Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 25 de maio de 2015

Anvisa aprova produto biológico novo para tratamento de doença rara

 
O produto biológico novo é indicado para o tratamento de pacientes com Doença de Castleman Multicêntrica (DCM) que são negativos para o vírus da imunodeficiência humana (HIV) e negativos para o herpesvírus-8 humano (HHV-8).
 
Pacientes com a Doença de Castleman Multicêntrica são, geralmente, controlados pelo tratamento dos sintomas. Porém, o sucesso é limitado. Portanto, esta opção terapêutica atende a uma necessidade clínica para a doença.
 
O produto biológico novo é um anticorpo monoclonal que forma complexos estáveis de alta afinidade com formas bioativas solúveis de interleucina-6 (IL-6) humana.
 
ANVISA

Paracetamol na gravidez eleva risco de infertilidade do bebê

 Foto: iStockMedicamento pode reduzir níveis de testosterona do bebê, interferindo no desenvolvimento do seu sistema reprodutor
 
O analgésico paracetamol é comumente utilizado por grávidas, mas uma nova pesquisa alerta sobre os perigos do seu uso prolongado e em maiores quantidades. De acordo com pesquisa da Universidade de Edimburgo, na Escócia, pode reduzir os níveis de testosterona de bebês do sexo masculino, o que interfere no desenvolvimento do sistema reprodutor e, portanto, aumenta a possibilidade de defeitos congênitos genitais, infertilidade e câncer testicular. Os dados são do jornal Daily Mail.
 
Como experimentos com crianças no útero seriam impossíveis, os cientistas estudaram ratos com pedaços de tecido testicular fetal humano enxertados neles. Os animais receberam paracetamol em doses equivalentes às tomadas por pessoas.
 
Ingerir o remédio por apenas um dia não teve efeitos sobre os níveis de testosterona. No entanto, o tratamento realizado três vezes por dia, durante sete dias, causou quase redução pela metade do hormônio masculino, relatou a publicação Science Translational Medicine.
 
Rod Mitchell, autor principal do estudo, disse que, embora ele não queira que as grávidas sintam dores desnecessárias, o paracetamol é frequentemente tomado “sem pensar duas vezes”. A recomendação é usar a menor dose eficaz, durante o menor tempo possível, sempre consultando o médico.
 
Terra

Rede pública oferece remédios para depressão; saiba quais são as exigências

No mundo, uma pessoa se mata a cada 40 segundos; taxa no Brasil é de 5,8 por 100 mil
 
Embora possa se orgulhar de suas estratégias de prevenção do suicídio, o Brasil ainda registra números pouco lisonjeiros no ranking mundial: somos o quarto país latino-americano em crescimento no índice de mortes desse tipo.
 
A estimativa compreende os suicídios entre os anos de 2000 a 2012, e foi divulgada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em setembro de 2014.
 
O relatório mostra que, na América Latina, ao todo cinco países tiveram aumento percentual no número de suicídios ao longo dos dez anos de pesquisa. A Guatemala aparece em primeiro lugar, com 20,6%, seguida pelo México (16,6%), Chile (14,3%), Brasil (10,4%) e Equador (3,4%).
 
De acordo com a OMS, uma pessoa se mata a cada 40 segundos no mundo. São 800 mil suicídios por ano, especialmente entre pessoas entre 15 a 29 anos — para se ter uma ideia da gravidade do problema, esta é a segunda maior causa de morte nesta faixa etária.
 
De acordo com o Ministério da Saúde, a taxa média do Brasil é de 5,8 por 100 mil habitantes, metade da média mundial (11,4 por 100 mil).
 
No Brasil, um dos 28 países que contam com táticas nacionais de combate ao suicídio, qualquer cidadão pode ter acesso gratuitamente a acompanhamento psicológico e psicoterápico, segundo o ministério.
 
São 2.209 CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) em funcionamento no País, com profissionais de equipes de saúde mental capacitados e balizados em um manual que ajuda na qualidade do atendimento. Nestas unidades, os pacientes recebem atendimento próximo da família, assistência médica e cuidado terapêutico conforme seu quadro de saúde.
 
O que poucos pacientes sabem é que, além do apoio psicológico, o SUS (Sistema Único de Saúde) disponibiliza também medicamentos.
 
Remédios como os antidepressivos fluoxetina e clomipramina, o antiepilético clonazepam e o antipsicótico quetiapina, por exemplo, são entregues de graça nas Unidades Básicas de Saúde e em outros estabelecimentos designados pelas secretarias de saúde dos municípios. A exigência no procedimento é que a receita seja de um médico do SUS.
 
R7

Quando é melhor tomar ibuprofeno ou paracetamol?

Medicamentos agem contra a dor e inflamação, mas é preciso ler a bula e evitar excessos
 
Dois dos analgésicos mais comuns do mundo, o paracetamol e o ibuprofeno são comumente usados contra dores de cabeça, cólicas ou febre, por exemplo.
 
Ambos em geral são seguros se tomados na dose correta e sob recomendação médica, mas como saber qual dos dois tomar?
 
No Reino Unido, gestantes foram recentemente orientadas a tomar cuidado ao ingerir paracetamol (princípio ativo do Tylenol) , após um estudo da Universidade de Edimburgo sugerir que o uso prolongado do analgésico poderia afetar a saúde reprodutiva de seus filhos.
 
Segundo as diretrizes do Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, o equivalente ao SUS brasileiro), paracetamol deve ser tomado na gravidez apenas se realmente necessário e pelo menor período de tempo possível. Pessoas que precisem de tratamento de longo prazo com o analgésico devem fazê-lo sob orientação médica.
 
E, na gestação, deve-se evitar também o ibuprofeno (princípio ativo do Advil), a não ser que o médico o receite.
 
Para as demais pessoas, veja o que o NHS e o site americano AskDrSears, especializado em orientação pediátrica, dizem sobre os dois analgésicos.
 
Os analgésicos até podem ser usado em conjunto, desde que seguindo as orientações da bula e de médicos — e dentro de doses limitadas. Mas esse uso combinado não é recomendado para crianças menores de 16 anos.
 
Paracetamol
Segundo o NHS, o paracetamol reduz a dor ao afetar os químicos nas chamadas prostaglandinas, substâncias liberadas pelo corpo em resposta a doenças ou lesões. O paracetamol bloqueia a produção de prostaglandinas, fazendo o corpo menos ciente da dor ou da lesão.
 
É indicado para aliviar dores moderadas e leves, como dores de cabeça, torções e dente. O analgésico também reduz a temperatura do corpo.
 
A não ser que o médico assim oriente, nunca tome mais do que quatro doses em 24 horas e sempre siga as orientações da bula.
 
E, se as dores persistirem por mais de três dias, consulte seu médico. Por conta dos efeitos colaterais, nunca é indicado que o paciente aumente ele próprio sua dosagem caso a dor seja severa.
 
Virtudes
— A droga age diretamente nos nervos e receptores do cérebro para aliviar a dor, e por isso costuma ser mais eficaz contra dores de cabeça.
 
— É seguro para crianças e adultos se tomado corretamente, e os efeitos colaterais são mínimos.
 
— Segundo artigo publicado na rede médica AskDrSears.com, seria necessário tomar ao menos sete vezes a dose normal de paracetamol para que a droga se tornasse danosa ao paciente. É seguro tomá-la com outros antibióticos ou medicamentos de resfriado.
 
— Pode ser ministrado a bebês, para tratar febres ou dores, desde que eles tenham mais de dois meses de idade.
 
Defeitos
— Enquanto o ibuprofeno age em 30 minutos, o paracetamol não tem efeito antes de 45 a 60 minutos desde a ingestão da primeira dose. E a dor e a febre são reduzidas por quatro horas, em vez de seis.
 
— O paracetamol não tem as mesmas propriedades anti-inflamatórias que o ibuprofeno, portanto é menos eficaz para reduzir a dor associada à inflamação e à lesão corporal.
 
— Ainda que não ataque o estômago, seu consumo excessivo pode ser prejudicial para o fígado e o rim. Portanto, não deve ser usado por pessoas com problemas hepáticos.
 
— Em casos mais raros, pode causar reação alérgica (coceira ou inchaço).
 
— Quando ministrado de forma intravenosa, pode baixar a pressão.
 
Ibuprofeno
O ibuprofeno também age nas prostaglandinas e também é usado para conter dores moderadas e leves (de dente, cabeça, lesões esportivas, cólicas, febre e inflações). Mas medicamentos chamados de anti-inflamatórios não esteroides, como o ibuprofeno, parecem funcionar melhor se a causa da dor for inflamatória, como artrite ou lesão, explica o NHS.
 
Ele não deve ser usado por período prolongado a não ser que haja uma inflamação e que o médico o recomende. O uso prolongado pode causar irritações no estômago, problemas nos rins e cardíacos. Não tome além das doses recomendadas, para não elevar os riscos de efeitos colaterais.
 
Deve ser tomado com cautela por idosos ou pessoas com problemas estomacais, cardíacos, hepáticos e renais.
 
O remédio age contra a dor pouco depois de ser ingerido, ainda que o efeito anti-inflamatório seja mais fraco e leve mais tempo para começar a ser sentido.
 
Deve ser tomado na menor dose possível e pelo menor período de tempo possível.
 
Virtudes
— Age contra a febre alta, diminui a dor e a inflamação.
 
— Reduz a inflamação no ponto lesionado, portanto é mais eficaz contra a dor dos músculos e contra lesões corporais onde a inflamação é um fator.
 
— Segundo o AskDrSears.com, também funciona mais rápido e por mais tempo que o paracetamol, tendo efeito em 30 minutos e podendo durar até seis horas.
 
Defeitos
— O ibuprofeno pode agir mais rapidamente que o paracetamol, mas tem alguns efeitos secundários negativos, como o mal-estar estomacal. Se ingerido diariamente durante mais de duas semanas, seus produtos químicos ácidos que podem agravar úlceras estomacais e queimaduras na mucosa do estômago.
 
— Convém ingeri-lo com a comida e, se seu uso for constante, com protetores estomacais. Não é comum que ele provoque hemorragia interna ou úlceras, mas é um fator de risco.
 
— Ele também pode reduzir a capacidade do corpo em formar coágulos sanguíneos. Por isso, o medicamento será menos eficaz para os pacientes com feridas grandes ou hemorragias consideráveis. O paracetamol não está associado a esses riscos.
 
— Em altas doses ingeridas por um período prolongado, pode elevar os riscos de derrame ou problemas cardíacos. Em mulheres, o uso prolongado pode estar associado à redução na fertilidade, mas esse quadro é reversível.
 
Veredicto final
Ambas as substâncias são analgésicos eficazes e redutores da febre. O ibuprofeno funciona um pouco mais rápido e tem efeito mais duradouro, além de reduzir inflamações.
 
O paracetamol é comparável em alguns aspectos, mas não tem as mesmas propriedades anti-inflamatórias. No entanto, tem menos efeitos colaterais, como problemas estomacais.
 
Nunca é demais lembrar que devem ser respeitadas as orientações da bula e que o uso jamais deve ser excessivo ou prolongado sem o devido acompanhamento médico.

BBC Brasil / R7

As 10 farmacêuticas que mais venderam genéricos até março

farmaceuticas-25055
Os dados são de um levantamento da IMS Health sob encomenda da PróGenéricos
 
De janeiro a março deste ano, as vendas de medicamentos genéricos no País somaram 1,5 bilhão de dólares (algo em torno de 4,5 bilhões de reais), valor 0,43% maior do que o apresentado no mesmo período de 2014.
 
Os dados são de um levantamento feito pela IMS Health sob encomenda da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos). No trimestre, foram comercializadas 227,3 milhões de caixas desse tipo de remédio.
 
A participação da categoria no varejo chegou a 28% no período, segundo a instituição. Abaixo, vejas as farmacêuticas que mais faturaram com os genéricos no mercado brasileiro durante os três primeiros meses do ano.
 
1. EMS
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 436,11 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 472,17 milhões
Variação -7,64%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 66,05 milhões
 
2. Sanofi
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 240,41 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 254,85 milhões
Variação -5,67%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 33,87 milhões

3. Hypermarcas
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 211,43 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 163,25 milhões
Variação 29,51%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 34,82 milhões
 
4. Eurofarma
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 139,21 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 133,37 milhões
Variação 4,38%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 15,04 milhões
 
5. Novartis
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 124,78 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 123,23 milhões
Variação 1,26%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 9,87 milhões
 
6. Aché
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 98,17 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 92,38 milhões
Variação 6,26%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 15,09 milhões
 
7. Teuto Brasileiro
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 87,96 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 90,27 milhões
Variação -2,56%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 17,70 milhões
 
8. Nova Química
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 33,15 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 32,06 milhões
Variação 3,41%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 4,25 milhões
 
9. Prati-Donaduzzi
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 32,54 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 38,03 milhões
Variação -14,43%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 8,24 milhões
 
10. Merck
Vendas de janeiro a março de 2015 US$ 15,63 milhões
Vendas de janeiro a março de 2014 US$ 17,68 milhões
Variação -11,61%
Quantidade de caixas vendidas no 1º tri de 2015 3,89 milhões
 
Exame / Guia da Pharmacia

Sem cirurgia, anticoncepcional masculino deve chegar ao mercado em 2018

Fundação Parsemus: Líquido é injetado e não
 permite que os espermatozoides passem na hora da
 ejaculação
Substância em estudo teve sucesso em coelhos e deverá ser testado em humanos em 2016
 
Apesar de parecer uma realidade ainda distante, em poucos anos, os homens deverão ter à disposição um anticoncepcional masculino. O produto que está em fase de testes, deverá chegar ao mercado em 2018.
 
Desenvolvido pela Fundação Parsemus, dos Estados Unidos, o Vasalgel será aplicado por meio de injeção nos vasos deferentes (que ficam nos testículos e carregam os espermatozoide até a ejaculação), bloqueando a passagem das células reprodutivas masculinas.
 
O produto não modifica a produção de hormônios masculinos. Para a reversão, é injetada outra substância que dilui a primeira, e, em algumas semanas, o homem fica apto para ter filhos novamente.
 
Em entrevista ao R7, a diretora da fundação, Linda Brent, explicou que o produto não influencia na ejaculação e no orgasmo.
 
— A substância bloqueia e filtra o esperma, permitindo que o sêmen seja liberado normalmente. A ejaculação continua da mesma maneira, mas sem esperma.
 
Até agora, os testes realizados em coelhos mostraram que o produto é eficaz, conforme explica Linda.
 
— A infertilidade permaneceu por pelo menos um ano. Logo depois, iniciamos o procedimento de reversão.
 
Segundo Linda, a expectativa da Parsemus é iniciar os testes em humanos a partir de 2016, mas, para isso, é preciso ter a aprovação do órgão de controle de saúde americano, FDA (Food and Drug Administration).
 
Em relação ao tempo de duração do produto, a diretora explica que ainda não é possível ter essa resposta. Nos coelhos testados, o efeito permaneceu por um ano até ser interrompido pelos pesquisadores.
 
— Estudos com produtos similares na Índia demonstraram que o efeito chegou a durar dez anos. Nós ainda teremos que fazer diversos testes para podermos dizer por quanto tempo o homem ficará prevenido com Vasalgel.
 
Na opinião do urologista Marcello Cocuzza, membro do Departamento de reprodução Humana da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia), a novidade pode ser revolucionária em relação a prevenção masculina.
 
— Sem dúvida seria algo revolucionário, mas é preciso muitos testes. Facilitaria muito o processo anticoncepcional masculino. Mas em humanos é muito complicado, porque cada pessoa é diferente.
 
Poucas opções para homens
Por haver poucas opções contraceptivas para o homem, o urologista diz acreditar que a novidade pode ser bem recebida pelo público. Hoje, quando o quesito é prevenção para eles, há somente duas opções: a camisinha e a vasectomia.
 
— São poucas opções, porque o homem não pode tomar remédios de efeito hormonal como a pílula. O uso dessas substâncias nos homens tem influência nos níveis de testosterona, e pode ser irreversível. Quando toma anticoncepcional, o sistema hormonal masculino fica bloqueado, ele entra em atrofia, o que não acontece com a mulher. O testículo tem atrofia testicular crônica.
 
Para o médico, a principal vantagem do novo anticoncepcional seria a facilidade da reversão, já que é menos agressivo que a vasectomia.
 
— A vasectomia é um procedimento cirúrgico que consiste na interrupção dos ductos deferentes. Embora seja reversível, exige um procedimento cirúrgico delicado. É uma microcirurgia. O Vasalgel é um método contraceptivo utilizado para os homens que consiste na obstrução, semelhante a vasectomia, porém, que proporciona a reversão com maior facilidade. Vejo com um método teoricamente mais simples, para a redução a curto prazo. Se ele funcionar, pode ser muito benéfico.
 
O especialista também explica que o produto pode também ter um processo de recuperação mais simples que o da vasectomia.
 
— Eu não acho que esse novo contraceptivo tem que ser pensado como uma substituição da camisinha, mas sim como alternativa à vasectomia, para homens que já possuem uma família.
 
Preço
Até o momento, a Fundação Parsemus não tem estimativa de quanto custará esse produto, diz a diretora Linda Brendt.
 
— Nossa ideia é deixar o anticoncepcional a preço de custo, já que as grandes empresas da indústria farmacêutica não tiveram interesse em patrocinar o nosso estudo.
 
Brendt afirma que a falta de interesse está associada a falta de lucratividade. Segundo ela, é mais vantajoso para a indústria vender pílulas para mulheres, que deve ser tomada diariamente, do que fazer um produto que pode durar por alguns anos.

R7

Campanha de vacinação contra a gripe é prorrogada até 05 de junho

Quem perdeu o período de vacinação contra a gripe terá mais uma oportunidade de se proteger contra a doença
 
O Ministério da Saúde irá prorrogar a campanha nacional até o dia 05 de junho. A ideia é alcançar a meta de vacinar, pelo menos, 80% do público prioritário. Balanço do Ministério da Saúde indica que, até a manhã da última sexta-feira (22), foram vacinadas mais de 23 milhões de pessoas, o que representa 46,2% do público-alvo, formado por 49,7 milhões de pessoas, consideradas com mais riscos de desenvolver complicações causadas pela doença.
 
Até o momento, a maior cobertura de vacinação foi entre as puérperas (45 dias após o parto), com 223.839 doses administradas, o que representa 62,5% deste público-alvo. Em seguida estão os idosos, com 10,8 milhões (52%) de vacinados; as crianças de seis meses a menores de cinco anos, com 5,7 milhões de vacinados (45,1%); as gestantes, com 921 mil doses (42,3%); e os trabalhadores da saúde, com 1,6 milhão doses aplicadas (39,5%). Entre os indígenas, a vacinação chegou a 212,3 mil doses, ou 35,1%. Como a vacinação deste grupo é realizada em áreas remotas, a atualização dos dados segue outra dinâmica. Além do grupo prioritário, também foram aplicadas 3,5 milhões de doses nos grupos de pessoas com comorbidade, população privada de liberdade e trabalhadores do sistema prisional.
 
A definição dos grupos prioritários segue a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), além de ser respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.
 
A vacina disponibilizada pelo Ministério da Saúde em 2015 protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela OMS para este ano (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). A vacina contra influenza é segura e também é considerada uma das medidas mais eficazes na prevenção de complicações e casos graves de gripe. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.
 
Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, o ideal é realizar a imunização antes do início do inverno. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.
 
Para receber a dose, é importante levar o cartão de vacinação e o documento de identificação. As pessoas com doenças crônicas ou com outras condições clínicas especiais também precisam apresentar prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receberem a dose, sem necessidade de prescrição médica.
 
Campanha
A 17ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe, que tem como Slogan “Contra a gripe, seu escudo é a vacinação” , reforça o conceito de proteção, além de explorar a imagem do escudo empunhado pelo Zé Gotinha, o personagem-símbolo da vacinação. A ação conta com filme para TV, spot para rádio, anúncio de revista, mobiliário exterior e peças para o ambiente online.
 
As vacinas contra a gripe foram adquiridas por meio da Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) entre o Instituto Butantan e o laboratório privado Sanofi. O acordo, intermediado pelo Ministério da Saúde, permitiu que Instituto Butantan dominasse todas as etapas de produção da vacina. Foram investidos R$ 487,6 milhões na aquisição das doses para a campanha deste ano.
 
Prevenção
A transmissão dos vírus influenza ocorre pelo contato com secreções das vias respiratórias que são eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como medida de prevenção, tais como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto e não compartilhar objetos de uso pessoal.
 
Em caso de síndrome gripal, a recomendação é procurar um serviço de saúde o mais rápido possível. A vacina contra a gripe não é capaz de eliminar a doença ou impedir a circulação do vírus. Por isso, as medidas de prevenção são tão importantes, particularmente durante o período de maior circulação viral, entre os meses de junho e agosto.
 
Também é importante lembrar que, mesmo pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe - especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações - devem procurar, imediatamente, o serviço médico. Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.
 
Reações adversas
Após a aplicação da vacina pode ocorrer, de forma rara, dor no local da injeção, eritema e enrijecimento. São manifestações consideradas comuns, cujos efeitos costumam passar em 48 horas. A vacina é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para pessoas que tenham alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados. É importante procurar o médico para mais orientações.
 
Total de doses aplicadas (exceto em pessoas com comorbidades, população privada de liberdade e trabalhadores do sistema prisional)
 

10 cuidados que se deve ter com lentes de contato

Higienizar bem as mãos e limpar corretamente as lentes são atitudes essenciais para manter a saúde dos olhosO mau uso das lentes, principalmente com relação à falta de higiene, pode provocar infecções e até perda da visão
 
Lentes de contato são a alternativa preferida por muitos em relação aos óculos. “Principalmente em pessoas com graus mais altos, a lente de contato aumenta a qualidade de vida”, conta Helena Maria Costa Oliveira, oftalmologista do H. Olhos – Hospital de Olhos Paulista. Segundo a médica, as lentes aumentam o campo de visão das pessoas, quando comparadas aos óculos, e ajudam na prática de esportes.
 
“A lente de contato é um polímero importante para enxergar, mas bloqueia um pouco a respiração do olho” afirma o oftalmologista Richard Yudi Hida. Para não prejudicar a saúde ocular é necessário ter alguns cuidados. Todas as precauções recomendadas pelos médicos na galeria abaixo, inclusive se consultar com um oftalmologista previamente, devem ser seguidas também no caso de lentes de contato coloridas.
 
Os oftalmologistas dizem que não existe nenhuma contraindicação pré-estabelecida, mas apenas um especialista poderá decidir quem pode ou não passar a usar lentes de contato. “As percepções são analisadas caso a caso: se a pessoa não tem cicatrizes, machucados ou situações clínicas de doença no olho, por exemplo”, explica Richard.
 
O mau uso do acessório pode trazer problemas graves nos olhos. “Desde um machucado simples até uma infecção grave que pode levar à perda da visão”, alerta Richard. Helena também cita conjuntivite e úlcera de córnea que podem ser causadas pela falta de higiene e cuidado com as lentes.
 
Helena explica que quem começa a usar lentes de contato precisa passar por consultas regulares a cada 2 ou 3 meses com um oftalmologista.
 
“Depois da adaptação feita, podemos manter uma frequência semestral ou anual de consultas” diz. Mas qualquer sinal de que algo está errado nos olhos deve ser levado em consideração.
 
“Dor, olhos vermelhos ou falha na visão podem ser indiretamente um sinal de que a adaptação não está boa”, afirma Richard, que recomenda que ao perceber algum desses sintomas, é importante procurar um médico.
 
Veja 10 cuidados que se deve ter com lentes de contato:
 
- Se desejar usar lentes, é necessário consultar um médico e fazer exames oftalmológicos para saber qual o tipo de lente que deve usar.
 
- É essencial higienizar muito bem as mãos sempre que for tirar ou colocar as lentes.
 
- Para a limpeza das lentes, não use soro fisiológico, água ou qualquer outro líquido que não seja a solução especial para lentes de contato recomendada pelo médico.
 
- Respeite o período de utilização e descarte de sua lente.
 
- Higienize periodicamente o estojo em que guarda suas lentes.
 
- Evite coçar muito os olhos quando estiver usando lentes.
 
- Sempre retire as lentes de contato para dormir.
 
- Qualquer queixa, como dor nos olhos, olhos vermelhos ou falhas na visão, procure um oftalmologista.
 
- Não é recomendado entrar em piscina ou mar com lentes de contato, pois a água pode conter microorganismos que deterioram e contaminam as lentes.
 
- Até mesmo a água do banho pode ser fonte de contaminação, portanto é bom evitar tomar banho com as lentes.

iG

Farmácia Popular do Brasil não pode aceitar prescrição de enfermeiros

Uma notícia publicada no site do Conselho Federal de Enfermagem tratou sobre a possibilidade do programa Farmácia Popular do Brasil aceitar prescrição de enfermeiros
 
No entanto, o CRF-SP esclarece que a Portaria nº 971/GM do Ministério da Saúde, de 17 de maio de 2012, que determina as regras para programa, não prevê a possibilidade de prescrição de medicamentos por enfermeiros. Ou seja, não ocorreu publicação de nova legislação a respeito e, consequentemente, por enquanto, não houve mudanças sobre as regras de dispensação no Programa.
 
O artigo 11, inciso II, alínea “c”, da Lei 7.498/86 permite que o enfermeiro prescreva medicamentos quando integrante de equipe de saúde, e com base em rotina aprovada pela instituição de saúde:
 
Art. 11. O Enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe:
(…)

II – como integrante da equipe de saúde:
a) participação no planejamento, execução e avaliação da programação de saúde;
b) participação na elaboração, execução e avaliação dos planos assistenciais de saúde;
c) prescrição de medicamentos estabelecidos em programas de saúde pública e em rotina aprovada pela instituição de saúde.
 
Portanto, o enfermeiro pode prescrever medicamentos que sejam definidos por protocolos (somente no serviço público) em ato administrativo específico, mas somente os expressamente constantes deste. Sendo assim, o farmacêutico que atua nas farmácias dentro das Unidades Básicas de Saúde, deve solicitar o protocolo contendo a relação dos medicamentos aprovados pela instituição que o enfermeiro trabalha e que poderá prescrever.
 
Qualquer dúvida entre em contato com o Departamen to de Orientação do CRF-SP por meio do telefone (11) 3067 1470 ou e-mail orientacao@crfsp.org.br.

Fonte: CRF-SP

Suplementação já é apontada como causa de lesões renais

Nutrólogos temem surto de hemodiálise no futuro devido ao uso indiscriminado
 
Na moda e amplamente incentivado entre os praticantes de atividades físicas nas academias, o consumo exagerado de suplementos alimentares e vitaminas está levando aos consultórios mais pacientes com alterações na função renal, devido ao uso desses produtos sem acompanhamento e, muitas vezes, até como substitutos de refeições.

Casos de insuficiência e calcificação renal, intoxicação e hipervitaminose ficam cada vez mais comuns nos consultórios com a explosão desse culto ao “lifestyle fitness” e com a lentidão na fiscalização dos produtos que são comercializados. A presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Carmen Tzanno, diz que chega a receber até dois pacientes por semana relatando problemas que, quando investigados, levam à constatação de que foram causados por suplementos.
 
“Muitos pacientes são jovens e até adolescentes”, afirma ela. “Esse movimento é percebido há pelo menos três anos”, completa, ao explicar que a suplementação é recomendada apenas para atletas de alto rendimento ou para sanar deficiências geradas por patologias.
 
A preocupação é crescente, e o consumo inadequado é apontado como uma das causas da disfunção renal, discutida em congressos da área. O nutrólogo e também nefrologista Alexandre Dias Pinto Coelho alerta que, em conversas informais em um desses eventos, foi levantada a suspeita de um possível surto na hemodiálise. “Pelo andar da carruagem, é possível que, dentro de dez ou 15 anos, comece a aparecer gente com doença renal terminal secundária ao uso abusivo de proteínas, sejam elas de suplementos ou não”, critica.
 
Um dos principais riscos, segundo Coelho, é a dieta dos atletas que buscam hipertrofia (crescimento dos músculos), baseada principalmente em alimentos e suplementos ricos em proteínas, que, em excesso, podem acelerar nefropatias (lesões ou doença do rim) silenciosas. Carmen também ressalta os riscos das dietas da moda, como a Dukan, que, se aliada aos suplementos proteicos (como o Whey Protein, por exemplo), acaba levando à formação de pedras nos rins.
 
A nefrologista também cita o caso de um paciente que, após o uso de doses elevadas de vitamina D, chegou ao quadro de intoxicação, hipervitaminose e calcificação renal. “Quando você retira o consumo e faz a orientação adequada, em geral, a função é recuperada. O grande problema é que as pessoas, mesmo orientadas, têm uma ambição estética tão grande que qualquer outro problema de saúde acaba sendo deixado de lado”.
 
A psicóloga Marcelle Bitarães, 24, conta que sempre desconfiou dos benefícios dos suplementos, mas há oito meses ela adquiriu uma rotina mais rigorosa de atividade física e passou a sentir a necessidade de contar com a “ajuda” de produtos indicados por sua nutricionista esportiva. “Sempre tive o pé atrás e, sem acompanhamento, acho perigoso tomar. Consegui eliminar 10 kg e 13% de gordura. Sem os suplementos acho que conseguiria o mesmo resultado, mas demoraria mais”.
 
Expansão
No Brasil, estima-se que 2% da população – cerca de 4 milhões de pessoas – consuma suplementos, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Produtos Nutricionais (Abenutri). Dentro do mercado de nutrição esportiva, os produtos à base de proteína aparecem como campeões de venda (65%), e os jovens entre 15 e 30 anos representam 80% dos consumidores.
 
“Os números podem aumentar de maneira exponencial nos próximos anos. Sendo assim, esse mercado deve ser regulado, e a população deve procurar orientação profissional. Essas medidas são preventivas e visam à preservação da função renal, boa qualidade de vida e um estilo de vida saudável”, diz Carmen.
 
Fiscalização
 
Alerta
Somente em 2014 e 2015, a Anvisa proibiu a distribuição e a comercialização de 21 marcas de suplementos proteicos para atletas e outras 14 marcas de suplementos alimentares.
 
Só produtos alterados são suspensos
 
Regulamentação: Em 2010, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou um regulamento técnico com diretrizes específicas aos alimentos para atletas.
 
Venda: Por telefone, a assessoria de imprensa da agência disse que os produtos podem ser vendidos em farmácias e lojas de produtos naturais. “A comercialização só é suspensa quando os produtos apresentam algum problema.
 
O Dia

Veja dicas para se apaixonar pelo seu trabalho e pelas segundas-feiras

1. Seja honesto sobre suas expectativas: Considere se você está trazendo expectativas para o trabalho que não são realistas. Tenha uma conversa com seu gerente e coloque para fora as expectativas de ambos os lados da mesa. Foto: ThinkstockSer honesto consigo mesmo e cercar-se de pessoas que amam o que fazem são conselhos para ser feliz com o trabalho
 
Acordar cedo às segundas-feiras para ir trabalhar pode ser um verdadeiro pesadelo para alguns, principalmente para quem não gosta do seu emprego.
 
Esse pode ser o primeiro sinal de que uma série de coisas precisa mudar na relação com o seu trabalho e com as escolhas que fez para a sua carreira.
 
Veja dicas da revista digital americana "Fast Company" para se reconectar com seu trabalho e se apaixonar pelas segundas-feiras:
 
1. Seja honesto sobre suas expectativas: Considere se você está trazendo expectativas para o trabalho que não são realistas. Tenha uma conversa com seu gerente e coloque para fora as expectativas de ambos os lados da mesa.
 
2. Encontre uma maneira de aprender novas habilidades: Inscrever-se para cursos ou assistir a conferências de desenvolvimento profissional são ótimas maneiras de reacender a paixão por seu trabalho e adicionar habilidades.
 
3. Conecte-se com o usuário final do seu trabalho: Você já se perguntou se o trabalho que você está fazendo realmente importa no mundo real? Reestabelecer uma conexão humana com os usuários finais pode ajudá-lo a ver o valor do trabalho que você executa e o impacto que seu trabalho tem na vida de outra pessoa.
 
4. Envolva-se com pessoas que amam seu trabalho: Pessoas que odeiam seus trabalhos tendem a espalhar a sua negatividade, enquanto aqueles que gostam de seus empregos produzem felicidade.
 
5. Ainda insatisfeito? Considerar mudar de emprego: Se a diferença entre suas expectativas e as expectativas da empresa são insuperáveis, se você já tiver verificado a sua atitude e ainda tem que arrastar-se para fora da cama na segunda-feira de manhã, pode ser hora de seguir em frente..

iG

Remédio chinês que desacelera Alzheimer entrará em fase de testes clínicos

Medicamento mostrou melhora da memória e das habilidades cognitivas de animais
 
Um medicamento elaborado por cientistas chineses que conseguiu resultados positivos na desaceleração do avanço do Alzheimer em animais entrará em breve em fase de testes clínicos, anunciaram neste domingo (24) os responsáveis pelo projeto.
 
O remédio, desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Saúde e Biomedicina de Cantão da Academia Chinesa de Ciências, vem mostrando efetividade na melhora da memória e das habilidades cognitivas de animais, explicou o diretor da equipe responsável pelo projeto, Hu Wenhui, à agência estatal de notícias “Xinhua”.
 
Após uma bem-sucedida experiência em porcos da Guiné, foi decidido que na fase seguinte de desenvolvimento deste composto, chamado AD16, serão feitos testes com humanos. O AD16 desacelera o avanço do Alzheimer, ao funcionar como um agente antineuroinflamatório que pode aliviar os danos causados pelas proteínas beta-amiloides nos neurônios.
 
Os fragmentos desta proteína são acumulados no cérebro das pessoas que sofrem de Alzheimer, formando depósitos que impedem que as células possam se conectar entre si e transmitir os impulsos nervosos, o que acaba afetando suas habilidades cognitivas e sua memória.

R7

Especialistas se reúnem para debater tratamento do diabetes

Nos dias 29 e 30 de maio acontece o 9º Curso de Atualização no Tratamento do Diabetes (CATD), das 8h às 17h30, no hotel Windsor Atlântica, em Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro
 
O encontro reúne médicos e residentes para apresentar novidades terapêuticas para a doença, em uma programação com palestras, espaço para debates e outras atividades interativas.
 
Durante o evento, a geneticista Michele Migliavacca representará o Sérgio Franco Medicina Diagnóstica ministrando a palestra Estado da Arte da Genética da Obesidade: Este Conhecimento Já Pode Ser Aplicado?, no dia 29, às 16h50.
 
O 9º CATD é uma oportunidade para discutir as opões e decisões de tratamento, compartilhar experiências com a tecnologia disponível e obter informações sobre novos exames. Os interessados deverão se inscrever pelo site http://eventos.acmed.com.br/produto/catd-2015/ .
 
Serviço
9º Curso de Atualização no Tratamento do Diabetes.
 
Data: 29 e 30 de maio.
 
Horário: das 8h às 17h30.
 
Local: Windsor Atlântica Hotel (Av. Atlântica, 1.020, Leme, Copacabana).
 
 
Rachel Lopes
Assessoria de Imprensa