Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


terça-feira, 6 de outubro de 2015

Miopia afeta 25% da população mundial e percentual tende a aumentar

Um quarto da população mundial sofre de miopia, porcentagem que pode chegar a um terço nos próximos anos, indicaram os especialistas que participaram da I Jornada Ibero-americana neste fim de semana na cidade espanhola de Ponta Úmbria
 
O oftalmologista português Jorge Manuel Martins, professor da Escola de Ciências da Universidade do Minho, de Portugal, destacou que a miopia "é causa de preocupação no mundo todo devido a sua maior prevalência e sua rápida progressão".
 
Destacou como fatores de risco mais relacionados com o desenvolvimento e a progressão da miopia a excessiva demanda acomodativa da visão de perto, a refração periférica e a falta de atividades ao ar livre.
 
O especialista em Oftalmologia na Unidade de Oculoplástica e Unidade de Oftalmologia Infantil da Clínica Qvision, do Hospital Vithas Virgem do Mar de Almería, na Espanha, Juan Antonio Jiménez, centrou sua exposição no estado atual e nas últimas tendências de cirurgia refrativa de miopia.
 
Durante sua conferência, comentou que "na última década houve uma mudança de paradigma em torno da cirurgia refrativa, graças à chegada do laser de femtosegundo, que permitiu procedimentos cada vez mais seguros e com uma menor afetação da fisiologia corneal".
 
Por isso, destacou que "é de vital importância que o oftalmologista conheça todas e cada uma destas técnicas, para assessorar seus pacientes sobre a mais adequada, atendendo sua fisiologia ocular, assim como ajudá-los a entender as mudanças fisiológicas e ópticas que a cirurgia produz".
 
Enquanto, o responsável pela Unidade de pesquisa da Oftalmar (Hospital Internacional Medimar, de Alicante), o espanhol David Pedro Piñero Llorens, explicou que "o desenvolvimento e a progressão da miopia são influenciados por diversos fatores, como a luz natural e o exercício físico".
 
Baseando-se em diversos estudos, ele pôde detectar "uma associação negativa entre tempo ao ar livre e miopia, ou seja, que à medida que se passa mais tempo ao ar livre a taxa de progressão da miopia é mais lenta, sobretudo em meninos".
 
O congresso, que termina hoje, conta com a participação de mais de 300 profissionais e especialistas em saúde visual da Espanha, Portugal e Colômbia.
 
EFE

Morrer de amor é possível: Síndrome do Coração Partido existe mesmo

Há algum tempo ouvimos falar da "Síndrome do Coração Partido", uma tristeza tão profunda pela perda de um amor, que seria capaz de causar a morte

Agora, a ciência consegue comprovar que "morrer de amor é possível" por alguém. Ou seja, o que antes, era só uma frase para se referir a uma pessoa apaixonada, agora é realidade.

O estudo que confirma a existência da Síndrome do Coração Partido, nome dado pelos cientistas ao sentimento de perda de um ente querido ou da pessoa amada, no caso de morte ou em vida, foi realizado na University Clinic of Rostock, do nordeste da Alemanha.

Segundo os cientistas, os sintomas da doença, como dor no peito, falta de circulação sanguínea, dificuldade para respirar e fraqueza são muitos semelhantes aos do ataque cardíaco.

O cardiologista Christoph Nienaber, um dos pesquisadores envolvidos no estudo, comentou sobre a síndrome.

O grande problema dessa síndrome, seria produção desenfreada de hormônios que causam o estresse, entupindo as artérias do coração, podendo levar a uma parada cardíaca, consequentemente, a falta de oxigênio no corpo e no cérebro, causando a morte da pessoa.
 
Daily Mail

Prefeito de São Paulo sanciona lei que permite entrada forçada em casas para combater dengue

Norma prevê que os agentes sanitários podem requerer auxílio policial para exercer as ações previstas na lei
 
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, sancionou uma lei que permite a entrada à força em imóveis, durante ações de combate à dengue. Segundo o texto, a medida poderá ser tomada quando houver recusa ou ausência de alguém para abrir a porta à equipe e quando a entrada for fundamental para a contenção da doença.

A nova legislação traz o conjunto de procedimentos a serem adotados pela administração municipal, para evitar a proliferação da dengue e da febre chikungunya – ambas transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, que se reproduz em ambientes com água parada. Além das campanhas educativas, a principal medida prevista são as visitas domiciliares para eliminação dos focos do mosquito transmissor.

A norma prevê que os agentes sanitários podem requerer auxílio policial para exercer as ações previstas na lei. Caso o imóvel esteja fechado ou abandonado, a porta poderá ser arrombada por um técnico capaz de recolocar as fechaduras, após a realização dos procedimentos. “Nas hipóteses de ausência do morador, o uso da força deverá ser acompanhado por um técnico habilitado em abertura de portas, que deverá recolocar as fechaduras após realizada a ação de vigilância sanitária e epidemiológica”, ressalta o texto.

Neste ano, a cidade de São Paulo registrou, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, 99,4 mil casos de dengue e 23 mortes causadas pela doença. Em abril, a situação chegou a ser considerada epidêmica e o Exército passou a ajudar no combate aos focos de Aedes aegypti. Em maio, o município registrava taxa de incidência de 340,1 casos de dengue por 100 mil habitantes, chegando a 680,7 por 100 mil na zona norte, a região da cidade mais afetada.
 
Agência Brasil

Alimentação saudável pode evitar a depressão, aponta pesquisa

Frutas, vegetais, legumes e nozes fazem bem para o corpo e para a mente
 
Adotar uma dieta mediterrânea ou outras que incluam alimentos como frutas, vegetais, legumes e nozes — deixando de lado as carnes processadas — pode fazer bem não somente para o corpo, mas também para a mente. É o que aponta um estudo publicado na revista científica BMC Medicine, realizado com 15.903 pessoas e que sugere que a depressão poderia estar ligada ao déficit de nutrientes.
 
Os pesquisadores compararam três dietas: a mediterrânea, uma vegetariana e a Alternativa Alimentação Saudável Index-2010 — que combina nutrientes conhecidos por sua prevenção contra doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. Os participantes usaram um sistema de pontuação para medir sua adesão a uma das dietas selecionadas — quanto maior fosse a pontuação, maior seria o sinal de que eles ingeriam uma alimentação mais saudável. Itens como carne e doces foram marcados negativamente, enquanto nozes, frutas e verduras foram avaliados de modo positivo.
 
— Queríamos entender o papel que a nutrição desempenha na saúde mental, porque acreditamos que determinados padrões alimentares podem proteger nossas mentes. Todas essas dietas estão associadas com benefícios à saúde física, e agora vemos que elas também poderiam ter um efeito positivo sobre a mente — defende a autora principal da pesquisa, Almudena Sanchez-Villegas, da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria, na Espanha.
 
O estudo começou em 1999 com participantes que não registravam quadro de depressão. Além de seus padrões alimentares, outros fatores consideráveis para determinar sua qualidade de vida, como diabetes e obesidade, também foram acompanhados pelos cientistas. Dez anos depois, 1.550 já registravam um diagnóstico clínico de depressão ou usavam antidepressivos.
 
— Existe uma diferença perceptível quando os participantes começaram a seguir uma dieta saudável. Mesmo uma adesão moderada a estas dietas foi associada com uma importante redução no risco de desenvolvimento de depressão — aponta Almudena.
 
Uma limitação do estudo está no fato de que os resultados foram baseados em relatos sobre a alimentação, e não há como ter certeza de que eles são verdadeiros. De acordo com os pesquisadores, mais trabalhos são necessários para entender o papel da ingestão de nutrientes no combate à depressão, assim como identificar as substâncias que podem contribuir para o surgimento da doença.
 
Outras pesquisas já apontaram uma relação entre alimentação e depressão. Conheça algumas:

Depressão e alimentação

Cúrcuma

Pesquisadores da USP e da Unicamp associaram o consumo de cúrcuma à redução da depressão. De acordo com os resultados do estudo realizado em ratos, os animais que não consumiram o tempero apresentaram um comportamento tipicamente deprimido. Já os que ingeriram a especiaria tiveram uma redução do comportamento semelhante à depressão.

Gordura

Um novo estudo desenvolvido na Universidade de Louisiana, nos EUA, levantou a possibilidade de que uma dieta rica em gordura pode provocar depressão e alterar a composição de bactérias no intestino. Segundo os testes feitos em ratos, os animais com microbioma intestinal típico de uma alimentação com muita gordura tiveram múltiplas rupturas de comportamento, como aumento da ansiedade e memória prejudicada _ sintomas característicos da depressão.

Café

O consumo de até três xícaras de café por dia pode combater os sintomas da depressão, de acordo com uma pesquisa internacional com participação da UFSC. Os resultados apontaram que a cafeína atua sobre os receptores A2A, que controlam a comunicação entre os neurônios.
 
Zero Hora

Brasil está na rota dos medicamentos falsificados

medicamentos falsificados 05100Segundo a OMS, um quinto dos medicamentos comercializados no País são ilegais

Um relatório divulgado recentemente pela Organização Mundial de Saúde (OMS) emitiu mais um ruidoso sinal de alerta sobre a debilitada saúde do País. Segundo o documento, 19% dos medicamentos comercializados por aqui são ilegais. A estimativa é que se vendam vinte medicamentos falsos em cada lote de 100.
 
Eles são vendidos em feiras, bancas de ambulantes, pela internet e, inclusive, nas farmácias. E chegam ao Brasil vindos do Paraguai, China e Índia. Podem vir prontos para o consumo ou ainda na matéria-prima (o chamado princípio ativo) – que é manipulada em estabelecimentos clandestinos, sem a menor condição de higiene e geralmente elaborada na dose errada.
 
 
De acordo com os pesquisadores da OMS, a pirataria de substâncias matou cerca de 700 mil pessoas no mundo em 2014 – não há dados específicos para o Brasil. É um problema que aflige governos e fabricantes no mundo todo, principalmente em período de crise econômica. “Como é mais barato, as pessoas acham que estão fazendo um bom negócio ao comprar medicamentos falsos. Não estão. As mortes estão aí para comprovar”, diz o membro do Conselho Nacional de Combate à Pirataria, Edson Vismona.

Existem três princípios determinantes para o sucesso da indústria de medicamentos falsos: mercado, preço e fiscalização falha. As estatísticas sobre o tamanho desse comércio clandestino mostram que, na última década, a falsificação e comercialização aumentaram 800%. Atualmente, o negócio, que rendeu US$ 200 bilhões em 2014, cresce 13% ao ano. “Às vezes ele é mais rentável do que o tráfico de entorpecentes”, afirma o delegado da polícia federal de São Paulo, André Luiz Previato Kodkaoglanian. “São quadrilhas ligadas diretamente às organizações criminosas internacionais”.
 
Isto É

Varizes: solução sem cirurgia

Foto: Reprodução
Nova técnica é indicada em casos simples ou mais severos. Doença já atinge 70% dos brasileiros

Pernas cansadas, sensação de peso, dores e queimação podem ser sintomas de varizes. Muitas pessoas acreditam que se trata apenas de uma questão estética quando, na verdade, é uma doença crônica, que já afeta aproximadamente 70% da população brasileira. Mas uma nova técnica promete acabar com este problema. E o melhor: sem dor e com resultado imediato.

A Clacs (Cryolaser e Cryo escleroterapia) é a nova aliada de combate às varizes que combina laser, escleroterapia e jatos de ar gelado na pele. Na prática, se reduz as repetidas agulhadas e se consegue secar os vasinhos bem mais rápido.
 
É indicada para tratar desde casos mais severos, com risco de feridas, até aqueles vasinhos mais finos e superficiais, chamados telangiectasias, podendo ser aplicada em todo o corpo, desde as pernas até a face. A nova técnica será apresentada no 41º Congresso Brasileiro de Angiologia e de Cirurgia Vascular, que começa hoje e vai até o dia 10, no Rio de Janeiro.

As varizes são veias tortuosas dilatadas que pioram progressivamente, e quando não tratada corretamente pode causar diversas complicações, como úlceras venosas (feridas) e insuficiência venosa crônica. É quando as veias das pernas se tornam incapazes de bombear um volume suficiente de sangue de volta ao coração.

A maior incidência é no sexo feminino: de 2,5 a três casos de mulher com varizes para cada homem. Fator hereditário, gestação, reposição hormonal, anticoncepcionais, hábitos alimentares ruins e obesidade podem contribuir.

O tratamento com a Clacs começa com o resfriamento da pele a uma temperatura de até –20º C, que ajuda a diminuir a dor no local das aplicações. Em seguida, o especialista usa o laser, que emite pulsos de luz que atravessam as camadas mais superficiais da pele e alcançam os vasos, provocando seu fechamento sem causar danos ao tecido cutâneo. A grande vantagem é o tempo de duração do tratamento.
 
“Observamos em consultório resultados de 20% a 30% mais rápidos. Em média, são indicadas pelo menos duas sessões”, garante o médico angiologista Julio Cesar Peclat de Oliveira, presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular do Rio (SBACV-RJ).
 
A administradora Fabiana Montenegro já fez duas sessões e aprovou o tratamento. Ela já passou por aplicações simples e também pela cirurgia convencional de remoção da safena, mas resolveu procurar o tratamento após indicação de uma amiga.
 
“Queria um resultado rápido e realmente eficaz. Após apenas duas sessões já voltei a usar shorts, reduziu muito. Além disso, foi o tratamento menos doloroso que já fiz”, afirma.
 
O Dia

Abertas onze consultas públicas sobre métodos e monografias para Farmacopeia

 
As propostas tratam de métodos gerais e monografias da Farmacopeia Mercosul, para inclusão na Farmacopeia Brasileira.
 
As consultas ficaram abertas à contribuição entre os dias 02 e 16 de outubro.
 
Nesse período será possível enviar comentários e sugestões ao texto inicial.
 
Não é necessário o envio das contribuições por e-mail ou por protocolo físico.
 
ANVISA

Anvisa aprova medicamentos inéditos para asma, hipertensão pulmonar e tumor cerebral

A Anvisa aprovou mais um genérico inédito no país: o dipropionato de beclometasona. O medicamento, cuja substância ainda não tinha concorrente no mercado, é indicado para o tratamento de asma
 
O registro foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (5/10). Com isso, os pacientes e médicos terão uma nova opção de tratamento da asma a um custo mais acessível, uma vez que os genéricos chegam ao mercado com um preço menor que o valor de tabela dos medicamentos de referência.
 
Este é o primeiro registro de genérico concedido para inalatórios orais. O dipropionato de beclometasona será comercializado como solução aerossol para inalação oral (solução MDI oral), atuando exclusivamente sobre as estruturas da árvore respiratória.
 
Além do dipropionato de beclometasona, a Anvisa aprovou, também, o pedido de registro de dois medicamentos novos: o Adempas® (riociguate) e o Becenun® (carmustina). O primeiro é indicado para Hipertensão Pulmonar Tromboembólica Crônica (HPTEC) em adultos, grupo 4, conforme classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Será produzido como comprimido revestido de 0,5mg, 1,0mg, 1,5mg, 2,0mg e 2,5mg. O segundo é voltado para o tratamento de pacientes adultos com tumores cerebrais (glioblastoma, glioma do tronco cerebral, astrocitoma e oligodendroglioma), mieloma múltiplo, linfoma de Hodgkin e linfomas não-Hodgkin (linfoma de células do manto). Estará disponível como pó liofilizado para solução injetável de 10mg.
 
ANVISA 

Primavera: estação de cuidados com a saúde

Reprodução
Especialistas alertam que a estação do reflorescimento pode agravar problemas respiratórios, reações alérgicas e outras doenças
 
Mesmo sendo uma das épocas mais belas do ano, a primavera também tem seus contratempos. Especialistas alertam que a estação do reflorescimento pode agravar problemas respiratórios, reações alérgicas e outras doenças. Nessa época do ano, por causa do pólen que se desprende das flores, é comum que muitas pessoas apresentem coriza, rinite alérgica, coceira no nariz e sintomas de resfriado que caracterizam, muitas vezes, uma alergia. Nas cidades mais populosas e movimentadas, a poluição prejudica a qualidade do ar, agravando ainda mais as doenças. Os casos de conjuntivite também são comuns nessa época.
 
O aumento da temperatura juntamente com a umidade do ar torna os ambientes propícios à proliferação de fungos, ácaros e bactérias. Para o infectologista Alberto Chebabo, do Bronstein Medicina Diagnóstica, todas as épocas do ano possuem características que alteram o funcionamento do sistema respiratório. Mas algumas recomendações podem evitar esses problemas. “Durante a primavera, os riscos de agravamento de doenças respiratórias são altos por causa da polinização. A atenção com as crianças deve ser redobrada por serem mais sensíveis. É indicado sempre lavar roupas e lençóis com sabão neutro, eliminar tapetes e carpetes e manter os ambientes arejados. Brinquedos de pelúcia devem ser guardados ou embalados em sacos plásticos”, alerta o especialista.
 
Em boa parte dos casos, o principal sintoma é a crise alérgica, provocada pela reação do organismo quando as pessoas sensíveis a determinadas situações entram em contato com agentes desencadeantes chamados alérgenos. “Alguns cuidados são essenciais para evitar o desencadeamento de doenças alérgicas, como manter as mãos sempre limpas, evitando o contato com os olhos, limpar a casa com pano úmido e deixar o sol entrar no ambiente para eliminar ácaros”, comenta o infectologista.
 
A asma, por exemplo, é caracterizada pela presença de inflamação, hiperresponsividade e obstrução reversível das vias aéreas, tendo como manifestações clínicas principais tosse seca, falta de ar, chiado e dor ou aperto no peito. “Já a rinite alérgica é ocasionada pela exposição aos alérgenos e é caracterizada por espirros em salva, tosse, olhos lacrimejando, coriza, prurido nasal e congestão nasal. Tanto a asma quanto a rinite são doenças com determinação genética e influenciadas por fatores ambientais”, explica o Dr. Alberto Chebabo.
 
Para a maioria das alergias o tratamento deve ser focado no bom controle ambiental e na terapia farmacológica, a ser indicada pelo médico, de acordo com o quadro clínico do paciente. Existe uma relação de descongestionantes nasais vendidos sem receita e as pessoas abusam do uso. Alberto Chebabo lembra que “estes podem ter efeitos adversos se utilizados sem indicação médica, pois tendem a induzir a um quadro de rinite medicamentoso e agravar outras afecções”. O médico também reforça que, apesar de serem doenças sem cura aparente, elas podem ser controladas, permitindo grande melhora da qualidade de vida de seus portadores.
 
Priscila Pais
Assessoria de Imprensa
ppais@saudeempauta.com.br