Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Maconha: influência na sexualidade

Produto polêmico e de consumo popular, a maconha é a droga ilícita mais usada no mundo, inclusive por pessoas sexualmente ativas, que não estão cientes dos efeitos não só na saúde como no desempenho sexual.

Fato é que qualquer droga, sintética ou natural, influencia no funcionamento do organismo de quem as ingere, assim precisamos compreender os efeitos a longo prazo da utilização da maconha.

Entre acusadores e defensores, os usuários da erva relatam que ela é capaz de aliviar a tensão, deixando o corpo mais relaxado, efeito das drogas depressoras do sistema nervoso central. Há quem pense que a maconha é capaz de estimular a atividade e energia sexual, por conta da sensação relatada por alguns usuários de embotamento, ou seja, a instrospeção que permitiria um contato com as próprias sensações de forma mais apurada. Mas, a erva não é afrodisíaca. Ela pode provocar a letargia e a diminuição de atividade em alguns receptores do cérebro, ocassionando, dessa forma, a diminuição da percepção. Com os reflexos prejudicados, assim como a percecpção de espaço e tempo, muito se perde da qualidade da relação sexual.

A maconha também afeta certos receptores presentes no pênis, tendo assim um efeito inibitório sobre a musculatura lisa tornando mais difícil não só alcançar como manter a ereção. E os estudos sobre saúde sexual e maconha, que começaram desde a década de 70, revelam que os homens usuários podem, futuramente, apresentar um quadro de difunção sexual.

Há muitas críticas que cercam tais estudos pois, é preciso lembrar, que o próprio efeito da droga é capaz de distorcer a percepção , ficando assim comprometida as pesquisas baseadas, por exemplo, em questionários. É preciso que resultados de pesquisas científicas sejam divulgados para que campanhas de conscientização possam ser feitas, mudando o atual entendimento da dimensão do impacto do uso da maconha sobre a saúde sexual.

Além dos fatores já apresentados, pelo efeito acumulativo da droga, as pessoas que fazem uso de tal droga acabam por sofrer uma diminuição da produção da testosterona e de espermatozóides, além da qualidade destes. Seu uso prolongado pode causar a azoospernia, ou seja, esterilidade. Nas mulheres, os ovários são prejudicados assim como são atingido, nos homens, os testículos, alterando o metabolismo do ADN nas células dos embriões, causando, assim, prejuízos genéticos. O cérebro também sofre alterações como a destruição progressiva dos centros de memória, atenção, raciocínio e cognitividade.

Fonte Abc da saúde

Infecção do trato urinário feminino

Sinônimo
Cistite

O que é?
É a inflamação superficial da mucosa da bexiga (mucosa vesical). É uma infecção muito freqüente nas mulheres. Estima-se que 25 a 30 % das mulheres adultas terão pelo menos um episódio de infecção urinária durante a sua vida.

Como se desenvolve?
A contaminação do trato urinário em mulheres se dá por via ascendente a partir de germes que colonizam o intróito vaginal. As bactérias entram pela uretra e se localizam na bexiga. Elas podem permanecer e crescer na bexiga ou atingir outras partes do trato urinário como os ureteres e os rins, causando uma infecção do trato urinário superior.

O que se sente?
Os principais sintomas incluem:
 
Disúria: sensação de ardência, dificuldade ou dor ao urinar.
Polaciúria: micções freqüentes, mesmo com pequeno volume de urina na bexiga.
Urgência miccional: sensação exagerada de vontade de urinar.
Desconforto suprapúbico.
Sensação de esvaziamento incompleto da bexiga.
Hematúria: presença de sangue na urina.

Como se faz o diagnóstico?
O diagnóstico baseia-se fundamentalmente no quadro clínico, mas deve ser realizada coleta da urina para cultura, antes de iniciar o tratamento, com o objetivo de confirmar o diagnóstico e prescrever o antibiótico adequado. Devem ser excluídas as vaginites, as doenças sexualmente transmissíveis e os divertículos na uretra, que podem simular uma cistite.

Como se trata?
Apesar da maioria das infecções urinárias baixas serem autolimitadas, o tratamento medicamentoso elimina rapidamente o germe causador e os sintomas. O uso da medicação em tratamentos breves de três dias geralmente é eficaz. Naquelas mulheres com infecção urinária de repetição ou infecção urinária pós-coito, deve ser instituída a profilaxia, usando baixas doses de antimicrobianos com boa concentração urinária.

Como se previne?
Para prevenção recomenda-se a ingestão regular de líquidos e as micções periódicas e completas, principalmente após a relação sexual e nas mulheres que usam diafragma como método anticoncepcional. Realizar a higiene local sempre do sentido anterior para o posterior, e caso for necessário o uso de um lubrificante durante o ato sexual, que este seja à base de água.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico:
Estou com infecção urinária e meu médico disse que existem algumas medidas gerais que eu deveria seguir para prevenir futuras infecções. Quais são elas?

Fonte Abc da saúde

Anticoncepção de emergência

Conhecido como pílula do dia seguinte, este método se baseia em usar altas doses de hormônio para evitar uma gestação indesejada após uma relação sexual desprotegida (sem uso de método contraceptivo), quando houver falha potencial do método anticoncepcional (ruptura da camisinha, deslocamento do diafragma, falha da tabelinha, esquecimento da pílula por 2 ou mais dias seguidos) ou em caso de violência e abuso sexual (estupro).

Acredita-se que possa haver interferência com a ovulação, com a motilidade tubária e também um efeito adverso no endométrio, tornando-o inadequado para a implantação (fixação do embrião no útero).

Este método se baseia em dar altas doses de hormônio. Acredita-se que possa haver interferência com a ovulação, motilidade tubária e também um efeito adverso no endométrio, tornando-o inadequado para a implantação (fixação do embrião).

Está indicado quando da ocorrência de relação sexual desprotegida (sem o uso de método anticoncepcional, com ruptura de condom ou deslocamento de diafragma), ou em casos de violência e abuso sexual.

É um método para uso esporádico - como o nome do método indica: de emergência., e não deve substituir os métodos anticoncepcionais de uso regular, que tem maior eficácia e menos efeitos colaterais.

O esquema tradicional foi descrito por YUZPE (método de YUZPE) e consiste na ingestão de 100 mg de etinilestradiol mais 500mg de levonorgestrel em duas tomadas com intervalo de 12 horas.

Deverá ser tomada no máximo até 72h após a relação sexual desprotegida, sempre iniciado até no máximo 72 horas após a relação sexual desprotegida, pois sua eficácia é maior quanto mais precocemente for tomada.

Recentemente está disponível no mercado, com eficácia similar, o uso de levonorgestrel 0,75 mg em duas tomadas a cada 12 horas e o levonorgestrel 1,5 mg para ser usado em dose única. Também deverá ser sempre iniciado até no máximo 72 horas após a relação desprotegida.

A eficácia dessa anticoncepção de emergência varia de 75 a 85%. Quanto mais precoce o uso, maior a eficácia.

Esse método tem como efeitos adversos comuns, náuseas, vômitos e cefaléia, devendo ser tomada nova dose se ocorrerem vômitos. Também pode ocorrer irregularidade na próxima menstruação.

O maior conhecimento desse método é importante.

Seu médico poderá orientá-la adequadamente quanto a esse e a outros métodos contraceptivos.
Perguntas que você pode fazer ao seu médico:
  • O que é anticoncepção de emergência?
  • Quando posso usar a contracepção de emergência?
  • Se eu ficar grávida após o uso da pílula do dia seguinte, minha gravidez será normal?
  • Posso usar a contracepção de emergência regularmente?
  • O que vai ocorrer com minha próxima menstruação após o uso da pílula do dia seguinte?

Quem só enxerga o lado bom das coisas tende a se expor mais a riscos

O otimismo, considerado uma nobre qualidade do ser humano, pode ser um mecanismo que leva a pessoa a não se proteger de situações ruins.

A conclusão é de um estudo da University College de Londres. De acordo com uma pesquisa feita na instituição, aqueles que só enxergam o lado bom das coisas são mais propensos a correrem riscos. E essa visão “cor-de-rosa” do mundo está diretamente relacionada à atividade cerebral.

Para chegar aos resultados, a equipe coordenada por Tali Sharot e Christoph Korn avaliou o comportamento de 19 voluntários que, depois de passarem por testes de personalidade, foram classificados como otimistas ao extremo. Com base no estilo de vida dessas pessoas, os pesquisadores também calcularam a probabilidade de elas passarem por situações desagradáveis, como sofrer um assalto, adquirir uma doença ou perder o emprego. Uma pessoa que costumava beber e dirigir com frequência, por exemplo, era apontada como alguém mais suscetível a se envolver em um acidente de trânsito.

Tendo seus cérebros monitorados pela técnica de ressonância magnética funcional, os participantes foram, então, expostos a imagens que mostravam esses episódios ruins ocorrendo com outras pessoas e recebiam as informações calculadas pelos cientistas. Depois, foram convidados a avaliar a possibilidade de os infortúnios ocorrerem com eles, recebendo, após alguns minutos, a chance de rever essa avaliação. Os pesquisadores ficaram surpresos ao notar que, quando a probabilidade calculada para a ocorrência de infortúnios era grande, os otimistas simplesmente ignoravam os dados, afirmando que eles tinham poucas chances de sofrerem com aqueles eventos.

A análise cerebral mostrou que, quando os pacientes eram informados de que a possibilidade de algo ruim acontecer com eles era muito maior do que acreditavam, a atividade no lobo frontal (área associada ao controle emocional) era bem mais baixa. Ou seja, o cérebro dos voluntários extremamente otimistas simplesmente não reagia ao alerta de perigo. “Os otimistas sabem que esses eventos ocorrem com outras pessoas, embora acreditem que nunca passarão por essas situações”, diz ao Correio Christoph Korn. “Nosso estudo sugere que selecionamos e escolhemos a informação que ouvimos. Quanto mais otimista, menos propensos nos sentimos a sermos influenciados por informações negativas sobre o futuro”, diz Tali Sharot em entrevista à agência France-Presse.

Saúde
Tali alerta que o excesso de otimismo pode trazer danos muitas vezes imperceptíveis. “Ver o copo sempre meio cheio, e não meio vazio, pode ser positivo por diminuir o estresse e a ansiedade. No entanto, também pode significar que estamos menos propensos a tomar ações preventivas, tais como praticar sexo seguro ou economizar para a aposentadoria”, explica.

No caso de Sibelle Franca, 35 anos, o excesso de otimismo colocou sua saúde em risco. Em dezembro de 2006, quando estava grávida de três meses, ela começou a sentir dores na região abdominal e teve um pequeno sangramento. Otimista assumida, a gerente de relacionamento achou que o incômodo era algo normal da gravidez e demorou para procurar ajuda médica. “Nunca penso no pior”, assume. A má notícia, no entanto, foi inevitável. Na consulta médica, foi informada de que havia perdido o bebê.

Passados alguns dias, as dores voltaram ainda mais fortes, mas o otimismo falou mais alto novamente. Ela adiou o atendimento médico mais uma vez por achar que as dores eram gases. Ela só foi levada ao hospital quando desmaiou de tanta dor. Lá, descobriu que, na verdade, tinha tido uma gravidez tubária (em que o embrião se desenvolve fora do útero) e precisaria passar por uma cirurgia. “E eu ainda esperava que eles me dissessem que eu estava grávida. Toda essa história é fruto do meu otimismo, sim. Mas acho também que fui muito ingênua, porque não pensei que pudesse ser algo pior”, avalia. Atualmente, Sibelle está bem e garante que aprendeu a dosar seu otimismo.

Para a psicóloga Ivalda Morais, o excesso de otimismo pode, muitas vezes, representar a dificuldade da pessoa em lidar com limites e responsabilidades. Na opinião da especialista, é saudável que a pessoa tenha ambição e esforço, mas o excesso de confiança é ruim. “Um exemplo são aquelas pessoas que se acham tão inteligentes que não acham necessário estudar para passar no vestibular. Contudo, se são reprovadas, não encontram explicação.”

O empresário Luiz Cerbino Neto, 35 anos, vê no otimismo um antídoto contra as situações ruins. Para ele, as desventuras não passam de caminhos ruins pelos quais as pessoas precisam passar até terem novas oportunidades. Ele usa sua história como exemplo. “Vim para Brasília com 14 anos para trabalhar de garçom. Hoje tenho minha empresa, meus filhos e sou realizado. O otimismo atuou como um combustível para minha perseverança”, relata.

A visão positiva é tanta que o empresário prefere falar em “sinais da vida” do que em dificuldades, pois considera os problemas cotidianos apenas indícios de que algo está ocorrendo de forma errada. “Acredito em luta, em perseverança. E isso é otimismo”, diz.

Fonte Correio Braziliense

Esquizofrenia acomete 2 milhões de brasileiros e ainda é confundida

Era um domingo de 1990. Ao chegar a sua casa, o filho que sempre gostou de bater papo com a família passou direto pelos pais, que estavam na sala. A mãe, a aposentada Vera Maria Mesquita Marques, 73 anos, ficou preocupada. “Fui atrás dele, mas ele não me escutou nem me deu atenção. Vi que ele suava e começou a não falar coisa com coisa”, relembra. Com a mudança de comportamento de Rodrigo Alberto Mesquita Marques, 45, veio o diagnóstico de esquizofrenia, que acomete 2 milhões de brasileiros. A moradora de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, nunca tinha ouvido falar na doença.

Pesquisa realizada pelo Ibope com 72 famílias de pacientes com esquizofrenia em todo o Brasil mostra que a falta de informação não é exclusividade da mineira. Por desconhecer a doença, o caminho costuma ser longo até o diagnóstico e, muitas vezes, os sinais do problema são confundidos com as mudanças comuns da adolescência. A psiquiatra e psicanalista Gilda Paoliello, membro da diretoria da Associação Mineira de Psiquiatria, explica: “Quando começa a entrar na adolescência, a criança que era dócil fica rebelde, passa a não obedecer às normas, e isso também pode ocorrer na esquizofrenia, mas os sintomas são bem mais acentuados”. O paciente passa a se desinteressar pelo que gostava, tende a se isolar e ficar fora do convívio social e familiar, ao contrário do adolescente que, em geral, prefere viver em grupo.

Como não sabem o que está ocorrendo, as famílias demoram a pedir ajuda, o que só aumenta o sofrimento. “Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, melhor, pois o paciente vai conseguir vencer a doença de forma mais tranquila. Torna-se mais fácil evitar uma série de consequências se a intervenção for feita no início”, alerta a psiquiatra. Gilda diz que o paciente medicado precocemente fica menos atormentado e adere melhor ao tratamento.

Os relatos colhidos por pesquisadores do Ibope apontam que muitos familiares se recusam a aceitar a doença, outra explicação para a demora de procurar um médico. A psiquiatra mineira observa que ainda existe a associação da esquizofrenia com o estereótipo de louco, que por muito tempo foi deixado à margem da sociedade. “Mas isso tem mudado. Todos os projetos terapêuticos hoje são pensados no sentido de incluir o paciente no vínculo social e familiar, diferentemente do que ocorria há 20 anos, quando ele era excluído com longas internações”, comenta. Gilda destaca que a estadia no hospital é importante, mas apenas em períodos de crise.

Apoio afetivo
A mãe de Rodrigo Mesquita também passou pela fase de não aceitação. “Fiquei quase um ano de mal com a vida. Não conseguia aceitar que um filho com um futuro brilhante, de uma hora para outra, visse tudo desmoronar”, conta. Até que Vera se deu conta de que o filho dependia dela para se tratar e deu a volta por cima. Não pôde abandonar o trabalho, mas ficou sempre à frente do tratamento. “A vontade era tanta de ver ele bem que resolvi correr atrás. Li muito sobre a doença e encontrei os melhores médicos”, conta.

Para Gilda Paolielo, o vínculo da família com o tratamento é fundamental. “Costumo falar que o psiquiatra consegue muito pouco sozinho. Então, desde o primeiro momento, a gente ajuda a família a entender as ‘esquisitices’ do paciente com esquizofrenia e orienta como ela deve lidar com isso”, pontua. Gilda reforça que os parentes não podem deixar de estimular o paciente a se tratar, porque, como ele perde o senso crítico, não acha que está doente e acredita fervorosamente nas alucinações. “A família precisa de um bom suporte, porque não é fácil lidar com o paciente. Tem que ter orientação médica e receber visitas domiciliares de um assistente social. É tudo muito angustiante.”

Os parentes ouvidos pelo Ibope revelam outra dificuldade: a financeira. A doença acaba tendo um forte impacto sobre as finanças da família, já que muitos cuidadores largam o emprego. Sem falar que o paciente também deixa de contribuir. “As políticas de saúde do governo são importantíssimas. Nos Estados Unidos, o cuidador tem autorização para se afastar do trabalho para cuidar do paciente, mas aqui não existe isso. Se a pessoa tira licença, é sem remuneração. Isso tem que ser mudado, pois é um absurdo”, opina a psiquiatra mineira. O tratamento de esquizofrenia não fica por menos de R$ 1 mil por mês.

Vera diz que convive muito bem com a doença do filho. “Aprendi a lidar com o Rodrigo. Interpreto o olhar dele, se está agressivo nem me aproximo. Sei a hora de conversar e de me calar. Quando ele muda de comportamento, corro para o psiquiatra”, conta. Certa de que o apoio da família é fundamental, a aposentada revela, feliz, que os parentes se uniram ainda mais para enfrentar a esquizofrenia. É uma alegria quando ela, o filho, a neta e três bisnetos se encontram para bater papo.

Fonte Correio Braziliense

Enfermagem: Como fazer o cálculo do gotejamento

Apesar de existirem as bombas infusoras que fazem tudo isso,ainda sim é muito importante conhecer esse calculo pois elas não estarão em todos os lugares. Antes de entender confira alguns valores abaixo.

_1 gota equivale a 3 microgotas

_1 Ml corresponde a 20 gotas e a 60 microgotas

_1 hora equivale a 60 minutos
   

Significado das siglas da formula:

G--->gotas por minuto
V--->volume total a ser infundido
T--->tempo total de infusão,OBS. se for menor que uma hora dever ser fracionado , ex 30 minutos fracione para 0,5 horas..
                                              

 1º Cálculo. Descobrir gotas por minuto
                
    Nº de gotas   =      Volume
    ____________
     Tempo X 3         
                             
Exemplo;se voce vai infundir 500ml de soro  em um periodo de 12 horas,vai precisar saber quantas gotas caira por minuto para regular o gotejamento,vamos a conta em baixo;

    N° de gotas       =           500
                                  __________                                                                                               
                                    12  X   3





    N° de gotas     =              500
                                      __________                                                                                                  
                                            36                         


    N° de gotas = 13,8 gts por minuto
    (arredondar para 14)
                                                                    


2º Cálculo. Descobrir tempo total de infusão,já sabendo numero de gotas e volume.. 


Temos  500ml  SF a 0,9%  + 20ml  SGH a 50%  + 10ml NACL a 10%
500+20+10=530 que devera correr em X tempo a 50 gotas por minutos.


G=V/T.3
50=530/T.3
150T=530
T=530/150
T=3,53  (3hs e 32min)

O numero após a virgula é fracionado, não se esqueçam de converte-los para minutos no exemplo abaixo.

60min________1h
X min_________0,53
X min=31,8 arredonda para 32

Resposta 3 horas e 32 minutos


3º Cálculo.  Descobrir tempo total apenas com volume total mais ml hora......
Tenho 300ml de SF a o,9%, e sei que ira correr a 30 ml/h, qual será o tempo total da infusão..

Primeiro você tem de encontrar o valor de gotas por minuto..

30ml / 60 minutos =0,5ml
0,5 x 20 =10 gotas por minuto

Aí nós jogamos a fórmula..

G=V/T.3
10=300/t.3
30t=300
t=300/30
t=10 horas


Há outra forma também, converta tudo pra gotas e jogue na regra de três.

300 ml x 20= 6000 gotas
30ml/60 minutos =0,5ml
0,5x20 =10 gotas por minuto


O volume total a ser infundido será de 6000 gotas,e a quantidade de gotas por minuto será de 10.

1minuto.......10gotas
Xminuto.......6000
10=6000
X=600/10
X=600

Agora vamos transformar o 600minutos e horas..
600/60=10horas


Resposta; 10 horas

4ºCálculo. Outro calculo para descobrir gotas por minutos                                                                                                                                                                                                                                                             Será infundido 100 de SF a 0,9% + 8ml de sulfato de magnesio a 50% em 30 minutos.Quantas gotas terei por minuto?

É simples,  só jogar na fórmula..

Primeiro fracione a hora; 30 minutos será 0,5 ai só montar na fórmula.

G=V/T.3
G=108/0,5.3
G=108/1,5
G=713,8 gotas/minuto

Fonte O diário de um enfermeiro

EUA aprovam medicação inédita para insônia

A agência reguladora de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) aprovou na quarta-feira, pela primeira vez, uma medicação destinada especificamente às pessoas que acordam e não conseguem voltar a dormir no meio da noite.

O Intermezzo, fabricado pela empresa farmacêutica californiana Transcept, é uma formulação de baixa dosagem de zolpidem, aprovado pela primeira vez nos Estados Unidos em 1992.

"Esta é a primeira vez que a FDA aprova um medicamento para esta condição", anunciou a agência em um comunicado. "O Intermezzo só deverá ser usado quando a pessoa ainda tiver pelo menos quatro horas de sono. Não deve ser consumido com álcool ou com outro indutor de sono", explicou.

— Com esta dosagem mais baixa há um risco menor de que a pessoa desperte ainda com excesso de medicamento no corpo, o que pode causar adormecimentos perigosos e prejudicar a capacidade de dirigir — explicou Robert Temple, do centro de avaliação e pesquisas da FDA.

Fonte Zero Hora

Número de procedimentos oncológicos realizados pelo SUS aumentou 41% em oito anos

Câncer de fígado, mama, linfoma e leucemia aguda são os que têm maior cobertura


O Ministério da Saúde vai fechar o ano de 2011 com investimento de R$ 2,2 bilhões para a área de atenção oncológica, recursos destinados a ampliar a assistência aos pacientes atendidos nos hospitais públicos e privados que compõe o Sistema Único de Saúde (SUS), sobretudo para os tipos de câncer como fígado, mama, linfoma e leucemia aguda.

A quantidade de procedimentos oncológicos oferecidos aos pacientes do SUS aumentou em 41% nos últimos oito anos: foram 19,7 milhões em 2003, e a projeção do ministério é encerrar o ano com 27,8 milhões de procedimentos.

Segundo relatório divulgado na manhã desta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), o Brasil terá cerca de 520 mil novos casos de câncer em 2012.

Fonte Zero Hora

Brasil terá 520 mil novos casos de câncer em 2012, estima Inca

Tadeu Vilani / Agencia RBS
Alta produção de fumo pode contribuir para
incidência de câncer de pulmão no Sul
Foto:  Tadeu Vilani  /  Agencia RBS

Tipos de tumores que não apareciam no ranking de maior incidência na população brasileira agora estão na estatística para o ano que vem


Cerca de 520 mil casos novos de câncer e sete novos tipos incluídos no ranking dos tumores mais frequentes no Brasil. Essa é a síntese da Estimativa 2012 — Incidência de Câncer no Brasil, divulgada na manhã desta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), no Rio de Janeiro. A divulgação do relatório marca o Dia Nacional de Combate ao Câncer, celebrado em 27 de novembro.

As estimativas destacam os tipos mais incidentes nas regiões brasileiras, caso do câncer de pele não melanoma, próstata, mama e pulmão. A novidade dessa edição é que foram incluídas sete novas localizações de tumores no estudo: bexiga, ovário, tireoide (nas mulheres), sistema nervoso central, corpo do útero, laringe (nos homens) e linfoma não Hodgkin — os dois últimos muito noticiados recentemente por terem acometido, respectivamente, o ex-presidente Lula, o ator Reynaldo Gianecchini e a presidente Dilma Rousseff.

Sul registra mais casos de câncer de pulmão
Entre os homens, o câncer de próstata lidera o ranking dos mais incidentes em todas as regiões do país, sem contar os tumores de pele não melanoma. Os demais tipos se alternam na classificação de acordo com a região.

A mais comum de todas as neoplasias malignas é o câncer de pulmão, que apresenta um aumento de 2% ao ano na incidência mundial. De acordo com o Inca, cerca de 90% dos casos de câncer de pulmão estão associados ao tabagismo. Isso quer dizer que cerca de 24 mil casos novos poderiam ser evitados, caso as pessoas não fumassem.

É o segundo mais frequente nas regiões Sul (37 casos para cada 100 mil habitantes) e Centro-Oeste (17 casos para cada 100 mil habitantes). Já nas regiões Sudeste (20 casos para cada 100 mil habitantes), Nordeste (8 casos por 100 mil habitantes) e Norte (8 casos por 100 mil habitantes), ocupa a terceira posição.

— O Sul do Brasil concentra a maior parte de produtores de fumo, fato que pode estar diretamente relacionado ao alto consumo de derivados do tabaco, fazendo com que a região sofra com os altos índices de incidência de câncer de pulmão — sugere o pneumologista da Divisão de Controle de Tabagismo do Inca, Ricardo Meirelles.

Câncer de mama é o mais comum entre mulheres
Em todo o mundo, o câncer de mama é o que mais acomete as mulheres. A incidência afeta tanto a países desenvolvidos e em desenvolvimento. No Brasil, é o tipo mais frequente em todas as regiões, exceto o Norte.

A idade é o principal fator de risco e, as taxas aumentam de forma acelerada após os 50 anos de idade. Ao contrário do câncer de colo de útero, a ocorrência de casos de câncer de mama se encontra relacionada ao processo de urbanização da sociedade, evidenciando maior risco de adoecimento nas mulheres com elevado nível socioeconômico.

A íntegra da Estimativa 2012 — Incidência de Câncer no Brasil está disponível no site do Inca.

Fonte Zero Hora

Dados do IBGE mostram que brasileiras engravidam cada vez mais tarde

Em 2000, 19% dos nascimentos ocorriam entre jovens de 15 a 19 anos, e 29% na faixa etária de 20 a 24 anos


As brasileiras estão engravidando cada vez menos, e a vontade de ser mãe pela primeira vez ficou para mais tarde. É o que revelam os Indicadores Sociais Municipais do Censo Demográfico 2010, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a pesquisa, a média de filhos por mulher era de 2,38, em 2000. Já em 2010, este número caiu para 1,86.

Enquanto essa queda foi registrada em todas as regiões do país, o número de casais que buscam auxílio para engravidar por meio de fertilização in vitro cresceu. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida, já são 5 milhões os bebês de proveta. No Brasil, cerca de 100 mil casais procuram o tratamento, por ano. Em países como a França, por exemplo, 5% das crianças nascem após essa fertilização. Calcula-se que 11 milhões de pessoas sofram de infertilidade: em cada seis casais, um é infértil, apontam estatísticas.

Os índices também mostram a redução de grávidas entre as mulheres mais jovens. Em 2000, 19% dos nascimentos ocorriam na faixa etária de 15 a 19 anos, e 29% nos limites de 20 a 24 anos. Esses percentuais diminuíram, respectivamente, para 18% e 27%.

Atrasando o relógio
Até pouco tempo, as mulheres eram orientadas por um relógio biológico preciso, cujos ponteiros avisavam que o momento de ter filhos tinha hora pra acabar. Atualmente, os avanços da medicina permitem que a mulher atrase esse relógio, lançando mão de técnicas, como o congelamento de óvulos. Mas essa alternativa é colocada à disposição de mulheres solteiras ou em casos de doenças ou tratamentos nocivos à fertilidade, como quimio ou radioterapia.

O método de criopreservação consiste em conservar células ou tecidos em recipientes com nitrogênio líquido, que atingem a temperatura de -196ºC. Uma vez colhidos e maduros, os óvulos são congelados e armazenados. Caso não tenha conseguido engravidar, a mulher poderá recorrer ao descongelamento, para a fertilização em laboratório.

Fonte Zero Hora

Cientistas conseguem mapear próstata em 3D para encontrar tumores

Ressonância magnética encontrou 'pistas' deixadas pelo câncer.
Exame foi feito com órgãos retirados do corpo humano.


Foto: Science-AAAS/Divulgação
Foto: Science-AAAS/Divulgação
Pontos vermelhos identificam os locais onde pode haver
tumores dentro da próstata. (Foto: Science-AAAS/Divulgação)
Usando um aparelho de ressonância magnética de alta resolução, pesquisadores da Escola de Medicina de Harvard, nos EUA, conseguiram criar uma imagem da próstata humana colorida e em três dimensões, identificando os pontos onde pode haver tumores.

O exame abre espaço para que, no futuro, se possa ter melhores diagnósticos precoces do câncer de próstata. Segundo a pesquisa, esse é o tipo de câncer que mais causa morte entre os homens norte-americanos, e tem se espalhado cada vez mais nos países ocidentais. 

Agulha em palheiro
As células cancerígenas são difíceis de serem encontradas no órgão masculino. Segundo a pesquisa, publicada na revista "Science", hoje não há exames que localizem com precisão os tumores dentro da próstata, pois até mesmo as biópsias – retiradas de pequena parte da próstata com uma agulha – não conseguem indicar exatamente onde o câncer se encontra.

Para localizar os tumores, os cientistas usaram próstatas recém-extraídas do corpo humano e seguiram pequenos rastros químicos deixados pelas células cancerígenas por meio de ressonância magnética. O resultado foi analisado por um programa de computador, que projetou a imagem do órgão humano em 3D. 

Foto: Science-AAAS/Divulgação

Próstata, já separada do corpo, foi mapeada em aparelho de ressonância magnética de alta resolução. Por causa do custo do exame, cientistas prevêem que o teste não irá substituir o teste de PSA nem o toque retal, mas poderá ser muito útil nos casos em que é necessário fazer biópsias da próstata. (Foto: Science-AAAS/Divulgação)


De acordo com o professor de patologia Chin-Lee Wu, que participou da pesquisa, ainda não é possível realizar o exame em pessoas vivas. “Vamos precisar construir aparelhos eletrônicos que possam ser usados em humanos e desenvolver programas de computador para processar a vasta quantidade de dados em pouco tempo”, afirmou em entrevista ao G1.

De acordo com Wu, o teste poderá um dia substituir a biópsia, mas os homens ainda terão que fazer o teste de PSA (análise do sangue) e o exame de toque retal para a detecção precoce do câncer de próstata, pois esses testes são muito mais baratos do que uma ressonância magnética de alta resolução.

Fonte G1

Pílula anticoncepcional pode ter relação com o câncer de próstata

Hormônios da pílula chegam aos homens pela água e pela cadeia alimentar.
Câncer de próstata é o mais comum nos países desenvolvidos.

Um estudo publicado pelo “British Medical Journal” nesta semana relaciona o aumento dos casos de câncer de próstata ao uso da pílula anticoncepcional.

Você deve estar perguntando como isso acontece, se a pílula é tomada pelas mulheres e a próstata é um órgão masculino. Acontece que os hormônios femininos presentes na pílula são substâncias que não se quebram facilmente. Eles são eliminados pela urina e entram na água ou na cadeia alimentar, de modo que acabam sendo ingeridos também pelos homens.

Estudos anteriores já haviam sugerido que a exposição ao estrógeno, um hormônio feminino, seja um fator de risco importante para o câncer de próstata.

A pesquisa da Universidade de Toronto, no Canadá, é uma análise de dados de diversos países em todo o mundo, comparando o uso de contraceptivos e a recorrência do câncer de próstata. Eles descobrem que métodos como o preservativo e o dispositivo intrauterino não estão associados ao aumento nos casos de câncer entre os homens, mas que a pílula está.

Os autores ressaltam que a pesquisa é especulativa e tem como objetivo iniciar uma discussão nesse sentido. A análise não deve ser tratada como uma relação de causa de efeito e nem leva a conclusões definitivas.

O câncer de próstata é hoje o mais comum nos países desenvolvidos, e o aumento coincide com a popularização das pílulas anticoncepcionais, que entraram no mercado há cerca de 40 anos.

Info Próstata Câncer 3 (Foto: Arte / G1)

Fonte G1

Médicos encontram ponto fraco de tumor agressivo de próstata

Medicação que faz efeito contra câncer já está sendo testada.
Variedade corresponde a menos de 2% dos casos, mas é agressiva.

Um remédio que já está sendo testado para outros tipos de tumores é capaz de  pela Escola de Medicina de Weill Cornell, nos Estados Unidos, na revista especializada "Cancer Discovery".

O medicamento, de acordo com o grupo liderado por Mark Rubin, atinge o “calcanhar-de-Aquiles” de um tumor conhecido como “câncer de próstata neuroendócrino”. Embora ele corresponda a menos de 2% dos casos de tumor de próstata, é um dos tipos mais agressivos da doença.

Outro ponto importante é que tumores mais comuns na região costumam ser tratados com terapia hormonal. Na maioria deles, o tratamento reduz o câncer. Em alguns, no entanto, o hormônio pode fazer o tumor “virar” neuroendócrino.

A equipe descobriu uma vulnerabilidade genética nesse tipo de tumor. E uma vulnerabilidade genética para qual espera-se que tenhamos um tratamento a médio prazo.

Em testes em laboratório e em animais, a medicação foi capaz de reduzir o tamanho do tumor rapidamente. Agora, a equipe pretende testar sua eficácia em seres humanos.
Fonte G1

Gordura atua na produção hormonal, temperatura e atividade do intestino

Consultor Alfredo Halpern e nutricionista Gisele Pavin foram convidados.
Saiba quais gorduras reduzem o mau colesterol e as calorias de cada uma.






As pessoas, em geral, vivem tentando eliminar gordura do corpo. Mas essa substância, na dose certa, desempenha um papel importante em várias funções do organismo, como o controle da temperatura e o funcionamento intestinal.

A gordura tem ainda outro papel: permite que a gente sinta o sabor dos alimentos, ao grudar nas papilas gustativas da língua. Para comentar os benefícios e também os eventuais riscos de óleo de soja, azeite, manteiga, margarina, maionese e requeijão, entre outros tipos de gordura, o Bem Estar desta quarta-feira (12) recebeu o endocrinologista Alfredo Halpern e a nutricionista Gisele Pavin.

Eles explicaram que algumas gorduras têm o poder de diminuir o mau colesterol (LDL), como é o caso do óleo de soja, da maionese e de algumas margarinas e cremes vegetais.

Gorduras vale este (Foto: Arte/G1)

A gordura também é fundamental para a formação das membranas celulares. A capa que envolve todas as células do corpo é feita dessa substância.





As gorduras mais sólidas, como as da carne e da pele do frango, ajudam a aumentar o colesterol ruim. Já as mais fluidas, como as dos óleos e do azeite, têm menos potencial de aumentar o LDL.

Os especialistas recomendam fugir de alimentos que contêm gordura saturada e trans, a mais prejudicial de todas. Elas podem ser substituídas por outros tipos. Por isso, é importante ler o rótulo e, principalmente, compará-los para saber que tipo de gordura vai em cada produto.

A gordura trans, usada principalmente no preparo de pães, bolachas e doces, está desaparecendo da indústria. Isso porque, além de aumentar os níveis de colesterol ruim no sangue, também reduz o nível de colesterol bom (HDL), que ajuda a proteger o coração e é obtido quando fazemos exercício físico.

Absorção de vitaminas
Quando comemos, ingerimos uma série de nutrientes, proteínas e vitaminas fundamentais para nossa sobrevivência. Algumas dessas vitaminas são chamadas de liposolúveis, ou seja, só podem ser absorvidas com a ajuda da gordura.

É o caso das vitaminas A, D, E e K. Elas vão para o sistema linfático, onde são distribuídas para todo o corpo.

A vitamina A é importante para a visão, a D reforça o sistema imunológico, a E tem função antioxidante e a K é necessária para a coagulação do sangue.

Controle da temperatura
A gordura também funciona como um isolante térmico, ou seja, mantém a temperatura corporal e nos protege do frio, para que órgãos e glândulas trabalhem normalmente.

É por causa dessa espécie de capa térmica que os gordinhos tendem a suar mais, pois, pela quantidade excessiva de gordura e calor que produzem, precisam de muita água para refrigerar o organismo.

Funcionamento intestinal
Na digestão, a gordura empurra o alimento pelo intestino, ajuda a deixar o alimento mais gorduroso e lubrifica as paredes intestinais para que esse processo seja concluído.

Com gordura de menos, a digestão fica muito mais trabalhosa. Se for demais, a pessoa pode ter uma diarreia, porque a parede do intestino fica tão lubrificada que os nutrientes do alimento e a água mal conseguem ser absorvidos.

Produção de hormônios
A gordura carrega o colesterol do sangue para as glândulas que produzem os hormônios. Com a ação da gordura e do colesterol, a suprarrenal, por exemplo, produz o cortisol, hormônio que ajuda o corpo a ficar em situação de alerta em casos de emergência.

Nos homens, um complexo formado por gordura e colesterol serve de matéria-prima para os testículos fabricarem a testosterona, o principal hormônio masculino.

No caso das mulheres, a gordura e o colesterol agem nos ovários, produzindo os principais hormônios femininos: o estrogênio e a progesterona.

Frituras
Nenhuma gordura deve soltar fumaça, o que ocorre quando ela está perdendo nutrientes. Para todas elas, existe o chamado “ponto de fumaça”. Quando as gorduras chegam a essa temperatura, começam a ser mais prejudiciais à saúde, porque basicamente mudam de propriedades ao sofrer alterações químicas.

A dica, então, é cozinhar antes que a gordura superaqueça, mude sua composição e irrite a boca, o nariz e o estômago. Ao aquecer o azeite (o extra-virgem é o melhor tipo), mantenha o fogo médio e não deixe que ele passe de 160º C.

Na hora de fazer uma fritura, não use margarina nem creme vegetal, porque esses alimentos têm pouca gordura e muita água, que pode espirrar.

O melhor é o óleo de soja, porque, além de ser fácil de encontrar e manusear, tem um teor de gordura boa maior. Esse produto contém ômega 3 e 6 e o custo-benefício é melhor (é mais barato e melhor para a saúde).

Descarte de óleo
Ao despejar o óleo de cozinha usado na pia, ralo ou bueiro, muitas pessoas não se dão conta dos danos que estão causando. Ele entope redes de esgoto, aumentando os custos com o tratamento de água, além de poluir rios e represas. Um único litro de óleo contamina milhares de litros de água.

Separe um recipiente para coleta do óleo (como uma garrafa PET), espere-o esfriar para depois acondicioná-lo e, quando a embalagem estiver cheia, leve-a a um posto de coleta. O recipiente, assim como o óleo, também será reciclado.

Fonte G1

Gordura na barriga faz crescer e espalha câncer de ovário, diz estudo

Proteína no tecido adiposo 'chama' a atenção das células cancerígenas.
Outros tipos de tumores também podem crescer da mesma forma.

Células que armazenam gordura na região do estômago e dos intestinos podem ser um reservatório de nutrientes que ajudam no crescimento do câncer de ovário, segundo um estudo divulgado por uma equipe da Universidade de Chigado, nos Estados Unidos. O trabalho foi divulgado em uma das divisões da revista "Nature".

A doença é a quinta causa de morte por câncer em mulheres no mundo. O câncer de ovário tende a se espalhar na cavidade abdominal. Em 80% das mulheres, quando o tumor é descoberto, as células adiposas na região da barriga já foram atingidas. Muitas vezes o crescimento do câncer no tecido gorduroso é maior do que no próprio órgão do sistema de reprodução feminino.

Testes com camundongos mostram que células de ovário com câncer levam apenas 20 minutos para encontrar o tecido adiposo quando injetadas em animais saudáveis.

Para Ernst Lengyel, professor de obstetrícia e ginecologia na universidade explica que o tecido gorduroso é rico em lipídios e serve como fonte de energia para que o câncer de ovário cresça e se espalhe. Compreender como essa "alimentação" acontece pode ajudar os médicos a tentarem impedir o processo.

O primeiro passo do estudo norte-americano foi descobrir como uma proteína chamada FABP4 no tecido gorduroso "atrai" células cancerígenas. Inibidores usados pelos pesquisadores diminuíram esse efeito em 50%.

Quando as células de câncer do ovário atingem a região adiposa, elas rapidamente desenvolvem uma maneira de se aproveitar da energia ali armazenada. Com o tempo, todo o tecido gorduroso é rapidamente convertido em uma massa sólida de células com câncer.

Os autores do artigo acreditam que o mesmo mecanismo pode ser reproduzido por células cancerígenas de outros órgãos. Eles afirmam que tumores em regiões com muitas células adiposas, como as mamas, podem apresentar o mesmo tipo de fenômeno.

Fonte G1

Cientistas desenvolvem spray que facilita remoção de tumores

Em poucos minutos, jato destaca o tumor das demais células.
Técnica pode ajudar a localizar resíduos do câncer.

Uma equipe de cientistas criou um aerosol fluorescente capaz de detectar tumores cancerígenos em minutos, que poderia ajudar aos cirurgiões a localizarem câncer residual após uma cirurgia, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira na revista "Science Translational Medicine".

Este sistema, desenvolvido pela equipe liderada por Hisataka Kobayashi, diretor do programa de imagem molecular do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos, pode ajudar a melhorar os resultados das operações de câncer, reduzindo o risco que fique algum vestígio de tumor, afirmaram os pesquisadores.

Trata-se de uma sonda pulverizadora que contém um biosensor fluorescente (gGlu-HMRG) de cor verde, que desencadeia uma reação química ao contato com as células cancerosas.
Modelo mostra que o tumor se torna claramente visível depois de um minuto e meio (Foto: Hisataka Kobayashi/cortesia)
Modelo mostra que o tumor se torna claramente visível depois de um minuto e meio (Foto: Hisataka Kobayashi/cortesia)
 
Os cientistas comprovaram que a iluminação dos tumores acontece em questão de segundos ou minutos depois da introdução da sonda e se pulveriza diretamente sobre os tecidos internos do corpo.

Esta técnica é muito mais rápida que os atuais procedimentos de imagem para detectar o tumor, que normalmente são realizados durante várias horas ou dias, dependendo do câncer do paciente.

Kobayashi observou pela primeira vez a rápida reação fluorescente em um tempo inferior a dez minutos após adicionar gGlu-HMRG aos cultivos celulares de câncer de ovário no laboratório.

Posteriormente testaram a eficiência da sonda pulverizadora com o composto gGlu-HMRG para operar ratos com tumores de ovário humano e descobriram, menos de um minuto após fumegar os tumores, uma região fluorescente dentro da cavidade abdominal na qual também encontraram células cancerosas, que foram retiradas imediatamente.

Os resultados sugerem que esta técnica poderia servir de guia para os médicos durante a cirurgia para a extirpação total do tumor.

Fonte G1

Ferver estojo com lente de contato dentro pode servir para esterilização

Oftalmologista Claudio Lottenberg falou ao G1 sobre saúde dos olhos.
'Remela' é acúmulo de secreção quando produção lacrimal é interrompida.

O presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, tirou mais dúvidas sobre a saúde dos olhos e lentes de contato.

Pode-se tomar banho e entrar no mar ou na piscina com lente, seja ela rígida ou gelatinosa (a manutenção de cada uma é que é diferente).

Uma lente mal adaptada pode acabar se deslocando do olho, por isso é importante que um médico examine o paciente. Para esterilizar a lente, pode-se fazer o processo químico (com produtos próprios) ou térmico (fervendo a lente dentro do estojo). Nesse segundo caso, não há risco de alergia. É como cozinhar um ovo duro, por 10 a 15 minutos, a cada quatro ou cinco dias.

Quem quer usar lente de contato deve ter tempo e recursos para isso, destacou Lottenberg. Uma pessoa que já fez cirurgia de correção pode usar lente colorida, desde que os olhos estejam bem cicatrizados e haja a supervisão de um profissional.

Crianças têm uma boa adaptação à lente de contato, mas devem ter a ajuda dos pais para limpar o produto, colocá-lo ou tirá-lo, e receber outras orientações.

Soprar o olho na tentativa de tirar um cisco ou outro corpo estranho raramente funciona, segundo o oftalmologista. O que costuma resolver é lavar com água ou, em uma situação mais grave, procurar um médico.

"Remela" é o acúmulo de secreção que ocorre principalmente à noite, quando a produção de lágrima é interrompida. Lottenberg também explicou o que é blefarite, uma espécie de caspa nos olhos, em que as pálpebras descamam. Aplicar um xampu neutro ou água quente é bom para o tratamento.

Em seguida, o especialista falou sobre o amarelamento dos olhos, que pode indicar alguma doença mais séria, e também sobre o hábito de ler no ônibus, que pode causar algum desconforto. Por fim, Lottenberg disse que não se deve aplicar leite materno sobre os olhos para curar problemas.


Fonte G1

Cientistas testam lentes de contato com projeção holográfica

Ilustração mostra como seria lente com projeção holográfica (Foto: BBC)
Tecnologia que permitira checar e-mails, ver mapas e imergir em realidade virtual foi testada em animais, dizem cientistas.

Uma nova geração de lentes de contato capazes de projetar imagens na frente do usuário está um passo mais perto da realidade, depois que os cientistas testaram com sucesso o aparelho em animais.

A tecnologia permitiria a leitura de textos, como emails, através de projeções holográficas, assim como o aperfeiçoamento da visão através de imagens geradas por computador.

Os pesquisadores das Universidades de Washington, nos EUA, e de Aalto, na Finlândia, responsáveis por desenvolver a lente biônica, dizem que os primeiros testes, realizados com coelhos, não registraram efeitos adversos evidentes da invenção.

Incrementada através da implantação de centenas de pixels (o menor elemento de uma imagem digital), a lente poderia ser usada por motoristas para ver mapas através de realidade virtual, ou checar a velocidade do seu carro projetada no pára-brisa.

Na mesma linha, as lentes poderiam elevar o mundo virtual de um vídeo game a um nível totalmente novo.

Em outro tipo de uso, os instrumentos podem ser conectados a biossensores no corpo do usuário e prover informações, por exemplo, sobre o nível de açúcar no sangue.

Desenvolvimento
O produto final ainda precisa ser aperfeiçoado em relação ao protótipo, como a questão de uma fonte de energia confiável. Atualmente, a lente só funciona em um raio de poucos centímetros da bateria sem fio.

Além disso, os microcircuitos do equipamento possibilitam apenas um diodo emissor de luz (LED, na sigla em inglês), o tipo de tecnologia usada em computadores que transforma energia elétrica em luz.

Apesar das limitações, os cientistas reforçaram seu otimismo em relação ao experimento em um artigo na revista científica "Journal of Micromechanics and Microengineering".

O coordenador das pesquisas, professor Babak Praviz, disse que o grupo já conseguiu superar um importante obstáculo, o de adaptar a lente para permitir ao olho humano focalizar um objeto gerado na sua superfície.

Normalmente, conseguimos ver com clareza apenas os objetos localizados a vários centímetros de distância.

"O próximo passo é acrescentar textos pré-determinados nas lentes de contato", disse o cientista.

Material delicado
Segundo os pesquisadores, um dos maiores desafios na fabricação da lente foi trabalhar com os materiais adequados.

Enquanto os materiais usados em uma lente tradicional são delicados, a fabricação de circuitos elétricos envolve materiais inorgânicos, altas temperaturas e produtos químicos tóxicos.

Os circuitos deste protótipo foram feitos com uma camada de metal da espessura de apenas alguns nanômetros - cerca de um milésimo do cabelo humano -, com LEDs medindo apenas um terço de milímetro.

Babak Praviz diz que equipe não é a única a desenvolver esse tipo de tecnologia.

A companhia suíça Sensimed já pôs no mercado lentes de contato inteligentes que usam tecnologia de informática para monitorar a pressão dentro do olho a fim de identificar condições para glaucoma.

Fonte G1

Cientistas apresentam braço biônico controlado pelo pensamento

Braço ortopédico pode, inclusive, reproduzir parte das sensações da pele.
Tecnologia redireciona os sinais dos nervos lesionados aos músculos.

Um grupo de cientistas nos Estados Unidos apresentou na quinta-feira (17) o primeiro braço biônico que pode ser movido com impulsos cerebrais. O braço ortopédico pode, inclusive, reproduzir ao usuário amputado parte das sensações da pele.

Mais de 50 amputados de todo o mundo, muitos deles veteranos de guerra que perderam partes do corpo em combate, receberam próteses como estas desde que foram inventadas pelo médico americano Todd Kuiken, em 2002.

O braço utiliza uma tecnologia chamada de restauração nervosa muscular dirigida (Targeted Muscle Reinervation, TMR), que trabalha redirecionando os sinais do cérebro dos nervos lesionados aos músculos que estão intactos e em uso.

Todd Kuiken apresenta o braço desenvolvido por ele e sua equipe que pode ser controlado por impulsos do cérebro (Foto: Jim Watson/AFP)Todd Kuiken apresenta braço que pode ser controlado por impulsos do cérebro (Foto: Jim Watson/AFP)

Kuiken, diretor do centro de medicina biônica e diretor do departamento de amputados do Instituto de Reabilitação de Chicago (RIC), desenvolveu o procedimento, que permite aos pacientes controlarem suas próteses apenas pensando nas ações que desejam realizar.

A ideia é no futuro criar uma perna biônica com a mesma tecnologia, explicou Kuiken, que segue desenvolvendo o procedimento TMR para continuar melhorando a mobilidade dos pacientes.

Fonte G1

Médicos reconectam em menina braço arrancado por trem

Acidente foi na segunda-feira; braço foi encontrado perto de cruzamento.

Médicos britânicos conseguiram reconectar o braço de uma menina britânica, arrancado quando ela foi atingida por um trem em Killingworth, no nordeste da Inglaterra. Rebecca Huitson, de 12 anos, passou por uma cirurgia no hospital Royal Victoria Infirmary, em Newcastle.

O braço de Rebecca foi arrancado depois que ela foi atingida pelo trem que fazia o trajeto entre Londres e Edimburgo, na Escócia, em um cruzamento de Killingworth, por volta das 18h30 da segunda-feira.

O braço foi recuperado e, de acordo com Michael Schenker, cirurgião plástico que reimplantou o membro, o braço de Rebecca sofreu danos "consideráveis". "Não sei como eles encontraram (o braço), mas fiquei sabendo que foi longe (do local) onde estava a paciente", disse.

"Tinha várias fraturas então vamos ter que lidar com isso depois. O principal era levar o fornecimento de sangue de volta ao braço o mais rápido possível, e, até agora, isto está funcionando", acrescentou.

A menina deve passar por mais uma operação. "É impossível prever, no momento, qual será o resultado final, mas estamos trabalhando muito para que ela tenha um braço totalmente útil", disse o médico.

Um porta-voz da Polícia de Transportes da Grã-Bretanha informou que eles estão investigando, mas tudo indica que o que aconteceu com Rebecca Huitson foi um acidente.

Fonte G1

Médicos implantam em cérebro de cobaia neurônio criado em laboratório

Resultado rompe uma barreira do uso terapêutico das células-tronco.
Tecnologia conhecida como optogenética foi utilizada no estudo.


Neurônios criados em laboratório foram implantados no cérebro de camundongos adultos e conseguiram se comunicar normalmente com as demais células, como se sempre tivessem feito parte daquele corpo. A pesquisa foi descrita na edição desta semana da revista científica “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)”.

Os neurônios foram criados a partir de células-tronco embrionárias humanas, que foram estimuladas em laboratório para tomar essa forma.

Fazer com que a célula implantada se integre ao tecido em que é colocada, como essa pesquisa da Universidade de Wisconsin, em Madison (EUA), conseguiu, é um dos maiores desafios para o uso terapêutico das células-tronco.

“Nós mostramos pela primeira vez que essas células transplantadas conseguem ouvir e falar com os neurônios vizinhos em um cérebro adulto”, afirma Jason Weick, autor do estudo.

Para conseguir fazer essa integração, a equipe de cientistas usou luz, em vez de correntes elétricas, para estimular a atividade dos neurônios. Essa tecnologia é conhecida como optogenética.

“Antes, estávamos limitados na eficiência com que conseguíamos estimular as células transplantadas. Agora, temos uma ferramenta que nos permite estimular especificamente as células humanas transplantadas, e muitas delas de maneira não invasiva”, explica Weick.

As células-tronco embrionárias, assim como as células-tronco de pluripotência induzida, podem se transformar em células de qualquer um dos 220 tipos de tecidos do corpo humano.

Fonte G1

Polícia identifica suspeito de atingir mulher com facadas em Buritama, SP

Após ser ferida, vítima foi caminhando sozinha até o hospital.
Ela foi transferida da UTI para o quarto nesta quinta-feira (24).


A Polícia Civil já tem um suspeito no caso da mulher atingida por facadas na cabeça em Buritama, no interior de São Paulo. A tentativa de homicídio aconteceu na madrugada desta segunda-feira (21). O dono de um carro que estava estacionado aberto nas redondezas do local do crime está sendo investigado.

Segundo o médico neurocirurgião Rodrigo Mendonça, responsável pelo caso, Eliana Carvalho Martiniano, de 32 anos, foi transferida para o quarto nesta quinta-feira (24) e o estado de saúde é estável. “A faca passou muito perto de terminações nervosas importantes para o cérebro, o que poderia deixá-la com graves sequelas. Felizmente ela está bem”, disse.

Como aconteceu
A mulher voltava do trabalho por volta das 5h30. Um desconhecido a atacou por trás e atingiu a vítima no tórax, braço e rosto. Como a faca quebrou, parte da lâmina ficou cravada na face de Eliana e se alojou no crânio.

Apesar dos ferimentos, a vítima conseguiu caminhar alguns quarteirões até o hospital da cidade. De lá, ela foi transferida para Santa Casa de Araçatuba onde foi operada e a lâmina retirada.

Fonte G1

Estudo mostra que ioga acalma ritmo cardíaco e reduz ansiedade

"Ao que parece a ioga tem um efeito significativo em ajudar a regular o ritmo cardíaco dos pacientes e melhora a qualidade de vida em geral"

As pessoas com ritmo cardíaco irregular podem ver os episódios de crise reduzidos à metade caso adotem a ioga de maneira regular, revela um estudo publicado nos Estados Unidos.

Fazer ioga três vezes por semana também reduz a depressão e a ansiedade, ao mesmo tempo em que aumenta o bem-estar social em mental, segundo o estudo apresentado em uma conferência de cardiologia em Nova Orleans.

"Ao que parece a ioga tem um efeito significativo em ajudar a regular o ritmo cardíaco dos pacientes e melhora a qualidade de vida em geral", disse o principal autor do estudo, Dhanunjaya Lakkireddy, professor associado de Medicina da Universidade de Kansas.

Estudo
O estudo acompanhou 49 pacientes que sofrem de fibrilação atrial, uma afecção de ritmo cardíaco irregular que acontece quando os sinais elétricos naturais do coração disparam de maneira desorganizada, provocando agitação dos batimentos cardíacos.

Durante os três primeiros meses do estudo, os pacientes seguiram suas rotinas de exercícios habituais. Nos três meses seguintes, os pacientes fizeram três sessões de ioga por semana com um instrutor certificado. Além disso, foram estimulados a praticá-la em casa com a ajuda de um DVD instrutivo.

"A ioga reduziu significativamente os episódios de ritmo cardíaco irregular, à quase metade na média. Também reduziu os índices de depressão e ansiedade, além de ter melhorado a função física, a saúde geral, a vitalidade, o funcionamento social e a saúde mental."

Fonte Band