas, Técnico em Enfermagem e Técnico em Segurança do Trabalho.

Das vagas destinadas a cada cargo e das que vierem a ser criadas durante o prazo de validade do concurso público, 10% serão reservadas a pessoas com deficiência. Interessados, deverão se inscrever a partir das 9h de 14 de março até 12 de abril de 2016 (horário de Brasília), no site www.fumarc.org.br.

A taxa de inscrição é de:

  • Nível fundamental: R$ 40,00;
  • Nível médio e técnico: R$ 50,00;
  • Nível superior: R$ 70,00.

Para os candidatos que tiverem dificuldade de acesso à internet, a Prefeitura de Matozinhos disponibilizará terminal de computador e pessoal para auxiliar na realização de inscrições no endereço: Praça do Rosário, S/N, Centro, Sala do Telecentro – Palácio da Cultura - Matozinhos, dentro do horário de funcionamento do local (das 12h às 17h, em dias úteis, de segunda a sexta-feira).

O concurso será composto de provas objetivas e títulos.

A prova objetiva será aplicada na data provável de 15 de maio de 2016, em locais e horários a serem divulgados no Cartão de Informação, através do site www.fumarc.org.br em até cinco dias úteis, antes da data programada para realização da prova.

A entrega dos documentos, para avaliação de títulos, será feita na FUMARC, situada na Rua Diamante, 1.100 – São Joaquim – Contagem/MG – CEP: 32113-000, das 9h às 12h ou das 13h30 às 17h, pessoalmente ou por terceiro, ou utilizando-se dos correios via SEDEX ou por carta com AR, com os custos correspondentes por conta do candidato.

O prazo para a apresentação dos títulos será três dias úteis, mediante convocação a ser publicada.

Os gabaritos oficiais serão publicados no quadro oficial de avisos no hall da Prefeitura de Matozinhos/MG e disponibilizados nos sites www.fumarc.org.br e www.matozinhos.mg.gov.br em até três dias úteis após a aplicação das provas.

A validade do concurso público será de dois anos, contados a partir da data de publicação da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado uma vez por igual período a critério exclusivo da Prefeitura Matozinhos/MG.

FEAES de Curitiba - PR publica edital de processo seletivo

A Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba (FEAES), no Paraná, lançou o edital nº 01/2016 de processo seletivo para o provimento de vagas disponibilizadas no quadro de empregados FEAES e suas Unidades: Hospital do Idoso Zilda Arns (HIZA), Centro Médico Comunitário Bairro Novo (CMCBN), além de outras Unidades.

O processo seletivo será executado pela Fundação de Apoio à UNESPAR - Campus de Paranavaí. Há seis vagas oferecidas pelo certame, sendo cinco para ampla concorrência e uma para pessoas com deficiência. As oportunidades são para Médico Anestesiologista. A remuneração inicial é de R$ 4.251,00 a R$ 12.753,00 em carga horária de 60 a 180 horas mensais.

O período para a realização das inscrições será até 10 de fevereiro de 2016, observado horário oficial de Brasília – DF, por meio do endereço eletrônico www.fundacaofafipa.org.br/concurso. A taxa de inscrição é de R$ 60,00.

A prova objetiva será aplicada na data provável de 28 de fevereiro de 2016, em horário e local a serem informados com antecedência, por meio de edital disponibilizado no endereço eletrônico www.fundacaofafipa.org.br/concurso e no Cartão de Informação do Candidato, a partir de 22 de fevereiro de 2016.

O gabarito preliminar e o caderno de questões da prova objetiva serão divulgados um dia após a aplicação da prova objetiva, no endereço eletrônico www.fundacaofafipa.org.br/concurso.

O concurso tem prazo de validade de dois anos, a contar da data de homologação do certame, podendo ser prorrogado por igual período, a critério da Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba – FEAES.

Abertos concurso e processo seletivo na Prefeitura de Franca - SP

A Prefeitura de Franca, em São Paulo, publicou editais nº 01, 02 e 03/2016 de concurso público e processo seletivo para a contratação e credenciamento de 80 novos profissionais. As remunerações podem variar entre o valor do salário mínimo nacional de R$ 3.800,34, mensais e/ou R$ 12,81, por hora aula, para desempenhar atividades em jornadas semanais de 20h a 40 horas.

As oportunidades são para Auxiliar Administrativo/Aprendiz, Agente Apoio ADM, Arquiteto, Bibliotecário, Biomédico, Borracheiro, Cirugião Dentista, Cirurgião Dentista Bucomaxilar, Contador, Desenhista/Projetista, Eletricista, Encanador, Engenheiro do Trabalho, Farmacêutico, Fiscal de Obras e Posturas, Fiscal Sanitário, Jardineiro, Marceneiro, Mecânico, Pintor, Soldador, Supervisor de Campo, Técnico de RX, Técnico de Segurança do Trabalho, Técnico em Enfermagem e Terapeuta Ocupacional, Coordenador Pedagógico, Guarda Civil, Motorista, Orientador Educacional, Pedagogo, Procurador Municipal, Professor de Educação Básica, Educação Especial, Educação Musical, Educação Física, Filosofia, Geografia, História, Inglês, Sociologia, Biologia, Química, Servente e Supervisor de Ensino, Médicos nas áreas de Endocrinologista, Fisiatra, Neurocirurgião, Nefrologista, Neurologista Infantil, Pediatra, Proctologista, Psiquiatra Infantil e Vascular.

As inscrições deverão ser realizadas até o dia 4 de fevereiro de 2016, pelo site da organizadora www.ibamsp-concursos.org.br.

As taxas são de R$ 38,00 a R$ 83,00 Para classificar os inscritos, serão realizadas provas objetivas, práticas, de títulos, aptidão física e dissertativas.

As avaliações objetivas estão previstas para 28 de fevereiro e/ou 6 de março de 2016.

O certame será realizado sob a responsabilidade do IBAM – Instituto Brasileiro de Administração Municipal.

A validade do processo seletivo e concursos públicos será de um ano, podendo ser prorrogado por igual período.

Prefeitura de Governador Jorge Teixeira - RO promove processo seletivo

Mais uma oportunidade de emprego é disponibilizada em Rondônia. A Prefeitura de Governador Jorge Teixeira divulgou edital nº. 01/2016 de processo seletivo, oferecendo 12 vagas temporárias para os cargos de Bioquímico, Fisioterapeuta e Técnico de Enfermagem. A jornada de trabalho será de 40 horas por semana.

Os interessados deverão entregar o curriculum vitae na Secretaria de Saúde, situada à Rua Sumaúma, nº 1130, até 27 de janeiro de 2016, no horário comercial compreendido de segunda a quinta – feira das 7h30 às 12h e das 14h às 17h30 e na sexta-feira das 7h30 às 13h30 e por e-mail no endereço eletrônico semsaugjt@hotmail.com. Não será cobrado nenhum valor a título de taxa de inscrição.

No ato da inscrição, o/a candidato(a) deverá anexar ao currículo a cópia dos seguintes documentos e títulos (xerox), e originais para autenticação:

  • Carteira de Identidade;
  • CPF;
  • Comprovante de Alistamento Militar (quando for o caso);
  • Comprovante de Escolaridade;
  • Comprovante de Residência.

O processo seletivo será composto de análise curricular e entrevista.

O resultado da análise dos currículos será divulgado até às 17h30 de 29 de janeiro de 2016, no quadro de avisos da Prefeitura Municipal e através do site www.governadorjorgeteixeira.ro.gov.br.

A entrevista será realizada na data provável de 1º de fevereiro de 2016. Onde deverão comparecer todos classificados que serão divulgados no site e mural da prefeitura e/ou por telefone a partir de 29 de janeiro de 2016.

O processo seletivo terá prazo de validade de 12 meses, contados a partir da data de contratação, podendo ser prorrogado por mais 12 meses.

O edital encontra-se publicado no Diário Oficial dos Municípios do Estado de Rondônia, do dia 13 de janeiro de 2016, a partir da pág. 32.

Concurso IFSP - Edital para cargos Técnico-Administrativos

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) divulgou em dezembro o edital nº 864/2015, que estabelece as normas do concurso público para provimento de cargos Técnico-Administrativos em Educação, nos níveis fundamental, médio/técnico e superior.

Cargos e vagas
Administrador (3), Analista de Tecnologia da Informação (13), Bibliotecário - Documentalista (4), Engenheiro/ Área - Civil (1), Médico do Trabalho (2), Nutricionista (7), Pedagogo (1), Programador Visual (1), Tecnólogo em Recursos Humanos (1), Tecnólogo em Processos Químicos (1), Tecnólogo em Redes de Telecomunicação (2), Assistente em Administração (5), Técnico em Agropecuária (1), Técnico em Secretariado (1), Técnico de Laboratório/ Área: Mecânica (3), Técnico de Laboratório/ Área: Eletroeletrônica (2), Técnico de Laboratório/ Área: Eletrônica (2), Técnico de Laboratório/ Área: Biologia (1), Técnico de Laboratório/ Área: Automação (3), Técnico de Tecnologia da Informação (10), Técnico em Contabilidade (1), Tradutor e Intérprete de Linguagem de Sinais (7), Técnico de Laboratório/ Área: Edificações (1), Técnico de Laboratório/ Área: Informática (1), Assistente de Alunos (11), Assistente de Laboratório/Área: Indústria (3), Assistente de Laboratório/ Área: Ciências da Natureza (3), Assistente de Laborató- rio/ Área: Eventos (1), Assistente de Laborató- rio/ Área: Informática (4), Auxiliar de Biblioteca (2), Auxiliar em Assuntos Educacionais (4) e Operador de Máquinas Agrícolas (1).

A remuneração inicial dos selecionados e efetivados será de R$ 1.739,04 a R$ 7.333,09, dando direito ainda a benefícios, como: Auxílio Alimentação; Auxílio Pré-Escolar; Auxílio Transporte; e Assistência à Saúde Suplementar.

Inscrição
De acordo com o cronograma do concurso, o processo de inscrição será feito pela internet, no site do IFSP (www.ifsp.edu.br), de 16 de fevereiro a 16 de março de 2016, mediante pagamento de taxa de inscrição no valor de R$ 70,00, R$ 90,00 ou R$ 110,00, a depender da vaga pleiteada.

Provas e lotação
Para todos os cargos, será aplicada prova objetiva escrita, prevista para a data provável de 22 de maio de 2016. Os inscritos para os cargos de Tradutor e Intérprete de Linguagem de Sinais e Operador de Máquina Agrícola também se submeterão a prova de desempenho teórico-prático. Os aprovados e contratados poderão ser lotados em uma das unidades do IFSP nas cidades de: Araraquara, Avaré, Barretos, Birigui, Boituva, Bragança Paulista, Campinas, Campos do Jordão, Capivari, Caraguatatuba, Catanduva, Cubatão, Guarulhos, Hortolândia, Ilha Solteira, Itapetininga, Jacareí, Jundiaí, Matão, Piracicaba, Presidente Epitácio, Registro, Salto, São Carlos, São João da Boa Vista (câmpus e Núcleos Descentralizados da Reitoria), São José dos Campos, São Paulo (câmpus e Reitoria), São Roque, Sertãozinho, Sorocaba, Suzano, Tupã, Votuporanga ou as unidades que forem criadas durante a vigência do concurso público, que é de dois anos, passível de prorrogação.

O edital, anexos e demais atualizações devem ser acompanhados pelos interessados: http://www.ifsp.edu.br/

Edital / Publicações

Você sabe como combater o mosquito aedes aegypti?

Confira a animação e saiba como:


Blog da Saúde

Em que momento chamar o SAMU?

De janeiro a outubro de 2015 a central responsável pelo atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) recebeu quase 12 milhões de ligações em todo o país, mas 6,8 milhões, mais da metade das chamadas recebidas, não eram destinadas ao serviço. Por isso, é importante em quais situações devemos acionar este serviço

SAMU X Bombeiros

O SAMU 192 está disponível para a população em momentos de urgência e emergência médica e funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. A ligação é gratuita e pode ser realizada por qualquer telefone fixo ou móvel. O serviço reúne médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e socorristas, que podem prestar socorro em emergências de natureza traumática, clínica, pediátrica, cirúrgica, gineco-obstétrica e de saúde mental para a população em qualquer lugar, seja na residência, local de trabalho ou vias públicas.

Ao ligar, o cidadão é atendido por um profissional treinado na Central de Regulação Médica de Urgência que fará perguntas para iniciar o socorro. Neste momento é importante estar junto à vítima, como explica Maria Inez Gadelha, diretora substituta de Atenção Hospitalar e Urgência do Ministério da Saúde. “Para o atendimento é muito importante que o médico regulador, que trabalha no atendimento do SAMU, tenha o mínimo de informação necessária para estabelecer o grau de risco daquela pessoa, de modo que possa definir qual tipo de equipe e veículo será encaminhado para o local, pois existem tipos diferentes de ambulância para atendimento das chamadas”.

Esta conversa permite que o médico regulador preste as primeiras recomendações sobre o socorro, ainda pelo telefone, enquanto a pessoa aguarda a chegada da ambulância, reduzindo o número de óbitos, o tempo de internação em hospitais e as sequelas decorrentes da falta de socorro precoce. Portanto, ao ligar para o 192 é importante tentar responder a todas as perguntas solicitadas com calma, mesmo que seja difícil, e não desligar o telefone até a liberação do médico regulador.

A jornalista Lívia Faria, de 30 anos, de Brasília (DF), com auxílio do médico pelo telefone, conseguiu prestar os primeiros socorros e salvar a vida da avó. “Minha avó já tinha alguns problemas de saúde, como parkinson e demência senil, e começou a expelir um líquido branco espumando pela boca. Ela já estava roxa, sem conseguir respirar, ligamos para a SAMU e o médico me deu as primeiras orientações pelo telefone para deitá-la no chão, puxar a língua, soprar o nariz para tirar o líquido das vias áreas e fazer massagem cardíaca enquanto a ambulância chegava. Ele ficou comigo no telefone o tempo todo enquanto eu fazia isso. Foi com ajuda dele que pude socorrer ela até a chegada da ambulância”, lembra.

Além das ambulâncias, o SAMU também conta com UTIs móveis, motos, lanchas e helicópteros para atendimentos. Também fazem parte da frota veículos de transportes equipados para suporte básico, para casos simples e intervenções rápidas.

Ligue para o SAMU 192 somente se estiver diante de uma situação de emergência. Um trote pode impedir que uma vida seja salva.

Fonte: Gabriela Rocha/ Blog da Saúde

Problemas ocasionados pelo calor não devem ser ignorados

shutterstock 292309145A temperatura sobe no verão e com ela aparecem diversos problemas ocasionados, em geral, por conta da pressão arterial, seja ela alta ou baixa

Quando sintomas como tonturas, mal-estar e até desmaios surgem é preciso procurar um cardiologista para encontrar as causas.

“Muitas pessoas não sabem que tem o problema. Nesse caso, o mais perigoso é quando a pressão arterial está alta, pois sobrecarrega as artérias. Se a doença não for tratada, pode ter graves consequências, como acidente vascular cerebral, insuficiência renal, doenças cardíacas e, em alguns casos, até a perda da visão. A pressão baixa também deve ser controlada. E ao contrário do que muitos pensam, não é recomendável ingerir sal para combater os sintomas da chamada hipotensão. Alguns sinais típicos, como tontura, são semelhantes aos da pressão alta e o sal é muito perigoso se utilizado por pessoas hipertensas. Por isso, para ter um diagnóstico correto, é importante procurar um médico”, orienta a cardiologista Aurora Issa, do Instituto Nacional de Cardiologia (INC).

Na maioria dos casos, a orientação médica é que as pessoas devem ingerir bastante líquido para evitar a desidratação. Contudo, essa recomendação nem sempre é valida para cardíacos, por isso é importante que esses pacientes tenham um cuidado redobrado e consultem o cardiologista com regularidade.

“Todos os pacientes cardíacos devem procurar o cardiologista um pouco antes do início do verão para fazer uma revisão da medicação e para que o médico possa orientá-lo, inclusive sobre a quantidade de água que deve ser ingerida, pois pacientes com insuficiência cardíaca têm restrição de líquido.”, explica a cardiologista.

Evite problemas de pressão no verão:

  • Mantenha-se hidratado (conforme recomendação médica).
  • Evite locais abafados e com muita aglomeração de pessoas.
  • Use roupas leves.
  • Mantenha uma alimentação saudável, com pouca ingestão de sal

Como a Dinamarca vem eliminando a negligência médica?

Países como Dinamarca e Nova Zelândia têm uma abordagem radicalmente diferente em relação à erros médicos, e um modelo similar poderia melhorar a segurança do paciente em outros países

Ao invés de negligência médica, a Dinamarca tem um programa nacional que compensa os pacientes por danos sofridos devido à erros médicos e compartilha seus dados com hospitais e pesquisadores para que tal dano seja evitado em uma situação futura.

Sob tal sistema, a ênfase está em ajudar os pacientes, e o compartilhamento de dados também ajuda a identificar prestadores de alto-risco. Isso entra em contraste gritante com a aferição de culpa à outros que é comum como resposta à erros médicos, principalmente nos EUA, onde tais erros são a terceira maior causa de morte. Na maior parte das vezes, a natureza do sistema de más práticas não fornece incentivos para desculpas e impõe um nível proibitivo elevado para pacientes que procuram provar que têm direito à indenização, de acordo com a Pro Publica.

Os dados recolhidos de reivindicações não são utilizados para avaliar publicamente médicos e hospitais ou procurar sistematicamente por maus atores, mas eles podem ajudar a sinalizar provedores que causam erros repetidamente e podem representar um risco.

O segredo para o sucesso de tais programa, independentemente do tipo de sistema de saúde ao qual eles são aplicados, é manter as vítimas de danos ao paciente no ciclo, seja o hospital culpado ou não, o que faz com que os prestadores vejam a si mesmos e os pacientes como lados opostos nessas situações.

“Não é fácil discutir um erro, mas deve haver um relacionamento seguro entre médico e paciente”, afirmou especialista em fígado no Rigshospitalet, hospital nacional da Dinamarca, ao Pro Publica. “A coisa mais importante sobre segurança do paciente é falar sobre isso”.

*Com informações de Fierce Healthcare em 11/01/16.

Saúde Business

Consumo diário de bebida com açúcar aumenta gordura visceral, diz estudo

Esse tipo de gordura está associado a maior risco de diabetes e infarto. Pesquisa acompanhou mais de mil adultos por seis anos


O consumo diário de bebidas industrializadas com açúcar está associado ao aumento do volume de gordura visceral no corpo. Esta é a gordura que se acumula no abdômen e está associada ao aumento do risco de diabetes e de doenças cardíacas. A conclusão veio a partir da análise de dados do Estudo Framingham do Coração, pesquisa financiada pelo governo dos Estados Unidos, e foi publicada na revista científica “Circulation”, editada pela Associação Americana do Coração, nesta segunda-feira (11).

Ao todo, 1.003 adultos com idade média de 45 anos foram acompanhados por seis anos. No início e no final desse período, eles responderam a questionários sobre o consumo de bebidas e passaram por exames de imagem para verificar a quantidade de gordura no corpo. Os resultados mostraram que, entre os que consumiam bebidas açucaradas, o volume de gordura visceral cresceu mais do que entre os que não consumiam esse tipo de bebida e mais do que entre os que bebiam refrigerantes sem adição de açúcar.

Ao longo dos seis anos em que os participantes foram acompanhados, os que não bebiam bebidas com açúcar tiveram um aumento de 658 centímetros cúbicos de gordura visceral. Entre os que consumiam esse tipo de produto diariamente, o aumento foi de 852 centímetros cúbicos.


Para a principal autora do estudo, Caroline S. Fox, isso é uma evidência que liga as bebidas adoçadas com acçúcar a doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2. “Nosso recado para os consumidores é seguir as diretrizes de alimentação atuais e estar conscientes da quantidade de bebidas com açúcar que bebem. Para as autoridades, esse estudo acrescenta evidências a um crescente corpo de pesquisa que sugere que bebidas com açúcar podem fazer mal à nossa saúde.”

Na semana passada, foram publicadas as novas Diretrizes Alimentares para Americanos 2015-2020. O documento estabeleceu que o acréscimo de açúcar nos alimentos deve representar menos de 10% das calorias diárias.

G1

Atenção, farmacêuticos que atuam no SUS!

O Conselho Federal de Farmácia (CFF) está recebendo inscrições para a quarta edição da revista “Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS”

A publicação reúne relatos de farmacêuticos de todo o Brasil que desenvolvem trabalhos bem sucedidos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Os interessados em participar da seleção podem encaminhar os dados até o dia 5 de abril pelo endereço http://revistas.cff.org.br/. (Ao fazer o cadastro, é necessário marcar a opção "Autor").

A novidade para este ano é que a avaliação será feita em duas etapas: por avaliadores do Grupo de Trabalho (GT) sobre Saúde Pública do CFF e por voluntários das diferentes áreas de atuação do farmacêutico (Hospitalar, Fitoterapia, Floralterapia, Hemoterapia etc).

As inscrições também serão feitas por meio de um novo sistema informatizado, Open Journal Systems (OJS), o mesmo utilizado pelo periódico Infarma. O sistema permite um maior controle do processo avaliativo e o armazenamento de todas as correções realizadas.

De acordo com o presidente do CFF, Walter Jorge João, o objetivo da publicação desses relatos é sensibilizar os gestores públicos de saúde sobre a importância da atuação do farmacêutico nas atividades do SUS. "Uma atuação competente do farmacêutico, devidamente respaldada pelo gestor público, pode colaborar com a eficiência da gestão, a otimização dos recursos financeiros na aquisição de medicamentos e a redução das perdas de produtos adquiridos".

O vice-presidente do CFF e coordenador do projeto, Valmir de Santi, explica que é importante que os autores leiam atentamente as diretrizes para escrever o trabalho. "Todas as informações ali solicitadas são fundamentais para a publicação da experiência. Este ano, usaremos um novo sistema de avaliação e as experiências apenas serão submetidas se cumprirem todos os requisitos do sistema".

Os trabalhos devem conter imagens (sejam gráficos, fotos ou outras informações visuais), para facilitar a compreensão e visualização do conteúdo apresentado. "Os gráficos são muito úteis para a demonstração de resultados obtidos e comparação de números", reforça Wilson Hiroshi, membro do GT sobre Saúde Pública que irá coordenar a equipe de avaliadores. “Se o projeto resultou no crescimento da adesão aos medicamentos dispensados, se houve melhora do quadro de saúde dos pacientes atendidos, tudo isso deverá ser comprovado por meio de números, com a descrição da realidade anterior, concomitante e posterior às intervenções realizadas”, exemplifica.

Além da apresentação dos resultados obtidos pelos autores de forma objetiva, preferencialmente por meio de números, em forma de tabelas ou gráficos, os trabalhos que integram as três edições já publicadas da revista “Experiências Exitosas” tiveram algumas características em comum: descrição bem clara e definida dos objetivos; informações sobre a metodologia utilizada para a coleta de dados ou execução das ações. “Quando isto não for possível apresentar os resultados numericamente, deve-se descrever detalhadamente qual foi a mudança ou melhoria obtida no serviço mediante às ações realizadas", destaca o avaliador.

A publicação é uma iniciativa do Conselho Federal de Farmácia (CFF) e é editada uma vez por ano. O objetivo é dar destaque aos relatos de farmacêuticos que atuam no SUS e obtiveram experiências bem sucedidas. "Os trabalhos selecionados podem servir de exemplo a outros farmacêuticos e, assim, ajudar na melhoria dos serviços de saúde em outras localidades", acredita Valmir de Santi.

Fonte: Comunicação do CFF

Ministro da Saúde diz que vacinar contra dengue sairia muito caro

Segundo Marcelo Castro, imunização custaria R$ 300 por pessoa

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, apontou problemas que, segundo ele, podem inviabilizar a compra e a distribuição, na rede pública, da vacina contra a dengue desenvolvida pelo laboratório francês Sanofi Pasteur.

Castro disse que a vacina é cara e precisa de três doses para ter eficácia, o que exigiria mais esforços de equipes de saúde para garantir a aplicação completa. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou o registro da nova substância no último dia 28.

Castro revelou que espera a produção de uma outra vacina, desenvolvida pelo Instituto Butantan, que está na última fase de testes. Ele não descartou a compra da substância do laboratório francês, mas deixou claro que conta com a alternativa nacional.

— A vacina do Sanofi Pasteur precisa ser aplicada em três doses. A gente encontra dificuldade para dar uma, é complicado chamar a pessoa para vacinar de novo depois de seis meses. Uma dose ficaria em torno de 20 euros. Então, seriam 60 euros na conta final. Cotando o euro aR$ 5, fica R$ 300 por pessoa.

Imagine vacinar um milhão; dá R$ 300 milhões. Para 10 milhões de pessoas, gastaríamos R$ 3 bilhões. E 10 milhões de pessoas não é nada, temos 200 milhões para vacinar — afirmou Castro. Ainda de acordo com o ministro, vai demorar muito tempo para que um laboratório desenvolva uma vacina contra o zika vírus, que, assim como a dengue, é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.  

Enquanto não vem a vacina, é não deixar o mosquito nascer. Se nasce, é um perigo ambulante — disse o ministro. — Agora, é guerra declarada ao mosquito, inimigo número um do Brasil. Castro destacou que cidades de todo o país precisam adotar estratégias eficazes de combate ao Aedes Aegypti ,e sugeriu que sejam seguidos os exemplos de Natal (RN), que espalhou armadilhas com larvicida; São Carlos (SP), onde foram formadas brigadas mirins para a conscientização da população; e Água Branca (PI), que criou selos para identificar imóveis com possíveis focos de proliferação do mosquito.

Mau exemplo na capital federal
O ministro cobrou uma maior mobilização popular contra o Aedes Aegypti, mas nem sempre o poder público deu exemplo.

Somente ontem o governo do Distrito Federal deu início à retirada de milhares de pneus abandonados no Autódromo Nelson Piquet, em Brasília, fechado para obras desde o ano passado. Agentes de saúde confirmaram que a maioria acumulava água de chuva.

O Globo