Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


domingo, 4 de março de 2012

OMS: prevenção e tratamento da tuberculose já salvaram quase 1 milhão de soropositivos

Brasília – Cerca de 910 mil soropositivos em todo o mundo foram salvos nos últimos anos apenas com a melhoria das ações de proteção contra a tuberculose, de acordo com dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A tuberculose é a principal causa de morte entre pessoas com o vírus HIV. Como o vírus da aids enfraquece o sistema imunológico, os soropositivos acabam ficando mais expostos à tuberculose. Por isso, é comum que pessoas infectadas pelo HIV também sofram de tuberculose.

Dados indicam que o número de soropositivos que fizeram exames para detectar a tubeculose passou de 200 mil em 2005 para 2,3 milhões em 2010. Já o total de pacientes com tuberculose que se submeteram ao teste de detecção do HIV passou de 470 mil para 2,2 milhões no mesmo período.

A OMS defende a adoção de medidas como a testagem rotineira para detecção do HIV em pacientes diagnosticados com tuberculose, em pessoas com sintomas da doença e em parceiros sexuais e membros das respectivas famílias dos portadores do vírus da aids.

De acordo com o levantamento, mais de 100 países já fazem testes em mais da metade dos pacientes com tuberculose para detectar a presença do HIV. Na África, número de países que adotam esse procedimento saltou de cinco em 2005 para 31 no ano passado.

“Entretanto, há ainda muito trabalho a ser feito. O número de pacientes coinfectados com tuberculose e HIV aumentou gradualmente de 36% para 46% nos últimos cinco anos”, alertou a OMS. Para o órgão, todos os pacientes soropositivos diagnosticados com tuberculose devem ter acesso rápido aos remédios antirretrovirais.

Fonte Agência Brasil

Alfarroba é mais saudável e tem menos gordura que o chocolate

Alimento naturalmente doce pode substituir o cacau

Se você é chocólatra, mas anda precisando dar um tempo no consumo da guloseima experimente a alfarroba.

O produto tem cara e gosto de chocolate, mas é mais nutritivo e não contém lactose, glúten e açúcar.

Apesar de não ter a fama do cacau, a alfarroba já era usada pelos egípcios há mais de 5.000 anos.

Fruto da alfarrobeira, árvore nativa do mediterrâneo, a alfarroba é uma vagem da qual se extrai a polpa que é torrada e moída para se obter o pó usado em substituição do cacau.

Por ser naturalmente doce, ela dispensa o uso de açúcar na fabricação e no consumo dos produtos. Sem falar que também não possui os estimulantes cafeína e teobromina e é rica em vitaminas e minerais.

Enquanto o cacau possui até 23% de gordura e 5% de açúcar, a alfarroba tem 0,7% de gordura e alto teor de açucares naturais (glucose, sucrose e frutose) de 38% a 45%.

A alfarroba é encontrada em casas de produtos naturais, na forma de pó, bombons e barras semelhante as de chocolate.

Fonte R7

Instituto do Câncer de SP recruta voluntários

Candidatos passam por entrevista, treinamento e devem dispor de 6h por semana

O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), unidade da rede pública estadual, está recrutando voluntários para atuar na unidade, auxiliando e ajudando os pacientes oncológicos. Os candidatos passam por entrevista, treinamento e devem dispor de, pelo menos, seis horas por semana para o trabalho.

Os voluntários do Icesp atuam junto a uma equipe multidisciplinar, formada por assistentes sociais, enfermeiros psicólogos, nutricionistas, farmacêuticos, fisioterapeutas e médicos, dedicando parte de seu tempo às necessidades momentâneas de pacientes oncológicos do SUS e seus acompanhantes.

Interessados em participar devem entrar em contato com a Associação dos Voluntários do Hospital das Clínicas pelo e-mail voluntarias.avohc@hcnet.usp.br ou pelo telefone (11) 3069-6342. A associação está localizada no Prédio da Administração do Hospital das Clínicas da FMUSP, à Dr. Ovídio Pires de Campos, 225 - Térreo.

Fonte R7

Paciente com diabetes espera seis meses por remédio e fica cego

O ex-caminhoneiro aguarda desta vez por um medicamento para coração

Eustáquio Pinto Coelho ficou cego após esperar por seis meses para receber do Estado um remédio para diabetes.

O ex-caminhoneiro aguarda desta vez por um medicamento para coração.

Veja o vídeo:
Fonte R7

Nova cirurgia de redução de estômago é feita sem bisturi

Já se realiza esse tipo de cirurgia no Brasil

Um nova forma de cirurgia de redução de estômago, menos invasiva, vem sendo realizada com sucesso, segundo reportagem publicada no jornal El País, da Espanha.

A operação é feita sem necessidade de uso de bisturi e fio de sutura. Com o paciente anestesiado, um endoscópio com uma espécie de pinça na extremidade, é introduzido pela boca do paciente, e seu estômago, grampeado.

Não existe o perigo da mucosa abrir, já que a região tem pouca aderência. A nova técnica tem ainda outras vantagens: Um pós-operatório curto, que dura em média apenas um dia, ausência de dor e cicatriz no pós-operatório, menor risco de hérnias e infecções.

Depois disso o paciente tem que seguir um programa de dois anos, com psicólogo, nutricionista e personal trainer. No Brasil já se realiza esse tipo de cirurgia e no mundo a técnica já foi aplicada com sucesso em quase 500 pacientes, num período de um ano.

Essa forma de cirurgia representa um avanço para pacientes que realizaram outras cirurgias no estômago e voltaram a engordar e que teriam que correr o risco de uma nova cirurgia.

Fonte R7

Conheça a dieta do "dia sim, dia não"

Ela não tem o rigor dos demais programas de emagrecimento

Você não consegue levar uma dieta adiante só em pensar nas semanas ou mesmo meses que terá pela frente sem comer um único docinho?

A dieta do dia sim, dia não, ou dos dias alternados, pode ser uma boa opção para você.

Ela não tem o rigor dos demais programas de emagrecimento, pois não impede que você abra mão das guloseimas, desde que as coma em dias alternados e com moderação.

A eficácia da dieta foi comprovada em estudo de 10 dias, realizado pela Universidade de Illinois (EUA), onde pacientes obesos emagreceram de 5 a 10 kg ao seguir ao programa.

O segredo é alternar um dia de dieta com um dia livre. No dia da dieta deve-se restringir as calorias em no máximo 500 a 600.

E no dia livre, pode-se ingerir um doce, uma fritura ou um refrigerante, sem exagerar.

Essa alteernância de dia de dieta com dia livre promoverá um défict calórico ao longo da semana, que resultará na perda de peso.

Faça a dieta por no máximo duas semanas e recomece após 15 dias. Quem está grávida, amamentando ou é diabético não deve fazer a dieta.

Convém consultar seu médico para avaliar suas condições de saúde antes de experimentar o programa.

Fonte R7

Dois homens registram filha fertilizada in vitro em Pernambuco

http://i2.r7.com/casalgay-filha-tl.jpg
Bernardo Soares/JC Imagem/AE
Os empresários Mailton Alves Albuquerque ( à direita),
de 35 anos, e Wilson Alves Albuquerque (à esquerda),
de 40 anos, com a pequena Maria Tereza no berço
Criança foi gerada no útero da prima de um dos rapazes

Maria Tereza Alves Albuquerque, de um mês de vida, foi registrada na última terça-feira (28) no Recife, como filha dos empresários Mailton Alves Albuquerque, 35 anos, e Wilson Alves Albuquerque, 40 anos.

Maria Tereza foi gerada por meio de fertilização in vitro - Mailton é o pai biológico e o óvulo foi de uma doadora anônima - e gestada no útero de uma prima dele que assinou uma escritura pública abdicando de qualquer direito sobre a criança.

O juiz da Primeira Vara de Família do Recife, Clicério Bezerra e Silva, autorizou o registro da criança com base nos princípios da Constituição Federal: igualdade, dignidade da pessoa humana, não discriminação por raça, sexo ou cor, e livre planejamento familiar. Clicério foi o mesmo juiz que em agosto do ano passado transformou a união estável entre os dois em casamento civil.

Juntos há 15 anos, Maílton e Wilson estão realizados e empolgados com a concretização do sonho de ter uma família.

Os pré-embriões fecundados por Wilson - os dois cederam espermatozoides para serem fecundados - foram congelados e deverão ser gerados no próximo ano. "Queremos dar um irmão para Maria Tereza", afirmou Maílton.

O casal decidiu divulgar a notícia, segundo ele, não por sensacionalismo, ou como uma bandeira gay.

"Queremos que o nosso caso seja um marco, queremos que o Brasil saiba que há uma nova família em formação no País", observou Maílton, que esteve no Canadá em 2010 e conheceu um casal de homens com três filhos. Todos por fertilização in vitro.

Impressionado, ele perguntou se as crianças não enfrentavam discriminação na escola, ao que lhe foi dito que no Canadá a família pode ter pai e mãe, pai e pai e mãe e mãe.

Com a resolução do CFM (Conselho Federal de Medicina), de seis de janeiro do ano passado, que permite a reprodução assistida no País "por todas as pessoas capazes", Maílton e Wilson decidiram seguir o exemplo dos amigos canadenses.

"Maria Tereza vai enfrentar uma situação diferente, o Brasil não é o Canadá, mas é um grande avanço e o que importa é que ela vai crescer cheia de amor", destacou o pai.

- Ela vai abrir caminhos e queremos que nossa filha seja respeitada e respeite as diferenças.

Eles contam com o apoio das famílias e se preparam agora para batizar Maria Tereza na Igreja Episcopal, que frequentam.

Fonte R7

Entenda o que é o lúpus e como tratar

Doença autoimune pode ser controlada com remédio e prevenção

O lúpus é uma doença autoimune (quando o sistema de defesa do corpo produz anticorpos contra células, tecidos ou órgãos do próprio corpo), que costuma ser mais comum em mulheres jovens.

Conhecida no meio médico como LES (Lúpus Eritematoso Sistêmico), ela é uma doença inflamatória crônica pouco frequente que pode acometer múltiplos órgãos e apresentar alterações da resposta imunológica, com presença de anticorpos dirigidos contra proteínas do próprio organismo, de acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia.

Embora a causa do LES não seja conhecida, admite-se que a interação de fatores genéticos, hormonais e ambientais podem desencadear a doença.

Sintomas
Entre os principais sintomas, estão lesões na pele, caracterizadas por vermelhidão nas maçãs do rosto e no nariz; dor e inchaço nas articulações; inflamação de pleura ou pericárdio (membranas que recobrem o pulmão e coração); inflamação no rim. Além de inflamações em pequenos vasos sanguíneos, causando lesões avermelhadas e dolorosas nas palma de mãos, planta de pés, no céu da boca ou em membros;

Há ainda possibilidade de aparecer alterações no sangue em mais da metade dos casos, como diminuição de glóbulos vermelhos (anemia), glóbulos brancos (leucopenia), dos linfócitos (linfopenia) ou de plaquetas (plaquetopenia).

Em casos menos frequentes, podem acontecer inflamações no cérebro, causando convulsões, alterações do comportamento (psicose) ou do nível de consciência e até queixas sugestivas de comprometimento de nervos periféricos.
De difícil diagnóstico, ele costuma ser feito depois de analisado exames de sangue junto ao conjunto de sintomas.

Tratamento
Apesar de o lúpus não ter cura, o tratamento, que deve ser individualizado, permite o controle da doença e a diminuição dos sintomas e efeitos colaterais dos medicamentos. Com tudo isso, o portador pode ter qualidade de vida. No Brasil são indicados o uso de anti-inflamatórios e imunosupressores (que reduzem a atividade do sistema imunológico).

Para evitar crises, os médicos recomendam evitar fatores que desencadeiam a doença. São eles: evitar tomar sol e outras formas de radiação ultravioleta, tratar infecções, evitar o uso de estrógenos (anticoncepcionais) e outras drogas (hidralazina, hidrazida, a procainamida) e evitar o estresse.

O reumatologista é o especialista mais indicado para fazer o tratamento e acompanhamento de pacientes com LES, e, quando necessário, outros especialistas devem fazer o seguimento em conjunto.

Fonte R7

Pesquisa revela que 45% das gestantes não planejaram a gravidez

Dados mostram ainda que 53% dos partos no Brasil são cesarianas

Dados preliminares de uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz indicam que 45% das brasileiras que dão à luz não planejam a gravidez.

O estudo Nascer no Brasil: Inquérito sobre Parto e Nascimento já ouviu 22 mil mulheres, de um total de 24 mil que serão entrevistadas em 191 municípios.

O levantamento, de acordo com a Fiocruz, tem como objetivo conhecer as principais complicações maternas e de recém-nascidos registradas no país, por meio de informações sobre interrupção de gravidez, assistência pré-natal, e local e acompanhamento do parto.

Dados aferidos até o momento mostram ainda que 53% dos partos no Brasil são cesarianas, com prevalência nas regiões Centro-Oeste e Sudeste.

Fonte R7

Sete em cada dez hospitais brasileiros têm orçamento exclusivo para limpeza das mãos

Procedimento simples e barato evita diversos tipos de infecções

Um relatório divulgado nesta sexta-feira (2) pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) mostra que 70% dos hospitais brasileiros têm uma parte específica de seu orçamento destinado à limpeza das mãos e 67% possuem um lavatório para cada dez leitos e um lavatório para cada unidade de terapia intensiva.

A higienização das mãos é o procedimento mais importante e barato para evitar a transmissão de infecções relacionadas ao atendimento de saúde.
O Relatório sobre Autoavaliação para Higiene das Mãos é inédito e feito a partir de conceitos da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Outro resultado é que 75% dos hospitais pesquisados tem sistema de auditorias regulares para avaliar se produtos como álcool gel, sabonete, toalhas descartáveis e outros materiais estão disponíveis para a lavagem das mãos.

O levantamento mostra ainda que 99% das instituições participantes da pesquisa contam com água corrente limpa, 93% contam com sabonete em todas as pias e 92% possuem toalhas descartáveis em todos os lavatórios.

Apesar dos bons resultados, a Anvisa avalia que ainda é preciso um grande esforço em algumas áreas que afetam a higienização das mãos. Quase 70% dos hospitais não têm orçamento específico para capacitação e treinamento para limpeza das mãos e em 66% dos locais que responderam a pesquisa não há um sistema organizado que fiscalize se a higienização acontece no hospital.

A pesquisa contou com a participação de 901 hospitais que responderam de maneira voluntária um formulário disponível no site da Anvisa entre os dias 4 de maio e 31 de dezembro de 2011.

Fonte R7