Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Mamografia entre 40 e 49 anos facilita tratamento do câncer e aumenta a chance de cura

Estudo do Instituto Sueco de Câncer defende os benefícios de se fazer o exame antes dos 50. Especialistas, no entanto, têm opiniões diferentes. Fique por dentro dessa discussão

Você já perguntou ao seu médico quando terá de fazer a primeira mamografia? A idade ideal diverge entre os especialistas. A mais recente mudança nesse debate foi introduzida pelo Instituto Sueco de Câncer, em Seattle, EUA. O novo estudo constatou que a mamografia, quando realizada entre 40 e 49 anos, pode diagnosticar o câncer de mama precocemente, o que permitiria um tratamento menos invasivo e uma maior chance de cura.

Para a pesquisa, foram observadas 1.977 pacientes com câncer de mama entre 40 e 49 anos, dividindo-as de acordo com o estágio da doença: como ela foi diagnosticada (se por mamografia ou autoexame), como foi tratada e se o câncer manifestou-se novamente. Durante os 18 anos do estudo, a porcentagem da doença detectada por mamografia cresceu de 28%, em 1990, para 58%, em 2008, já que mais pacientes se submeteram ao exame.

A grande vantagem de se diagnosticar o câncer de mama precocemente é o tipo de tratamento. “Se a doença for detectada no início, a paciente não precisa perder a mama na cirurgia. Isso traz um benefício psicológico muito grande para a mulher”, explica Luiz Fernando Leite, obstetra do Hospital e Maternidade Santa Joana (SP). Seria menos invasivo passar por uma mastectomia, que é a remoção parcial do tecido mamário, e não pela radical, na qual o seio é removido por inteiro. Além disso, as chances de cura são maiores já que o tamanho do tumor é menor.

Essa idade, no entanto, não é unânime na comunidade médica. Em 2009, a Comissão de Serviços Preventivos dos EUA afirmou, após um estudo, que as mulheres deveriam fazer o exame somente após os 50 anos. Isso porque, segundo os pesquisadores, antes disso a chance de um resultado falso-positivo é maior, o que aumentaria a ansiedade da mulher e até intervenções cirúrgicas desnecessárias. De acordo com Eduardo Zlotnik, ginecologista e obstetra do Hospital Israelita Albert Einstein (SP), entre 40 e 49 anos, o diagnóstico preciso é mais difícil porque a mama é mais densa, e isso compromete a leitura do exame. “Depois dos 50 anos, quando a mulher já parou de menstruar, a quantidade de hormônios diminui e a mama perde densidade. Com isso, a mamografia fica mais clara”, explica.

No entanto, para José Roberto Filassi, coordenador da mastologia do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, o estudo da Comissão de Serviços Preventivos dos EUA atribui mais importância aos aspectos financeiros, já que o governo norte-americano teria mais gastos ao ampliar o contingente de mulheres que fazem o exame.

Quando fazer o exame, afinal?
No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) recomenda que o exame clínico (aquele realizado por um médico ou enfermeira capacitados, que detecta tumor de até 1 cm, se superficial) seja feito a partir dos 40 anos de idade, anualmente. A mamografia seria indicada para mulheres entre 50 e 69 anos, com intervalo de, no máximo, 2 anos. Para aquelas que pertencem ao grupo de risco, ou seja, que têm mãe ou irmã com casos de câncer de mama antes da menopausa, é recomendado que a façam anualmente, a partir dos 35 anos. Já a Sociedade Brasileira de Radiologia, ao contrário do Inca, recomenda que a mamografia seja feita a partir dos 40 anos, anualmente.

Como você pode ver, não há uma única resposta. A idade certa para você só o seu médico vai poder estipular. O importante é sempre ficar atenta a nódulos e a secreções diferentes das habituais nos seios. Quando o médico realiza o exame do papanicolau pela primeira vez, deve ensinar a paciente a fazer o autoexame (aquele de apalpar as mamas). “Educar é muito importante”, reforça Eduardo Zlotnik.

Vale lembrar que, em 2009, durante o governo Lula, foi sancionada uma lei que inclui o exame para detectar câncer de mama no Serviço Único de Saúde (SUS) para mulheres a partir dos 40 anos. Mas isso não significa que o governo obrigue a população feminina a fazer a mamografia nessa idade. O objetivo é oferecê-la gratuitamente àquelas mulheres orientadas pelo médico a realizar o exame nessa faixa etária.

Fonte G1

Receitas caseiras (que funcionam com as crianças)

Canja de galinha ajuda a tratar resfriado? Abacaxi é bom contra má digestão? Vinagre acaba com as lêndeas? Farelo de aveia baixa o colesterol? Você já deve ter ouvido dicas como essas e outras tantas que passam de geração para geração.

A boa notícia é que muitas já têm o aval da medicina. CRESCER ouviu especialistas e mostra, nas próximas páginas, o que é mesmo verdade – e conta ainda o que não deve ser feito de jeito nenhum.

  Gladstone Campos1. Cenoura faz bem para os olhos
Esse alimento é rico em betacaroteno, que se transforma em vitamina A no organismo, uma das substâncias que ajudam na formação dos olhos e das funções visuais – ela estimula a produção da púrpura visual, por exemplo, que auxilia na percepção de cores e formas. Fazê-la cozida ou assada é ainda melhor, uma vez que o calor aumenta a absorção dessa vitamina. Mas é importante lembrar que isso não significa que se seu filho comer cenoura todo dia não vá ter problemas de visão no futuro, como miopia, por exemplo, de origem genética. E também você não precisa (nem deve) oferecer cenoura em todas as refeições. Afinal, outros alimentos de tons alaranjados, como mamão e abóbora, são fontes dessa vitamina também.

2. Farelo de aveia controla o colesterol
Funciona assim: as fibras presentes no farelo “sequestram” o colesterol, e depois tudo é descartado nas fezes. Uma pesquisa feita em Chicago (EUA) mostrou esse benefício em adultos, mas os especialistas garantem que a dica vale para crianças. Você pode dar diariamente para o seu filho, uma vez que as fibras também ajudam o intestino a funcionar. Acrescente três colheres de sopa rasas por dia às refeições – mas não pode aquecer a aveia, porque aí ela perde um pouco dessa função.

3. Vinagre acaba com as lêndeas
E não é que funciona mesmo! A diluição de vinagre na água (uma parte do produto para a mesma quantidade de água) cria um meio ácido, dissolvendo a gordura que prende a lêndea (o ovo do piolho) ao cabelo – cada piolho pode viver até dois meses na cabeça e botar 300 ovos nesse período. Uma opção prática é passar a solução à noite na cabeça do seu filho, colocar uma touca de plástico para que o cheiro não incomode tanto e, pela manhã, usar um pente fino para retirá-las. O ideal é aliar esse método aos tratamentos convencionais, feitos com produtos específicos contra piolhos, que o pediatra pode indicar. Atenção: nem pense em utilizar inseticida. Eles são altamente perigosos e tóxicos, podendo causar lesão no couro cabeludo, alergia e dermatite, entre outros.

4. Bandana com gelo alivia a dor de cabeça
Um estudo brasileiro realizado ano passado pela Sociedade Brasileira de Cefaleia mostrou que mais de 80% das crianças e adolescentes já tiveram, pelo menos uma vez, dor de cabeça. E uma das maneiras de aliviar o incômodo é colocando gelo na cabeça. Isso porque, quando a dor aparece, os vasos sanguíneos se dilatam, aumentando a dor. Quando você refrigera, reduz essa sensação de incômodo.

5. Assoprar machucado reduz a dor
Incrível, não é? Quando você assopra, é como se fizesse com que o cérebro se desligasse um pouco do incômodo causado pela dor. Sempre procure abanar em vez de assoprar, porque as bactérias presentes na boca e na saliva podem infeccionar o local. Outra boa opção para aliviar o desconforto é resfriar a região, uma vez que o local do machucado fica com a temperatura elevada. E vamos combinar: o carinho que a criança recebe depois do susto também acalma.

6. Beber água faz passar o soluço
Pode ser água ou qualquer outro líquido: vai funcionar. Mas primeiro é preciso explicar por que o soluço acontece. A causa mais comum é uma irritação do chamado nervo frênico, que aciona os movimentos do diafragma. Quando seu filho engole o líquido, passa a estimular um padrão de normalidade na respiração, e a tendência é que o soluço regrida até sumir.

7. Machucado cura mais rápido se não for tampado
Joelho ralado. Essa é a máxima da infância – todo mundo já se machucou alguma vez, e com seu filho não vai ser diferente. Quando for superficial, lave com água e sabão e deixe secar naturalmente (seque ao redor, apenas), sem fazer curativo. Isso acelera o processo de cicatrização. Se ficar mais avermelhado, dolorido, se sair secreção ou se aumentar a temperatura ao redor do machucado, ligue para o pediatra.

  Gladstone Campos8. Café deixa a criança mais agitada
É verdade, e você precisa, mesmo, controlar a quantidade de cafeína que seu filho consome por dia, porque ela estimula o sistema nervoso central – e isso até ele chegar na adolescência. Tudo bem colocar um pouco no leite a partir de 2 anos, mas puro deve ser evitado. O excesso, além de deixar a criança mais elétrica, causa irritação, dificuldade de concentração e até insônia. Qual é a quantidade ideal? A recomendação americana e canadense é 45 miligramas por dia de cafeína para crianças, e entram nessa conta refrigerantes e chocolates (um copo de refrigerante ou dois tabletes de chocolate já têm essa quantia). Uma xícara pequena de café tem cerca de 70 miligramas.

9. Chá de erva-cidreira acalma o bebê
Isso acontece porque essa erva tem, de fato, efeito calmante, mas nada de chá antes do bebê completar 6 meses. E não precisa acrescentar açúcar – aliás, o ideal é que você não ponha.

10. Peixe acelera o raciocínio
Você já deve ter ouvido falar nele: o ômega 3, um nutriente presente nos peixes que ajuda no desenvolvimento do sistema nervoso central. Pesquisas mostram que ele estimula as sinapses entre os neurônios, que atuam na capacidade de transmissão de informações. Em outras palavras, o raciocínio fica mais rápido. E não para por aí. Estudos já revelaram que ele tem um efeito protetor contra a asma e evita até o acúmulo de gordura nas paredes das artérias. O baixo consumo estaria associado a problemas de comportamento, como dificuldade para se concentrar. Ofereça pelo menos três vezes por semana – os peixes de água fria (sardinha, atum e salmão) são os mais ricos com esse nutriente.

11. Maisena para tratar assadura
O calor e a umidade presentes na fralda podem provocar assaduras no seu bebê. Quando perceber que a pele vai começar a ficar vermelhinha (e o suor é o grande vilão), ponha um pouco de maisena no bumbum toda vez que for trocá-lo. Fique tranquila: ela não tem o mesmo prejuízo do talco – que pode causar crises respiratórias na criança – porque o pó não é tão fino e não tem perfume. Na hora de higienizar, use água morna e seque bem. Se perceber que a situação não melhorou, converse com o pediatra.

12. Canja de galinha ajuda a tratar gripe
Diferentemente do que você deve ter ouvido por aí, canja de galinha não vai curar a virose. Mas é certo que vai fazer com que seu filho se sinta melhor porque a composição dessa receita repõe vitaminas, minerais, carboidratos e proteínas, que favorecem a recuperação em casos de doenças virais e inflamatórias – e o calor ainda ajuda a expectoração. Isso, combinado com repouso, é sucesso garantido. Outro conhecido aliado contra a gripe é a vitamina C, presente no suco de laranja. Mas, para conseguir essa proteção, seu filho teria de consumir até cinco unidades dessa fruta por dia – e isso soma muitas calorias.

13. Alho faz a picada de inseto parar de coçar
O cheiro não é convidativo, mas passar alho descascado logo depois que seu filho tomou uma picadinha vai reduzir a coceira, uma vez que ele tem propriedades anti-inflamatórias. Apesar de ser fonte de zinco e selênio, que dão uma ajuda para o sistema imunológico, o alho não vai curar a mordida. Mas ele vai tratar do incômodo. Converse com o pediatra e veja qual medicamento você pode usar.

14. Gengibre melhora dor de garganta e enjoo
Sim, ele tem essas duas propriedades (além de dar um toque especial em várias receitas): é antiermético (reduz a liberação da bile, que aumenta a sensação de náusea), e tem ação anti-inflamatória, que contribui para melhorar a dor de garganta. Uma opção bem prática é descascá-lo e fazer infusão com água. No caso de enjoo, sirva o chá em temperatura ambiente ou frio, porque o calor faz a bile ser liberada, aumentando o desconforto. Outra dica é ralar e colocar no preparo de alguma carne ou na salada.

  Gladstone Campos15. Linhaça, abacaxi e ameixa ajudam o intestino a funcionar
Não é difícil encontrar um produto nas gôndolas do supermercado que tenha linhaça. Considerada um alimento funcional, é rica em fibras, que auxiliam para o intestino trabalhar melhor. Prefira a linhaça dourada já moída, porque aí você tem um aproveitamento melhor da fibra. Vale misturar no leite, colocar nas frutas e até em bolos. Ameixa preta também atua no mesmo esquemaque a linhaça – uma boa sugestão é batê-la no liquidificador com iogurte. Já o abacaxi possui uma substância, a bromelina, que auxilia na quebra das moléculas de gordura que vão ser absorvidas pelo organismo, facilitando o processo de digestão e o trabalho do intestino. Mas não se esqueça: para o intestino do seu filho funcionar bem, ele precisa ter uma dieta saudável, comer frutas, legumes e verduras e consumir líquidos também, que ajudam na formação do bolo fecal.

16. Água com açúcar dá sensação de bem-estar
Caiu, se machucou, e lá vinha alguém trazendo logo um copo de água com açúcar. Quantas vezes você tomou quando era criança? As pesquisas mostram que o açúcar, assim como o chocolate, libera serotonina, que dá sensação de prazer e bem-estar. Mas o açúcar, por si só, não tem propriedade calmante. Não se pode esquecer também que, quando chega a água com açúcar, a criança já está recebendo afeto e atenção, que ajuda (e muito) a deixar qualquer um mais tranquilo.

17. Maçã e frutas vermelhas fortalecem o sistema imunológico
Sim, todas elas têm essa mesma propriedade: de se aliar ao nosso sistema de defesa, uma vez que são antioxidantes potentes, evitando o envelhecimento das células (por isso garantem uma pele bonita). O adulto, que, quando criança, consumiu mais desses alimentos, vai estar protegido contra agentes invasores.

18. Mel funciona contra a tosse
O mel melhora a tosse porque inibe a proliferação de bactérias e reduz desconfortos da deglutição. Mas só pode ser dado para maiores de 1 ano e sabendo qual a procedência do mel. Dê duas a três colheres por dia puro, ou misturado com chá.

19. Chá verde reduz a diarreia
Sabe aquela história “comi alguma coisa que não me fez bem?” Pois é, também acontece com as crianças, e esse chá é indicado para essas situações. Não se trata de cura, mas com ele você consegue aquela brechinha para sair correndo de casa e levá-lo até o hospital sem acidentes no percurso. Por ser fonte de cafeína, deve ser dado para crianças a partir de 2 anos.

20. Banho morno baixa a febre
Se a criança estiver com febre, primeiro ligue para o pediatra para ver se é pertinente o uso de alguma medicação. Até que o remédio comece a agir, o que pode levar até 40 minutos, dê um banho morno mais para frio, de imersão ou no chuveiro, de cinco a dez minutos. Assim, o corpo perde calor para a água. É um paliativo enquanto a medicação não funciona.

Para tomar Cuidado
Assim como existem muitos tratamentos caseiros que são eficazes, há aqueles que não funcionam ou até que podem fazer mal ao seu filho. Colocar café para estancar o sangramento é um deles. Além desse alimento não ter essa propriedade, ou seja, não vai funcionar, há o risco de irritar ainda mais o local, prejudicando um futuro tratamento. Usar azeite quente para tratar dor de ouvido também é lenda, e pode piorar alguma lesão existente. O melhor é fazer compressa quente, com uma fralda de pano, por exemplo, e ligar para o pediatra. Outra dica que passa de geração para geração é tratar queimaduras com pasta de dente ou pomadas. Há um risco de a situação ficar ainda pior ou de infeccionar o local. Se a queimadura for leve, lave a região com água fria e ligue para o pediatra. Se for grave, fale com o médico a caminho do pronto-socorro.

Fonte G1

Rússia promulga lei que permite castração química de pedófilos

Pena vale para condenados por crimes sexuais contra menores de 14 anos. Tribunais deverão se basear em exames médicos para definir punição.

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, promulgou nesta quarta-feira (29) uma lei que permite condenar à castração química os pedófilos considerados culpados de crimes sexuais contra menores de 14 anos.

Esta medida foi adotada no dia 7 de fevereiro pela câmara baixa do Parlamento (Duma) e aprovada pelo Conselho da Federação (câmara alta) no dia 22 de fevereiro, segundo um comunicado publicado no site do Kremlin.

Para condenar o autor de um crime sexual à castração química, um tribunal deverá se basear em exames médicos.

A lei, que reforça as sanções contra os pedófilos, prevê também uma pena que pode chegar à prisão perpétua para os reincidentes.

Mais de 9.500 crimes sexuais foram cometidos em 2010 contra menores na Rússia, segundo as últimas estatísticas oficiais disponíveis.

Fonte G1

Cartão do SUS é obrigatório para atendimento a partir de março

Até mesmo aqueles que possuem plano de saúde ou realizam consultas de forma particular devem possuir o Cartão. No entanto, quem não tiver, o atendimento não será negado

A partir de março, todo cidadão brasileiro deverá ter em mãos o Cartão Nacional da Saúde (CNS) para ser atendido nos locais que prestam serviço pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Até mesmo aqueles que possuem plano de saúde ou habitualmente realizam consultas e outros procedimentos de forma particular devem possuir o Cartão.

A determinação está na Portaria N° 763, de 20 de julho de 2011, do Ministério da Saúde, e começa a valer dia 1º de março. Deste dia em diante, em todos os atendimentos feitos em estabelecimentos de Saúde, o usuário terá de informar o número do seu Cartão Nacional do SUS, não importando se o atendimento é pelo Sistema Único, particular ou por plano de saúde. O número será solicitado no ato da admissão do paciente.

O preenchimento do número do CNS do usuário é obrigatório para o registro dos procedimentos ambulatoriais e hospitalares nos sistemas de informação do Ministério da Saúde.

Fazer o Cartão
O cadastramento é feito pelas prefeituras e remetido ao governo federal. O CNS tem o formato de um cartão de crédito e contém uma etiqueta com dados pessoais do usuário e o número nacional, fornecido pelo Ministério da Saúde depois do pedido de cadastramento. Cada número é único e exclusivo para cada cidadão, e é válido em todo o Brasil. Foi criado para ser o cadastro único de todos os usuários do SUS e centralizar todas as informações sobre o paciente.

Por intermédio dele, o histórico de atendimento do usuário poderá ser acompanhado em qualquer unidade de saúde em todo o país. Esse acompanhamento também pode ser feito pelo portador do cartão em área restrita do site do Portal de Saúde do Cidadão, onde constarão informações individuais sobre os contatos com o SUS. As informações disponibilizadas permitem saber quem foi atendido, onde, por quem e com qual tipo de problema, os remédios, os exames e os pedidos de consulta feitos em todo o território nacional.

As pessoas que não tiverem o Cartão de Saúde não serão impedidas de receber atendimento em qualquer estabelecimento público de saúde. A meta do Ministério é implantar o registro eletrônico de saúde em todos os municípios brasileiros até 2014.

Fonte SaudeWeb

SP ganha ambulatório para tratar alterações ósseas em pacientes com Aids

Estima-se que 52% dos soropositivos desenvolvam osteopenia e 15%, osteoporose

A cidade de São Paulo acaba de ganhar um serviço ambulatorial especializado em tratamento de alterações ósseas em pacientes infectados pelo vírus HIV. Fica no Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids, unidade da Secretaria de Estado da Saúde na zona sul da capital paulista.

Segundo a infectologista Gisele Gosuen, responsável pelo ambulatório, estima-se que 15% dos soropositivos apresentam perda de resistência óssea (osteoporose) e 52% desenvolvem diminuição da densidade mineral óssea (osteopenia).

Além disso, em virtude de um processo de desmineralização por deficiência de vitamina D, observa-se também entre os pacientes a incidência de casos de perda de consistência óssea (osteomalácia).

“Vários fatores estão envolvidos na ocorrência de alterações ósseas em pacientes infectados pelo HIV, tais como o tempo de infecção, idade avançada, baixo peso, tabagismo, raça branca, sexo feminino, valor da carga viral, além de usos de medicamentos, como inibidores de protease, análogos nucleosídeos – entre eles estavudina e tenovofir – e corticoides”, ressalta Gisele.

Segundo a especialista, mulheres em menopausa e homens com idade igual ou superior aos 50 anos e com história prévia de fratura têm risco mais elevado para apresentação de fraturas.

Pacientes com este perfil serão submetidos alguns exames para investigação e prescrição de tratamento, entre os quais a realização da densitometria óssea (radiografia) e medições das taxas de ureia, creatinina e cálcio total.

“Para prevenir a ocorrência de problemas ósseos, é necessário que os pacientes portadores de HIV promovam mudanças de hábitos de vidas, como parar com o tabagismo e a ingestão de álcool, realizar atividades físicas regulares, se expor ao sol e realizar uma dieta nutricional adequada”, finaliza a infectologista.

O novo ambulatório fica na rua Santa Cruz, 81, Vila Mariana, zona sul da capital.

Fonte SaudeWeb

Intersystems integra dados de pacientes de 14 hospitais e 17 laboratórios no DF

Gestores controlam, por exemplo, o número de leitos disponíveis e em utilização, estoque de medicamentos, faturamento, gerenciamento da equipe de profissionais, entre outros fatores

O projeto Saúde Conectada é o carro chefe da Intersystems para o setor de saúde no Brasil e, agora, está em fase final de implementação no Distrito Federal. O serviço inclui a integração de dados de gestão e dos prontuários médicos dos pacientes de 14 hospitais e 17 laboratórios, 1 UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e 63 centros de saúde públicos.

A expectativa é de que o projeto esteja finalizado no ano que vem, quando será encerrada a fase de implementação nos últimos três estabelecimentos da rede pública, o que deve permitir o uso de informações para a realização de ações preventivas junto à população.

A tecnologia conta com um portal onde todos os exames dos cidadãos que passam pela rede pública são armazenados, assim como no prontuário eletrônico de cada um. Segundo a companhia, atualmente, cerca de 2,5 milhões de pessoas têm seu histórico médico registrado no sistema, incluindo consultas, diagnósticos e exames realizados nos estabelecimentos da rede de saúde.

De acordo com o diretor de vendas da Intersystems Brasil, Fernando Vogt, com o projeto, os gastos com exames estão sendo reduzidos em 50%.

Além do Portal de Exames, o sistema é capaz de promover a gestão integrada de todos os centros de saúde, hospitais, ambulatórios e centros de emergências usando uma única plataforma. Os gestores controlam, por exemplo, o número de leitos disponíveis e em utilização, estoque de medicamentos, faturamento, gerenciamento da equipe de profissionais, entre outros fatores.

O próximo passo do projeto será fazer análises mais profundas sobre a base de dados consolidada para, dessa forma, desenvolver ações preventivas. Com isso, segundo a Intersystems, será possível detectar a incidência de uma epidemia em determinada região de Brasília, por exemplo, sabendo com precisão o número de pessoas que dão entrada nos hospitais e se esse número está evoluindo, ou se está faltando profissional de alguma especialidade em certo estabelecimento.

Fonte SaudeWeb

Brasil propõe à OMS contrapartidas para fabricantes de medicamentos

Grupo Assessor, da OMS, estabeleceu estratégia para receber de fabricantes de vacinas, remédios e kits diagnósticos retorno financeiro e benefícios pré-acordados

Grupo de países propõe à Organização Mundial da Saúde o estabelecimento de contrapartidas para fabricantes de medicamentos e outros produtos relacionados ao vírus da influenza em benefício a nações suscetíveis a possível pandemia da doença

O Grupo Assessor da Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu uma estratégia para receber de fabricantes de vacinas, remédios e kits diagnósticos retorno financeiro e benefícios pré-acordados como contrapartida pelo recebimento de material biológico relacionado ao vírus da influenza. O grupo propôs que a OMS estabeleça um prazo de seis meses para que as empresas firmem contrato e passem a colaborar financeiramente com a Rede Global de Vigilância do Vírus de Influenza a partir de um retorno financeiro estimado em 28 milhões de dólares anuais. Além disso, em caso de pandemia, as empresas terão de se comprometer com outras contrapartidas, como a doação de 10% da produção delas para a Organização Mundial da Saúde, a transferência de tecnologia ou a venda de 25% da produção a preço de custo, entre outras.

As propostas à diretoria-geral da OMS foram aprovadas nesta última semana, em Genebra (Suíça), durante a segunda reunião do Grupo Assessor, do qual fazem parte, como representantes da Região das Américas, o Brasil, os Estados Unidos e o Canadá. O objetivo é que cada empresa, ao firmar contrato com a OMS, se comprometa com duas entre seis possibilidades de contrapartida. “Quem recebe material biológico vai ter que assinar um documento dizendo claramente que, dentro daquelas medidas listadas ali, ele se compromete a cumprir duas delas em caso de pandemia”, explica o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, que representa o Brasil no Grupo Assessor.

Durante o encontro em Genebra, também foi acertado o destino dos recursos financeiros que virão da indústria. Uma das maneiras de aplicação destes recursos é que a maior parte do montante (70%) seja investida em ações de preparação para o caso de uma nova pandemia, priorizando-se o fortalecimento da vigilância epidemiológica do vírus da influenza. “A ideia é que seja estabelecido um amplo acordo para que os países afetados por uma possível pandemia, além de compartilhar o material biológico relacionado ao vírus da influenza, também tenham acesso aos benefícios gerados pela indústria com a fabricação de medicamentos e outros produtos”, afirma Jarbas Barbosa. “A ideia é fortalecer e ampliar a vigilância epidemiológica em nível global. Na África, por exemplo, a vigilância ainda é pequena e, como não há como predizer de onde vai surgir o novo vírus pandêmico, é preciso ter boa vigilância em todos os países”, acrescenta o secretário.

Grupo assessor 
O Grupo Assessor Consultivo da OMS é composto por representantes de todos os continentes e foi estabelecido pela Assembleia Mundial de Saúde em maio do ano passado. O Brasil – juntamente com Estados Unidos e Canadá – representa a Região das Américas e participa ativamente da elaboração dessas propostas à diretoria-geral da Organização Mundial da Saúde.

No Brasil
Ano passado, o Sistema Único de Saúde (SUS) ampliou o público-alvo da campanha de vacinação contra a influenza. Foram incluídos crianças menores de 2 anos, gestantes e profissionais de saúde, além de idosos e indígenas que já eram vacinados. Ao todo, foram vacinadas mais de 25 milhões de pessoas, com redução de 82% no número de casos da doença e 83% dos óbitos por influenza em relação a 2010.

Para enfrentar a chamada “segunda onda” da pandemia de influenza, o Brasil realizou, em 2010, complexa campanha de vacinação direcionada aos grupos com maior risco de adoecer gravemente ou morrer em decorrência da doença. Mais de 86,9 milhões de brasileiros foram imunizadas contra a doença.

Fonte SaudeWeb

Paciente é agredido e morre em hospital de São Paulo

Em pronunciamento, Hospital Nossa Senhora de Lourdes afirma que a confusão ocorreu na parte de fora do estabelecimento e o funcionário que deferiu o soco na vítima estava fora do horário de trabalho

O paciente do Hospital Nossa Senhora, da zona sul de São Paulo, que foi agredido nessa segunda-feira, (27) por um segurança do local, morreu nesta terça-feira (28). O funcionário do Hospital Nossa Senhora de Lourdes foi preso após a agressão. As informações são do Jornal da Band.

De acordo com a publicação, Isaias Severino da Silva, de 46 anos, chegou ao hospital e foi informado que não seria possível realizar uma coleta de sangue que estava marcada, pois o endereço havia mudado. O paciente questionou à atendente porque não havia sido avisado da mudança de endereço, quando o segurança o abordou.

Ambos começaram a discutir, quando o segurança deu um soco em Isaias, que rolou a rampa do Pronto Socorro e bateu a cabeça. Com a queda, a vítima sofreu um traumatismo craniano.

Em nota de esclarecimento à imprensa, o Hospital Nossa Senhora de Lourdes afirma que ”o paciente Isaías Severino da Silva, 46 anos, compareceu segunda-feira, dia 27 de fevereiro de 2012 no laboratório do Hospital Nossa Senhora de Lourdes. Por não estar no local indicado para a coleta do exame, a atendente informou ao mesmo que deveria se dirigir a outro local próximo ao hospital. Diante da informação, o paciente demonstrou grande descontentamento e passou a ofender os atendentes”.

A instituição afirma que neste momento o funcionário Douglas Paula Silva, que também estava no local para realizar seus exames, tentou acalmar o paciente. Foi ai que começou a discussão verbal. “Sr. Isaías veio chamar o Sr. Douglas para brigar na rua. Cumpre esclarecer que o Sr. Douglas trabalha na instituição como porteiro, mas que, naquele momento, estava nas dependências da instituição para realizar exames de saúde pessoais, como conveniado de plano de saúde, como qualquer outro cidadão”.

O hospital diz ainda que o funcionário não estava exercendo o cargo de porteiro, naquele momento. “Estava dentro da sala de coleta do laboratório e não na frente do estabelecimento como requer sua função”.

O pronunciamento diz ainda que os dois envolvidos foram para fora do prédio e na calçada passaram a trocar agressões. “Alguns funcionários do hospital, inclusive um médico, tentaram apartar a briga iniciada com um empurrão do Sr. Isaías ao Sr. Douglas. Nesse momento, o Sr. Douglas deferiu um soco no Sr. Isaias que veio cair de costas na rampa de acesso de automóveis, batendo a cabeça no chão”.

Fonte SaudeWeb

Humor: Eu vou te curar...

Saiba por que quinoa e linhaça são aliadas da boa nutrição

Sementes concentram variedade de nutrientes indispensáveis para a alimentação saudável


Amplamente recomendadas por médicos e nutricionistas, a quinoa e a linhaça aliam importantes benefícios à saúde. Ricos em vitaminas e mineirais, esses alimentos se diferenciam dos demais por serem considerados funcionais, ou seja, colaboram para melhorar o metabolismo.

De acordo com a engenheira de alimentos Helena Camargo, a quinoa é um dos alimentos mais completos para a nutrição humana, em relação às quantidades de calorias, proteínas, gorduras e carboidratos.

— Ela contém gorduras insaturadas, consideradas "gorduras boas", além de minerais como cálcio, ferro, magnésio e zinco — enumera a engenheira.

Já a linhaça é a maior fonte vegetal de ácido graxo alfa-linolênico e também de lignanas, um fitoesteroide que imita as funções do estrogêneo (hormônio feminino). Também é fonte de fibras, tanto solúveis quanto insolúveis.

— O ácido graxo alfa-linolênico tem efeitos cardioprotetores e anti-inflamatórios mundialmente reconhecidos, mas seu consumo é, geralmente, muito mais baixo do que o recomendado — observa Helena.

A especialista destaca ainda que as fibras, além de estimularem o funcionamento do intestino e o crescimento de bactérias benfeitoras, auxiliam na redução da absorção de glicose e colesterol.

Fica a dica::
A recomendação é comer o farelo de linhaça, feito a partir da trituração da semente no liquidificador, com casca e tudo — é na casca que se concentra a maior parte dos nutrientes. O farelo pode ser adicionado a iogurtes, leite, suco de frutas ou frutas amassadas.

:: A quinoa pode substituir o arroz na refeição, pois é fonte de carboidrato. Vale o mesmo para batata ou massa, por exemplo. Ela é preparada cozida, com água e sal.

Fonte Zer Hora

Desvio de septo nem sempre precisa ser operado

Congestão nasal, infecções nos seios paranasais, dor facial, cefaleia e predisposição a rinites e sinusites são alguns dos sintomas


O desvio do septo é um incômodo que pode causar diversos desconfortos, como dificuldade respiratória, dor de cabeça, espirros constantes e congestionamento nasal. O septo nasal é a parede que separa o lado esquerdo do lado direito do nariz. É uma estrutura firme, porém flexível, coberta por mucosa e rica em vasos sanguíneos. O ideal é que ele localize-se no meio, de forma que os lados do nariz sejam iguais.

Cerca de 80% das pessoas tem um pequeno desvio natural, quase imperceptível, que deixa o nariz desalinhado, além de alterar o padrão de corrente de ar, podendo bloquear o lado estreitado. Em alguns casos, a abertura dos seios paranasais pode ficar bloqueada, facilitando a sinusite, além de deixar a pele do septo do nariz seca e rachada, provocando hemorragias.

As causas do desvio de septo podem ser durante a formação do nariz na gestação, uma lesão nasal durante o parto ou com o avançar da idade, além de traumas e contusões. Entre os principais sintomas, estão a congestão nasal, infecções nos seios paranasais, dor facial, cefaleia e predisposição a rinites e sinusites. A respiração ruidosa durante o sono, principalmente em crianças e bebês, respiração bucal frequente, cansaço, dificuldades para dormir e roncos também são frequentes.

Segundo o otorrinolaringologista do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa de Santo André, Marcelo Alfredo, algumas pessoas com desvio de septo só percebem os sintomas durante um resfriado ou outra infecção das vias respiratórias.

— Nestas pessoas, a infecção respiratória faz com que os tecidos do nariz inchem causando problemas de fluxo de ar. Assim que o resfriado é curado, os sintomas também desaparecem — explica Alfredo.

O otorrinolaringologista Rafael Malinsky explica, de forma didática, como é o desvio:

— Imagine que o septo nasal é o canteiro central da freeway, que divide a rodovia em duas metades iguais. Com o desvio septal, é como se tivéssemos um carro colocado perpendicularmente em uma das rodovias: ele acabará diminuindo o fluxo de carros.

Segundo Malinsky, se a pessoa tem o problema, isso não quer dizer que ela não irá respirar bem nem que ela tenha que realizar cirurgia. Somente um especialista, segundo ele, é capaz de diagnosticar com precisão a patologia.

— Muitas pessoas possuem o desvio e repiram muito bem. A correção é feita através de uma cirurgia chamada de septoplastia, que só indicamos se há certeza que é o desvio septal que está causando a obstrução nasal, pois outras doenças, como rinites e sinusites, também podem levar a queixa de nariz obstruído — salienta o especialista.

Fonte Zero Hora

Oncologista fala sobre câncer na região pélvica, tumor que acomete Hugo Chávez

Site vazou troca de e-mails que especulam sobre piora do estado de saúde do presidente venezuelano


Poucos detalhes se sabe sobre a doença do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Quando começou o tratamento, falou em tumor na região pélvica, e parou por aí. Na terça-feira, o enigma da doença de Chávez ganhou novos contornos quando o vice-presidente do país, Elías Jaua, leu um comunicado da tribuna da Assembleia Nacional da Venezuela dizendo que a cirurgia para extirpar o tumor foi bem-sucedida. Por outro lado, documentos de espionagem vazados esta semana pela rede WikiLeaks dão conta de que o estado de saúde de Chávez seria bem mais grave.

As especulações passam pela possibilidade de o câncer ter se espalhado para outros órgãos e ainda revela críticas da equipe médica russa sobre o primeiro tratamento de Chávez, em junho de 2011, quando foi operado de um abscesso pélvico em Havana, segundo os russo, de forma "incorreta". A versão espanhola do jornal Público noticiou que a equipe médica garante que o câncer de Chávez "se estendeu para os nódulos linfáticos e a medula espinhal" e que ele seria um "paciente muito difícil de tratar", porque interrompe o tratamento quando precisa aparecer em público.

Apesar das informações desencontradas e de haver poucos detalhes sobre o tumor do presidente venezuelano, o chefe do Serviço de Cirurgia Oncológica da Santa Casa de Porto Alegre e professor da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto, Antonio Kalil, a convite de Zero Hora, aceitou responder algumas perguntas sobre doenças na região pélvica. Confira:

Chávez afirma ter um tumor na região pélvica. Qual seria o tipo mais provável?
Com as notícias que se tem é difícil saber qual é a origem exata do tumor, se do intestino, de próstata, etc. Tumores de intestino são tratados com cirurgia e, dependendo da localização, associa-se à quimioterapia e radioterapia. O fato de Chávez ter feito quimioterapia sugere que seja possível que o tumor primário seja do intestino, mas não se pode afirmar com certeza.

Poucos meses após a primeira cirurgia, Chávez afirmou que estava curado. É possível alguém estar curado em um período tão curto?
Nem após um ano é possível dizer que se está curado. Todo tumor precisa de um período mínimo de cinco anos para podermos dizer que está controlado. Mesmo quando se opera um tumor precoce, é preciso aguardar para ver se irá voltar.

O que significa a volta do tumor na mesma região do primeiro?
Tendo reaparecido uma lesão próxima à mesma região, é muito provável que tenha relação com o mesmo tumor. Se tem relação com o primeiro, significa que a doença não está controlada e que poderá precisar de uma nova quimioterapia associada à cirurgia, mas isto também depende do tipo de tumor primário.

O que a aparência inchada de Chávez pode indicar?
É difícil fazer uma leitura sobre isso. Há muitos medicamentos que poderiam estar associados, como alguns quimioterápicos ou até estimuladores de apetites.

A medicina cubana na área de oncologia é de qualidade?
A medicina em Cuba é mais voltada para a medicina da família. Não há pesquisas importantes sobre câncer. Não há nenhum grupo de Havana que tenha pesquisas importantes em câncer de intestino ou de próstata, por exemplo. É pouco provável que Chávez receba um tratamento de ponta nessa área. É provável que Chávez tenha optado por Cuba apenas para se esconder.

É possível manter um ritmo como o de campanha eleitoral em pleno tratamento?
É possível manter um ritmo intenso mesmo se submetendo a sessões de quimioterapia. Há alguns períodos mais difíceis, logo após as sessões, mas muitas vezes depois, a pessoa se sente bem. As reações variam para cada pessoa. De qualquer forma, os próximos meses serão complicados. É preciso passar pela recuperação da cirurgia e, provavelmente, uma nova quimioterapia. Será um periódo em que ele estará mais debilitado.

Um tumor de 2cm de diâmetro é considerado avançado?
Normalmente, 2cm é pequeno, mas se é a volta do tumor, não seria mais precoce, seria uma forma mais avançada,que necessitaria um tratamento mais agressivo.

É possível estimar quanto tempo ele teria de vida?
Parece claro que aconteceu uma recorrência do tumor. Seria importante saber se é só a lesão de 2cm, como Chávez, diz ou se há doença em outros locais para se ter uma noção para prognóstico a longo prazo. Há pacientes que realizam duas, três cirurgias, quatro e estão muito bem. Tem um tempo de vida muito prolongado e podem pensar em cura.

Fonte Zero Hora

Exercícios aeróbicos aumentam a resistência do corpo

Prática acelera o metabolismo e diminui chances de doenças cardiovasculares

Caminhar, correr, nadar, pedalar, dançar ou realizar outras atividades aeróbicas é essencial para garantir boa forma e saúde. Esses exercícios aceleram o metabolismo contribuindo para o emagrecimento e melhoram o condicionamento físico, fazendo com que ações cotidianas como subir escadas, correr até o banco e carregar sacolas de supermercado sejam realizadas com menos esforço. Além disso, diminuem a chance de doenças cardiovasculares e aumentam a expectativa de vida. Por isso, pessoas de todas as idades devem incluir exercícios aeróbicos em seus treinos levando em consideração, claro, seu preparo físico.

Antes de começar qualquer tipo de atividade, porém, o professor da academia Bio Ritmo Alécio Sales recomenda procurar um médico para realizar uma avaliação física e um profissional de educação física para obter uma orientação sobre as opções mais adequadas para você e os limites que deve respeitar. Providenciar roupas confortáveis para a prática de exercícios e uma garrafa de água para manter o corpo hidratado também são essenciais.

O personal trainer Júnior Brandão garante que 30 minutos de exercícios três vezes por semana são suficientes para que os resultados sejam notados a partir dos primeiros 45 dias. Segundo ele, iniciantes devem procurar mesclar modalidades, até para não perderem a motivação por acharem que a atividade está monótona. Assim, aliar dois dias de caminhada com um de pedalada, por exemplo, é perfeito.

O ideal é que a pessoa escolha os exercícios de acordo com seu gosto pessoal. Caso contrário, a baixa motivacional pode aparecer também. Porém, se o intuito é emagrecer o quanto antes, vale observar a quantidade de calorias gastas em diferentes atividades.

Confira as dez modalidades com os maiores gastos calóricos por hora no ranking elaborado pelos médicos do Instituto BR Esportes Marcelo Ortiz e Carlos Polazzo:

1. Corrida: 900 calorias
2. Andar de bicicleta: 840 calorias
3. Tênis: 800 calorias
4. Futebol: 780 calorias
5. Boxe: 660 calorias
6. Musculação: 720 calorias
7. Remar: 600 calorias
8. Natação: 540 calorias
9. Basquete: 480 calorias
10. Vôlei: 420 calorias

Na academia, existem outras opções, como bicicleta ergométrica, transport, esteira e escada rolante. Segundo Sales, sendo regulados corretamente, esses aparelhos são indicados para todos os níveis de condicionamento físico.

A orientação do professor é que iniciantes usem intensidade leve ou moderada por um período de 20 a 45 minutos. "Um frequentador assíduo pode adotar qualquer método de corrida, por exemplo, o fartlek, em que a intensidade varia a qualquer momento, desenvolvendo capacidade aeróbica e anaeróbica por conta da variação de velocidade", explica.

Além de ter orientação profissional é essencial respeitar as suas limitações. Portanto, caso note que algo não está bem no seu corpo, diminua a carga e a velocidade lentamente até voltar ao normal. Passar dos limites pode causar dores, luxações, estiramentos e até lesões mais graves.

Fonte Minha Vida

11 benefícios da caminhada para o corpo e a mente

Ela controla a pressão, diabetes, protege contra demência e ainda emagrece

Você conhece algum exercício mais fácil de praticar do que a caminhada? Ela não exige habilidade, é barata, pode ser feito praticamente a qualquer hora do dia, não tem restrição de idade e ainda pode ser feita dentro de casa se a pessoa tiver uma esteira. "Para uma pessoa que não pratica nenhum tipo de esporte, uma caminhada de 10 minutos por dia já provoca efeitos perceptíveis ao corpo, depois de apenas uma semana, explica o fisiologista do esporte Paulo Correia, da Unifesp. Além da melhora do condicionamento físico, as vantagens de caminhar para a saúde do corpo e da mente são muitas, e comprovadas pela ciência. O Minha Vida reuniu 11 benefícios que esse hábito pode fazer para você. Confira aqui e movimente-se:

1.Melhora a circulação
Um estudo feito pela USP, de Ribeirão Preto, provou que caminhar durante aproximadamente 40 minutos é capaz de reduzir a pressão arterial durante 24 horas após o término do exercício. Isso acontece porque durante a prática do exercício, o fluxo de sangue aumenta, levando os vasos sanguíneos a se expandirem, diminuindo a pressão.

Além disso, a caminhada faz com que a as válvulas do coração trabalhem mais, melhorando a circulação de hemoglobina a e oxigenação do corpo. "Com o maior bombeamento de sangue para o pulmão, o sangue fica mais rico em oxigênio. Somado a isso, a caminhada também faz as artérias, veias e vasos capilares se dilatarem, tornando o transporte de oxigênio mais eficiente às partes periféricas do organismo, como braços e pernas", explica o fisiologista Paulo Correia.

2.Deixa o pulmão mais eficiente
O pulmão também é bastante beneficiado quando caminhamos. De acordo com Paulo Correia, as trocas gasosas que ocorrem nesse órgão passam a ser mais poderosas quando caminhamos com frequência. Isso faz com que uma quantidade maior de impurezas saia do pulmão, deixando-o mais livre de catarros e poeiras.

"A prática da caminhada, se aconselhada por um médico, pode ajudar também a dilatar os brônquios e prevenir algumas inflamações nas vias aéreas, como bronquite. Em alguns casos mais simples, ela tem o mesmo efeito de um xarope bronco dilatador", explica.

3. Combate a osteoporose
O impacto dos pés com o chão tem efeito benéfico aos ossos. A compressão dos ossos da perna, e a movimentação de todo o esqueleto durante uma caminhada faz com que haja uma maior quantidade estímulos elétricos em nossos ossos, chamados de piezelétrico. Esse estímulo facilita a absorção de cálcio, deixando os ossos mais resistentes e menos propensos a sofrerem com a osteoporose.

"Na fase inicial da perda de massa óssea, a caminhada é uma boa maneira de fortalecer os ossos. Mesmo assim, quando o quadro já é de osteoporose, andar frequentemente pode diminuir o avanço da doença", diz o fisiologista da Unifesp.

4. Afasta a depressão
Durante a caminhada, nosso corpo libera uma quantidade maior de endorfina, hormônio produzido pela hipófise, responsável pela sensação de alegria e relaxamento. Quando uma pessoa começa a praticar exercícios, ela automaticamente produz endorfina.

Depois de um tempo, é preciso praticar ainda mais exercícios para sentir o efeito benéfico do hormônio. "Começar a caminhar é o inicio de um círculo vicioso. Quando mais você caminha, mais endorfina seu organismo produz, o que te dá mais ânimo. Esse relaxamento também faz com que você esteja preparado para passar cada vez mais tempo caminhando", explica Paulo Correia.

5. Aumenta a sensação de bem-estar
Uma breve caminhada em áreas verdes, como parques e jardins, pode melhorar significativamente a saúde mental, trazendo benefícios para o humor e a autoestima, de acordo com um estudo feito pela Universidade de Essex, no Reino Unido.

Comparando dados de 1,2 mil pessoas de diferentes idades, gêneros e status de saúde mental, os pesquisadores descobriram que aqueles que se envolviam em caminhadas ao ar livre e também, ciclismo, jardinagem, pesca, canoagem, equitação e agricultura, apresentavam efeitos positivos em relação ao humor e à autoestima, mesmo que essas atividades fossem praticadas por apenas alguns minutos diários.

6. Deixa o cérebro mais saudável
Caminhar diariamente é um ótimo exercício para deixar o corpo em forma, melhorar a saúde e retardar o envelhecimento. Entretanto, um novo estudo da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, mostra que esse efeito antienvelhecimento do exercício pode ser possível também em relação ao cérebro, ao aumentar seus circuitos e reduzir os riscos de problemas de memória e de atenção. "Os estímulos que recebemos quando caminhamos aumento a nossa coordenação e fazem com que nosso cérebro seja capaz de responder a cada vez mais estímulos, sejam eles visuais, táteis, sonoros e olfativos", comenta Paulo Correia.

Outro estudo feito pela Universidade de Pittsburgh, afirma que as pessoas que caminham em média 10 quilômetros por semana apresentam metade dos riscos de ter uma diminuição no volume cerebral. Isso pode ser um fator decisivo na prevenção de vários tipos de demência, inclusive a doença de Alzheimer, que mata lentamente as células cerebrais.

7. Diminui a sonolência
A caminhada durante o dia faz com que o nosso corpo tenha um pico na produção de substâncias estimulantes, como a adrenalina. Essa substância deixa o corpo mais disposto durante as horas subsequentes ao exercício. Somado a isso, a caminhada melhora a qualidade do sono de noite.

"Como o corpo inteiro passa a gastar energia durante uma caminhada, o nosso organismo adormece mais rapidamente no final do dia. Por isso, poucas pessoas que caminham frequentemente têm insônia e, consequentemente, não tem sonolência no dia seguinte", completa o especialista da Unifesp.

8. Mantém o peso em equilíbrio e emagrece
Esse talvez seja o benefício mais famoso da caminhada. "É claro que caminhar emagrece. Se você está acostumado a gastar uma determinada quantidade de energia e começa a caminhar, o seu corpo passa a ter uma maior demanda calórica que causa uma queima de gorduras localizadas", afirma Paulo Correia.

E o papel da caminhada na perda de peso não para por aí. Pesquisadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, mostrou que, mesmo horas depois do exercício, a pessoa continua a emagrecer devido à aceleração do metabolismo causada pelo aumento na circulação, respiração e atividade muscular.

A conclusão foi de que os músculos dos atletas convertem constantemente mais energia em calor do que os de indivíduos sedentários. Isso ocorre porque quem faz um treinamento intensivo de resistência, como é o caso da caminhada, tem um metabolismo mais acelerado.

9. Controla a vontade de comer
Um estudo recente feito por pesquisadores da Universidade de Exeter, na Inglaterra, sugere que fazer caminhadas pode conter o vício pelo chocolate. Durante o estudo, foram avaliadas 25 pessoas que consumiam uma quantidade de pelo menos 100 gramas por dia de chocolate. Os chocólatras tiveram que renunciar ao consumo do doce e foram divididos em dois grupos, sendo que um deles faria uma caminhada diária.

Os pesquisadores perceberam que não comer o chocolate, juntamente com o estresse provocado pelo dia a dia, aumentava a vontade de consumir o doce. Mas, uma caminhada de 15 minutos em uma esteira proporciona uma redução significativa da vontade pela guloseima.

"Além de ocupar o tempo com outra coisa que não seja a comida, a caminhada libera hormônios, como a endorfina, que relaxam e combatem o estresse, efeito que muitas pessoas buscam compulsivamente na comida", afirma Paulo Correia.

10. Protege contra derrames e infartos
Quem anda mantém a saúde protegida das doenças cardiovasculares. Por ajudar a controlar a pressão sanguínea, caminhar é um fator de proteção contra derrames e infarto. "Os vasos ficam mais elásticos e mais propícios a se dilatarem quando há alguma obstrução. Isso impede que as artérias parem de transportar sangue ou entupam", diz Paulo.

A caminhada também regula os níveis de colesterol no corpo. Ela age tanto na diminuição na produção de gorduras ruins ao organismo, que têm mais facilidade de se acumular nas paredes dos vasos sanguíneos e por isso causar derrames e infartos, como no aumento na produção de HDL, mais conhecido como colesterol bom.

11. Diabetes
A insulina, substância que é responsável pela absorção de glicose pelas células do corpo, é produzida em maior quantidade durante a prática da caminhada, já que a atividade do pâncreas e do fígado são estimuladas durante a caminhada devido à maior circulação de sangue em todos os órgãos.

Outro ponto importante é que o treinamento aeróbico intenso produzido pela caminhada é capaz de reverter a resistência à insulina, um fator importante para o desenvolvimento de diabetes. Assim fica comprovado que os exercícios têm ainda mais benefícios contra o mal do que se pensava anteriormente.

"Quanto maior a quantidade de insulina no sangue, maior a capacidade das células absorverem a glicose. Quando esse açúcar está circulando livremente no sangue, pode causar diabetes", explica o fisiologista da Unifesp.

Fonte Minha Vida

7 mitos e 5 verdades sobre o diabetes

Especialistas esclarecem dúvidas e revelam os verdadeiros perigos para os diabéticos

No Brasil, cerca de sete milhões de pessoas, acima de 18 anos, têm a doença. Um estudo recente da Sociedade Brasileira de Diabetes, aponta que mais de 60% deles não sabem que têm a doença. Disfunção metabólica crônica decorrente de uma deficiência de insulina - hormônio produzido pelo pâncreas - que pode ser causada por fatores genéticos ou em decorrência de maus hábitos de vida como sedentarismo e uma dieta desequilibrada, recheada, principalmente de açúcar.

O problema pode trazer perda ou aumento de peso, é fator de risco para problemas cardiovasculares e, nos casos mais graves, provocar falência de órgãos (rins, olhos) e até a morte. Apesar dos perigos, é completamente controlável.

"É uma doença crônica e deve ser tratada como tal, mas com informação e mudança de hábitos, dá para ser controlada e ter qualidade de vida", explica a nutricionista Patrícia Ramos, coordenadora do Hospital Bandeirantes. Pensando nisso, o MinhaVida conversou com especialistas para descobrir os mitos e verdades do diabetes para facilitar a vida de quem convive com a doença.

1.Diabetes é contagioso
Mito: o diabetes não passa de pessoa para pessoa. É preciso acabar com essa discriminação de que o diabético não pode ter emprego, amigos e vida social. O que acontece é que, em especial no tipo 1, há uma propensão genética para se ter a doença e não uma transmissão comum. "Temos exemplos de mães diabéticas que tem filhos totalmente saudáveis", explica a nutricionista.

2.Canela ajuda a controlar o diabetes
Mito: não tem nenhum estudo científico que comprove isso. Existem alguns estudos em relação à canela, porém são estudos preliminares, que merecem mais esclarecimentos para provar esse efeito satisfatório. "É melhor não seguir nada que não seja comprovado, afinal, trata-se de um problema crônico e qualquer descuido pode piorar a situação", diz a nutri.

3.Diabético pode consumir mel, açúcar mascavo e caldo de cana sem problemas
Mito: apesar de naturais, estes alimentos tem açúcar do tipo sacarose, maior vilã dos diabéticos. "Hoje, os padrões internacionais já liberam que 10% dos carboidratos ingeridos podem ser sacarose, mas sem o controle e a compensação, os níveis de glicose podem subir e desencadear uma crise", explica Patrícia. "O diabético até pode consumir, mas ele deve ter noção de que não pode abusar e compensar com equilíbrio na dieta", continua.

4.Alguns alimentos ajudam a controlar os níveis de glicose no sangue auxiliando o tratamento do diabetes
Verdade: Sim.
Isso por conta do Índice Glicêmico (IG) dos alimentos. Quando um alimento tem o índice glicêmico baixo, ele retarda a absorção da glicose pelo sangue e, portanto estabiliza a doença. Mas, quando o índice é alto, esta absorção é rápida e acelera o aumento das taxas de glicose no sangue. "Alimentos integrais, iogurtes sem açúcar, maçã, pera, feijão, lentilha e manga, podem ser considerados indutores deste controle, por isso ajudam a amenizar os sintomas da doença, já os de alto índice, como batata e demais carboidratos, aumentam o problema", continua 

5.A aplicação de insulina causa dependência química
Mito:
a aplicação de insulina não promove qualquer tipo de dependência química ou psíquica. O hormônio é importante para permitir a entrada de glicose na célula, tornando-se fonte de energia. "No caso dos pacientes com diabetes tipo 1, não tem jeito eles são insulino-dependentes, e não porque ela cause esta dependência, mas pelo fato de sua deficiência ser crônica desde o nascimento", explica Patrícia.

"Não se trata de dependência química e sim de necessidade vital. Você precisa da insulina para sobreviver, mas não é um viciado na substância", explica o endocrinologista e presidente da Associação Nacional de Apoio ao Diabético (Anad), Fadlo Farige.  

6.Deve-se substituir o açúcar dos alimentos por adoçante
Verdade
: os adoçantes foram feitos exatamente para os diabéticos ou para quem está de dieta, porém, para pessoas que não têm nenhuma disfunção, existe um limite para seu uso. "O valor diário recomendado de aspartame, por exemplo, é 40 mg por kg, já no ciclamato, este número é bem menor, 11 mg", explica a nutricionista.  

7.Dá para evitar a insulina se você não ingere carboidratos
Mito: neste caso, depende. O carboidrato eleva a glicemia com mais rapidez, por isso sua ingestão deve ser controlada. "No diabetes Tipo 1, é necessária a aplicação de insulina diariamente, já que o pâncreas não produz este hormônio. Portanto, mesmo que não coma carboidratos, precisará aplicar insulina. No caso do diabetes Tipo2, a ingestão da insulina vai depender do nível de glicemia. Se estiver controlado, pode-se parar o uso, porém, só um médico poderá fazer esta avaliação", explica Patrícia.

8.Não é permitido ingerir bebidas alcoólicas
Verdade:
"o consumo é permitido, mas com alguns cuidados: de forma moderada e sempre junto a uma refeição, pois o consumo isolado pode levar a hipoglicemia (baixa nas taxas de glicose sanguínea) ou dificultar a recuperação de uma crise hipoglicêmica, já que o uso de insulina e de outros medicamentos para controlar o diabetes é feito para baixar a glicemia, e o álcool tende a diminuir ainda mais estas taxas, o que pode levar a um quadro crônico", explica a nutricionista.

Também é importante fazer o monitoramento de glicemia antes e depois de consumir bebidas alcoólicas. Para Fadlo Fraige, apenas as bebidas destiladas são permitidas (e com muita moderação), pois, segundo ele, não são feitas à base de carboidratos e o álcool tem baixo índice glicêmico. Já sobre as fermentadas, à base de glicose, o endocrinologista recomenda: "Cuidado com cervejas e bebidas doces ou à base de carboidratos. Elas têm alto índice glicêmico e podem trazer problemas. Ao contrário do que se imagina, as bebidas sem álcool são piores, pois, têm o carboidrato e não têm o álcool que ajuda a baixar a glicemia", explica o presidente da Anad.  

9.Bebida alcoólica pode porque o remédio para diabetes tem álcool e não faz mal
Mito:
A taxa de álcool presente nos remédios são mínimas e, por isso, não dá para fazer esta comparação. "Bebidas alcoólicas são permitidas com restrições", diz a nutricionista.

10.Quem tem diabetes deve fazer somente exercícios leves
Verdade:
diabéticos devem ser estimulados a fazer atividades físicas, respeitando contra-indicações, se houver. "De uma forma geral, os exercícios melhoram os níveis glicêmicos, porém, quando o gasto calórico é maior do que a reposição de nutrientes após o treino, pode haver um quadro de hipoglicemia, por isso, deve-se fazer um monitoramento", diz a nutricionista. 
11.Estresse ajuda a descontrolar o diabetes
Verdade:
quando uma pessoa fica nervosa, a sua taxa de glicose sanguínea sobe. "Mas isso não acontece só com diabéticos", diz Patrícia.

12.Diabéticos podem usar sauna e fazer escalda pés
Mito:
Por ser uma disfunção metabólica o diabetes altera a circulação e compromete os vasos sanguíneos, dificultando o processo de cicatrização e pode causar problemas em diversas outras funções como problemas renais e o comprometimento da visão. "Em função desta alteração circulatória, os riscos de exposição à altas temperaturas e aos choques térmicos podem agravar ou desencadear quadros de angiopatias e outros problemas cardíacos", finaliza a Patrícia. 

Fonte Minha Vida

Médico testa nova teoria sobre eficácia de 3 minutos de exercícios semanais

bbcsaude
Pode ser que o corpo não precise de tanto esforço como fazemos atualmente

Sessões semanais de exercícios intensos, com duração de apenas alguns minutos cada uma, seriam suficientes para que você obtenha muitos dos benefícios obtidos com horas de ginástica convencional, segundo concluíram estudos recentes.

Mas esses efeitos benéficos sobre a sua saúde e forma física são condicionais à sua configuração genética, ou seja, os especialistas dizem que apenas indivíduos com determinados genes conseguem se beneficiar do programa.

Quando li pela primeira vez estudos que diziam que eu poderia melhorar minha forma física de maneira significativa e mensurável fazendo apenas três minutos de exercícios intensos por semana, fiquei incrédulo.

Mas essa alegação aparentemente absurda tem como base muitos anos de pesquisas feitas em vários países, incluindo a Grã-Bretanha. Resolvi testar a teoria.

HIT
O especialista que me acompanhou durante o experimento é Jamie Timmons, professor de Biologia do Envelhecimento na Birmingham University, em Birmingham, na Inglaterra.

O programa de exercícios chama-se High Intensity Training (Treinamento de Alta Intensidade ou HIT, na sigla em inglês).

Timmons me assegurou de que fazendo apenas três minutos de HIT por semana durante quatro semanas consecutivas eu notaria mudanças sensíveis em vários indicadores da minha saúde.

O primeiro indicador - e o que mais me interessava - era a minha sensibilidade à insulina. A insulina remove o açúcar do sangue e controla a gordura no organismo. Quando ela deixa de produzir efeito, você fica diabético.

Meu pai era diabético e morreu por complicações decorrentes da doença.

Timmons foi enfático. Segundo ele, pesquisas feitas por vários centros mostram que três minutos de HIT por semana produzem uma melhoria de em média 24% na sensibilidade da pessoa à insulina.

De acordo com o especialista, a segunda melhoria que eu provavelmente notaria seria um aumento na minha resistência aeróbica - medida da capacidade dos pulmões e do coração de bombear oxigênio pelo seu corpo.

A resistência aeróbica é considerada um excelente indicador da saúde futura de uma pessoa, embora os especialistas não saibam explicar por que.

'O que se sabe é que trata-se de um indicador muito poderoso da sua saúde futura', disse Timmons.

Teste genético
Então, se eu conseguisse melhorar minha sensibilidade à insulina e minha resistência aeróbica, minha saúde de maneira geral ficaria melhor.

Mas Timmons disse que existia um probleminha em potencial. Segundo ele, havia uma pequena chance de que eu não apresentasse melhoras na minha saúde. Não porque o programa HIT não funcione, mas por causa da minha herança genética.

Cada pessoa reage a exercícios de forma diferente. Em um estudo internacional feito com mil pessoas, pesquisadores pediram a participantes que fizessem quatro horas de exercícios por semana durante 20 semanas consecutivas.

A resistência aeróbica dos voluntários foi medida antes e depois do programa de exercícios. Os resultados foram impressionantes.

Embora 15% das pessoas tenham conseguido grandes avanços, 20% não apresentaram qualquer melhoria.

Os pesquisadores disseram que não havia indícios de que o grupo que não obteve avanços não tivesse se exercitado adequadamente. A equipe concluiu que o exercício simplesmente não produziu efeitos sobre a resistência aeróbica daquele grupo.

Timmons e seus colaboradores investigaram as razões por trás dessas respostas variadas e descobriram que muitas das diferenças podem ser relacionadas a um pequeno grupo de genes.

Com base nessa descoberta, eles desenvolveram um teste genético para prever quem tem mais chances de responder bem ao programa e quem não tem.

Fui convidado a fazer o teste, mas para evitar que minha resposta ao programa de exercícios fosse influenciada, Timmons só revelaria os resultados do teste genético após eu completar o meu programa de HIT.

Concordei. Foi colhida uma amostra do meu sangue. Também fui submetido a alguns outros testes para avaliar como estava minha aptidão física antes de começar o programa. Depois, comecei meu HIT.

A todo vapor
Na verdade, HIT é muito simples. Você monta em uma bicicleta ergométrica, se aquece fazendo exercícios moderados por dois minutos, depois pedala a toda velocidade - o mais rápido possível - por 20 segundos.

Nova sessão pedalando por dois minutos para recuperar o fôlego e, depois, outros 20 segundos pedalando com força máxima.

Uma terceira sessão de dois minutos pedalando moderadamente e mais 20 segundos a todo vapor. Pronto, está encerrada a sessão semanal de HIT.

Mas como é que o HIT funciona? Timmons e outros pesquisadores com quem conversei acham que provavelmente esse tipo de exercício usa muito mais tecido muscular do que exercícios aeróbicos convencionais.

Quando você faz HIT, não está usando apenas os músculos da perna, mas também do parte superior do corpo, incluindo os braços e ombros.

Como resultado, 80% das células musculares do organismo são ativadas em comparação a exercícios como andar, correr ou andar de bicicleta moderadamente - onde estariam sendo ativadas de 20% a 40% das células musculares.

Exercícios também parecem ser necessários para quebrar os estoques de glicose do organismo. Eles ficam armazenados na forma de uma substância chamada glicogênio. Se você destrói esses estoques, abre espaço para mais glicose que é retirada do sangue e armazenada.

Um tanto quando cético, segui o programa de HIT durante quatro semanas, fazendo um total de 12 minutos de exercício intenso e 36 minutos de exercício moderado nesse período. Depois, voltei ao laboratório para ser submetido a novos testes.

Os resultados foram ambíguos. Minha sensibilidade à insulina melhorou significativamente - 24% - o que me deixou muito satisfeito. Mas minha resistência aeróbica não melhorou.

Fiquei decepcionado, mas Timmons não se surpreendeu.

É que o exame genético que haviam feito em mim tinha revelado que eu não responderia aos exercícios.

Não importa quanto exercício eu tivesse feito, ou que tipo. Minha resistência aeróbica não teria melhorado.

Vou continuar a fazer o HIT porque consigo ver os benefícios. O programa não é adequado a qualquer pessoa porque, embora seja curto, é extremamente intenso.

Antes de tentar qualquer novo programa de exercícios, especialmente se você sofre de algum problema físico, consulte seu médico.

O médico Michael Mosley apresentou o programa Horizon: The Truth About Exercise, transmitido pela BBC na Grã-Bretanha no dia 28 de fevereiro

Fonte R7

Saiba o que faz o leite de cabra ser melhor que o de vaca

Caprino é mais fácil de digerir porque as partículas de gordura dele são menores

Muito se fala do poder nutricional do leite de cabra. Mas você sabe dizer por que o leite de cabra é melhor do que o leite de vaca para a saúde?

Segundo nutricionistas, a quantidade de gorduras e de proteínas do leite de cabra é semelhante ao do leite de vaca. Porém, a diferença está na qualidade desses nutrientes.

O leite caprino é mais fácil do organismo digerir porque o tamanho das partículas de gordura dele é menor. Ele também não possui aglutinina, substância presente no leite de vaca que une as partículas gordurosas, formando um coalho mais difícil de digerir.

Pessoas que tem alergia ao leite de vaca, tem uma tolerância melhor ao leite de cabra. Pois em sua gordura é encontrado duas vezes mais os ácidos capróico, caprílico e cáprico, indicados para pacientes que tem má absorção de alimentos originários do leite de vaca e nos distúrbios intestinais.

O leite de cabra também tem 20% menos colesterol do que o leite de vaca. O leite de cabra estimula a produção de insulina, o hormônio responsável pela entrada de açúcar dentro da célula. Ele também produz energia por causa da presença de substâncias bio-ativas, o IGF-1.

Atualmente o mercado oferece grandes opções de leite de cabra em caixa, do integral ao desnatado.

Fonte R7

Descoberta pode conectar próteses aos nervos e criar braços e pernas artificiais

protesefake
Membros poderiam sentir, mexer e responder normalmente caso a ideia funcione

Próteses que funcionam como membros normais - sentindo, mexendo e respondendo - podem estar mais próximas do que o imaginado, segundo o site Wired.

Os nervos do corpo humano são a maior barreira até agora. Após a amputação, eles não podem mais transmitir ou receber os impulsos como faziam antes. E tentar fundir esses nervos com partes robóticas nunca foi fácil.

Mas agora cientistas acham que romperam essa barreira: estão a caminho de desenvolver uma substância sintética que serviria como um tipo de andaime, de conexão, ligando os nervos destruídos com a prótese robótica.

Ou seja, se o membro robótico não conecta diretamente com os nervos, a saída é criar algo que se conecte a ambos - e faça esse "meio-campo".

Fonte R7

Prefeitura Municipal de Águia Branca - ES

A Prefeitura Municipal de Águia Branca, Espírito Santo, realiza concurso para provimento de 91 vagas

Inscrições:
De 5 a 9 de março, na Casa Polonesa (Avenida João Quiuqui)

Remuneração:
Entre R$ 545,70 e R$ 1.757,81

Provas:
Haverá análise de documentação
Prova prática para Motorista e Operador de Máquinas: 16 de março

Cargos:
Superior - Professor Educação Infantil - séries iniciais do Ensino Fundamental, Professor Pedagogo e Professor das séries finais do Ensino Fundamental nas disciplinas de educação religiosa, inglês, ciências, educação física, geografia, história, língua Portuguesa, matemática e artes;
002/2011
Fundamental - Atendente, Auxiliar Administrativo, Mecânico, Gari, Motorista, Operador de Máquina, Servente, Trabalhador Braçal e Vigia;
Médio - Agente de Suporte Educacional, Técnico Agrícola e Agente Administrativo;
Superior - Assistente Social, Procurador Jurídico, Nutricionista, Psicólogo, Zootecnista, Professor - Educador Físico e Pedagogo.
003/2011
Médio - Agente Comunitário de Saúde;
Superior - Enfermeiro Plantão e Médico Clínico Geral