Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


domingo, 2 de setembro de 2012

Nutricionistas alertam para bombardeio sensorial da indústria de alimentos

Profissionais alertam para consumo consciente de alimentos com qualidade

A presidenta da Federação Nacional dos Nutricionistas, Elizabeth Moura, destacou que a nutrição não deve ser lembrada apenas na hora de perder peso." Em geral, as pessoas pensam mais em nutrição quando se preocupam com o seu peso, mas essa ciência é muito mais que isso. A boa nutrição também cura e é responsável pelo bem-estar da população" , disse.
 
Para a nutricionista Andrielle Haddad, a indústria de alimentos promove um "bombardeio sensorial no público, através da propaganda, para vender seus alimentos, mas o consumidor tem que ficar alerta para a sua necessidade individual de nutrientes". Ela recomenda que as pessoas olhem os rótulos dos produtos para saber "o teor de gordura, de açúcar, de carboidratos, enfim, de tudo que tenha a ver com as necessidades diárias de cada um".

Sobre o consumo de açúcar, a presidenta do Conselho Regional de Nutrição do Distrito Federal, Mara De Boni, alerta para os perigos da ingestão em excesso, que aumentam as chances do surgimento de doenças, como diabetes. É importante ainda, continuou a nutricionista, alternar os tipos de adoçantes usados, pois é mais seguro consumir variadas marcas que tenham princípios ativos diferentes. Há suspeitas de que o uso continuado de um único tipo possa causar doenças.

Ela destacou que a sociedade "clama hoje pela participação profissional do nutricionista em prol da saúde" , ao participar de sessão solene na Câmara Legislativa do Distrito Federal em homenagem aos nutricionistas.

A coordenadora de Segurança Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Patrícia Chaves, destacou que, nos últimos dez anos, a nutrição passou a se tornar peça importante dentro dos programas sociais do governo. "A questão da nutrição vem contando com a preocupação das políticas públicas, na área do ministério e no trabalho do governo em prol do combate à fome dentro das políticas sociais."

Fonte isaude.net

Guia do Ministério da Saúde orienta atendimento às vítimas de queimaduras

Cartilha serve para prestar assistência as equipes de saúde no atendimento imediato em casos de lesão e risco de morte

Auxiliar as equipes de saúde em todo o país na assistência imediata às vítimas de queimaduras, reduzindo o agravo da lesão e o risco de morte. Este é o objetivo da ?Cartilha para Tratamento de Emergências das Queimaduras?, produzida pelo Ministério da Saúde e a Câmara Técnica de Queimaduras do Conselho Federal de Medicina. Com tiragem de 424.500 mil exemplares, o material já seguiu para as secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, Hospitais Gerais e Especializados, posto e centro de saúde, unidade básica, policlínica, pronto-socorro geral e especializado, pronto atendimento, entre outros serviços de saúde.

Em 17 páginas e com linguagem concisa e de fácil manuseio, o profissional encontra inicialmente, informações sobre o principal órgão atingido pelo agravo, a pele. Em seguida, vem o passo a passo para o atendimento inicial das vítimas de queimadura em diferentes graus (1º, 2º e 3º grau), muitas vezes com extrema gravidade e risco de morte. As orientações estão baseadas na análise da superfície do corpo afetada pela queimadura, na profundidade, na extensão do agravo, no agente causador e nas circunstâncias em que ocorreram as queimaduras.

Segundo informou a pasta, em 2011, foram 1.437 internações em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de Queimados e a taxa de óbito foi de 17,95% (258) das internações. Já em 2010, ocorreram 1.283 internações em UTI e deste quantitativo, 18,16% (233) foi o percentual de óbito por este agravo. O país conta com 45 unidades hospitalares habilitadas em assistência a vítima de queimaduras, espalhados pelas cinco regiões do país.

Panorama
De acordo com informações da cartilha, entre os casos de queimaduras notificados no país, a maior parte ocorre nas residências das vítimas e quase a metade das ocorrências envolve a participação de crianças. Entre as queimaduras mais comuns, tendo as crianças como vítimas, estão as decorrentes de escaldamentos (manipulação de líquidos quentes, como água fervente, pela curio característica da idade) e as que ocorrem em casos de vioência doméstica. Por sua vez, entre os adultos do sexo masculino, as queimaduras mais frequentes ocorrem em situações de trabalho.

O material ainda informa que, os idosos também compreendem um grupo de risco alto para queimaduras devido à sua menor capacidade de reação e às limitações físicas peculiares à sua idade avançada. Já para as mulheres adultas, os casos mais frequentes de queimaduras estão relacio às várias situações domésticas (como cozimento de alimen, acidentes com botijão de gás entre outros). De uma forma geral, para toda a população, as queimaduras devido ao uso de álcool líquido e outros inflamáveis são as predominantes. Outras formas muito comuns de queimaduras são as que ocorrem por agentes químicos.

Fonte isaude.net

Mutação em gene pode explicar distúrbio em meninos com órgão sexual feminino

Pesquisa da USP aponta para nova mutação no gene FGFR2, que leva ao desenvolvimento sexual humano anormal

Recentes estudos dos genes FGF9 e FGFR2, em pacientes portadores de distúrbios do desenvolvimento testicular identificou uma nova mutação no gene FGFR2. A constatação pode vir a comprovar a participação efetiva do FGFR2 no distúrbio do desenvolvimento sexual em humanos, que gera anomalias nas gônadas sexuais. "É o caso de pacientes que possuem os cromossomos XY mas que desenvolvem genitália feminina ou ambígua. Ou seja, eram para ser meninos, mas o desenvolvimento anormal do testículo e produção de hormônios masculinos insuficientes determinou o desenvolvendo de uma genitália feminina ou ambígua" , explica a bióloga Aline Zamboni Machado. Os cromossomos sexuais determinam o sexo, sendo que XX representa um embrião feminino e XY um embrião masculino.

As pesquisas foram realizadas na Unidade de Endocrinologia do Desenvolvimento do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), onde são desenvolvidas pesquisas que visam à compreensão dos complexos mecanismos envolvidos no desenvolvimento sexual normal e anômalo. Dentre elas, a pesquisa da presença de anormalidades em genes que participam da formação das gônadas - ou seja, os testículos e os ovários - no período fetal humano.

" Vimos casos de clitóris de tamanho aumentado. Fusão dos grandes lábios vaginais e casos de micropênis, que caracterizam uma ambiguidade da genitália" , explica a bióloga e realizadora da pesquisa, Aline Zamboni Machado. Por genitália ambígua podemos entender uma anomalia física que impede a identificação do órgão sexual da pessoa. Nesses casos, fica a cargo do médico definir se o bebê é menina ou menino, já que na maioria das vezes não é feito um exame completo para descobrir o cariótipo, conjunto cromossômico daquela criança.

Disfunção
Evidências do envolvimento do gene FGFR2 no processo da formação testicular já foram descritas em estudos com animais (camundongos).

Em alguns casos, o distúrbio sexual gonadal não pode ser identificado externamente, já que a disfunção é interna. São nesses casos em que as pessoas descobrem a disfunção mais tardiamente, já que externamente a criança tem características femininas normais. " A família só percebe que existe algo de errado quando a menina não menstrua e não começa a desenvolver seios" , explica.

Todos os embriões tem gônadas em bipotenciais. Ou seja, podem desenvolver ovários ou testículos e assim ser mulher ou homem, respectivamente. Essa determinação acontece graças à ação de diversos genes sobre à gônada. Uma disfunção nesses genes pode gerar alteração na determinação e diferenciação dos órgãos sexuais. Esses genes agem sobre a gônada em cascata, ou seja, uma série de genes vai agindo em sequência. Os que Aline estudou foram os dois primeiros genes dessa cascata.

" O que é interessante observar é que: se o embrião fosse XX ele não sofreria nenhuma disfunção. Nasceriam meninas normais. O gene que causa a disfunção está presente no Y, então embriões XY que viriam a ser meninos sofrem essas alterações em sua genitália" .

Diagnóstico
Aline conta que a maioria dos pacientes chega ao Hospital das Clínicas sem diagnóstico. Ao perceber a disfunção, os médicos enviam um pedido de análise do cariótipo, exame realizado no Laboratório de Hormônios e Genética Molecular, além de vários outros exames. Os pacientes que apresentam as características da doença são convidados a participar da pesquisa.

Nos últimos dois anos, Aline esteve estudando 33 pacientes portadores dos distúrbios do desenvolvimento sexual, para seu trabalho de mestrado. Em duas delas foi possível identificar uma mutação nova no gene FDFR2. " Eram duas irmãs com o mesmo problema. A mais nova tinha genitália ambígua e por isso a família percebeu o problema, já a sua irmã mais velha tinha genitália externa feminina, mas internamente ambas as pacientes possuíam testículos malformados."

O que a pesquisadora constatou é que a mutação também estava presente na mãe nas meninas, mas como a ela era XX esse gene não lhe causou nenhuma alteração. A partir dessa identificação é possível fazer um aconselhamento genético para a família, orientando o risco do casal de ter outros filhos com a mesma doença, no caso de outra gestação com bebê do sexo masculino.

As duas irmãs estudadas na pesquisa passaram por cirurgia para a remoção dos órgãos masculinos e passarão a tomar hormônios femininos para o resto da vida, com a finalidade de indução do desenvolvimento das características corpóreas femininas.

A pesquisa foi orientada pela professora Sorahia Domenice e faz parte do grupo de pesquisa Unidade de Endocrinologia do Desenvolvimento, liderado pela professora Berenice Bilharino de Mendonça.

Fonte isaude.net

Estresse prejudica a qualidade do sexo

Além de diminuir a qualidade de vida, o estresse pode causar obesidade e depressão

Começo esse artigo com uma pergunta: o que todos queremos na vida? Uma boa resposta seria sucesso. Esta palavra abrange muitos aspectos do nosso dia a dia, desde os profissionais até na família. Na busca por esse tão desejado sucesso, começamos a ocupar o máximo de nosso tempo. As pessoas dizem: o tempo voa, mas na verdade nós o deixamos passar sem perceber.

Se não percebemos isso é porque estávamos preocupados com outros afazeres. Será que esses assuntos são mais importantes do que aquele tempo que perdemos? Para você que está pensando na reposta, dou uma dica, não perca tempo. A nossa vida é feita de pequenos momentos não os deixe passar.

As pessoas procuram os médicos para fazer prevenção, com queixas físicas e emocionais e o que os nós vemos, além disto, é pressa, desgaste físico, tristeza, obesidade e muito estresse. O cuidado atual do homem não pode se restringir a partes do corpo e sim uma visão holística onde no físico faz-se a prevenção das doenças e consequentemente prolonga os anos de vida.

No equilíbrio da saúde devemos evitar atos que a prejudiquem como a bebida em excesso, o cigarro, os alimentos gordurosos e o trabalho estressante contínuo. Hoje, o homem moderno faz o ANDROCHECK: a prevenção do câncer de próstata, a avaliação hormonal (andropausa) e um estudo do seu sistema cardiovascular uma vez ao ano, sem medos, sem mitos. Isso mostra que a prevenção é o segredo da boa saúde.

Saúde emocional
Como anda a sua saúde emocional? Boa. Ótimo! Se não estiver como deseja pense que ela depende só de você. Você não pode mudar os outros mas pode mudar você mesmo. Temos um mundo dentro de nós para ser explorado. Evite o "estresse" para conseguir explorar esse potencial com facilidade e da melhor maneira possível.

Para conseguir combater esse inimigo com mais facilidade, é importante conhecer os tipos de estresse que podem estar em nosso cotidiano.

Estresse agudo: acontece no trabalho, escola, sequestro, assalto, problemas na família e a morte.

Estresse contínuo: por um sofrimento constante: doenças mentais, crônicas e o câncer.

Eustress (stress bom): é uma tensão positiva que nos motiva, agiliza e mobiliza. Melhora a função física ou mental, através do esforço ou do trabalho desafiador. Sempre relacionado a eventos desejáveis na vida.

Distress: tipo de stress com implicações negativas (angústia) que levam a comportamentos adaptativos: agressividade, passividade, ou a depressão. Como respostas ao distress podemos ter o alívio por atos positivos: música, exercícios, esportes e outras distrações saudáveis, e o alívio por atos negativos: drogas, álcool e a raiva.

Vida sexual
E na sexualidade: o que queremos? Uma sexualidade ativa, vibrante e sermos felizes. Como? Primeiro devemos mudar a nossa visão do ato sexual. Ser visto como muito mais do que o ato sexual em si e sim como um envolvimento de corpo e alma, com emoção, envolvimento, descoberta, troca, paixão, parceria e carinho.

Tudo isto independente da faixa etária e sempre usando os cinco sentidos: o olhar, o beijar, o ouvir, o cheirar e muito toque. Estes são os segredos do sexo eternamente bom. As dificuldades como o dia a dia e as disfunções sexuais devem ser tratadas por especialistas sem grande demora. Quanto mais rápido melhor o resultado.

Vamos exercitar ligações afetivas, uma dieta adequada, dançar, muitas viagens e praticar sexo. Assim vamos valorizar sentimentos e resgataremos nossa auto-estima, autoconfiança, emoções e finalmente criar uma parceria sexual.

Fonte Minha Vida

Veja os benefícios que o orgasmo traz à sua saúde

Ele pode aliviar as tensões, combater a insônia e até fortalecer a imunidade

É incontestável que sexo é bom e promove uma sensação de bem-estar. O orgasmo, que é o ponto máximo do prazer sexual, pode ser uma experiência tanto física quanto psicológica, proporcionando uma série de reações e sensações gostosas à mulher.

O que poucas mulheres sabem, porém, é que o orgasmo pode proporcionar também benefícios à saúde. Uma vida sexual ativa pode levar desde o alívio do estresse até a prevenção de doenças cardíacas. Por isso aproveite com o seu parceiro todos os benefícios que ele pode te trazer!
 
Alivia a tensão - Foto Getty ImagesAlivia a tensão
De acordo com um artigo publicado no The Journal of Sexual Medicine, durante a relação sexual, o fluxo sanguíneo e a frequência cardíaca aumentam significativamente, chegando ao clímax que é o orgasmo. E a principal característica do orgasmo é uma contração seguida de um intenso relaxamento, capaz de aliviar as tensões musculares, relaxando o corpo inteiro!
Alivia dores - Foto Getty ImagesAlivia dores
Enxaqueca e cólicas menstruais não são mais desculpa para deixar o sexo de lado. Diversos estudos publicados no The Journal of Sex Research comprovam que, durante o orgasmo, nosso cérebro libera endorfinas e oxitocinas em quantidades até cinco vezes maiores do que em situações normais. Essas substâncias são hormônios responsáveis pelo controle da dor, muito similares à morfina.

Isso não quer dizer que você deve transar toda vez que tiver uma dorzinha, mas as relações sexuais podem dar uma mãozinha na hora de relaxar e fugir das dores.
 
Melhora o sono - Foto Getty ImagesMelhora o sono
Pesquisadores da UNICAMP descobriram que mulheres com maior prazer sexual também apresentam menores índices de insônia. Os resultados forma alcançados por meio de um questionário feito com 378 mulheres brasileiras com idades entre 40 e 65 anos e residentes em Belo Horizonte, Minas Gerais.

De acordo com os estudiosos, além do relaxamento dos músculos e da liberação de endorfinas, o orgasmo também ativa neurotransmissores que fazem o cérebro e o organismo funcionarem melhor, interferindo diretamente na qualidade do nosso sono. E isso não é só nas noites de relação sexual - os benefícios são prolongados, proporcionando ótimas noites de sono todos os dias.
pele e cabelos mais bonitos - Foto Getty ImagesDeixa pele e cabelos mais bonitos
Um estudo realizado por cientistas da Universidade Queens, no Reino Unido, afirma que atingir o orgasmo aumenta os níveis dehidroepiandrosterona e estradiol - o primeiro é responsável por consertar os tecidos e manter a pele saudável e o segundo deixa a pele e os cabelos mais viçosos. Além disso, quando há o orgasmo, ocorre uma vasodilatação superficial dos vasos sanguíneos, proporcionando à pele e aos cabelos uma aparência viçosa e exaltando o brilho natural.
 
Diminui o estresse - Foto Getty ImagesDiminui o estresse
Mais uma vez, os benefícios do orgasmo vão além das quatro paredes, trazendo mais qualidade de vida. Um estudo escocês publicado na revista Biological Psychology relevou que o orgasmo diminui a produção de cortisol, hormônio responsável pelo estresse.

Esse estudo também comprovou que pessoas com uma vida sexual ativa lidam melhor com situações de estresse do que aquelas que não praticam sexo regularmente.
 
Protege o coração - Foto Getty ImagesProtege o coração
O estudo Women's Health Initiative, do Instituto Nacional de Saúde dos EUA, foi feito com 10.739 mulheres que faziam algum tratamento hormonal, a fim de analisar os efeitos dos hormônios para a saúde feminina, principalmente entre aquelas na fase da menopausa.

Os pesquisadores concluíram que as mulheres que faziam tratamento com estrogênio apresentaram riscos bem menores de doenças cardíacas, com a incidência de ataques cardíacos quase 50% menor em comparação com as mulheres do grupo do placebo.

Como já foi dito, o orgasmo proporciona um aumento dos níveis de estrogênio na mulher, sendo, portanto, comprovada a influência do sexo na redução de complicações cardíacas.
 
Fortalece a imunidade - Foto Getty ImagesFortalece a imunidade
Um estudo feito pela Wilkes University, nos Estados Unidos, mostrou que uma vida sexualmente ativa aumenta os níveis de um anticorpo conhecido como IgA, responsável pela proteção do organismo de infecções, gripe e resfriado.
 
 
Promove a longevidade - Foto Getty ImagesPromove a longevidade
Uma universidade na Escócia entrevistou mais de 3500 pessoas na Europa e EUA, a fim de encontrar uma relação entre sexo e longevidade. A entrevista incluía perguntas sobre frequência e qualidade da atividade sexual dos participantes.

Após as entrevistas, um grupo de juízes analisava os participantes e tentavam descobrir suas idades. Ao final do estudo, os pesquisadores notaram que as pessoas que faziam sexo pelo menos quatro vezes por semana aparentavam ser mais jovens do que realmente era.

O estudo defende a tese de que o orgasmo aumenta os níveis de estradinol, hormônio responsável por deixar as mulheres mais atraentes, além de todos os benefícios à pele e aos cabelos e da redução dos níveis de estresse.
 
Fonte MInha Vida

Depressão pós-parto pode causar até alucinação; entenda

Fatores emocionais e genéticos podem desencadear transtornos psicológicos

O período após o parto é o momento em que a mulher fica vulnerável a diversas emoções, desde as mais simples, como o choro, a tristeza, até as coisas bem mais inusitadas, como imaginar que há alguém a perseguindo ou que tem superpoderes.

O obstetra Sérgio Floriano Toledo, diretor da Sociedade Paulista de Ginecologia, explica que durante a gravidez, o corpo fica “banhado” de hormônios, com destaque para o estrogênio e a progesterona.

Após o nascimento do bebê, há uma queda intensa da produção hormonal, deixando a mulher mais suscetível a uma série de fatores que podem levar à depressão.

— A morte de alguém, passar muitos dias na UTI e o determinismo genético [ter casos na família] podem ficar mais evidenciados no período pós-parto.

Com “determinismo genético”, o médico quer dizer que ter histórico familiar de depressão pode aumentar as chances de que a mulher também tenha.

Além disso, a doença se enquadra em três tipos: tristeza pós-parto, depressão pós-parto e psicose pós-parto. Elas se diferenciam nos sintomas e na intensidade, durando de cinco a sete dias.

— A duração da depressão intermediária e da psicose pós-parto vai depender do diagnóstico correto, da proposta de tratamento e do envolvimento dos familiares.

Existe tratamento para esse distúrbio psicológico? Sim. Dependendo da intensidade, é necessário o uso de medicamentos e, às vezes, até do método de eletroconvulsoterapia (corrente elétrica) em casos especiais de psicose pós-parto. O médico acrescenta:

— Já a psicoterapia pode ser inserida como tratamento para os três tipos de depressão.

Vale ressaltar que, quando a mulher se encontra em estado de depressão, quem procura pela ajuda médica são os familiares, pois quem “está de fora” consegue perceber com mais rapidez as alterações emocionais que ocorrem na mãe. Por isso é fundamental a participação e o apoio da família durante o processo de cura.

Quer saber mais sobre os tipos de depressão que podem ocorrer após o parto? Confira:

Tristeza pós-parto: Ela pode ocorrer do 3º ao 4º dia após o parto, atingindo cerca de 50% a 80% das mulheres. Sintomas: Após o nascimento do bebê, a mulher fica mais chorosa, irritada, não consegue dormir, o humor fica alterado e há certa dificuldade em se concentrar.

Depressão pós-parto (intermediária): Normalmente ela inicia a partir da segunda semana após o parto, atingindo cerca de 10% a 15% das mulheres. Sintomas: Na fase intermediária, os sintomas aparecem com mais intensidade. São elas: tristeza excessiva, choro, desânimo, desligamento da vida social, perda do apetite, aparência abatida, distúrbio do sono e perda da libido.

Psicose pós-parto: Ela pode ocorrer entre duas ou três semanas após o parto. A incidência é infinitamente menor, atingindo cerca de 0,1% a 0,2% das mulheres. Sintomas: Ilusões, alucinações (sensação de ter alguém te seguindo), confusão mental e agitação motora. A mulher fica totalmente desconexa do tempo e do espaço.

Fonte R7

Cúrcuma vem sendo usada como agente de prevenção do câncer de mama

Substância chamada curcumina também é muito benéfica no tratamento de artrite e doenças autoimunes

Também conhecida como açafrão-da-terra, a erva, originária da Ásia, é muito usada na culinária indiana, como também na medicina chinesa, já que atua como poderoso anti-inflamatório.

Da sua raiz seca e moída se extrai o pó de cor amarela e brilhante que é utilizado como condimento ou corante. Ele possui uma substância chamada curcumina que é muito benéfica no tratamento de artrite e doenças autoimunes, ajudando a prevenir o câncer de mama e melanoma.

Isso porque a curcumina atenua o fornecimento de sangue para as células do câncer de mama, ajudando a inibir a doença. A curcuma também traz diversos benefícios ao organismo. Auxilia nos casos de bronquite, asma brônquica, sinusite e rinite.

Ajuda também no tratamento dos eczemas, urticárias e acne. E é uma boa opção no tratamento do diabetes mellitus, da obesidade e nos excessos do colesterol ruim. Facilmente encontrada em qualquer supermercado do Brasil, a erva pode ser adicionada no preparo dos alimentos na quantidade de uma colher de chá.

Fonte R7

Corrida aumenta a expectativa de vida, diz estudo

Exercício pode aumentar o período de vida em até seis anos

Pesquisa realizado pelo Estudo do Coração da Cidade de Copenhague estabeleceu uma ligação entre a prática da corrida e o aumento da expectativa de vida.

Segundo os responsáveis pelo estudo, o exercício pode vir a aumentar o período de vida em até seis anos. O melhor é que a corrida nem precisa ser praticada todos os dias.

Conforme apontou o estudo, realizado com cerca de 20 mil homens e mulheres numa faixa etária de 20 a 70 anos, correr moderadamente (ritmo lento) uma ou duas vezes por semana pode reduzir o risco de morte em até 44%, levando homens a um aumento de vida de 6,2 anos em média e as mulheres em até 5,6 anos.

O estudo, denominado Copenhagen City Heart, foi divulgado no fórum internacional de Cardiologia Preventiva EuroPRevent2012, em Dublin, Irlanda do Norte. Nele os pesquisadores também ressaltaram outros benefícios proporcionados pela corrida, como a melhora da função cardíaca, o aumento da oxigenação corporal, diminuição da pressão arterial, prevenção da obesidade, entre outros.

Fonte R7

Chá-mate pode reduzir a gordura abdominal

Três doses diárias da bebida diminui em 13% as taxas de colesterol ruim

Além das conhecidas propriedades emagrecedoras dos chás, que ajudam a diminuir o inchaço e eliminar líquidos, o chá-mate tem ainda uma grande vantagem, a de auxiliar na redução da gordura abdominal.

Quem garante é uma pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul que comprovou que a erva também auxilia a reduzir os níveis de colesterol do organismo.

O estudo constatou que consumir três doses diárias (aproximadamente 300 ml cada ou quase 1 litro por dia) da bebida diminui em 13% as taxas de colesterol ruim, o LDL, e aumenta a de colesterol bom, o HDL.

Segundo os pesquisadores, isso acontece porque o chá-mate possui algumas substâncias — alcaloides e glicídios — capazes de interagir com os ácidos biliares e reduzir a absorção de colesterol.

Rico em nutrientes, o mate possui mais antioxidantes — substâncias que combatem os radicais livres e previnem o envelhecimento precoce — que o chá-verde. Em longo prazo, a erva ajuda a combater doenças como o câncer e o diabetes.

Fonte R7

Qualidade do sono piorou ao longo dos anos

Avanço da tecnologia e as múltiplas atividades fazem as pessoas perderem pelo menos uma hora na cama

Nosso sono não é mais o mesmo. Se antes especialistas indicavam que deveríamos dormir pelo menos 8 horas por noite, hoje, com o avanço da tecnologia e as múltiplas atividades que passamos a acumular em nossa rotina, perdemos pelo menos uma hora desse tempo.

Dormir pouco ou dormir mal acaba trazendo problemas como irritabilidade, fadiga crônica, hipertensão, problemas cardiovasculares, alterações no sistema imunológico e diabetes.

Crianças com distúrbios de sono podem igualmente apresentar problemas comportamentais, como hiperatividade, agressividade, queda de rendimento escolar e dificuldades de relacionamento.

Homens na faixa dos 40 anos têm mais problemas respiratórios como o ronco, que antecede a apneia, a interrupção momentânea da respiração. Nas mulheres, este tipo de problema costuma ocorrer após a menopausa, quando há interrupção da produção de estrogênio.

Elas também sofrem insônia e depressão até cinco vezes mais do que os homens, devido às alterações hormonais, estresse, predisposição genética e pelas múltiplas atividades que passaram a acumular. Se tratados, os problemas do sono podem diminuir e até desaparecer.

Para dormir bem, devemos levar uma vida saudável, fazendo uso de boa alimentação, praticando atividade física regular e procurando um horário certo para dormir. Remédio só quando for estritamente necessário e receitado pelo médico.

Fonte R7