Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


domingo, 10 de agosto de 2014

GDF apura caso de médico flagrado tirando 'selfies' durante plantão lotado

Paciente registra médico em plantão tirando 'selfie' em sala de recepção
Foto: G1/Reprodução - Paciente registra médico em plantão tirando 'selfie' em
sala de recepção
Saúde abriu sindicância; pacientes reclamam nas redes sociais de médico. Paciente diz que viu profissional tirando fotos enquanto mãe passava mal 

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal abriu sindicância para apurar o caso de um médico do Hospital Regional de Planaltina flagrado tirando "selfies" (autorretratos) durante o plantão da noite de sábado (2) enquanto pacientes do pronto-socorro aguardavam para serem atendidos. O G1 não conseguiu contato com o médico até a publicação desta reportagem. O médico chegou a acessar a mensagem da reportagem nesta sexta-feira, mas não retornou.

Uma paciente que levou a mãe doente para a unidade disse que, cansada de esperar, foi procurar o médico de plantão e viu, por uma vidraça, o profissional sentado em uma sala tirando autorretratos.

"Eu fui ao hospital com minha mãe, que estava com pressão arterial muito alta. Quando nos aproximamos, ele saiu do consultório e foi para a sala da recepção. Como ela passava muito mal, eu fui atrás dele e vi que ele estava tirando fotos tranquilamente enquanto nós aguardávamos na fila", disse a jovem, que não quis se identificar.

"Foi horrível porque ele não estava dando nenhuma atenção para nenhum dos pacientes. Tinha muitos pacientes esperando ele. 

Chegou uma senhora passando mal e um um senhor foi lá pedir para ele atender", disse. "Ele negou e falou que ela tinha que passar pela triagem e que daqui a pouco o médico ia atender ela. Em nenhum momento falou que ele era o médico. Nem de jaleco ele estava."

Indignada, ela resolveu procurar a chefia do hospital, que disse que não tinha autoridade para obrigar o médico a atender. Meia hora depois, a mãe foi atendida. "Ele nem olhou o raio X direito. No sábado retrasado fui com minha mãe e o médico disse que ela estava com pneumonia. Levamos o papel do médico, mas em nenhum momento ele olhou. Ele simplesmente disse que ela não estava com pneumonia e mandou suspender o remédio."

O médico tem diversos autorretratos publicados em seu perfil nas redes sociais. Em várias imagens ele está em uma sala branca com um estetoscópio pendurado no ombro. As imagens foram copiadas e circulam nas redes sociais. Nos comentários das publicações, vários pacientes reclamam do atendimento do profissional.

G1

Mastruço: Benefícios e modos de usar

Reprodução: Mastruço
Encontrado em quase todo o Brasil, o mastruço é uma planta utilizada para fins medicinais desde o descobrimento do Brasil

Da família das Brassicaceae, o mastruço também é conhecido como erva-de-santa-maria, erva-vomiqueira, erva-formigueira, mentruz-rasteiro, mastruz-miúdo e mastruço-dos-índios. Com caule ramificado e prostrado, a planta pode alcançar até 70 cm de altura, suas folhas são divididas e suas flores, muito pequenas, possuem coloração esbranquiçada. Seu fruto, também pequeno, apresenta duas sementes que se separam. O mastruço é uma planta de crescimento espontâneo, aromático e, quando amassado, exala um odor semelhante ao do agrião. Suas partes utilizadas são as folhas, as flores e as sementes.

Benefícios e propriedades
Com ação antibiótica, colerética, digestiva, expectorante e tônica pulmonar, a planta pode ser usada para combater a anemia, bronquite, contusões e dores musculares, escorbuto, escrofulose, gota, infecções respiratórias, raquitismo, vermes e excesso de ácido úrico. Além disso, é eficaz ainda na eliminação de catarro brônquico e muco espesso, tratamento de reumatismo e traumatismos, além de problemas digestivos.

Modo de usar
A planta pode ser usada de diversas formas. Para preparar seu chá, use a proporção de uma xícara de café de planta com as sementes para cada meio litro de água. Leve a água ao fogo e adicione a planta, deixando ferver. Ao alcançar fervura, deixe por mais 10 minutos, desligando em seguida. Deixe a mistura descansar até amornar, coe e consuma uma xícara de 6 em 6 horas.

O suco pode ser feito com um copo da planta picada para dois copos de leite. Coloque os dois ingredientes no liquidificador e bata até misturar bem. Consuma um copo por dia, por três dias seguidos.

Quando macerada, a planta pode ser usada na forma de compressas, abluções e banhos, com fins diuréticos, vermífugos, sudoríficos, tratamento de infecções pulmonares e contusão, além de agir como cicatrizante.

As folhas, quando cozidas com sal, podem ser aplicadas na pele para tratar pernas gotosas, afecções da pele, distúrbios renais, cólicas, dores de estômago e tuberculose. Além disso, em ramos, a planta pode ser usada para eliminar pulgas e percevejos quando colocada em baixo dos colchões.

Contraindicações e efeitos colaterais
Quando usada em grandes quantidades, é uma planta venenosa. Além disso, pode causar irritações na pele e mucosas, vertigem, vômitos, dores de cabeça, danos nos rins e fígado, colapso circulatório e, raramente, morte. O consumo é contraindicado para pacientes gestantes, pois a planta pode contrair o útero e causar aborto.

remedio-caseiro.com

Atraso da menstruação pode ser consequência de maus hábitos

Foto: Getty Images - Dietas restritivas
Excesso de atividade física e má alimentação interferem diretamente no ciclo

O ciclo menstrual dura de 25 a 35 dias em média para a maioria das mulheres, e tende a ser mais desregulado nos primeiros dois anos de menstruação, tempo que demora para ele se corrigir completamente. 

No entanto, muitas mulheres já experimentaram pequenos atrasos ou até mesmo mudanças constantes de ciclo - que nunca devem ser encaradas como normais. 

"A primeira suspeita para atrasos na menstruação sempre deve ser a gravidez para casos de mulheres férteis e ativas sexualmente", explica o ginecologista Luciano Pompei, da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo. 

Excluída essa possibilidade, existe uma série de maus hábitos - e até mesmo doenças - que podem levar ao atraso da menstruação. 

Confira quais são as suspeitas:    

Excesso de atividade física
Praticar exercícios pesados em grande frequência pode não só atrasar a menstruação, como fazer com ela pare completamente por um determinado período. "Isso acontece porque o corpo gasta muita energia com as atividades e, assim, não entra no período fértil", diz a ginecologista Paula Marcovici de São Paulo. A prática de atividade moderada estimula o organismo a liberar endorfina - substância relacionada ao bem-estar que reduz o estresse e ajuda a regularizar a menstruação. Um treino pesado favorece o aumento da prolactina - hormônio que prepara a mulher para a amamentação, provocando falhas na menstruação. "O excesso de atividade física pode levar até à falta da menstruação (amenorreia), que ocorre em 2% a 4% da população feminina geral, mas pode acometer de 3% até 66% das atletas", explica o ginecologista Joji Ueno, do Hospital Sírio Libanês e Diretor na Clínica Gera, em São Paulo.  
 
Dietas muito restritivas
São dois os mecanismos que podem explicar o atraso da menstruação por conta de dietas muito restritivas, afirmam os especialistas. "Se você começa a fazer uma dieta muito restritiva para perder peso, o corpo entende que está havendo alguma dificuldade e corta funções menos vitais para se preservar, como a atividade reprodutiva, buscando os nutrientes que faltam no sangue", explica o ginecologista Luciano Pompei, da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo. Mudanças no ciclo ou mesmo a amenorreia são comuns em mulheres com anorexia nervosa, por exemplo. "As dietas muito restritivas também podem alterar o sistema responsável pelo equilíbrio hormonal reprodutivo, causando diminuição da ovulação e liberação exagerada da progesterona, inibindo a menstruação", afirma o ginecologista Joji. Os hormônios responsáveis pela ovulação são comandados pela hipófise, que por sua vez é orientada pelo hipotálamo - ambas áreas do nosso cérebro.

Estresse
Se você estiver sob um estresse muito grande, seu corpo irá inibir a sua ovulação, pois ele entende que você não está em condições de perpetuar a espécie. "Uma mulher sujeita a um estresse muito grande não irá ovular, e portanto não irá menstruar", explica o ginecologista Luciano. Alguns episódios que podem levar a falta de ovulação são acidentes de carro, mortes na família ou receber uma notícia ruim. "O simples estresse mais prolongado também pode causar alterações na ovulação, mas é mais difícil de medir e identificar, ao contrário dos eventos mais traumáticos", afirma Luciano. "Se a pessoa estiver com graves problemas emocionais, é importante que ela procure um psicólogo para ajudá-la a manter o nervosismo sob controle", afirma a ginecologista Paula.

Ansiedade
O nervosismo causado pela espera de um evento importante ou acontecimento muito esperado também pode levar ao atraso da menstruação. "Essa ansiedade irá afetar o hipotálamo e a hipófise, que mandará mensagens de alerta para o ovário, impedindo a ovulação", diz a ginecologista e obstetra Lucia Marinaro Colon, do Hospital e Maternidade Rede D?Or São Luiz. "O estresse e a ansiedade podem causar a amenorreia hipolâmica, causada por alterações hormonais inclusive do cortisol", explica o ginecologista Joji. "A eliminação do estresse faz a atividade hormonal retornar ao normal."

Excesso de peso
A obesidade interfere no ciclo menstrual devido a grande quantidade de gordura nos tecidos. "Os hormônios femininos são metabolizados e armazenados no tecido adiposo", diz a ginecologista Lucia. "O excesso de tecido adiposo pode interferir no funcionamento da hipófise, desregulando o ciclo", completa o ginecologista Luciano. Muitas dessas pessoas com obesidade mórbida com a presença ou não de doenças conjuntas acabam corrigindo esse problema com uma cirurgia bariátrica.

Sono insuficiente
Alterações abruptas do sono, como mudanças repetidas de fuso horário ou insônia, podem causar um desequilíbrio hormonal e alterar o ciclo menstrual, principalmente se a falta de sono estiver acompanhada de estresse e ansiedade. "Essa, no entanto, não é uma das causas mais comuns de alteração do ciclo menstrual, devendo ser investigada após a exclusão de outras possibilidades", declara o ginecologista Luciano.

Alerta para doenças
Se você apresenta alterações constantes no ciclo menstrual - pelo menos três ciclos - e seu teste de gravidez deu negativo, o melhor a fazer é procurar um ginecologista. Problemas na tireoide, ovários policísticos, mioma uterino e endometriose são algumas doenças relacionadas à falta de menstruação. Todas as alterações significativas do ciclo menstrual devem ser comunicadas ao ginecologista "Deve-se ter em mente que toda mulher tem que menstruar normalmente, e se isto não estiver ocorrendo, deve-se diagnosticar a causa", alerta Joji Ueno. "É importante lembrar que a menstruação pode apontar alguma doença, quando apresenta sinais de anormalidade, que vão desde o aumento, diminuição ou aparência do fluxo", completa Lucia Marinaro. 

Minha Vida

Em 2015, OMS espera ter disponível uma vacina contra o ebola

Foto: Isaac Kasamani/ AFP - Até o fim do ano a OMS espera ter resultados
Testes clínicos devem começar somente em setembro, segundo autoridade 

Paris - Uma vacina contra o vírus do ebola poderá ser submetida a testes clínicos a partir do próximo mês e, se apresentarem resultados positivos, estarão disponíveis em 2015, disse uma autoridade da Organização Mundial da Saúde neste sábado em uma entrevista à radio francesa RFI.

- Nosso objetivo é iniciar testes clínicos em setembro, primeiro nos Estados Unidos e, certamente, em um país africano, por que lá temos os casos - declarou Jean-Marie Okwo Bélé.

Ao ser perguntado sobre uma possível comercialização da vacina, Bélé respondeu que, já que pretendem começar em setembro, até o fim do ano poderão ter resultados.

- Como se trata de uma urgência, você pode usar os procedimentos de emergência (...) para que em 2015 nós tenhamos uma vacina - acrescentou.

Parte da entrevista foi divulgada no portal da rádio. 

Emergência de saúde pública
Desde o início deste ano, a epidemia de ebola já deixou cerca de mil mortos entre os mais de 1.700 casos suspeitos registrados. 

Transmitida pelo contato direto com sangue, fluidos corporais ou tecidos de infectados, a doença possui uma taxa de mortalidade que oscila entre 25% a 90%.

O Globo

Células-tronco podem ajudar na recuperação de AVC, diz estudo

Pacientes testados por seis meses foram capazes de caminhar e cuidar de si 

Londres - Um estudo piloto da Imperial College London revelou que infundir células-tronco no cérebro pode ajudar a melhorar a recuperação após um acidente vascular cerebral. Os cientistas acreditam que as células incentivam novos vasos sanguíneos a crescerem em áreas danificadas do cérebro. Segundo os responsáveis pelo estudo, a maioria dos pacientes foram capazes de caminhar e cuidar de si de forma independente até o final dos testes, apesar de terem sofrido acidentes vasculares cerebrais graves.

Embora outros tratamentos com células-tronco têm se mostrado promissores como terapia acidente vascular cerebral, este é o primeiro estudo no Reino Unido para investigar o uso desse tipo de abordagem na primeira semana depois de um acidente vascular cerebral.

Neste primeiro teste - destinado principalmente a testar a segurança do estudo - os pesquisadores colheram células-tronco da medula óssea de cinco pessoas que tinham tido recentemente um acidente vascular cerebral.

Eles isolaram determinados tipos de células-tronco - conhecidas como CD34 +. Estas têm a capacidade de estimular o crescimento de novos vasos sanguíneos. Em seguida, elas foram infundidas diretamente em áreas danificadas do cérebro, através da principal artéria que fornece essa região.

Durante seis meses os pacientes foram monitorados pelos pesquisadores, que observaram a capacidade de realizar atividades diárias de forma independente. Quatro dos cinco doentes sofreram acidentes vasculares cerebrais graves, que resulta na perda da fala e paralisia de um lado do corpo. Este tipo de acidente vascular cerebral geralmente tem uma alta taxa de mortalidade e de invalidez.

Mas os pesquisadores apontaram que três dos quatro pacientes foram capazes de caminhar e cuidar de si de forma independente no final do período. E com um pouco de ajuda, todos os cinco conseguiam se mover e podiam participar de tarefas diárias. Os cientistas esperam que o contato rápido com os pacientes vá aumentar as chances de sucesso.

- Esta é uma pesquisa que, apesar de inicial, é encorajadora e emocionante. Agora precisamos olhar para um grupo maior de pacientes e esperar, eventualmente, para desenvolver um tratamento baseado nesta abordagem - afirmou a BBC Soma Banerjee, que conduziu o estudo.

Já o estudioso Tim Chico, da Universidade de Sheffield, que não estava envolvido no estudo, afirmou ser importante compreender que esse é apenas o primeiro passo para um possível tratamento de AVC que não prova que o tratamento com células-tronco melhores a recuperação desses pacientes.

- Será necessário um teste muito maior para comparar o tratamento com células tronco do tratamento sem células-tronco - alertou e complementou que qualquer um que tenha visto as consequências de um AVC vai incentivar a contínua pesquisa de médicos e cientistas.

O Globo

Realidade virtual se torna mais presente em tratamentos médicos

Foto: Divulgação- Paciente se acalma vendo imagens do espaço durante cirurgia na Espanha
Novas tecnologias ajudam tanto a acalmar pacientes durante cirurgias quanto a combater transtornos, traumas e fobias 

Rio - Música clássica e imagens de constelações ajudaram a acalmar uma paciente numa cirurgia no hospital Perpetuo Socorro, na Espanha. Josefa Ramírez fez parte de um experimento com o uso de realidade virtual, que já está mais presente na medicina do que se imagina e tem tido resultados expressivos. 

No caso de Josefa, que realizou uma artroscopia de joelho, em vez de medicamento, o que ela recebeu foram óculos da Oculus VR (sigla para realidade virtual) que a levaram para uma paisagem distante daquela da sala de cirurgia. E não parou por aí: o cirurgião-chefe, Gerardo Garcés, usava um Google Glass, transmitindo imagens do procedimento via internet para outros 150 profissionais e estudantes de Medicina da Universidade de Las Palmas. 

Segundo os médicos, a aplicação da realidade virtual controla a ansiedade dos pacientes, diminuindo batimentos cardíacos e pressão arterial. A realidade virtual ficou popular no início dos anos 90, quando os primeiros headsets com a tecnologia apareceram no mercado. Mas na época as telas tinham baixa resolução e os sensores de movimento eram lentos.

Superação de lembranças
A tecnologia avançou e hoje é usada para diversos fins. O professor Willem-Paul Brinkman, da Universidade Técnica de Delft, na Holanda, conta que seu projeto de terapia de exposição de realidade virtual é desenvolvido desde 1999. Usando óculos similares ao de Josefa, o paciente é transportado a situações amedrontadoras, e sua reação é acompanhada por especialistas, até que ele consiga superá-las. O foco inicial foi bolar sistemas para tratar pessoas com medo de altura ou de voar num avião. Depois, usá-los contra fobia social, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e paranoia em pacientes com psicose.

— Nosso próximo passo será mover estas terapias para a casa dos pacientes, usando inclusive treinadores virtuais — explicou Brinkman ao GLOBO.

Uma revisão de estudos clínicos de 2008 da Universidade de Amsterdã mostra que a terapia de exposição à realidade virtual é tão eficiente quanto as demais para tratar transtornos de ansiedade.

A maneira mais comum de se tratar o TEPT é trazer à tona lembranças do trauma, pois a ativação repetida dessas situações permite à vítima aprender a associar a memória com menos medo. Por isso, pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia reuniram um grupo de 156 soldados americanos que estiveram no Afeganistão ou no Iraque. No tratamento, usavam equipamentos do Exército e os óculos VR para se “teletransportarem” aos locais dos confrontos. O professor Albert “Skip” Rizzo citou uma série de estudos garantindo a eficácia do método. Ele lembra, no entanto, que quando começou as pesquisas na área, em 1993 a tecnologia era “cara” e “bastante primitiva”.

— Avanços revolucionários nas tecnologias de VR permitiram a criação de sistemas sofisticados e acessíveis — comentou Rizzo.
Outro uso bastante diferente foi empregado por pesquisadores da Universidade de Washington, que acharam uma forma de diminuir o sofrimento de pessoas com queimaduras graves.

— É difícil tratá-las, pois as ataduras devem ser limpas com frequência para evitar a infecção — explicou Hunter Hoffman, da universidade, que criou um ambiente virtual de neve, o SnowWorld.

O ambiente gelado distrai o paciente e altera sua percepção de dor. A pesquisa conta com a brasileira Mariana Romo, que espera trazer a tecnologia ao Brasil. O empecilho ainda é o custo: US$ 35 mil. E está mais em conta: em 1990 chegava a US$ 90 mil..

O Globo

Chupeta ajuda bebê a sugar e reduz morte súbita

Foto: Dynamicfoto:
O uso da chupeta, quando realizado dentro de algumas regras e em situações específicas, pode trazer benefícios para a criança e minimizar os riscos de problemas bucais 

Não é de hoje que a introdução da chupeta na vida dos bebês por parte dos pais vem sendo bastante criticada por profissionais, afinal, seu uso contínuo pode causar problemas sérios na formação da arcada dentárias das crianças. Porém, existem alguns casos em que o uso da chupeta pode ser recomendado por médicos e dentistas. 

Segundo a cirurgiã-dentista, Renata Sampaio, o uso da chupeta, quando realizado dentro de algumas regras e em algumas situações específicas, pode trazer benefícios para a criança e minimizar os riscos de problemas bucais. “O uso da chupeta é recomendado quando o bebê apresenta o hábito de chupar o dedo, por exemplo. Por estar mais acessível, o dedo poderá ser usado com mais frequência e este hábito trará alterações ortodônticas como mordida aberta, mordida cruzada, alterações na posição da língua durante a fala e a deglutição”, diz. Segundo a especialista, a chupeta também pode causar esses problemas, mas se bem utilizada e administrada, os danos serão menores. 

Outra utilidade da chupeta é em casos em que o bebê tem dificuldades para mamar no peito, seja por rejeição ou falta de leite da mãe. “Nesses casos, a chupeta é recomendada para complementar a necessidade do bebê de realizar os movimentos de sucção que a mamadeira não preenche. Ao se alimentar na mamadeira, o bebê não exercita adequadamente os músculos orofaciais”, afirma Renata. Nesses casos, logo após a mamadeira, é recomendado oferecer a chupeta para que o bebê exercite a musculatura da maneira correta.

Chupeta reduz morte súbita
Estudos recentes correlacionam o uso da chupeta durante o sono e a redução da morte súbita em bebês de até 12 meses de idade. “Nesses casos esse uso deve ser feito apenas depois do primeiro mês de amamentação para que a chupeta não interfira na consolidação do hábito do aleitamento materno”, diz a especialista.  

Segundo Renata, a chupeta pode ser considerada responsável pela redução da morte súbita em bebês porque a sua alça seria capaz de impedir que a criança se sufocasse ao dormir na posição prona (de bruço) ou perto de travesseiros fofos ou cobertores espessos, que também podem sufocar o bebê durante a noite. 

Além disso, acredita-se que a chupeta ajuda o bebê a manter as vias aéreas livres, dificultando ainda mais o sufocamento. De qualquer forma, é recomendável que quando a chupeta for utilizada por esse motivo, seja retirada após o primeiro ano de vida do bebê, que é quando ocorre significativa redução desse risco. 

Chupeta é um mal da vida moderna das mulheres
Para Renata, hoje em dia, a chupeta é introduzida na vida da criança como forma de calmante por mães que tem cada vez menos tempo de ficar ou cuidar de seus filhos. Quando o bebê está com algum tipo de desconforto ele usa o choro para se comunicar. 

Se antes de tentar descobrir a causa do berreiro a mãe logo empurrar a chupeta na criança, ela vai associar a diminuição da angústia à chupeta e aí estará criado um novo problema a longo prazo. “Isso pode ser confortável para os pais de início, mas trará muitas dificuldades para a interrupção do hábito no futuro, uma vez que a criança ficará emocionalmente dependente da chupeta”, afirma Renata.

Terra

Mulher no México tem tumor de 60,2 kg retirado do ovário

Reprodução
Diretor Instituto Mexicano do Seguro Social afirmou que não há precedente em nível mundial de um caso semelhante, com um tumor intra-abdominal alcançando 60,2 quilos 

Uma equipe médica do Instituto Mexicano do Seguro Social (IMSS) extirpou um tumor de 60,2 quilos do ovário de uma mulher de 51 anos na cidade de Cabo San Lucas, informaram neste sábado fontes médicas.

Um diretor do IMSS, Moisés Aarón Núñez González, afirmou que não há precedente em nível mundial de um caso semelhante, com um tumor intra-abdominal alcançando 60,2 quilos.

A cirurgia foi realizada há 21 dias em um hospital de Cabo San Lucas, na Baja Califórnia Sul, no noroeste do México, cinco anos depois da mulher, identificada como Mercedes Talamantes, começar a apresentar o tumor.

A própria mulher confirmou que a operação correu bem mas se sentia estranha ao andar, pois tinha se acostumado a presença do tumor e a expansão de seu abdômen.

A paciente contou também que estava atravessando por um grave período de depressão, no qual se manteve isolada em função da doença, até que uma de suas filhas a convenceu a ir ao médico.

O médico explicou que na operação, que durou quatro horas, o outro ovário, que já pesava cinco quilos, e o útero tiveram que ser retirados.

EFE / Terra

Exigência de camisinha pode representar fim da indústria pornô na Califórnia

Senado da Califórnia tem nas mãos um projeto de lei que pretende exigir o uso de camisinha nos filmes pornográficos, uma proposta que embora tenha fins de saúde, pode minar financeiramente esse lucrativo setor nos Estados Unidos

A legislação em debate, conhecida como AB-1576, é uma versão estadual da "Medida B", aprovada em 2012 em um referendo no condado de Los Angeles - um dos principais centros de produção pornô nos EUA - e cujas consequências dois anos depois são visíveis.

De acordo com dados da FilmLA, órgão responsável por administrar as autorizações de filmagem nesse condado, e publicados pelo jornal "Los Angeles Times", as solicitações para gravar filmes com sexo explícito em Los Angeles caíram 90% no ano passado. Em 2014, esse número está 50% inferior ao de 2013.

"Na hora em que saiu a 'Medida B' (que está sendo apelada), resolvemos não filmar mais lá", explica à Agência Efe Steven Hirsch, fundador de Vivid Entertainment, um dos principais estúdios de pornô do mundo.

A Vivid produz 60 filmes por ano, a maioria na Califórnia, e está radicada no Vale de San Fernando, área que abrange seis municípios da região metropolitana de Los Angeles. Estima-se que as empresas californianas do mundo do pornô lucrem anualmente entre US$ 1 bilhão e US$ 2 bilhões, apesar de nenhuma instituição pública ou privada possuir estatísticas oficiais sobre a economia desse setor.

Empresários e muitos atores se opõem à AB-1576 pelas mesmas razões que usaram para a "Medida B": o público não quer ver camisinhas nas cenas. Além disso, são contra o fato de políticos interfiram na forma com que os adultos mantêm relações.

"Este trabalho é minha vida, eu amo isso! Acho injusto o governo dizer como tenho que fazer", disse Christian Wilde, um dos 600 atores que apoiam a campanha contra a AB-1576 e que busca assinaturas no site "Change.org" (http://chn.ge/1pZl7MO).

"Se esta lei for aprovada, estaremos mais perto do fim do pornô na Califórnia, o que custará ao estado milhões e milhões de dólares", lamentou Steven Hirsch.

Idealizada pelo deputado estadual democrata Isadore Hall, com apoio da organização Aids Healthcare Foundation (AHF), a intenção é fazer com que o uso de preservativos nas filmagens seja obrigatório para proteger os atores de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Além disso, querem que os profissionais informem às autoridades quando realizaram teste de HIV e se fizeram exames para detectar DSTs, pelo menos, 14 dias antes de começarem as filmagens.

"É de bom senso", declarou a diretora de Saúde Pública da AHF, Whitney Engeran-Cordova.

Em meio à discussão sobre a tramitação da lei, as atrizes Sofia Delgado e Cameron Bay e o ator Rod Daily, portadores do vírus HIV desde 2013, defenderam a AB-1576. A indústria, por sua vez, garante que a autorregulação atual e seus protocolos de saúde mostraram ser efetivos, e argumenta que as transmissões não acontecem durante as filmagens.

"Fizemos um grande trabalho neste assunto. Ninguém contraiu HIV durante mais de uma década", insiste o fundador da Vivid, cujo discurso se encaixa com o da associação Free Speech Coalition (FSC), que representa os interesses do setor.

"Esta lei terá um grande custo financeiro para a Califórnia e não fará nada para melhorar a segurança dos atores", afirmou Diane Duke, diretora da FSC.

O fato é que só de ser posta em prática em nível estadual, a lei já representaria a perda de US$ 125 mil a US$ 150 mil, o que fez com que a iniciativa tenha ficado suspensa até que seja revisada sua viabilidade orçamentária. No entanto, tudo aponta para que o comitê do Senado dê seu veredicto final no próximo dia 15. 

EFE / Terra

Estudo Inglês: Por que as mulheres gemem durante o sexo?

Não acredite em todo gemido que você ouve!
Acho que você está careca de saber que aqueles gemidos estrondosos dos filmes pornôs não passam de puro fingimento

E se eu te falar que a sua parceira usa tal artimanha para te manipular no sexo, você acredita? Pois dois pesquisadores da University of Centrar Lancashire, na Inglaterra, descobriram isso.

Os pesquisadores descobriram que há pelo menos uma motivação totalmente consciente nisso: manipular o comportamento masculino e tirar proveito disso.


O estudo foi realizado com 71 jovens com idade entre 18 e 48 anos. O resultado apontou que os gemidos teriam sido emitidos antes e durante a ejaculação masculina, e não necessariamente durante o orgasmo das mulheres. Isso porque gemendo elas estão ajudando o parceiro a se excitar, a se esforçar mais e a levá-las ao próprio orgasmo, além de fazer o próprio rapaz ejacular.

Elas contaram fazer isso 90% das vezes por saberem que não o atingiriam. E 87% afirmaram que as vocalizações aumentavam a autoconfiança de seus parceiros. Um estudo de 2009 já havia revelado que cada gênero segue regras de um papel mais ou menos fixo durante o sexo. Os homens acreditam que devem dar orgasmos às mulheres, e os gemidos seriam a única pista que teriam de estar conseguindo fazer isso.

A pesquisa apontou que fazer as mulheres chegarem ao orgasmo somente com penetração não é uma tarefa fácil. É o toque que precisamos para investir a fundo nas preliminares.

Manual do Homem Moderno /  The Chart 

Alimentos para melhorar a imunidade

Thinkstock: Pólen: rico em proteínas, vitaminas e minerais que ajudam na formação de anticorpos
Pessoas ficam mais gripadas no inverno e culpam a baixa imunidade; aumentar as defesas com alimentação é possível 

É de lei. Com a chegada do inverno, começam também as reclamações sobre gripes e resfriados e vem à tona a frase pronta: "A culpa é da mudança do tempo". Daí em diante, tem início a maratona de médicos, remédios e até dias de licença do trabalho por conta da febre e dor no corpo. 

Mas, ao contrário do que muita gente pensa, não é a baixa temperatura que faz uma pessoa ter gripe, mas sim os ambientes fechados e com muitas pessoas circulando, o que concentra e facilita a transmissão dos vírus ou bactérias. E aí é que entra o papel de um bom sistema imunológico: quando o vírus entra no organismo, ele é capaz de eliminá-lo sem sofrimento.

O problema é que, na maioria das pessoas, a imunidade não anda boa. Para aumentá-la é fundamental ter boas noites de sono, fazer exercícios físicos, controlar o estresse e, claro, ter uma boa alimentação.

Veja alimentos que turbinam a imunidade e protegem o corpo dos vilões do frio:

- Acerola: riquíssima em vitamina C (30 a 50 vezes mais que a laranja), que age na reconstituição dos leucócitos em períodos de queda de resistência

 - Alho: fonte de alicina, estimula a resposta imunológica

- Cenoura: o betacaroteno presente na cenoura atua contra infecções

- Chá branco: rico em catequina, poderoso antioxidante. A substância ainda fortalece o sistema imunológico

- Chá-verde: também é rico em catequina, antioxidante poderoso

- Cogumelo shitake: contém lentinana, substância que aumenta a produção das células de defesa do organismo

- Couve: essas folhas verde-escuras têm antioxidantes fundamentais para manter a imunidade em alta

- Frutas cítricas, como o limão, laranja e toda a variedade. Elas são clássicas no reforço à imunidade, graças à alta concentração de vitamina C

- Geleia real: estimula o sistema imunológico, combatendo infecções por vírus e bactérias.. 

- Gengibre: é expectorante, reduz a inflamação e a dor.. 

- Mel: contém substâncias que agem como antibióticos naturais. Eficaz contra os sintomas de gripes e resfriados. Pode ser coadjuvante no tratamento de problemas pulmonares e da garganta

- Óleo de coco: rico em ácido láurico e caprílico, possui atividade antiviral e antibacteriana

- Pólen: rico em proteínas, vitaminas e minerais que ajudam na formação de anticorpos, fortalecendo o organism

- Probióticos: iogurtes e leites fermentados têm microrganismos que fortalecem o sistema imunológico

- Tomate: fonte de betacaroteno, ajuda as células imunitárias

iG