Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 9 de abril de 2012

TI na saúde: Setor espera amadurecer segurança da informação com ISO 27799

Especialista acredita que hospitais já entenderam que investimento é necessário e que setor deve evoluir quando ISO 27799 passar a vigorar no País

Há muito tempo se discute a atenção que é dispensada ao tratamento dos dados no setor de saúde, especialmente no Brasil, onde, só recentemente, o segmento passou a investir mais no uso de TI. E País afora é possível encontrar diversos cenários, desde hospitais que buscam estabelecer o básico, como infraestrutura de rede, até instituições com prontuário eletrônico e sistemas robustos de segurança da informação para, assim, garantir a confidencialidade dos dados dos pacientes. A expectativa é de grande evolução, especialmente, quando passar a vigorar por aqui a ISO 27799, norma que trata de segurança da informação no setor de saúde.

Atualmente, o Brasil trabalha apenas com a ISO 27001, que tem um capítulo destinado à segurança da informação, mas de forma generalista. Companhias de diversos setores têm essa certificação, mas como em saúde a confidencialidade é algo extremamente crítico, a movimentação tende a ser maior quando a norma específica estiver totalmente traduzida e aplicada no País. Pelo menos essa é a visão de Heitor Gottberg, mestre em ciências da saúde e responsável pela área de saúde da Cisco. O executivo falou sobre o assunto durante apresentação no Cisco Plus, evento da fabricante que aconteceu no Rio de Janeiro.

“A 27001 diz que é preciso ter controle, backup e testa. Já a 27799 recomenda o mesmo escopo, mas pede que o acesso físico aos equipamentos que armazena os dados seja feito apenas por pessoal autorizado e, para ser 100% compliance, pede que todas as informações de saúde sejam armazenadas de forma criptografada”, explica. Atualmente, quase nenhuma instituição trabalha com criptografia das informações.

Alguns hospitais como o Sírio Libanês, em São Paulo, há tempos contam com uma política de acesso refinada, até pelo perfil de pacientes que costumam frequentar o local, no caso do Sírio, vai de políticos, como a presidente da República Dilma Rousseff, a celebridades.

“Estamos numa realidade distante da ISO 27799. Considerado o ambiente ideal em saúde, a maturidade atual mostra que temos muito a caminhar”, acredita o especialista. “A gestão de segurança da informação em saúde é mais complexa que em outros setores, mas poucos analisaram o extra da saúde. A melhor notícia é que existe material disponível, manual para sistema de informação, há uma preocupação com segurança dos dados em saúde por aqui.”

De forma geral, a segurança da informação (SI) tem chamado a atenção em empresas de todos os segmentos. Em saúde, o ponto forte é a privacidade do paciente, mas se analisar uma companhia de energia elétrica, por exemplo, SI está relacionada com a disponibilidade do serviço, em uma farmacêutica, com propriedade intelectual. O Brasil passa por um amadurecimento nesse setor e é comum encontrar companhias que possuem um profissional exclusivo para cuidar da segurança, o chamado CSO.

É bom lembrar, entretanto, que não somos os únicos a sofrer com este mal. Gottberg citou dois exemplos vindos dos Estados Unidos que atestam que a falta de atenção pode acontecer em qualquer lugar. Em 2002, o centro médico de administração dos veteranos dos EUA doou 139 computadores sem limpar os HDs ou remover dados confidenciais de pacientes com Aids e doenças mentais. Já em 2006, um artigo denunciou que, a partir de uma falha em computadores, informações de 60 mil pacientes do Centro Médico da Universidade de Ohio foram roubadas. “Se lá tem esses casos, na medida em que vai se informatizando, e a saúde no Brasil está se informatizando, como está a gestão de segurança para que isso não aconteça por aqui?”, questiona.

Fonte SaudeWeb

Médicos alertam para riscos do excesso de prevenção

Exames realizados sem necessidade podem representar riscos à saúde. De acordo com levantamento divulgado no segundo semestre de 2011 pelo IBOPE, o excesso de prevenção no Brasil passou de 32% em 2010 para 44% em 2011

Um grupo de nove sociedades médicas americanas divulgou nesta quarta-feira (04/12) um documento que recomenda a redução da indicação de exames diagnósticos. Foram incluídos na lista 45 diferentes tipos de exames, mas que poderá ser ampliada conforme adesão de outras especialidades.

As indicações do grupo americano refletem uma preocupação antiga da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) que há tempos luta para conscientizar sobre os riscos da solicitação excessiva de testes por parte dos médicos e também pacientes durante as consultas.
Segundo o presidente da SBMFC, Dr. Gustavo Gusso, o check-up deve começar em uma boa conversa. Depois, seguir para os exames quando necessário.

O abuso desses procedimentos, no caso da saúde, definitivamente não é uma boa conduta. “Hoje, há um desbalanço no Brasil que tende ao exagero de ações de prevenção primária e secundária e pouca ênfase na quaternária. Os protocolos, que na maioria das vezes têm a chancela dos governos são bastante exagerados, pouco científicos e levam a possíveis intervenções desnecessárias ou perigosas”, diz Gusso.

De acordo com levantamento divulgado no segundo semestre de 2011 pelo IBOPE Inteligência o excesso de prevenção no Brasil passou de 32% em 2010 para 44% em 2011, enquanto no mundo, foi de 21%, em 2010, para 30% em 2011.

O estudo ouviu 31.577 pessoas em 39 países, no Brasil foram 1.373 entrevistadas. O objetivo, segundo o IBOPE, foi medir a percepção da população mundial em relação à própria saúde e a forma como cada um se cuida, além de avaliar a relação médico-paciente.

Gastos
De acordo com reportagem do The New York Times, acampanha das sociedades médicas dos EUA foi batizada de “Choosing Wisely” (escolhendo sabiamente).

A lista de exames inclui recomendações para procedimentos rotineiros, como eletrocardiogramas, hoje feitos mesmo quando não há sinal de problemas cardíacos, e ressonâncias magnéticas.

O American College of Radiology solicitou que os radiologistas não realizem exames de imagem em pacientes com uma simples dor de cabeça. Até os oncologistas estão recebendo a recomendação de pedir menos exames em pacientes com câncer de mama ou de próstata em estágio inicial com poucas chances de metástase.

Para Lawrence Smith, chefe do North Shore-Long Island Jewish Health System, em Nova York, o uso excessivo de cuidados representa uma das mais sérias crises na medicina norte-americana.

Dificuldades
Em 2009, novas diretrizes para mamografias nos EUA recomendavam que as mulheres fizessem o exame com menos frequência, o que trouxe medo entre as pacientes sobre o aumento do controle do governo sobre decisões relacionadas à saúde e limitações ao tratamento.

“Infelizmente, as pessoas preferem o exagero, mesmo que tenham um prejuízo por causa de um tratamento sem necessidade”, diz Gusso. “Não é por causa dos exames que elas vão viver mais. Alimentação saudável, atividade física e parar de fumar são mais importantes.”

Os médicos, por sua vez, muitas vezes não seguem as diretrizes. Segundo Gusso, como o tempo das consultas é curto, o médico logo pede um exame e o paciente sai mais satisfeito.

“As pessoas acham que o dinheiro gasto com o convênio só vale a pena se usarem ao máximo. Mas deveriam pensar que é como um seguro de carro: ninguém quer um acidente para receber o dinheiro das mensalidades.”

Fonte SaudeWeb

Radiologistas podem ter dois empregos, mas em horários diferentes, diz STF

Para a presidenta do Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (CONTER) Valdelice Teodoro, a decisão do STF preserva o direito dos trabalhadores e dá à categoria condições de melhorar a renda, caso surjam oportunidades de trabalho que confluam

Os profissionais das áreas técnicas radiológicas possuem o direito de cumprir a carga horária diferenciada de, no máximo, 24 horas semanais. Contudo, segundo uma decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF), o limite de carga horária não impede que auxiliares, técnicos e tecnólogos em radiologia tenham mais de um emprego. Para tanto, basta que não haja conflito de horários.

De acordo com o voto do ministro relator Ricardo Lewandowski no Agravo Regimental do Recurso Extraordinário 633.298, ele diz que a existência de norma infraconstitucional que estipula limitação de jornada semanal não constitui óbice ao reconhecimento do direito à acumulação prevista no art. 37, XVI, c, da Constituição Federal, desde que haja compatibilidade de horários para o exercício dos cargos a serem acumulados

Em suma, significa que o art. 37, XVI, c, da CF/88, na nova redação dada pela EC 34/2001, permite expressamente a acumulação remunerada de cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde com profissões regulamentadas, exigindo-lhes apenas a compatibilidade de horários.

De modo que a jornada máxima de 24 (vinte quatro) horas semanais atribuída pela Lei 7.394/85 e pelo Decreto 92.790/86, aos ocupantes do cargo de auxiliar, técnico e tecnólogo em Radiologia, não pode constituir impedimento à acumulação de dois cargos de profissionais de saúde, cujo direito está constitucionalmente previsto.

Para a presidenta do Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (CONTER) Valdelice Teodoro, a decisão do STF preserva o direito dos trabalhadores e dá à categoria condições de melhorar a renda, caso surjam oportunidades de trabalho que confluam.

Fonte SaudeWeb

A saúde dos sistemas na indústria farmacêutica

Especialista constata que ainda há muitas dúvidas sobre processos de validação dos sistemas, que passará a ser tarefa constante dentro das indústrias depois da RDC 17, da Anvisa

Dia 7 de abril foi o Dia Mundial da Saúde e é momento de refletir sobre temas que vão desde os cuidados pessoais até questões mais complicadas como a necessidade de aplicar melhorarias no sistema público de atendimento ao cidadão que lhe garanta o direito à saúde de maior qualidade. No meio de tantos outros tópicos que devem ser discutidos, não dá para deixar de fora as preocupações que as indústrias farmacêuticas têm vivido para manter saudáveis suas estruturas tecnológicas.

Em 16 de abril próximo fará exatamente dois anos que a indústria farmacêutica passou a contar com uma atualização na RDC 17, publicada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Foi a partir de 2010 que o órgão regulador brasileiro exigiu que todos os sistemas computadorizados, que impactam na produção de medicamentos, precisam ser validados.

Estou vendo de perto a movimentação gerada por esta nova realidade para quem atua nas áreas operacionais e de qualidade dos laboratórios. Participei recentemente de uma mesa redonda sobre o assunto, realizada pela ISPE – Afiliada Brasil (Associação Internacional de Engenharia Farmacêutica) e pude constatar que ainda há muitas dúvidas sobre processos de validação dos sistemas e a manutenção do estado de validado, que passará a ser tarefa constante dentro das indústrias.

Ainda em abril do ano passado, os laboratórios precisaram listar todos os sistemas envolvidos na produção, desde ERPs, LIMS e WMS, passando também pelo chão de fábrica e os CLPs, Sistemas de Supervisão, Controle e Operação. Agora, o novo prazo é abril de 2013 para que a validação seja finalizada.

O que é importante deixar claro é que a validação dos sistemas computadorizados não é um bicho de sete cabeças. Não se pode criar uma barreira psicológica dentro das indústrias que faça com que a validação seja emperrada. É preciso que haja qualificação de todos os envolvidos e que se crie uma cultura de validação nos laboratórios, com envolvimento de diversas áreas e conscientização sobre manutenção do estado de validado. Não faltam opções de seminários e eventos ligados ao tema. E a Anvisa libera todas as informações dos procedimentos em seu portal na Internet.

Na prática – Os sistemas computadorizados normalmente são compostos por sensores, transmissores, placas de aquisição de dados, controladores e computadores. É de extrema importância que fatores externos não afetem o funcionamento destes componentes, pois medições de parâmetros podem ser afetadas, alarmes falsos podem ser gerados e equipamentos podem ser danificados por condições de operação inadequada.

Entre os benefícios da validação de sistemas computadorizados estão reconhecimento e conformidade com os órgãos reguladores nacionais e internacionais, diminuição do tempo e risco na manutenção dos sistemas em produção, segurança e controle do processo validado e conhecimento profundo do processo pela indústria e pelo fornecedor, entre outros.

Então o momento é de deixar o bloqueio da dúvida de lado, buscar informações e colocar a mão na massa. Em pouco mais de 12 meses, todos terão de estar adequados. E ninguém deve repetir o erro de deixar para a última, pois é aí que haverá ainda mais dificuldades de mudar a cultura interna e de fazer a equipe estar comprometida com o já rejeitado, de forma injusta, “monstro” da validação.

Fonte SaudeWeb

O futuro dos planos de saúde

Para especialista, é preciso mudar o foco das operadoras, agora voltadas para doença e tratamento. O novo foco deve ser a pessoa, centrado na qualidade de vida que se pode oferecer aos clientes

No artigo desta semana vou falar do futuro dos planos de saúde, tema que preocupa o setor médico e a população em geral. Dados divulgados recentemente pelo IBGE, demonstram o crescimento da longevidade do Brasil, que está deixando de ser um país jovem e deve aumentar cada vez mais os gastos com saúde nos próximos anos. Para o setor, as regras atuais, os novos procedimentos e o envelhecimento da população geram ansiedade por um resultado imprevisível, que muito provavelmente pode ser negativo, já que as carteiras das operadoras de planos de saúde irão envelhecer.

Este processo de envelhecimento nos faz pensar que os gastos com assistência médica podem tornar-se muito altos em breve, se medidas preventivas não forem implantadas agora. O crescimento do setor esbarra no limite que a população e as empresas têm em incorporar estes gastos no futuro. Por isso, as operadoras devem centrar desde já seu foco nas pessoas e qualidade de vida que pode ser oferecida, para proporcionar saúde às pessoas, evitando a ocorrência de doenças. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) quer estimular a concorrência entre os planos de saúde, premiando a eficiência daquelas empresas que invistam em programas de promoção e prevenção da saúde.

Outro ponto em estudo é o incentivo ao chamado “envelhecimento ativo do idoso”, em que o cliente que participa de programas de prevenção poderia ter abatimento na mensalidade, já que as chances de usar o convênio seriam reduzidas. Dentro de 45 anos, o Brasil terá cerca de 56 milhões de pessoas com mais de 60 anos, ou seja, mais ou menos 22,4% da população total. Como o Brasil está deixando de ser um país de jovens e a longevidade vêm crescendo, os gastos com assistência médica podem subir bastante se medidas preventivas não forem implantadas agora. Será quebrada a lógica do seguro, segundo a qual os jovens, que custam menos em termos de assistência médica suplementar, garantem o atendimento aos idosos, que oneram mais as operadoras.

Para reverter este quadro, é necessário mudar o foco das operadoras, agora voltadas para doença e tratamento. O novo foco deve ser a pessoa, centrado na qualidade de vida que se pode oferecer aos clientes. Isto não significa apenas investir em medicina preventiva para cuidar daqueles que já têm doenças, mas, sobretudo, eleger as pessoas como foco principal do negócio e oferecer-lhes qualidade de vida superior, educação, entretenimento e saúde, evitando a ocorrência de doenças. Esta premissa permitirá equilíbrio das carteiras de usuários das OPS, pois sua receita poderá ter planejamento muito mais voltado para prevenção que tratamento.

É importante contar com as novas ferramentas para suportar o contínuo aumento nos custos. Existem empresas seguradoras que estudam produtos de seguro, tais como o resseguro, para garantir a saúde financeira das operadoras, diminuindo a necessidade da reserva técnica e com isso direcionar os investimento para a melhoria da assistência de saúde.

Fonte SaudeWeb

5 medidas para acabar com a corrupção

Para Enio Salu, é necessário incrementar a auditoria. "Se houvesse auditoria, apontamento das irregularidades e penalização, não assistiríamos episódios como os denunciados pelo Fantástico", diz.

Não lembro de ter visto recentemente mais pessoas comentando sobre corrupção na saúde do que após a reportagem da TV, e o que mais chama a atenção é o foco equivocado que está sendo dado ao assunto.

Primeiro: parece que a prioridade é prender os representantes das empresas, quando a prioridade deveria ser prender o servidor corrupto.

De nada adianta uma ‘gangue’ organizada se não houvesse servidor corrupto. É inadmissível ouvir pessoas de hospitais dizendo que sabem que a corrupção existe, mas não com tamanha grandeza. Esta pessoa deveria ser chamada para depor e dizer o que sabe, porque encobrir a corrupção, mesmo que seja ‘uma corrupçãozinha de nada’ é crime!

Se tiver medo de denunciar deve-se dar garantias para que possa fazê-lo, senão vamos ficar com a impressão de que a corrupção é a regra (não posso acreditar que seja) e nada será feito por quem de direito.

Segundo: parece que basta prender o comprador corrupto que tudo será resolvido.

É tão lógico que só se faz compra de urgência quando o gestor da área deixa passar o prazo normal em que a compra deveria ser feita que, ou os gestores da área pública são completos incompetentes (o que não é verdade) ou, se a compra de urgência é rotina, é o início da cadeia de corrupção !

Vivemos dizendo (nas aulas do modelo GCVC de Gestão do Ciclo de Vida dos Contratos – http://www.contratos.net.br/) que o gestor da contratação (o comprador) só lida com o fornecedor durante o processo de contratação, que é um período de tempo muito pequeno em relação ao prazo total do contrato, onde quem lida com o fornecedor é o gestor do contrato (o gestor da área).

É mais do que evidente que, embora ambos possam ser corruptos, o elo ‘mais corruptível’ da cadeia é o gestor da área e não o comprador.

Terceiro: não existe lei que acabe com o crime, se isso fosse verdade não existiriam presídios no Brasil !

A Lei 8.666, e as leis complementares, só servem para padronizar o processo de contratação na área pública. Apenas como referência para que cada servidor não aplique seu próprio critério na contratação.

Não garante, e jamais vai garantir, que se for seguido seu rito está tudo certo – muito pelo contrário: quando existe a corrupção os envolvidos certamente vão usar a 8.666 como argumento para dizer que fizeram tudo certo: como estamos vendo … assistindo atônitos pessoas usando o próprio processo citado pelas leis para compras de urgência !

Como fazemos na iniciativa privada, o que é necessário é incrementar a auditoria – se houvesse auditoria, apontamento das irregularidades e penalização, não assistiríamos episódios como estes.

Se houvesse melhoria na auditoria a sociedade não estaria rotulando injustamente todos os servidores públicos como corruptos, porque não são.

Não sou e nunca fui servidor público mas trabalho junto deles faz muito tempo: fiquei 6 meses nos Correios em Brasília, prestei serviço em quase todos os hospitais do complexo HC de São Paulo, e prestei serviço em empresas que se originaram da área pública (ONS, por exemplo).

Posso garantir uma coisa: nunca tive contato com um evento de corrupção, não posso dizer ‘um a’ sequer de qualquer um dos milhares de servidores públicos com quem tive contato. Se existem corruptos, graças a Deus, é minoria.

Para acabar com a corrupção o governo deve tomar algumas medidas:

1 Fortalecer a estrutura dos órgãos fiscalizadores. Não é possível que um repórter continue tendo mais força do que um ‘fiscal do dinheiro público’. Parte da estrutura deve atuar com inteligência e de forma ativa (‘garimpando o fato’) e outra aferindo as denúncias;

2 Dar maior credibilidade às denúncias. No Brasil quando alguém toma coragem para denunciar não se pode desperdiçar a chance de investigar minuciosamente;

3 Monitorar o que saiu da rotina, por exemplo, toda compra de urgência deve ser analisada, não só se seguiu o rito, mas porque houve a necessidade da compra de urgência. Punir o servidor, se for o caso, que deixou a situação chegar ao ponto de necessitar da compra de urgência;

4 Deixar de privilegiar a aprovação de novas leis, resoluções e regulamentos, e aplicar as penalidades das leis que já existem. De que adiantam mais leis, se as que estão aí não são cumpridas ?

5 E, principalmente, criar uma estrutura de auditoria nos próprios órgãos de auditoria:

De que adiantam fiscais que não fiscalizam o que deve ?
Quais as metas e resultados projetados para os órgãos fiscalizadores ?
Se o que se apresentou na reportagem é verdadeiro, quais os fiscais coniventes foram punidos, e quais os incompetentes foram substituídos ?

Fonte SaudeWeb

Psiquiatra esclarece mitos e verdades sobre o mal de Alzheimer

O importante é exercitar o cérebro
Reconhecer os sinais precocemente torna o tratamento mais eficaz

Quanto mais cedo os sintomas da doença de Alzheimer forem percebidos, mais eficaz será o tratamento. Além disso, existem alguns cuidados que podem diminuir os fatores de risco que levam ao surgimento da enfermidade. Com base nesses alertas, a psiquiatra Tânia Pacheco Ferraz, coordenadora do Projeto Terceira Idade (Proter), da Universidade de São Paulo (USP), esclarece alguns mitos sobre a doença, para ajudar a entender, conhecer e saber reconhecer seus sinais.

:: O primeiro sintoma da doença de Alzheimer é a perda de memória.
Mito. A doença acomete incialmente a parte do cérebro que controla a linguagem, a memória e o raciocínio, portanto, outros sinais podem indicar a chegada do Alzheimer, como a dificuldade de executar tarefas rotineiras, mudanças no comportamento, instabilidade emocional, dificuldade de concentração e até mesmo problemas motores. É necessária muita atenção quando um idoso apresentar uma ou mais dessas características, já que os sintomas podem ser confundidos também com estresse ou fadiga. Ao perceber os primeiros sinais, o paciente deve se submeter a uma avaliação médica, que pode ser feita pelo clínico, que já conhece o paciente, por um neurologista, psiquiatra ou geriatra. Exames físicos e laboratoriais, como testes cognitivos, exames com imagens cerebrais e até mesmo o histórico do paciente são analisados para melhor diagnosticar a enfermidade.

:: Palavras cruzadas, sudoku, jogos de tabuleiro e exercícios de lógica ajudam a evitar o declínio cognitivo, um dos sintomas do Alzheimer.
Verdade. Palavras cruzadas, sudoku, jogos de tabuleiro e exercícios de lógica, por exemplo, fazem com que o cérebro seja exercitado, trabalhando, assim, a organização e o planejamento.
— Atividades que proporcionam desafio para a mente engajam as estruturas cerebrais, o que pode prevenir declínio cognitivo — explica Tânia.

:: Alimentos que contém ômega 3 ajudam a prevenir o Alzheimer.
Verdade. Ômega 3 pode ser encontrado em alimentos como peixes, castanhas, nozes e óleos vegetais.
— Estudos realizados em animais mostram que a ingestão de ômega 3 reduz o acúmulo de uma proteína chamada beta-amiloide. O acúmulo dessa proteína no cérebro está ligado ao desenvolvimento e progressão do Alzheimer — assegura a especialista.

:: O Alzheimer acomete apenas idosos.
Mito. Conhecida como Doença de Alzheimer de Início Precoce (Daip), a condição é caracterizada por um declínio mais rápido das funções cognitivas, em pessoas com menos de 65 anos. Esses casos são mais raros e correspondem a 10% do total. Pessoas com histórico de Alzheimer em sucessivas gerações da família possuem maior predisposição para o desenvolvimento dos primeiros sinais desse mal antes dos 65 anos, mas a doença também pode ocorrer sem antecedência familiar, devido a uma mutação em um dos genes associados a Daip.

:: Doenças cardiovasculares aumentam o risco de desenvolvimento do mal de Alzheimer.
Verdade. De acordo com a psiquiatra, o declínio cognitivo em pacientes com problemas cardíacos é observado em cerca de 25% dos casos avaliados após internações hospitalares. Depressão, diabetes, tabagismo e obesidade também são considerados fatores de risco para a doença

:: A prática regular de exercícios físicos é importante em portadores da doença Alzheimer.
Verdade. A prática regular de atividades físicas previne e controla a hipertensão, diabetes, obesidade, problemas cardíacos, além de melhorar o condicionamento aeróbico e evitar quedas.
— Em pacientes já acometidos pelo Alzheimer, os exercícios físicos atuam melhorando a qualidade de vida e retardando o avanço da doença — explica.

:: A doença de Alzheimer não tem cura.
Verdade. Infelizmente não há cura, porém, já existem tratamentos que retardam a evolução da doença e outros que minimizam os distúrbios no humor e comportamento. Dentre eles, os inibidores da acetilcolinestinesterase, que atrasam de forma significativa o declínio da função cognitiva em pacientes com doença de Alzheimer leve a moderada. Nesse grupo, Eranz (cloridrato de donepezila) é o único medicamento indicado para todas as fases da doença. Vale lembrar que, se iniciado já na fase leve da doença, durante o surgimento dos primeiros sintomas, o tratamento terá resultados ainda melhores. Contudo, o médico deve ser sempre procurado para avaliar e indicar o tratamento mais adequado para cada paciente.

Fonte Zero Hora

Decisão judicial não diz que acupuntura é ato exclusivo do médico, alega presidente de sindicato de acupunturistas

Conselho Federal de Medicina entende que a decisão restringe a atividade aos médicos

Dias após o Tribunal Regional Federal da 1ª Regional ter tornado nulas resoluções de conselhos de farmácia, psicologia, enfermagem e fisioterapia que regulamentavam a prática da acupuntura por seus associados, os profissionais dessas especialidades continuam atendendo os seus pacientes.

— A decisão em momento algum fala que a acupuntura é ato exclusivo do médico. Ela suspende o efeito de resolução dos conselhos, e essas entidades vão recorrer. A forma como o Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura divulgou a decisão está gerando dúvida e insegurança — disse o biomédico Fernando Lyra Reis, presidente do Sindicato de Acupuntura do Rio de Janeiro.

No entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM), porém, a decisão restringe a atividade à carreira médica. Os demais conselhos discordam da interpretação e vão recorrer.

O primeiro efeito, segundo Reis, foi a enxurrada de telefonemas de pacientes, querendo saber se os consultórios haviam sido fechados; o segundo foi o cancelamento de matrículas em cursos de especialização em acupuntura.

— Tínhamos uma turma que começaria no sábado com 18 alunos e dois desistiram, porque não queriam investir dois anos de estudos sem saber se poderão atuar mais tarde — afirmou.

A acupuntura começou a ser praticada no Brasil nos anos 60. O Conselho Federal de Fisioterapia foi o primeiro a reconhecer a prática, em 1985. Dez anos depois, outros cinco conselhos fizeram o mesmo, entre eles o de Medicina. Hoje, há 60 mil acupunturistas não médicos, segundo a Associação de Medicina Chinesa e Acupuntura Tradicional do Brasil (AMCT) e 9 mil médicos associados ao Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA).

Não há legislação que regulamente a prática no Brasil. Os defensores da tese de que outros profissionais podem exercer a acupuntura lembram que tanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) quando o Ministério da Saúde reconhecem o caráter multiprofissional da atividade.

— É inadmissível que em pleno século XXI ocorra uma tentativa de mudar práticas consagradas, reconhecidas por instituições de renome. A prática por outros profissionais de saúde é que proporcionou o aumento do acesso da acupuntura ao paciente — diz Walter Jorge João, presidente do Conselho Federal de Farmácia.

Segundo o ministério, as consultas de acupuntura no Sistema Único de Saúde (SUS) passaram de 181.983, em 2003, para 621 mil, no ano passado.

Disputa dura mais de 10 anos
Desde 2000, o CFM questiona judicialmente as resoluções de quatro conselhos que regulamentavam a prática da acupuntura por seus associados.

— Visando alargar seu campo de trabalho, esses conselhos se autorregulamentaram e autorizaram seus profissionais a praticar atos que a legislação não permite. Um farmacêutico não atende paciente nem examina nem pede exame complementar, muito menos pratica uma intervenção invasiva, que é a aplicação de agulhas — afirmou Fernando Genschow, integrante do CMBA.

Umas das preocupações de Genschow é com erros de diagnóstico.

— Uma dor na coluna pode ser metástase de câncer — diz.

Sohaku Bastos, que integra a diretoria da AMCT, lembra que a medicina tradicional chinesa trata o indivíduo como um todo:

— Não há diagnóstico de doença. O ato acupuntural é terapia de promoção da saúde e prevenção, não é medicina alopática. O ato médico, sim, é de cura da doença e remediação de problemas.

O vice-presidente do CFM, Carlos Vital, rebateu:

— Não estamos na China. Praticamos medicina baseada em evidências, dentro da racionalidade científica. Diagnóstico é ato médico.

Alheios à polêmica, pacientes continuaram indo aos consultórios. Na Academia Brasileira de Arte e Ciência Oriental, em Copacabana, onde os acupunturistas têm formação em Psicologia e Fisioterapia, o movimento foi normal.

— É perseguição. O atendimento aqui é ótimo. A primeira consulta levou uma hora. O médico quando fala com você já está olhando para o relógio — diz a professora Marluce Azevedo, 62 anos.

Fonte Zero Hora

Vertigem: crises atingem mais as mulheres

Sintomas costumam ser deixados de lado e falta de tratamento piora a doença

A vertigem tem sintomas que muitas vezes são negligenciados nas primeiras crises. A doença se manifesta através de tontura e está ligada a distúrbios que afetam um órgão do ouvido chamado labirinto, comprometendo a audição e o equilíbrio corporal.

Segundo a otorrinolaringologista Rita de Cássia Cassou Guimarães, um terço dos casos são representados pela denominada Vertigem Posicional Paroxística Benigna, a VPPB, caracterizada por episódios de tontura desencadeada por movimentos da cabeça. Os mais comuns entre estes movimentos são de rotação para um lado e para o outro quando a pessoa está deitada, se levantando, inclinando o corpo para baixo ou olhando para cima.

- Este tipo de vertigem é mais comum em idosos. Dentro deste nicho, as mulheres são as mais afetadas - ressalta a médica.

A duração de cada episódio de vertigem rotatória é curta e dura no máximo um minuto. O diagnóstico pede testes de posicionamento, com o médico movimentando a cabeça do paciente, e avaliação otoneurológica. Em alguns casos é necessária ressonância magnética e tomografia computadorizada.

Fonte Zero Hora

Procedimentos contra o envelhecimento das mãos ganham espaços nos consultórios

Agora que o rosto está tão bem tratado, as mulheres estão olhando para as mãos, para o pescoço e para o decote

À medida que as pessoas envelhecem, as mãos perdem volume, gordura e elasticidade.

— A camada adiposa da mão desaparece, então a pele se torna mais translúcida e enrugada e você consegue ver as estrutura subjacentes, como os ossos, os tendões e as veias — descreve o cirurgião plástico norte-americano John Farella.

Ele comenta que várias mulheres vão ao seu consultório e dizem: "Minhas mãos não combinam com meu corpo, nem com meu estilo de vida". Elas descobriram que o envelhecimento não é mais calculado pelos pés de galinha ao redor dos olhos ou pelas bochechas flácidas (para as quais os procedimentos corretivos estão se tornando cada vez mais corriqueiros), mas pelo dorso, ou pela parte superior das mãos, onde a pele é mais fina e tende a enrugar com o tempo.

— Olhe para a Madonna ou para a Sarah Jessica Parker — insinua o cirurgião plástico facial Keith Marcus.

— Elas têm corpos maravilhosos, mas suas mãos envelheceram. Você praticamente consegue ver as veias da Madonna saltando.

Logo depois da recente apresentação da cantora no Super Bowl (final do campeonato nacional de futebol americano), circularam comentários de que ela teria escolhido luvas sem dedos porque estaria tentando esconder as mãos cheias de rugas de idade.

Por estas razões, muitos cirurgiões agora oferecem o hand lift. Durante o procedimento, que dura de cinco a 10 minutos, são injetados preenchimentos sintéticos sob a primeira camada da pele para aumentá-la, ou é usada uma combinação de preenchimentos, luz intensa pulsada e laser de CO2 fracionado para remover manchas de sol. Os efeitos duram cerca de um ano.

— As mãos são a nova moda — afirma o professor de dermatologia clínica Neil S. Sadick.

— Agora que temos o rosto tão bem tratado, estamos olhando para as mãos, para o pescoço e para o decote.

Os cirurgiões alertam que a remoção cirúrgica do excesso de pele não é uma opção viável de rejuvenescimento, porque deixa marcas e não cicatriza bem. Além disso, há um risco maior de complicações.

- Você teria que literalmente pegar a tesoura e separar o tecido, e isso poderia interferir com alguns tendões - afirma John Farella.

Botox também é impraticável, pois inibe o movimento muscular e não faz nada para resolver a perda de volume. E, como acontece com qualquer tipo de preenchimento, existem complicações potenciais, incluindo infecções, descoloração da pele, formação de nódulos ou granulomas, assimetria e necrose da pele.

Para Amy, a principal recomendação é usar filtro solar, de preferência com fator de proteção 50:

- Uma boa parte dos problemas das mãos se resolve com filtro solar. Trate suas mãos como você trata seu rosto. Nos dias de hoje, as pessoas lavam as mãos tantas vezes, que acabam lavando também o filtro solar. Eu sempre deixo uma embalagem pequena de filtro solar dentro da bolsa.

Farella prefere injetar gordura do bumbum ou das coxas da paciente nas mãos ou até mesmo nos dedos por uma razão: a gordura é mais permanente e a probabilidade de rejeição é menor, porque ela sai do corpo da própria paciente. Pode-se injetar gordura até a primeira junta.

E os cotovelos?
Talvez a última fronteira na guerra contra o envelhecimento sejam os cotovelos. Nada pode ser feito por sua pele flácida e áspera? Por enquanto, não.

- Os cotovelos deixam uma cicatriz - afirma Keith Marcus. - Para mim, essa troca não vale a pena.

A dermatologista Amy Wechsler geralmente prescreve um creme espesso que ajuda com a pele seca dos cotovelos e dos calcanhares. Um limão cortado, como Susan Sarandon usou no filme Atlantic City, pode ajudar a clarear e a suavizar.

Ou pode-se simplesmente fazer o que Marcus sugere (com ironia):

- Usar uma camisa de mangas longas.

Cuidando das mãos em casa
Cuidados caseiros ajudam a manter a pele macia e com aparência jovem por mais tempo. O primeiro e fundamental passo é hidratar várias vezes ao dia, usando preferencialmente um creme que contenha filtro solar. A esfoliação também ajuda a renovar a pele. O mercado de cosméticos já conta com cremes específicos para o procedimento, mas ele também pode ser feito em casa, usando como ingredientes 2 colheres de chá de mel e uma de açúcar. Basta misturar e depois massagear o dorso, a palma e os dedos por 5 minutos. Lave bem e aplique hidratante. A técnica pode ser repetida uma vez por semana.

Fonte Zero Hora

Renovando a pele após os excessos da Páscoa

Lista de cuidados ajuda a livrar a pele da oleosidade que o chocolate pode causar

Apesar da ciência não provar a relação entre consumo de chocolate e acne, é possível que após o consumo excessivo da Páscoa o corpo desencadeie algumas reações. O chocolate é um alimento rico em gordura e açúcar, o que aumenta a oleosidade e pode causar acne em pessoas que são propensas a ela.

Para quem exagerou no chocolate no domingo e pretende dar conta dos ovos de Páscoa ao longo da semana, a dermatologista Fabiana Corio dá dicas para renovar a pele e evitar que a oleosidade tome conta.

- Limpeza: é recomendável que a pele seja lavada apenas 2 vezes ao dia. Se você tem pele oleosa, opte por sabonetes específicos.

- Hidratação: beba água, sucos e coma alimentos livres de gordura. Eles ajudam a pele a recuperar o viço.

- Use produtos especializados: usar adstringente e produtos secadores de espinha podem ajudar a normalizar a sua pele.

- Maquiagem: tome cuidado para sempre retirá-la, pois os poros obstruídos deixam a pele mais oleosa.

Fonte Zero Hora

Propagandas antigas: Desinfete a bexiga no carnaval: Urotropina

urotropina
“Conselho de companheiro: dois comprimidos Schering de Urotropina para desinfetar os rins e a bexiga, algumas horas de descanso e amanhã poderemos recomeçar”.
21 de fevereiro de 1925.

Fonte Estadão

Dente de leão

Resumo
O dente-de-leão é uma planta medicinal com ação diurética e depurativa que favorece a digestão, pode ser encontrada em infusão.

Nomes
Nome em português: Dente-de-leão
Nome latim: Taraxacum officinale
Nome inglês: dandelion, blawball
Nome francês: Pissenlit, dent de lion (Dent-de-Lion), couronne de moine
Nome alemão: Löwenzahn

Família
Asteraceae (Asteráceas)

Constituintes
Taraxina, terpenos, flavonóides, fitosteróis.

Partes utilizadas
Folhas e/ou raízes

Efeitos do dente-de-leão
Diurético, colagogo, colerético, depurativo, estimulador do apetite, aumenta as secreções da bile, ação possível sobre alguns tumores (câncer).


Indicações do dente-de-leão
Problemas digestivos: dispepsia, problemas na região do fígado, prevenção dos cálculos biliares (não indicado no tratamento), anorexia, prevenção dos cálculos urinários.

Efeitos secundários
Eventuais problemas de pele e/ou gastrointestinais, em caso de alta dosagem (nossa opinião). Na compra de um medicamento à base de dente-de-leão, leia a bula e peça orientações a um especialista.

Contra-indicações
Cálculos biliares. Na compra de um medicamento à base de dente-de-leão, leia a bula e peça orientações a um especialista.

Interações
Desconhecemos

Preparações à base de dente-de-leão
- Decocção de dente-de-leão
- Infusão de dente-de-leão
- Cápsula de dente-de-leão
- Extrato de dente-de-leão
- Tintura-mãe de dente-de-leão
- Mel de dente-de-leão (nutritivo, pouco efeito medicinal)

Onde cresce o dente-de-leão ?
O dente-de-leão cresce na Europa.

Quando colher o dente-de-leão ?
O dente-de-leão é colhido na primavera.

Observações
O dente-de-leão cresce na primavera, em vários lugares da Europa. Para fazer infusões à base de dente-de-leão, é necessário utilizar uma planta inteira seca (com as raízes) e é preferencialmente feita uma decocção, isto é, deve-se ferver a mistura de cerca de 3 colheres de café em água fria (inicio). Muitas pessoas fazem saladas de dente-de-leão bastante apreciadas. O efeito medicinal ainda não foi comprovado. Esta planta também pode ser utilizada contra diversos problemas gastrointestinais e na região do fígado, em especial como depurativo. Este último efeito é, às vezes, criticado por alguns cientistas, pois trata-se de uma noção vasta. É preferível falar em efeito sobre os cálculos ou sobre o metabolismo do fígado.

Fonte Criasaúde

Atraso do bebê para falar pode estar relacionado a mimo dos pais

Falta de estímulo prejudica o desenvolvimento neurológico da criança

Um ano e meio e já conseguem balbuciar "mama" ou "papa". É assim que acontece com a maioria dos bebês, que deixam os pais em um misto de alegria e ansiedade para ouvir a próxima palavra. Porém, para algumas crianças, essa fase pode demorar bastante para se iniciar, deixando a ansiedade dos pais dar lugar à preocupação.

Falar, para nós, é tão natural que é difícil perceber o quanto é complexo esse processo. Imagine você converter movimento em vibrações nas cordas vocais, que produzem sons. Como se não bastasse, você ainda precisa articular muito bem a boca e os lábios, para que esse som saia em forma de palavra. É muito difícil.

Por isso, a fonoaudióloga e pediatra Amariles Muniz, da Unesp, explica que os pais exercem papel fundamental na hora de estimular a criança. "Conversar bastante com ela, desde pequena, faz com que ela queira imitar e acaba facilitando o processo. Quando a criança não é estimulada a falar pelos pais, pode ficar preguiçosa e acaba demorando mais do que o normal. Se os pais dão tudo o que ela quer, ela não sente a necessidade de falar", completa.

Passou da hora?
A especialista explica que, a partir dos cinco meses de idade, os bebês já começam a emitir alguns sons na tentativa de se comunicar, mas é por volta dos dez meses que eles começam a falar palavras bilabiais, tipo, "ma" e "pa". "Com um ano, as crianças já falam palavras que são reconhecidas pelos adultos. As meninas, normalmente, começam a falar mais cedo que os meninos", diz a especialista da Unesp.

Com dois anos, dois anos e meio, a criança já é capaz de formular pequenas frases e de sair tagarelando por aí. Se chegar a essa fase e o bebê ainda não tentar falar, a mãe já deve notar que há algo errado. A fonoaudióloga Amariles alerta: "Os pais precisam se certificar de que o filho não esteja sofrendo com alguma patologia associada. A surdez, por exemplo, é muito fácil de ser percebida pelos pais. É só notar se o bebê reage aos sons do cotidiano, como uma porta batendo, adulto que fala alto, cachorro latindo".

Caso os pais, ao levaram a criança a um especialista, descobrirem que não há nenhum problema físico, não tenha dúvida de que o motivo do silêncio está ligado ao psicológico e os próprios pais podem ser, em grande parte, os responsáveis. "O excesso de zelo ou de mimo com a criança pode ser o fator responsável. Um dos exemplos mais claros são aqueles pais que dão tudo que o filho quer assim que ele aponta o dedinho. Não deixam, portanto, espaço para ele falar e pedir. Isso, para a criança, dá a impressão de que a comunicação é desnecessária", conta a profissional.

Para essas crianças com "preguiça" de falar, Amariles diz ser muito importante o trabalho de um fonoaudiólogo. "Ele vai descobrir o que está errado na relação entre pais e filhos e vai indicar a melhor maneira para que os pais estimulem seus filhos, substituindo práticas comuns, por corretas", esclarece.

A solução é conversar
Desde bem cedo, o bebê já começa a ouvir os sons. "O nenê, mesmo na barriga da mãe, consegue escutar alguns ruídos quando os pais falam com ele. Esse passo é muito importante, pois o ajuda a já ir reconhecendo a voz da mãe e do pai, através da percepção de sons agudos e graves", ensina a fonoaudióloga da Unesp.

É por isso que conversar com seu bebê desde sempre nunca é demais. Mas atenção! Nada de falar "quiancinha", em vez de criancinha, ou "bincá", em vez de brincar. Amariles explica que, a partir de um ano, o ideal é falar corretamente o nome das coisas, na entonação correta. "Se os pais infantilizam demais ao falar com o bebê, pode ser que ele cresça carregando uma fala infantilizada. Existem casos também de a criança crescer no tamanho, mas não amadurecer. Quer ficar sendo sempre o bebê e expressa isso na fala", conta a especialista.

Se o bebê não quer falar, não se afobe, estimule!
Os pais ficam muito ansiosos e, por isso, podem acabar pressionando a criança e intimidando o desenvolvimento dela. "A linguagem é importante porque, além de tudo, desenvolve também a parte neurológica da criança. Sons, ruídos, fala e articulação da boca, tudo isso ajuda a criança a estimular uma série de coisas no corpo e no cérebro dela", ensina a especialista.

Se o bebê está se esforçando bastante para falar, não precisa se assustar. O segredo é continuar incentivando a fala, mas sem exagerar. A seguir, veja como fazer o pequeno se sentir mais seguro:

1. Abaixe-se até ficar na altura da criança toda vez que for falar com ela. Assim, ela poderá enxergar melhor os seus movimentos de lábio e mandíbula;

2. Fale sempre a forma correta das palavras;

3. Se você perceber que ela tem dificuldade para falar certas palavras, tente usá-las com mais frequencia quando estiver conversando. Não se esqueça de que a criança aprende por repetição;

4. Incentive-a a conversar mais quando ela disser alguma palavra. Faça sempre pequenas perguntas enquanto estiver conversando com ela e espere a tentativa de resposta.

Fonte Minha Vida

Consumo de fibras ameniza perigos do chocolate

Elas dificultam a absorção de gorduras e ajudam no controle do colesterol

Quem resiste à tentação de comer um bom chocolate? Pode ser ao leite, meio amargo, amargo, branco. Pode estar em bolos, tortas, sorvetes, enfim, o chocolate é um alimento que pode ser utilizado nas mais diversas receitas e, em todas as suas formas de apresentação, faz sucesso entre todas as faixas etárias.

Ele já foi considerado um dos maiores vilões das dietas, mas foi comprovado que se consumido com moderação faz bem à saúde. "O chocolate é um alimento nutritivo, rico em flavonóides, antioxidantes que ajudam a proteger o coração reduzindo o risco de doenças cardíacas, além disso, estas substâncias presentes podem contribuir para a síntese de serotonina, um neurotransmissor responsável pelo bem estar e sensação de prazer", explica a nutricionista Vivianne Alves.

Um estudo da Universidade do Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, mostra que consumo de flavonóides é capaz de retardar em até 8% a oxidação do colesterol ruim (LDL), que é um dos fatores responsáveis pela arteriosclerose. Os flavonóides estão associados à diminuição do risco de doenças e ataques do coração. Sendo assim, ponto positivo para o chocolate!

Mas não é qualquer chocolate que promove estes benefícios. Quanto mais alto o teor de cacau (70% a 98%), maior o benefício, devido à grande concentração de antioxidantes. Portanto, o chocolate mais indicado para o consumo é o amargo. Mas que o consumidor não se iluda com todas essas maravilhas e consuma o produto em excesso, pois a grande quantidade de gorduras saturadas presentes no alimento pode aumentar os níveis de colesterol no organismo e interferir na balança.

Antídoto natural
Uma solução para amenizar a absorção dessas gorduras pelo organismo é o consumo diário de fibras, que devem ser distribuídas ao longo da dieta (por dia, cerca de 30g devem ser consumidos).

Cereais integrais, frutas e legumes crus são ótimas fontes de fibras. E você ainda pode complementar a dose com cápsulas,como o Divine Shen Equilibrium nº 01 produto à base de fibras de laranja. O uso de fibras alimentares auxilia no funcionamento do intestino e deve ser acompanhado da ingestão de líquidos e estar associado a uma dieta equilibrada e hábitos de vida saudáveis.

"Depois de consumidas, as fibras de laranja em cápsulas, transformam-se num gel que não é absorvido durante a digestão. Assim, durante seu trajeto no intestino, as fibras de laranja podem diminuir a absorção não apenas da glicose, mas também, da gordura dos alimentos", explica Kali Nardino, consultor farmacêutico da Divine Shen.

Fonte Minha Vida

Alimentos refinados: o consumo em excesso pode explicar a obesidade

O baixo consumo de fibras é mais prejudicial à dieta do que açúcar e gordura

Sempre que veiculamos as gigantescas cifras de obesidade no mundo, nós procuramos entender o que vem acontecendo com a nossa dieta para justificar números tão alarmantes. Independente da condição sócio cultural dos povos, o fenômeno da obesidade não poupa nenhum deles. Logo, deve estar havendo mudanças globais comuns que escapam ao olhar aguçado dos pesquisadores e estimulam o processo de ganho de peso em todo o mundo.

Já é consenso o conhecimento de que o sedentarismo da sociedade moderna seja um dos mais importantes fatores causais da obesidade. Crianças e adultos caminham menos e encontram nos botões dos controles remotos das novas tecnologias a solução de todos os seus afazeres. Crianças brincam mais com o cérebro e menos com braços e pernas, donas de casa nunca conseguiram tantas facilidades em seus afazeres, nas grandes indústrias, a robotização transformou o trabalho dos operários em atividades mais leves. Os executivos saem de um assento para outro, do escritório para o carro e desse para o sofá de suas casas e tem um gasto calórico diurno praticamente igual ao noturno. Isso tudo é sabido, mas não justifica a obesidade mundial.

Quando analisamos as mudanças nos hábitos alimentares da sociedade moderna que podem estar relacionadas ao avanço da obesidade, nós elegemos dois grandes vilões. O açúcar e a gordura. Justamente os dois mais saborosos componentes do nosso cardápio. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que o açúcar de adição não ultrapasse 10% das calorias de uma refeição. Apesar disso, nos Estados Unidos as crianças consomem o dobro dessas recomendações. Os refrigerantes são os maiores contribuintes individuais dessa ingestão.

O açúcar, incorporado na maioria dos alimentos industrializados, leva a um consumo expressivamente alto desse ingrediente, causando um aumento das calorias das dietas com um poder de saciedade muito pequeno. O resultado dessa equação é sempre muito amargo e um dos responsáveis pela epidemia de obesidade e diabetes em todo o mundo, principalmente entre crianças e adolescentes. Mesmo assim ainda não se justifica a obesidade mundial.

O nutriente mais criticado como o grande vilão da obesidade é sem dúvida as gorduras. Conhecemos bem todas elas. Gorduras boas e más não escapam da fama de engordativas. Porém os estudos indicam que o nosso consumo de gordura não tem sofrido mudanças significativas ao longo das ultimas décadas. Isso foi demonstrado recentemente em dois estudos epidemiológicos de grande porte, onde o consumo de gordura das dietas não foi associado ao sobrepeso e obesidade, nem com adiposidade corporal analisada através da pregas cutâneas. Dessa forma, as gorduras da dieta também não justificam a obesidade mundial.

Um fato que vem chamando a atenção dos estudiosos da obesidade é o progressivo refino dos alimentos consumidos em todo o mundo. Farinhas de trigo e arroz aparecem nos cardápios totalmente beneficiados e desprovidos de seus resíduos fibrosos. A questão é que esses são os ingredientes básicos da maior parte dos alimentos que adquirimos todos os meses nos supermercados. Estamos nos referindo às bolachas, massas, tortas, pizzas, pães e sopas. Associada a isso, a redução do consumo de frutas e vegetais impõe à dieta moderna o consumo de fibras próximo de zero. Isso pode revelar o potencial deletério do baixo consumo de fibras das dietas modernas em causar sobrepeso e obesidade, com impacto superior aquele imposto pelas gorduras e açúcar.

Por que precisamos das fibras?
As fibras da dieta podem facilitar o controle do peso através de vários mecanismos. Primeiro, porque os alimentos ricos em fibras são mais sacietógenos e menos calóricos levando ao consumo de menor volume de alimentos e de calorias. Segundo, as fibras da dieta, principalmente as solúveis, podem aumentar a viscosidade das mesmas e tornar mais lenta a digestão, aumentando assim a secreção de hormônios realcionados à saciedade. Terceiro, as fibras da dieta podem impor uma barreira mecânica à digestão enzimática dos demais macronutrientes como as gorduras e amido no intestino delgado. Finalmente, com a maior lentidão imposta pelas fibras à absorção dos carboidratos, pode haver menor elevação da glicemia que ocorre após as refeições, assim como uma redução nas taxas de colesterol.

Vários estudos epidemiológicos têm demonstrado uma relação inversa entre o teor de fibras na dieta e o ganho de peso. Apesar do desenho de tais estudos não permitir a conclusão de casualidade da associação repetidamente demonstrada por eles, muitos países têm investido em mudanças no estilo de vida dos povos e um dos pontos comuns aos vários guias nutricionais é o reconhecimento da importância do consumo de fibras a partir de grãos integrais, frutas e verduras. Em 2005, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, pela primeira vez recomendou em seu guia alimentar o consumo de três porções de grãos integrais ao dia, com a alegação de redução do risco coronariano e manutenção do peso.

A indústria de alimentos tem investido na suplementação de fibras em seus produtos, tendo em vista as crescentes recomendações mundiais do seu consumo. Encontramos leites, bolachas, pães, massas, iogurtes e até água suplementados com fibras. Mesmo assim, o nosso consumo de fibras é ainda distante daquele dos nossos antepassados. Para isso, deveríamos voltar a ingerir alimentos menos beneficiados, reintroduzir rotineiramente os grãos como o feijão e assegurar nossas fartas porções de frutas e verduras de antes. Talvez assim teríamos mais chances de controlar o avanço da obesidade mundial.

Fonte R7

Vitamina B contida nas nozes diminui risco de câncer de pulmão

Peixe e carne vermelha também são fontes dessa vitamina

A vitamina B contida em alimentos como nozes, peixe e carne vermelha ajuda a diminuir o risco de câncer de pulmão.

A descoberta é de um estudo europeu. Além da vitamina B, o aminoácido metionina também seria o responsável em amenizar o aparecimento da doença.

Os cientistas chegaram a essa conclusão depois de analisarem 400 mil pessoas em dez países da Europa durante oito anos.

Dentre as pessoas estudadas estavam fumantes e não fumantes. Mesmo aquelas que fumavam, a alta concentração de vitamina B em seu sangue conseguia inibir o aparecimento da doença. No entanto, os médicos alertam que o ideal é parar de fumar. O fumo é um dos principais causadores do câncer no pulmão.

Fonte R7

Meninos amamentados no peito são mais inteligentes, diz estudo

Leite compensa nos meninos os hormônios femininos que ajudam a proteger o cérebro

O leite materno é excelente para a saúde. Além de aumentar o vínculo com a mãe, a amamentação também promove muitos benefícios à saúde da criança.

Um estudo australiano garante que o leite materno produz outras vantagens, dentre elas o aumento da inteligência.

De acordo com os cientistas envolvidos na pesquisa, meninos que mamaram no peito até os seis meses de vida demonstraram um melhor desempenho no estudo.

Eles se apresentaram eficientes na leitura, matemática e grafia. Mais de mil crianças foram estudadas na pesquisa. E por que meninos ficam mais inteligentes com o leite materno?

Segundo os pesquisadores, possivelmente porque o leite compensa nos meninos os hormônios femininos que ajudam a proteger seu cérebro.

O vínculo emocional entre mãe e filho também desenvolve o sistema cognitivo dos garotos.

Os nutrientes presentes no leite materno, como os ácidos graxos poli-insaturados, também seriam os responsáveis pelo desenvolvimento da inteligência dos meninos. Essa substância ajuda no crescimento de membranas celulares do cérebro e dos neurônios.

Fonte R7

Pesquisadores identificam novos genes que aumentam risco de desenvolver a obesidade na infância

Estudo pode ajudar os médicos a buscarem maneiras de prevenir e tratar o problema

Dois novos genes, que aumentam o risco de desenvolver obesidade na infância, foram identificados por um consórcio internacional de geneticistas.

Estudos anteriores identificaram mutações genéticas que contribuem para a obesidade do adulto ou obesidades presentes em síndromes raras, mas se sabe muito pouco sobre os genes implicados na obesidade corrente da criança, afirmam os cientistas, cujos trabalhos foram publicados neste domingo (8) na edição digital da revista americana especializada Nature Genetics.

Para certificar sua análise, os autores cruzaram os resultados de 14 estudos de associação pangenômica (que cobre o conjunto do genoma) realizados nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Europa, sobre uma amostra de 5.530 crianças obesas e 8.300 não obesas (como grupo testemunha), todos eles de ascendência europeia.

Os cientistas do consórcio EGG (Early Growth Genetics) citaram os genes OLFM4, situado no cromossomo 13, e HOXB5, no cromossomo 17, que até agora não tinham sido implicados na obesidade.

Segundo os dados da literatura científica, estes genes atuam nos intestinos.

As observações determinaram um vínculo entre o gene OLFM4 e a flora microbiana intestinal que estaria envolvida no aumento de peso e na obesidade.

A associação pangenômica pretende sistematizar o genoma para buscar a quase totalidade das variações genéticas mais frequentes em um grupo de indivíduos.

As variações de predisposição podem ser identificadas porque são mais frequentes no grupo composto por pacientes que no grupo testemunha, composto por pessoas não afetadas.

Resta muito trabalho adiante, mas esses resultados poderão ajudar a criar métodos de prevenção (alimentação, atividade física) e tratamentos para as crianças, baseando-se no genoma individual, afirma um dos principais autores, Struan Grant.

Fonte R7

Dia Nacional do Braille foi comemorado ontem

Dia Nacional do Braille é comemorado hoje em todo o país
Método beneficia as 6,5 milhões de pessoas portadoras de deficiência visual no Brasil

O Dia Nacional do Braille está sendo comemorado ontem (8). O braille é um sistema de escrita e leitura baseado na percepção pelo tato destinado a pessoas que têm deficiência visual. Atualmente, elas contam também com recursos na área da informática para acessar conteúdos e se comunicar na rede mundial de computadores, a internet.

De acordo com dados do Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) existem no país 6,5 milhões de pessoas portadoras de deficiência visual, equivalente a 3,5% da população, sendo 582 mil cegas e seis milhões acometidas apenas por deficiência visual, classificada como baixa visão.

O sistema foi criado por Louis Braille, um jovem francês que ficou cego aos três anos de idade, e cuja invenção mudou a vida de milhões de pessoas em todo o mundo, disse Regina Fátima Caldeira de Oliveira, coordenadora da Revisão Braille da Fundação Dorina Nowill para Cegos.
.— Com o braille, os cegos ganharam maior independência, autonomia e segurança, fatores indispensáveis à autoestima do ser humano.

A instituição do Dia Nacional do Braille no Brasil homenageia o dia de nascimento do primeiro professor cego brasileiro, José Álvares de Azevedo, que estudou o método em Paris e passou a ensiná-lo e a difundi-lo no Brasil, tendo recebido o título honorífico de Patrono da Educação dos Cegos no Brasil.

A primeira apresentação do braille foi feita por seu autor em 1825. A escrita e a leitura por meio de pontos em relevo em um tabuleiro, baseia-se na combinação padrão de seis pontos, dispostos em duas colunas de três pontos, permitindo a formação de 63 caracteres diferentes.

Dessa forma é possível a identificação das letras do alfabeto, números, simbologia aritmética, fonética e até entender grifos de musicografia.

Os cegos e deficientes visuais contam no momento com programas de computador que também ajudam a melhorar a sua qualidade de vida. É possível acessar conteúdos e se comunicar pela internet.

O aparato disponível envolve softwares que fazem a leitura de textos por meio de sintetizadores de voz. O maior problema é o da aquisição de equipamentos por causa do alto custo, principalmente para as famílias com poucos recursos financeiros.

A Caixa Econômica Federal mantém uma linha de crédito com juros baixos e prazos longos a fim de financiar utensílios para pessoas com todos os tipos de deficiência.

Os financiamentos foram abertos em janeiro deste ano em convênio articulado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Fonte R7

Crise econômica é a maior ameaça à saúde no planeta

Conselho Nacional de Saúde alerta para a diminuição de gastos públicos no setor

A crise econômica internacional e a consequente diminuição de gastos públicos na saúde devem ser a principal preocupação da humanidade atualmente.

A avaliação é do presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Francisco Batista Júnior, em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional.

- A maior ameaça [à saúde no mundo] é o momento político. Em função de uma crise estrutural, a saúde está cada vez mais ameaçada pela possibilidade de ser transformada única e exclusivamente em mercadoria e não tratada como direito do ser humano.

A crise econômica diminui a oferta de emprego em outros países e restringe as fontes de financiamento baseadas em descontos nos salários para custeio de seguridade social.

O presidente do CNS diz que se preocupa, especialmente, com a situação dos países europeus que, em função de problemas de orçamento do Estado, estão diminuindo o alcance das políticas de bem-estar social.

Para ele, o funcionamento do Sistema Único de Saúde (SUS), em tempos de crise internacional, é um trunfo brasileiro.

- A reforma sanitária que levou ao SUS foi pensada na lógica da saúde sendo um direito universal das pessoas; como direito inalienável e inquestionável e não um bem a ser vendido do mercado.

De acordo com o especialista, o SUS “é o maior responsável pela melhoria da qualidade de vida do Brasil”.

Antes do sistema (previsto na Constituição de 1988), o país padecia com “diversas moléstias” e hoje tem uma “situação sanitária de mais qualidade” e “com acesso a tecnologias de última geração”, ressaltou.

O presidente do CNS reconhece, no entanto, que o SUS não foi implementado integralmente. Em referência ao subfinanciamento e às lacunas na prevenção, "está em desacordo com o que diz a legislação e a Constituição Federal”.

Fonte R7

Universidade Federal de Santa Maria - UFSM/RS

A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Rio Grande do Sul, realiza seleção para preenchimento de 26 vagas para Professores

Inscrições:
Até 19 de abril, pelo www.ufsm.br/concurso


Valor:
De R$ 75,00 a R$ 180,00

Áreas:
Desenho Industrial, Artes Visuais, Artes Cênicas, Física, Matemática, Geociências, Engenharia Mecânica, Pediatria e Puericultura, Clínica Médica, Enfermagem, Enfermagem, Ciências da Comunicação, Ciências Econômicas, Zootecnia, Engenharia Florestal, Administração e Ciências da Saúde.

Remuneração:
De R$ 3.058,69 a R$ 7.333,67

Provas:
Haverá Prova Escrita, Prova Didática, Prova de Defesa da Produção Intelectual, Prova de Títulos e Prova Prática, entre 4 de maio e 18 de julho.

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG - ICB e ICEx

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) realiza concurso para provimento de 3 vagas para Professor Adjunto para o Instituto de Ciências Exatas (ICEx), Faculdade de Medicina e Instituto de Ciências Biológicas (ICB).

Inscrições:
Até 27 de maio

Valor:
R$ 183,34.

Áreas:
Departamentos de Física, Anatomia Patológica e Medicina Legal e Morfologia

Remuneração:
R$ 7.333,67.

Provas:
Haverá prova de títulos, didática e apresentação de seminário

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG - Enfermagem

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) realiza concurso para preenchimento de vaga para Professor Adjunto na Escola de Enfermagem.

Inscrições:
Até 23 de maio, na Avenida Alfredo Balena, nº. 190, sala 215, Santa Efigênia, Belo Horizonte - MG. CEP 30.130-100. Telefone (31) 3409-9828.

Valor:
R$ 183,34

Área:
Administração em Saúde e Enfermagem

Remuneração:
R$ 7.333,67

Provas:
Haverá provas de títulos, escrita e didática

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (XI)

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) realiza seleção para preenchimento de 1 vaga para o Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina.

Inscrições:
Até 17 de junho de 2012, na Secretaria Geral da Faculdade de Medicina - Avenida Alfredo Balena, nº. 190, sala 81, Santa Efigênia, Belo Horizonte - MG. CEP 30.130-100. Telefone (31) 3409-9956.

Valor:
R$ 293,88.

Remuneração:
R$ 11.755,05.

Provas:
Haverá provas de títulos, arguição de memorial e apresentação de seminário

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (VIII)

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) realiza concurso para provimento de 1 vaga para professor para o Departamento de Propedêutica Complementar da Faculdade de Medicina.

Inscrições:
Até 23 de maio de 2012, na Avenida Professor Alfredo Balena, nº. 190, andar térreo, sala 81, Santa Efigênia, Belo Horizonte - MG. CEP 30.130- 100. Telefones (31) 3409-9633 e (31) 3409-9105.

Valor:
R$ 293,88.

Remuneração:
R$ 11.755,05.

Provas:
Haverá prova de títulos, arguição de memorial e apresentação de seminário

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (IX)

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) realiza concurso para Professor do Departamento de Pediatria.

Inscrições:
Até 9 de maio de 2012, na Avenida Alfredo Balena, nº. 190, sala 81, Santa Efigênia, Belo Horizonte - MG. CEP 30.130-100. Telefone (31) 3409-9105.

Área:
Medicina.

Remuneração:
R$ 11.755,05.

Valor:
R$ 293,88.

Provas:
Haverá prova de títulos, arguição de memorial e apresentação de seminário

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (III)

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) realiza concurso para provimento de 2 vagas para os Departamentos de História e Odontopediatria e Ortodontia das Faculdades de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich) e Odontologia.

Inscrições:
De 19 de novembro de 2011 a 17 de maio de 2012, na Secretaria Geral das Faculdades - Fafich - Secretaria Geral da Faculdade - Avenida Antônio Carlos, nº. 6.627, Pampulha, Belo Horizonte - MG. CEP 31.270-901. Telefone (31) 3409-5016; ou Odonto - Secretaria Geral da Faculdade - Avenida Antônio Carlos, nº. 6.627, sala 2926, Pampulha, Belo Horizonte - MG. CEP 31270-901. Telefone (31) 3409-2403.

Valor:
R$ 293,88.

Remuneração:
R$ 11.755,05.

Seleção:
Haverá provas de títulos, arguição de memorial e apresentação de seminário

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) realiza concurso para provimento de 2 vagas para Professores Adjuntos para a Faculdade de Medicina e o Instituto de Ciências Exatas (ICEx).

Inscrições:
De 12 de março a 8 de julho

Valor:
R$ 183,34

Remuneração:
R$ 7.333,67.

Provas:
haverá prova de títulos, arguição de memorial e apresentação de seminário

Concurso Prefeitura de Vargem Grande do Sul - SP

Estão abertas as inscrições para o concurso público da Prefeitura de Vargem Grande do Sul, Estado de São Paulo. O certame, que terá a execução da empresa OM Consultoria, oferece 07 vagas, distribuídas em funções de provimento imediato para os níveis fundamental e superior. Os salários podem chegar a R$ 7.747,87, mais auxílio alimentação, via cartão, no valor de R$ 150,00, em carga horária de 30 e 40h semanais.
Cargos
Alfabetizado/ Fundamental - Ajudante geral e Operador de Máquinas Motriz (Tratorista);
Superior - Assistente Social, Engenheiro Civil, Enfermeiro ESF, Médico ESF e Terapeuta Ocupacional.
Inscrições e Taxas
Os interessados deverão se inscrever através do endereço eletrônico: http://www.omconsultoria.com.br/, até às 23h59min59 do dia 17 de abril de 2012 - horário de Brasília. As taxas variam de R$ 30,00 R$ 40,00 e R$ 70,00 de acordo com o cargo escolhido.
Provas e Gabaritos
A data, horário e local das provas serão divulgados pela imprensa escrita e pelos endereços eletrônicos http://www.omconsultoria.com.br/ e www.twitter.com/omconsultoria, com pelo menos, 5 dias de antecedência.
Os gabaritos e o resultado final do concurso público serão divulgados pela imprensa, afixados nos locais de costume e disponibilizados nos endereços eletrônicos: http://www.omconsultoria.com.br/ e www.twitter.com/om_consultoria.
Validade
O concurso público terá a validade de 02 anos, podendo ser prorrogado, a critério da Administração.