Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Terçol: saiba o que é e a melhor forma de tratar

O problema é conhecido e existem várias crendices em torno do terçol ou hordeólo, também conhecido como viuvinha ou dordolho. Trata-se de uma inflamação que pode atingir a pálpebra ou o folículo piloso do cílio. A doença não é contagiosa e não oferece riscos a visão.

Segundo o médico oftalmologista Luiz Liarte do Hospital de Olhos de São Paulo, o terçol surge devido a uma inflamação das glândulas que ficam na margem palpebral ou no próprio folículo piloso.

O terçol assemelha-se a uma espinha e, geralmente, drena espontaneamente com compressas mornas. "A compressa ajuda a dilatar as glândulas e a expelir o pus", completa o oftalmologista Liarte. Ele também recomenda a alternância de compressas mornas e geladas para diminuir o inchaço e a vermelhidão do rosto ou da região do olho atingido.

Quando o terçol não drena dentro de uma ou duas semanas é preciso intervenção cirúrgica. "Nesse caso o terçol endurece e se transforma no que chamamos de calázio. Quando isso ocorre é preciso fazer uma pequena cirurgia para remover o conteúdo", explica Liarte.

De acordo com o coordenador do curso de especialização em oftalmologia do Instituto CEMA de Oftalmologia e Otorrinolaringologia, Omar Assae, de São Paulo, um terçol que não é tratado adequadamente pode causar uma celulite, ou seja, em uma infecção no tecido da pálpebra.

O médico também destaca que não se deve furar ou espremer o terçol. "Não se deve colocar a mão. O terçol não é uma espinha. Se fizer isso pode gerar uma infecção que precisa ser tratada com antibióticos", alerta.

Já as conhecidas simpatias para curar "viuvinha", de certa forma tem fundamento, no caso daquelas que propôem calor local, como a de encostar uma aliança quente no terçol. "O calor local ajuda a eliminar o terçol, mas para isso, recomendamos a compressa", diz Assae.

Causas
Segundo os médicos o hordéolo, popularmente conhecido como terçol, pode ser causado por excesso de secreção produzida pelas glândulas da pálpebra e por bactérias existentes na pele.

"Ás vezes o terçol tem relação com a blefarite, que aumenta a oleosidade e forma uma espécie de caspa nos cílios. Para prevenir, recomendo a lavagem com xampu Jonhson infantil e água morna", ensina o oftalmologista Luiz Liarte.

Maquiagem nos olhos, sem a limpeza adequada, também podem ser responsáveis pelo surgimento do terçol.

Tratamento
Os médicos recomendam compressas mornas para drenar o terçol. Segundo o oftalmologista Omar Assae pomadas e colírios também são utilizados.

"Quando há muito inchaço o ideal é procurar um especialista para poder avaliar o quadro", indica Assae.

Incidência
Qualquer pessoa pode ter terçol, em qualquer idade. "O hordéolo atinge desde recém-nascidos a idosos", afirma o oftalmologista Assae.

De acordo com o médio Liarte, o terçol pode aparecer com mais freqüência em adolescentes devido a alterações hormonais.
Fonte saudeterra.com.br

Escabiose

Nomes populares:
Sarna, sarna norueguesa escabiose.

O que é?
Doença de pele contagiosa causada por um ácaro chamado Sarcoptes scabiei.

Como se adquire?
É transmitida pelo contato direto entre pessoas, pelo compartilhamento de roupas, roupas de cama ou por relações sexuais. É comum em ambientes lotados e pouco higiênicos, como cadeias e zonas de baixo meretrício.

Pode ser considerada uma DST, pois boa parte das transmissões ocorre em relações sexuais. A transmissão através de outros contatos físicos não-sexuais (como um aperto de mão ou um abraço) é bem mais rara, embora seja possível. A doença também é bastante transmitida entre mãe e filho lactante.

O ácaro é capaz de perfurar e penetrar a pele em questão de minutos. Isso leva a uma coceira intensa, associada a lesões de pele causadas pela penetração do ácaro e pelas coçaduras.

Às lesões, seguem-se infecções secundárias que podem ser graves, especialmente em pacientes portadores de HIV ou outras doenças imunológicas. As áreas preferenciais de infecção são os punhos, as axilas, o ventre, as nádegas, os seios e os órgãos genitais masculinos.

O que se sente?
Sente-se coceira intensa e aparecem lesões de pele causadas pela penetração do ácaro e pelas coçaduras. As áreas preferenciais são os punhos, as axilas, a barriga, as nádegas, os seios e os órgãos genitais masculinos. Em crianças e idosos, pode acometer em palma e planta dos pés, além do couro cabeludo.

Diagnóstico
Pela visualização das lesões e sua localização.

Como se previne?
Embora os ácaros morram facilmente, as lesões e infecções secundárias podem demorar para ser curadas, o paciente deve tomar cuidado para evitar reinfestações: suas roupas devem ser esterilizadas, e todos os membros de seu círculo social (como parentes, companheiros de cela e parceiros sexuais) devem ser tratados de modo similar - e mais importante, de modo simultâneo. É por conta das reinfestações que há dificuldade em erradicar a sarna de presídios.

Sarna canina
A sarna canina não é transmissível ao ser humano, pois é causada por um outro tipo de ácaro. Quando um ser humano é mordido pelo ácaro da sarna canina, pode até sentir alguma coceira, mas é transitória, ao contrário da sarna humana, que se deixada sem tratamento, só piora

A escabiose ocorre em qualquer lugar do mundo e está diretamente associada a hábitos de higiene. É freqüente em aglomerados populacionais.

A prevenção da transmissão é feita por tratamento adequado, higiene das roupas, afastar a pessoa da escola ou trabalho até um dia após o término do tratamento. No caso de pessoa hospitalizada, é recomendado isolamento por até dois dias após o início do tratamento.

Fonte ABC da Saúde

Gangrena

Descrição :
A redução da chegada do fluído sanguíneo a uma área determinada e a decorrente invasão de bactérias, produz a morte do tecido, conhecida como gangrena cutânea.

Causas :
Ocorre quando uma área é infetada por bactérias, principalmente as anaeróbicas, que se desenvolvem em ambientes sem oxigênio e dentre as quais achamos os clostridium. A infecção pode ocorrer horas ou dias depois de ter ocorrido uma ferida por causa de uma intervenção cirúrgica, ou uma lesão grave (por exemplo, o esmagamento de um membro). Apresentam maiores possibilidades de serem acometidas por esta moléstia aquelas pessoas com má circulação.

Sintomas :
A pele esquenta e inflama devido à infecção, e também apresenta uma cor pálida, depois vermelho ou bronze, até atingir uma cor esverdeada. Vesículas com líquido marrom e odor fétido podem aparecer embaixo da pele. Em certas ocasiões, essas vesícula contém bolhas, que podem ser apalpadas, geradas pela liberação de gases produzidos pelo clostridium. A gangrena pode se desenvolver gravemente em poucas horas e destruir a pele e os músculos e, nos casos extremos, produzir choque, delírio e morte.

Diagnóstico :
O diagnóstico é extremamente claro diante dos sintomas acima. A presença do gás produzido pelo clostridium pode ser detectada por Rx, tomografia computadorizada ou ressonância magnética; esses dois últimos métodos permitem avaliar a quantidade de tecido necrosado. O tipo de bactéria que causa a infecção pode ser determinado pela análise laboratorial (cultura) do líquido extraído da ferida.

Tratamento :
É freqüente a prescrição de um antibiótico de amplo espectro diante da possibilidade de uma gangrena, inclusive antes de receber os resultados dos testes laboratoriais. Desse modo, é possível ganhar tempo e evitar que a doença progrida. Geralmente é retirado o tecido necrosado e nos casos de má circulação é necessário amputar um membro para evitar uma infecção generalizada. Uma terapia com oxigênio a alta pressão detém a invasão de clostridium e é também um recurso contra a gangrena cutânea.. O tratamento da gangrena nem sempre é bem sucedido: 20% das pessoas acometidas por essa moléstia evoluem ao óbito.

Fonte suasaúde.com.br

Ausência do anticorpo antiaquaporina 4 pode ser útil no diagnóstico da esclerose múltipla

O marcador é sensível e específico para detectar a neuromielite óptica, um importante diagnóstico diferencial nesses casos.

Algumas formas de apresentação da esclerose múltipla (EM) podem se assemelhar ao quadro da neuromielite óptica (NMO), também conhecida como doença de Devic, que se caracteriza por lesões desmielinizantes com predomínio em nervos ópticos e extensos segmentos da medula espinhal. Essa enfermidade desmielinizante do SNC apresenta intenso componente inflamatório e necrotizante, que não é usual na EM, e exuberante atividade imunológica humoral, representada por riqueza de autoanticorpos. Ademais, cursa usualmente de maneira mais agressiva, com altas taxas de incapacidade e mortalidade precoces.

De grande importância prática, o tratamento da NMO é bem diverso do preconizado na EM. O uso precoce de imunossupressores consegue mudar a história natural da doença e prevenir a instalação de déficits irreversíveis. Embora o aspecto e a distribuição das lesões ao exame de RM frequentemente permitam a distinção entre EM e NMO, não são raros os casos ambíguos, principalmente nos momentos iniciais da apresentação clínica. Nessas ocasiões, a pesquisa do anticorpo antiaquaporina 4 pode ser de grande valia, visto que esse marcador está presente em cerca de 85% dos pacientes com neuromielite óptica, mas não nos portadores de esclerose múltipla. 
 
Fonte Fleury.com.br

Coagulação, anticoagulação e fibrinólise

A formação do coágulo de fibrina no sítio de lesão endotelial constitui processo crucial para a manutenção da integridade vascular. Os mecanismos operantes nesse processo são dependentes da integridade anatômica e funcional do sistema hemostático, e devem ser finamente regulados de modo a simultaneamente contrapor-se à perda excessiva de sangue e evitar a formação de trombos intravasculares decorrentes de formação excessiva de fibrina.

Os componentes do sistema hemostático incluem as plaquetas, os vasos, as proteínas da coagulação do sangue, os anticoagulantes naturais e o sistema de fibrinólise. O equilíbrio funcional desses diferentes “setores” da hemostasia é garantido por uma variedade de mecanismos envolvendo interações entre proteínas, respostas celulares complexas, e regulação de fluxo sangüíneo. No presente texto, abordaremos os sistemas de coagulação, anticoagulação e fibrinólise.


Coagulação
A formação do coágulo de fibrina envolve complexas interações entre proteases plasmáticas e seus cofatores, que culminam na gênese da enzima trombina (ou fator II ativado), que por proteólise converte o fibrinogênio solúvel em fibrina insolúvel. Nas últimas décadas, progressos expressivos ocorreram, no que concerne à compreensão da fisiologia desse sistema e dos mecanismos que o regulam. Conforme ressaltado abaixo, esses conhecimentos levaram a melhor compreensão da fisiologia da hemostasia e do papel das reações hemostáticas em doenças hemorrágicas e trombóticas.

Em 1964, Macfarlane e Davie & Ratnoff propuseram a hipótese da “cascata” para explicar a fisiologia da coagulação do sangue. Nesse modelo, a coagulação ocorre por meio de ativação proteolítica seqüencial de zimógenos por proteases plasmáticas, resultando na formação de trombina que então converte a molécula de fibrinogênio em fibrina. Esse modelo dividia a coagulação em uma via extrínseca (envolvendo componentes do sangue, mas também elementos que usualmente não estão presentes no espaço intravascular) e uma via intrínseca (iniciada por componentes presentes no intravascular), que convergem no ponto de ativação do fator X (“via final comum”). Na via extrínseca, o fator VII plasmático (na presença do seu cofator, o fator tecidual, também designado tromboplastina) ativa diretamente o fator X. Na via intrínseca, ativação do fator XII ocorre quando o sangue entra em contato com uma superfície contendo cargas elétricas negativas (por exemplo, a parede de um tubo de vidro). Esse processo é denominado “ativação por contato” e requer ainda a presença de outros componentes do plasma: pré-calicreína (uma serino-protease) e cininogênio de alto peso molecular (um cofator não enzimático). O fator XIIa ativa o fator XI, que por sua vez ativa o fator IX. O fator IXa, na presença de fator VIII, ativa o fator X da coagulação, desencadeando a geração de trombina e subseqüente formação de fibrina.

Não obstante haja a tradição de se dividir o sistema de coagulação do sangue em intrínseco e extrínseco, tal separação é atualmente entendida como inadequada para entendimento da fisiologia da coagulação, tendo em vista que a divisão (em intrínseco e extrínseco) não ocorre in vivo. Em adição, alterações conceituais ocorreram desde a descrição do modelo da cascata no que diz respeito à importância relativa das duas vias de ativação da coagulação. Por exemplo, a julgar pela gravidade das manifestações hemorrágicas decorrentes das deficiências dos “fatores intrínsecos” VIII e IX (Hemofilia A e B, respectivamente), postulou-se no passado que a via intrínseca teria maior relevância na fisiologia da coagulação. Contudo, essa idéia não é de todo correta: sabe-se que a deficiência de fator XI é associada a distúrbio hemorrágico leve, e deficiências dos fatores da ativação por contato (fator XII, pré-calicreína, cininogênio de alto peso molecular) não resultam em quadro hemorrágico. Os fatores intrínsecos portanto não têm importância primária na geração de fator IXa durante o processo hemostático normal que sucede a lesão vascular. Por outro lado, a deficiência de fator VII (crucial para a “ativação extrínseca” da coagulação do sangue) é associada a quadro hemorrágico similar à Hemofilia. Em conjunto, esses dados demonstram que a ativação do fator IX não depende exclusivamente da “via intrínseca” e indicam que a coagulação do sangue é iniciada principalmente pela via do fator tecidual (“extrínseca”). Adicionalmente, experimentos conduzidos nas últimas três décadas demonstraram que as vias intrínseca e extrínseca não exibem funcionamento independente, conforme detalhado a seguir.

Atualmente aceita-se que mecanismos hemostáticos fisiologicamente relevantes estejam associados com três complexos enzimáticos procoagulantes, os quais envolvem serino-proteases dependentes de vitamina K (fatores II, VII, IX e X) associadas a cofatores (V e VIII), todos localizados em uma superfície de membrana contendo fosfolipídeo.

Os diferentes componentes enzimáticos da coagulação convertem seus substratos (pro-cofatores) em cofatores, os quais localizam as proteases sobre as superfícies celulares contendo fosfolipídeos (em especial das plaquetas) em que essas reações acontecem. Os elementos biológicos que contribuem para o componente de fosfolipídeos da coagulação incluem tecidos vasculares lesados, células inflamatórias e plaquetas ativadas. Os principais contribuintes (considerando o número de sítios) são as membranas de plaquetas, as quais quando ativadas expressam sítios de ligação para os complexos fator IXa/fator VIIIa (complexo “tenase”) e fator Xa/fator Va (complexo “protrombinase”). Além disso, íons cálcio são necessários em diversos passos das reações da coagulação.

O início do processo de coagulação depende da exposição do sangue a componentes que normalmente não estão presentes no interior dos vasos, em decorrência de lesões estruturais (injúria vascular) ou alterações bioquímicas (por exemplo, liberação de citocinas). Qualquer que seja o evento desencadeante, o início da coagulação do sangue é dependente da expressão do seu componente crítico, o fator tecidual (FT), por células endoteliais e pelo monócito, e sua exposição ao espaço intravascular.

O FT é uma glicoproteína de membrana de 45000 Da que funciona como receptor para o fator VII da coagulação. O FT não é normalmente expresso em células em contato direto com o sangue (tais como células endoteliais e leucócitos), mas apresenta expressão constitutiva em fibroblastos subjacentes ao endotélio vascular. O FT é também encontrado em queratinócitos, células epiteliais do trato respiratório e trato gastro-intestinal, cérebro, células musculares cardíacas e glomérulos renais. Células endoteliais e monócitos, que normalmente não expressam o fator tecidual, podem expressá-lo na vigência de lesão endotelial e na presença de estímulos específicos tais como endotoxinas e citocinas (TNF-a e interleucina-1). Em indivíduos normais, níveis mínimos da forma ativada do fator VII da coagulação (FVIIa) estão presentes em circulação, correspondendo a aproximadamente 1% da concentração plasmática total de fator VII. O FVIIa é capaz de se ligar ao FT expresso em membranas celulares e exposição do FT ao plasma resulta na sua ligação ao FVII e FVIIa, sendo que somente o complexo FT-FVIIa exibe função enzimática ativa; o complexo é também capaz de ativar o FVII em processo denominado “auto-ativação”. O complexo FT-FVIIa tem como substratos principais o fator IX e o fator X, cuja clivagem resulta na formação de FIXa e FXa, respectivamente, com subseqüente formação de trombina e fibrina. Deve ser salientado que quantidades mínimas de trombina são geradas a partir do complexo “protrombinase” extrínseco. Entretanto, uma vez que há gênese inicial de trombina, esta enzima é capaz de ativar o fator V em fator Va, e o fator VIII em fator VIIIa. Essas duas reações envolvendo ativação de pro-cofatores são fundamentais para a geração do complexo “tenase” intrínseco (fator IXa/fatorVIIIa), o qual converte o fator X em fator Xa, e do complexo “protrombinase” (fator Va/fator Xa), que converte a protrombina em trombina. Outro aspecto importante dessas reações é que o complexo fator IXa/fator VIIIa ativa o fator X com eficiência 50 vezes maior que o complexo fator VIIa/FT. O produto principal dessas reações, a trombina (IIa), exibe atividades procoagulantes convertendo o fibrinogênio em fibrina, promovendo ativação plaquetária e ativando o fator XIII da coagulação, que por sua vez estabiliza o coágulo de fibrina.

A análise do conjunto de reações envolvidas na coagulação do sangue, à luz dos conceitos atuais sobre a fisiologia desses processos, mostra que não há distinção clara entre os sistemas intrínseco e extrínseco, que atuam de modo altamente interativo in vivo. Em condições fisiológicas, as reações da coagulação resultam em produção equilibrada de quantidades apropriadas de trombina e do coágulo de fibrina, em resposta adequada e proporcional à injúria vascular existente. De fato,, no estado fisiológico não há formação e deposição de fibrina no intravascular em decorrência das propriedades anticoagulantes do endotélio, à forma inativa das proteínas plasmáticas envolvidas na coagulação (que circulam como zimogênios ou cofatores), e à presença de inibidores fisiológicos da coagulação (vide infra). Por outro lado, a perda do equilíbrio dinâmico das reações da coagulação têm como conseqüência clínica o aparecimento de distúrbios hemorrágicos ou trombóticos.

Finalmente, vale mencionar que, no que se refere ao sistema de coagulação, a utilização dos termos “intrínseco” e “extrínseco” pode ser ainda útil na interpretação de dois exames laboratoriais utilizados na rotina da avaliação da hemostasia: o TP/INR e o TTPA, que são de particular importância no diagnóstico de anormalidades hemostáticas e na monitorização de terapêutica anticoagulante. Na execução desses testes in vitro, criam-se no tubo de reação as condições para ativação preferencial das vias ditas extrínseca (avaliada pelo TP) ou intrínseca (avaliada pelo TTPA). À parte da utilidade mencionada, de caráter puramente didático e de interpretação laboratorial, a divisão do sistema de coagulação em duas vias é inadequada para a compreensão da sua fisiologia. De fato, o conceito de que o fator tecidual é o principal ativador da coagulação do sangue e de que a distinção entre sistemas extrínseco e intrínseco não existe na fisiologia desse sistema representam importantes mudanças conceituais que devem ser assimiladas para entendimento correto dos eventos bioquímicos envolvidos na ativação do sistema hemostático.

Mecanismos reguladores da coagulação sangüínea
As reações bioquímicas da coagulação do sangue devem ser estritamente reguladas de modo a evitar ativação excessiva do sistema, formação inadequada de fibrina e oclusão vascular. Assim, a atividade das proteases operantes na ativação da coagulação é regulada por numerosas proteínas inibitórias que atuam como anticoagulantes naturais. No presente capítulo, discutiremos as que apresentam maior relevância biológica atuando como inibidores fisiológicos da coagulação: o TFPI (“tissue factor pathway inhibitor”), a proteína C (PC) e a proteína S (PS), e a antitrombina (AT).

Conforme mencionado, o complexo fator VIIa/FT atua sobre dois substratos principais: os fatores IX e X da coagulação, ativando-os. Essas reações são reguladas pelo inibidor da via do fator tecidual (TFPI), uma proteína produzida pelas células endoteliais que apresenta três domínios do tipo “Kunitz”. O primeiro domínio liga-se ao complexo fator VIIa/FT inibindo-o, e o segundo domínio liga-se e inibe o fator Xa. Assim, a ativação direta do fator X é regulada negativamente de modo rápido na presença do TFPI, que limita desta forma a produção de fator Xa e fator IXa. A ligação do fator Xa é necessária para que o TFPI exerça seu papel inibitório sobre o complexo fator VIIa/FT.

Outra importante via de anticoagulação do sangue é o sistema da PC ativada (PCa). A PC, quando ligada ao seu receptor no endotélio (EPCR, “endothelial PC receptor”), é ativada após a ligação da trombina ao receptor endotelial trombomodulina (TM). A PCa inibe a coagulação clivando e inativando os fatores Va e VIIIa. Este processo é potencializado pela PS, que atua como um cofator não enzimático nas reações de inativação. A identificação do sistema da PCa implicou importante mudança conceitual no que se refere ao papel da trombina no sistema hemostático: não obstante ela tenha função procoagulante quando gerada em excesso, sua função na fisiologia do sistema, em que é produzida apenas em pequenas quantidades, é de um potente anticoagulante, tendo em vista que sua ligação à TM endotelial representa o evento chave para ativação da via inibitória da PC.

A AT (anteriormente designada AT III) é o inibidor primário da trombina e também exerce efeito inibitório sobre diversas outras enzimas da coagulação, incluindo os fatores IXa, Xa, e XIa. Adicionalmente, a AT acelera a dissociação do complexo fator VIIa/fator tecidual e impede sua reassociação. Desta forma, a AT elimina qualquer atividade enzimática procoagulante excessiva ou indesejável. A molécula de heparan sulfato, uma proteoglicana presente na membrana das células endoteliais, acelera as reações catalisadas pela AT. A atividade inibitória da AT sobre a coagulação é também potentemente acelerada pela heparina, um polissacarídeo linear estruturalmente similar ao heparan sulfato.

As diferentes vias regulatórias citadas anteriormente não operam isoladamente, pois há sinergismo entre o TFPI e a AT e entre o TFPI e o sistema da PC suprimindo a gênese de trombina. Por exemplo, a AT (mas não o TFPI) inibe a ativação do fator VII mediada pelo fator Xa no complexo fator VII/FT. Por outro lado, o TFPI (mas não a AT) inibe o excesso de ativação do fator X pelo complexo fator VII/FT. Adicionalmente, o TFPI em conjunção com o sistema da PCa inibe potentemente a gênese de trombina pelo complexo fator VII/FT.

Em condições fisiológicas (ausência de lesão vascular) há predomínio dos mecanismos anticoagulantes sobre os procoagulantes, mantendo-se desta forma a fluidez do sangue e preservando-se a patência vascular.

Sistema plasminogênio/plasmina (sistema fibrinolítico)
Fibrinólise pode ser definida como a degradação da fibrina mediada pela plasmina. O sistema fibrinolítico ou sistema plasminogênio/plasmina é composto por diversas proteínas (proteases séricas e inibidores) que regulam a geração de plasmina, uma enzima ativa produzida a partir de uma pro-enzima inativa (plasminogênio) que tem por função degradar a fibrina e ativar metaloproteinases de matriz extracelular. À parte do seu papel no sistema hemostático, nos últimos anos foram descobertas numerosas funções do sistema plasminogênio/plasmina em outros processos, incluindo remodelagem da matriz extracelular, crescimento e disseminação tumoral, cicatrização e infecção, mas estes aspectos não serão aqui abordados.

As enzimas do sistema fibrinolítico são todas serino-proteases, ao passo que os inibidores da fibrinólise são membros da superfamília de proteínas designadas serpinas (inibidores de proteases séricas). São conhecidos dois ativadores fisiológicos do plasminogênio: o ativador do plasminogênio do tipo tecidual (t-PA, “tissue-type plasminogen activator”) e o ativador do plasminogênio do tipo uroquinase (u-PA, “urokinase-type plasminogen activator”). Os dois ativadores têm alta especificidade de ligação com seu substrato (plasminogênio) e promovem hidrólise de uma única ponte peptídica (Arg560-Val561) que resulta na formação de uma serino-protease ativa, a plasmina. Embora a plasmina degrade não somente a fibrina mas também o fibrinogênio, fator V e fator VIII, em condições fisiológicas a fibrinólise ocorre como processo que é altamente específico para a fibrina, portanto de ativação localizada e restrita, e não sistêmica, cumprindo desta forma sua função de remover o excesso de fibrina do intravascular de modo equilibrado. Esta especificidade dependente de fibrina é resultado de interações moleculares específicas entre os ativadores do plasminogênio, o plasminogênio, a fibrina, e os inibidores da fibrinólise. Por exemplo, o t-PA exibe baixa afinidade pelo plasminogênio na ausência de fibrina (KM = 65 mM), afinidade que é muito aumentada na presença de fibrina (KM = 0,15-1,5 mM). Isto ocorre porque a fibrina representa uma superfície ideal para ligação do t-PA ao plasminogênio, e nesta reação o plasminogênio liga-se à fibrina via resíduos de aminoácido lisina (“lysine-binding sites”). Em contraste com esses mecanismos fisiológicos, ativação mais extensa do sistema fibrinolítico ocorre quando da infusão de agentes trombolíticos do tipo estreptoquinase e uroquinase, que não são específicos para a presença de fibrina.

A inibição do sistema fibrinolítico ocorre em nível dos ativadores do plasminogênio mediante ação de inibidores específicos (PAIs, “plasminogen activator inhibitors”), cujo principal representante é o PAI-1, e diretamente sobre a plasmina, função inibitória esta exercida pela a2-antiplasmina.

Recentemente, um novo componente do sistema fibrinolítico foi identificado e designado TAFI (“thrombin-activatable fibrinolysis inhibitor”, inibidor da fibrinólise ativado pela trombina, também denominado carboxipeptidase B plasmática, pro-carboxipeptidase U ou pro-carboxipeptidase R). O TAFI é um zimogênio plasmático que ocupa importante papel na hemostasia funcionando como um potente inibidor da fibrinólise. O TAFI é ativado pela trombina, tripsina e plasmina, e na sua forma ativada é capaz de inibir a fibrinólise por remover resíduos de lisina da molécula de fibrina durante o processo de lise do coágulo, suprimindo assim as propriedades de cofator da fibrina parcialmete degradada na ativação do plasminogênio. Curiosamente, a principal via de ativação do TAFI é dependente da ligação do fator IIa (trombina) à trombomodulina (complexo que tem também a função de ativar o sistema da proteína C). Desta forma, a molécula do TAFI representa um ponto de conexão entre os sistema de coagulação e fibrinolítico.

Pouca prevenção: Fraude no setor de saúde é 100 vezes maior que no financeiro

SAS aponta que, apenas nos Estados Unidos, perdas estimadas chegam a US$ 800 bilhões por ano

Quem nunca ouviu alguém dizer que teve problemas com clonagem de cartão de crédito, débito indevido em conta ou mesmo algum fato relacionado às contas de telefone? Embora as fraudes nesses setores pareçam ser mais comuns, os criminosos têm agido fortemente no segmento de saúde, fraudando, principalmente, as companhias seguradoras. O SAS Institute aponta que, nos Estados Unidos, fraudes e abusos na área de saúde são 100 vezes maiores que em serviços financeiros.

Diante de tal situação, a empresa especializada em business analytics chama a atenção para o seguinte fato: as companhias de saúde investem apenas um décimo em prevenção à fraude quando comparado com a indústria financeira. E isso tem gerado, apenas nos EUA, perdas anuais de US$ 800 bilhões. No Brasil, sabemos que existem fraudes também e algumas seguradoras têm investido em diversas frentes para prevenir esse tipo de problema, seja com software ou ferramentas como biometria na identificação dos segurados, este último, sobretudo, para prevenir ações envolvendo falsidade ideológica.

Embora a companhia chame a atenção para o setor de saúde, governo e finanças continuam sendo alvos constantes das ações criminosas e o investimento para combater esses crimes precisa ser constante. Apenas o US Office of Management and Budget relatou ter perdido US$ 125 bilhões em pagamentos indevidos em 2010.

No caso de serviços financeiros, a Chartis Research estima que os criminosos aumentarão os gastos com tecnologia para US$ 4,3 bilhões até 2013, o que amplia a necessidade de bancos e seguradoras de investir no combate à fraude; e a tecnologia tem sido uma grande aliada na detecção, prevenção e gerenciamento de risco de fraude. Apenas o SAS elevou, em 2010, em 147% sua receita com a comercialização de soluções antifraude.

Como lembrou, em comunicado, Chris Swecker, ex-integrante do FBI e CEO da empresa que leva seu nome, a fraude impacta tudo, desde o benefício de um segurado, o gerenciamento de pequenas empresas que estão descobrindo a internet e as transações comerciais na web por conta do roubo de dados de cartões de crédito.

Fonte SaudeWeb

Tecnologia: Carestream lança novo software de aquisição de imagem

Solução, baseado na web, permite agendamento de pacientes, revisão de imagens e relatórios, bem como opções de arquivamento para prontos socorros, centros de diagnóstico e médicos

A Carestream Health anunciou o lançamento da nova versão de um software, baseado na web, para aquisição de imagens e mini-PACS, agendamento de pacientes, revisão de imagens e relatórios, bem como opções flexíveis de arquivamento.

De acordo com a companhia, a nova versão do Image Suite contém ferramentas especializadas e funcionalidades para atender as necessidades de prontos socorros, centros de diagnóstico por imagem, e médicos e especialistas, incluindo : ortopedistas, quiropratas e veterinários.

Os recursos de revisão de imagem da solução incluem: magnificação, anotações, mensurações comuns, formatos de layout e ferramentas adicionais especializadas de medição. “Enquanto a maioria dos sistemas de mini-PACS limitam a manipulação da imagem permitindo apenas ajustes no nível da janela ou imagens pré-processadas, o Image Suite oferece uma abrangente manipulação de dados de imagem brutos”, afirmou a companhia, em comunicado.

O produto permite aos usuários criar, editar e visualizar relatórios anexos para estudos; armazenamento DICOM para ressonância magnética, tomografia computadorizada e exames de ultrassom; software de imagem long-length; e até oito licenças concomitantes para visualização via web e ou registro de pacientes. Ferramentas de medições avançadas para quiropratas e uma aplicação especializada para o mercado veterinário também são suportadas.


Benefícios

• Agendamento de pacientes – pode ser feito remotamente e imagens múltiplas podem ser solicitadas em um único pedido. Os usuários também podem adicionar e editar partes existentes do corpo e aplicar técnicas de processamento customizadas;
• Suporte para monitor duplo para clientes baseados na Web – permite maior eficiência para profissionais, permitindo que visualizem imagens múltiplas de uma vez, incluindo imagens atuais e anteriores ou imagens de outras modalidades;
• Um software opcional de relatórios está disponível para usuários baseados na Web, bem como para clínicos na estação de trabalho principal, que expede leitura secundária ou especializada de exames; e
• Imagens de tomografia computadorizada, ressonância magnetica e ultrassom, além de outros sistemas de CR, podem ser importadas para visualização e armazenamento de imagens. A flexibilidade de integrar outras modalidades de imagem expande a utilidade do Image Suite e permite que ele atenda diversas bases de usuários.

Fonte SaudeWeb

Regulamentação: Atleta de futebol, advogado…só falta o médico

Especialista aponta quais são as mudanças caso a profissão do médico seja regulamentada

Pois é. Advogado e atleta de futebol, por exemplo, têm leis que regulamentam suas profissões. Médico não, o que beira o absurdo.

Pode parecer estranho, mas a medicina, imprescindível à nossa vida, tão antiga como é e com os mais de 300.000 médicos no país, não é uma profissão regulamentada.

Há um Projeto de Lei (PL) de nº 268/2002 em tramitação no Senado Federal, com vistas à regulamentação do exercício da medicina.

E o que é uma profissão regulamentada?
Profissão regulamentada é aquela que tem uma lei de regência disciplinando direitos, deveres e garantias para o seu exercício.

Outro exemplos de profissão regulamentada são: enfermeiro, assistente social, fonoaudiólogo, fisioterapeuta e terapeuta ocupacional.

Há quem faça referência à lei 3.267/58 como a que regulamenta a medicina. O próprio Ministério do Trabalho e do Emprego na sua Classificação Brasileira de Ocupações – CBO, assim o faz.

Mas referida lei tem como escopo dispor sobre os Conselhos de Medicina e, dentre as outras providências, há alguns dispositivos que enfrentam o exercício da medicina, mas de forma incompleta.

Portanto, carece a medicina de uma legislação específica para o seu exercício, abarcando todas as suas implicações e nuances.

Estão especialmente envolvidos nas discussões e aprovação da lei o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Associação Médica Brasileira (AMB) e a Federação Nacional dos Médicos (Fenam), que promoveram recentemente, inclusive, o I Fórum sobre a Regulamentação da Medicina.

No momento, o PL, que será analisado em conjunto com a proposta aprovada pela Câmara (7.703/2006), está na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), depois passará pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS), votada em plenário e, por fim, remetida para sanção presidencial, caso tudo dê certo.

O que muda?
A profissão da medicina não está largada, isso é fato notório. Há várias resoluções do CFM, a própria lei 3.267/58, a lei 6.932/81 (dispõe sobre as atividades do médico residente), além da jurisprudência, que orientam e direcionam o exercício da medicina.

Mas não é o suficiente.
No PL há definição do objeto da atuação do médico, os objetivos das suas ações, as atividades privativas, entre outros. Muda a clareza como tudo é apresentado.

Isso traz mais segurança aos pacientes, valorização para os médicos e o aperfeiçoamento das relações institucionais.

A ideia é que toda a sociedade ganhe com a regulamentação.


A CCJ promoveu audiência pública em 29/09/11, que contou com a presença, dentre outros, dos presidentes do CFM, Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) e Conselho Federal de Farmácia (CFF).

Há resistências não à regulamentação da medicina em si, mas em relação a alguns dispositivos do PL.

O presidente do CFF foi incisivo ao afirmar que: “não vamos permitir que nos seja retirado o direito de exercer a citopatologia ou citologia clínica. Esse exercício profissional, desenvolvido por todos os farmacêuticos brasileiros, vem desde 1931, com o advento do Decreto-Lei nº 20.377, e que reconhece como atividade a atribuição do farmacêutico bioquímico e que hoje se estende também aos biomédicos.”

De fato, no PL o exame citopatológico consta no rol das atividades privativas do médico.

Já o Sindicato Nacional dos Optometristas e o Instituto Brasileiro de Optometria defendem a supressão do inciso que especifica prescrição de órteses e próteses oftalmológicas como atividade também privativa do médico.

O Conselho Federal de Psicologia expõe que o PL veio para trazer discórdia entre os profissionais da saúde e que trata a medicina como profissão acima das outras.

Ou seja, nobre leitor, a impressão que temos é que os nove anos de tramitação deste PL não foram suficientes para encontrar o consenso com outros profissionais da área da saúde que se sentiram aviltados com alguns dos seus dispositivos.

Caso este PL torne-se lei, possivelmente haverá muita discussão nos tribunais. E, certamente, o maior prejudicado é o conjunto de milhões de pacientes pelo Brasil afora, em especial os mais carentes.

A todos os profissionais vale sempre a lembrança do que determina o art. 5º, inc. XIII, da CF: “é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer”.

Fonte SaudeWeb

Senado aprova urgência para regulamentação da Emenda 29

Matéria pode seguir direto para apreciação do Plenário

Um requerimento de urgência para a votação da Regulamentação da Emenda Constitucional 29, assinado por lideranças de todos os partidos, foi aprovado pelo plenário do Senado na noite dessa terça-feira (25). Com isso, o PLS 121/07 não precisa mais, necessariamente, passar pelas Comissões de Constituição, Justiça e Cidadania, Assuntos Econômicos e Assuntos Sociais. A matéria pode seguir direto para apreciação do Plenário, segundo informou a Agência Senado. A regulamentação da Emenda Constitucional 29 define percentuais mínimos a serem investidos anualmente em saúde pela União, estados e municípios.

Segundo afirmou o deputado Darcísio Perondi, presidente da Frente Parlamentar da Saúde, “uma ação forte dos senadores pode significar a votação da regulamentação da Emenda 29 ainda este ano, o que é absolutamente necessário”, disse.

A Frente Parlamentar promove, logo mais, às 15 horas, no plenário da Comissão de Assuntos Sociais do Senado, uma reunião para definir estratégias de ação. O objetivo é restaurar o texto votado há três anos pelo Senado, que obriga a União a investir o equivalente a 10% de suas receitas correntes brutas no setor, o que representaria mais R$ 31 bilhões para a saúde.

Fonte SaudeWeb

Hospital infantil: entenda as dificuldades de gestão

A falta de profissionais especializados e a baixa remuneração dos procedimentos fazem da gestão dos hospitais infantis um desafio cheio de peculiaridades

Custos, processos, acreditações, negociação com operadoras de saúde, gestão do corpo clínico e segurança do paciente. Estes são temas comuns com os quais qualquer gestor de uma instituição de saúde tem de lidar cotidianamente. No entanto, além do comum, cada hospital possui suas peculiaridades, e quando se trata de um hospital infantil, esses detalhes são maiores ainda.

Um estudo realizado pela farmacêutica Pfizer apontou que 88% das mães consideram o pediatra a principal referência quando se trata da saúde dos filhos. Este levantamento mostra a responsabilidade que o profissional e o hospital infantil possuem no tratamento do paciente. “Quando falamos em atendimento, o hospital infantil trata do maior valor que uma pessoa pode ter, que são os filhos. Por esse motivo ele deve ter, além da questão técnica, uma atenção e carinho muito grandes com o paciente, pois os pais notam todos estes detalhes e questionam as equipes assistenciais caso descordem de algo”, aponta o diretor geral do Hospital Infantil Sabará, Celso Ruggiero, que considera essa uma das maiores peculiaridades em um hospital pediátrico.

Outra diferença encontrada nos hospitais infantis e que não são comuns aos hospitais gerais, ou que atendem outras especialidades, é a ambientação e projeto arquitetônico destinado aos “pequenos” pacientes. Um grande exemplo que pode ser dado é o do Florida Hospital for Children, nos Estados Unidos, que conta com o Walt Disney Pavilion. “Nós oferecemos uma experiência única ao paciente com nossos ambientes temáticos e acomodações para suas famílias. Por exemplo, nossos andares são decorados com ambientes de natureza, selva, savana, ou oceano”, explica o administrador assistente do hospital, Tim Burrill, ao falar sobre os ambientes que levam os temas de histórias da Disney como Rei Leão, Pequena Sereia e Mogli.

O Walt Disney Pavilion é um hospital sem fins lucrativos e o primeiro a carregar a marca da empresa no mundo. A instituição conta com cerca de 200 leitos, uma equipe composta por mais de 80 pediatras treinados em cerca de 30 sub-especialidades pediátricas e toda a infraestrutura de imagens diagnóstica e serviços de TI. “Nossa equipe também é treinada e comprometida com os modelos e princípios de atendimento ao cliente e muitos destes comportamentos e padrões aprendemos com a Walt Disney Company”, acrescenta Burril.

No entanto, o ambiente lúdico e o foco em uma especialidade não eximem o hospital infantil de desafios como falta de profissionais e a má remuneração vinda da saúde suplementar e do setor público. Um estudo realizado, em 2010, pela Sociedade Brasileira de Pediatria, constatou que o número de médicos recém-formados que se candidatavam ao título de pediatra caiu 50% nos últimos dez anos. Segundo o levantamento, em 1999, 1583 profissionais se candidataram à pediatria, em 2009 foram apenas 794. “Tanto pediatras quanto área de enfermagem especializada em atendimento infantil são muito difíceis de encontrar, pois durante muito tempo essa categoria foi muito mal remunerada e os profissionais acabaram migrando de especialidade”, completa Ruggiero.

Outro ponto levantado pelo executivo do Sabará foi a utilização de novas tecnologias. “As novas gerações de médicos gostam de ferramentas tecnológicas para auxiliar seu trabalho, e a pediatria ainda adota pouca tecnologia. Hoje, cerca de 5% dos procedimentos cirúrgicos pediátricos são de alta complexidade e necessitam de equipamentos sofisticados, o restante dos atendimentos são clínicos ou cirurgias de pequeno porte”.

Comum aos hospitais privados e filantrópicos, a baixa remuneração pelos procedimentos realizados são considerados pelos gestores, de longe, o maior desafio enfrentado pela especialidade hoje. De acordo com Ruggiero, 98% dos atendimentos do Sabará vêm da saúde suplementar e, por não ter muitos procedimentos complexos, os convênios não remuneram diferenciadamente o tratamento infantil.

“Um hospital pediá-trico que atende praticamente a saúde suplementar acaba competindo com hospitais gerais que também possuem pediatria, mas que não vivem dela. Os valores gerados por esta especialidade são menos representativos que outros da parte adulta que são mais complexos e rentáveis, tanto que os leitos destinados à pediatria pouco crescem e os hospitais gerais têm dado cada vez menos atenção a esta especialidade”.

Para sanar o déficit gerado pelo subfinanciamento gerado pelo SUS e garantir sua sustentabilidade financeira, o GRAAC foi buscar nos Estados Unidos um modelo de captação de recursos adotado pelo St. Jude Children’s Research Hospital, em Menphis, Estados Unidos, onde há uma entidade, a American Lebanese Syrian Associated Charities (ALSAC), que é responsável por toda a captação de recursos para suprir o déficit do hospital.

De acordo com o superintendente financeiro do GRAAC, José Hélio Contador, a receita do SUS cobre apenas 40% dos custos do hospital. Outros 10% vêm da saúde suplementar. Os 50% restantes são provenientes do sistema de captação de recursos que funciona por meio de um serviço de telemarketing e sócios, tanto pessoa física quanto jurídica, que contribuem por meio de boletos bancários, parcerias com governo, emendas parlamentares para compra de medicamentos e equipamentos e eventos.

Por ser uma instituição filantrópica, o Florida Children Hospital também conta com um sistema de captação de recursos junto à comunidade local e a iniciativa privada. Segundo Burril, os hospitais infantis nos EUA são altamente dependentes de doações e também sofrem com a baixa remuneração por parte das fontes pagadoras em relação aos procedimentos pediátricos.

Para o diretor clínico do Hospital Infantil Pequeno Príncipe, Donizetti Giamberardino, o fato de se dedicar a atividade clínica pediátrica já é um desafio. Segundo ele, o hospital, que possui mais de 60% de seu atendimento destinado ao SUS, tem suas atividades mais voltadas para cirurgia infantil do que internação clínica, e das duas mil internações que faz em média, 2/3 são de procedimentos cirúrgicos e apenas 1/3 clínicas. “Esta é uma característica de viabilidade, uma vez que o Pequeno Príncipe está isolado no mercado, não pela intenção do monopólio, mas porque os pequenos hospitais pediátricos foram fechando ou mudando suas atividades ao longo dos últimos 30 anos, deixando os hospitais que ainda atuam nesse segmento sobrecarregados”.

Fonte SaudeWeb

Oportunidade: Incor abre vagas para enfermeiro auditor

Pré - requisitos são: curso Superior em Enfermagem com Inscrição no CoREN - SP e experiência comprovada em auditoria de contas hospitalares
Pré – requisitos
- Curso Superior em Enfermagem com Inscrição no CoREN – SP
- Experiência comprovada em auditoria de contas hospitalares.

Desejável :
– experiência como usuário em sistemas de faturamento e glosas.
– vivência em Centro Cirúrgico ou Terapia Intensiva.
– conhecimento de tabelas de preços (AMB,CBHPM, Ciefas, Simpro, Brasíndice,, etc) e análise de contratos entre hospitais e convênios.
- Conhecimentos de Informática, particularmente WORD e EXCEL.
- Disponibilidade para atuar 40 h semanais.

Para saber mais

Fonte SaudeWeb

Interiorização da Medicina: sistema de bonificação é um retrocesso

Para o presidente da SBCM, a portaria ministerial 2.087 representa a falta de compreensão da importância da Residência Médica, buscando mão de obra de maneira forçada

Faz pouco tempo, a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), por meio da portaria ministerial 2.087, criou um sistema de bonificação para tentar resolver o problema de falta de médicos em áreas remotas. A dinâmica é a seguinte: os recém-formados que participaram desse programa de interiorização terão um bônus de 10 a 20% na prova de ingresso à Residência.

A medida foi tomada à revelia e sem consulta às entidades médicas e às universidades. É inadmissível tratar com tamanho descaso uma iniciativa que pode ter consequências perigosas para a saúde e a vida dos pacientes.

Nunca é demais lembrar que o médico recém-formado precisa ser treinado no dia a dia para bem assistir aos cidadãos. Ao sair da graduação, ainda necessita da incorporação de conhecimento e habilidades, maturidade e aprofundamento de sua capacitação para uma resposta efetiva em termos de atendimento. Enviado para regiões distantes, sem supervisão adequada, sem estrutura ideal e com pouco acesso à informação, pode, a despeito de toda a boa vontade, ser nocivo a si mesmo e aos pacientes.

Quando estive à frente da Comissão Nacional de Residência Médica, de 2004 a 2008, valorizávamos o mérito, a qualidade, a competência. Não dá para ser diferente em se tratando desse tema da mais alta importância.

A política de então visava à democratização, contemplando regiões menos favorecidas com novos programas de Residência Médica e com aumento do número de bolsas. Uma das metas, aliás, era lutar contra as desigualdades entre regiões mais e menos favorecidas.

Criamos, por exemplo, o estágio optativo para residentes em fronteiras de difícil acesso. Isso para aproximar o acadêmico de Medicina da realidade social do país. Era um caminho para torná-lo mais humano, capaz de ver o doente e não apenas a doença.

Foi também naqueles tempos que as Sociedades de Especialidade passaram a ter direito a voz nessa discussão. Começaram a colaborar de maneira intensa na avaliação dos programas de Residência Médica do país, o que representou um verdadeiro marco histórico.

Enfim, tínhamos uma CNRM democrática, aberta à participação de acadêmicos, especialidades e universidades. Tratávamos a Residência Médica como deveria ser tratada sempre: a pérola da coroa da formação médica.

Diante disso tudo, afirmo com todas as letras que a recente portaria 2.087 é um retrocesso para o ensino médico. Representa a falta de compreensão da importância da Residência Médica, olhando distorcidamente para a busca forçada de mão de obra, o que demonstra a fragilidade desse sistema.

Não podemos imaginar que no Brasil devemos formar médicos para “quebrar galho”. Nem achar que a formação em Medicina é coisa de menor importância e, por isso, não é necessário oferecer condição ideal para seu desenrolar.

O Brasil precisa de mais seriedade, especialmente em saúde. Com vidas e bem-estar não se brinca.

*Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

Fonte SaudeWeb

Consolidação: Governo congela fusões no setor de saúde

Primeira delas seria compra da rede de laboratórios Dasa pela MD1, empresa controlada pela Amil. Os dois negócios serão mantidos separados até a análise final do órgão

O governo está preocupado com as sucessivas compras de hospitais, laboratórios e empresas menores por operadoras de plano de saúde, o que tem elevado a concentração no setor.

Chamaram a atenção das autoridades reguladoras principalmente as movimentações envolvendo a Amil. De cerca de 20 operações incluindo planos de saúde nos últimos três anos, ao menos 7 foram feitas pela empresa. Há o temor de que poucas empresas fiquem “grandes demais”, diminuindo a concorrência no setor e deixando consumidores, médicos e hospitais sem opção.

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) vai congelar algumas operações até que elas sejam analisadas definitivamente pelo órgão.

A primeira delas será a compra da rede de laboratórios Dasa pela MD1, empresa controlada pela Amil. Os dois negócios serão mantidos separados até a análise final do órgão.

Em julho, a procuradoria do Cade chegou a pedir que fosse adotada uma medida cautelar obrigando a separação das operações, mas o relator do processo, conselheiro Ricardo Ruiz, preferiu dar mais prazo para que os dois lados chegassem a um consenso.

Negociações semelhantes estão em curso também no caso da compra da Medial pela Amil. Parecer da Seae (Secretaria de Acompanhamento Econômico) pediu que o conselho determine a venda de ativos da Medial em São Paulo para dar o aval ao negócio. Não há prazo para que o acordo seja firmado.

Por conta do aumento de operações nesse mercado, o Cade pediu ajuda à Agência Nacional de Saúde (ANS), que está estudando o mercado para levantar o tamanho do problema.

Segundo o diretor da agência Bruno Sobral, a compra de hospitais e laboratórios por operadoras de plano de saúde pode trazer benefícios ao reduzir custos e integralizar as operações, mas é preciso saber até onde vão esses efeitos.

Fonte SaudeWeb

Sistema suplementar: Conselho Nacional para solucionar problemas de planos é proposto

Para relator é preciso criar um fórum deliberativo para mediar conflitos e pactuar avanços em um setor que corre risco de entrar em colapso a médio e longo prazo

O relator da Subcomissão Especial que Avalia o Sistema de Saúde Complementar, deputado Mandetta (DEM-MS), propôs a criação de um conselho nacional para solucionar problemas imediatos em torno dos planos e seguros privados de saúde. A medida consta do parecer preliminar apresentado nesta quarta-feira.

O texto é acompanhado de um projeto de lei que cria o Conselho Nacional de Saúde Suplementar, de caráter deliberativo e com poder para definir diretrizes e controlar a execução da política no setor.

A proposta altera as Leis 9656/98 e 9961/00, que regulamentam o setor. O novo órgão, de acordo com o projeto, será composto pelo presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ou representante, pelo secretário de Direito Econômico do Ministério da Justiça, e por representantes dos ministérios do Trabalho e da Previdência Social, por 16 representantes dos consumidores (8 titulares e 8 suplentes, contemplando todas as regiões do País), 8 representantes dos trabalhadores em saúde (4 titulares e 4 suplentes) e 8 representantes das operadoras (4 titulares e 4 suplentes).

O texto final será discutido e votado no dia 9 de novembro.

Mediação de conflitos
Mandetta argumenta que a ANS se preocupa apenas com os aspectos financeiros e administrativos das operadoras. Para o relator, é preciso criar um fórum deliberativo para mediar conflitos e pactuar avanços em um setor que corre risco de entrar em colapso a médio e longo prazos. “Há uma falha muito clara na lei que regulamenta os planos de saúde e cria a Agência Nacional de Saúde Suplementar porque ninguém é responsável por dirimir conflitos e não há nenhum espaço de negociação.”

O relator acrescenta que a agência não tem a competência de mediar, por exemplo, as relações entre médicos e planos de saúde. “O consumidor está pagando essa conta porque o médico faz paralisações pontuais. Os médicos estão se organizando em cooperativas e estão saindo do plano de saúde, tornando o setor muito concentrado. A agência não dá conta do volume de reclamações”.

Segundo Mandetta, o conselho nacional poderá, inclusive, definir critérios para que a ANS desempenhe melhor o seu papel de regulação e de intervenção no mercado. O relator afirma ainda que o diálogo articulado no conselho vai funcionar como elemento estabilizador.

O relator lembra que os desafios do setor vão exigir respostas bem mais rápidas do que aquelas oferecidas pela legislação. “Esse setor tem enormes desafios pela frente: o envelhecimento da população, a concentração de tecnologia na mão de grupos, a exploração em escala dos meios de diagnóstico e a rede de saúde brasileira, que não pode ser pensada só nos grandes centros, mas também na cidade do interior”, enfatizou.

Concentração de poder
Na opinião do relator, o sistema de saúde suplementar projeta um cenário de extrema concentração de poder financeiro e barganha por parte das grandes operadoras dos centros urbanos; privilegia os grandes conglomerados da indústria farmacêutica, de órteses e próteses e de exames complementares; além de inviabilizar a existência das pequenas e médias operadoras.

Mandetta reclama que a ANS, desde a sua criação, preocupou-se apenas com os aspectos financeiros e administrativos das operadoras. “Por um lado, contribuiu para a melhoria das condições de funcionamento das grandes operadoras; por outro lado, dificultou a expansão do mercado de planos de saúde, que tem um crescimento muito tímido frente ao potencial do mercado brasileiro”.

Para Mandetta, um conselho terá agilidade, tendo em vista que as leis demoram muito tempo para ser feitas e, quando são prontas, a realidade já é outra. “O projeto Genoma está aí e nós temos a tecnologia avançando rapidamente”, acrescentou.
A subcomissão especial funciona no âmbito da Comissão de Seguridade Social. O relatório preliminar está aberto para sugestões dos demais parlamentares.

Fonte SaudeWeb

Brasil impulsiona faturamento de €374 milhões da Boiron

Empresa registrou crescimento de 1,8% no terceiro trimestre de 2011. Países fora da Europa e da América do Norte – entre eles o Brasil – foram responsáveis por uma evolução de 22,4% do total

A Boiron, laboratório multinacional de medicamentos homeopáticos, registrou um faturamento de 374 milhões de euros, entre janeiro e setembro de 2011, um crescimento de 1,8% referente ao mesmo período do ano passado. Os países fora da Europa e da América do Norte – entre eles o Brasil – foram responsáveis por uma evolução de 22,4% do total. No país, o laboratório está em pleno desenvolvimento e expansão nos pontos de venda, assim como indicação dos medicamentos por médicos e utilização dos pacientes.

A França, onde está localizada a sede do laboratório, responde por 4% do aumento das vendas. Segundo o balanço oficial da empresa, o lançamento do Oscillococcinum 30 doses foi responsável pelo impulso nas vendas no país. Já os países da América do Norte tiveram crescimento de 5,3% e os outros países da Europa – exceto França – registraram 2,8% de queda no faturamento. Os resultados ficaram estáveis na Rússia, mas tiveram queda na Itália, Bélgica, Polônia e Espanha, o que influenciou no valor geral dos países europeus, que também sofreram com crises econômicas.

Para Ricardo Ferreira, diretor da Boiron para o Brasil, no que depender do país, os resultados gerais da Boiron serão positivos. “Temos perspectivas muito boas para os próximos anos, principalmente com o lançamento de novos produtos. Hoje, já temos disponíveis três medicamentos da Boiron no Brasil, o Sédatif PC, o Oscillococcinum e o Stodal, e que tiveram ótima aceitação tanto de médicos, quanto de pacientes”, diz, em comunicado.

Fonte SaudeWeb

Remédios antigos: Malvona

Concurso Prefeitura de Tupirama - TO

A Prefeitura Municipal de Tupirama, Estado do Tocantins, abre concurso público para provimento de 50 vagas para posse imediata e também a formação de cadastro de reserva do quadro de cargos de níveis fundamental, médio e superior. O salário varia de R$ 546, 61 a R$ 7.716,31, por uam jornada de trabalho semanal variada entre 30 e 40 horas.

As oportunidades sãp para os cargos de Tratorista, Motorista (CNH "D"), Auxiliar de Serviços Gerais, Técnico em Enfermagem, Auxiliar de Consultório Dentário, Auxiliar Administrativo, Assistente Administrativo, Agente de Saúde, Agente de Endemias, Agente de Vigilância Sanitária, Professor NS, Procurador Geral do Município, Odontólogo, Médico, Farmacêutico, Enfermeira, Assistente Social e Assistente Jurídico.

As inscrições deverão ser efetuadas exclusivamente via internet, no endereço eletrônico www.tupirama.to.gov.br ou www.naturalsconsultorias.com.br, no período do dia 21 a 31 de outubro de 2011, observado o horário local.

As taxas de inscrições são de:
R$ 40,00 para os cargos de nível fundamental;
R$ 70,00 para os cargos de nível médio;
R$ 100,00 para os cargos de nível superior.

As provas objetivas para os cargos de nível superior, médio e fundamental terão a duração de 4 horas ininterruptas, cujo horário e datas da aplicação das provas serão amplamente divulgados em Edital próprio com antecedência mínima de 10 (dez) dias.

O gabarito preliminar das provas objetivas serão divulgados no endereço eletrônico www.tupirama.to.gov.br, em até 48 horas após o término da aplicação destas.

O prazo de validade do concurso é de 02 anos, contados a partir da data de publicação da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado, uma única vez, por igual período.

Prefeitura de Óbidos (PA) abre concurso público

Aberto o Concurso Nº 01/2011  para o provimento de cargos vagos no Quadro de Pessoal da Prefeitura de Óbidos, Estado do Pará. O certame é destinado ao preenchimento de 654 vagas distribuídas entre os níveis de Alfabetização, Fundamental, Médio, Médio Normal (Magistério), Médio Técnico, Superior Bacharelado e Superior Licenciatura. O maior salário oferecido é de R$ 960,00.

Fica reservado o percentual de 5% do total das vagas de cada cargo para os candidatos portadores de deficiência física ou sensorial, em função compatível com a sua aptidão, conforme Decreto Federal 3.298 de 20/12/99, alterado pelo Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004.

Cargos: As oportunidades são para os cargos de Agente de Serviços Gerais, Coveiro, Carpinteiro, Encanador, Eletricista, Gari, Motorista, Operador, Pintor Pedreiro, Agente de Endemias, Almoxarife, Auxiliar Administrativo, Mecânico de Máquinas Pesadas e Leves, Fiscal de Serviços Urbanos, Fiscal de Meio Ambiente, Técnico em Vigilância Sanitária, Técnico em Radiologia, Técnico em Enfermagem, Técnico em Meio Ambiente, Engenheiros (Florestal, de Pesca, Ambiental, Sanitário, Agrícola, Civil), Médico, Médico Veterinário, Enfermeiro, entre outros.

Inscrições: As inscrições serão realizadas até às 23h59 (hora de Belém) do dia 30 de outubro de 2011, durante 24h no site http://www.portalfic.com.br/.

Taxa: A taxa de inscrição varia entre R$ 35,00, 45,00, 55,00 a R$ 70,00, de acordo com o cargo escolhido.

Provas: As provas terão duração máxima de 4 horas e serão realizadas na data prevista de 27 de novembro de 2011, em horário a ser divulgado quando da publicação das inscrições a partir do dia 10 de novembro de 2011 (hora de Óbidos).

Validade: O prazo de validade do concurso é de 02 anos a contar da publicação da homologação do resultado final, prorrogável, uma vez, por até dois anos.

Concurso Prefeitura de Caapiranga - AM

A Prefeitura de Caapiranga, Estado do Amazonas, publicou edital Nº 001/2011 de concurso público destinado ao provimento de vagas. São ofertadas 390 vagas para cargos de todos os níveis de ensino com salário de até R$ 3.600,00, para carga horária de 20 e 40h semanais.

Cargos
As oportunidades são para os cargos de Gari, Auxiliar de Serviços Gerais, Vigia, Motorista Fluvial, Podador, Operador de Sistema Hidráulico, Fiscal de Obras e Postura, Fiscal de Renda e Arrecadação, Guarda  Municipal, Assistente Administrativo, Auxiliar Administrativo, Recepcionista, Motorista de Transporte de Veículo, Mensageiro, Técnico em Radiologia, Fiscal de Vigilância Sanitário, Técnico em Enfermagem, Técnico em Contabilidade, Técnico em Informática, Monitor Educacional, Professor de 1º - 5º, Professor de 6º - 9º - Matemática, Professor de 6º - 9º - Português, Professor de 6º - 9º - Ciências, Professor de 6º - 9º - História, Professor de 6º - 9º - Geografia, Professor de 6º - 9º - Língua Estrangeira, Pedagogo, Fisioterapeuta, Enfermeiro, Engenheiro Ambiental, Assistência Social, Psicólogo.

Inscrições
Os interessados deverão fazer suas inscrições via Internet pelo site: www.ibeg.org.br, até às 23h59min do dia 20 de novembro de 2011, horário local.

Taxas de Inscrições
As taxas de inscrições variam entre R$ 30,00 a R$ 80,00 de acordo com o cargo escolhido.

Provas
As provas poderão ser realizadas, na data prevista de 18 de dezembro de 2011, em municípios circunvizinhos, caso o número de inscritos ultrapassem a capacidade física do município de Caapiranga/AM.

Os locais com os respectivos endereços de realização das provas serão divulgados no site www.ibeg.org.br, previsto para o dia 08 de dezembro de 2011, sendo de responsabilidade exclusiva do candidato a identificação correta desse local, bem como o comparecimento no horário determinado.

Gabaritos
O gabarito preliminar da Prova Objetiva será divulgado no site www.ibeg.org.br e afixado no quadro  informativo da Prefeitura Municipal de Caapiranga/AM.

Validade
O concurso terá validade de 02 anos, a contar da data da homologação do resultado pelo Chefe do Poder  Executivo Municipal, podendo ser prorrogado por igual período, a critério da Prefeitura Municipal de Caapiranga/AM.

Saiba mais

Concurso da Prefeitura de Campo Grande – MS

A Prefeitura de Campo Grande, Estado do Mato Grosso do Sul, publicou edital de concurso público para o provimento de 263 vagas para cargos de níveis fundamental, médio e superior. Os vencimentos variam de R$ 545,00 a R$ 2.727,00, dependendo do cargo escolhido, sem contar produtividade em determinadas funções. Aos candidatos com deficiência serão destinadas 5% (cinco por cento) das vagas oferecidas para cada cargo. O concurso organizado pela Secretaria Municipal de Administração (Semad) será executado com apoio operacional da Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura (Fapec).
Quem tem o ensino fundamental, são oferecidas 38 vagas que atendem os cargos para eletricista, jardineiro mecânico, operador de máquinas, entre outros.
Para quem possui o ensino médio, o concurso oferece 152 vagas abrangendo os cargos de assistente administrativo II, assistente em biblioteca, monitor de alunos, técnico previdenciário, laboratorista de solos, técnico de fotografia, entre outros.
Já para quem tem o ensino superior, são oferecidos 73 vagas distribuídas entre os cargos de administrador, agente fiscal de obras, analista previdenciário, contador, jornalista, profissional de educação física, tecnólogo em edificações, turismólogo, ecólogo, entre outros.
Para participar, o candidato precisa acessar o site www.fapec.org/concurso, no período de 10 de outubro a 11 de novembro de 2011.
Os valores das taxas de inscrições são de:
R$ 40,00 para os cargos de nível fundamental;
R$ 60,00 para cargos de nível médio;
R$ 100,00 para cargos de nível superior.
Os candidatos serão avaliados através de três etapas: a prova escrita que é eliminatória e classificatória para todos os cargos. Em uma segunda etapa, o candidato aprovado na primeira fase, fará a prova de títulos, classificatória apenas para os cargos de nível superior. A prova prática será destinada aos cargos de encanador, eletricista, jardineiro, mecânico, operador de máquinas, soldador e técnico de fotografia. Já para cargo de Assistente Administrativo II do Central de Atendimento ao Cidadão haverá um curso introdutório de caráter eliminatório e classificatório.
A validade do Concurso Público será de dois anos, contados da data da publicação da sua homologação e, no interesse da Administração Municipal, poderá ser prorrogado por igual período.

Saiba mais

Concurso Prefeitura de Morrinhos (GO)

A Prefeitura de Morrinhos, Estado de Goiás, lançou edital (nº. 001/2011) para realização de concurso público. Das 425 vagas oferecidas no processo seletivo de Morrinhos, 342 são para provimento imediato e 83 são para cadastro reserva em todos os níveis de escolaridade. A remuneração é de até R$ 2.435,80 e a carga horária a ser cumprida gira em tordo de 24 a 44 horas semanais.

São oferecidas 5% das vagas às pessoas portadoras de deficiência.

Cargos

Agente de vigilância, auxiliar obras e serviços, auxiliar serviços gerais, auxiliar serviços póstumos, oficial serviços gerais, auxiliar administrativo, auxiliar serviços de saúde, pedreiro, eletricista, monitor, agente administrativo, agente de trânsito, técnico de enfermagem, técnico em gesso ortopédico, técnico em informática, técnico em laboratório, técnico segurança do trabalho, técnico em radiologia, assistente social, bioquímico, farmacêutico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, gestor público, nutricionista, psicólogo, arquiteto, bibliotecário, contador, educador social, enfermeiro e engenheiro.

Inscrição

As inscrições serão realizadas exclusivamente via internet, no site www.itecgoias.com.br, no período de 17 de outubro a 10 de novembro de 2011. As taxas de participação são de: R$ 35,00 (fundamental), R$ 65,00 (médio) e R$ 100,00 (superior).

Prova

A prova objetiva será aplicada na data provável de 11 de dezembro de 2011, das 14he10mim às 18he10min, em local a ser divulgado provavelmente no dia 28 de novembro de 2011, através do site www.itecgoias.com.br.
O gabarito oficial preliminar da prova objetiva será publicado via internet, no site www.itecgoias.com.br, a partir das 20 horas do mesmo dia de realização da prova.

Validade

O concurso de Morrinhos terá validade de 2 anos, a contar da data da publicação da homologação do  resultado final no Diário Oficial do Estado de Goiás, podendo ser prorrogado uma única vez por igual período.

Saiba mais

Concurso Prefeitura de Goianira - GO

Em Goianira, município pertencente ao Estado do Goiás, foi publicado edital para realização de concurso público (Nº 01/2011). O certame, que está sob a responsabilidade técnica e operacional do  Instituto Cidades - IC, será constituído de Provas destinadas a selecionar 1.315 novos funcionários, que irão reforçar o quantitativo de servidores permanentes da Prefeitura, servindo também para a formação de um banco de reserva de aprovados.

Assim, das 1.315 vagas, 221 serão para nomeação imediata e as 1.094 restantes para formar cadastro de reserva, em cargos de todos os níveis de ensino, com salários de até R$ 1.768,32, mais gratificações paralelas, de 20% a 50% sobre o vencimento básico. A carga horária a ser cumprida varia entre 30, 40 e 44h semanais, de acordo com o cargo.

Cargos: Professor, Agente administrativo, Monitor (CMEI), Fiscal de tributos, Fiscal de posturas, Fiscal avaliador, Fiscal de meio ambiente, Técnico previdenciário, Motorista, Agente de endemias, Agente comunitário de saúde, Auxiliar de serviços gerais, Gari, Operador de patrol, Mecânico de máquinas pesadas,  Borracheiro, Merendeira, Cozinheira (hospitalar), Vigilante, Coveiro e Eletricista de baixa tensão.
Inscrições: As inscrições serão efetuadas pela internet, no site www.institutocidades.org.br, até às 23 horas e 59 minutos do dia 27 de novembro de 2011.

Taxas: As taxas de inscrição variam de R$ 30,00, para cargos de nível fundamental incompleto; R$ 40,00, para nível fundamental completo; R$ 60,00, para nível médio e de R$ 70,00, para nível superior.

Provas: As Provas serão aplicadas na data prevista de 15 de janeiro de 2012 nos turnos da manhã (09:00 h) e tarde (14:00 h), em locais e horários a serem divulgados.

Validade: O prazo de validade do Concurso, que é de 02 anos, prorrogável por igual período, a contar da data de homologação do Concurso.

Saiba mais

Concurso Prefeitura de Itati (RS)

Estão abertas as inscrições do concurso público da Prefeitura de Itati, Estado do Rio Grande do Sul, oferecendo 81 vagas de nível fundamental, médio/técnico e superior. A remuneração é de até R$ 4.229,56, com carga horária entre 22 e 44 horas semanais.

Serão reservadas 10% das vagas às pessoas portadoras de deficiência.

Cargos

Agente Administrativo, Agente Comunitário de Saúde, Agente Administrativo Auxiliar, Agente Epidemiológico, Almoxarife, Assistente Social, Auxiliar de Consultório Dentário, Auxiliar de Ensino, Atendente de Farmácia, Biólogo, Engenheiro Civil, Enfermeiro, Farmacêutico, Guarda Municipal, Instrutor de Informática, Mecânico, Médico, Motorista, Nutricionista, Odontólogo, Operador de Trator Agrícola, Operador de Máquina, Orientador Pedagógico, Supervisor Pedagógico, Operário, Pedreiro, Professor, Psicólogo, Servente, Técnico em Eletricidade, Técnico em Enfermagem, Técnico em Contabilidade, Técnico em Saúde Bucal, Técnico em Instalação de Rede de Água e Esgoto e Visitador de Saúde Pública PIM.

Inscrição

O período de inscrição para o presente concurso público encerra-se no dia 1º de novembro de 2011 e será realizado no site www.energiaessencial.com.
As taxas de inscrições são de:
Nível fundamental: R$ 35,00;
Nível médio/técnico: R$ 50,00;
Nível superior: R$ 80,00.

Prova

A prova objetiva está prevista para ser aplicada no dia 20 de novembro de 2011, às 14h00min, os locais serão divulgados no edital que tratará sobre homologação final das inscrições e da convocação para as provas, a partir do dia 11 de novembro de 2011, no mural de publicações no saguão da Prefeitura de Itati/RS e pelo endereço eletrônico http://www.energiaessencial.com/.

O gabarito será divulgado provavelmente no dia 21 de novembro de 2011.

O candidato terá o período de 3 dias úteis após a publicação do edital que divulgará o gabarito final após os recursos da prova objetiva, para enviar todos os títulos, sendo todas as cópias obrigatoriamente autenticadas, assim como também deverá ocorrer em caráter obrigatório o relatório de discriminação de títulos perfeitamente preenchido de forma legível e sem rasuras, enviá-los à empresa Carlos e Jabur Organização de Eventos Ltda. por sedex, endereçado à empresa Carlos e Jabur Organização de Eventos Ltda., na Rua General Andrade Neves nº 100/1304 - Centro - Porto Alegre - CEP 90010-210.

A prova prática para os candidatos aprovados nas provas objetivas ocorrerá na data provável de 04 de dezembro de 2011.

Validade

A validade do concurso público será de 2 anos a partir da data da publicação da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado pelo mesmo período pelo poder público municipal.

Saiba mais

Concurso Prefeitura de Laguna (SC)

A Prefeitura de Laguna, Estado de Santa Catarina, lançou 05 (cinco) editais de concursos públicos Nº 01/2011, Nº 02/2011, Nº 03/2011, Nº 04/2011 e Nº 05/2011, para preenchimento de vagas. As vagas oferecidas são para cargos de nível fundamental, médio e superior, com salários de até R$ 5.697,26, para carga horária variada entre 10 a 40h semanais. Os concursos serão realizados pela empresa Fundação de Apoio à Educação, Pesquisa e Extensão da Unisul – FAEPESUL.

Estão sendo disponibilizadas 231 vagas; sendo 04 vagas para Fundação Lagunense do Meio Ambiente, 184 vagas para Administração Direta Municipal, 32 vagas para a Secretaria de Educação e 11 para Guarda Municipal ligada a Administração Direta Municipal.

Cargos: Serão 42 cargos, entre eles estão: serviços gerais, técnico em enfermagem, enfermeiro, odontólogo, arquiteto, médico, engenheiro, naturólogo, psicólogo, psicopedagogo, professor, fiscal sanitário, fiscal de tributos, fiscal ambiental, engenheiro químico, assistente social, jornalista, assistente administrativo, fisioterapeuta, Guarda Municipal, advogado, contador, entre outros.

Inscrições: As inscrições deverão ser realizadas, exclusivamente, via Internet no endereço eletrônico www.faepesul.org.br/concursos, até o dia 28 de outubro de 2011. Os candidatos que não possuem acesso à internet poderão dirigir-se ao Posto de Atendimento na Avenida Eng. Colombo Machado Salles, 145, Centro, 88790-000, Laguna, Santa Catarina, de Segunda à Sexta Feira das 13:30 às 17:00.

Taxa: A taxa de inscrição varia entre R$ 40,00 para cargos de nível fundamental, R$ 60,00 para nível médio e R$ 80,00 para nível superior.

Provas e gabaritos: A aplicação da avaliação escrita objetiva, será realizada na cidade de Laguna, nas datas prevista de 13 e 20 de novembro de 2011, em locais e horários a serem divulgados. A divulgação do gabarito e Caderno de Avaliações, estão previstas para os dias 14 e 21 de novembro de 2011, no site www.faepesul.org.br/concursos.

Validade: Os concurso públicos terão validade de 24 meses, a contar da data do ato de homologação do Resultado Final, podendo ser prorrogado por igual período, a critério do Município de Laguna/SC.

Editais