Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


domingo, 9 de junho de 2013

Acessos de raiva aumentam risco de ataque cardíaco

Saber lidar com a própria raiva pode ser uma excelente receita para diminuir o risco de sofrer um ataque cardíaco e outros eventos vasculares.
 
É o que sugerem os resultados de uma pesquisa recente, publicada online na revista científica American Journal of Cardiology, comprovando uma forte associação entre acessos de raiva e o desencadeamento de ataque cardíaco.

O estudo entrevistou 3886 pacientes em um período médio de quatro dias após sofrerem um ataque cardíaco. Foi avaliado se o paciente sentiu raiva num período de até duas horas antes de sentir a primeira manifestação do ataque. Os acessos de raiva foram medidos por uma escala previamente validada e que apresentava 7 níveis de raiva que ia da irritação até a perda de controle (atirar objetos ou ameaçar pessoas).

Trinta e oito por cento dos pacientes referiram ter tido um acesso de raiva no último ano e 110 deles tiveram o acesso dentro do período de duas horas antes do início do ataque. Os pesquisadores mostraram também que o aumento da intensidade da raiva aumentou o risco de um ataque cardíaco nas próximas duas horas. O risco de ataque foi 1,7 vezes maior após uma raiva moderada (alteração de voz), foi 2,3 vezes maior após sentir uma sensação de grande tensão com manifestações corporais como cerrar os punhos ou os dentes e 4,5 vezes maior após um acesso de fúria com perda de controle. Além de indicar que a raiva aumenta o risco de um ataque cardíaco, esses resultados mostram que quanto maior é a raiva, maior é o risco.

A pesquisa identificou também que os principais desencadeadores da raiva são os conflitos familiares e de trabalho e situações de trânsito.

É provável que estes dados se relacionem com os resultados de estudos mostrando que práticas associadas a autocontrole e autoconhecimento como yoga e meditação combatem o estresse, reduzindo as chances de desenvolver algumas doenças, incluindo pressão alta.

Então, quando você começar a sentir a raiva brotar, não deixe ser levado por esta emoção e corte esta erva daninha pela raiz. Tente ficar calmo, respire fundo, lembre-se disso que você acabou de ler e.deixe ir adiante aquele motorista que lhe cortou a frente, feche mentalmente os ouvidos para aquela bronca desmedida do seu chefe e entenda que aquela resposta grosseira que sua filha lhe deu é só por que ela é adolescente. Com certeza você estará fazendo um bem a si mesmo e prolongando sua vida com qualidade.

Fontes
- American Journal of Cardiology - http://dx.doi.org/10.1016/j.amjcard.2013.03.035
 
- Annual of New York. Academy of Science 1172: 54–62 (2009).

Comer fora passa a ser uma questão de saúde

A relação entre comer em “fast-food” e o risco de doença já vem
despertando atenção de pesquisadores há algum tempo
O estilo de vida atribulado dos nossos tempos modernos, com uma crescente urbanização e a maior parte da população vivendo em grandes regiões metropolitanas, tem mudado hábitos de nosso dia-a-dia.

Uma das principais mudanças é no hábito alimentar, com cada vez mais pessoas fazendo um maior número de refeições fora de casa. Tanto que a expressão “comer fora” está caindo em desuso. No tempo das cidades menores onde se gastava pouco tempo para voltar para casa, era comum as refeições serem feitas em casa, inclusive o almoço. “Comer fora” ficava para uma ocasião do fim-de-semana ou celebração.

Pois hoje, a inviabilidade de se voltar para casa por questões de distância do trabalho e tráfego, associado à grande oferta de refeições baratas, levaram as pessoas a mudar este hábito. E mesmo comendo em casa, no jantar ou no fim-de-semana, as pessoas acabam comprando comida pronta. Entretanto, este aparente conforto de não se preocupar com a preparação das refeições, poupando tempo e trabalho, pode trazer consequências negativas à saúde.

A relação entre comer em “fast-food” e o risco de doença já vem despertando atenção de pesquisadores há algum tempo, como demonstrado por um estudo realizado em 3031 jovens nos Estados Unidos e publicado na revista médica The Lancet no ano de 2005. A conclusão do estudo é muito clara ao afirmar que o consumo de “fast-food” tem uma forte associação com ganho de peso e deficiência no funcionamento da insulina que é um dos principais hormônios reguladores do metabolismo. Estes resultados sugerem que o “fast-food” aumenta o risco de obesidade e diabete.

No último mês de Maio foram publicados dois novos estudos que ampliam a análise da relação entre comer fora e riscos à saúde. Desta vez as lanchonetes tipo “fast-food” ficaram de fora, estando as pesquisas concentradas no tipo de alimentação oferecida em restaurantes convencionais. Os resultados demonstram que as quantidades de calorias, gordura e sódio por porção servida são alarmantes (cada refeição padrão continha em média 151% da quantidade de sal, 89% da gordura e 60% do colesterol que uma pessoa deveria ingerir em um dia inteiro). Estes valores não ficam muito longe dos observados em comida industrializada ou comprada pronta, principalmente no que diz respeito ao sódio e gordura.

O padrão alimentar e o estilo de vida no Brasil estão cada vez mais parecidos com os americanos (o índice de doenças cardiovasculares e metabólicas também) e esses dados devem servir de alerta para a população em geral, a fim de produzir nas famílias a consciência de que preparar a refeição pode ser um fator importante na prevenção de doenças, e também para as autoridades de saúde, no sentido de dar atenção ao fato de que cada vez mais pessoas fazem mais refeições fora de casa e isto pode se tornar um problema de saúde pública.

Fontes
- The Lancet - www.thelancet.com Vol 365 January 1, 2005
- Journal of American Medical Association - Published Online: May 13, 2013. doi:10.1001/jamainternmed. 2013.6159

Governo terá prova especial para médicos de Espanha, Cuba e Portugal

O Ministério da Saúde submeterá a uma prova especial os médicos que o país pretende atrair de países como Espanha, Cuba e Portugal para atender áreas isoladas que carecem de serviços médicos pelo déficit de profissionais, afirmou neste sábado o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.
 
"Estamos preparando um modelo de avaliação desses médicos porque queremos profissionais bem formados, com capacidade de atuar, que conheçam os problemas de saúde de nosso país", disse o ministro à imprensa durante o ato de lançamento de uma campanha de vacinação contra a poliomielite.
 
Padilha se referiu à prova ao ser interrogado sobre as críticas de alguns setores brasileiros sobre a qualidade dos médicos que serão contratados no exterior, já que inicialmente não terão que validar seus diplomas no país.
 
O Brasil está negociando com Espanha, Portugal e Cuba a possibilidade de contratar médicos desses países para os quais oferecerá cursos de português e vistos de trabalho de entre dois e três anos para atender áreas carentes, principalmente zonas rurais, onde o atendimento de saúde é deficitário.
 
O ministro afirmou que o Brasil já enviou missões aos países que podem enviar profissionais, assim como para países que já contrataram médicos estrangeiros para atender áreas com déficit de profissionais, como Canadá, Inglaterra e Austrália. Padilha lembrou, ainda, que o Brasil precisa dos estrangeiros para suprir um déficit de cerca de 13 mil profissionais em áreas periféricas e em cidades do interior, já que a minoria dos médicos brasileiros aceita essas condições.
 
No último concurso para enviar 13 mil médicos a 1.307 municípios carentes com déficit de profissionais, o Ministério da Saúde só conseguiu contratar 3.800 profissionais apesar de os salários oferecidos serem de R$ 8 mil, além dos benefícios.
 
Segundo estatísticas do Ministério, enquanto o Brasil tem um médico para cada mil habitantes, a Argentina tem 3,2 e o México, 2,0.
 
O Conselho Federal de Medicina (CFM), entidade que regula o exercício da profissão no país, se opõe à iniciativa de atrair estrangeiros, entre outras razões pela suposta falta de capacitação. O CFM diz se contrapor a "qualquer iniciativa que proporcione a entrada irresponsável de médicos estrangeiros e de brasileiros com diplomas de medicina obtidos no exterior sem sua respectiva revalidação".
 
Fonte Efe/R7

SP prorroga campanha de vacinação contra a paralisia infantil até dia 21

Foto: Marcello Casal Jr / ABr
Crianças a partir de seis meses devem tomar a vacina em gotas
Meta é imunizar 2,4 milhões de crianças, o que representa 95% desta faixa etária
 
O Estado de São Paulo vacinou, neste sábado (8), 575 mil crianças contra a paralisia infantil, segundo o balanço parcial da Secretaria de Estado da Saúde com base nos dados informados até 15h pelas salas de vacinação em todo o Estado. Dessa forma, o Estado vai prorrogar a campanha até o dia 21 de junho.
 
Até o fim da campanha, o Estado de São Paulo pretende imunizar 2,4 milhões de crianças contra a polimielite. O número corresponde à meta de cobertura de 95% dos 2,5 milhões de paulistas com mais de seis meses e menores de cinco anos de idade, público-alvo da campanha de vacinação. A vacina é segura e os efeitos colaterais são extremamente raros, garante Helena Sato, diretora de Imunização da Secretaria.
 
— A vacina é a única forma eficaz de prevenção contra a paralisia infantil. Por isso é importante que os pais e responsáveis levem seus filhos para serem vacinados.
 
A novidade da campanha de vacinação neste ano é a mudança da faixa etária abrangida. Receberão as doses em gotas da vacina Sabin apenas as crianças maiores de seis meses.
 
Além da vacina contra a poliomielite, os pais ou responsáveis que levarem a caderneta de vacinação de seus filhos em algum dos postos fixos poderão aproveitar para atualizar as doses de outros tipos de vacina que estejam em atraso.
 
Causada pelo poliovírus selvagem, a poliomielite é caracterizada por febre, mal-estar, cefaleia e pode causar paralisia. Desde 1988 o Estado não registra casos de paralisia infantil, porém a vacinação é fundamental já que o vírus da doença ainda circula na África e Ásia.

Fonte isaude.net

Uso de tamoxifeno por 10 anos reduz risco de morte por câncer de mama

Medicamento reduz as chances de mulheres
desenvolverem câncer de mama
Estudo revela que uso prolongado é mais eficaz que 5 anos recomendados na prevenção da reincidência da doença
 
O uso do medicamento tamoxifeno por 10 anos em vez de cinco anos reduz pela metade o risco de morte em mulheres com o tipo mais comum de câncer de mama, de acordo com pesquisadores da University of Birmingham, no Reino Unido.
 
O estudo mostrou que pacientes com câncer de mama receptor de estrogênio positivo que tomam tamoxifeno por mais tempo do que os cinco anos recomendados ficam mais protegidos contra a recorrência.
 
O estudo 'aTTom' avaliou quase 7 mil mulheres com câncer de mama que, depois de cinco anos tomando tamoxifeno, ou continuaram a tomar o medicamento por mais cinco anos ou interromperam o tratamento.
 
Entre as mulheres que tomaram tamoxifeno por 10 anos, 25% menos tiveram recorrência de câncer de mama câncer e 23% menos morreram, em comparação com as mulheres que tomaram a droga por apenas cinco anos.
 
"Esses resultados são importantes, pois estabelecem que fornecer tamoxifeno por mais tempo do que o padrão atual de cinco anos reduz significativamente o risco de o câncer de mama voltar. Os médicos agora estão propensos a recomendar tamoxifeno por mais cinco anos, e isso vai resultar em muito menos recorrência de câncer de mama e menos mortes em todo o mundo. O tamoxifeno é barato e amplamente disponível, assim, poderia ter um impacto imediato", afirma o líder da pesquisa Daniel Rea.
 
Apesar dos benefícios do tamoxifeno na prevenção do câncer de mama de retornar, ele tem efeitos colaterais. As mulheres que tomam tamoxifeno podem apresentar sintomas semelhantes aos da menopausa, como suores noturnos e ondas de calor. Os efeitos secundários raros, mas graves, do tamoxifeno incluem aumento do risco de câncer endometrial (câncer do revestimento do útero), coágulos e derrame.
 
Neste estudo não foi observado aumento na incidência do acidente vascular cerebral, com 10 anos de terapia com tamoxifeno, embora o risco de câncer de endométrio tenha sido maior.
 
Fonte isaude.net

Anticorpos de animais podem melhorar produção de medicamentos para humanos

A equipe espera, agora, aproveitar o poder potencial de anticorpos
 CDR H3 longos para uma ampla variedade de aplicações humanas
População vasta e diversificada de anticorpos encontrada na vaca tem capacidade de se ligar a qualquer invasor do corpo
 
Pesquisadores do Scripps Research Institute, nos EUA, descobriram que uma família de anticorpos presentes na vaca pode levar a novas formas de produzir medicamentos para humanos.
 
População vasta e diversificada de anticorpos dos animais pode coletivamente se ligar a qualquer um dos invasores do corpo.
 
"A estrutura e os mecanismos destes anticorpos não tinham sido vistas antes em outros "anticorpos" animais", afirma o investigador principal Vaughn V. Smider.
 
Os resultados foram publicados na revista Cell.
 
Anticorpos, que fazem parte do nosso sistema imunológico, são grandes proteínas com 'uma cauda e dois braços idênticos' que servem para pegar alvos específicos (chamados "antígenos", muitas vezes partes de bactérias ou vírus). No fim de cada braço há um pequeno conjunto de proteínas chamado CDRs, que realmente fazem a captura.
 
Reorganizando e mutando genes que codificam CDRs, o sistema imunológico do animal pode gerar uma população vasta e diversificada de anticorpos que coletivamente podem se ligar a qualquer um dos invasores do corpo.
 
Nos seres humanos e em muitos outros mamíferos, a maior parte da especificidade de um anticorpo para um alvo é regulada pela maior região CDR, CDR H3. Pesquisadores têm demonstrado indícios de que uma versão excepcionalmente longa deste domínio pode ser a chave para uma defesa bem sucedida contra uma infecção perigosa.
 
Por exemplo, em um estudo publicado na revista Nature em agosto passado, pesquisadores isolaram um anticorpo anti-HIV com um longo CDR H3 com o dobro do comprimento que permite agarrar uma estrutura crucial sobre o vírus e, assim, neutralizar a infetividade da maior parte das estirpes de HIV.
 
A equipe acredita que utilizar esses longos CDRs como uma sonda que pode caber em espaços estreitos pode atingir e agarrar determinantes patógenos únicos escondidos que os anticorpos comuns não podem.
 
Relatórios sobre estes anticorpos capturaram o interesse de Smider, cuja área de pesquisa inclui encontrar novas formas de gerar anticorpos terapêuticos. "Começamos a pensar em como poderíamos produzir esses CDR3s que são tão raros em humanos, e nós sabíamos que as vacas produzem os CDRs mais longos o tempo todo", afirma Smider.
 
A equipe, então, realizou uma análise estrutural e sequencial detalhada destes anticorpos anormalmente longos da vaca, para obter uma maior compreensão sobre como eles são criados, naturalmente, e como tais estruturas podem ser projetadas em laboratório.
 
A equipe foi capaz de cristalizar as amostras de anticorpos CDR H3 e determinar as estruturas 3D atômicas de dois anticorpos representativos por cristalografia de raios-X.
 
Embora a estrutura da proteína no anticorpo longo no anti-HIV humano tenha parecido incomum, a estrutura correspondente nos anticorpos da vaca acabou sendo única no mundo dos anticorpos animais 'conhecidos'.
 
Nas vacas, ligação destes anticorpos com vírus e bactérias é feita quase inteiramente por meio do CDR H3 longo, o que mostra que estes anticorpos têm uma função importante no sistema imune. Pela primeira vez os pesquisadores conseguiram um anticorpo CDR3 ultralongo ligado a um patógeno real.
 
A equipe espera, agora, aproveitar o poder potencial de anticorpos CDR H3 longos para uma ampla variedade de aplicações humanas.
 
Fonte isaude.net

Ministério da Saúde relança campanha de redes sociais para prostitutas

Campanha
Campanha "Prostituta que se cuida usa sempre camisinha"
Depois de demitir o diretor do departamento de DSTs, o ministério relança campanha "Prostituta que se cuida usa sempre camisinha"
 
Depois de retirar campanha do ar, há cerca de uma semana, e demitir o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Dirceu Greco, o Ministério da Saúde relançou, nesta quinta-feira (6), a campanha de redes sociais " Prostituta que se cuida usa sempre camisinha" .

De acordo com o ministério, a campanha é "elaborada a partir de oficinas de comunicação comunitária realizadas com representantes deste público-alvo. As peças orientam as profissionais do sexo sobre a importância do uso do preservativo e as incentivam a buscar as unidades públicas de saúde em busca do item, gratuitamente."

A ação circulará nas redes sociais até 2 de julho, quando acontece um seminário sobre prostituição e prevenção às DST, promovido pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde. Além disso, serão impressos cartazes e flyers para distribuição em entidades parceiras e envio às coordenações estaduais de DST/Aids.
 

Os banners da ação foram produzidos a partir de uma Oficina de Comunicação em Saúde para Profissionais do Sexo, realizada entre os dias 11 e 14 de março de 2013, em João Pessoa (PB). Participaram da Oficina representantes de organizações não governamentais, associações e movimentos sociais que atuam junto a profissionais do sexo de todas as regiões do país, apoiando o enfrentamento às DST, aids e hepatites virais.

Na pratica
Uma das ações para prevenção das DSTs/Aids junto às profissionais do sexo é a ampliação da distribuição de preservativos femininos. Só neste ano, serão distribuídas 20 milhões de unidades volume que é 25% maior que o acumulado entre 1997 e 2012, de 16 milhões.
 
Ação circulará nas redes sociais até 2 de julho, quando irá acontecer seminário sobre prostituição e prevenção às DST, promovido pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais
Ação circulará nas redes sociais até 2 de julho, quando irá
 acontecer seminário sobre prostituição e prevenção às DST,
promovido pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais
"É fundamental que grupos vulneráveis tenham conhecimento dos locais de distribuição da camisinha. A camisinha feminina permite que a mulher decida sobre o uso do preservativo, de modo que essa escolha não seja apenas do homem. É uma estratégia que faz parte da política brasileira de ampliar as opções de proteção às doenças sexualmente transmissíveis" , explica o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa.

O governo federal também está incentivando a testagem rápida nos estados e municípios, por meio da ação " Fique Sabendo" estratégia de mobilização direcionada à ampliação do diagnóstico precoce de aids. A meta é possibilitar às pessoas que vivem com HIV e não sabem disso, público estimado em 150 mil, façam o teste. " O diagnóstico precoce, seguido do acesso a medicamentos antirretrovirais e do acompanhamento clínico adequado, são os grandes responsáveis pelo aumento da qualidade de vida dos portadores do HIV" , observa Barbosa.

Atento a isso, o Ministério da Saúde tem investido na ampliação do acesso à testagem. De 2005 - quando o teste rápido foi implementado no país - a 2012, houve aumento de 430% no número de testes ofertados (de 528 mil para 2,8 milhões). Com apenas uma gota de sangue, o resultado do teste sai em 30 minutos e a pessoa recebe aconselhamento antes e depois do exame.

O exame é 100% nacional desde 2008, produzido pela Biomanguinhos/Fiocruz e pela Universidade Federal do Espírito Santo. Nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTAs), a entrega do resultado é sigilosa e, caso o resultado final der positivo, a pessoa é encaminhada para tratamento nos serviços de referência.

O Fique Sabendo atua em duas frentes: em Unidades Básicas de Saúde, CTAs e ambulatórios ou em locais como praças, feiras e eventos específicos. Além da realização de testes rápidos, o serviço distribui insumos para prevenção, como camisinhas, gel lubrificante e material informativo sobre HIV/aids, DSTs e hepatites virais.

Com informações do ministério da Saúde
 
Fonte isaude.net

Ministério quer manter prazo para fim dos lixões brasileiros em agosto de 2014

Volume de lixo no País aumentou em 60 mil toneladas por dia entre 2007 e 2013, estando hoje em 273 mil toneladas/dia
Foto: Wilson Dias/ABr
Volume de lixo no País aumentou em 60 mil toneladas por dia
entre 2007 e 2013, estando hoje em 273 mil toneladas/dia
O volume de lixo do país aumentou 60 mil toneladas diárias de 2007 para 2013. Hoje são acumuladas 273 mil toneladas/dia
 
O Ministério do Meio Ambiente quer manter o prazo da Lei de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10) para o fim dos lixões, previsto para agosto de 2014. Uma condição muito difícil de ser atingida pela maioria das prefeitura do pais, segundo o próprio ministério.

Segundo o secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano, do Ministério do Meio Ambiente, Ney Maranhão, "não há nenhum estudo no ministério orientado para apoiar a prorrogação deste prazo. O que existe no Ministério é uma avaliação do esforço necessário e na organização deste esforço para tentar cumprir este prazo" , afirmou Maranhão durante seminário sobre o tema promovido, nesta quinta-feira (6), pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

O secretário ressaltou que não há nenhum compromisso com o adiamento do prazo, embora o Ministério reconheça " que os prefeitos estão se movimentando em face das dificuldades que eles encontram, alguns deles, em cumprir essa meta." Segundo Ney Maranhão, o tema é complexo e vai além da busca pela destinação adequada do lixo gerado. A solução, no seu entendimento, passa também pela reavaliação dos modos de produção e consumo no Brasil.

273 mil toneladas/dia de lixo
De acordo com o representante da organização não governamental Instituto Akatu, Dalberto Adulis, o volume de lixo no País aumentou em 60 mil toneladas por dia entre 2007 e 2013, estando hoje em 273 mil toneladas/dia.

O ambientalista destaca que 47% dos brasileiros separam o lixo seco do molhado, conforme dados do Ministério do Meio Ambiente. Para ele, é preciso ampliar esse índice e também a conscientização do cidadão de que todo processo de consumo tem impacto.

"A ideia do consumo consciente você reflete sobre a necessidade, faz a escolha correta, utiliza o produto e, depois, pensa no descarte" , observou Adulis. " Se você utilizou um produto que pode ser reciclado depois, é melhor porque, no momento da triagem, ele vai voltar à natureza ou vai virar outro produto."

Plano de consumo sustentável
Em parceria com a sociedade e o setor privado, o Ministério do Meio Ambiente lançou em 2011 um plano para ampliar o consumo sustentável no País. A meta é que, até 2014, a porcentagem de consumidores conscientes dobre de 5% para 10%.

No plano, empresas e governos também são considerados parte do processo. O presidente do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, Jorge Abrahão, avalia que, por enquanto, a maioria das companhias brasileiras ainda não adotou a sustentabilidade em seus planos de negócio.

"A maioria das empresas não assumiu esta agenda. Por outro lado, há empresas que estão liderando este processo e que, logo, nós acreditamos que vão ser reconhecidas por isso" , afirma Abrahão. " A questão da reputação e da imagem das empresas é chave e as empresas que estão envolvendo em questões que impactam na sociedade, e a sociedade tem essa percepção, elas vão ser as empresas do futuro."
 
Fonte isaude.net

Material suprime células do câncer sem causar efeitos colaterais

Stanislav Ferdov, do Centro de Física da Universidade do Minho, criou um material microporoso com iões de zinco
Foto: UMinho
Stanislav Ferdov, do Centro de Física da Universidade do Minho,
criou um material microporoso com íons de zinco
Produto microporoso com íons de zinco criado abre um novo campo na luta contra vários tipos de câncer
 
Uma equipe internacional de pesquisadores desenvolveu um novo material anticancerígeno que suprime seletivamente certos tipos de câncer, sem causar efeitos negativos para as células saudáveis.
 
O material microporoso com íons de zinco (Zn-ETS-4) abre um novo campo na luta contra o câncer.
 
A pesquisa incluiu investigadores da Universidade do Minho, da Academia Búlgara de Ciências, do Centro Nacional de Doenças Infecciosas e Parasitárias (Bulgária) e do CICECO da Universidade de Aveiro (Portugal).
 
 
"Na presença de quantidades muito pequenas do novo material, conseguimos a supressão seletiva de até 95% de um tipo de célula humana cancerígena ou ' imortal' (HeLa) e de uma célula que pode causar cirrose em humanos (HepG2)", explica o líder do projeto Stanislav Ferdov, da UMinho.
 
O trabalho mostra como uma combinação de materiais porosos e íons de metal podem ser usados para preparar novos medicamentos na luta contra vários tipos de câncer.
 
A equipe espera que, aprofundando esta investigação, eles possam aumentar os genótipos de câncer que podem ser inibidos seletivamente e com eficácia.
 
O potencial deste método é, precisamente, poder testar in vivo e ' in vitro' um grande número de materiais microporosos com vários íons metálicos.
 
Fonte isaude.net

Curitiba confirma morte de bebê de 6 meses por H1N1 e pede cuidados à popução


Para os médicos, a orientação é para que prescrevam o remédio
Oseltamivir (Tamiflu) para o tratamento de todos os quadros gripais
Segundo secretaria de Saúde, desde o início do ano foram registrados 266 casos de sindrome respiratória aguda na cidade
 
A Secretaria Municipal da Saúde confirmou, nesta quinta-feira (6), a ocorrência de uma morte por gripe A (H1N1) em Curitiba. De acordo com a secretaria, o óbito, de uma criança de 6 meses, ocorreu no dia 31 de maio.

O diretor do Centro de Epidemiologia, Moacir Pires Ramos, informou que desde o início do ano foram registrados em Curitiba 266 casos de síndrome respiratória aguda grave por diversos agentes infecciosos, "frequência que está dentro do padrão epidemiológico esperado para o período do ano." Destes, quatro casos foram de influenza (gripe), sendo dois pelo vírus H1N1.

" Estamos numa época do ano em que ocorre aumento da ocorrência de doenças respiratórias" , afirma Moacir Pires Ramos. De acordo com ele, nos dois primeiros meses do ano, 8% dos atendimentos na rede pública municipal de saúde estão relacionados a esse tipo de doença. O percentual vai subindo gradativamente, conforme o frio se aproxima, e atualmente é de 21%. " São percentuais esperados para uma cidade como Curitiba e que estão dentro da média histórica" , afirma o diretor.

A orientação é para que qualquer pessoa que apresente sintomas de gripe procure rapidamente um serviço de saúde. Os sinais de alerta são febre acima de 38 graus, de início agudo (que já começa alta), tosse ou dor de garganta. Dor muscular e articular, diarreia e coriza podem aparecer associadas a esse quadro. Crianças muito pequenas podem eventualmente apresentar dificuldade respiratória e menos febre. Em idosos que também podem apresentar pouca febre , outro sinal pode ser confusão mental.

Para os médicos, a orientação é para que prescrevam o remédio Oseltamivir comercialmente conhecido como Tamiflu para o tratamento de todos os quadros gripais.

" Desde 2009, quando ocorreu a epidemia de gripe no Brasil, Curitiba adotou a prescrição do Oseltamivir como medida terapêutica precoce. Essa iniciativa faz toda a diferença porque percebemos que a maioria dos óbitos por problemas respiratórios decorre de gripes não tratadas ou tratadas tardiamente" , diz Moacir Pires Ramos.

Com informações da Agência de Notícias da Prefeitura de Curitiba
 
Fonte isaude.net

Florianópolis desenvolve ação contra epidemia de bicho-de-pé

Vacinas e pulverização em cães e gatos foram alguns dos tratamentos realizados por meio da equipe do Centro de Controle de Zoonoses e Bem-Estar Animal
Foto: Divulgação/Mauro Vaz
Vacinas e pulverização em cães e gatos foram alguns dos
 tratamentos realizados por meio da equipe do Centro de
Controle de Zoonoses e Bem-Estar Animal
Centenas de animais domésticos foram vacinados e foi realizado um trabalho de conscientização com a população das áreas atingidas
 
A Prefeitura de Florianópolis realizou, na manhã desta quinta-feira (06), na Comunidade da Vila do Arvoredo, localizada nos Ingleses, onde foi realizado um trabaglho de extermínio e prevenção contra o parasita Tunga Penetrans, mais conhecido como " bicho-de-pé" .

Como forma de prevenção, foi aplicado medicamento nos cães e gatos e realizado um trabalho de conscientização dos moradores sobre os cuidados necessários para evitar que os animais não se tornem hospedeiros do parasita.

Foram vacinados centenas de cães e gatos da reagião. Segundo o diretor do Bem Estar Animal, João Eduardo Pereira Cavallazzi, "é importante que as pessoas que possuem um animal estejam certas que elas têm uma responsabilidade, pois bicho vai viver no mínimo dez anos. Ele não é um objeto, um acessório que se deixa de lado; o animal precisa de cuidados" , disse o diretor.

Pés inflamados, coceiras insuportáveis e dificuldades de caminhar são alguns dos sintomas que aborrecem a dona de casa, Ana Cardozo, 55 anos, moradora da região, cujos pés estão completamente infectados com a moléstia.

A casa de um pavimento onde Ana mora é dividida em áreas cobertas por madeira e cimento e áreas tomadas pela areia - a maior fonte de contágio. Segundo a moradora, mesmo quem anda calçado está exposto.

" Já coloquei sal por tudo quanto é canto pra matar os bichos, mas nada adianta. Não tem essa história de andar calçado. Esse bicho sobe pelo corpo, gruda na roupa, sobe na cama, é um horror. É um ato brilhante este tipo de ação que a prefeitura está fazendo aqui na nossa comunidade" , afirma a moradora.

Com informações da Secretaria Municipal de Florianópolis
 
Fonte isaude.net

Sensação de tristeza reduz capacidade de detectar gordura nos alimentos

Estudo revela que nossas emoções podem nos fazer perceber o sabor dos alimentos de forma diferente
Estudo revela que nossas emoções podem nos fazer perceber
 o sabor dos alimentos de forma diferente
Pesquisa sugere que reações emocionais podem fazer as pessoas perceberem sabor dos alimentos de forma diferente
 
Pessoas que são muito emocionais são menos capazes de detectar a gordura nos alimentos. É o que revela estudo de pesquisadores da Universidade de Würzburg, na Alemanha.
 
A pesquisa sugere que as nossas emoções podem nos fazer perceber o sabor dos alimentos de forma diferente, nos tornando menos capazes de registrar a quantidade de gordura que estamos comendo.
 
Segundo os pesquisadores, quando as pessoas estão particularmente felizes ou tristes elas são mais capazes de detectar sabores amargos, doces e salgados.
 
A equipe de pesquisa pediu a um grupo de voluntários que saboreasse uma variedade de bebidas cremosas contendo diferentes níveis de gordura.
 
Antes de participar da degustação, no entanto, eles assistiram três diferentes clipes de vídeo, um que mostra uma cena feliz, outro com uma cena triste e outro uma cena chata.
 
Os resultados mostraram que o vídeo chato não teve influência no paladar dos participantes. No entanto, depois de assistir os vídeos que retratavam uma emoção, os voluntários foram menos capazes de detectar se as bebidas eram ricas em gordura ou não.
 
O coautor da pesquisa Paul Breslin afirmou ter ficado surpreso ao descobrir que reações emocionais tornam pessoas menos capazes a detectar gordura, enquanto que a capacidade de perceber os outros sabores aumentou.
 
Segundo Breslin essas descobertas se encaixam com outras que implicam que as pessoas que sofrem de depressão são menos capazes de detectar os níveis de gordura na sua alimentação.
 
 
Fonte isaude.net

Sacolas plásticas ajudam a manter prematuros aquecidos

Com a pele sensível, o bebê prematuro tende a perder
calor rapidamente
Novo estudo sugere forma barata e eficiente de manter a temperatura de prematuros em países pobres ou locais com poucos recursos médicos
 
Alguns recém-nascidos muito prematuros são envolvidos em filme plástico esterilizado nos Estados Unidos como forma de evitar uma redução perigosa de temperatura de seus corpos. Um estudo sobre recém-nascidos da Zâmbia agora sugere que essa técnica pode ser reproduzida de forma barata e eficiente nos países pobres com o uso de sacolas plásticas comuns.
 
"São sacolas normais, parecidas com as de supermercado", afirmou o Dr. Waldemar A. Carloum, um dos autores do estudo e médico neonatal da Universidade do Alabama, em Birmingham. "Nós as compramos por apenas 2 centavos de dólar cada. Isso é o melhor de tudo".
 
A pele do recém-nascido prematuro é muito fina e a água evapora rapidamente, o que pode resultar em perda de calor potencialmente mortal, principalmente em países pobres nos quais o aquecimento das alas neonatais pode não funcionar de forma estável.
 
No hospital de Lusaka, na Zâmbia, onde o estudo foi realizado, a temperatura média das alas de parto era de 26,5 °C, afirmou Carlo, mas oscilava quando os aquecedores eram movimentados e as janelas abertas.
 
Os recém-nascidos eram colocados junto ao peito da mãe logo após o nascimento na posição típica do método canguru – que consiste no contato pele contra pele entre mãe e bebê. O método canguru, porém, nem sempre é suficiente para aquecer uma criança. Além disso, em situações nas quais o recém-nascido precisava ser separado da mãe— para ser pesado ou observado, e também quando a mãe dormia ou precisava ser medicada— a sacola plástica, dentro da qual eles eram colocados antes de serem envolvidos em um cobertor, foi mais eficiente em mantê-los aquecidos do que apenas o cobertor.
 
No estudo, publicado no periódico Pediatrics, não ocorreram incidentes de superaquecimento ou erupções de pele pelo contato com a sacola.

Fonte iG

7 perguntas para escolher o pediatra certo

A escolha do pediatra certo passa pela confiança e empatia
 entre o profissional e a mãe
Empatia, segurança, responsabilidade: responda às questões para conseguir escolher bem o médico do seu filho
 
Ele acredita nos mesmos princípios que minha família? Você é vegetariana, se trata com homeopatia ou faz parte de uma religião que não permite transfusão de sangue? O pediatra deve compartilhar de seus princípios - ou ao menos se sentir confortável com a postura adotada pela família. "Ele precisa ter disposição de atender em ciscunstâncias especiais", explica o doutor Fábio Ancona, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Esta também é a escolha do pai do meu filho?              
Muitas mães definem o pediatra sozinhas e mantêm os pais completamente afastados desta decisão. Isso é péssimo para a família, para o médico e para a criança. "Mães que escolhem o pediatra como um aliado, excluindo o pai, geram um conflito", atesta o doutor Antonio Carlos de Souza Aranha, pediatra antroposófico. "Ela precisa ter o suporte do pai na escolha tanto do profissional como da linha seguida por ele".

Ele tem especialização na área?
Procure os títulos de especialização do médico na área da pediatria. Estas referências podem ser checadas no site da Sociedade Brasileira de Pediatria . Indicações de familiares e checagem de referências, por meio de buscas na internet e conversas com outros pacientes, também nunca são demais.

Eu saio da consulta completamente esclarecida? Não entendeu se é para dar o remédio antes ou depois da papainha? Tem dúvidas sobre a doença diagnosticada pelo médico ou sobre a necessidade dos exames pedidos? Nada disso é bom sinal. Pergunte tudo que achar necessário - o pediatra deve estar disponível e ser paciente para tirar todas as suas dúvidas. Se você já fez todas as perguntas que queria e não recebeu respostas claras, cuidado.

Estou considerando, em primeiro lugar, o bem estar do meu filho?
Os médicos são unânimes: não adianta escolher o profissional mais famoso se você  e o seu filho não se sentirem confortáveis com ele. O pediatra que cuidou de todos os primos do seu marido pode ter sido muito bom para a família da sua sogra, mas talvez não tenha nada a ver com o seu estilo de vida e seus princípios para a educação de uma criança. Não tenha medo de mudar - e considere sempre o bem-estar do seu filho.

Tenho empatia com o profissional? Este é um ponto-chave na escolha do pediatra. Sentir empatia pelo médico passa por uma série de observações sutis, nem sempre relacionadas diretamente a uma consulta com a criança. Começa pelo ambiente do consultório: é limpo? Arejado? Tem brinquedos? A equipe do médico é simpática? Em uma conversa com ele, percebeu os mesmos princípios nos quais você acredita? Ele sabe lidar com seu filho e com as outras crianças no consultório? Ponto para ele.

Me sinto segura com ele?
A relação do médico com a mãe tem que ser pontuada pela transparência. Para o doutor Antonio Carlos Aranha, o pediatra deve estar disponível para todo momento em que a mãe se sentir insegura. "Não vejo a possibilidade de alguém ser pediatra e não atender telefone em caso de emergência", diz o doutor Fabio Ancona. Se o médico não pode atender uma emergência no final de semana, precisa ter uma equipe de plantão, de responsabilidade dele, para isso.
 
Fonte iG

Como escolher o pediatra do seu filho

Nem todas as reclamações infantis podem ser
manha da criança e merecem atenção
Academia Americana de Pediatria divulga lista com fatores importantes que devem ser considerados na escolha do médico das crianças
 
O médico que vai cuidar de uma criança provavelmente será parceiro dos pais durante muitos anos. É ele quem vai ajudar a criança a se tornar um adolescente saudável. A Academia Americana de Pediatria divulgou uma lista com itens importantes que ser considerados na escolha de um pediatra:
 
- Descubra informações básicas sobre o profissional, como a universidade onde ele se formou e onde fez sua residência médica
 
- Pergunte em quais hospitais o médico pode atender em caso de necessidade
 
- Procure saber se a localização do consultório é adequada para a família, bem como qual o expediente de trabalho do profissional
 
- Pergunte como o médico lida com emergências
 
- Considere a simpatia dos profissionais que fazem parte da clínica
 
- Procure ficar atento ao grau de interesse do pediatra sobre a saúde do seu filho
 
- Pergunte sobre a possibilidade de conseguir uma consulta para o mesmo dia no caso de algum evento inesperado ou emergência
 
- Também se informe se o médico indica outros profissionais que podem ser consultados em sua ausência
 
- Pergunte qual sua política com relação a convênios
 
Ele acredita nos mesmos princípios que minha família? Esta também é a escolha do pai do meu filho? Ele tem especialização na área? Responda às questões para conseguir escolher bem o médico do seu filho
 
A primeira consulta com o pediatra
A primeira visita do bebe ao pediatra e um momento muito importante para ele e para toda a familia. Neste momento, o medico vai conhecer a crianca e acompanhar seu desenvolvimento, alem de saber do seu historico familiar e tirar todas as duvidas que os pais podem ter.
 
Ajude o pediatra do seu bebê
Bebês ainda não sabem falar e o atendimento em pronto-socorros muitas vezes é incapaz de acompanhar a evolução de uma doença. Por isso, a avaliação regular de um pediatra é a melhor forma de “juntar” todas as informações necessárias para descobrir o que está incomodando o bebê. Mas a participação dos pais é fundamental: algumas peças deste quebra-cabeça só podem ser fornecidas pelos observadores mais próximos da criança.
 
Dores infantis não devem ser subestimadas
É tão comum as dores das crianças aparecerem pouco antes de um momento desafiador – a volta às aulas, por exemplo – que se torna fácil descartá-las sem maiores investigações. Diante da dor de barriga súbita na hora de ir para a escola, os pais costumam ignorar a reclamação ou medicar a criança por conta própria. Nenhuma das atitudes é a correta. Pediatras explicam por que os pais devem dar atenção às queixas das crianças e ensinam a distinguir uma manha de um sintoma real.
 
Como dar remédio para o seu filho
Na hora do desespero qualquer solução parece válida, de misturar o remédio à comida até fazer chantagem. No entanto, nem sempre os pais fazem a melhor escolha quando as crianças não querem tomar um medicamento prescrito. Deixar o nervosismo e a ansiedade à mostra, por exemplo, não é a melhor saída. Entre os dois e cinco anos, crianças passam por fase crítica e esperneiam. Mas existem técnicas capazes de tornar a tarefa mais fácil.
 
Fonte Delas

Seis tipos de posts que podem atrapalhar sua vida profissional

Ter cuidado ao expor as próprias opiniões é primordial para causar
 uma boa impressão na internet
Fotos de bebedeira, piadas com viés preconceituoso e referências sexuais são obstáculos capazes de arruinar contratação ou carreira na empresa. Veja postagens contraindicadas
 
Além de serem ferramentas destinadas à comunicação virtual, as redes sociais têm o poder de refletir significativamente na vida real, especialmente na área profissional.
 
Apesar de certos posts serem feitos por brincadeira, nem sempre as empresas enxergam assim. Muitas seleções incluem análise de perfil em redes sociais e alguns elementos podem pesar negativamente na hora da contratação. “Mesmo existindo um canal que fale de você profissionalmente, como o Linkedin, isso não significa que 'vale tudo' em outras redes. A internet é um espaço aberto. Quem acessa suas informações no Linkedin pode muito bem acessar sua conta no Facebook”, afirma Fabrício Saad, especialista em mídias sociais.
 
Fabricio cita três tipos de perfis que deixam as empresas com o pé atrás: o crítico de plantão (aquele que passa o dia inteiro xingando muito fazendo críticas no Twitter, principalmente contra produtos e empresas); o preconceituoso metido a engraçado (permeado de postagens e comunidades de conteúdo preconceituoso, seja de gênero, cor, religião) e o pessimista ou conselheiro (que vê o próprio perfil como um canal de reclamação ou um psicólogo virtual). “Esses temas causam muita polêmica”, explica Saad.
 
Para Gil Giardelli, web ativista e professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), ter cuidado ao expor as próprias opiniões é primordial para causar uma boa impressão na internet. “Todas as empresas estão olhando que tipos de comentários ou de fotos são divulgados nas redes”, diz. Alguns podem dificultar a vida do candidato (ou do funcionário). Veja abaixo quais são.
 
Posts com referências sexuais e preconceituosas de qualquer tipo podem custar caro. Em 2009, o comediante Danilo Gentili postou a seguinte frase em sua conta do Twitter: “King Kong, um macaco que, depois que vai para a cidade e fica famoso, pega uma loira. Quem ele acha que é? Jogador de futebol?” (sic). Apesar de a intenção de Danilo ter sido fazer rir, a piada também pode ser entendida com um viés racista, comparando os negros a macacos. O resultado foi uma avalanche de críticas, inclusive de colegas de trabalho, gerando uma imagem negativa do humorista. 
 
Posts com informações pessoais de segurança. Publicar endereços pessoais, números de celulares, informações sobre familiares e outras pessoas podem passar a impressão de que você é uma pessoa desatenta. “Não coloque nada que você não colocaria em um outdoor. É difícil ter regras, mas é importante ter bom senso”, explica Giardelli.
           
Posts com linguagem pouco educada em discussões. Ao debater com algum colega no mundo real, dificilmente você usaria palavras pesadas. Não pense que o relativo anonimato virtual fornece um salvo-conduto para agir de forma diferente nas redes. O uso de palavras de baixo calão reflete diretamente a sua personalidade. Em vez de partir para a agressão verbal, sustente seu discurso com argumentos consistentes .
Fotos de conteúdo constrangedor , como as que fazem alusões ao consumo de bebidas alcoólicas ou outro tipo de entorpecentes, são pontos muito negativos. Cada um se diverte à sua maneira, mas alguns registros podem ficar longe das telas do computador – e dos olhos do seu possível chefe. É preciso ficar atento não apenas às fotos que você posta, mas também àquelas em que seus amigos o marcam. Há imagens que você pode nem saber que existam e o resultado pode ser desastroso. “Tudo que está na rede, mesmo que na dos amigos, vaza”, conta Gil. Para a consultora de boas maneiras Sofia Rossi, fotos mal colocadas podem passar a impressão de falta de seriedade. “Tirar foto mostrando a língua e fazendo gestos na frente do espelho faz com que a sua postura profissional seja questionada”, acredita
 
Posts com comentários que podem prejudicar a empresa de alguma maneira. Um comentário mais exagerado ou uma opinião com teor desrespeitoso pode ter um desfecho amargo. Em 2010, o ex-diretor comercial da empresa Locaweb, Alex Glikas, postou um comentário ofensivo ao time de futebol do São Paulo durante uma partida contra o Corinthians. O inconveniente é que a Locaweb era patrocinadora do primeiro time, e a reação dos torcedores são-paulinos foi de retaliação contra Glikas. A solução da empresa foi demitir o funcionário.
            
As associações e páginas curtidas no Facebook dão um parâmetro da personalidade e dos pontos de vista do candidato. Portanto, preste atenção nas páginas que você adiciona ao seu perfil: conteúdo criminoso, ofensivo e apelativo são maneiras rápidas de eliminar candidatos.
 
Redenção virtual
Se você já cometeu algum deslize, Saad ensina que a melhor maneira de reparar o erro é a transparência: deve-se pedir desculpas publicamente, de preferência pelo mesmo canal utilizado. “As pessoas podem entender que você errou, mas querem ver essa atitude. Se você se arrependeu, mostre isso”, explica. A consultora de boas maneiras Sofia Rossi concorda, e diz que é necessário assumir o seu erro. “Se já postou, deixa lá; assuma, peça desculpas e preste atenção para não cometer o mesmo erro”.
 
Para ter um perfil interessante, Giardelli explica que é necessário começar a propagar coisas que lhe agradam. “Uma dica é a pessoa criar uma linha editorial com o que gosta de falar, sobre o que gosta de compartilhar. Isso facilita para os leitores decidirem ou não seguir o seu perfil. A gente precisa de mais gente interessante, e menos curtidas”.
 
A dica de Fabrício é ser claro, coerente e sempre postar o tipo de conteúdo que promete. “As pessoas que vão te seguir esperam receber informações a respeito do que está na sua biografia básica”. Uma recomendação valiosa é sempre prestar atenção à gramática e à ortografia. Também seja relevante em suas postagens. “Usar a linguagem segmentada, promover ações de engajamento, de cyberativismo, campanhas sociais são atitudes que têm tudo a ver com esses canais”, finaliza Fabrício.
 
Fonte iG

Vegetais contra o envelhecimento

Alimentos triviais ajudam a garantir a jovialidade do corpo por dentro e por fora
 
A medicina estética tem na ponta da língua as respostas para os incômodos provocados pelos sinais da idade. Se as rugas aparecem, botox. Caso o problema seja ressecamento da pele, cremes e mais cremes. Tinturas para cabelos grisalhos; pílulas para aumentar a vitalidade. Mas se as fórmulas para conter o envelhecimento externo dão aos cosméticos a possibilidade de interferir no curso natural da vida, a garantia da jovialidade interna pode ser encontrada na feira ou supermercado.

Alimentos triviais do dia-a-dia são a chave para a eliminação das células velhas e doentes, o que ajuda a prevenir um organismo envelhecido. Os chamados antioxidantes foram eleitos como remédios naturais contra os radicais livres, estruturas que danificam o corpo humano acelerando o processo de envelhecimento das células que compõem o organismo.
 
Independentemente da informação que consta na carteira de identidade, é possível manter o corpo jovem com uma dieta rica em alimentos benéficos. Segundo Cristiane Kovacs, nutricionista coordenadora do Ambulatório de Nutrição Clínica do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, de São Paulo, eles ajudam a evitar disfunções neurológicas e podem auxiliar até no combate ao câncer, se consumidos de forma moderada, para que não prejudiquem o corpo.
 
A nutricionista aponta os alimentos ideais: cenoura, batata-doce, abóbora, espinafre, brócolis e vegetais folhosos verde-escuros são exemplos que não podem faltar no cardápio. Ovos, abacate, brócolis e couve de bruxelas também são importantes, assim como laranja, limão, kiwi, mamão papaia e acerola. Na hora de cozinhar, outra sugestão é abandonar de vez a manteiga e a banha, gorduras de origem animal, e preferir os óleos vegetais (oliva, girassol, soja, etc.).
 
Falhas recorrentes
O envelhecimento da população é realidade, medido ano a ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Se antes, as pessoas se programavam para viver até os 60 anos de idade, agora a média já deu um salto de mais de uma década. A expectativa de vida do brasileiro hoje é de 76 anos. Para estes 12 anos de vida a mais sejam desfrutados com qualidade, a cozinha não deve ser negligenciada.
 
Segundo o Ministério da Saúde, refrigerante e frituras ainda são desafios para a população de qualquer faixa etária (em média 35% consomem estes tipos de produtos mais de cinco vezes por semana). Além disso, pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas concluíram que na faixa etária entre 20 e 69 anos, 79,8% não comem frutas com regularidade.
 
Para quem deseja começar a adotar um cardápio mais sadio, a nutricionista elaborou uma saborosa opção de dieta com ingredientes que são tudo de bom para a saúde, confira.
 
Sugestão de cardápio antioxidante
       
Café da manhã: leite desnatado, pão integral, creme vegetal rico em fitosterol, goiaba e granola.
 
Lanche da manhã: mamão e farelo de aveia.
 
Almoço/Jantar: alface, cenoura cozida, tomate, azeite de oliva, arroz, feijão, sardinha grelhada, legumes refogados e óleo de canola para cozinhar os alimentos. Manga como sobremesa e suco de caju para beber.
 
Fonte iG

Cinco fatores que fazem o corpo envelhecer

Existem meios simples para retardar o processo de
envelhecimento, afirma especialista
Médico norte-americano explica como modificar fatores que podem ser mudados no processo de envelhecimento dentro do organismo
 
Envelhecer é natural. Para o médico norte-americano Mike Moreno, no entanto, é possível atrasar o "relógio interno" e exibir uma idade biológica menor do que a verdadeira.
 
No livro "O plano dos 17 dias para manter-se jovem" (Ed. Fontanar) o especialista enumera e explica cinco processos que prejudicam o funcionamento normal do organismo e favorecem o envelhecimento.
 
Segundo Moreno, todos esses processos podem ser atenuados com boa alimentação, consumo correto de vitaminas e a prática regular de exercícios físicos.
 
Entenda os fatores que fazem o corpo envelhecer:
 
1 – Inflamação
De acordo com o especialista, a inflamação é um processo normal dentro do organismo, que ajuda o corpo a combater infecções e a reparar tecidos danificados. O problema é quando ela fica fora de controle e não desaparece naturalmente.
 
“Quando isso acontece em lugares perigosos, como artérias ou articulações, células são danificadas, e você pode ficar bastante doente e enfraquecido”, escreve Moreno, que é membro da Academia Americana de Médicos da Família.
 
Não se sabe exatamente o que é que pode causar a inflamação crônica, mas é sabido que o cigarro é uma das principais causas de inflamação no corpo. A obesidade, o sedentarismo e o estresse também contribuem.
 
Como prevenir: Moreno sugere manter o peso ideal, fugir do sedentarismo, entender quais são as gorduras boas e ruins, comer carboidratos bons e moderar o consumo de bebidas alcoólicas – moderação, para Moreno, significa 1 dose diária.
 
2 – Estresse oxidativo – quando o corpo 'enferruja'
O livro explica que o processo de oxidação no organismo pode ser comparado à ferrugem, e que há limites para a oxidação natural do corpo. Quando fica excessiva, acontece o chamado estresse oxidativo, quando as células vão, pouco a pouco, sendo danificadas. E os vilões são os radicais livres.
 
“Com o tempo, os radicais livres podem se acumular no corpo e levar a problemas sérios de saúde, como câncer, diabetes, aterosclerose, Alzheimer e artrite reumatoide”, explica.
 
Para prevenir: Ingerir antioxidantes como vitaminas A, C, E, betacaroteno, selênio, bioflavonoides e as plantas ginkgo biloba e ginseng . Alimentos coloridos são ricos em antioxidantes. Moreno também recomenda praticar exercício físico com moderação – nada de exageros.
 
“Um sinal para saber se a intensidade do exercício foi correta é a ausência de dores e cansaço após 48 horas”.
 
3 – Glicosilação            
É um nome complicado para um processo que acontece quando moléculas de açúcar se unem com proteínas dos alimentos. O resultado dessa mistura não é nada bom.
 
“E essa massa dura e emaranhada de tecidos, como você pode imaginar, faz um estrago na flexibilidade dos seus órgãos, levando-os a enrijecer. Esse enrijecimento no seu coração, por exemplo, pode afetar drasticamente a capacidade dele de bombear sangue”, explica o médico no livro.
 
Para prevenir: O médico indica evitar a ingestão de xarope de milho rico em frutose, que está presente em muitos alimentos industrializados e comer mirtilos, frutinhas do bosque ricas em anti-inflamatórios chamados cianinas. Eles ajudam a evitar a glicosilação e fazem a pele parecer mais jovem.
 
4- Metilação
Moreno explica que a metilação é um processo vital das céulas do corpo. É ela quem determina se a pessoa vai absorver com sucesso vitaminas, enzimas ou outros compostos químicos ingeridos com a alimentação.
 
Segundo Moreno, se o organismo não estiver realizando essa função adequadamente, é possível tratar a causa do problema, que geralmente se deve a uma deficiência na ingestão de ácido fólico, uma vitamina do complexo B. Comer ovos e sementes, por exemplo, ajudam, pois são alimentos ricos nessa vitamina.
 
Para prevenir: Comer gema de ovo (é rica em vitamina B12), investigar se não está tomando medicamentos que interferem na absorção dessa vitamina e comer sementes de girassol, que são muito nutritivas.
 
“Mastigue algumas como lanche, ou espalhe uma colherada delas na salada ou na sopa. O mesmo vale para sementes de abóbora, de chia e de gergelim. Mas cuidado com o sódio; prefira o tipo sem sal. E elas são mais calóricas do que você imagina, portanto, não exagere”, aconselha o médico no livro.
 
5 – Baixa imunidade
A imunidade também é um fator importante para a prevenção de doenças. Com o passar dos anos, segundo descreve Moreno, o sistema imunológico vai ficando mais debilitado, algo que pode ser melhorado com uma alimentação adequada e hábitos de higiene.
 
“Vale a pena mencionar que todos os cinco fatores do envelhecimento estão inter-relacionados de alguma forma; portanto, as mudanças de estilo de vida e comportamento que você faz para um fator afetam os outros quatro”.
 
Para prevenir: Lavar as mãos frequentemente, tomar todas as vacinas necessárias, assegurar que a ingestão de vitaminas seja satisfatória, não fumar e só usar antibióticos quando recomendado pelo médico, orienta Moreno.

Conheça os alimentos mais ricos em antioxidantes:

Açafrão-da-terra

Açaí

Alecrim seco

Baunilha em fava

Cacau em pó

Canela

Chocolate meio amargo

Cominho (semente)

Cravo

Curry em pó

Estragão

Farelo de Sumagre

Framboesa

Gengibre em pó

Manjericão seco

Manjerona fresca

Mostarda Amarela (semente)

Noz Moscada

Nozes

Orégano seco

Pimenta Branca

Pimenta Preta

Pimenta Vermelha

Salsa

Tomilho fresco

Fonte iG