Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sábado, 29 de setembro de 2012

Micose de unha

A micose de unha é o terror para quem adora andar descalço, veja como tratar

A micose nas unhas é uma inflamação causada por fungos que as alimentam de queratina, uma das substâncias que formam a unha. Estes fungos vão destruindo as unhas, estas ficam fracas e começam a esfarelar. A micose é fácil de ser contraída, mas não é tão fácil se livrar dela.
 
A micose afeta principalmente as unhas dos pés, pois como usamos sapatos fechados criamos o ambiente favorável (quente e úmido) para a procriação dos fungos.
 
Cuidado com remédios caseiros, estes não servem pra solucionar o problema, se alguém disser que suco de limão ou vinagre vai matar o fungo não dê ouvidos, além de não curar isso pode causar outro problema, pois estes líquidos são ácidos e quando exposto a altas temperaturas, causam manchas escuras e até podem queimar a pele.

Este tipo de infecção pode ser contraído só de pisar descalço em locais como vestiários, piscina e mesmo na praia. Além disso, se você não fizer a higiene correta dos pés, lavando com sabão entre os dedos, enxaguando e secando direito para só então colocar os sapatos, pode estar dando chances aos fungos de tomarem conta de seus pés.
 
A micose ou onicomicose (outro nome para este problema) também pode surgir em pessoas com doenças crônicas, como diabetes e HIV, e nas pessoas com problemas circulatórios, que têm diminuição no fluxo de sangue nos dedos dos pés.
 
O tratamento para micose normalmente é demorado, pois as unhas crescem lentamente. Os medicamentos podem ser na forma de cremes, soluções ou esmaltes. Para casos mais avançados o tratamento pode ser via oral.
 
Para este tipo de tratamento o paciente deve ter paciente, pois os sinais de melhora podem emorar a aparecer. A persistência é o ponto fundamental no tratamento da micose de unha. Você não pode desistir, precisa continuar passando o remédio, caso contrário os fungos podem atacar a unha vizinha e com isso o problema dobra de proporção.
 
Consulte um dermatologista para que ele avalie o caso corretamente e receite o remédio mais indicado. E não utilize medicamentos indicados por outras pessoas, isso pode acabar disfarçando características importantes para o diagnóstico correto da sua micose.
 
Fonte vidaperfeita.com.br

A forma como cuidamos de nossa escova dental é importante para nossa saúde

Escovar os dentes é uma das formas de termos uma boa saúde bocal, mantermos um hálito agradável e termos um sorriso bonito e para isso devemos fazer uso da escova diariamente, ao acordarmos, após as refeições e antes de dormir.
 
Isso nós já sabemos, mas o que as vezes não damos importância é com os cuidados que devemos ter com a escova de dentes.
 
Por quanto tempo você fica com uma escova de dentes? O ideal é que este tempo não ultrapasse 3 meses, isso ajuda a evitar que fungos e bactérias se desenvolvam nas cerdas, e após esse tempo as cerdas começam a perder a eficiência e se deformam. Outro motivo para a troca da escova é quando surgirem problemas de infecção na boca, dor de garganta, gripes e resfriados, pois pode ser que os germes se alojem nas cerdas e levem a uma nova infecção.
 
Não compartilhe a sua escova e não use a escova de outra pessoa, mesmo que seja da família. O principal motivo é prevenir a contaminação por doenças infecciosas.
 
Na hora de lavar a escova dedique atenção as cerdas e ao cabeçote da escova, use bastante água e na hora de guardar retire o excesso de água e deixe a escova na posição vertical para evitar que ela fique úmida dificultando a proliferação de fungos e germes. Se possível deixe a escova exposta ao ar até secar completamente.
 
Soluções caseiras, desinfetantes ou enxaguantes bucais não servem para eliminar germes e bactérias, por isso se a escova cair no chão, na pia ou no vaso sanitário, a melhor solução é trocar a escova imediatamente.
 
Sempre que possível guarde a escova (seca) dentro de um estojo específico para isso, assim você evita que as cerdas fiquem espremidas ou achatadas e também evita o contato com outros objetos.
 
Se a sua escova divide espaço com outras num mesmo recipiente, você deveria pelo menos usar um protetor de cerdas, mas dê preferência para modelos com boa ventilação.
 
Isso pode parecer um pouco assustador, mas segundo algumas pesquisas foram detectados coliformes fecais em escovas de dentes que ficavam próximas ao vaso sanitário ou em cima de gabinetes do banheiro. Ao dar a descarga, as bactérias presentes no ar podem alcançar as escovas próximas. E ao usar a escova as bactérias podem ir direto ao organismo.
 
Para amenizar este tipo de problema a recomendação é deixar a escova pelo menos a um metro de distância do vaso sanitário e manter a tampa do vaso fechada.
 
Outro ponto importante é lavar bem as mãos depois de usar o banheiro, pois você estará evitando que as bactérias cheguem até o cabo da escova.
 
Fonte vidaperfeita.com.br

Óleos essenciais são calmantes e afrodisíacos

Egípcios e persas já sabiam e utilizavam os óleos essenciais como aliados à saúde e aproveitavam todas as suas propriedades. Os chineses também produzem remédios aromáticos à base de ópio e gengibre há milênios, mas foram os árabes que levaram as técnicas de produção de óleos essenciais a padrões similares aos atuais.
 
O responsável pelos óleos como os conhecemos hoje foi o químico francês Maurice Gattefossé. Ao queimar-se com um produto inflamável, em 1928, ele instintivamente mergulhou o braço numa tina de óleo de lavanda. Para sua surpresa, a queimadura parou de arder e, em alguns dias, cicatrizou. A partir de então, abriu-se uma frente de pesquisa sobre os possíveis efeitos terapêuticos dessas substâncias. Foram os resultados desses estudos que fizeram a aromaterapia difundir-se pelo mundo e chegar aos consumidores em forma de diversos produtos.
 
Com o aprofundamento das pesquisas na área, diferentes propriedades dos óleos essenciais passaram a ser melhores conhecidas e aplicadas.
 
Há vários óleos com propriedades afrodisíacas, dependendo da pessoa em quem se aplica, podendo um ser mais estimulante do que o outro. E o mais usado para sedução é o de rosas, embora todos deixem a pele com um toque mais gostoso e um cheiro agradável, o que os tronam muito sedutores também.
 
As substâncias também podem trazer outros benefícios, segundo o farmacêutico Orlando Dias Cardim. Pingar cinco gotas de óleo de tomilho ou alecrim por litro de água quente resulta em um líquido que ajuda a desinchar os pés; para aliviar dores e ativar a circulação neles, o mesmo deve ser feito com óleo cipreste, ou de hortelã-pimenta. No travesseiro, três gotas de óleo de tomilho antes de dormir podem ajudar quem sofre de insônia, recomenda Cardim.
 
Os óleos também são considerados eficientes na cicatrização, como o de eucalipto, o de lavanda e o chamado tea-tree. E é fácil encontrar óleos de boa qualidade em grandes farmácias, principalmente nas que vendem remédios homeopáticos e lojas de produtos naturais, com preços acessíveis.
 
Fonte Corposaun

Osteoporose e medicamentos

Uso de alguns medicamentos pode elevar aumento de perda óssea e consequente levar a osteoporose, porém utilização de outros remédios possibilita uma prevenção contra essa doença.
 
O uso em longo prazo de glicocorticoides e de alguns medicamentos direcionados para o tratamento de convulsões e da endometriose podem atacar a saúde dos ossos, também sendo nocivo o uso abusivo de antiácidos contendo alumínio, alguns tratamentos de câncer e excesso de hormônio da tireoide.
 
A Terapia de Reposição Hormonal (TRH) pode ser indicada em alguns casos para a prevenção e também para o tratamento da osteoporose. Porém é muito importante é necessário avaliar o risco de câncer de endométrio e de mama nas pacientes, pois o uso da Terapia de Reposição Hormonal pode promover um aumento do risco de desenvolvimento desses cânceres.
 
Também existem diversos medicamentos disponíveis com o objetivo de gerar uma prevenção contra a osteoporose. Alguns exemplos são o alendronato de sódio, risedronato de sódio, raloxifeno e calcitoninas. No entanto, a escolha do melhor tratamento exige sempre o acompanhamento médico.
 
O uso dos medicamentos que podem levar a um aumento da perda óssea não deve ser interrompido por conta própria, pois isso pode trazer diversos e grandes prejuízos para a saúde.
 
Da mesma forma a utilização de novos medicamentos que busquem solucionar ou impedir o aparecimento e avanço de tal doença deve ser feito somente por médico que trabalhe na área. O profissional de saúde também pode indicar o uso de medidas para diminuir o risco de desenvolver a osteoporose, sendo importante seguir suas prescrições com exatidão.
 
Osteoporose
Uma doença silenciosa, promove a perda de massa óssea sem o aparecimento de sintomas. A partir dos 65 anos é necessário exame rotineiro para detectá-la. Alguns especialistas recomendam que sejam iniciadas as pesquisas da osteoporose a partir dos 50 anos, ou mais precocemente.
 
A detecção da osteoporose é realizada por meio de exame médico e de uma análise chamada densitometria óssea. O raio-X que é útil para a identificação da fratura, não se apresenta de forma eficiente para o diagnóstico precoce da doença.
 
Fonte Corposaun

Mastigar mais para comer menos e emagrecer

A população brasileira está cada vez mais pesada. De acordo com dados da pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde, o percentual de obesos subiu mais de 4% em cinco anos – de 11,4% em 2006 para 15,8 em 2011. E o percentual de pessoas acima do peso passou de 42,7% para 48,5% no mesmo período. “Os números são preocupantes e devem servir como alerta sobre os perigos da má alimentação e do sedentarismo”, observa o ortodontista e ortopedista facial Gerson Köhler.
 
Todo mundo já sabe as principais medidas que devem ser tomadas para manter o corpo saudável. Praticar exercícios físicos, beber dois litros de água por dia, evitar alimentos com excesso de gordura, sal e açúcar e dar prioridade ao consumo de frutas e verduras são alguns dos pilares da boa saúde. “Mas, também é muito importante prestar atenção à maneira como se come as coisas e não apenas ao que está sendo ingerido”, destaca Gerson, distúrbios do sono, emagrecimento e zumbido.
 
A mastigação tem papel fundamental no emagrecimento e na manutenção do peso. Mastigar várias vezes e devagar contribui para que o organismo se sinta saciado com a ingestão de uma quantidade menor de comida. “O ideal é mastigar de 20 a 30 vezes cada bocado, dependendo da textura e resistência do alimento. A correta mastigação é o melhor medidor da quantidade de comida que o corpo deve ingerir. Enquanto a boca mastiga o alimento, o cérebro recebe avisos gradativos sobre a assimilação do que foi ingerido até o momento em que envia o comando de saciedade“, explica.
 
Ao comer muito rápido, mastigando pouco e engolindo o alimento mal triturado, o ponto de saciedade se dará de modo errado. O estômago fica dilatado e com sobrecarga de comida e a quantidade de calorias consumidas é muito maior do que o necessário. “Por isso a mastigação correta influencia o processo de emagrecimento e na manutenção do peso. A reeducação mastigatória tem seu foco no modo como a pessoa come e não no que ela come. A dieta em si é assunto para médicos endocrinologistas, nutrólogos, metabologistas e nutricionistas”, esclarece.
 
O ortodontista destaca que um pedaço de carne exige muito mais mastigação do que um bocado de arroz ou macarrão, por exemplo. O momento ideal para engolir a comida é quando ela está completamente triturada e com saliva. As próprias enzimas da saliva fazem parte do processo de digestão, especialmente em relação aos carboidratos. “Um segredo para não cansar a boca, apesar disso dificilmente acontecer já que ela possui uma alta potência muscular, é mastigar sempre de forma bilateral, isto é, mastigar do lado esquerdo e do lado direito antes de engolir“, ensina.
 
Outra dica é fazer uma pausa entre cada bocado mastigado e engolido. Para facilitar, a pessoa pode colocar o garfo e a faca no prato. Esta atitude simples desacelera o ritmo da mastigação, da refeição e ajuda quem tem dificuldade de comer devagar. “A mastigação rápida e deficiente pode, inclusive, causar diversos problemas digestivos. A correta mastigação é um hábito que pode ser adquirido ou reaprendido e deve ser mantido sempre. Existe um aparelho intrabucal que auxilia no retreinamento da mastigação e faz parte de um tratamento de emagrecimento indicado por especialistas”, evidencia.
 
O aparelho foi criado com o objetivo de reduzir a quantidade de comida ingerida e aumentar a quantidade de mastigações durante a refeição. O dispositivo é feito de resina acrílica e é fabricado de maneira personalizada, de acordo com a anatomia da boca do paciente. “Ele reduz o volume interno da boca, obrigando a pessoa a comer devagar e a mastigar mais antes de engolir o alimento. O aparelho, que não é visível, deve ser colocado 15 minutos antes de cada refeição e ser retirado depois de comer. O aparelho ajuda a emagrecer, mas o paciente deve se esforçar e mudar seu comportamento”, finaliza.
 
Fonte Corposaun

Consumo regular de cerejas reduz risco de crises de gota em 35%

Incidência das crises da doença foi 75% menor quando a ingestão da fruta foi combinada com o uso da droga que reduz úrico ácido
 
Cientistas da Universidade de Boston, nos EUA, descobriram que o consumo de cerejas reduz o risco de crises de gota em 35%.
 
Os resultados sugerem que a incidência das crises da doença reumatológica foi 75% menor quando a ingestão da fruta foi combinada com o uso da droga que reduz úrico ácido, alopurinol.
 
Pesquisas revelam que 8,3 milhões de adultos nos EUA sofrem com a gota, artrite inflamatória desencadeada por uma cristalização de ácido úrico nas articulações que causa dor e inchaço. Embora existam muitas opções de tratamento disponíveis, pacientes com gota continuam a ser afetados por ataques recorrentes.
 
Estudos anteriores mostraram que produtos contendo cereja reduzem o ácido úrico e têm efeitos anti-inflamatórios e, portanto, podem ter o potencial para reduzir a dor da gota. No entanto, nenhum estudo havia avaliado se o consumo de cereja pode diminuir risco de crises de gota.
 
Agora, o pesquisador Yuqing Zhang e seus colegas recrutaram 633 pacientes com gota, que foram acompanhados por um ano. Os participantes foram questionados sobre a data de início da gota, sintomas, medicamentos e fatores de risco, incluindo consumo de extrato de cereja e cereja nos dois dias antes das crises gota.
 
Os participantes tinham idade média de 54 anos. Desses indivíduos com alguma forma de ingestão de cereja, 35% comeram cerejas frescas, 2% de extrato de cereja, e 5% consumiram tanto cereja fresca quanto extrato de cereja. Investigadores documentaram 1.247 ataques de gota durante o período de um ano de acompanhamento.
 
"Nossas descobertas indicam que o consumo de cerejas ou extrato de cereja reduz o risco de crises de gota. O risco de ataques agudos diminui ainda mais com o aumento do consumo de cereja, até três porções ao longo de dois dias", afirma Zhang.
 
Segundo os pesquisadores, o efeito protetor do consumo de cereja persistiu após levado em conta o sexo, a massa corporal (obesidade), a ingestão de álcool, diuréticos e medicamentos antigota.
 
Fonte isaude.net

Tratamento experimental controla hemorragia em pacientes com hemofilia

Injeção única do fator de coagulação de longa duração controla o sangramento em 90,4% de todos os episódios hemorrágicos
 
Pesquisadores da empresa Biogen Idec, na Suécia, desenvolveram um tratamento experimental para pacientes com hemofilia B capaz de controlar a hemorragia.
 
Ensaios clínicos mostraram que uma única injeção do fator de coagulação de longa duração controla o sangramento em 90,4% de todos os episódios hemorrágicos.
 
A hemofilia é uma doença rara e hereditária do sangue que compromete a coagulação sanguínea.
 
A equipe recrutou 123 pacientes do sexo masculino com 12 anos de idade ou mais velhos, divididos em quatro grupos que foram tratados em diferentes intervalos. No geral, 93,5% dos pacientes completaram o estudo.
 
Os resultados mostraram que o tratamento foi geralmente bem tolerado, e apenas um evento adverso sério foi relatado. Os eventos colaterais mais comuns foram nasofaringite, gripe, dor nas articulações, infecção respiratória superior, hipertensão e dor de cabeça.
 
"A pesquisa oferece o potencial para uma proteção mais duradoura contra hemorragias em pacientes com hemofilia B. Atualmente, o tratamento profilático da hemofilia B requer injeções intravenosas até três vezes por semana, o que torna a perspectiva de uma terapia mais duradoura muito emocionante", afirma Glenn Pierce, Vice Presidente Sênior da Biogen.
 
A empresa agora planeja apresentar um pedido de aprovação do medicamento aos governos dos EUA e da Europa no próximo ano.
 
Fonte isaude.net

Tranquilizantes usados para dormir aumentam risco de demência

Pesquisa revela que pessoas que utilizam benzodiazepínicos para dormir são 50% mais propensas a desenvolver a condição
 
Pílulas para dormir aumentam o risco de demência, de acordo com pesquisadores da Universidade de Harvard, nos EUA.
 
Os resultados revelam que pessoas que utilizaram benzodiazepínicos, que incluem temazepam e diazepam, para dormir são 50% mais propensas a desenvolver a condição.
 
Segundo os pesquisadores, o estudo sugere que os efeitos colaterais das drogas podem ser tão prejudiciais que os médicos devem evitar a prescrição.
 
As pílulas para dormir trabalham alterando a maneira como as mensagens são transmitidas para o cérebro, o que induz um efeito calmante. No entanto, os cientistas acreditam que, ao mesmo tempo, eles podem interferir com substâncias químicas no cérebro conhecidas como neurotransmissores, o que pode estar causando demência.
 
"Há um potencial de que essas drogas sejam muito prejudiciais. Se é verdade que elas estão causando demência isso é muito importante. Mas um único estudo não necessariamente mostra tudo o que está acontecendo, por isso ainda não há necessidade de pânico. Estas drogas certamente têm seus benefícios e se receitadas de uma forma ideal, elas vão fornecer um bom tratamento", afirma o líder da pesquisa Tobias Kurth.
 
O estudo envolveu 1.063 homens e mulheres com mais de 65 anos da França por um período de 20 anos. Inicialmente nenhum dos participantes tinha demência e nenhum estava tomando tranquilizantes.
 
Os investigadores seguiram os participantes depois de 15 anos e descobriram que 253 tinham desenvolvido demência. Eles trabalharam com 100 não tomam a droga, 3,2 seria de esperar para receber a doença.
 
Os resultados mostraram que aqueles que tomavam os benzodiazepínicos foram 50% mais propensos a desenvolver a demência.
 
Segundo os pesquisadores, o estudo concluiu que "considerando a extensão em que os medicamentos são prescritos e do número de potenciais efeitos adversos, o uso indiscriminado generalizado deve ser advertido".
 
Fonte isaude.net

Identificados eventos bioquímicos necessários para manter a ereção

Pesquisa realizada com camundongos pode levar a tratamentos mais eficazes para a disfunção erétil em homens
 
Pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, desvendaram os eventos bioquímicos necessários para um homem manter uma ereção. A pesquisa realizada com camundongos pode levar a novas terapias para ajudar homens que sofrem com disfunção erétil.
 
"Sabíamos que a liberação química do óxido nítrico, neurotransmissor que é produzido no tecido nervoso, provoca a ereção, relaxando os músculos que permitem que o sangue preencha o pênis. Isso compreende apenas o estímulo inicial. Em nossa pesquisa, queríamos entender o que acontece a seguir para permitir que a ereção seja mantida", afirma o autor do estudo Arthur Burnett.
 
Trabalhando com camundongos, Burnett e seus colegas encontraram um ciclo de feedback positivo nos nervos penianos que dispara ondas de óxido nítrico para manter o pênis ereto.
 
Segundo eles, isso mostra que os impulsos nervosos que se originam no cérebro e nos estímulos físicos são sustentados por uma cascata de substâncias químicas que são geradas durante a ereção após o lançamento inicial de óxido nítrico.
 
A principal conclusão é que, após o lançamento inicial do óxido nítrico, um processo bioquímico chamado de fosforilação acontece para continuar o seu lançamento e manter a ereção.
 
Como a biologia básica das ereções de roedores é a mesma que em humanos, esta pesquisa pode permitir desenvolver novas abordagens médicas para ajudar os homens com problemas de ereção causados por fatores tais como diabetes, doença vascular ou lesão do nervo a partir de procedimentos cirúrgicos.
 
Essas novas abordagens poderiam ser usado para intervir mais cedo no processo de excitação do que os medicamentos atuais aprovados para tratar a disfunção erétil.
 

Fonte isaude.net

USP busca voluntários com transtorno bipolar e hiperatividade

O Instituto de Psiquiatria, ligado ao Hospital das Clínicas da Faculdade Medicina da USP, procura voluntários, de ambos os sexos, de 18 a 35 anos, que apresentem transtorno afetivo bipolar (TAB) e/ou transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).
 
Esses problemas têm sintomas bastante semelhantes, tais como: falar demais, se distrair facilmente, dificuldade em manter a atenção em determinada coisa, inquietação excessiva e impulsividade. Por isso, muitas vezes o diagnóstico e tratamento corretos são bem difíceis.
 
De acordo com a Agência USP, um grupo de pesquisadores do Instituto de Psiquiatria investiga possíveis exames que ajudem no diagnóstico adequado, bem como oferece tratamento e acompanhamento gratuitos.
 
Os voluntários com TAB podem se inscrever pelo telefone (11) 2661-8132. Para pessoas com TDAH, o telefone é o (11) 2661-6971.
 
Fonte R7

Reajuste de remédios é fixado em 3,61% para 2013

A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos definiu, por meio de resolução publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (28), o fator de produtividade - chamado Fator X - para o ano de 2013, referente ao reajuste anual dos preços de medicamentos.
 
Pela resolução, o Fator X foi fixado em 3,61% para o ano de 2013. Os critérios utilizados para a definição desse índice serão publicados quando da divulgação do IPCA e dos fatores de ajuste intrassetor e entre setores.
 
A resolução atende à Lei 10.742, de 6 de outubro de 2003, que definiu normas de regulação para o setor farmacêutico e criou a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos.
 
Em seu parágrafo 4º, a lei diz que as empresas produtoras de medicamentos deverão observar para o ajuste de preços de medicamentos um modelo de teto de preços calculados com base em um índice (IPCA), em um fator de produtividade (Fator X) e em um fator de ajuste de preços relativos intrassetor e entre setores.
 
Segundo definição da lei, esse fator de produtividade é o mecanismo que permite repassar aos consumidores, por meio dos preços dos medicamentos, projeções de ganhos de produtividade das empresas produtoras de medicamentos.
 
Fonte R7

Carne em excesso engorda

Um estudo do Imperial College London revelou que carne em excesso pode engordar.
 
O estudo europeu analisou mais de 400 mil adultos de países como Dinamarca, Alemanha, Espanha, Suécia e Holanda.
 
A conclusão foi que as dietas de proteína não são a melhor opção para manter a perda de peso a longo prazo. A pesquisa descobriu que os voluntários com a dieta mais rica em carne engordaram mais do que as pessoas que optaram em comer proteína animal apenas algumas vezes na semana ou seguiam uma dieta vegetariana.
 
Outros estudos apontam também que além do ganho de peso, o consumo excessivo de carne está ligado a um aumento de diversos tipos de câncer.
 
Os cientistas ainda não sabem qual é a ligação entre a carne e o ganho de peso, principalmente quando as calorias da dieta permanecem inalteradas.
 
A porção ideal de carne recomendada pelos médicos é um bife do tamanho da palma da mão.
 
Os médicos aconselham o consumo de ovos, queijo, lentinhas e peixes em substituição à carne vermelha.
 
Fonte R7

Cabelo pode revelar estado de saúde



Fios secos e finos podem ser sinal de hipotireoidismo
 
A forma como o cabelo se apresenta no couro cabeludo corresponde como está a saúde interna do nosso organismo.

Nem sempre a queda de cabelo, fios ressecados e sem brilho e escamação no couro cabelo são provocados por uso indevido de tintura ou xampu. É preciso reparar como anda a sua saúde.
 
Compare problemas comuns no cabelo e o que os pode estar ocasionando:
 
Cabelo seco e fino
Excesso de tintura ou o contato dos fios com o cloro da piscina podem deixá-lo com esse aspecto. Mas há também outro fator que pode fragilizá-lo. O hipotireoidismo, que ocorre pela falta de hormônios da tireoide. A doença na glândula pode deixar os cabelos mais finos e provocar sua queda, além de ressecá-los. O tratamento do hipotireoidismo é feito com endocrinologista que irá prescrever hormônios para a tireoide.
 
Excesso de queda de cabelo
É normal que caiam de 100 a 150 fios de cabelo por dia. No entanto, ao reparar que após pentear os cabelos a escova fica cheia de fios ou mesmo durante o banho, é hora de preocupar-se. Estresse, diabetes, febre alta e infecção podem aumentar sua queda. Distúrbios na tireoide também podem causá-la.
 
Cabelos frágeis, que se quebram facilmente e ficam na fronha dos travesseiros
Quando o problema não é causado pelo uso excessivo de tinturas e produtos químicos no cabelo, a causa pode estar numa doença chamada síndrome de Cushing. Trata-se de um distúrbio das glândulas adrenais que causa a produção excessiva do hormônio cortisol.
 
Fonte R7

Jovens com colesterol alto correm risco no futuro

Pessoas por volta dos 18 anos com taxas altas de gordura no sangue podem vir a desenvolver problemas cardiovasculares
 
Não são apenas os adultos na faixa dos 40 anos que devem controlar a taxa de colesterol. Os jovens de 18 também podem começar a se preocupar. Os que estão nesta faixa etária e que têm taxas altas de gordura no sangue podem vir a desenvolver problemas cardiovasculares no futuro. A constatação é de um estudo da Universidade da Califórnia, em São Francisco, nos EUA.
 
De acordo com os pesquisadores, pouco se presta atenção ao colesterol dos jovens porque é difícil existir casos de ataque cardíaco nessa idade. Porém, se a taxa de colesterol é elevada, o jovem corre sério risco de sofrer de problemas no coração quando atinge a fase adulta.
 
O que os especialistas do estudo recomendam é que os jovens na faixa dos 20 anos façam o teste do colesterol a cada cinco anos. Os que têm 200 miligramas de gordura por decilitro no sangue correm o risco de ter problemas de saúde futuros.
 
Segundo os médicos, a combinação dieta e exercício é mais eficaz para baixar o colesterol do que o uso de medicação própria.
 
Fonte R7

Divulgadas as imagens de mulher que tentou raptar de hospital 2 bebês

 
No vídeo, a agente de saúde, retira as crianças em uma bolsa e o momento em que uma das acompanhantes de uma mãe percebe o crime e, em seguida, é presa pela segurança.
 
Fonte R7

Prática de exercícios evita gripes e resfriados

Segundo pesquisa divulgada pelo British Journal of Sports Medicine, atividade física fortalece o sistema imunológico
 
Uma pesquisa divulgada pelo British Journal of Sports Medicine revelou um estudo que conclui ser a atividade física benéfica para fortalecer o sistema imunológico.
 
Segundo o estudo, pessoas que se exercitam com frequência ficam menos gripadas do que aquelas que não se mexem. Para chegar a essa conclusão, os cientistas acompanharam 1 mil adultos, com 40 anos em média.
 
Eles foram analisados durante o outono e o inverno, época em que os resfriados são mais comuns. O que se constatou é que aqueles que fazem exercícios aeróbicos pelo menos cinco vezes por semana contraiam menos gripe e resfriado neste período.
 
Mesmo aqueles que se exercitavam e ficavam doentes, tinham seu sintoma da gripe reduzido por causa da prática da atividade física.
 
Fonte R7

Mãe alerta as grávidas sobre o perigo da síndrome da “bochecha inchada”

Condição, que causa inchaço e vermelhidão no rosto, é extremamente perigosa para o feto
 
Simone Richardson, 25 anos, perdeu a filha, Coco, quando ela tinha apenas dois dias de vida, após contrair a síndrome da “bochecha inchada”.
 
Na gravidez, a mulher, que mora em Rhyl, Inglaterra, pegou essa infecção causada pelo parvovírus B19, de acordo com o Daily Mail.
 
A síndrome recebe este nome porque os doentes sofrem de uma erupção cutânea, causando inchaço e vermelhidão no rosto. Esta condição é comum entre crianças, mas extremamente perigosa para os fetos.
 
O vírus se desenvolveu em 20 semanas de gravidez. Inicialmente, o obstetra de Simone a alertou que ela teria uma gravidez difícil.
 
Ao perceber que o bebê não se movia dentro da barriga, ela foi encaminhada ao hospital.
 
Simone contou que Coco nasceu de parto prematuro e foi levada direto para a unidade de cuidados especiais do hospital:
 
— Quando eu a vi, ela estava bastante inchada. Os médicos precisaram colocá-la em uma incubadora e retirar o líquido retido em seu organismo.
 
Mais tade, os médicos disseram que Coco só tinha apenas 1% de chance de sobrevivência, até porque eram as máquinas que a mantinham viva.
 
— Eu e meu marido ficamos devastados. Nós só queríamos que ela fosse uma menina saudável e feliz. Mas ela estava sofrendo muito e esse momento é a sensação mais terrível de uma mãe sentir. Agora preciso seguir em frente e alertar os pais sobre o vírus.

Fonte R7

Usuários de maconha sofrem abstinência semelhante à de ex-fumantes

Ao deixar de usar a droga, consumidores sentem irritabilidade, alterações no humor e perda do apetite
 
As pessoas que tentam parar de fumas maconha sentem os mesmos sintomas de abstinência quando alguém para de fumar, de acordo com um estudo australiano.
 
Cientistas descobriram que quando os usuários regulares de maconha foram convidados a deixar o hábito por duas semanas, eles sofreram uma variedade de sintomas que afetam sua capacidade no trabalho e na vida pessoal.
 
Entre os sintomas estão a irritabilidade, dificuldades para dormir, alterações no humor e a perda do apetite. Já os mais graves, como a depressão, afetam usuários que são mais dependentes da droga, de acordo com o Daily Mail.
 
O estudo, feito com 49 consumidores em busca de tratamento, mostrou que alguns sintomas que aparecem durante a abstinência podem levar o usuário a uma recaída.
 
De acordo com a revista Plos One, os investigadores explicam que a retirada da maconha altera o funcionamento do corpo que está ligado às atividades diárias normais, levando o usuário a uma recaída.
 
Cientistas descobriram que 1 em cada 10 usuários de maconha passam por experiências desagradáveis, como confusões, alucinações, ansiedade e paranoia. O uso a longo prazo pode causar a perda da motivação e a depressão.
 
Outras pesquisas recentes mostram que a droga pode ser uma das principais causas de doenças psicóticas, como a esquizofrenia em pessoas que são geneticamente vulneráveis à doença.

Fonte R7

Brasil é exemplo na erradicação da raiva animal e humana no mundo, aponta a organização internacional WSPA

O objetivo da campanha, segundo Rosângela Ribeiro, é mostrar para as pessoas que existem métodos humanitários, sustentáveis e mais efetivos de combater a raiva

Rio de Janeiro – O Brasil é considerado, hoje, exemplo no combate eficaz da raiva animal em todo mundo. De acordo com Rosângela Ribeiro, gerente de Programas Veterinários da Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA, na sigla em inglês), com a implantação pelo Ministério da Saúde, em 1973, do Programa Nacional de Prevenção da Raiva, o país tem sido eficaz no combate à doença.
 
Foi por meio desse programa, acrescentou, que o Brasil conseguiu baixar o número de casos de raiva humanos e animais em mais de 90%, desde a década de 80. De acordo com dados do Ministério da Saúde, enquanto em 1990 foram registrados 73 casos de raiva humana no país, no ano passado esse número caiu para apenas dois oficialmente notificados. Outros países da América Latina, entre os quais o México, o Peru e o Chile, também conseguiram obter esse resultado por meio da vacinação em massa gratuita. Em toda a região, os casos de raiva canina caíram de 25 mil, em 1977, para 196, em 2011, informou a WSPA.
 
Ontem (28), Dia Mundial da Raiva, a WSPA lançou pelo segundo ano consecutivo a campanha Coleiras Vermelhas – Na Luta contra a Raiva. O objetivo, segundo Rosângela Ribeiro, é mostrar para as pessoas que existem métodos humanitários, sustentáveis e mais efetivos de combater a raiva. “Infelizmente, existem muitos países, principalmente na Ásia, que matam milhões de cães por ano pensando que, dessa forma, podem erradicar a raiva”, disse à Agência Brasil.
 
De acordo levantamento feito pela entidade, cerca de 20 milhões de cães são sacrificados por ano no mundo, “na tentativa errônea de erradicar a doença, que mata 55 mil pessoas anualmente”.
 
“Essa campanha vai levar informação aos governos de vários países que ainda sacrificam cães para controlar essa zoonose. Nós queremos que esses governos implementem programas de vacinação em massa, gratuitos, de todos os cães, como uma forma humanitária de controlar a doença”, declarou a gerente da WSPA Brasil.
 
A implantação de programas de vacinação, enfatizou Rosângela Ribeiro, é a única forma comprovadamente eficaz de erradicar essa doença. Ela esclareceu que com 70% da vacinação das populações de cães, consegue-se criar uma barreira sanitária de imunização. “E você passa a proteger tanto os animais, como os seres humanos”.
 
A gerente da WSPA Brasil lembrou, entretanto, que a vacinação não é uma ação isolada. Ela deve ser acompanhada de iniciativas de educação em saúde, educação em guarda responsável, vigilância, entre outras. No Brasil, a maioria dos casos de raiva animal e humana é encontrada nas regiões Norte e Nordeste, com destaque para o estado do Maranhão, onde a campanha de vacinação não estava sendo implementada de forma efetiva.
 
Fonte Agência Brasil

Pequenas mudanças nos hábitos de vida podem ajudar seu coração

Doenças cardiovasculares podem – e devem – ser combatidas com prevenção
 
No Brasil, uma pessoa morre com problemas cardíacos a cada dois minutos. Em 2020, mais de 11 milhões de pessoas morrerão de infarto do miocárdio segundo projeções da Organização Mundial de Saúde (OMS).
 
Para evitar que esse número se torne realidade, a recomendação dos médicos é apenas uma: prevenção. “Hoje sabemos que mudanças nos hábitos de vida por um ano, por exemplo, podem modificar o curso da doença e estabilizar a formação de placas no coração, prevenindo o infarto”, afirma o cardiologista Hermes Xavier, membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).
 
De acordo com a psicanalista Madalena Becker de Lima, um dos obstáculos com relação aos cuidados do coração é a falta de percepção desse órgão como passível de falhas. A compreensão do ser humano, nesse caso, é muito mais emocional do que física, funcional ou biológica. “O coração só é percebido como órgão quando tem alguma doença. Isso gera uma resistência inconsciente com relação aos cuidados, já que lembrar que o coração pode parar leva a muita angústia”, explica.
 
Fugindo da estatística
Quem não quer estar entre os milhões de pacientes que sofrerão do coração, pode começar a tratá-lo desde já. A principal iniciativa é combater ou minimizar alguns dos fatores que predispõe a um maior risco como obesidade, sedentarismo, fumo, hipertensão, diabetes e colesterol alto por meio de pequenas mudanças no dia a dia.
 
Exercitar-se pelo menos 30 minutos por dia separa uma pessoa sedentária de uma pessoa ativa. Além de aumentar a capacidade cardiovascular e deixar o coração em forma, exercícios podem ajudar a eliminar os quilinhos extras, minimizando dois problemas em uma única solução.
 
Não há falta de tempo que possa ser utilizada como desculpa nesse caso: os minutos podem ser fracionados, ou seja, você pode andar dez minutos para pegar o ônibus, ou estacionar em uma vaga mais longe do trabalho, almoçar naquele restaurante um pouco mais distante, voltar caminhando e usar mais a escada. Meta cumprida.
 
A próxima mudança deve passar obrigatoriamente pela alimentação. Pequenas alterações no cardápio podem resultar em um grande ganho na saúde. Trocar gorduras saturadas pelas insaturadas pode ser uma ótima opção.
 
“Em vez de utilizar a manteiga no café da manhã é possível optar pela margarina, principalmente as que contêm propriedades funcionais, ricas em ômega 3, por exemplo”, recomenda a nutricionista Roberta Cassani. O consumo diário de gordura, segundo ela, deve ficar entre 30 e 35% considerando uma dieta de 2 mil calorias. Abandonar velhos hábitos alimentares também pode ajudar a controlar o diabetes e a taxa de colesterol.
 
Mais calma
Já que atualmente o estresse é inerente ao cotidiano da maioria da população, o que resta é aprender a conviver com ele minimizando seus efeitos sobre a saúde. Exercitar a paciência e aprender a relaxar são dois itens fundamentais. Outro ponto importante é prestar atenção ao que pode causar traumas ao organismo.
 
“Estresse é a reação do corpo a uma determinada situação. Quando você exagera na comida, por exemplo, comendo uma feijoada, também está estressando o organismo”, ressalta o cardiologista Hermes Xavier.
 
Na opinião do médico, todas as alternativas, mesmo que pareçam pequenas, devem ser observadas a fim de melhorar a qualidade de vida e evitar problemas no coração. “Chega um momento em que a natureza cobra”, avisa. “Mas se a gente se cuidar ao longo dos anos, quem sabe a fatura não será menor?”

Fonte iG

Incor quer rastrear vítimas de doença que causa colesterol alto

Placa de colesterol aderida na parede da artéria coronária
Médicos querem rastrear quem são os 400 mil brasileiros que têm colesterol alto por uma condição hereditária chamada hipercolesterolemia familiar
 
Médicos do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas (Incor) querem rastrear quem são os 400 mil brasileiros que sofrem de hipercolesterolemia familiar. A doença, silenciosa, é resultado de uma mutação genética que causa colesterol alto desde a infância. O resultado: risco até 20 vezes maior de infarto e acidente vascular cerebral (AVC) precoces.
 
Nesta sexta-feira (28), o Incor fez campanha gratuita para detectar o mal na população. Foram distribuídas 500 senhas.
 
A hipercolesterolemia familiar é diagnosticada por exame genético. Com uma gota de sangue, os médicos identificam o colesterol alto. Aqueles com LDL (o colesterol ruim) acima de 210 mg/dl serão encaminhados para o teste de DNA. Os pesquisadores procuram, então, as mutações no gene responsável pela retirada do LDL da corrente sanguínea.
 
Como esse gene não atua corretamente em quem tem a mutação, as placas de gordura se formam nas paredes de vasos e artérias desde a infância – daí, a ocorrência de doenças cardiovasculares precocemente.
 
“É muito dramática essa doença, porque as pessoas ficam assintomáticas por longo tempo e, muitas vezes, o primeiro sintoma é a morte súbita. O diagnóstico genético é importante porque permite descobrir outros casos na família”, diz a cardiologista do Incor Ana Paula Chacra.
 
O administrador Clecio Pavan, de 42 anos, tem colesterol alto desde os 11. Começou a pensar que poderia ser um problema hereditário quando a mãe dele infartou, aos 54 anos, em 1993. Mas só neste ano descobriu a mutação.
 
“Fui o primeiro a ser diagnosticado. Meu colesterol estava em 380.”
 
Vinte pessoas da família foram testadas - oito estão em tratamento no Incor, até as filhas dele, de 13 e 9 anos.
 
“Mudamos o estilo de vida. Minhas filhas treinam handebol; emagreci 10 quilos desde julho”, diz Pavan, que, com a ajuda de medicamento, baixou o colesterol para 150.
 
Segundo Ana Paula, se uma pessoa tem o diagnóstico positivo, toda a família é testada, até crianças a partir de 2 anos - a chance de um parente ter a doença é de 50%.
 
“Fazemos o rastreamento em cascata para saber quem é esse paciente que não sente nada, diagnosticar e tratar.”
 
O tratamento inclui medicamentos, como estatinas.
 
Fonte iG

Internações por infarto crescem 9,7% em menores de 30 anos

Levantamento  mostra que registros passaram de 686 para 753 em 4 anos. Cigarro, obesidade e estresse influenciam aumento e transformam coração em bomba-relógio

A população brasileira com menos de 30 anos tem hábitos que transformam o coração em uma bomba-relógio precoce.

Nesta parcela, 22% fumam, 90% são sedentários, mais da metade está com sobrepeso, só 15% consomem frutas e legumes em quantidade ideal e os jovens do Brasil constituem o segundo maior mercado mundial de crack e cocaína (com 2,2 milhões de usuários).

A união de todos estes fatores de risco – mapeados pelo Ministério da Saúde e por um estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) – fez os registros de internações por infarto aumentarem 9,7% nos últimos quatro anos, passando de 686 casos em 2008 para 753 em 2011.

O levantamento, feito no banco virtual do Ministério com informações de todos os hospitais brasileiros, detectou ainda que entre janeiro e julho deste ano foram acumulados outras 427 internações na faixa-etária entre 15 e 29 anos, uma média de dois atendimentos por dia.

“O crescimento de doenças cardiovasculares em jovens é uma tendência mundial”, afirma o diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sérgio Timerman.

“Nossas análises apontam que nos principais hospitais de atendimento cardíaco do País, o movimento de pessoas jovens nos setores de emergência foi ampliado entre 3% e 12%”, completa o médico.

Fiel da balança
Segundo Timerman, além dos hábitos nocivos ao coração projetarem panes cardíacas mais precoces, o estresse, a competitividade no mercado e a qualidade de vida ruim também alavancaram os infartos em jovens.

“Já está consolidado que a vida estressante é intimamente ligada aos problemas cardíacos, sendo o gatilho de doenças que só apareceriam no futuro, após os 60 ou 70 anos”, complementa o especialista.

Todas estas características fazem com que as doenças cardiovasculares ocupem o topo das causas de morte no Brasil e no mundo, sendo responsáveis por 17,3 milhões de mortes anuais no planeta (dos quais 308 mil brasileiros), conforme dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

“O comportamento do jovem hoje faz com que ele seja o fiel da balança da expectativa de vida do futuro”, afirma o diretor da SBC.

“Há 50 anos, as principais causas de morte no País eram as doenças infectocontagiosas. Atualmente, são os problemas no coração e no cérebro. A tendência é que, no futuro, o câncer alcance o topo do ranking da mortalidade, por causa do envelhecimento populacional. Mas se a população continuar estressada, comendo mal e se exercitando pouco desde cedo como acontece atualmente, as doenças cardíacas não serão evitadas e a sobrevida não será garantida.”

Mudar hábitos desde a infância é a chave para alterar as causas da letalidade e ampliar a sobrevivência dos corações.

Por isso hoje, os médicos do Hospital do Coração (HCor) listam as principais atitudes que protegem o músculo cardíaco.

- Avalie o seu Índice de Massa Corporal (IMC) . Se o resultado for sobrepeso, comece agora uma reeducação alimentar
 
- Inclua na dieta alimentos que protegem o coração .
 
- Faça ao menos 30 minutos de exercícios físicos por dia .
 
- Não fume, não use dorgas e não ingira bebidas alcoólicas em excesso.
 
- Controle a pressão arterial e o colesterol .

Fonte iG