Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


terça-feira, 13 de março de 2012

Ceará registra dois casos graves de gripe suína

O Estado do Ceará confirmou nesta segunda-feira o registro de dois casos de gripe A (H1N1), também conhecida como gripe suína. As pacientes são duas mulheres que estavam grávidas e estão internadas em estado grave na Maternidade Escola Assis Chateaubriand, em Fortaleza (CE).

Um dos bebês não resistiu a uma parada cardiorrespiratória sofrida pela mãe e morreu. O outro nasceu com pouco mais de 2 kg e está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da maternidade.

De acordo com o diretor do hospital, Carlos Augusto Alencar Júnior, o estado de saúde das pacientes é grave. Uma delas apresenta insuficiência respiratória e renal. As mulheres são moradoras de Beberibe e Fortaleza.

Segundo a Secretaria de Saúde do Ceará, estes foram os primeiros casos graves registrados no Estado desde julho de 2010, ano em que foram confirmados 11 casos da doença.

No ano passado, foi registrado um surto da doença em Pedra Branca (261 km de Fortaleza). A pasta afirma que os dois casos deste ano não representam um surto da doença.

Em 2011 não foi confirmado nenhum caso grave de gripe A no Estado, de acordo com o Informe Técnico de Influenza do Ministério da Saúde, de janeiro deste ano.

Fonte Folhaonline

Índia quebra patente de medicamento para câncer

O Escritório de Patentes da Índia quebrou o monopólio da farmacêutica alemã Bayer sobre a produção de osilato de sorafenibe, medicamento usado para tratar câncer de fígado e rim.

A decisão veio após uma disputa com a empresa sobre preços e disponibilidade do remédio no mercado local.

A Índia é grande produtora de genéricos, mas foi a primeira vez que usou o mecanismo de licenciamento compulsório previsto no acordo sobre propriedade intelectual da OMC (Organização Mundial do Comércio), conhecido pela sigla Trips.

O Trips permite aos países-membros da OMC romper direitos de exclusividade sobre a produção e venda de remédios em nome do interesse público.

No caso, a empresa indiana autorizada a produzir o medicamento --vendido pela Bayer sob o nome fantasia Nexavar-- foi a produtora de de genéricos Natco, que pagará royalties de 6% à Bayer.

Na decisão oficial, o licenciamento foi descrito como um "contrato involuntário entre um comprador disposto e um vendedor não disposto". A Índia só passou a conceder patentes a remédios em 2005, quando adaptou sua legislação ao Trips.

Em nota, a Bayer disse que estava avaliando as "opções legais" para lidar com o caso.

Segundo a ONG Médicos sem Fronteiras, a estimativa é que o custo do uso do osilato de sorafenibe por um mês caia de US$ 5.500 para US$ 175. Em 2007, o Brasil emitiu uma licença compulsória para a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) produzir aqui o Efavirenz, remédio usado no tratamento da Aids.

Fonte Folhaonline

Grupo reduz atividade física para estudo relacionado ao diabetes

A maneira como a inatividade física interfere no risco de se contrair doenças é a base de um estudo produzido por pesquisadores da Universidade do Missouri (EUA).

Os cientistas já sabem há algum tempo que os sedentários correm um risco maior de desenvolverem doenças cardíacas e diabetes do tipo 2. Mas o motivo para isso não é totalmente compreendido, em parte porque a análise dos efeitos do comportamento sedentário não é algo fácil de se obter.

Os inativos podem ser obesos, ter uma alimentação pobre ou enfrentar outras questões metabólicas e de estilo de vida que tornam impossível determinar o papel específico da inatividade em problemas de saúde.

Para lidarem com esse problema, os pesquisadores adotaram uma nova abordagem no estudo: persuadiram um grupo de jovens adultos saudáveis e ativos a se tornar mais "sedentário".

Os voluntários tiveram de reduzir pela metade o número de passos diários. A meta era determinar se esse torpor físico afetaria a habilidade do corpo de controlar os níveis de açúcar no sangue.

Isso porque, explica John Thyfault, professor associado de nutrição e fisiologia do exercício na Universidade do Missouri, que conduziu o estudo junto com a pós-graduanda Catherine Mikus e outros cientistas, está cada vez claro que os picos de açúcar no sangue, especialmente após uma refeição, fazem mal.

""Os picos e variações no nível de açúcar após as refeições têm sido ligados ao desenvolvimento de doenças cardíacas e diabetes do tipo 2", explica.

Glicose
Os cientistas colocaram em voluntários equipamentos sofisticados de monitoramento da glicose. Estes, por sua vez, receberam pedômetros e braceletes, além de descreverem diários detalhados sobre a alimentação.

Em um primeiro momento, os voluntários se comportaram normalmente por três dias, caminhando e se exercitando como sempre.

As recomendações da Associação Americana para Doenças Cardíacas indicam que, para efeitos de saúde, as pessoas devem dar dez mil ou mais passos por dia --o equivalente a caminhar cerca de 8 km. Diferentes estudos com adultos dos Estados Unidos demonstraram que a maioria dá menos de 5.000 passos ao dia.

No caso dos voluntários do Missouri, cada um deles fez cerca de 30 minutos de exercícios quase todos os dias e facilmente chegava a mais de dez mil passos nos três primeiros dias do experimento. A média era de quase 13 mil passos. Nesses três dias, de acordo com dados dos equipamentos medidores, a glicose no sangue dos voluntários não atingiu picos depois de uma refeição.

Esta condição positiva, entretanto, mudou durante a segunda fase do experimento, quando os voluntários foram orientados a cortar suas atividades, de modo que as contagens de passos caíssem a menos de 5.000 passos diários nos três dias seguintes. A contagem média de passos mal chegou a 4.300 passos.

Ao mesmo tempo, mantiveram as mesmas refeições e lanches que haviam consumido nos três dias anteriores, de modo que quaisquer mudanças nos níveis de glicose não fossem resultado de uma alimentação mais gordurosa ou doce.

As mudanças ocorreram. Nos três dias de inatividade, os níveis de glicose dos voluntários atingiram picos significativos após as refeições, com um aumento dos picos de cerca de 26%, em comparação com a época em que os voluntários se exercitavam e se moviam mais. Mais do que isso: os picos cresceram um pouco a cada dia.

Esta mudança no controle dos níveis de glicose após as refeições "aconteceu bem antes que pudéssemos ver quaisquer mudanças na forma física ou na adiposidade (acúmulo de gordura)", devido à atividade reduzida, disse Thyfault. Portanto, as variações na glicose pareceriam ser um resultado direto da pouca atividade dos voluntários.

Essa notícia é tanto inquietante quanto encorajadora. Estudos com humanos e animais revelaram que a regulagem da glicose no sangue retorna rapidamente ao normal quando se retoma a atividade física.

Os picos na inatividade são naturais, e até inevitáveis, uma vez que os músculos pouco utilizados precisam de menos combustível e por isso tomam menos açúcar do sangue.

Essa condição torna-se motivo de preocupação séria, diz Thyfault, apenas quando a inatividade é duradoura, e se torna a condição normal do corpo.

"Nossa hipótese é que, ao longo do tempo, a inatividade cria as condições fisiológicas que produzem as doenças crônicas", como o diabetes do tipo 2 e as doenças cardíacas, independentemente do peso ou da dieta. Para evitar tal destino, mexa-se, mesmo que em pequenas doses. "Você não precisa ser um maratonista", diz o pesquisador. "Mas há provas bem claras de que é preciso se movimentar."

O estudo foi publicado no mês passado na revista "Medicine & Science".

Fonte Folhaonline

Bebê enrolado em cobertor pode apresentar problemas no quadril

A técnica adotada por algumas mães, de enrolar fortemente os seus bebês em cobertores, pode provocar problemas no quadril dos infantes.

O alerta é do cirurgião ortopédico Nicholas Clarke, que trabalha no Hospital Geral Southampton (Reino Unido), onde scanners de quadril são realizados semanalmente em mais de cem crianças. Pelo menos um em cada grupo de 20 apresenta, em variados níveis, algum problema relacionado.

Mães que enrolam seus filhos com um cueiro ou um cobertor pode fazer com que ele durma melhor, sinta-se mais seguro ou o proteja contra cólicas. Mas, segundo o cirurgião, a prática está causando o aumento de casos de displasia do quadril.

O médico explica que o corpo da mãe costuma liberar hormônios cuja função é de relaxar os ligamentos do quadril do bebê para que o parto possa ser facilitado.

O cobertor enrolado faz o processo inverso: ele força as pernas do bebê, esticando-as. Isso não é nada bom, alerta Clarke, nos primeiros três ou quatro meses de vida, quando a criança está se recuperando naturalmente e tornando fortes seus ligamentos.

Apesar do tratamento contra a displasia do quadril funcionar em 85% das ocorrências, o médico lembra que os demais terão danos permanente, o que pode levar a um procedimento cirúrgico no futuro.

Fonte Folhaonline

MPE investiga fura-fila na saúde em Sorocaba-SP

Vereadores encaminham pessoas doentes para atendimentos de urgência

O MPE (Ministério Público Estadual) abriu inquérito civil para apurar denúncia de que vereadores de Sorocaba (SP) usam o cargo para furar a fila de atendimento no sistema público de saúde da cidade.

Alguns procedimentos, como cirurgias oftalmológicas ou ortopédicas, chegam a demorar dois anos para serem realizados na Policlínica Municipal ou em hospitais conveniados. Pacientes que procuram os vereadores conseguem antecipar o atendimento.

Pelo menos dez vereadores de vários partidos encaminharam pessoas doentes ao secretário da Saúde, Ademir Watanabe, pedindo "atendimento urgente" ou "antecipado" em relação aos demais pacientes.

O promotor Orlando Bastos Filho, do MPE em Sorocaba, viu na prática indícios de improbidade administrativa e tráfico de influência. Ele vai requisitar os ofícios encaminhados pelos vereadores à Secretaria da Saúde e também deve convocar os vereadores para prestar depoimentos.

A Secretaria informou que o encaminhamento feito pelos vereadores é normal, mas apenas os casos avaliados como urgentes pelos médicos do município ganham preferência no atendimento.

O secretário Watanabe informou ter ampliado em três horas o atendimento diário na Policlínica para reduzir a fila. Também disse que todos os pacientes encaminhados serão submetidos a exame prévio para detectar o grau de urgência no atendimento.

Fonte R7

Técnica combate dor nas costas sem cirurgia

Fisiatria intervencionista oferece tratamento localizado em pontos de dor

Quem sofre com dores na coluna, problema que afeta um em cada três brasileiros, e não obteve sucesso com terapias tradicionais, como remédios e fisioterapia, tem agora uma nova opção.

Praticada nos Estados Unidos desde 2001, a fisiatria intervencionista chega ao Brasil com a vantagem de ser minimamente invasiva, ao contrário das cirurgias convencionais.

Entre 70% e 90% dos pacientes tratados respondem bem à técnica e ficam de seis meses a um ano, em média, livres da dor após o procedimento.

A fisiatria intervencionista é uma modalidade da medicina que trabalha para um diagnóstico certeiro do ponto de origem da dor, oferecendo um tratamento ultra localizado.

No Brasil, a técnica é praticada em um centro especializado em coluna do Hospital do Coração (HCor), o Spine Center. Inaugurada em outubro de 2011, a clínica já tratou 150 pacientes com o procedimento.

O médico fisiatra, além de tratar dores, é responsável por reabilitar pacientes. No caso dos fisiatras intervencionistas, o diferencial é que, por meio de procedimentos guiados por técnicas de imagem, o medicamento é levado exatamente ao ponto problemático. Funciona assim: a partir da avaliação clinica, o especialista cria uma hipótese sobre a causa da dor e a coloca à prova: o médico leva uma agulha até o ponto que supostamente origina a dor e aplica um anestésico.

A precisão da técnica se deve a um exame de fluoroscopia, que é como um raio X em vídeo. O paciente fica acordado e, logo após a aplicação, levanta e faz os movimentos que costumam ser incômodos. Caso haja uma melhora imediata, o ponto de dor é confirmado.

Fonte R7

Veja casos de cirurgias plásticas que deram errado

Em busca do corpo perfeito, homens e mulheres colocam a vida em risco em cirurgias plásticas.

O desejo e a pressa para corrigir imperfeições de um lado e a ganância de muitas clínicas de outro, são a receita certa para que resultados desastrosos sejam comuns.

Conheça as histórias de vítimas dos falsos cirurgiões e veja o resultado das barbeiragens na mesa cirúrgica.

Veja as histórias de quem passou por esse drama no vídeo abaixo.

Assista:


Fonte R7

Homem mais alto do mundo faz tratamento e deixa de crescer

rio gigante Sultan KosenTurco mede 2,51 m por sofrer de doença que ativa hormônio do crescimento

Sultan Kosen, que com uma altura de 2,51 metros é o homem mais alto do mundo, deixou de crescer após se submeter a um tratamento, informou nesta segunda-feira (12) o Centro Médico da Universidade da Virgínia (UVA).

Kosen, cidadão turco e que figura no Guinness Book, o livro dos recordes, como o homem mais alto do mundo, visitou pela primeira vez a universidade em Charlottesville, Virgínia, em maio de 2010 para iniciar o tratamento coordenado pelo endocrinologista Mary Lee Vance.

Kosen sofre de acromegalia, um transtorno causado normalmente por um tumor na glândula pituitária que exacerba a produção do hormônio do crescimento e pode levar ao gigantismo se acontecer antes da puberdade. A condição pode causar uma série de problemas de saúde.

"Seu esqueleto simplesmente não pode sustentá-lo", explicou Vance, que apresentou a Kosen um tratamento com um novo remédio que poderia controlar a produção do hormônio do crescimento.

Já que o tumor na glândula de Kosen tinha se propagado a áreas de seu cérebro nas quais não podia realizar uma cirurgia tradicional, o neurocirurgião da UVA Jason Sheehan efetuou uma radiocirugia com raios gama em agosto de 2010.

Este procedimento não invasivo dirige feixes de radiação concentrada guiados por imagem de ressonância magnética a um ponto específico no corpo do paciente, o tumor no caso de Kosen.

Segundo o relatório da UVA, há três meses os médicos de Kosen na Turquia disseram a Sheehan e Vance que seu paciente havia deixado de crescer.

"O tratamento que proporcionamos na Universidade da Virgínia deteve a produção excessiva do hormônio do crescimento e parou o crescimento do tumor", afirmou Sheehan, que junto com seu colega afirma que o tratamento pode ter salvo a vida do paciente.

"O tratamento para alguém que mede mais de dois metros não é diferente do que é proporcionado a alguém que meça 1m52", comentou Vance.

- O importante é deter a produção excessiva do hormônio do crescimento.

Sheehan acrescentou que se Kosen tivesse continuado a crescer "sua vida estaria em perigo".

Fonte R7

Novo remédio para combate à aids em crianças será testado em humanos

Em vez de três, paciente tomará apenas um comprimido. Medicamento terá sabor agradável e poderá ser dissolvido em água

O Instituto Farmanguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), anunciou que vai iniciar no segundo semestre deste ano testes em humanos de um novo medicamento para o tratamento de aids em crianças.

Em um único comprimido, os pesquisadores conseguiram combinar princípios ativos usados no tratamento da doença – Lamivudina, Zidovudina e Nevirapina – e com doses adequadas para crianças. Em vez de três, o paciente tomará apenas um comprimido. Além disso, o antirretroviral tem sabor agradável e pode ser dissolvido em água, facilitando a ingestão pelas crianças até 13 anos de idade.

Os testes serão feitos em seis diferentes centros clínicos, em Minas Gerais, São Paulo e no Rio de Janeiro, para avaliar o efeito do remédio no organismo. A previsão é que o medicamento esteja disponível no mercado dentro de três anos.

O Sistema Único de Saúde (SUS) dispõe de 16 tipos de antirretrovirais para crianças. No entanto, a maioria das dosagens é para adultos.

De 1980 a 2010, cerca de 14 mil casos de aids em menores de 13 anos foram registrados no Brasil. Aproximadamente 4 mil recebem tratamento. Nessa faixa etária, a transmissão vertical da doença é a mais frequente, de mãe para filho durante a gravidez, parto ou aleitamento.

Fonte iG

Suplemento estimulante para malhar é perigoso, dizem médicos


Suplementos: propaganda de boca a boca ignora os riscos à saúde
Eles prometem músculos rápidos e emagrecimento rápido, mas podem levar a problemas cardíacos e insuficiência renal

Vendidos como uma mistura inofensiva de compostos que prometem energia extra, emagrecimento rápido e músculos maiores, alguns suplementos alimentares podem representar sérios riscos à saúde.

Os mais recentes "milagres" propagandeados pelo boca a boca entre os frequentadores de academias atendem pelos nomes de Jack3d e Oxyelite Pro e similares.

“Esses ditos suplementos são absolutamente inúteis, não têm benefício nenhum. Muitas substâncias contidas são contraindicadas e podem fazer mal à saúde. Não existe nenhum remédio que queime gordura. E os tais energéticos são à base de cafeína, no máximo tiram o sono”, afirma Nabil Ghorayeb, cardiologista e médico do esporte do Hospital do Coração (HCor).

“Muitos estimulantes são primos da anfetamina e podem ter efeitos colaterais perigosos. É como se fosse uma injeção ruim de adrenalina”, explica o médico. Além disso, alerta, um estimulante pode ser o gatilho para um problema grave no coração como uma parada cardíaca.

“Existem vários casos de jovens, abaixo dos 20 anos, que dão entrada em hospitais com problemas no coração pelo uso dessas substâncias”, relata.

Em maio do ano passado, no Recife, Wilson Sampaio Junior, 18 anos, foi encontrado morto no banheiro de casa. Os pais do garoto culpam o suplemento Jack3d, que teria sido comprado por ele de um professor de educação física. A relação entre a morte do garoto e o uso do composto, no entanto, ainda não foi comprovada. Os pais alegam que Wilson era saudável, jogador de futebol, e que a única mudança em seu cotidiano havia sido o aumento na dosagem do suplemento.

Luis Fernando Leite de Barros, fisiologista do esporte do HCor, reforça o alerta: tomar esses compostos é um tiro no escuro.

“Existem pesquisas mostrando que 20% desses suplementos contêm elementos que não estão apontados no rótulo. Pode ser um hormônio, por exemplo. Você toma e não sabe o que está ingerindo”, alerta. Determinadas substâncias podem sobrecarregar o rim e o fígado, levando a complicações graves como insuficiência renal.

Efeitos colaterais
O administrador de empresas Bruno, de 27 anos, está “experimentando” o suplemento indicado por um amigo. Em um mês, diz que se sente mais disposto, que seus músculos cresceram rapidamente, mas reclama dos efeitos colaterais.

“Eu acordo cedo todo dia, saio do trabalho e vou direto para a academia. É cansativo. Percebi que tenho mais disposição para encarar o treino e que tenho tido uma resposta mais imediata do meu corpo, mas estou suando muito e fico um pouco zonzo de vez em quando”, relata.

“É uma ajuda para conquistar o corpo que eu quero. Quando estiver mais definido, eu pretendo parar aos poucos”, afirma.

O amigo que indicou o produto já toma há sete meses, o que dá ao rapaz uma falsa sensação de tranquilidade. “Ele toma faz tempo, não parou porque não quis. E nunca teve nada, só uns tremores e um pouco de enjoo, mas nada que não seja contornável”, acredita.

Para Ana, empresária de 32 anos que aposta no alegado efeito termogênico – que queimaria gordura rapidamente -, os resultados não estão sendo tão satisfatórios. Ela não está conseguindo perder peso de forma rápida, como era o objetivo.

“Pensei que ia secar em 10 ou 15 dias. Mas está levando um pouco mais de tempo. Sinto um formigamento nos pés, mas meu professor já disse que é normal”, conta ela, que pesa 60 kg e tem 1,72cm de altura.

Os dois frequentam academias diferentes em locais distintos de São Paulo, ele na zona sul e ela na zona oeste, e garantem que os suplementos fazem parte do cotidiano da malhação.

“Todo mundo sempre toma alguma coisa. Os ‘virgens’, que não usam nada, são raros”, diz Bruno. Ana faz coro. “As mulheres ficam loucas atrás de novidades para emagrecer. Mesmo se tiver que passar mal um pouquinho, vale a pena para conquistar um corpão”, acredita. Os efeitos colaterais mais comuns são vertigem, desmaios, sudorese, palidez, tontura, náuseas e até pressão alta.

Nenhum dos dois afirmou temer pela própria saúde, nem mesmo ao saber que a venda desses suplementos é proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“É tão fácil de encontrar em sites e lojas de produtos para malhação que nunca imaginei que era proibido. Mas nos Estados Unidos pode, então não deve ter tanto problema”, diz Ana.

O cardiologista Nabil Ghorayeb contesta. “Já devia soar o alerta só de saber que é vendido clandestinamente no País. Aqui, esses produtos são frutos de contrabando. Nos EUA, o controle é diferente, a indicação é diferente. Lá, se algo dá errado, a empresa é responsabilizada, o produto é suspenso, e as pessoas podem ir para a cadeia por isso. Aqui isso não acontece”, expõe.

Outro efeito colateral importante e perigoso é o vício. Embora os especialistas afirmem que o a dependência química, como a que acontece com as drogas, é mais rara, chama a atenção o lado psicológico da questão.

“A pessoa começa a usar e acha que precisa de doses cada vez maiores para obter o efeito desejado, o que aumenta o risco de morte súbita”, exemplifica Mauro Dinato, médico do esporte e especialista em ortopedia.

Alimentação resolve
Os especialistas são unânimes em afirmar também que uma boa alimentação é capaz de fazer as vezes da suplementação, seja em busca de músculos mais definidos, no processo de emagrecimento ou ainda para ter mais energia durante o treino.

“Suplementação só é indicada para atletas de alta performance, esportistas de nível olímpico eventualmente precisam repor vitaminas. No entanto, para quem se exercita na academia, uma consulta com um bom nutricionista traz o mesmo resultado e sem riscos”, propõe Ghorayeb.

Dinoto aconselha a quem quer intensificar o treino ou ter mais disposição a procurar um médico do esporte ou um preparador físico sério.

“Não vá atrás de conversas de amigos, para qualquer alteração no corpo é preciso passar por uma série de avaliações clínicas para ver qual a condição de saúde da pessoa.”

Fonte iG