Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sábado, 7 de fevereiro de 2015

Médicos e pacientes pedem legalização de eutanásia em Nova York

Médicos e pacientes pedem legalização de eutanásia em NY
Com a ação, o grupo quer que deixe de ser crime provocar ou ajudar a uma pessoa a cometer um suicídio no caso dos médicos prescrevem uma dose altíssima de medicamentos a doentes terminais e mentalmente conscientes que assim o solicitam
 
Um grupo de médicos, uma enfermeira e quatro pacientes foram a um tribunal de Nova York nesta quarta-feira para pedir a legalização da eutanásia ou “suicídio assistido” no estado, conforme publicou a imprensa local.
 
Kathryn Tucker, uma das advogadas que representa os autores da solicitação, disse após apresentar o processo à Corte Suprema de Nova York que alguns doentes vivem um processo terminal que consideram “insuportável”. Na denúncia, é pedido às autoridades que ponham fim às barreiras legais entre médicos e paciente que impedem às pessoas já sem esperanças de conseguir uma morte “digna e pacífica” e por decisão própria.
 
“Ninguém nunca sabe quando é o momento de tomar uma decisão como essa, mas saber que você tem outra opção não significa que vá usá-la”, declarou ao jornal The New York Times Sara Myers, uma das litigantes que tem esclerose lateral amiotrófica, a mesma doença que originou, no ano passado, o famoso “desafio do balde de gelo”.
 
Com a ação, o grupo quer que deixe de ser crime provocar ou ajudar a uma pessoa a cometer um suicídio no caso dos médicos prescrevem uma dose altíssima de medicamentos a doentes terminais e mentalmente conscientes que assim o solicitam.
 
A eutanásia por um médico é legalizado apenas em cinco dos 50 estados americanos: Washington, Montana, Novo México, Oregon e Vermont. Nova York só permite o procedimento em algumas circunstâncias, como quando o médico retira o suporte vital de um paciente.
 
Timothy Quill, chefe da unidade de cuidados paliativos do Centro Médico da Universidade de Rochester, lembrou o recente caso de um paciente com câncer que por conta da doença tinha esfacelamento dos ossos e de maneira consciente deixou de comer e beber.
 
“Levou dez dias até morrer (…) e é preciso ser incrivelmente disciplinado para poder fazer isso”, disse o médico, que também faz parte da denúncia e que é um dos pioneiros do movimento a favor de uma morte digna.
 
Para além da Justiça, um senador do estado está buscando apoio para apresentar uma proposta de lei na cidade de Albany que permita aos médicos receitar uma dose letal de medicamentos a pacientes terminais, lembrou o The New York Times.

EFE Saúde

Atenção farmacêuticos do Paraná: circulação de NRB2 falsas em Foz do Iguaçu

Nesta última terça-feira (03/02), a Secretaria Municipal de Saúde do município de Foz do Iguaçu emitiu ofício alertando sobre a circulação de Notificações de Receitas B2 falsificadas
 
O CRF-PR, através da equipe de fiscalização, alertaram os profissionais da região para que fiquem atentos a estas prescrições.
 
A NRB2 é utilizada para a dispensação de medicamentos anorexígenos, como a Sibutramina, utilizados como auxiliar nos tratamentos para perda de peso.

Por acreditarem que somente o medicamento pode auxiliar na redução de peso, algumas pessoas acabam tentando adquiri-lo de forma ilícita.
 
 
Estes medicamentos devem ser prescritos por um médico. Além disso, a receita deve estar acompanhada por um termo de responsabilidade que deve ser preenchido pelo médico, farmacêutico e paciente. O Assessor do CRF-PR, Dr. Luciano Pacheco, esclarece que é papel do farmacêutico impedir tais atos, bem como orientar a população sobre os tratamentos adequados para redução de peso, que envolve uma equipe multiprofissional. O farmacêutico também deve alertar que estes medicamentos possuem um rígido sistema de controle, devido à possibilidade de causar reações adversas e potencialmente sérias.
 
Fonte: Assessoria de Comunicação - CRF-PR

Erva-cidreira: Um calmante com inúmeros benefícios

Erva-cidreira - Um calmante com inúmeros benefícios
Reprodução:  Melissa oficinalis.
Quando se fala em tratamento natural para digestão ou mesmo para acalmar o sistema nervoso, logo se pensa no chá de erva-cidreira
 
A infusão desse vegetal atua como um excelente calmante e ainda proporciona diversos benefícios para o organismo. Planta medicinal muito utilizada no combate a problemas do sistema digestivo, a erva-cidreira é também conhecida citronete, melissa ou apenas cidreira. Seu nome científico é Melissa oficinalis.
 
A erva-cidreira pode ser facilmente encontrada no comércio brasileiro, como em lojas de produtos naturais, farmácias de medicamentos manipulados, supermercados e em feiras livres,
 
Benefícios
Erva potente no quesito de propriedades medicinais, a cidreira auxilia no tratamento de distúrbios do sono, nervosismo, agitação, secreção nasal, transtornos digestivos, palpitações, enxaquecas, flatulência, herpes, entre outros.
 
Confira:

- Alívio a dores de cabeça

- Promove o bem-estar e a tranquilidade

- Melhora a qualidade do sono

- Previne distúrbios renais

- Combate os gases

- Previne transtornos digestivos

- Alivia as cólicas menstruais e intestinais

- Promove o alívio da tosse

A cidreira é dotada de diversos fitoquímicos que favorecem ação antioxidante, a exemplo do polifenois, terpenos, taninos, flavonoides, ácido rosmarínico, ácido cafeico citral e acetato de eugenol.

Determinados estudos divulgados ao longo dos anos têm apontado que a erva-cidreira possivelmente também auxilia na redução da pressão arterial, uma vez que essa planta seria capaz de promover a vasodilatação dos vasos sanguíneos periféricos.
 
Além disso, tais pesquisas também teriam chegado à conclusão de que essa erva também atua na diminuição do colesterol ruim, o LDL, prevenindo assim a ocorrência de problemas cardiovasculares. Tal ação seria decorrente da ação antioxidante a qual a planta é dotada.

Propriedades medicinais
Considerada um calmante com inúmeros benefícios para a saúde do organismo, a erva-cidreira possui diversas propriedades medicinais, tais como: antiviral, calmante, antiespasmódica, sudorífera, antibiótica e anti-inflamatória.

Receita do chá de erva-cidreira
Em uma xícara de água fervente, adicione três colheres das de sopa de folhas de erva-cidreira e deixe descansar de cinco a 10 minutos. Feito isso, coe e a infusão estará pronta para ser tomada. Dica: beba de três a quatro xícaras ao dia.

Efeitos adversos e contraindicações
O consumo em excesso da cidreira pode causar diminuição da frequência cardíaca, hipotensão e baixa pressão arterial. A erva não é indicada para pessoas que sofrem de algum desses problemas relacionados e nem para gestantes, lactentes e crianças menores de 12 anos.

Remédio Caseiro

Teste oral de HIV começa a ser distribuído pelo Ministério da Saúde

Reprodução: Para o exame, é extraído, com uma haste, um
fluido entre a gengiva e o começo da mucosa da bochecha
Procedimento estará disponível em todo o País no decorrer do ano
 
O Ministério da Saúde anunciou que começou a distribuir o teste oral para diagnóstico de aids à rede pública de Saúde do país. Para o exame, é extraído, com uma haste, um fluido entre a gengiva e o começo da mucosa da bochecha. O resultado sai em até 30 minutos. Segundo a ministério, os testes estarão disponíveis em todo o País no decorrer do ano.
 
A vantagem do exame, apontada pelo Ministério da Saúde, é que, diferentemente dos testes rápidos já disponíveis, este dispensa a coleta de sangue. Cerca de 14 mil pessoas já fizeram o teste em um projeto-piloto chamado Viva Melhor Sabendo, parceria do ministério com 60 organizações da sociedade civil. A abordagem foi feita nas populações com maior incidência de aids, como transexuais, homossexuais, pessoas que usam drogas e profissionais do sexo, em bares, parques e outros locais de concentração LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis). Foram distribuídos 140 mil testes, em janeiro, para organizações não governamentais (ONGs). Entre os testados, 381 deram positivo para vírus da imunodeficiência humana (HIV, na sigla em inglês).
 
O governo estima que das cerca de 750 mil pessoas que vivem com HIV-aids no Brasil, 150 mil não saibam que são portadoras do vírus. Para o Ministério da Saúde, o número de testes positivos nas ações das ONGs mostra índice maior em relação aos dados da população em geral. Enquanto a taxa de prevalência do HIV na população geral do Brasil é 0,4%, na população de travestis é 12%. Já nos grupos de transexuais, gays e profissionais do sexo masculino a prevalência é 5% em média.
 
Quando o resultado dá positivo para HIV, a pessoa é encaminhada à rede de serviço de referência previamente organizada para diagnóstico e tratamento, em cada município-sede do projeto. Depois de iniciado o tratamento, em até seis meses a carga viral fica indetectável, o que impede novas transmissões do vírus.
 
Segundo o Ministério da Saúde, a população brasileira terá, no carnaval deste ano, 120 milhões de preservativos disponíveis gratuitamente. A ação faz parte da campanha “Partiu teste”, voltada principalmente para os jovens, com base no tripé camisinha+teste+medicamento.
 
R7

Canabidiol é apenas o primeiro passo

Um ano atrás, a opinião pública mal sabia que a planta da maconha tinha alguma utilidade para a medicina. Em janeiro, o canabidiol, então desconhecido, teve seu potencial terapêutico reconhecido pela Anvisa. Foi uma mudança simbólica radical e muito importante
 
Por: Tarso Araujo
 
O Estado brasileiro reconhece algo que mesmo as convenções internacionais de drogas teimam em negar: a Cannabis sativa possui, de fato, propriedades terapêuticas.
 
O canabidiol não estava proibido por representar qualquer ameaça à saúde, mas por puro desconhecimento das autoridades competentes e por preconceito com sua origem. Não se pode aceitar que uma agência nacional de vigilância sanitária nem profissionais de saúde sejam guiados por esses parâmetros, e sim pelo conhecimento técnico e científico mais moderno disponível. Que bom para todos que eles fizeram seu dever de casa.
 
Na prática, a reclassificação e outras medidas que a Anvisa anunciou para breve tendem a facilitar a importação do canabidiol por pacientes e pesquisadores que querem investigá-lo. Mas os produtos disponíveis ainda são importados e muito caros. Algumas decisões judiciais já obrigam o SUS a bancar esse tratamento. É justo, com quem não tem recursos para o tratamento. Mas injusto com os contribuintes, de modo geral.
 
A importação de medicamentos sem registro no país é uma das maiores despesas do Ministério da Saúde. E o extrato de Cannabis com alto teor de canabidiol pode ser facilmente produzido no Brasil, a partir de cultivos locais. Seria um absurdo que o Brasil, com luz e solo à vontade, pague caro para obter uma substância livre de patentes, como é o caso do canabidiol. Então, é importante incentivar não apenas o registro do medicamento, mas sua produção por empresas e/ou cooperativas nacionais.
 
A reclassificação do canabidiol ainda não resolveu, no entanto, outra contradição ululante. O THC, outro composto da Cannabis, também tem propriedades medicinais reconhecidas pela ciência moderna. Estudos clínicos sérios, com grandes amostras de pacientes, mostram que ele alivia dores crônicas e os sintomas de esclerose múltipla e da quimioterapia usada no combate ao câncer, por exemplo. Estudos preliminares mostram sua utilidade até no combate aos tumores.
 
O nabiximol, extrato natural com THC e com canabidiol, é aprovado como medicamento em mais de uma dezena de países para esclerose múltipla e o estudo que investiga sua eficácia para dores de câncer está na última fase nos EUA. Nos países que há mais tempo estudam e usam a maconha com finalidades terapêuticas –Canadá, Holanda e Israel– a própria erva vaporizada é administrada aos pacientes, com resultados positivos e custos reduzidos.
 
E não se pode usar contra o THC o argumento de que ele tem efeito psicoativo ou que a maconha causa dependência em cerca de 9% das pessoas que a experimentam. Se esses efeitos colaterais fossem motivo para banir o uso medicinal de um produto, não poderíamos tolerar o uso de opioides, como a morfina, e de barbitúricos e benzodiazepínicos que estão no mercado.
 
Muitos remédios dessas duas classes de medicamentos causam mais dependência e efeitos colaterais do que a própria maconha. Mas está claro que seu uso sob supervisão médica traz mais benefícios do que riscos. É de olho neste equilíbrio que se avalia a utilidade terapêutica de qualquer coisa. E não pode ser diferente com a Cannabis sativa e seus compostos.
 
É claro que reclassificar o THC e permitir sua produção no Brasil é um desafio regulatório mais complexo. Pelo menos enquanto o uso recreativo da maconha estiver proibido. Mas isso não pode nos impedir de debater e resolver o problema.
 
Logo, a reclassificação do canabidiol deve ser vista apenas como um primeiro passo, rumo a uma regulamentação mais abrangente sobre o uso terapêutico da Cannabis, que atenda pacientes de outras doenças. O preconceito e a desinformação não podem continuar os privando dessa alternativa de tratamento. Como cidadãos, merecemos racionalidade do Estado e temos que lutar por isso. Precisamos descascar esse abacaxi.
 
Folha de São Paulo

Saiba quais são os alimentos que podem trazer estímulos na hora do sexo

Afrodisíacos não podem, sozinhos, melhorar o desempenho sexual, mas são capazes de incitar sentidos
 
Ainda que os alimentos não possam, sozinhos, melhorar a vida sexual, alguns nutrientes são capazes de trazer estímulos na hora do sexo.
 
Saiba quais são eles:
 
Para facilitar o orgasmo
 
Ômega 3
Encontrado em:
salmão, sardinha, atum, nozes, castanhas e semente de linhaça

Efeitos: aumenta os níveis de óxido nítrico, fundamental para ereção, permitindo a entrada de sangue no pênis. Auxilia na lubrificação feminina
 
Potássio e vitaminas do complexo B
Encontrados em:
banana e abacate

Efeitos: ajudam a aumentar a libido masculina
 
Polifenóis
Encontrados em:
uva, chá verde e vinho

Efeitos: aumentam os níveis de óxido nítrico
 
Licopeno
Encontrado em:
tomate, goiaba e melancia

Efeitos: melhora o fluxo sanguíneo
 
Arginina
Encontrada em:
castanhas, uva-passa, pipoca, melancia, aspargo, nozes e castanhas

Efeitos: promove a vasodilatação, o aumento do fluxo sanguíneo e libera óxido nítrico
 
Álcool
Encontrado em:
vinho, champanha

Efeitos: aumenta o nível de testosterona na mulher. Mas exige cuidado, pois álcool em excesso diminui a libido de ambos os sexos
 
Capsaicina
Encontrada em:
pimenta

Efeitos: estimulante para o corpo, aumenta a sensibilidade das terminações nervosas, a frequência cardíaca e a circulação sanguínea
 
Para aumentar o desejo
 
Fibras solúveis
Encontradas em:
aveia e cereais

Efeito: elevam o nível de testosterona
 
Gordudras poli-insaturadas
Encontradas em:
nozes, castanhas, amêndoas

Efeitos: elevam o nível de testosterona e auxiliam o funcionamento dos hormônios sexuais
 
Selênio
Encontrado em:
castanha-do-pará, gema de ovo, farinha de trigo e camarão

Efeito: ajuda na produção de testosterona
 
Tiamina e feniletilamina
Encontradas em:
chocolate

Efeitos: estimulantes, aumentam a liberação de substâncias cerebrais associadas ao prazer, como a serotonina, deixando a pessoa mais relaxada durante o ato sexual. Prefira o amargo, que tem mais cacau e menos açúcar e gordura
 
De vilão a mocinho
Tão evitado entre os amantes por seu cheiro forte, o alho está sendo estudado como um dos alimentos capazes de melhorar o desempenho sexual. Segundo a endocrinologista Poli Mara Spritzer, pesquisas iniciais, feitas em animais, já comprovaram essa ação.
 
Zero Hora

Entenda como homens e mulheres escolhem as farmácias onde fazem compras

Reprodução
Enquanto as mulheres são mais conscientes do que precisam comprar em farmácias e drogarias, os homens priorizam a praticidade nos locais de compra
 
Por Juliana Martins
 
Isso é o que mostra a recente pesquisa da Mintel, publicada no relatório Produtos Farmacêuticos.
 
Um terço das mulheres, 30%, disse ir a diversas farmácias para procurarem as melhores promoções, versus 21% dos homens. Estas mulheres são, em sua maioria, jovens adultas entre 16 e 24 anos e mulheres maduras entre 45 e 54 anos.
 
As mais jovens são ainda maioria no que diz respeito à compra de dermocosméticos, produtos gerais de beleza e produtos de higiene pessoal comparadas com homens e mulheres de outras faixas etárias. Já as mulheres maduras entre 45 e 54 anos vão a diversas farmácias buscar as melhores promoções representam 34% (versus 21% dos homens na mesma faixa etária).
 
Com uma rotina intensa entre constituição de família, administração do lar e carreira profissional, as mulheres brasileiras atuais controlam mais suas despesas e priorizam gastos com a casa e a família.
 
Para fidelizar estas consumidoras em busca de preços baixos, as farmácias podem oferecer regularmente em suas prateleiras uma lista de produtos em promoção, por exemplo. Já os homens querem conveniência e praticidade na hora da compra, 41% (versus 34% das mulheres) dos compradores afirmaram sempre fazer compras na mesma farmácia ou drogaria. Assim, oferecer cartões de fidelidade a estes homens pode ser uma oportunidade para torná-los clientes regulares.
 
Guia da Farmácia

Universidade de Harvard retira o leite e laticínios da pirâmide alimentar

A Harvard School of Public Health acabou de lançar uma bomba no campo da nutrição, ao retirar da pirâmide alimentar os lacticínios e os seus derivados
 
A equipa de investigação de Harvard está a estudar uma alimentação sã, livre dos lobbies da industria alimentar.
 
O motivo pelo qual decidiram limitar os lacticínios prende-se pelo fato de que o consumo de lacticínios e derivados pode aumentar significativamente o risco de cancro de próstata e de ovários.
 
A investigação conduzida por Harvard conclui que a gordura saturada que se encontra nos lacticínios e os componentes químicos que são utilizados durante a sua produção, tornam-nos num alimento de alto risco.
 
Os lacticínios podem ser substituídos por legumes de folha verde, soja enriquecida e grãos de várias espécies, para substituir o cálcio.
 
Este artigo levanta várias questões, uma das quais coloca em causa  a ideia que se tinha de que apenas o leite e os seus derivados nos poderiam fornecer o cálcio e que deviam assim, fazer parte da alimentação.
 
Apesar de limitarem os lacticínios, mantiveram outros derivados animais e apesar de não apresentarem formas vegetais de proteína, sabemos que os legumes como os brócolos e os grãos contêm muita proteína. Conseguimos retirar o cálcio e a proteína que necessitamos sem utilizar lacticínios.
 
Vamos aguardar para saber que mais alternativas “livres de crueldade animal” nos chegam de Harvard.
 
HEPApr2013- Full Size
 
Para quem pretende abdicar do leite animal, existem no mercado opções para fazer em casa o próprio leite 100% vegetal, natural e saudável, sem os hormônios, antibióticos e químicos que são usados muitas vezes pela indústria de produção do leite, quer animal mas também vegetal, pois nem todos os leites vegetais que existem no mercado são 100% naturais e muitos deles sofrem um processo de transformação que lhes tira toda a pureza e riqueza alimentar que o leite feito por si, em sua casa, lhe pode oferecer.