Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quinta-feira, 21 de junho de 2018

Asma: fatores ambientais e genéticos podem causar a doença

21 de junho é o Dia Mundial de Controle da Asma, doença inflamatória crônica das vias aérea

asma dia-nacional2

A principal característica da asma é a dificuldade de respirar quando a pessoa é exposta a agentes alergênicos. De acordo com a pesquisa Nacional de Saúde (Ministério da Saúde/IBGE), 6,4 milhões de brasileiros acima de 18 anos têm a doença.

A asma é resultado da integração entre alterações genéticas e fatores ambientais e biológicos. Sua base genética fica evidente quando é focado o traço familiar. “Quando se faz o diagnóstico de asma, frequentemente se encontram outros asmáticos entre os pais, avós, tios e irmãos. Estudos demonstram que diversos genes estão envolvidos na patogenia da doença”, explicou Hisbello Campos, pneumologista do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz).

O traço genético da asma é o responsável pela impossibilidade de "cura", exatamente como na hipertensão arterial, diabetes e outras doenças geneticamente determinadas. No entanto, frequentemente, quando a asma é leve na infância, em 50% dos casos ela desaparece na puberdade. “Isso independe de ter ou não sido tratada adequadamente e, provavelmente, está relacionada às alterações hormonais que acontecem nessa idade. Em parte dessas pessoas nas quais os sintomas da asma desapareceram, eles ressurgem na idade adulta”, esclareceu Hisbello Campos.

Segundo a pesquisa, as mulheres são as mais acometidas pela asma: 3,9 milhões delas afirmaram ter diagnóstico da enfermidade contra 2,4 milhões de homens. Ou seja, prevalência de 39% a mais entre o sexo feminino.

Causas da asma Vários fatores ambientais e genéticos podem gerar ou agravar a asma. Para os fatores genéticos - característicos da própria pessoa -, destacam-se o histórico familiar de asma ou rinite e obesidade.

Tabagismo - a fumaça é um potente irritante das vias aéreas e deixa pequenas cicatrizes por onde passa. A fumaça é responsável por muitas dessas inflamações.

Entre os aspectos ambientais estão a exposição à poeira e barata, aos ácaros e fungos, às variações climáticas e infecções virais (especialmente o vírus sincicial respiratório e rinovírus, principais agentes causadores de pneumonia e resfriado, respectivamente).

A asma caracteriza-se por um processo que afeta todo o organismo e não somente as vias aéreas inferiores, que aumentam a produção de secreções e prejudicam a passagem de ar.

O asmático tem tosse frequente, prolongada, geralmente durante a noite, nem sempre com catarro; chiado, cansaço, opressão no peito com dificuldade para respirar. Esses sintomas podem aparecer juntos ou ocorrer isoladamente. A existência de tosse crônica ou a falta de ar ao praticar exercícios físicos podem ser sintomas de asma.

Dicas
A maior concentração de ácaros é encontrada nos travesseiros e camas, estofados, bichos de pelúcia, carpetes, estantes de livros e cortinas. Por isso, é importante que esses locais estejam sempre limpos, principalmente onde o alérgico passa a maior parte do seu tempo. Essas medidas simples de limpeza são primordiais para que os asmáticos não tenham crises constantes.

Tratamento SUS
Uma pessoa com sintomas respiratórios como tosse, cansaço ou falta de ar deve procurar um médico. O tratamento da asma visa diminuir a inflamação. O SUS oferece tratamento integral a pacientes com asma. Os atendimentos iniciais devem ser realizados na Atenção Básica, e, caso seja necessário, o paciente é encaminhado a um serviço especializado. Os medicamentos definidos pelo profissional de saúde para o tratamento de asma são distribuídos gratuitamente aos usuários por meio do programa Aqui Tem Farmácia Popular, em uma das mais de 35 mil farmácias credenciadas ao programa. Lá, os pacientes encontram os três principais medicamentos para o tratamento da doença (brometo de ipratrópio, diproprionato de beclometasona e sulfato de salbutamol), em suas diferentes dosagens.

Para retirar, o cidadão deve apresentar o documento de identidade com foto, CPF e receita médica dentro do prazo de validade (120 dias). A receita pode ser emitida tanto por um profissional do SUS quanto por um médico que atende em hospitais ou clínicas privadas.

Nos casos em que há evolução do quadro do paciente, se houver necessidade clínica, é possível ainda obter a complementação do tratamento com medicamentos do chamado componente especializado. Após diagnóstico e prescrição correta, a rede pública de saúde oferece também de graça os remédios – budesonida, fenoterol, formoterol e salmorerol – os quais devem ser retirados nos serviços estaduais, responsáveis pela compra e distribuição dos mesmos.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Cinco vitaminas fundamentais para a fertilidade masculina

Resultado de imagem para vitaminasVocê sabia que alguns homens precisam tomar medicamentos, vitaminas e até consumir alimentos, que contribuirão para evitar a infertilidade e melhorar a qualidade dos espermatozoides produzidos?

Nestes casos, o acompanhamento de um médico especialista é importante para orientar todas as etapas e o melhor tratamento.

Mas podemos adiantar que alimentos com vitaminas A, E, D, Zinco e Ômega – 3, são aliados e podem ser incluídos no cardápio.

A vitamina A, por exemplo, pode ser encontrada em ovos, frutas e legumes de coloração amarelada, leite e seus derivados, verduras com folhagem verde-escura e peixe. As principais fontes de vitamina E são: nozes, brócolis, óleo de gérmen de trigo, óleo de girassol e amendoim.

A vitamina D é encontrada em frutos do mar e peixes.

O Zinco pode ser encontrado na cebola, nozes, feijão, avelãs, germe de trigo, ostras, cereais integrais, levedo de cerveja, ovos e frutos do mar.

Ômega – 3 é encontrado nos peixes, sementes de chia e linhaça e nozes.

Emoções em jogos de Copa aumentam em até 8% número de infartos

Resultado de imagem para heart attackEm meio a essa carga de adrenalina, detalhes como suor frio, palpitações e respiração ofegante passam despercebidamente pelo torcedor ou torcedora

Começou neste domingo (17), às 15h contra a Suíça, mais uma participação brasileira em Copas do Mundo. E com ela, um turbilhão de emoções a cada lance e a cada disputa de bola culmina naquele momento único, onde o coração parece não se aguentar: o gol da Seleção Brasileira. Ele dispara e, em meio a essa carga de adrenalina, detalhes como suor frio, palpitações e respiração ofegante passam despercebidamente pelo torcedor ou torcedora.

É tanta a magia que envolve esse momento que parece ser natural a vista ficar turva, um aperto no peito, uma palidez no rosto. Pois bem, segundo cardiologistas consultados pela Agência Brasil esses sintomas que parecem até naturais em meio a um jogo de Copa do Mundo na verdade podem indicar que há algo de errado no coração desse torcedor. “Nesse caso, é de extrema importância que se procure uma emergência cardiológica”, alerta o cardiologista especialista em arritmia Benhur Henz.

“Sem dúvida as emoções [de uma Copa] podem aumentar os eventos cardiovasculares. Grandes momentos de tensão ocasionam descargas adrenérgicas [de adrenalina] aumentando risco de crises hipertensivas, angina, arritmias. Inclusive existem estudos observacionais que correlacionam período de Copa com um maior número de eventos cardiovasculares, especialmente em jogos do Brasil, quando ocorre um aumento de infarto agudo do miocárdio”, acrescentou.

Citando dados do estudo Copa do Mundo de Futebol como Desencadeador de Eventos Cardiovasculares, da Universidade de São Paulo (USP), o diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), Anderson Rodrigues, explica que as ocorrências de infarto aumentam de 4% a 8% entre brasileiros, durante os jogos da Copa.

Emoções boas ou ruins
As emoções que aumentam os riscos de problemas no coração, citados pelos cardiologistas, podem ser tanto boas como ruins. “Ansiedade, rancor, alegria, tristeza ou mesmo amor são emoções que resultam em descargas de adrenalina na circulação sanguínea, e acabam causando sinais como suor frio, palpitações e alterações na pressão arterial”, disse Rodrigues.

Essas alterações na pressão podem ser silenciosas, mas também podem resultar em derrame ou infarto. “Entre esses dois extremos, tudo pode acontecer”, ressalta Rodrigues, referindo-se a sintomas como uma dor de cabeça que pode ou não incidir mais especificamente na nuca, até palidez facial, turvação visual e os chamados escotomas [pontos brilhosos na vista].

“Diante de qualquer sintoma ou sinal suspeito, o torcedor não deve, em hipótese alguma, esperar acabar o jogo para procurar atendimento médico”, enfatiza o diretor da SBC ao incluir, também entre os sintomas, dores no peito que podem irradiar para o braço ou dor na mandíbula.

No caso de pessoas que estejam sozinhas e sintam esses sintomas, o mais indicado é que, de imediato, acione o Samu, pelo telefone 192, ou o corpo de bombeiros, pelo 196.

Prevenir e remediar
De acordo com os cardiologistas, uma estratégia boa a ser adotada para evitar que a emoção coloque em risco o coração é a de tentar assistir ao jogo com tranquilidade; evitar o uso de álcool e tabaco; fazer uma alimentação leve, pobre em gorduras; e buscar lugares arejados ou frescos. “O excesso de estresse, sem dúvida, atrapalha. Devemos agir de forma racional, evitando a paixão excessiva e discussões sem necessidade”, sugere Benhur.

“Claro que, diante de um jogo muito disputado, muitas pessoas podem não conseguir se manter suficientemente tranquilas. Nesses casos, o recomendável, pelo menos para quem já tem diagnosticado algum problema desse tipo [cardíacos, de pressão ou que já tenha passado por infarto], é falar antes com um médico para saber o que fazer, casos eles ocorram. Há medicações e terapias que podem minimizar os riscos”, disse Rodrigues.

A prática rotineira de atividades esportivas e meditação pode ajudar, mas em muitos casos elas podem não ser suficientes. Por isso, é aconselhável que torcedores que já têm acompanhamento médico não deixem de tomar seus remédios nos dias dos jogos.

“Em algumas pessoas, o grau de ansiedade não será controlado apenas com tratamento não-medicamentoso, como Yoga, meditação, esportes e demais atividades físicas. Essas pessoas precisarão de tratamentos medicamentosos, mas é fundamental que essa medicação seja usada conforme orientação médica”, orienta Rodrigues.

terça-feira, 19 de junho de 2018

Lotes de fraldas Huggies Turma da Mônica têm vendas suspensas pela Anvisa

Pacote de fraldas da marca Huggies Turma da Mônica, da fabricante Kimberly-Clark (Foto: Divulgação)Produto descumpre exigências relacionadas ao uso de matérias-primas não tóxicas e testes para irritação na pele

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu a venda de uma série de lotes de fraldas descartáveis da marca Huggies Turma da Mônica "tripla proteção", da fabricante Kimberly-Clark.

A agência determinou ainda que a empresa recolha o estoque existente no mercado, segundo publicado nesta segunda-feira (18) no Diário Oficial da União.

De acordo com a resolução, o produto descumpre exigências relacionadas ao uso de matérias primas atóxicas e a testes de irritação na pele.

Em nota, a Kimberly Clark disse ao G1 que as fraldas podem apresentar escurecimento por conta da oxidação do gel absorvente, mas que "não causam nenhum dano à saúde dos consumidores", conforme atestado em testes toxicológicos e dermatológicos. A empresa afirmou também que já interrompeu o comércio dos produtos, mas que não concorda com a decisão da Anvisa e vai recorrer

Os lotes suspensos são:

  • SZ LOTE NA FAB: 01/06/2015 a SZ LOTE NC FAB: 30/06/2015
  • SZ LOTE OB FAB: 01/06/2015 a SZ LOTE OC FAB: 30/06/2015
  • SZ LOTE PA FAB: 15/06/2015 a SZ LOTE PC FAB: 30/06/2015
  • SZ LOTE QA FAB: 21/06/2015 a SZ LOTE QC FAB: 30/06/2015
  • SZ LOTE RA FAB: 09/06/2015 a SZ LOTE RC FAB: 30/06/2015
  • SZ LOTE SA FAB: 08/06/2015 a SZ LOTE SC FAB: 30/06/2015
  • SZ LOTE NA FAB: 01/07/2015 a SZ LOTE NC FAB: 31/07/2015
  • SZ LOTE OA FAB: 01/07/2015 a SZ LOTE OC FAB: 31/07/2015
  • SZ LOTE PA FAB: 01/07/2015 a SZ LOTE PC FAB: 11/07/2015
  • SZ LOTE PA FAB: 27/07/2015 a SZ LOTE PC FAB: 31/07/2015
  • SZ LOTE QA FAB: 01/07/2015 a SZ LOTE QC FAB: 07/07/2015
  • SZ LOTE QA FAB: 13/07/2015 a SZ LOTE QC FAB: 24/07/2015
  • SZ LOTE QA FAB: 27/07/2015 a SZ LOTE QC FAB: 27/07/2015
  • SZ LOTE RA FAB: 01/07/2015 a SZ LOTE RC FAB: 09/07/2015
  • SZ LOTE RA FAB: 12/07/2015 a SZ LOTE RC FAB: 23/07/2015
  • SZ LOTE RA FAB: 29/07/2015 a SZ LOTE RC FAB: 31/07/2015
  • SZ LOTE SA FAB: 01/07/2015 a SZ LOTE SC FAB: 06/07/2015
  • SZ LOTE SA FAB: 08/07/2015 a SZ LOTE SC FAB: 13/07/2015
  • SZ LOTE SA FAB: 25/07/2015 a SZ LOTE SC FAB: 31/07/2015
  • SZ LOTE NA FAB: 01/08/2015 a SZ LOTE NC FAB: 18/08/2015
  • SZ LOTE NA FAB: 25/08/2015
  • SZ LOTE OC FAB: 03/08/2015 a SZ LOTE OA FAB: 25/08/2015
  • SZ LOTE PA FAB: 01/08/2015 a SZ LOTE PC FAB: 05/08/2015
  • SZ LOTE PA FAB: 22/08/2015 a SZ LOTE PC FAB: 22/08/2015
  • SZ LOTE QA FAB: 07/08/2015 a SZ LOTE QC FAB: 10/08/2015
  • SZ LOTE QA FAB: 18/08/2015 a SZ LOTE QC FAB: 18/08/2015
  • SZ LOTE RA FAB: 01/08/2015 a SZ LOTE RC FAB: 06/08/2015
  • SZ LOTE RA FAB: 20/08/2015 a SZ LOTE RC FAB: 20/08/2015
  • SZ LOTE SA FAB: 01/08/2015 a SZ LOTE SC FAB: 04/08/2015
  • SZ LOTE SA FAB: 10/08/2015 a SZ LOTE SC FAB: 10/08/2015
  • SZ LOTE SA FAB: 17/08/2015 a SZ LOTE SC FAB: 24/08/2015
  • SZ LOTE SA FAB: 26/08/2015 a SZ LOTE SC FAB: 26/08/2015
  • SZ LOTE QA FAB: 03/09/2015 a SZ LOTE QC FAB: 03/09/2015
  • SZ LOTE RA FAB: 25/02/2016 a SZ LOTE RC FAB: 25/02/2016
  • CA LOTE AA 06:00 FAB 24/05/2014 EXP: 23/05/2017 a CA LOTE AC 22:00 FAB 02/09/2015 EXP: 01/09/2018
  • CA LOTE AA 06:00 FAB 08/10/2013 EXP: 07/10/2016 a CA LOTE AC 22:00 FAB 31/08/2015 EXP: 30/08/2018
Os consumidores que tiverem fraldas desses lotes em casa devem contatar a Kimberly-Clark no telefone 0800 709 5599

Foto: Divulgação

G1

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Venda de opioides cresce 465% no Brasil

Resultado de imagem para opióidesOs medicamentos opiáceos – ou opioides – estão em disparada no Brasil

De acordo com um levantamento coordenado pelo pesquisador Francisco Inácio Bastos, da Fundação Osvaldo Crus (Fiocruz), o número de receitas médicas de medicamentos vendidos em 2009 foi de 1.601.043; em 2015, o número chegou a 9.045.945, um salto de 465%.

O artigo, publicado no American Journal of Public Health, revela que as prescrições médicas de produtos à base de codeína, para dores moderadas, cresceram 95%, saindo de 1.584.372 prescrições para 8.872.501 receitas médicas no mesmo período.

Usados, geralmente, para combater dores crônicas e debilitantes de pacientes com câncer ou lúpus, os opioides também são encontrados diluídos na formulação química de medicamentos como os analgésicos, anestésicos e até em xaropes para controlar a tosse. Os fármacos podem ser utilizados para tratar dores de coluna, enxaqueca, dores nas articulações, entre outras. Porém, o uso constante da substância pode levar à dependência e, o abuso, à morte. Os opiáceos são derivados da mesma família da heroína e outras drogas ilegais.

“Nos Estados Unidos, há uma crise de medicamentos prescritos. É o maior índice de mortes por overdose. Aqui não estamos acompanhando essa epidemia. Precisamos exigir melhores dados e transparência para poder fazer prevenção focalizada,” diz a diretora executiva do Instituto Igarapé, Ilona Szabó.

Guia da Farmácia