Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Funcionários contam que reutilizam seringas em hospital do Rio

Reprodução
Faltam insumos e emergência do Albert Schweitzer chegou a parar. Reportagem da GloboNews esteve na última terça-feira na unidade

Emergência parada, demora em atendimentos e falta de insumos em um dos principais hospitais da Zona Oeste do Rio de Janeiro. É o que mostra reportagem da GloboNews sobre o Hospital Albert Schweitzer, gerido pelo Município desde que a crise financeira estadual se agravou. A reportagem esteve na terça-feira (18) no hospital.

Uma funcionária da unidade ouvida pela reportagem chegou a assumir que reutilizava seringas em pacientes por instrução da administração.

"Esse relato é uma coisa muito séria, né? Não se pode reaproveitar seringa porque você está colocando em risco a vida do paciente. Você corre o risco dele ter uma infecção e até uma infecção generalizada", criticou a técnica em enfermagem Joana Dark, ex-funcionária do hospital.

A profissional de saúde mostrou que recebeu a denúncia por mensagem de telefone. De acordo com o texto, "fraldas estão zeradas há três plantões, curativos [de pacientes] não eram trocados há quatro dias por falta de gase e esparadrapo micropore. Seringa, só de 3 ml e uma para ser usada no plantão inteiro". E ainda, instruíram a lavar a seringa para ser reutilizada.

Também no desabafo, o funcionário conta que a unidade de saúde está sem antibióticos e os Centros de Tratamento Intensivos do hospital estão "abandonados". No fim, o colaborador diz que foi para o trabalho chorando.

Em resposta, a Secretaria Municipal de Saúde disse que "não procede" a informação de que a emergência do hospital parou. Além disso, a pasta informou que "a emergência funciona por classificação de risco, que o paciente mais grave é atendido primeiro".

A secretaria também nega que haja falta de insumos ou medicamentos e que profissionais do CTI continuam trabalhando normalmente.

G1

Ministro pede pressa na implantação de prontuário eletrônico no SUS

Municípios que não aderirem à medida em todas unidades básicas de saúde terão recursos do Ministério da Saúde bloqueados a partir de 10 dezembro

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, pediu nesta quinta-feira (20) a colaboração de gestores municipais para a implantação do prontuário eletrônico em unidades básicas de saúde. Durante o 7º Fórum Nacional de Gestão da Atenção Básica, Barros voltou a afirmar que as prefeituras que não implementarem o chamado E-SUS ou que não justificarem a não implantação vão sofrer bloqueio de recursos. O prazo vence no dia 10 de dezembro.

“Não queremos interferir na autonomia dos municípios, mas precisamos saber o que está sendo feito com esse dinheiro”, disse, ao se referir aos repasses feitos pelo ministério às secretarias de Saúde. “Vamos poder ter uma visão global de tudo o que é feito na saúde dos brasileiros. Precisamos de vocês. Sem vocês, não alcançaremos essas informações”, completou Barros em discurso no encerramento do encontro.

De acordo com o ministro, é preciso aumentar o que ele chamou de “resolutividade” na atenção básica, sobretudo por meio da humanização do atendimento aos pacientes. “Isso significa conseguir fazer com que as pessoas sejam atendidas e se sintam bem atendidas”, disse. “É importante que procuremos avançar cada vez mais na humanização do atendimento, que é o que dá satisfação às pessoas”, acrescentou.

Nova plataforma
Uma nova versão do prontuário eletrônico foi lançada no início do mês pelo governo federal. O modelo permite que todos os serviços de saúde do município possam acompanhar o histórico, os dados e o resultado de exames dos pacientes. Também é possível verificar em tempo real a disponibilidade de medicamentos em farmácias e registrar visitas de agentes de saúde.

A expectativa do Ministério da Saúde é que a transmissão digital dos dados da rede municipal à base nacional possibilite também a verificação online dos gastos feitos via Sistema Único de Saúde. A plataforma digital será oferecida gratuitamente, mas o envio de dados também poderá ser feito por meio de sistema próprio. A expectativa do governo é economizar R$ 84 milhões por ano com tecnologias da informação.

Bloqueio de recursos
A partir de 10 de dezembro, o pagamento do Piso da Atenção Básica variável para as prefeituras – equivalente a R$ 10 bilhões ao ano – ficará condicionado à implantação do prontuário eletrônico. O recurso é aplicado no custeio de atendimentos de pediatria e de programas como Saúde da Família e Brasil Sorridente.

Os municípios que não se adequarem à proposta terão os repasses bloqueados. O ministério informou, entretanto, que vai apoiar cidades que apresentem dificuldades para implantar a nova versão da plataforma, conforme necessidades encaminhadas pelos gestores e que serão analisadas caso a caso.

iG

Cientistas da UFSCar desenvolvem biovidro que cura feridas de pele

Grupo da UFSCar desenvolveu malha de biovidro que ajuda em cicatrizações (Foto: Paulo Chiari/EPTV)
Grupo da UFSCar criou malha de biovidro que
ajuda em cicatrizações (Foto: Paulo Chiari/EPTV)
Novo material regenera a área lesionada e é reabsorvido pelo corpo. Produto foi testado em animais e ensaios em humanos começam em 2017

Pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desenvolveram um tipo de biovidro flexível capaz de regenerar tecidos e acelerar o processo de cura de feridas.

O material apresentou bons resultados em testes com animais e o próximo passo será a realização de ensaios em humanos, previstos para 2017. Os pesquisadores têm um convênio com o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e o projeto está em fase de análise.

"Curam feridas da pele, depois elas são reabsorvidas pelo corpo e são bactericidas, elas minimizam infecções e acabam com as bactérias", contou o professor Edgar Zanotto.

"É um material absolutamente inovador", continuou. "É o vidro que cura, é um biovidro, o vidro bioativo".

Desenvolvimento
O biovidro tem sido usado como opção para diversos tipos de enxerto, mas depois de seis anos de estudo os cientistas do Laboratório de Materiais Vítreos conseguiram desenvolver um material diferente, bem mais flexível, uma manta semelhante à gaze usada em curativos.

"Esses vidros bioativos são parecidos com o vidro de janela, feitos de sílica, cálcio e sódio, mas em concentrações diferentes, então é isso que muda o jeitinho que esse vidro reage dentro do corpo", explicou a pesquisadora Marina Trevelin Souza.

"A ideia é aplicar diretamente sobre a pele em cima das feridas porque esse material reabsorve em contato com o sangue e vai regenerando aquela ferida ou aquela queimadura", completou.

Ossos
Outra novidade do grupo é uma peça que pode ser usada como enxerto ósseo. "Nós podemos fazer enxertos com geometrias muito complexas e que encaixam perfeitamente no paciente", comentou o pesquisador Murilo Crovace.

Nova peça de vidro pode ser usada em enxertos ósseos (Foto: Paulo Chiari/EPTV)
Nova peça de vidro pode ser usada em enxertos ósseos (Foto: Paulo Chiari/EPTV)

Além do formato, o produto também se diferencia de outros tipos de enxerto, como os de cerâmica, pelo tempo que o corpo leva para a absorção. No caso dos biovidros, esse processo ocorre de forma muito mais rápida.

"São poucos meses, enquanto as cerâmicas levariam anos para serem completamente absorvidas", comparou Crovace.

G1