Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Cura do câncer infantil pode ocorrer em até 80% dos casos detectados no início

Diagnóstico precoce e quimioterapia formam principal arma contra doença. Por ano, cerca de 9 mil casos são registrados no país
 
O diagnóstico precoce e a quimioterapia, juntos, representam a principal arma contra o câncer infantil e permitem índices de cura que chegam a 80%. Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) indicam que, todos os anos, cerca de 9 mil casos de câncer infantil são detectados no país. Os tipos mais comuns são a leucemia (doença maligna dos glóbulos brancos) e os linfomas (que se originam nos gânglios).
 
Nacional de Combate ao Câncer Infantil, lembrado nesta sexta-feira (23), a onco-hematologista e diretora técnica do Hospital da Criança de Brasília, Isis Magalhães, lembrou que a doença em crianças é diferente da diagnosticada em adultos. Nas crianças, as células malignas são geralmente mais agressivas e crescem de forma rápida. Os tumores dificilmente são localizados e o tratamento não pode ser feito com cirurgia, destacou a especialistas, em entrevista à Agência Brasil.
 
Outra peculiaridade do câncer infantil é que não há forma de prevenção, uma vez que não é possível explicar a razão do surgimento dos tumores. Isis alertou que os sinais da doença podem ser facilmente confundidos com os de quadros bastante comuns em crianças, como infecções. Alguns exemplos são o aparecimento de manchas roxas na pele e anemia. Os sintomas, entretanto, devem se manifestar por um período superior a duas semanas para causar algum tipo de alerta.
 
"É preciso saber identificar quando aquilo está passando do limite e quando é normal. Afinal, qual criança não tem uma mancha roxa na canela de vez em quando? Dependendo da situação, a lista de sinais causa mais desespero nos pais do que ajuda" , explicou. A orientação, segundo ela, é levar as crianças periodicamente ao pediatra.
 
Isis também defende que os próprios oncologistas pediátricos orientem profissionais de saúde da rede básica sobre os sinais de alerta do câncer infantil. A ideia é que o pediatra geral e o agente de saúde, por exemplo, sejam capazes de ampliar seu próprio grau de suspeita, prescrever exames mais detalhados e, se necessário, encaminhar a criança ao especialista.
 
" A doença não dá tempo para esperar. É preciso seguir o protocolo à risca, porque essa é a chance da criança. O primeiro tratamento tem que ser o correto" , disse. Isis destacou também a importância de centros especializados de câncer infantil, já que a doença precisa ser combatida por equipes multidisplinares, compostas por oncologistas, pediatras, neurologistas, cardiologistas, infectologistas e mesmo psicólogos, odontólogos e fisioterapeutas, além do assistente social.

Com informações da Agência Brasil
 
Fonte isaude.net

SP oferece 150 mil testes para diagnóstico precoce de HIV, hepatites e sífilis

Lançamento do Do total de exames oferecidos, 30 mil serão testes rápidos anti-HIV. Ao todo, 526 municípios do estado aderiram à campanha
 
A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo pretende realizar, até 1º de dezembro, Dia Mundial de Combate à Aids, 150 mil exames gratuitos para detecção do vírus HIV, além de sífilis e hepatites B e C. A campanha " Fique Sabendo" , promovida pelo Programa Estadual de DST/Aids em parceria com o Instituto Adolfo Lutz e as secretarias municipais de Saúde, tem como objetivo incentivar o diagnóstico precoce dessas doenças.
 
Do total de exames oferecidos, 30 mil serão testes rápidos anti-HIV. Ao todo, 526 municípios do estado aderiram à campanha, num total de mais de 2 mil unidades de saúde. Foram mobilizados para a ação cerca de 40 mil profissionais de saúde de diferentes áreas (gestores, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e técnicos de laboratório, entre outros).
 
Em 262 municípios serão realizadas atividades de testagem fora dos serviços de saúde, e em 257 municípios, unidades abrirão em um ou mais dias no fim de semana dias 24 e 25 de novembro, para expandir o acesso do exame anti-HIV à população.

Estatística
No estado de São Paulo foram notificados 217.390 casos de Aids entre 1980 a junho de 2012. Embora o patamar de novas infecções esteja estável e a taxa de óbito tenha caído nos últimos anos, oito pessoas, em média, morrem todos os dias no estado vítimas da doença.
 
" A campanha tem como objetivo alertar a população para a importância de se realizar o exame, que está disponível na rede pública de saúde durante o ano todo" , diz Maria Clara Gianna, coordenadora do Programa Estadual DST/Aids-SP.
 
A campanha também pretende incentivar pessoas que nunca realizaram o teste a conhecerem o seu status sorológico, independentemente de sua orientação sexual.
 
"É fundamental que as pessoas com vida sexual ativa façam o teste, para descobrirem se são ou não portadora do vírus HIV. Se o teste der positivo, é importante iniciar imediatamente o seguimento médico" , explica Maria Clara.
 
Para divulgar a ação foram confeccionados e distribuídos aos serviços de todo estado 10 mil cartazes, cinco milhões de folders sobre a importância da testagem e 500 mil folders sobre teste rápido, além de 30 mil camisetas e 30 mil coletes para profissionais de saúde envolvidos na campanha.
 
Os testes para sífilis e hepatite B são tão importantes quanto o de HIV. Em caso de soropositividade, possibilita tratamento precoce, interrupção da transmissão de mãe para filho, assim como para parceiros.
 
O teste rápido do HIV, feito a partir de punção digital, com pequena amostra de sangue, demora cerca de 40 minutos e sua eficácia é igual ao tradicional. Os testes de sífilis e hepatites B e C utilizam a mesma tecnologia do exame para HIV.

 
Fonte isaude.net

Esponja de cozinha contém 200 vezes mais bactérias do que vaso sanitário

Pesquisa encontrou 10 milhões de bactérias por metro
quadrado na esponja de cozinha
Pesquisa sugere que objeto pode conter patógenos perigosos como a bactéria Campylobacter, ligada a casos de paralisia
 
Cientistas da Universidade do Arizona, nos EUA, descobriram que a esponja de cozinha contém 200 vezes mais bactérias do que o vaso sanitário.
 
A pesquisa sugere que o objeto pode conter até mesmo patógenos como a bactéria Campylobacter, ligada a casos de paralisia. As informações são do Daily Mail.
 
A equipe, liderada por Charles Gerba, realizou um levantamento em 180 casas em diversos países (Austrália, Canadá, Alemanha, Índia, Malásia, Arábia Saudita, África do Sul, Inglaterra e Estados Unidos).
 
Segundo Gerba, o assento do vaso sanitário é um dos objetos mais limpos de uma casa em termos de micro-organismos. Mas é preciso estar mais preocupado com outros itens domésticos, como esponjas, panos de prato e sacolas de supermercado reutilizáveis.
 
Os resultados da pesquisa mostraram que os banheiros passaram no teste de limpeza em 70% dos casos. Já apenas 6% das pias verificadas mostraram boas condições de higiene.
 
O estudo descobriu que há cerca de 10 milhões de bactérias por metro quadrado em uma esponja de cozinha e um milhão por metro quadrado nos panos de prato.
 
Além da pia da cozinha, tábuas usadas na manipulação de alimentos também mostraram alto índice de infecção.
 
De acordo com Gerba, na cozinha, os micro-organismos não necessariamente chegam através do contato real com fezes. Eles vêm por meio de produtos de carne crua ou vísceras de dentro da carne animal, onde várias bactérias fecais se originam.
 
Ele afirma que é porque todos temem a sujeira dos vasos sanitários que os limpam regularmente, então talvez este seja essa a ação necessária para com as tábuas de cortar carne.
 
Segundo o Global Hygiene Council, entidade responsável por discutir normas e procedimentos de limpeza em todo o mundo, esponjas de cozinha devem ser lavadas em água com temperatura superior a 60C para matar germes e isso deve ser feito regularmente.
 
Os especialistas afirmam ainda que manter as mãos limpas e lavá-las entre o manuseio de diferentes itens ou materiais também deve ser hábito para diminuir os níveis de contaminação da cozinha.
 
Fonte isaude.net

Terapia celular desenvolvida na USP reduz tempo de regeneração do fígado

Método usado no tratamento de cirrose hepática induzida em animais pode, no futuro, ser adaptado para tratar humanos
 
Uma terapia celular desenvolvida por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) reduziu para menos da metade o tempo de regeneração do fígado de ratos submetidos a uma cirurgia que removeu 70% do órgão.
 
O objetivo imediato é testar a eficácia do método no tratamento de cirrose hepática induzida em animais. Futuramente, os cientistas pretendem avaliar a possibilidade de adaptar o tratamento para humanos.
 
As células-tronco usadas no estudo foram obtidas do broto hepático de embriões de ratos com 12 dias e meio de gestação, explicou Maria Angélica Miglino, professora da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP e coordenadora da pesquisa financiada pela FAPESP .
 
" Nos mamíferos, logo no início da gestação surge uma estrutura conhecida como intestino primitivo, a partir da qual se formam os brotos que darão origem a todos os órgãos da cavidade abdominal, como o fígado, o pâncreas, a bexiga e as alças intestinais" , disse Miglino.
 
As células-tronco do broto hepático têm tendência natural para se transformar em hepatócitos e, por conta disso, seriam teoricamente mais seguras e eficientes para uso no tratamento regenerativo do fígado quando comparadas a qualquer outro tipo de célula-tronco.
 
" Essas células têm potencial para formar um fígado. Nossos objetivos eram descobrir quando elas são formadas, qual seria o melhor momento para retirá-las do embrião, cultivá-las in vitro e usá-las para tratar cirrose induzida em ratos" , contou Miglino.
 
Durante o mestrado de Amanda Olivotti, realizado na FMVZ com orientação da professora Rose Eli Grassi Rici, os pesquisadores identificaram o momento ideal da gestação para obtenção das células-tronco, realizaram o cultivo, a caracterização morfológica e as análises histológicas.
 
" As células mostraram grande capacidade proliferativa, mantendo-se pluripotentes principalmente na metade do 12º dia após a fecundação. Não apresentaram marcadores de transformação neoplásica ou de erros genéticos" , contou Olivotti.
 
O passo seguinte, realizado já no doutorado de Olivotti, foi induzir o quadro de insuficiência hepática nos animais para testar o poder regenerativo da terapia.
 
" No primeiro grupo de roedores foi retirado 70% do fígado. Isso causa déficit metabólico e leva a uma insuficiência equivalente a dos casos de perda do órgão por trauma. Também simula a condição de crianças que nascem com o fígado atrofiado" , disse Durvanei Augusto Maria, pesquisador do Laboratório de Bioquímica e Biofísica do Instituto Butantan e coorientador do trabalho.
 
Em um segundo modelo animal, a cirrose foi induzida pela administração de medicamentos que causam fibrose nas células do fígado, levando a um quadro semelhante ao provocado pelo consumo excessivo de álcool ou pela inflamação crônica resultante de doenças como hepatite.

Aplicação clínica
Embora a estratégia tenha se mostrado promissora, ainda há muitos obstáculos a serem vencidos até que a terapia possa ser testada em humanos. O primeiro deles é descobrir uma forma viável para obter as células do broto hepático.
 
" Ainda que a lei permitisse, não podemos usar embriões remanescentes de tratamentos de reprodução assistida, pois nessa fase de desenvolvimento o intestino primitivo ainda não está formado" , disse Miglino.
 
Embora seja tecnicamente possível usar células de fetos que sofreram aborto espontâneo ou provocado, haveria muitas questões éticas e legais envolvidas.
 
" Uma possibilidade seria formar um banco de células de primatas adaptadas a formar fígado humano. Mas precisamos investigar ainda se o transplante entre espécies diferentes seria viável" , disse Miglino.
 
Para Augusto Maria, ainda serão necessários estudos de longa duração com animais para que todos os riscos dessa terapia sejam avaliados. "É possível que a aplicação das células induza a formação de trombos e crie áreas infartadas. Pode ainda formar um tumor ou induzir doenças autoimunes" , ponderou.
 
Os estudos de longa duração, acrescentou, também são necessários para entender se as células-tronco estimulam o tecido agredido a se regenerar ou se são elas próprias que se proliferam dentro do órgão.
" Uma possível estratégia seria induzir cirrose em porcos para avaliar os efeitos da terapia celular. O fígado suíno é o que mais se assemelha ao humano" , disse Augusto Maria.
 
Os resultados preliminares estão agora sendo enviados para publicação. A pesquisa está vinculada ao Projeto Temático"O enigma vitelino", também coordenado por Miglino.

Com informações da Fapesp
 
Fonte isaude.net

Como lidar com o diagnóstico positivo do HIV?

Após receber um resultado positivo do HIV, não há outra opção: é preciso procurar um médico e iniciar os cuidados com a doença.

Uma possibilidade interessante é procurar o Serviço de Assistência Especializada em HIV/AIDS (SAE), do Ministério da Saúde. Os serviços ambulatoriais prestados oferecem assistência, prevenção ou tratamento. É possível encontrar esse apoio em hospitais, unidades básicas de saúde, postos de saúde, policlínicas, centros de serviços especializados e em ambulatórios.

Através desses locais, o Ministério da Saúde disponibiliza uma equipe médica que está preparada para lidar com as diversas facetas do problema. É possível obter consultas com médicos, psicólogos, enfermeiros, nutricionistas, assistentes sociais, etc. Buscando ajuda desses profissionais, o paciente pode aprender a conviver com sua condição, recebendo medicamentos gratuitamente e obtendo conselhos para a melhora de sua qualidade de vida, diminuindo os riscos para sua saúde.

Receber a notícia do diagnóstico é difícil, mas é importante que a pessoa saiba que é possível viver bem com o HIV e com a AIDS. Seguindo as recomendações médicas e aderindo adequadamente ao tratamento, a vida do paciente é normal.

O soropositivo tem direitos garantidos, como o sigilo sobre sua condição, a gratuidade de atendimento médico, o combate ao preconceito, etc. Se informe sobre a doença e busque a ajuda necessária.
 
Fonte: Ministério da Saúde, 21 de novembro de 2012

Natação acelera desenvolvimento infantil

Segundo pesquisadores do Instituto de Pesquisas Educacionais Griffith, na Austrálias, crianças que praticam natação desde pequenas se desenvolvem mais rapidamente do que aquelas que não aprendem a nadar.

O estudo envolveu cerca de 7.000 crianças menores de cinco anos na Austrália, Nova Zelândia e nos Estados Unidos por três anos. Além disso, os pesquisadores escolheram mais 180 crianças de três, quatro e cinco anos, que passaram por testes intensivos.

Os resultados mostraram que as crianças que praticavam natação desde muito pequenas alcançavam várias habilidades mais cedo do que aquelas que não faziam tal atividade. Entre essas habilidades estão as físicas, visuais e motoras.

Os pesquisadores explicam que essas habilidades ajudam as crianças na transição para os contextos de aprendizagem formais, como as escolas. O estudo mostrou, também, que o contexto socioeconômico e o gênero não interferem na conquista das habilidades.

Na fase escolar, crianças que nadavam se saiam melhor em tarefas de matemática, escrita e expressão oral.

Fonte: Diário da Saúde, 21 de novembro de 2012.

Como é feito o diagnóstico do HIV?

 

O diagnóstico rápido do HIV é extremamente importante para o paciente. A identificação precoce do problema e a busca imediata pelo tratamento são atitudes que aumentam a qualidade de vida da pessoa e fazem com que ela tenha mais chances de viver normalmente.
 
Após ter vivenciado uma situação de risco, a pessoa deve esperar alguns dias para realizar o teste. Entende-se por situação de risco comportamentos que colocam o indivíduo em ocasiões em que ele pode entrar em contato com o vírus - a relação sexual entre pessoas do mesmo sexo ou sexo diferente, compartilhamento de seringas e reutilização de objetos cortantes.
 
Entre o momento da contaminação e a possibilidade de detecção da infecção existe o período de janela imunológica – deve-se esperar pelo menos 30 dias para que o teste obtenha um resultado confiável.
 
No Brasil, pode-se fazer exames laboratoriais ou testes rápidos. O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza os testes gratuitamente na rede pública e em Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA). O diagnóstico acontece através da coleta de sangue e pode ser feito de forma anônima.
 
O teste rápido recebe esse nome porque possibilita o diagnóstico em apenas 30 minutos, encontrando anticorpos anti-HIV no sangue do paciente no momento da consulta. Isso permite que o médico aconselhe seu paciente antes e depois do teste ser feito, melhorando a forma como a pessoa recebe a notícia da doença e recebendo informações imediatas sobre o tratamento.
 
O Ministério da Saúde estima que dos 630 mil brasileiros que convivem com o HIV, 225 mil não sabem que são soropositivos. Além do controle da própria doença o diagnóstico também é importante para que a pessoa não transmita o vírus.
 
Fonte: Ministério da Saúde, 22 de novembro de 2012

Peixe pode reduzir risco de asma em bebês

Adicionar peixes à dieta dos bebês durante o primeiro ano de vida pode diminuir o risco de asma. A constatação é de pesquisadores holandeses do Erasmus Medical Center e do Department of Human Nutrition.
 
De acordo com o estudo, que envolveu 7.210 crianças nascidas em 2002 e 2006, aquelas que comem peixes entre os seis e os 12 meses de idade apresentam menores índices de asma mais tarde. Contudo, o mesmo não é observado naqueles que começam a ingerir peixes antes dos seis meses ou depois dos 12.
 
Entre as 7.210 crianças que participaram do estudo, 1.281 crianças comiam peixe em seus primeiros seis meses de vida, 5.498 começavam a consumir o alimento aos seis meses, e 431 não comeram nenhum peixe até depois de um ano de idade.
 
O estudo, publicado na revista Pediatrics, sugere que existe uma associação entre o consumo de peixes e a diminuição do risco de asma.
 
As autoridades em saúde recomendam a amamentação exclusiva por seis meses, sendo os outros alimentos inseridos aos poucos, mas não substituindo o leite materno.
 
Fonte: UPI, 20 de novembro de 2012

Para algumas pessoas, relaxar é estressante

2 924206 32902585 Rene Asmussen 300x165 Para algumas pessoas, relaxar é estressanteVocê é uma daquelas pessoa que não consegue ficar parada? Saiba que isso é um sintoma de um tipo de ansiedade cujo gatilho é justamente a possibilidade de relaxar.
 
Muitas pessoas não deixam de sonhar com suas férias o ano inteiro, ou então ficam ansiosas pelo próximo feriado para poder ficar de pernas pro ar. Pois saiba que há indivíduos que ficam tão ansiosos quanto, mas pelo motivo inverso: elas odeiam não fazer nada.
 
A conclusão é de uma pesquisa feita na Universidade de Cincinnati, nos EUA, e que demonstrou que o fenômeno – chamado de ansiedade induzida pelo relaxamento – é mais comum do que se pensava.
 
“O paradoxo da ansiedade induzida pelo relaxamento não é incomum. Todos conhecem alguém que preferia estar trabalhando do que viajando para a praia em um feriado. Elas afirmam que quando param para relaxar voltam pensando mais devagar ou então ficam com medo de serem taxadas de vagabundas. Há até mesmo aquelas que não gostam da sensação dos músculos ficando mais ‘moles’, como se isso fosse algum anti-natural”, explica Christina Luberto, a autora da pesquisa.
 
Isso, diz Luberto, tem relações com diversos problemas, desde questões sociais, emocionais, cognitivas e mesmo físicas. Qualquer sinal de diminuição do ritmo – menos reuniões ou encontros sociais, corpo mais relaxado, menor produtividade em casa ou no trabalho ou mesmo pensar em menos problemas – as faz sentir ansiosas por estarem perdendo o controle sobre algo importante para elas: seu ritmo de vida.
 
“Estudos anteriores apontam que esses indivíduos são mais sensíveis à ansiedade de um modo em geral, mas o gatilho nesse caso específico é essa mudança de ritmo diário. Para essas pessoas relaxar é estressante. É um sentimento de medo, que pode ter raízes em diversas experiências pessoais”, diz a autora.
 
“Considerando que boa parte dos tratamentos para ansiedade envolvem terapias de relaxamento diversas, identificar esse tipo de fenômeno e saber classificá-lo é importante para que alguns tipos de pessoas não entrem em um círculo vicioso e desenvolvam o estresse crônico, por exemplo”, finaliza Luberto, que agora trabalha em uma escala de valores que possam mensurar a ansiedade induzida pelo relaxamento.
 
Fonte O que eu tenho

Diabetes: especialista comenta a importância da prevenção

550152 sxc Diabetes: especialista comenta a importância da prevençãoCom o advento de novos medicamentos que permitiram individualizar o tratamento, disponibilidade de aparelhos portáteis para dosagem de glicemia – os glicosímetros -, maior acesso à medicação, principalmente para pacientes carentes, e acesso a informações, tem-se observado uma redução das complicações agudas do diabetes.
 
Em contrapartida, esses avanços, que permitem um tempo de vida mais longo, associados a uma piora do estilo de vida, com aumento de sedentarismo e prevalência de obesidade, têm aumentado o risco das complicações crônicas da doença.
 
De uma maneira geral, as complicações crônicas podem ser enquadradas em dois grandes grupos: no primeiro, o que decorre do comprometimento dos grandes vasos, que tem como principais consequências o infarto, derrame cerebral e gangrena dos membros inferiores; no segundo, em que são afetados os pequenos vasos, cujas consequências são o comprometimento do rim (nefropatia), da visão (retinopatia) e dos nervos (neuropatia). Existem outros fatores, como o tabagismo e níveis de colesterol e pressão arterial elevados, que aumentam as chances de complicações.
 
A prevenção é o melhor tratamento para as complicações crônicas do diabetes. Uma visita periódica ao médico permite não só avaliar se o controle da glicemia está adequado, mas também identificar e combater fatores de risco, o que pode ser feito com o auxílio de poucos exames laboratoriais.
 
Como medidas rotineiras recomenda-se:
• Manter o peso adequado
 
• Controlar a pressão arterial, tendo como objetivo pressão entre 120/80 mmHg
 
• Evitar o tabagismo
 
• Praticar regularmente atividade física
 
• Controlar o nível de colesterol, tendo como meta uma concentração de colesterol LDL inferior a 100 mg/dL. Em geral, para atingir essa meta é necessário o uso de medicamento redutor de colesterol (estatinas)
 
• Manter as médias de glicemia (hemoglobina glicada) abaixo de 7%
 
• Fazer outros exames de avaliação precoce como os oftalmológicos, tais como dosagem de microalbuminúria e de fundo de olho
 
Considerando que as complicações crônicas do diabetes são assintomáticas em seus estágios iniciais, o médico pode solicitar exames adicionais, de acordo com o tipo de diabetes e tempo de duração da doença. Hábitos de vida saudáveis são essenciais para todos, especialmente para pacientes com diabetes.
-
Dr. José Antonio Miguel Marcondes, Médico do Centro de Diabetes do Hospital Sírio Libanês
 
Fonte O que eu tenho

Percepção sobre sintomas depressivos é maior quando a pessoa é de outro sexo

A habilidade de reconhecer os sinais da depressão depende do gênero tanto de quem observa quanto de quem está sofrendo com a condição.
 
Para chegar a essa conclusão o autor, Viren Swami, descreveu dois personagens (um homem e uma mulher) fictícios com os traços depressivos característicos e pediu que diversos participantes identificassem os sintomas e associassem a um transtorno mental ou a situação rotineira que os personagens estivessem enfrentando.
 
No estudo, feito pela Universidade de Westminster, no Reino Unido, homens e mulheres reconheceram de forma mais rápida e classificaram a personagem feminina como alguém com sintomas da depressão.
 
Quanto o assunto eram um personagem masculino, os homens tiveram um índice de acerto muito menor que as mulheres e essas tiveram maior dificuldade (tinham que acessar mais informações) para identificá-lo com depressão.
 
“Os homens também eram mais propensos a indicar que a personagem feminina procurasse ajuda profissional para tratar seu possível problema, além de apontarem a seriedade do problema. As mulheres tiveram maior tendência de fazer esse tipo de sugestão para o personagem masculino, mas não para outra mulher”, diz o autor cuja pesquisa foi publicada no periódico PLOs One.
 
“Houve muita resistência, por parte dos grupos do mesmo sexo, de apontar que a psicoterapia ou outras abordagens psiquiátricas como algo necessário. Homens eram mais empáticos com as mulheres e vice-versa. No caso de personagens do mesmo sexo dos participantes as abordagens eram menos ‘científicas’, como sugerir que o indivíduo fictício deveria procurar um amigo ou fazer algo para se desestressar, como hobbies ou sair com os amigos”, completa o pesquisador que diz que os estereótipos de gênero podem ser muito importantes para definir quando uma pessoa com traços de depressão procure o tratamento adequado e isso deve ser melhor observado por outras pesquisas e pelos profissionais de saúde.
 
Fonte O que eu tenho

Associação britânica lista as cinco piores dietas 'da moda'

Regimes 'pop' podem ser altamente perigosos à saúde, segundo especialistas
 
Com a aproximação das festas de fim de ano e do verão, cresce a tentação em sucumbir a dietas radicais para perder peso. Mas muitas das dietas "da moda", ainda que endossadas e praticadas por celebridades, são pouco recomendadas por especialistas.
 
A Associação Dietética Britânica (BDA, na sigla em inglês) divulgou nesta quinta-feira a lista (compilada anualmente) das cinco que considera as dietas mais "suspeitas", a serem evitadas pelas pessoas:

1) Dieta Dukan
A dieta é baseada no consumo de proteínas e divide-se em quatro fases - a primeira prometendo "resultados imediatos" e as seguintes reforçando e consolidando a perda de peso.
 
Mas, segundo a BDA, "há pouca ciência por trás" da dieta. "Ela funciona com a restrição de alimentos, calorias e controle de porções. Cortar grupos alimentares não é aconselhável. A dieta é tão confusa, rígida e consome tanto tempo que, em nossa opinião, é muito difícil de ser sustentada".
 
A associação agrega que o próprio autor da dieta, Pierre Dukan, "adverte sobre problemas colaterais como falta de energia, constipação e mau hálito".
 
2) Dieta Congênita de Nutrição Enteral (KEN)
Também apontada como uma "dieta de celebridades", a dieta KEN consiste em não comer nada.
 
"Em vez disso, durante dez dias de um ciclo, uma fórmula líquida é liberada diretamente no estômago, por meio de um tubo de plástico que chega até o nariz do paciente", explica a associação.
 
A BDA diz, porém, que tubos naso-gástricos foram na verdade criados para pessoas com doenças crônicas e critica seu uso para emagrecimento. E ressalta um efeito colateral sério: os seguidores dessa dieta provavelmente terão que tomar laxativos, já que não vão estão ingerindo fibras.
 
3) Dieta intravenosa, ou "Party Girl IV Drip"
Bolsas de soro são usadas em hospitais para alimentar e medicar pacientes em hospitais. Mas esse método é usado em uma dieta em que paga-se caro para receber, de forma intravenosa, uma solução que costuma incluir vitaminas, magnésio e cálcio.
 
Mas, argumenta a BDA, "há poucas provas de que isso funciona". Além disso, os efeitos colaterais podem incluir tontura, infecções, inflamação de veias e, em último caso, choque anafilático.
 
Se é para ingerir nutrientes, a organização sugere que isso ocorra pela via "tradicional": pela ingestão de alimentos e bebidas saudáveis.
 
4) Dieta da "Alcorexia"
É apontada como uma dieta comumente praticada por top models e celebridades, por consistir em ingerir pouquíssimas calorias durante o dia para "guardar" espaço para ingerir grandes quantidades de álcool.
 
A dieta é chamada de "loucura" pela BDA, por não fornecer as quantidades adequadas de calorias, vitaminas e nutrientes necessários para "sobreviver e funcionar".
 
"Você se sentirá cansado, fraco, sem energia e facilmente irritável", adverte a associação. "Evitar comida para dar lugar ao álcool é absolutamente estúpido e pode facilmente resultar em coma alcoólico ou mesmo em morte."
 
5) A dieta do livro 6 Weeks to OMG
O título do livro de Venice Fulton pode ser traduzido como "Seis semanas para que você diga 'Oh meu Deus'". O adendo promete: "Fique mais magro que todos os seus amigos".
 
A dieta, explica a BDA, sugere exercícios físicos cedo pela manhã (depois de uma dose de café preto), seguidos de um banho frio para estimular o corpo a queimar gordura acumulada. Café da manhã, só mais tarde, às 10h.
 
O autor argumenta que "algumas frutas bloqueiam a perda de gordura", rejeita pequenas refeições ao longo do dia e defende as proteínas.
 
Mas a BDA diz que ninguém terá "o tempo e a energia de seguir essa dieta" e critica o livro por "selecionar pesquisas em vez de (oferecer) uma visão equilibrada de como a rotina de muitas pessoas não consegue acomodar" os mandamentos do autor. Também defende a inclusão de um "café da manhã" saudável e se opõe ao caráter "competitivo" da dieta, alegando que ele estimula o "comportamento extremo".

Fonte Estadão

Levar pacientes alcoolizados ao pronto-socorro não é o ideal, aponta estudo

Pessoas embriagadas devem ser encaminhadas a centros de desintoxicação se não houver problemas médicos
 
Um estudo conduzido por um centro médico do Colorado (Estados Unidos) concluiu que pacientes alcoolizados devem ser levados diretamente para centros de desintoxicação em vez do pronto-socorro, uma vez que não apresentam nenhum problema médico sério.
 
A equipe do Centro de Serviços de Saúde Penrose-St. Francis observou que nenhum dos 138 pacientes enviados aos centros de desintoxicação para passar a noite no local após a ingestão de doses exageradas de álcool teve complicações.
 
Em 2004, de acordo com os pesquisadores, cerca de 0,6% das entradas em prontos-socorros foram dadas por pessoas sem qualquer problema que não fosse a embriaguez, o que custou aproximadamente US$ 900 milhões (R$ 1,8 bilhão).
 
"Parte do problema tem sido o grande número de alcoólatras crônicos trazidos por ambulâncias, pela polícia ou que até chegam sozinhos. A maioria vai direto para o pronto-socorro", disse David Ross, médico e principal nome por trás do estudo.
 
De acordo com ele, o serviço de ambulância do local criou uma lista de 29 perguntas cujas respostas são sim ou não para ajudar a avaliar se o paciente deve ser levado ao pronto-socorro ou diretamente para um centro de desintoxicação. Algumas questionam se o paciente está ou não cooperando com os exames feitos na própria ambulância ou se ele quer ir ao centro. Caso a resposta seja não em qualquer dessas perguntas, é enviado ao pronto-socorro.
 
Analisando os pacientes transportados entre dezembro de 2003 e dezembro de 2005 para ver se nenhum deles teve problemas médicos durante a desintoxicação, os pesquisadores notaram que 718 deles estavam alcoolizados, sendo 138 enviados para o tratamento de desintoxicação e 580 para o pronto-socorro.
 
Dos enviados aos centros, 11 não deram entrada porque o local esava cheio, porque o nível de álcool em seu sangue excedia os limites aceitáveis, seus familiares foram buscá-los ou estavam agressivos. Outros quatro foram tranferidos ao pronto-socorro por conta de complicações menores, como dores em partes do corpo. Nenhum problema sério, porém, foi detectado."Acreditamos que não deixamos passar nenhuma lesão ou complicação grave", disse Ross.
 
A equipe, porém, admite que há algumas limitações no estudo. Não havia planos, por exemplo, para fazer a pesquisa quando estavam no processo da criação da lista de perguntas, o que faz com que as conclusões estejam restritas aos dados colhidos nos centros de desintoxicação e dos prontos-socorros.
 
Além disso, o número de pessoas enviadas aos centros é relativamente pequeno, o que torna difícil dizer se haveria complicações graves em um grupo maior de pacientes. "Tentamos estimar qual a probabilidade de encontrar uma situação séria. Nossa estimativa é de que seriam 3 casos em 748 pacientes", concluiu.

Fonte estadão

Substância do corpo humano pode ser usada em tratamento para epilepsia

Cientistas britânicos querem remédio com eficácia de dieta, mas sem efeitos colaterais
 
Remédios feitos à base de uma substância produzida pelo corpo quando a gordura é usada como "combustível" podem se tornar uma nova maneira de tratar a epilepsia, afirmam pequisadores ingleses.
 
A equipe da Universidade de Londres publicou os resultados dos testes preliminares no periódico Neuropharmacology, que reúne estudos sobre o assunto. A pesquisa teve início com a dieta especial adotada por algumas crianças cujo quadro de epilepsia mostra-se resistente a medicamentos.
 
Essa dieta, chamada cetogênica, é rica em gorduras, mas pobre em carboidratos. Cientistas acreditam que tais propriedades simulam os aspectos da inanição, já que forçam o corpo a queimar gordura em vez de carboidratos. Embora eficaz, a dieta é bastante criticada, uma vez que seus efeitos colaterais - hipoglicemia, crescimento retardado, fraqueza óssea - podem ser bastante danosos à saúde.
 
Mas os pesquisadores, ao extrair somente os ácidos gordurosos bons para o controle da epilepsia, pretendem desenvolver uma pílula para crianças e adultos que pode ser tão eficiente quanto a dieta, mas sem esses efeitos colaterais.
 
Nos primeiros testes, os cientistas identificaram substâncias que parecer ser perfeitas para realizar essa função. Eles não apenas descobriram que os ácidos gordurosos são ainda mais poderosos que remédios atuais como também têm menos efeitos indesejados. Mas são necessários mais testes para determinar se o tratamento poderá ser adotado com segurança em humanos.
 
Matthew Walker, professor do Instituto de Neurologia da Universidade de Londres, disse que a "epilepsia afeta mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo e aproximadamente um terço delas não conseguem controlar a doença com os tratamentos atuais." "Essa descoberta dá uma nova forma de tratar a epilepsia resistente a remédia", concluiu.
 
Fonte Estadão

Fome afetou 49 milhões de pessoas na América Latina entre 2010 e 2012

Segundo documento, 8,3% da população da região não ingere as calorias diárias necessárias - Efe
Segundo documento, 8,3% da população da região não
ingere as calorias diárias necessárias
Redução foi de apenas 1 milhão de famintos em relação ao triênio anterior, apesar do auge econômico da região, cujos efeitos são reduzidos pela má distribuição de renda
 
A fome na América Latina e no Caribe afetou 49 milhões de pessoas entre 2010 e 2012, com uma redução de apenas 1 milhão de famintos em relação ao triênio anterior, apesar do auge econômico da região, cujos efeitos são reduzidos pela má distribuição de renda.

Segundo um documento apresentado nesta quinta-feira em Santiago do Chile pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), 8,3% da população da região não ingere as calorias diárias necessárias para levar uma vida saudável.

Nove dos 33 países da região contam com uma taxa de predomínio de fome inferior a 5%, enquanto em 16 Estados a taxa é superior a 10%, indica o Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina e no Caribe 2012.

Os países mais afetados pela fome na região são o Haiti, com uma incidência de 44,5%, a Guatemala (30,4%), o Paraguai (25,5%), a Bolívia (24,1%) e a Nicarágua (20,1%).

"O crescimento que as economias dos países tiveram não se traduziu em uma diminuição equivalente" nos índices, afirma o relatório, que lembra que a América Latina e o Caribe "ainda mostram níveis de desigualdade muito altos em relação a outras regiões do mundo".

Mesmo assim, a queda contínua, embora lenta, se traduziu em que 16 milhões de pessoas deixaram de ter fome na região nos últimos 20 anos, em relação aos 65 milhões que sofriam esse mal entre 1990 e 1992.

Durante a apresentação do relatório, Adoniram Sanchez, oficial de Políticas do Escritório Regional da FAO, detalhou que a região está se aproximando ao cumprimento da primeira meta do Milênio, a de reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, o número de pessoas com insegurança alimentícia na região.

A outra faceta do panorama é o sobrepeso. Na maior parte dos países da região, a obesidade em adultos é superior a 20%, e, em 2010, o sobrepeso e a obesidade em menores de 5 anos afetava mais de 2 milhões de crianças na América do Sul, 1 milhão na América Central e cerca de 300 mil no Caribe.

Fonte Estadão

Farmanguinhos faz acordo para produzir antibiótico

Com pacto com farmacêutica multinacional GlaxoSmithKline (GSK), Amoxil passa a ser fabricado no Brasil; empresa não sabe informar se preço do medicamento vai cair
 
SÃO PAULO - A farmacêutica multinacional GlaxoSmithKline (GSK) terceirizou a produção de um antibiótico para o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos), da Fiocruz, no Rio. A parceria, inédita nessa área, terá duração de ao menos cinco anos.
 
A farmacêutica também tem um outro acordo com a Fiocruz - no caso, com a unidade Biomanguinhos - desde 2010 para produção da vacina pneumocócica conjugada. A produção é feita para o Ministério da Saúde para que a vacina seja distribuída gratuitamente na rede.

Com o acordo firmado com Farmanguinhos, o antibiótico Amoxil - que é amplamente comercializado no País - passará a ser fabricado no Brasil. Antes, ele era produzido em uma unidade da GSK no México e importado para o País. A GSK não informou se o fato de a fabricação agora ser no Brasil refletirá na redução do preço da droga.
 
As primeiras unidades dos comprimidos de Amoxil (amoxilina, na versão de 875 mg) foram entregues à farmacêutica em junho deste ano. O segundo lote foi entregue no final de outubro. Até agora já foram liberadas 29.206 caixas do antibiótico - o que representa 453.970 comprimidos. O volume total a ser fabricado dependerá da demanda.
 
Cooperação
Segundo o diretor executivo de Farmanguinhos, Hayne Felipe da Silva, a parceria com a GSK é um acordo de cooperação em que os técnicos da Farmanguinhos estão simultaneamente aprendendo a tecnologia de produção de comprimidos revestidos e também prestando serviço para a GSK. "Ao mesmo tempo que aprendemos essa tecnologia, produzimos o medicamento para a GSK vender no mercado privado. É diferente do outro acordo, com Biomanguinhos, que prevê produção de vacina para o Ministério da Saúde distribuir na rede pública", explica Silva.
 
Segundo ele, essa parceria é importante porque demonstra que o instituto tem nível de excelência tecnológica e de qualidade comparado aos laboratórios farmacêuticos reconhecidamente de alto padrão. Além disso, ainda permitirá que Farmanguinhos produza outros medicamentos com esse tipo de revestimento, caso seja necessário. "Tem o lado econômico também. Além de aprendermos, nós recebemos pelo serviço prestado", diz Silva.
 
A unidade de Farmanguinhos tem capacidade para produzir até 900 mil comprimidos por mês para este medicamento. "Essa é uma demanda inicial e a parceria abre perspectivas para a cooperação técnico-científica para o desenvolvimento de outros produtos", afirmou.
 
Para que a iniciativa desse certo, houve transferência de tecnologia, colaboração científica e a capacitação profissional na produção de penicilina. "O objetivo é ampliarmos nossa capacidade produtiva no País, tendo como parceiro um laboratório de referência, com alto nível de expertise técnico e excelência operacional, como Farmanguinhos", afirmou Cesar Rengifo, presidente da GlaxoSmithKline no Brasil.
 
Fonte Estadão

Lei fixa prazo de 60 dias para início do tratamento do câncer

Pacientes com dores terão privilégios no acesso a prescrições e analgésicos
 
BRASÍLIA – O tratamento de pacientes com câncer no Sistema Único de Saúde (SUS) deve começar em um prazo máximo de 60 dias, contados a partir do diagnóstico, de acordo com a 12.732, publicada nesta sexta-feira, 23, no Diário Oficial da União.
 
O projeto foi aprovado em outubro deste ano pelo Senado e tem o apoio do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Para o diretor-geral do órgão, Luiz Antônio Santini, a iniciativa vai melhorar a eficácia da prestação de serviços no tratamento da doença. A lei entra em vigor 180 dias após sua publicação.
 
De acordo com a publicação, o prazo de 60 dias será considerado cumprido quando o tratamento for efetivamente iniciado, seja por meio de cirurgia, radioterapia ou quimioterapia. Em casos mais graves, o prazo poderá ser inferior ao estabelecido.
 
Pacientes acometidos por manifestações dolorosas consequentes de tumores malignos terão tratamento privilegiado no que diz respeito ao acesso a prescrições e a analgésicos opiáceos e correlatos.
 
O texto prevê ainda que a padronização de terapias contra o câncer, cirúrgicas e clínicas, deverá ser revista, republicada e atualizada sempre que se fizer necessário, para que se adeque ao conhecimento científico e à disponibilidade de novos tratamentos.
 
Estados brasileiros que apresentarem grandes espaços territoriais sem serviços especializados em oncologia deverão produzir planos regionais para a instalação desse tipo de unidade. O descumprimento acarretará penalidades administrativas a gestores direta e indiretamente responsáveis.

Fonte Estadão

Mais de 1 milhão trataram câncer de mama sem necessidade nos EUA

Mais de um milhão de mulheres americanas fizeram tratamentos desnecessários e invasivos contra o câncer de mama nos últimos 30 anos, devido às mamografias de rotina que detectaram tumores inofensivos, segundo um estudo publicado esta quinta-feira.
 
Os resultados da pesquisa, publicados na edição desta quinta-feira do New England Journal of Medicine (NEJM), semeiam novas dúvidas sobre a eficácia da mamografia, exame recomendado, mas também fonte de controvérsia. O objetivo da mamografia é detectar os tumores antes que se espalhem e sejam mais difíceis de tratar.
 
"Concluímos que as mamografias detectaram tumores que jamais se desenvolveram até produzir sintomas clínicos em 1,3 milhão de mulhares nos últimos 30 anos", explicaram os autores do estudo, Gilbert Welch, da Faculdade de Medicina de Dartmouth (New Hampshire, nordeste dos Estados Unidos) e Archie Bleyer, da Universidade de Ciências do Oregon (noroeste).
 
Os tratamentos contra o câncer de mama costumam envolver intervenções complexas - como cirurgias, tratamentos radiológicos, terapias hormonais e quimioterapias -, que são preferíveis evitar nos casos em que não forem indispensáveis, destacou o estudo.
 
Os cientistas analisaram dados epidemiológicos para determinar a frequência dos tumores de mama descobertos precocemente e os casos de câncer diagnosticados em estado avançado em mulheres a partir dos 40 anos, entre 1976 e 2008.
 
Depois que o uso da mamografia nos Estados Unidos se sistematizou, o número de casos de câncer de mama detectados na fase inicial dobrou, mas a taxa de mulheres diagnosticadas com câncer avançado diminuiu apenas 8%.
 
Segundo os cientistas, as mamografias não têm conseguido detectar de forma eficaz os cânceres avançados, mas paralelamente conduziram a um diagnóstico excessivo desta doença na fase inicial, correspondente a 31% em 2008, percentual equivalente a 70 mil mulheres.
 
O estudo concluiu que a forte queda da mortalidade por câncer de mama se explica principalmente pela melhora dos tratamentos e não pela detecção precoce dos tumores através de mamografias.
 
Esta pesquisa se soma a outros trabalhos publicados em anos anteriores que questionam a utilidade das mamografias de controle.
 
Fonte R7

Ônibus poderão ter alerta a passageiros para evitar trombose

Comissão de Senado aprovou projeto de lei que estipula o alerta aos passageiros sobre a doença
 
O alerta comum em companhias aéreas poderá ser obrigatório em viagens de ônibus mais longas. A Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS) aprovou na quarta-feira (21) projeto de lei que estipula o alerta aos passageiros sobre medidas a serem adotadas durante a viagem para evitar a trombose venosa profunda — doença causada pela formação de coágulos nas veias.
 
Como foi aprovado em decisão terminativa, se não houver recurso para votação em plenário, poderá seguir para a sanção do Executivo. Na fundamentação do projeto, está registrado que a formação de coágulos pode ocorrer durante ou após a viagem, em razão de o passageiro ficar sentado na mesma posição por muito tempo.
 
O aparecimento do problema está associado a fatores de risco como predisposição familiar, idade avançada, gravidez e consumo de álcool, entre outros. De acordo com o projeto (PLC 121/2010), segundo informou a assessoria do Senado, a orientação aos passageiros deve ser feita antes da viagem, conforme determinam normas internacionais e nacionais de prevenção da trombose venosa profunda.
 
Segundo o projeto, "não colocar bagagem em baixo das poltronas por restringir o movimento das pernas; evitar cruzar as pernas; mudar sempre de posição; beber líquidos e fazer pequenos exercícios durante a viagem" estão entre as recomendações a serem oferecidas aos passageiros.
 
Fonte R7

PF desarticula fraude de R$ 7 mi em remédios

A Polícia Federal deflagrou na quarta-feira (21) a Operação Gangrena em Teresina e Parnaíba, no Piauí, e no Recife (PE), para apurar os desvios de recursos da saúde na compra de medicamentos.
 
A PF apurou que foram desviados R$ 7 milhões em remédios por meio de superfaturamento. Depois da realização do pregão eletrônico n.º 096/2009 para compra de medicamentos, houve um realinhamento de preços, sendo que para alguns remédios o aumento chegou a 300%.
 
A investigação atingiu três administradores na Secretaria Estadual de Saúde do Piauí, entre 2009 e 2011: Assis Carvalho, Telmo Mesquita e Lilian Martins. Foram emitidos 18 mandados de condução coercitiva para prestar esclarecimentos e 30 mandados de busca e apreensão nas três cidades.
 
Como resultado da operação, 18 pessoas ligadas a quatro empresas passaram a responder por formação de quadrilha e desvio de recursos públicos. Outros cinco funcionários em cargo de gerência na Secretaria de Saúde foram exonerados.
 
De acordo com o delegado regional de repressão e combate ao crime organizado da PF, Wellington Santiago, as fraudes nos contratos de licitações do pregão 096/2009 incluem acerto e realinhamento de preços, superestimativa de demanda, não fornecimento de medicamentos, uso de notas fiscais frias e corrupção.
 
Por causa do desvio de R$ 7 milhões, foram pedidos e concedidos pelo juiz federal da 5.ª Vara o bloqueio de contas bancárias e bens de 11 pessoas.
 
Outras sete estão proibidas de deixar o País. Segundo o delegado, as provas foram adquiridas por meio de interceptação telefônica, telemática, sigilo bancário, sigilo fiscal, informações do Coaf, vigilância policial e auditoria realizada pela Controladoria-Geral da União.
 
Todos os envolvidos foram levados à sede do Departamento da PF em Teresina.
 
Os remédios superfaturados vão desde a atenção básica, como colírios e remédios para pressão, até medicamentos especiais.
 
Fonte R7

Zumbido pode provocar perda auditiva

Segundo o Grupo de Informação a pessoas com Zumbido de Curitiba, Brasil, que realizam palestras mensais sobre o problema, nove em cada 10 pacientes com zumbido sofrem perda de audição.
 
Tais lesões, que comprometem as estruturas do ouvido, são irreversíveis e por essa razão devem ser tratadas de forma precoce para evitar sequelas.
 
O zumbido é um sintoma que denuncia algum problema ou patologia auditiva e afeta a saúde de modo geral, como alterações metabólicas e problemas cardiovasculares.
 
O transtorno costuma ser mais comum em pessoas idosas, mas pode surgir em qualquer fase da vida. Aparelhos são indicados para pessoas que sofrem de perda de audição e zumbido, porque quebram o silêncio e preenchem os ouvidos com som, ocupando a atenção do cérebro.
 
Outra queixa comuns dos portadores do problema é a hipersensibilidade aos sons.
 
A sensibilidade é resultado de lesões na cóclea, estrutura interna do ouvido ou das vias auditivas, que também podem favorecer o aparecimento do zumbido.
 
Nestes casos não é aconselhável evitar o silêncio, pois, sem barulho, as vias auditivas ficam destreinadas, o que agrava o problema.
 
O correto a fazer é procurar tratamento o quanto antes.
 
Fonte R7

Coregasmo: o exercício que leva a mulher ao orgasmo

Estudo sugere que a sensação de prazer proporcionada pelo orgasmo não é necessariamente reflexo de relação sexual
 
Pesquisadores da Universidade de Indiana realizaram o primeiro estudo sobre o tema e revelaram que exercícios, mesmo quando praticados sem relação sexual ou fantasias, pode levar a mulher ao orgasmo.
 
O estudo sugere que a sensação de prazer proporcionada pelo orgasmo não é necessariamente um evento sexual. As descobertas, publicadas numa edição especial da "Sexual and Relationship Therapy", conceituada publicação na área de terapia e saúde sexual, embora esteja sendo tratada como novidade pela ciência, já vem sendo debatida pela mídia com o termo de coregasmo.
 
O termo deriva da associação aos exercícios que visam os músculos core, 29 pares que incluem os oblíquos (interno e externo), o transverso do abdômen, os glúteos, o quadrado lombar e os assoalho pélvico.
 
Os abdominais, a escalada em paredes adaptadas ou cordas, o spinning e o levantamento de peso foram os exercícios mais comumente associados ao orgasmo induzido pela atividade física.
 
Os resultados foram baseados em pesquisas on-line feitas com 124 mulheres na faixa etária entre 18 e 63 anos que revelaram terem chegado ao orgasmo induzido pelo exercício (EIO, na sigla em inglês) e 246 que tiveram orgasmo em decorrência de relação sexual (EISP).
 
A maioria das participantes estava mantendo um relacionamento ou era casada, e 69% se declararam heterossexuais. Serão necessários mais estudos para poder detectar os mecanismos que desencadeiam o orgasmo induzido pelo exercício, como também o que resulta da relação sexual. E se eles podem melhorar o desempenho sexual feminino.
 
Fonte R7

Gripe suína volta a fazer vítimas no País

Apesar do avanço da doença, a posição oficial do Ministério da Saúde é que não há epidemia
 
O Brasil registrou recentemente um aumento de mortes provocadas pelo vírus influenza H1N1. Tantas mortes, mais de 80, não aconteciam desde da pandemia ocorrida em 2009, quando foram registradas 2.060 mortes.
 
Apesar do avanço da doença, a posição oficial do Ministério da Saúde é que não há epidemia. A instituição não aponta motivo definido para o crescimento dos óbitos, garantindo que o risco de uma nova pandemia é pequeno.
 
A Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde mantém equipes monitorando os casos de gripe e analisando a situação da transmissão do vírus. Uma dessas equipes está desde 14 de junho em Santa Catarina, onde há o maior número de casos. Além disso, de acordo com o ministério, na última semana foram enviadas para o Sul e para São Paulo 51.190 caixas de Tamiflu (medicamento utilizado no combate ao Influenza H1N1).
 
Neste ano de 2012, durante campanha nacional de vacinação realizada contra doença, os grupos considerados de risco idosos, crianças menores de 2 anos, grávidas e povos indígenas foram imunizados gratuitamente nos postos de saúde.
 
Quem não se vacinou pode procurar se imunizar através do sistema de saúde privado. As vacinas custam em média R$ 60.
 
Além da vacina, pode-se prevenir o contágio com medidas simples: lavar as mãos com água e sabão ou álcool em gel; evitar levar à mão à boca na hora de tossir ou espirrar (use lenços de papel descartáveis) e evitar locais com grande aglomeração de pessoas.
 
Fonte R7

Ministro diz que sucesso no controle da aids trouxe desafios para o tratamento dos pacientes

São Paulo – O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse ontem (22), na capital paulista, que o desafio dos trabalhadores da saúde que lidam com pessoas com HIV/aids é atuar em novas situações que aparecem graças à maior sobrevida desses pacientes. Entre os problemas estão os efeitos colaterais causados pelos medicamentos, doenças oportunistas que podem surgir e o envelhecimento precoce.
 
“Esse é o primeiro desafio para o futuro. É preciso ter novos consensos voltados para hábitos de vida saudável, envelhecimento ativo e esforço para manter a qualidade de vida do paciente com HIV”, defendeu o ministro, em palestra no debate Aids: As Missões para o Futuro, organizado pelo Instituto Emílio Ribas. O evento antecipa a celebração do Dia Mundial de Luta contra a Aids no Brasil, em 1º de dezembro.
 
Segundo o ministro, é preciso chamar a atenção dos profissionais de saúde, gestores e de outros setores fundamentais para o enfrentamento da doença para o fato de que a taxa de mortalidade por Aids se reduz ano a ano. “Isso significa que teremos que ter um serviço de saúde que cuidará por muito mais tempo das pessoas que vivem com o HIV e recebem o tratamento. Isso significa uma reformulação de vários desses serviços”.
 
Padilha destacou ainda que o diagnóstico precoce do HIV passou de 32% para 37% em seis anos, o que quer dizer que o tratamento está sendo iniciado mais cedo, garantindo melhor qualidade de vida e reduzindo a transmissão. “Um dado inédito no mundo inteiro foi divulgado essa semana no Brasil: 70% dos pacientes que começam a receber o tratamento para o vírus no Brasil têm a carga viral negativada em seis meses, ou seja, não está detectável no sangue da pessoa”.
 
Um outro foco destacado pelo ministro é a detecção do vírus em mulheres grávidas, que passou de 64% para 84%. De acordo com ele, é fundamental que o exame seja solicitado durante o pré-natal, para que o objetivo do governo de chegar a 100% seja atingido. “Para isso, queremos chamar a atenção dos profissionais que fazem o pré-natal para que sempre peçam o exame. O Ministério da Saúde está distribuindo o teste rápido por meio da Rede Cegonha, nas unidades de saúde nos bairros, para ficar mais fácil a realização do teste”.
 
Padilha chamou a atenção ainda para o dado de que metade das pessoas infectadas com o vírus é de jovens de sexo masculino que têm relação sexual com outros homens. Na avaliação do ministério, esse número está alto porque não tiveram as mesmas referências das gerações do período em que a doença foi descoberta.
 
“Essa nova geração não viveu o enfrentamento inicial da luta contra a aids, não teve ídolos e referências que naquele momento enfrentaram a aids. Hoje eles têm a informação de como se prevenir, mas não tem a atitude da prevenção”.
 
Ainda em São Paulo, o ministro participou de ação do Fique Sabendo, campanha que será feita entre 22 de novembro e 1º de dezembro em todo o país. O programa incentiva as pessoas que praticaram sexo inseguro ou tiveram algum comportamento de risco a fazerem o teste para descobrir o quanto antes se estão infectadas com doenças sexualmente transmissíveis.
 
A ação prevê a oferta de testes para sífilis, HIV e hepatites B e C. Em São Paulo, serão oferecidos 150 mil exames, dos quais 30 mil testes rápidos anti-HIV. “Apenas com um furinho, em 20 minutos já se sabe se está infectado ou não por essas doenças. Faremos essa mobilização por todo país em locais de concentração de jovens de circulação de pessoas, além das unidades de saúde, para despertar a atitude da prevenção”, falou Padilha.
 
Fonte Agência Brasil

Governo fluminense vai ter que melhorar tratamento de saúde para presos com tuberculose

Rio de Janeiro – O governo fluminense vai ter que providenciar tratamento adequado aos presos com tuberculose do sistema prisional do estado. A decisão é do juízo da 5ª Vara de Fazenda Pública, ao acatar ação do Ministério Público (MP) Estadual.
 
O Justiça informou, em liminar, que são “absolutamente procedentes as preocupações e postulações feitas pelo MP, enriquecido que foi pela Constituição Federal de atribuições na defesa dos mais fracos”. Na liminar consta ainda que o MP é a instituição que “vela, zela e exige que o Estado garanta aos condenados o direito à saúde prevista na Constituição”.
 
A promotoria ajuizou uma ação civil pública, fundamentada em apurações de inquérito civil, que constataram queda nas taxas de diagnóstico da doença, cura e oferta de consultas e exames desde 2010; aumento nas taxas de mortalidade nos presídios; falta de recursos humanos, assistência farmacêutica e transporte sanitário.
 
Fonte Agência Brasil

Cafeína ajuda a fortalecer músculos na terceira idade

Cafeína ajuda a manter a força muscular e consequentemente
colabora na prevenção de quedas, comuns nessa etapa da vida
Café e refrigerante ajudam a manter a força muscular, prevenindo quedas
 
Uma boa notícia para idosos que são amantes de café e refrigerantes. As duas bebidas são benéficas para a terceira idade, pois ajudam a manter a força muscular e consequentemente colaboram na prevenção de quedas que são comuns nessa etapa da vida.
 
Tudo graças à cafeína, encontrada tanto no café quanto no refrigerante, que ajuda os músculos a produzir força. O estudo que detectou esse benefício proporcionado foi realizado pela Coventry University, no Reino Unido.
 
Os pesquisadores isolaram músculos de camundongos em diferentes faixas de idade, desde jovens a idosos. Dois músculos que podem ser controlados voluntariamente foram estudados: o diafragma, usado na respiração; e um músculo da perna chamado extensor digitorum longus (EDL), usado na locomoção. Ambos tiveram melhor performance após o uso da cafeína.
 
Como em estudos anteriores apontaram que o excesso de cafeína poderia dificultar a absorção de cálcio no organismo, nutriente vital para a sustentação dos ossos, as conclusões desse novo estudo serão apresentadas na Society for Experimental Biology este mês.
 
Fonte R7

Homem dá início a procedimentos para se livrar de verruga gigante peluda

O chinês Zhang Hongming sofre de uma rara condição genética conhecida como nevos pigmentares gigantes
 
Um homem cujo corpo é parcialmente coberto com uma verruga gigante deu início a uma série de procedimento para ter sua marca de nascença removida.
 
Zhang Hongming, de Chongqing, na China, sofre de uma rara condição genética conhecida como nevos pigmentares gigantes.
 
Ele nasceu com a verruga negra que parece uma mancha, mas nunca tentou nenhum tratamento devido à má condição financeira de sua família, contou:
 
— É um pesadelo para mim desde que nasci.
 
Segundo o site do jornal The Sun, quando tinha 8 anos, a enorme verruga começou a ficar peluda.
 
Hoje, no entanto, há esperança para Zhang, depois de o Hospital de Cirurgia Plástica Hua Mei anunciar que lhe fornecerá tratamento gratuito.
 
A previsão é que Zhang passe por um total de seis procedimentos cirúrgicos até conseguir remover por completo a verruga gigante.
 
Fonte R7

Chinês com os pés gigantes espera voltar a andar após tratamento inovador

Xiao nasceu com neurofibromatose congênita, doença que causa crescimento anormal do tecido nervoso
 
Xiao Meng, de 14 anos, que mora na China, possui uma doença que fez seus pés ficarem gigantes. Mas, com tratamento inovador, ele tem esperança de conseguir andar novamente.
 
O adolescente nasceu com neurofibromatose congênita, condição na qual há múltiplos crescimentos anormais do tecido nervoso afetando — no caso de Xiao — os pés.
 
O Hospital Infantil de Xangai se comprometeu a dar ao adolescente atendimento gratuito, depois de uma campanha lançada por professores de sua escola, segundo o site Daily Mail.
 
Na cirurgia, os médicos cortarão o excesso de pele de seus pés. Depois, quando se completarem seis meses desde a cirurgia, Xiao irá aprender a andar novamente enquanto se recupera.
 
Segundo o médico Tang Yujin, o procedimento de cura para essa doença é estável e os pés do adolescente poderão ter um tamanho normal.
 
Fonte R7

Homens: idade pode não ser única causa da queda de testosterona

Em forma: apesar da idade, homens saudáveis não apresentaram
declínio na produção de testosterona, mostrou estudo
Declínio da produção deste hormônio estaria mais relacionado à deterioração da saúde do que ao tempo de vida, sugere pesquisador
 
Um novo estudo sugere que a queda na produção de testosterona em homens não está necessariamente relacionada à idade, mas pode ocorrer com mais frequência entre homens cuja saúde geral está em declínio.
 
Em oposição a pesquisas anteriores que indicavam que a deficiência de testosterona relacionada à idade contribui para o declínio na saúde, o aumento de fadiga e a perda de libido, pesquisadores australianos constataram que a quantidade de testosterona no sangue não diminuiu em homens mais velhos em bom estado de saúde.
 
Os dados fazem parte da pesquisa americana Healthy Man Study e foram apresentados  durante o encontro anual da Sociedade Americana de Endocrinologia, em Boston (EUA).
 
“Nossa interpretação é de que a idade em si não reduz a taxa de testosterona no sangue. Mas, o acúmulo de distúrbios provenientes da idade – alguns que podem ser prevenidos e outros não, alguns de origem genética e outros ambientais – acabam tendo um impacto, mesmo que bastante modesto”, disse David Handelsman, professor de endocrinologia reprodutiva da Universidade de Sidney e autor do estudo.
 
“Com isso, cairiam por terra os tratamentos de reposição de testosterona, amplamente adotados em virtude de uma provável queda na produção do hormônio proveniente da idade. Mas, é claro que poderíamos estar errados”, complementou Handelsman, que também dirige o Instituto de Pesquisa ANZAC, da própria universidade.
 
Em um período de três meses, a equipe comandada por Handelsman colheu amostras de sangue por nove vezes de 325 homens com mais de 40 anos que se diziam em excelente estado de saúde. Homens que tomavam qualquer medicamento que afetasse a produção de testosterona foram excluídos da pesquisa. Enquanto que a idade não apresentou efeitos sobre a concentração de testosterona, os cientistas observaram uma relação entre a obesidade e um pequeno declínio do hormônio.

Ronald Swerdloff, chefe da divisão de endocrinologia do Harbor-UCLA Medical Center, de Los Angeles, ressaltou que outros estudos já haviam documentado uma queda maior de testosterona entre homens mais velhos, referindo-se à pesquisa de Handelsman como “uma peça de um quebra-cabeça”.
 
“Muitas pessoas concordam que doenças crônicas têm efeitos adversos sobre os níveis de testosterona na circulação, então isto não é nenhuma surpresa. Mas, existem reduções que parecem ser independentes de condições co-mórbidas. A questão é: com a idade, vem uma queda nos níveis de testosterona. Mas, o nível da queda é diferente de um estudo para outro, por isso tal variação poderia ser proveniente de diversos fatores”.
 
Swerdloff diz que ele não apoia empresas que tentam lucrar com os temores de homens mais velhos em relação à queda de testosterona ao vender suplementos e vitaminas que supostamente compensam a queda.
 
“Teoricamente, eles estão explorando a população e tirando vantagem de uma condição que pode até ser real, mas não é universal, visando o ganho financeiro”, disse ele.
 
Como o estudo será apresentado em um encontro médico, seus dados e conclusões devem ser considerados preliminares até serem publicados em um periódico revisado por profissionais da área.
 
Fonte iG

Testosterona alta não é sinal de virilidade ou potência sexual

Índices de testosterona não sinalizam virilidade
Taxa do hormônio deve estar adequada ao padrão. Índices acima ou abaixo podem indicar problemas
 
Recentemente, o cantor sertanejo Zezé di Camargo fez questão de tornar público os resultados de seus exames de saúde. Ao comentar os índices de testosterona, afirmou que estavam “ iguais ao de um menino de 18 anos.”
 
Homens, antes de correr para o consultório dos especialistas para checar a quantas andam as taxas desse hormônio, é bom saber que, apesar de estarem ligados ao desejo sexual (a libido), os níveis de testosterona não estão relacionados à virilidade ou potência.
 
“A qualidade sexual é individual. Há homens com níveis de testosterona mais altos e com problemas sexuais como ejaculação precoce e disfunção erétil”, afirma Alexandre Hohl, presidente do departamento de endocrinologia feminina e andrologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem).
 
“Não existe nenhuma referência científica entre testosterona e desempenho sexual. É comum os homens fazerem confusão entre libido e potência”, explica o endocrinologista Cyro Guimarães Junior.
 
Os valores normais da testosterona total na corrente sanguínea para o homem adulto variam de 241 a 827 ng/dL. Na adolescência, esse número tende a ser maior e no idoso menor. Mas nem todos apresentam redução.
 
“Não é uma regra, como a menopausa”, diz Guimarães Junior.
 
Estudos mostram que a testosterona começa a cair fisiologicamente a partir dos 40 anos de idade, na taxa de 1,2% ao ano. No entanto, esse ritmo pode ser intensificado se o homem apresentar obesidade, diabetes, sedentarismo ou usar drogas. Apenas uma parcela dos homens apresentará sintomas e necessitará tratamento, principalmente após os 50 e 60 anos de idade.
 
“De uma maneira geral, homens adultos com sintomas como queda de libido, perda de massa muscular, fraqueza, cansaço, osteopenia ou osteoporose, irritabilidade e testosterona total abaixo de 300 ng/dL devem ser avaliados por um médico especialista para possível tratamento”, explicita Alexandre.
 
É claro que valores acima do normal também podem trazer prejuízos à saúde e ao bem-estar do homem. Segundo o endocrinologista, isso só ocorre quando são usados esteroides anabolizantes derivados da testosterona para ganho de massa muscular, algo comumente visto em academias de musculação e entre atletas de algumas modalidades como fisiculturismo. Nestes casos, os riscos estão relacionados ao uso dessas substâncias de maneira inadequada (riscos para o fígado e o coração), completa o médico.
 
A testosterona é responsável pela manutenção das características masculinas, influenciando diretamente a função sexual, humor, sono, força física, disposição, ossos e qualidade de vida.
 
Fonte iG