Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


domingo, 4 de novembro de 2012

Ferramenta distingue células cancerosas mais propensas a metástase

Imagem mostra aparelho em funcionamento. Dispositivo separa as células cancerosas rígidas, que são menos propensas a desenvolver tumores, de células flexíveis, que são mais propensas a metástas
Foto: Weijia Zhang/Matthew Landry/The Methodist Hospital
Dispositivo separa as células cancerosas rígidas, que são menos
propensas a desenvolver tumores, de células flexíveis,
que são mais propensas a metástases
Aparelho oferece método mais rápido e confiável de identificar células com maior potencial tumoral a partir de biópsias
 
Uma nova ferramenta desenvolvida por cientistas do The Methodist Hospital, nos EUA, permite separar células causadoras de tumor de células mais benignas.
 
O aparelho separa as células cancerosas rígidas, que são menos propensas a desenvolver tumores, das células flexíveis, que são mais propensas a metástase.
 
A equipe trabalhou com pesquisadores da Universidade do Texas para testar o dispositivo em diferentes tipos de células cancerosas.
 
Os resultados confirmaram a hipótese de que a flexibilidade da célula indica um maior potencial para formação de tumores. A maioria das células normais contém um citoesqueleto desenvolvido, ou seja, uma rede de proteínas pequenas, mas fortes, em forma de bastonete que dão forma e estrutura às células. No momento da divisão, as células cancerosas podem se desviar do curso normal e não desenvolver um citoesqueleto, permitindo uma maior flexibilidade.
 
"Nós criamos muitos caminhos para as células ultrapassarem as barreiras. A taxa de transferência do aparelho é de milhões de células. Quando um bloco de celas rígidas bloqueia um ponto da barreira em particular, muitos outros irão permitir que as células flexíveis passem", explica o pesquisador Lidong Qin.
 
As células-tronco cancerosas são conhecidas por serem mais flexíveis que outras células cancerosas. A equipe de cientistas mostrou que as células flexíveis separadas pelo dispositivo exibiram padrões genéticos consistentes com células-tronco cancerosas.
 
"Trabalhos anteriores mostraram que presença de células-tronco do câncer significa um pior prognóstico para os pacientes. No entanto, elas não são tipicamente quantificadas pelos médicos", observa a coautora Jenny Chang.
 
A análise posterior da equipe mostrou que as células flexíveis foram menos propensas a expressar genes do citoesqueleto e mais propensas a expressar os genes de mobilidade que podem contribuir para a metástase.
 
Através de testes para a presença de células metastáticas, o médico pode ser capaz de determinar se o tratamento do câncer foi bem sucedido, ou a probabilidade da doença se espalhar.
 
Segundo os pesquisadores, até agora, não houve uma maneira rápida e confiável de separar e identificar as células com maior potencial tumoral a partir de uma biópsia.
 
As células separadas pelo dispositivo Mechanical Separation Chip, or MS-Chip podem ser facilmente recolhidas e estudadas. O padrão atual para a separação de células, citometria de fluxo, é relativamente lento e depende de biomarcadores da superfície celular.
 
"Nossa separação microfluídica de células via MS-Chip fornece um método de alto rendimento que pode particularmente ordenar células por diferentes níveis de rigidez, o que abre um novo caminho para estudar a biologia celular e molecular", afirma Qin.
 
Fonte isaude.net

Injeção de células-tronco reestabelece fertilidade masculina após quimioterapia

Pesquisa realizada com macacos revela que células previamente congeladas restauraram produção de esperma que originaram embriões
 
A injeção de células-tronco produtoras de espermatozoides é capaz de restaurar a fertilidade de homens que se tornam estéreis devido aos efeitos colaterais do tratamento do câncer, de acordo com pesquisadores da Universidade de Pittsburgh, nos EUA.
 
A pesquisa, realizada com macacos, revela que células-tronco previamente congeladas restauraram a produção de esperma que fertilizaram os ovos com sucesso para a produção de embriões.
 
Alguns medicamentos contra o câncer funcionam destruindo as células que se dividem rapidamente. Como não é possível discriminar entre as células cancerígenas e outras células que se dividem rapidamente no corpo, as células precursoras envolvidas na formação de esperma podem ser eliminadas deixando o paciente infértil.
 
"Os homens podem recorrer a um banco de esperma antes que recebam o tratamento do câncer, se eles desejam ter filhos biológicos mais tarde na vida. Mas isso não é uma opção para jovens que não passaram pela puberdade, não podemos recolher uma amostra de esperma", afirma o pesquisador sênior Kyle Orwig.
 
No entanto, mesmo meninos muito jovens têm células-tronco em seu tecido testicular que estão prestes a começar a produzir esperma durante a puberdade.
 
Para avaliar se era possível restaurar a fertilidade usando estas células, Orwig e sua equipe retiraram amostras de células-tronco de macacos e as guardaram em um freezer.
 
Os macacos foram então tratados com agentes de quimioterapia conhecidos por alterar a fertilidade.
 
Poucos meses após o tratamento de quimioterapia, a equipe reintroduziu as células-tronco nos testículos de cada macaco.
 
Os resultados mostraram que a produção de espermatozoides foi estabelecida a partir das células transplantadas em nove dos 12 animais adultos e três dos cinco animais pré-puberdade depois que atingiram a maturidade.
 
"O estudo demonstra que as células-tronco de esperma derivada de primatas podem ser congeladas e descongeladas sem perder sua atividade, e que elas podem ser transplantadas para a produção de esperma funcional que é capaz de fertilizar ovos e originar embriões", destaca Orwig.
 
Apesar dos resultados, os pesquisadores afirmam que muitas perguntas ainda precisam ser respondidas para que a técnica possa ser aplicada com sucesso e segurança em pacientes humanos.
 
Fonte isaude.net

Sexo e seus benefícios para a saúde

Muito se ouve falar de sexo, e ao contrário do que se pensa o prazer não é o único benefício de uma relação sexual amorosa, saiba que vai muito mais além disso. Ele lhe oferece muitas coisas positivas principalmente a saúde. Caso tenha interesse em conhecer melhor todos os benefícios do sexo, selecionamos tudo o que precisa saber sobre esse assunto, sem dúvida você irá se surpreender confira:
 
Previne a osteoporose
Ele ajuda a fortalece os ossos, isso acontece por conta do aumento do nível de estrogênios no organismo da mulher e de testosterona no caso dos homens.
 
Alivia as dores
Essa é uma característica que muitos já ouviram, e é a mais pura verdade, o sexo é capaz de aliviar dores de cabeça, reumáticas, menstruais. Durante a excitação e o orgasmo, o cérebro recebe grande quantidade de endorgina cujo efeito analgésico e tranqüilizante fazendo com que a dor possa desaparecer rapidamente.
 
Atividade renal
Ocorre o aumento da circulação sanguínea os rins passam a trabalham mais, o que ajuda a eliminar de maneira mais eficiente o depósito de toxinas. O indicado é que após o sexo procure ingerir grande quantidade de água que isso acabará complementando o trabalho de purificação dos rins.
 
Auxilia no fortalecimento da musculatura pélvica
Muitos não sabem, mas essa é uma área que precisa de exercício, uma vez que o seu enfraquecimento aumenta o processo de queda da bexiga. O benefício para essa região é que durante o orgasmo provoca entre cinco a doze contracções da musculatura que envolve o órgão sexual.
 
Reforça o sistema imunitário
Segundo estudos realizados pro alguns cientistas, foi comprovado que o humor e a imunidade andam juntos, isto é, pessoas que sempre estão mal-humoradas e que sofrem de depressão acabam refletindo seus sentimentos no sistema imunológico. Então, se as experiências sexuais agradáveis podem ajudar a melhorar o humor, isso também irá refletir positivamente no sistema de defesa do organismo. Para concluir o pensamento, é possível afirmar que o sexo solidifica as defesas do organismo contra determinadas doenças.
 
Ajuda a dormir
O orgasmo oferece a pessoa um estado de relaxante a nível psicofísico. Quando isso acontece na fase orgástica se extingue a tensão e a ansiedade, que é a grande responsáveis pelo endurecimento da musculatura do corpo e pela insônia, o que acaba fazendo com que o sono chegue mais depressa e tenha uma ótima noite.
 
Liberta tensão
Você já deve ter ouvido falar que as endorfinas liberada durante o sexo aumentam a sensação de prazer durante e depois do mesmo, assim seu corpo irá relaxar completamente.
 
Efeito anti-stress
Faz com que haja uma “pausa” entre a ansiedade dos períodos de pressão pessoal e profissional, fazendo com que o stress fique longe.
 
Aumenta as capacidades mentais
A liberação de DHEA, que é produzida pela excitação sexual, faz com que possa ter maior capacidade cognitiva e de percepção. O melhor de tudo é que fará você se sentir bem e lhe ajudar muito na hora de tomar decisões.
 
A pele fica mais bonita
Qual a pessoa que não sonha ter uma pele bonita? Acredito que todas, então, saiba que o sexo, como qualquer exercício, faz o corpo gerar calor, ocorrendo uma intensa vasodilatação da epiderme, isto é, as veias aumentam, o corpo passa a receber mais sangue e as células da pele são renovadas com mais oxigênio e nutrientes. O resultado é uma pele mais bonita e tonificada.
 
Como você pode notar logo acima, o sexo é capaz de fazer grande milagres, mas não se esqueça de praticar o sexo com segurança, use sempre preservativo nas relações sexuais.
 
Fonte mundoindica.com.br

Pesquisadores descobrem vínculo entre duas proteínas que permitem o funcionamento do aprendizado e memória

memoria 300x168 Pesquisadores descobrem vínculo entre duas proteínas que permitem o funcionamento do aprendizado e memóriaPesquisadores da Georgia Health Sciences University, EUA, descobriram vínculo único entre duas proteínas que permite o funcionamento correto dos sistemas de aprendizado e memória no cérebro.

Tal pesquisa revela que a ligação entre as proteínas possibilita que os receptores cerebrais essenciais para as duas ações fiquem onde são necessários, porém também possam ser removidos quando não são mais utilizados.
 
Receptores NMDA promovem um aumento da atividade e comunicação das células do cérebro e estão estrategicamente colocados na extremidade receptora da via de comunicação. Eles também se apresentam como alvos de doenças degenerativas cerebrais, como Alzheimer e Parkinson.
 
Agora, a equipe descobriu que a proteína de suporte, SAP102, que ajuda a estabilizar o receptor na superfície da célula, se liga a uma subunidade do receptor NMDA chamada GluN2B em dois locais. “Um local de ligação é envolvido em estabilizar o receptor na superfície da célula e o outro é importante na remoção desse receptor. Acreditamos que este é um papel duplo, nunca pensamos que a mesma proteína de suporte teria duas funções”, explica Bo-Shiun Chen, líder da pesquisa.
 
Receptores NMDA contendo GluN2B permanecem abertos para receber informações por um longo período de tempo, tornando possível o tipo de comunicação que permite a aprendizagem e a memória. O número destes receptores naturalmente diminui com a idade, o que pode ser uma razão para que as pessoas jovens aprendam mais facilmente. Quando é hora de remover um receptor, o fósforo é adicionado a GluN2B, alterando sua função para que ele não se ligue à proteína de suporte.
 
A equipe aponta que por meio da compreensão da rotatividade normal desses receptores eles podem aprender mais sobre como prevenir a perda anormal de receptor que ocorre em algumas doenças como o Alzheimer.
 
No Parkinson, os receptores inexplicavelmente se afastam da via onde as sinapses se ligam aos neurônios, tornando-as menos eficazes. Receptores NMDA se aglomeram onde a sinapse se liga ao neurônio receptor.
 
A proteína SAP102, da família de proteínas MAGUK, é o único membro conhecido pela contribuição direta para doenças, já que sua mutação causa deficiência mental. Embora todas as células tenham um sistema para gerir o número de receptores na sua superfície, na doença de Alzheimer este processo de remoção parece acelerado, com menos comunicação neuronal para neurônios.
 
Fonte Corposaun

Fábrica de polímeros impulsiona a nanotecnologia do Estado do Rio

Rio - Curiosamente, um dos ramos da ciência que ganha mais importância cada vez maior se debruça sobre estruturas um milhão de vezes menor do que a cabeça de um alfinete. Estudos associados à nanotecnologia rendeu prêmios Nobel da Física por pesquisas associadas à novos materiais que permitiram eletrônicos menores e mais eficientes.
 
As pesquisas com átomos e as chamadas nanoestruturas também podem ser benéficas à saúde. Pesquisas nesse sentido aqui no Rio ganharam um impulso semana passada, com a inauguração da primeira fábrica de nanopolímeros do Brasil para aplicação nas áreas médica, biotecnológica e farmacêutica, pela pós-graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ).
 
O projeto conta com a parceria da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com recursos de R$ 11 milhões por parte do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Financiadora de Estudos e Projetos.
 
As primeiras cápsulas produzidas na instalação — feitas de um tipo de “plástico” que não faz mal ao ser absorvido pelo corpo humano — levarão o medicamento Praziquantel que trata a esquistossomose, doença no Brasil aflige 8 milhões de pessoas. Cada cápsula é mil vezes menor que um fio de cabelo.
 
O chamado nanoencapsulamento do Praziquantel será muito útil no tratamento das crianças, pois mascara o sabor ruim do remédio e facilita a ingestão. Segundo o professor de engenharia química da Coppe e coordenador dos laboratórios e da fábrica, José Carlos Pinto, no futuro, a fábrica vai ajudar também outras instituições de ensino além da UFRJ.
 
Fonte O Dia

Brasil lidera investimentos em pesquisa farmacêutica na América Latina

Brasília - O Brasil lidera a pesquisa biofarmacêutica na América Latina, com investimentos nos últimos anos que permitiram ao país ser sede de importantes testes clínicos e levaram a um aumento significativo de publicações e patentes.
 
Os dados fazem parte de um relatório produzido pela empresa de consultoria Charles River Associates (CRA) a pedido da International Federation of Pharmaceutical Manufacturers & Associations (IFPMA), que nesta quarta-feira iniciou em Genebra sua 26ª assembleia bienal.
 
O estudo analisa as políticas, o entorno e a prioridade dada à inovação biofarmacêutica em oito países de renda média: Brasil, China, Colômbia, Coreia do Sul, Índia, Malásia, Rússia e África do Sul.
 
O relatório destaca como principais fatores de êxito uma legislação adequada e a coordenação entre o Estado e a indústria, além da adequada proteção da propriedade intelectual. Apesar de os centros de pesquisa e desenvolvimento farmacêuticos seguirem majoritariamente concentrados nos países em desenvolvimento, estes estão se deslocando lentamente para nações de renda média.
 
A China já acolhe 12 centros deste tipo e é seguida pela Índia, com três. Apesar de o Brasil ter apenas um, conseguiu liderar junto à China o número de testes clínicos realizados nos países de renda média (15% do total).
 
O relatório indica que a infraestrutura médica, a população e a necessidade de abastecer o mercado local são alguns dos aspectos que explicam o rápido aumento dos testes clínicos na China e no Brasil.

De fato, estes dois países tiveram um crescimento de três dígitos em suas publicações científicas entre 2000 e 2010. O estudo avalia os países com relação a sete aspectos que aumentam sua capacidade de promover a inovação, e dá ao Brasil uma pontuação média de 3, em uma escala com máximo de 5.
 
O Brasil se destaca pelo número de publicações, que é considerado "bom", enquanto a pior nota corresponde à criação de novos remédios, definida como "pobre".

Fonte O Dia

Estudo garante que dois copos de cerveja por dia melhoram saúde da mulher

Rio - Você, mulher, que gosta de degustar sua cervejinha moderadamente, mas sempre esteve preocupada com os impactos dela em sua saúde, pode abrir mais uma latinha. É o que recomendam estudos científicos apresentados no IV Simpósio Internacional de Cerveja, em Madri, na Espanha. Segundo uma das teses, dois copos ao dia geram vários benefícios na saúde feminina, ao longo de várias fases da vida.
 
De acordo com o médico Tirso Perez, chefe de ginecologia do Hospital Puerta de Hierro, a bebida tem efeito antioxidante e anti-inflamatório na fase adulta, auxilia na reposição do hormônio estrogênio, de minerais e de vitaminas durante a menopausa e a reduzir os riscos de hipertensão na terceira idade.

O mesmo especialista defendeu que a cerveja sem álcool faz bem à saúde das gestantes, também pela ação antioxidante durante a amamentação. E por conter ácido fólico, um nutriente que evita a má formação do tubo neural do embrião.

Durante o mesmo congresso na capital espanhola, outros estudos mais polêmicos foram apresentados. Levantamento de Lina Badimón, diretora da cadeira de pesquisas cardiovasculares da Universidade Autônoma de Barcelona, indicou que o consumo moderado das “louras geladas” podem reduzir a cicatriz no coração provocada por um infarto agudo do miocárdio em homens e mulheres.

Já Manuel Díaz Curiel, presidente da Fundação Hispana de Osteoporose e Enfermidades Metabólicas Ósseas, acredita que exista relação entre o consumo de cerveja e a saúde óssea. “A literatura médica tem vários estudos que comprovam a relação, por causa da ação de componentes da bebida”, afirmou.
 
Fonte O Dia

Grande maioria dos cemitérios públicos do país têm problemas ambientais e sanitários

Especialista conta que problemas começam na superfície dos locais com proliferação de animais portadores de doenças e continuam no subsolo com contaminação do lençol freático
 
Brasília - Pouco mais de sete em cada dez cemitérios públicos brasileiros têm problemas de ordem ambiental e sanitária, de acordo com estudo do geólogo e mestre em engenharia sanitária Lezíro Marques Silva. O levantamento, concluído em 2011, reuniu dados de mais de mil cemitérios do país, entre públicos e privados. O pesquisador, que é professor da Universidade São Judas, explica que os problemas começam na superfície com a proliferação de animais vetores de doenças e continuam no subsolo com a contaminação do lençol freático.
 
“Se o necrochorume escapa do túmulo, ele pode entrar em contato com o lençol freático, criando uma mancha de poluição que atinge quilômetros de distância a ponto de contaminar poços e rios”, explica o geólogo.
 
O necrochorume é um líquido formado durante a decomposição de cadáveres enterrados, similar ao gerado pelos resíduos sólidos em aterros sanitários. “Ele é rico em substâncias tóxicas como putrecina, cadaverina e alguns metais pesados”, explica.
 
Lezíro Marques informou ainda que a contaminação do lençol freático ocorre em quase a totalidade dos cemitérios públicos com problemas ambientais e sanitários. Ele destaca que a saturação desses equipamentos públicos agravam ainda mais os prejuízos provocados por essas condições. “Com o esgotamento da capacidade de sepultamento, o que sobra são terrenos do ponto de vista geológico inadequados, como lençol freático raso, área de várzea e morro”, critica.
 
O professor Walter Malagutti, do Departamento de Geologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), que também desenvolve pesquisa na área, explica que não havia a preocupação de observar os critérios geológicos para construção de cemitérios. “Pode ocorrer de alguns terem sido implantados em locais inadequados. Muitos estão em áreas nobres, como as regiões centrais.”
 
Ele avalia que o ideal seria considerar os mesmos critérios dos aterros sanitários, como lençol freático mais profundo possível, rocha impermeável e distância dos centros urbanos, para construção de cemitérios.
 
Walter Malagutti explica ainda que os cemitérios são fontes renováveis de contaminação, pois, diferentemente dos aterros, eles não costumam ser desativados. “Pela legislação brasileira, depois de 5 anos a 7 anos, quando ficam só ossos, eles são removidos e colocados outro corpo no local”, relata. Segundo o professor da Unesp, um diagnóstico ambiental dos locais de enterro já existentes e a observação de critérios geológicos para a implantação de novos cemitérios são algumas medidas para amenizar a situação.
 
Já a pesquisa desenvolvida por Lezíro Marques resultou no desenvolvimento de substâncias capazes de neutralizar o necrochorume, reduzindo o nível de contaminação. “A grande meta é não permitir que o líquido extravase”, destacou. Para tanto, foi criada uma espécie de colchão a ser colocado na sepultura, o qual possui um líquido que elimina os efeitos dos poluentes. Uma ação semelhante é conseguida por uma substância que lava o subsolo retirando o necrochorume. “Tem solução, mas pouco é feito”, avalia.
 
O geólogo destaca ainda a necessidade de uma legislação mais específica, que oriente a construção de lajes de contenção e obrigue uso de substâncias neutralizadoras do necrochorume.
 
Os pesquisadores concordam que a cremação seria a solução mais adequada para a preservação do meio físico. Eles avaliam, no entanto, que a questão cultural é o principal empecilho para o uso da técnica. “A cremação é muito incipiente no Brasil. E isso não tem a ver diretamente com o custo. Enquanto se paga entre R$ 350 e R$ 400 para cremar um corpo, o enterro mais simples custo no mínimo R$ 2 mil. É uma questão cultural”, avalia Lezíro.
 
Fonte O Dia

Doenças reumáticas apresentam sintomas que vão além das dores ósseas

Comum a apartir dos 35 anos, a artrite também aparece em crianças | Foto: Reprodução Internet
Comum a apartir dos 35 anos, a artrite também aparece em crianças
Rio - As doenças reumáticas, ao contrário do senso comum, não apresentam como sintomas apenas dores ósseas ou nas articulações, mas, também, em outros órgãos, como rins, olhos, pulmões e pele.
 
O último dia 30 foi o Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo. Presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia, Walber Vieira, lembra que reumatismo é um termo genérico. “É um termo impreciso que não dá o diagnóstico de nenhuma doença” esclarece.
 
As causas, os tratamentos e também as consequências das doenças reumáticas podem ser muito diferentes. Por isso, é essencial o diagnóstico preciso para a indicação dos procedimentos adequados.
 
As doenças reumáticas podem atingir pessoas de todas as idades. Um exemplo é a artrite reumatoide, comum a partir dos 35 anos de idade, mas “também acomete crianças, às vezes na mais tenra idade”, diz Walber Vieira.
 
De acordo com Vieira, a doença crônica, que pode levar uma pessoa a invalidez, se manifesta com dores articulares, leve inchaço nas pequenas e médias articulações, além de quadros de isquemia e fadiga.
 
Pediatra do Hospital Universitário de Brasília, Zeneide Alves, cita casos em que a manifestação da artrite juvenil, que é a artrite reumatoide que acomete crianças, pode, a princípio, ser manifestada por uma inflamação no olho, chamada uveite.
 
“Algumas crianças podem apresentar uveite e, posteriormente, exibir os sintomas e sinais de uma artrite crônica” explica.
 
Walber Vieira alerta que qualquer infecção pode funcionar como elemento desencadeante de uma doença reumática. ”O paciente está num stand by, num limbo, ainda não tem manifestação de uma enfermidade, e sofrer uma infecção severa, uma virose e, de repente, a doença reumática se instala e começam a aparecer os sintomas”, explica. Algumas doenças, como a fibromialgia, podem ser desencadeadas por quadros de stress e depressão.
 
Entre as doenças reumáticas, Vieira diz que a artrose é a mais comum. “Mais ou menos 70% das pessoas após os 60 anos têm sua artrose de estimação”, brinca.
 
“Artrose é uma doença que se caracteriza por desgaste da cartilagem articular, levando a fissurações e, com o tempo, perda da função das articulações“, explica Vieira.
 
Outra doença reumática muito comum é a osteoporose, que não apresenta sintomas até que haja uma complicação. “É uma perda de massa óssea que leva a pessoa a um risco de fratura maior. Às vezes um pequeno trauma pode ocasionar a fratura da área afetada” explica Walber Vieira.
 
Ter a primeira menstruação tardiamente e menopausa precoce, fumar, abusar de bebidas alcoólicas, ser sedentário e utilizar medicamentos que podem levar a descalcificação dos ossos são fatores de risco para a osteoporose e que servem de alerta para se tomar os devidos cuidados.
 
Para algumas das doenças reumáticas, como fibromialgia e artrose, exercícios físicos são muito importantes para afastar as crises. “Não se trata fibromialgia sem exercícios, artrose também não”, diz Vieira.
 
Fonte O Dia

Preocupação mundial: Cresce número de dependentes de computadores e de acesso à Internet

Rio - 'O meu prazer, agora é risco de vida’. Os versos de Cazuza, gravados em 1988, referiam-se à Aids que, àquela época, causava medo e tornava as relações sexuais atividade de risco.
 
Quase 25 anos depois, especialistas alertam para outro risco ligado ao prazer: o vício em computadores, jogos eletrônicos e em Internet. Nos Estados Unidos, país líder em acessos à rede, a estimativa das sociedades de psiquiatria é de que 6 a 10% dos 189 milhões de internautas sofram de dependência.
 
A situação é de tal gravidade que o problema passou a ser colocado no mesmo patamar da dependência de tabaco, álcool e outras drogas. E será incluído como mais uma doença na próxima Classificação Psiquiátrica do país, que será divulgada no ano que vem.
 
No Brasil, as estatísticas não são tão precisas, mas é sabido que o problema cresce, principalmente em adolescentes e jovens. A psiquiatra Analice Gigliotti, chefe do Programa de Álcool e Drogas da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, alerta para o aumento contínuo dos que precisam de tratamento contra o vício.
 
Segundo ela, estudos indicam semelhanças entre a compulsão por jogos eletrônicos e por Internet e dependência de drogas e álcool. E explica: nos dois casos, são ativadas áreas do cérebro ligadas à sensação de prazer.
 
Da mesma forma, a passagem da condição de usuário a viciado está ligado a uma parte do cérebro: o córtex pré-frontal. É ele quem estabelece o controle sobre nossas opções e ações. “O compulsivo ou viciado é aquele que perde esse controle”, explica a psiquiatra.
 
Mas nem sempre é fácil identificar o momento dessa passagem. Como o problema afeta cada vez mais crianças e, principalmente, adolescentes, Analice ressalta que cabe aos pais e parentes mais próximos estarem atentos aos sinais de que há algo errado. “Quando a criança ou adolescente deixa de fazer outras coisas, de dormir, sair, jogar futebol etc, para ficar preso no computador, os pais devem se preocupar.”
 
Outros sintomas associados à compulsão são a queda do rendimento escolar e as manifestações de irritação e agressividade. “Quando isso acontecer, os pais devem intervir e limitar o acesso a, por exemplo, oito horas por semana”.
 
Geralmente, isso basta para contornar o problema. Mas, se a criança ou adolescente apresentar outros sinais ou sintomas e reagir com agressividade e não conseguir se controlar, é hora de procurar um especialista.

 Analice explica que o tratamento é feito caso a caso e pode incluir terapia comportamental, uso de remédio e, em caos extremos, exigir um período de internação.
 
Fatores genéticos, psicológicos e sociais determinam a propensão a criar dependência
 
Há vários fatores para o desenvolvimento do vício, como genéticos — filhos de depressivos são mais propensos, por exemplo. Da mesma forma, crianças e adolescentes que não recebem atenção e carinho dos pais ficam mais vulneráveis. “Metade da pré-disposição é genética. A outra metade depende das relações familiares e sociais”, explica a psiquiatra Analice Gigliotti.
 
O tratamento de dependentes, como o de outros viciados, é feito por psiquiatra e uma equipe multidisciplinar. No Rio de Janeiro, é possível ter acesso a serviço especializado de graça ou a preço simbólico na Santa Casa de Misericórdia.
 
A psicóloga Viviane Fukugawa, uma das voluntárias da equipe, explica que o atendimento é oferecido a adolescentes a partir de 16 anos. Segundo ela, o perfil dominante dos pacientes é dos que começaram crianças jogando em videogames e evoluíram para a dependência a partir de jogos em grupo, pela Internet.
 
Na Santa Casa, o tratamento inclui a familiais. Há um grupo de orientação para os pais e outro para os dependentes. A equipe conta psicólogos, terapeutas da família e psiquiatras. Os interessados devem ligar para 2221-4896 e relatar o problema para entrar na lista de atendimento
 
Sinais de alerta
 
Retraimento
O adolescente abre mão do convívio com a família e colegas, deixa de ir ao cinema, sair em grupo, praticar esportes, etc, para ficar jogando ou conectado à Internet.
 
Descontrole do sono
O menino ou menina passa a dormir cada vez menos, fica até a madrugada conectado e, em consequência, apresenta sinais de cansaço, mas repete a rotina.
 
Rendimento escolar
O desempenho ruim nas tarefas escolares e notas baixas são evidências de que a permanência por períodos longos jogando ou conectado está prejudicando.
 
Agressividade
Reações agressivas, irritabilidade, ansiedade e reações desproporcionais quando impedidos de jogar ou ter acesso à Internet são sinais de que é hora de procurar um especialista.
 
Fonte O Dia

Varizes: conheça técnicas para combater esse mal

Além de cirurgia e laser, meias elásticas e exercícios físicos auxiliam as mulheres
 
Com a chegada do verão, um problema comum pode incomodar ainda mais algumas mulheres: as varizes.
 
Apesar de não haver tratamento definitivo, laser e cirurgia estão entre as opções.
 
Meia elásticas e exercícios físicos também ajudam a aliviar as dores e inchaços das pernas.
 
Saiba mais sobre como combater esse mal:
 
Fonte R7

Espermatozoides de homens que fazem atividade física nadam mais rápido

Segundo estudo, exercícios promovem níveis saudáveis de hormônios que criam um ambiente melhor para a produção de espermatozoides
 
Homens que desejam ter filhos no futuro deveriam começar a pensar em fazer atividade física. Um estudo descobriu que exercícios podem ajudar não apenas o homem, mas também seus espermatozoides.
 
Segundo o site do jornal Daily Mail, pesquisadores concluíram que espermatozoides de homens que fazem atividade física nadam mais rápido quando comparados com aqueles de homens que são sedentários.
 
A pesquisa, realizada na Universidade de Córdoba, na Espanha, sugere que o exercício promove níveis saudáveis de hormônios que criam um ambiente melhor para a produção de espermatozoides.
 
A descoberta se faz importante porque, de acordo com especialistas, a qualidade do sêmen caiu de modo geral nos últimos 50 anos. Dentre os fatores que podem ter relação com isso estão o aumento do consumo de bebida alcoólica, o tabagismo e maiores níveis de obesidade.
 
A pesquisadora Diana Vaamonde, que coordenou o estudo, afirmou:
 
— Apesar do fato de que mais estudos são necessários para confirmar a descoberta, podemos inferir que a atividade física regular melhora o meio hormonal e estimula o processo de produção do espermatozoide.
 
No entanto, estudos mostram também que exercícios em demasia podem ter um efeito contra produtivo.
 
Fonte R7

Etnia e gênero influenciam respostas à dor física, diz estudo

De maneira geral, homens parecem ser mais tolerantes e
mulheres tendem a demonstrar maior sensibilidade à dor
Homens parecem ser mais tolerantes e mulheres tendem a demonstrar maior sensibilidade à dor
 
Um estudo feito com voluntários de duas etnias indica que o sexo e a origem étnica de uma pessoa influenciam sua aparente tolerância à dor física e também sua disposição a admitir sensações de dor física.
 
De maneira geral, homens parecem ser mais tolerantes e mulheres tendem a demonstrar maior sensibilidade à dor. Voluntários britânicos brancos demonstraram menor tolerância e expressaram maior sensibilidade à dor do que voluntários líbios.
 
A pesquisa liderada pelo especialista Osama Tashani, da Leeds Metropolitan University, na Inglaterra, foi publicada na revista científica European Journal of Pain. Ela contou com a participação de 200 voluntários e foi feita ao longo de dois anos.
 
Para medir as respostas à dor, a equipe aplicou testes laboratoriais em participantes na Grã-Bretanha e Líbia. Um dos testes envolvia pressionar um instrumento pontiagudo sobre a mão dos participantes. O outro envolvia comprimir o braço erguido dos voluntários com uma faixa semelhante às que são usadas para medir a pressão sanguínea, impedindo a circulação do sangue.
 
— Tradicionalmente, altos índices de estoicismo estão associados aos homens e altos índices de sensibilidade estão associados às mulheres. Alguns grupos étnicos são descritos como mais estóicos, outros são tidos como mais livres na expressão da dor.
 
Quando a equipe comparou as respostas dos participantes baseada no critério gênero, participantes homens demonstraram maior tolerância à dor e usaram graus menores para expressar a intensidade da dor que sentiam do que as mulheres, independentemente de sua etnia.
 
Ao comparar os resultados com base na etnia dos participantes, os voluntários líbios atribuíram notas menores à dor que sentiam e demonstraram maior tolerância à dor em relação aos voluntários britânicos.
 
A equipe concluiu que estereótipos associados a conceitos culturais de masculinidade e feminilidade influenciam as respostas de homens e mulheres à sensação de dor. Da mesma forma, conceitos culturais associados à nacionalidade dos participantes parecem tornar os britânicos mais livres para expressar sensações de dor física.
 
Fonte R7

Homem quase tem pênis decepado pela namorada

Uganda - Um fazendeiro quase teve seu pênis decepado enquanto dormia. A namorada, que já vinha traindo Ronald Tumussime há algum tempo, aproveitou que a vítima estava sonhando e começou a cortar seu membro na cama. O caso aconteceu na cidade de Mulago, em Uganda.
 
Ronald acordou desesperado e com um intenso sangramento na genitália. O pênis do azarado estava pendurado só pela pele. Ele foi levado às pressas para um hospital
 
O ataque teria ocorrido após a vítima ter descoberto as traições da mulher, que estaria tendo relações sexuais com vários homens na plantação de bananas do fazendeiro.
 
Segundo o site New Version, o homem contou ainda, que toda vez que repreendia sua namorada, ela ficava bastante irritada.
 
Fonte O Dia

Arquipélago português tem 62 casos confirmados de dengue

Autoridades garantem que a atual situação "não representa nenhuma restrição de viagem" a Madeira
 
Já são 62 os casos de dengue confirmados no arquipélago da Madeira desde que foram registrados os primeiros, no dia 3 de outubro, informou a Direção Geral da Saúde (DGS) de Portugal.
 
O órgão especificou que foram detectados seis casos no território continental português e outros seis em cidadãos estrangeiros, mas esclareceu que a atual situação "não representa nenhuma restrição de viagem" a Madeira, destino turístico internacional.
 
Ainda segundo a DGS, que recomendou o uso de repelentes como a medida mais eficaz para evitar contatos com o mosquito transmissor da doença, o 'Aedes aegypti', não foram relatadas mortes por dengue, e outros 463 casos prováveis estão sendo analisados.
 
O arquipélago da Madeira tem cerca de 260 mil habitantes, fica próximo ao litoral do Marrocos, e está a 860 quilômetros ao sul de Lisboa. As ilhas vivem fundamentalmente do turismo, da agricultura e dos serviços financeiros, devido à sua condição de "paraíso fiscal".
 
Fonte R7

Merck suspende envio de remédios contra câncer a hospitais gregos


Um porta-voz da empresa disse à Reuters que a droga
em questão é o Erbitux, e que cidadãos comuns ainda
 podem comprá-lo nas farmácias
Em junho, a alemã Biotest foi a primeira a parar o envio de medicamentos à Grécia devido a contas que não foram pagas
 
A farmacêutica alemã Merck não está mais entregando o medicamento Erbitux, para tratamento do câncer, em hospitais gregos, disse um porta-voz neste sábado, no mais recente sinal de como a crise econômica e orçamentária está afetando a linha de frente dos serviços públicos no país.
 
Fabricantes de remédios alertaram líderes da União Europeia no início deste ano sobre fornecimentos para os países afetados pela crise. Em junho, a alemã Biotest foi a primeira a parar o envio de medicamentos à Grécia devido a contas que não foram pagas.
 
Hospitais públicos em alguns dos países mais afetados pela crise da dívida na zona do euro têm tido dificuldade para pagar suas contas, disse o diretor financeiro da Merck, Matthias Zachert, em uma entrevista ao jornal Boersen-Zeitung publicada neste sábado.
 
Ele disse, no entanto, que a Grécia é o único país onde a Merck parou de fazer entregas.
 
"Isso apenas afeta a Grécia, onde nós temos tido muitos problemas. É apenas este único produto", disse ele ao jornal.
 
Um porta-voz da empresa disse à Reuters que a droga em questão é o Erbitux, e que cidadãos comuns ainda podem comprá-lo nas farmácias.
 
O Erbitux é o segundo medicamento prescrito mais vendido da Merck, com vendas de 855 milhões de euros em 2011, sendo usado para tumores no intestino, cabeça e pescoço.

Fonte iG