Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Iogurte desnatado pode reduzir o risco de diabetes tipo 2

Mulher comendo iogurte - Foto: Getty ImagesComer lanche uma vez a cada dois dias diminui chances em até 47%, diz estudo
 
Inclua o iogurte desnatado como lanche entre as refeições ajuda a reduzir o risco de diabetes tipo 2 quase pela metade, de acordo com os resultados de um novo estudo da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Os resultados foram publicados online 05 de fevereiro na revista Diabetology.

Os cientistas acompanharam o registro diário detalhado de todos os alimentos e bebidas consumidos por um grupo de 4.255 pessoas, sendo que 753 dessas desenvolveram diabetes tipo 2 no últimos 11 anos. No início do estudo, os indivíduos tinham uma idade média de 59 anos e índice de massa corporal (IMC) de 26.

Cada participante preencheu um extenso questionário sobre todos os alimentos lácteos ingeridos, como leite, queijo ou iogurte. Estes foram divididos em alto teor de gordura e baixo teor de gordura, com base em um corte de 3,9% para o teor de gordura total. Produtos lácteos fermentados (iogurte, queijo e creme de leite) também foram classificados separadamente em alto e baixo teor de gordura.

Leite foi o mais consumido, representando 82% do cardápio de alimentos lácteos, seguido pelo queijo (9%) e iogurte (8%). Consumo de produtos lácteos total foi de 269 g por dia em médica, dos quais 65% eram com baixo teor de gordura.

O consumo total de produtos lácteos não foi associado com o risco reduzido de diabetes, mas a ingestão de laticínios de baixo teor de gordura foi, após o ajuste para idade e sexo. No entanto, a redução não era tão significativa quando se ajustava outros fatores, como IMC, tabagismo, consumo de álcool, classe social, atividade física e outros componentes da dieta.

Do mesmo modo, o consumo total de produtos lácteos fermentados foi associado com um risco 19% mais baixo, mas isto também se tornou não significativo após ajuste para fatores de risco.

No entanto, o iogurte de baixo teor de gordura foi associado com um risco reduzido de 35% mesmo após o ajuste para fatores de risco. Em uma análise separada, os autores descobriram que substituir lanches como bolos, biscoitos e chips pelo iogurte resultou em um risco 47% inferior para diabetes tipo 2. Segundo os pesquisadores, a medida ideal para consumo é 4,5 porções de tamanho padrão (125 g) por semana.

Vários mecanismos possíveis poderiam explicar a relação entre produtos lácteos fermentados e diabetes, incluindo a promoção da síntese de menaquinona (vitamina K2), que tem sido associada a taxas reduzidas de diabetes do tipo 2, ou as ações de bactérias probióticas, que têm sido encontrados para melhorar o perfil lipídico e antioxidante em pacientes com diabetes tipo 2, sugerem os estudiosos.

Aproveite oito benefícios do iogurte para a saúde
Se o leite já é um alimento excelente e rico em nutrientes para a saúde, imagine então o seu derivado que agrega praticamente todos os benefícios e ainda traz outras vantagens. "No iogurte, a lactose - um tipo de açúcar - foi transformada em ácido láctico por meio da fermentação bacteriana", explica a nutricionista Gisela Peres, da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. "Isso faz com que o iogurte seja fonte de fermentos lácteos que melhoram a digestão e trazem benefícios para todo o organismo."
 
Confira sete motivos para incluir iogurte na dieta e ainda aprenda uma prática receita caseira indicada por nutricionistas:
 
Aumenta a imunidade
O consumo regular de iogurte ajuda a recompor as bactérias benéficas da flora intestinal - chamadas probióticos. "Elas são verdadeiros soldados lutando para expulsar do organismo as bactérias 'ruins'", explica a nutricionista Gisela. Esses micro-organismos contribuem para aumentar a imunidade. "O intestino saudável é capaz de separar o que não nos faz bem e absorver os principais micronutrientes, como as vitaminas", complementa.
 
Fortalece os ossos
Por ser derivado do leite, o iogurte é excelente fonte de cálcio, um mineral importante para a saúde dos ossos. Uma porção de 100 gramas do alimento contêm, aproximadamente, 121mg de cálcio, segundo a Tabela de Composição Química dos Alimentos da Unifesp. "Recomendo a ingestão de iogurte, principalmente, para ajudar no crescimento de ossos e dentes de crianças e prevenir a osteoporose, principalmente em mulheres", afirma a nutricionista Gisela.

Quanto antes você iniciar a ingestão de cálcio para prevenir a perda de massa óssea, melhor. "O esqueleto é considerado um grande reservatório de cálcio", afirma a nutricionista Simone Freire, de São Paulo. Ela explica que o pico de massa óssea é geralmente alcançado por volta dos 30 anos. "Acredita-se que, por volta dos 40 anos e com a chegada da menopausa, começa a diminuição da massa óssea, sendo a mulher mais vulnerável à osteoporose por causa da mudança na produção de hormônios", diz.
 
Fonte de vitaminas do complexo B
A nutricionista Thatyana Freitas, da clínica Stesis, em São Paulo, conta que essas vitaminas ajudam a manter a tonicidade muscular do aparelho gastrointestinal. "Elas também atuam no metabolismo de proteínas, lipídeos e carboidratos e têm importante papel na produção de energia para o organismo, na oxigenação das células e na produção de neurotransmissores", afirma a nutricionista. Alguns estudos também apontam que as vitaminas do complexo B podem ajudar a combater a depressão e a ansiedade. 
 
Protege o sistema nervoso
"O cálcio é um mineral que ajuda nas contrações musculares e na comunicação das células do sistema nervoso", conta a nutricionista Thatyana. Com isso, há uma melhora da função dos neurônios, que são células do sistema nervoso que dão estímulos (impulsos nervosos) para realizar as mais diversas atividades do corpo. Além desse nutriente, a nutricionista Gisela conta que as vitaminas do complexo B presentes no iogurte ajudam a melhorar a eficiência desses impulsos nervosos. 
 
Promove o bom humor
"O intestino responde pela produção de 95% da serotonina de todo o corpo, que é um neurotransmissor responsável pelo bom humor", afirma a nutricionista Thatyana. Como as bactérias benéficas - os probióticos - do iogurte melhoram a saúde desse órgão, maiores podem ser as chances de estimular a sensação de bem-estar e o bom humor, ajudando você a executar as suas tarefas diárias com mais ânimo e disposição.
 
Melhora o trânsito intestinal
Como os probióticos encontrados no iogurte melhoram a saúde do intestino, ele tende a deixar de ser "preguiçoso" e passa a funcionar melhor. Se você consumir iogurte regularmente, poderá ter menos chances de sofrer de prisão de ventre e outras complicações decorrentes da digestão.  
 
Fonte de proteínas
Segundo a nutricionista Gisela, as proteínas são fundamentais por formarem os músculos e as vísceras. "As proteínas também constituem os hormônios que regulam o funcionamento dos mais diversos órgãos do corpo e alguns tipos de proteínas ainda servem de anticorpos, ou seja, defendem o organismo de agentes agressores", conta a profissional. 
 
Pode ajudar a emagrecer
Pesquisadores da Universidade de Tennessee (EUA) observaram que adultos com obesidade que comiam três porções de iogurte desnatado por dia, como parte de uma dieta de baixa caloria, perdiam 22% mais peso e 61% mais gordura corporal do que aqueles que simplesmente cortavam calorias. O estudo foi divulgado na publicação científica International Journal of Obesity. Segundo os autores, os resultados aumentam as evidências de que a ingestão de cálcio e proteínas, tanto do iogurte como de outros produtos lácteos, pode ajudar a queimar gordura e promover a perda de peso de forma mais acelerada. 
 
Faça você casa
As opções de iogurte no mercado já são ótimas, mas você também pode investir na receita caseira indicada pela nutricionista Thatyana - só cuidado para não exagerar no consumo, pois o resultado é um iogurte integral, ou seja, com mais quantidade de gorduras. Confira a receita aqui. 
 
Minha Vida

Mastologistas contradizem estudo e reforçam a importância da mamografia

Foto: Reprodução
Mamografia
Médicos reafirmam importância da mamografia para mulheres entre 40 e 69 anos
 
Na última quarta-feira (13), o British Medical Journal divulgou um estudo canadense que afirma que exames anuais de mamografia não reduzem o risco de uma mulher morrer de câncer de mama e confirma descobertas anteriores de que muitas anormalidades detectadas por esses raios-X nunca seriam fatais, mesmo se não fossem tratadas.
 
Em resposta ao estudo, a SBM (Sociedade Brasileira de Mastologia) divulgou nesta quinta-feira (13) uma nota reafirmando a importância da realização da mamografia anual a partir dos 40 anos de idade.
 
A SBM informou que as realidades entre Canadá e Brasil são muito diferentes, já que no país da américa do norte o sistema de saúde é melhor e a mulher é mais disciplinada.
 
— Essas duas situações juntas certamente contribuíram favoravelmente para que as mulheres que foram submetidas ao exame físico e encaminhadas para o tratamento logo no início puderam ter acesso ao serviço de saúde pública com rapidez, o que não acontece no Brasil.
 
A entidade reforçou que é necessário continuar o rastreamento mamográfico para todas as mulheres brasileiras entre 40 e 69 anos até que estudos mais adequados a realidade do nosso país sejam conduzidos. O texto da sociedade ainda informa que o Brasil ainda não conseguiu diminuir a taxa de mortalidade por câncer de mama, ao contrário do Canadá, que já mostra resultados excelentes.
 
Segundo a SBM, é possível verificar uma estabilização e discreta redução nas mortes no Sul do país, onde a mamografia é feita mais adequadamente, mas no Centro-Oeste e no Norte, o índice ainda é bastante alto.
 
R7

Siga dicas e fique com o sorriso saudável e bonito

ThinkStock
Não é necessário gastar muito tempo para escovar os dentes
A correta higiene da boca é tão essencial quanto tomar banho
 
O dia mal começou e já é aquela correria, não é mesmo? Tomar banho, arrumar a mesa do café da manhã, levar os filhos para a escola e tudo mais. Porém, não se esqueça de dedicar poucos minutos para cuidar da saúde bucal. Como a escovação adequada você pode se livrar de muitas doenças.
 
De acordo com a dentista Adriana Rodrigues, da clínica Living Odontoestética, a correta higiene bucal deve fazer parte da rotina, assim como tomar banho.
 
— Não se gasta muito tempo para escovar os dentes após comer, o indicado são dois minutos apenas. O uso do fio dental e do limpador de língua completa a limpeza ideal diária.
 
Veja dicas e conserve sorriso saudável:
 
— Alimentos “autolimpantes”: se não puder proceder a limpeza logo depois da refeição, consuma alimentos como cenoura e maçã, que ajudam a remover resíduos dos dentes;
 
— Cuidado com o que coloca na boca: cigarro, excesso de café, refrigerantes à base de cola e vinho tinto podem provocar manchas nos dentes;
 
— Tenha um kit escovação sempre com você: o mercado oferece escovas de dente portáteis,
pequenas e fáceis de carregar. Assim como pastas de dentes e fio dental de tamanho reduzido;
 
— Beba muita água, pois a bebida previne mau hálito e doenças como cárie;
 
—  Escove sempre a língua, pois o mau hálito pode de ser causado por acúmulo de bactérias nessa região.

R7

Chega a 60 número de mortos pelo coronavírus na Arábia Saudita

Foto: Reprodução
Coranavirus
Um jovem saudita de 22 anos contagiado pelo coronavírus morreu na Arábia Saudita, onde já faleceram 60 pessoas infectadas por este vírus, informou neste domingo o Ministério da Saúde em comunicado.
 
Segundo a nota, o jovem sofria de câncer e representa o caso de número 145 das pessoas contagiadas no país pelo coronavírus, cujos primeiros sintomas são febre e tosse, que se agravam até causar uma pneumonia.
 
O primeiro caso da Síndrome Respiratória Coronavírus do Oriente Médio (MERS-CoV) na Arábia Saudita foi detectado em setembro de 2012.
 
O Governo saudita informou que a maioria dos infectados sofre de doenças crônicas que debilitam seu sistema imunológico e os torna mais vulneráveis.
 
Os coronavírus constituem uma família viral que pode causar doenças nos seres humanos que vão desde o resfriado comum até a Síndrome Respiratória Aguda Severa, conhecida como Sars.
 
EFE / R7

Proteja seus olhos com o óculos de sol adequado

ThinkStock
Óculos escuros sem as devidas proteções podem queimar a córnea
Lente mais escura é mais aconselhável no verão, diz especialista
 
Você tem certeza que os seus óculos de sol tem a proteção adequada para proteger seus olhos? Os raios solares não deixam marcas só na pele, mas também nós olhos. Fique atento!

Se você tem dúvidas sobre a qualidade dos seus óculos, o oftalmologista Fabrício Witzel, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina USP, afirma que é mais indicado não usar nada, do que objeto sem proteção.

— Os óculos escuros dilatam a pupila de 20 a 30 vezes o seu tamanho normal, fazendo com que o olho vire um alvo fácil para a entrada da radiação. Os óculos necessitam ter as devidas proteções exigidas pelo Inmetro para preservar a visão do usuário.
 
Óculos escuros sem as devidas proteções podem queimar a córnea e a conjuntiva, além de aumentar o desenvolvimento da catarata e doenças que induzem a cegueira. Witzel alerta que durante o verão, quanto mais escura a lente, melhor.
 
Mas pode ficar tranquilo! Não é preciso gastar muito para ter óculos de sol de qualidade, já que a película de proteção é um componente barato.
 
R7

Você sabe se as suas fezes estão saudáveis?

Sangue nas fezes devem sempre ser investigadas por um médico
Cor, consistência e até o cheiro podem indicar problemas de saúde
 
Para alguns um alívio, para outros uma saga dolorosa. Seja uma hora fácil ou difícil, é certo que nem todos gostam de ficar encarando as próprias fezes no vaso sanitário. Entretanto, respirar fundo e encarar o bolo fecal pode dizer muito sobre a sua saúde - afinal, ele é o resultado de tudo o que você come. Essa necessidade básica indica como vai a saúde de todo o sistema digestivo e ainda dá pistas sobre a qualidade da sua alimentação.
 
Já que prevenir é o melhor remédio, confira os tópicos que merecem atenção sobre suas fezes e o que significa cada alteração:
 
Cor
As fezes normalmente tem cor marrom de diferentes tonalidades. "As variações de cores ocorrem conforme o tipo dos alimentos, a quantidade de bile, produzida pelo fígado e que irá digerir as gorduras, e eventualmente alguma doença", diz o cirurgião gástrico e proctologista Sidney Klajner, do Hospital Albert Einstein. O gastroenterologista Guilherme Andrade, do Centro de Gastroenterologia e Cirurgia Bariátrica e Metabólica do Hospital 9 de Julho, afirma que as fezes enegrecidas - chamadas "borra de café" - sinalizam sangramento do aparelho digestivo, em geral do estômago e as fezes avermelhadas acusam um sangramento do intestino grosso ou mesmo região em torno do ânus. "Fezes amareladas e brilhantes podem indicar problemas do pâncreas que determinam dificuldade em se absorver gorduras, enquanto as fezes esbranquiçadas podem indicar problemas do fígado, como hepatite", afirma Guilherme. Por fim, as fezes esverdeadas podem tanto indicar a ingestão de alguns vegetais verdes escuros em excesso ou alimentos com corantes azuis.
 
Fezes com sangue
Não é normal apresentar sangue nas fezes - é um cenário que deve sempre ser investigado por um médico. "Pode ser um problema simples, como um sangramento de hemorroidas internas, mas também pode representar alguma inflamação com erosões ou úlceras, como no caso da retocolite e doença de Crohn", explica o proctologista Sidney. Além disso, sangue nas fezes pode indicar a presença de algo mais sério, como algum tumor. O gastroenterologista Guilherme reforça que o sangue é vivo geralmente é sinal de sangramento mais baixo, como do cólon ou ânus.
 
Consistência
A consistência das fezes sugere o quanto elas demoraram a ser evacuadas. "Fezes que demoraram dias passam a ter seu componente de água reabsorvido pelo organismo e, portanto, ressecam mais, ficando bastante endurecidas", explica o proctologista Sidney. No caso das infecções intestinais, a passagem das fezes é bem mais rápida e não há a correta absorção de água, gerando as diarreias. "A consistência ideal é de pastosa a moldável, devendo se adaptar ao canal do ânus sem machucar", completa Guilherme Andrade.
 
O odor fétido pode indicar infecções ou inflamações
Odor
É certo que o cheiro das fezes não é dos mais agradáveis, uma vez que as bactérias do intestino geram compostos sulfurosos após digerir os alimentos. Entretanto, a intensidade do odor pode variar muito conforme aquilo que comemos. No geral, o consumo de carne vermelha ou alimentos condimentados pode gerar fezes com um odor mais acentuado. As fezes de uma alimentação saudável e equilibrada devem apresentar um cheiro característico, mas nada que deixe o banheiro interditado! "O odor fétido pode indicar infecções ou inflamações, já que não há a completa digestão dos alimentos", afirma o proctologista Sidney. Há também as fezes que ocorrem após um sangramento no estômago, que tem um mau cheiro fortíssimo. 
 
Formato
Os vários formatos das fezes não indicam, na imensa maioria, algum tipo de doença, a depender também da cor e consistência. "Entretanto, as fezes saudáveis no geral são cilíndricas a alongadas", ressalta o gastroenterologista Guilherme. Fezes cortadas, em "bolinhas", acontecem nas constipações crônicas, podendo ser sintoma de diverticulites, colites ou até mesmo um tumor. Além disso, as fezes disformes e liquefeitas acontecem nas diarreias, e as fezes muito finas podem indicar que você está fazendo força demais para evacuar, contraindo o esfíncter mais do que deveria.
 
Boia ou afunda?
Fezes saudáveis no geral devem afundar. "A maior parte da massa fecal é constituída de bactérias da flora, fibras e água, e essas afundam", explica o gastroenterologista Guilherme. "O que determina se boia ou não é o teor de gordura: quando em excesso, as fezes tendem a boiar." A concentração de gases nas fezes também pode fazê-las boiar, e isso é resultado da ingestão de alguns alimentos, como brócolis, feijão e repolho.
 
Frequência
Tudo depende da quantidade de fibras que comemos e dos próprios movimentos intestinais. "A prisão de ventre é a situação na qual o paciente não consegue evacuar um mínimo de duas a três vezes por semana", afirma o proctologista Sidney. A constipação pode estar relacionada à dieta, doenças do assoalho pélvico, falta de relaxamento muscular, obstrução do aparelho intestinal ou mesmo adiar a ida ao banheiro. Uma frequência considerada dentro do ideal fica entre três vezes ao dia até uma vez a cada três dias. "Essa porém não é uma definição rígida, havendo pessoas normais que fogem do padrão", lembra o gastroenterologista Guilherme.
 
Minha Vida

Estresse prejudica a memória, aumenta o envelhecimento e causa síndrome metabólica

Moça estressada com dor de cabeça - Foto: Getty ImagesConheça os efeitos que o estresse prolongado causa em todo o seu corpo
 
Não adianta fugir, o estresse é uma reação natural do nosso corpo a situações tensas e de nervosismo. Na verdade, momentos estressantes são benéficos, pois eles melhoram seu desempenho no trabalho e nos relacionamentos. Porém, se constantemente você vem sentindo seu coração acelerar, os músculos se retesarem e o suor tomar conta do seu corpo, cuidado!
 
"Atualmente sabe-se que um agente estressor intenso leva a alterações hormonais e pode ser o desencadeador de complicações, principalmente diabetes e hipertensão, pelo mecanismo de liberação crônica do cortisol e das catecolaminas", considera a endocrinologista Milena Caldato, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Tudo isso ocorre porque o corpo se prepara para situações em que ele precisa lutar ou fugir. Isso faz com algumas funções básicas do organismo mudem para poupar e canalizar nossa energia. "Primeiro há um disparo hormonal do sistema adrenérgico e depois do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal", explica o cirurgião geral Marcelo Katayama, instrutor de treinamento com foco em desenvolvimento pessoal e diretor no Núcleo Ser. Primeiro o hormônio adrenalina é liberado e depois o cortisol, e eles têm ações diversas no nosso corpo.

Quando o quadro se torna permanente, porém, isso altera todo o funcionamento do nosso organismo. Para saber mais sobre quais os problemas associados ao estresse crônico, confira a seguir como ele repercute em cada parte do nosso corpo. 
 
Cérebro
Nosso cérebro funciona basicamente por meio de neurotransmissores, substâncias que são enviadas de um neurônio ao outro e decodificadas por estruturas chamadas de receptores. Qualquer desequilíbrio na quantidade ou na recepção dessas substâncias altera o funcionamento da nossa mente, e esse desequilíbrio químico é o que leva à diversas doenças mentais.

No caso do estresse, o cortisol atua em alguns receptores, tendo normalmente um efeito específico: "o cérebro pode entrar em fadiga, levando a um quadro de esgotamento", ensina o cirurgião geral Marcelo Katayama, instrutor de treinamento com foco em desenvolvimento pessoal e diretor no Núcleo Ser. Sintomas como a dor de cabeça podem aparecer quando o estresse se torna muito prolongado.

Mas para o especialista, outra forma de o estresse afetar nossa mente é através da forma como pensamos. "Os significados que você atribui às situações fazem com que você enxergue o estímulo como estressor ou não, dessa forma, quem tem pensamento negativo o tempo inteiro retroalimenta o circuito estressor em um looping", considera Katayama.                     
 
Coração
Quando o estresse bate à porta, a liberação inicial da adrenalina aumenta os batimentos cardíacos e com isso vem a hipertensão. O que não é um problema, se isso ocorre apenas por um momento. Porém, quando o quadro de tensão se torna prolongado, isso causa um estado em que a pressão arterial fica sempre mais elevada. "Além disso, com o tempo o processo favorece deposição de gordura das artérias, endurecendo-as e também favorecendo a aterosclerose, condição que resulta em infarto e AVC", esclarece o cardiologista Carlos Alberto Pastore, diretor do Serviço de Eletrocardiologia Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas da FMUSP. Um estudo chamado Interheart mostrou que o estresse permanente aumenta o risco de infarto na América Latina em 180%.

Existem também transtornos mais específicos ligados ao nervosismo e ao coração. "É o caso da doença de Takotsubo ou síndrome do coração partido, em que, após uma perda ou um grande fator estressante, o indivíduo pode apresentar disfunção cardíaca", lembra a cardiologista Luciana Janot, do Hospital Israelita Albert Einstein. 
 
Metabolismo
Infelizmente o acúmulo de gordura não ocorre apenas nas artérias. "O cortisol aumenta a gordura corporal, causando um quadro de inflamação", comenta o cardiologista Pastore. Além disso, a glicose deixa de ser absorvida pelo tecido adiposo, para se tornar mais disponível no corpo para os músculos, afinal o organismo precisa de energia suficiente para lutar ou fugir. Mas se esses índices ficarem elevados em longo prazo, resultam na maior produção do hormônio insulina, responsável por colocar o açúcar dentro das células. Com o tempo alguns tecidos ficam resistentes a esse hormônio, sendo necessária sua maior quantidade para a absorção da glicose. O resultado é um quadro de resistência à insulina, fator de risco para diabetes tipo 2.

A alta da insulina também resulta em uma maior concentração de tecido adiposo no abdômen, tipo de gordura mais perigosa para a saúde. E além disso, o quadro de recuperação do organismo após o estresse resulta em um aumento das triglicérides, células de gordura que circulam pela nossa corrente sanguínea. "Isso porque, quando você queima toda a glicose, o corpo usa a gordura como energia", considera Katayama.

No saldo final, os sintomas de resistência insulínica, acúmulo de gordura abdominal, hipertensão e aumento do índice de triglicérides resultam na chamada síndrome metabólica. 
 
Músculos
Ainda pensando que o estresse prepara nosso corpo para lutar ou fugir, a musculatura é um instrumento essencial para esse mecanismo. Por isso mesmo, nossos músculos ficam tensionados durante o estresse, prontos para entrar em ação. "Porém, se o estresse se tornar prolongado o organismo pode exaurir sua capacidade de resposta e levar a lesões crônicas físicas e mentais", considera o ortopedista e médico do esporte Roberto Ranzini, membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Essa contração muscular resulta em microlesões que são importantes para causar a hipertrofia do músculo. "Mas eles necessitam de repouso para reparação dessas microlesões da estrutura e recuperação do conteúdo energético", alerta o especialista. "Com estresse prolongado o músculo sofre fadiga e assim pode inclusive não se desenvolver", finaliza o especialista. 
 
Digestão
Os momentos estressantes sempre atacam o seu estômago? Pode ter certeza, o problema não é só com você! "Quando os níveis de cortisol estão altos, esses hormônio inibe o muco da parede gástrica, que naturalmente protege o tecido desse órgão dos ácidos usados na digestão", ensina o cirurgião geral Katayama. Isso torna o estressado muito mais predisposto a gastrite ou úlceras. Mas a digestão inteira acaba sofrendo. "Há uma redução no tônus e nos movimentos peristálticos da camada interna do intestino, prejudicando a digestão", explica a cardiologista Janot. 
 
Imunidade
Quando a tensão chega para ficar, a imunidade também passa a funcionar de forma diferente. "O estresse crônico reduz o intervalo de erro que o organismo consegue tolerar, fazendo com que agressões que eram previamente administradas a contento, agora se tornem problemas incontroláveis", explica o clínico geral Eduardo Finger, coordenador do departamento de pesquisa e desenvolvimento do SalomãoZoppi Diagnósticos. Para o especialista, o equilíbrio do corpo é prejudicado com a ação de modo geral dos hormônios do estresse. Como resultados, nossos órgãos passam a agir de forma errada, o que ocasiona diversos problemas, como o comprometimento da regulação de doenças crônicas ou autoimunes, piorando as condições de saúde do nosso organismo. "Uma vez quebrado o equilíbrio fisiológico, é cada um por si", sintetiza Finger.
 
Genética e envelhecimento
Pesquisas cada vez mais indicam a relação entre o estresse e o nosso DNA. Os cromossomos têm suas extremidades revestidas pelos telômeros, que os protegem. Normalmente eles se desgastam com o tempo, já que cada vez mais divisões celulares são feitas, e com isso os cromossomos precisam se duplicar. Porém, alguns fatores podem aumentar esse desgaste e redução dos telômeros, como o estresse. Para pesquisadores de Harvard, nos Estados Unidos, essa redução pode ocasionar diversas doenças ou mesmo o envelhecimento celular. Porém, o geneticista Ciro Martinhago, diretor do laboratório de análises genéticas Chromossome, em São Paulo, afirma que isso ainda é incerto. "Função dos telômeros ainda é incerta, mas certamente eles estão envolvidos de alguma forma na divisão celular", comenta o especialista. Ele acredita, no entanto, que o encurtamento dessas estruturas é uma consequência do envelhecimento celular, e não uma causa. 
 
Minha Vida

Dieta seca barriga: ajustes na alimentação favorecem a barriga lisinha

Beber água ajuda a emagrecer  - Foto: Getty Images
Quer manter a barriga lisinha? Então, beba água!
Incluir frutas, vegetais e alimentos que melhoram a microbiota intestinal ajuda na busca pela barriga lisinha
 
A barriga chapada é um desejo comum entre as mulheres e os homens. Para conquistar o abdômen lisinho, é essencial manter uma dieta adequada e praticar atividades físicas com frequência, inclusive investindo em exercícios que trabalhem a musculatura da região.

Além dos pontos mencionados, existem alguns alimentos específicos que podem contribuir para que a barriga fique lisinha e outros que podem fazer com que ele fique maior - e aí entram gordura localizada, inchaço e até estufamento.
 
Saiba quais são eles e entenda porque ajudam ou atrapalham na busca pelo abdômen chapado:
 
Ter um bom funcionamento do intestino
Manter a microbiota intestinal saudável, conhecida por flora intestinal, é essencial para uma barriga lisinha. "Ter um bom funcionamento intestinal diminui as chances de prisão de ventre e formação de gases que causam estufamento no abdômen. A absorção de vitaminas e minerais é favorecida e não ocorre deficiência de nenhum micronutriente", explica a nutricionista Cátia Medeiros.

Além disso, a microbiota saudável diminui o risco de retenção de líquidos, de aumento da compulsão por doces, de insônia, entre outros problemas que favorecem o ganho de peso.

Alguns alimentos e bebidas podem contribuir para a microbiota saudável. "Recomendo beber muita água e o consumo de probióticos como iogurtes com lactobacilos. Alimentos ricos em fibras solúveis, como a maçã, o maracujá e a aveia, também são boas opções porque melhoram o trânsito intestinal e a absorção de nutrientes que ajudam a diminuir a gordura abdominal", orienta a nutricionista Liane Schwarz Buchman, da clínica BodyHealth, de São Paulo.                      
 
Invista em frutas com fibras e antioxidantes
O consumo de frutas de maneira geral ajuda a murchar a barriga devido à alta presença de fibras que além de melhorar a microbiota intestinal, também diminuem a absorção de gordura e proporcionam saciedade. O maracujá, a maçã e a ameixa se destacam pelas boas quantidades de fibras solúveis.

A ação antioxidante das frutas também é boa para a perda de gordura abdominal. "A relação é indireta, pois a gordura cria certa inflamação e as frutas vão contribuir para melhorar esse processo inflamatório", explica Buchman. O kiwi, o morango, a laranja, a acerola, a goiaba e a tangerina são ricos em vitamina C e por isso possuem forte ação antioxidante. As frutas vermelhas e roxas, como a amora e a uva roxa e a framboesa, também se destacam pela ação antioxidante.

Algumas frutas possuem outras características específicas que contribuem para a perda da gordura abdominal. A gordura presente no abacate ajuda a reduzir a barriguinha desde que seja consumida com moderação. Além disso, o alimento possui magnésio. "Este mineral atua em conjunto com o cálcio e ajuda a relaxar a musculatura e a diminuir o inchaço e a vontade de comer doce", conta Medeiros.

A lichia também ajuda a queimar a gordura abdominal. Um estudo realizado pela Universidade de Hokkaido, no Japão, observou que ao final de 10 semanas voluntários que consumiram extrato de lichia queimaram 15% a mais de gordura na região da barriga do que os participantes tratados com placebo. Os pesquisadores acreditam que isto ocorre devido a cianidina, substância presente na fruta. 
 
Vegetais e verduras que aceleram o metabolismo
O consumo destes alimentos é importante para a perda da gordura abdominal. As verduras são boas porque melhoram o metabolismo. "A couve, a salsa e o agrião ainda possuem propriedade diuréticas que ajudam a reduzir a retenção de líquidos que se acumula na barriga", conta Buchman.

No caso dos vegetais é interessante optar por aquelas ricos em magnésio. Boas opções são a beterraba, acelga, quiabo e alcachofra. A berinjela também é uma ótima opção por ser rica em fibras solúveis.  
 
Invista nas sementes da saciedade
As sementes de linhaça e de chia são aliadas no emagrecimento e consequentemente na perda de gordura abdominal. O principal motivo para isso é por elas serem ricas em fibras solúveis que irão proporcionar saciedade e consequentemente o emagrecimento.

Além disso, estas sementes são ricas em ômega 3. Este ácido graxo possui ação anti-inflamatória que pode agir na inflamação causada pela gordura.

A melhor maneira de consumir a chia e a linhaça é triturando-as. Assim, é possível obter o ômega 3 presente nessas sementes. A orientação é triturar toda a quantidade do saquinho com uma das sementes, colocar o pó em uma vasilha de plástico fosca e com tampa e armazená-la no freezer. Assim, o alimento fica protegido da luz, do oxigênio e da temperatura, evitando que ocorra a oxidação. Este procedimento é muito importante e se não for feito a gordura do alimento triturado irá oxidar, o que é prejudicial para a saúde.  
 
Invista em chás
Alguns chás possuem propriedades que contribuem para que a barriga fique lisinha. "Porém, antes de consumi-los é melhor passar por uma avaliação com um profissional de saúde para que ele indique qual poderá ser consumido de acordo com cada caso e também o quanto ingerir", alerta Medeiros.

O chá de hibisco contribui para que menos gordura fique acumulada na região do abdômen e quadril, acredita-se que isto ocorre devido a ação antioxidante dos flavonoides antocianina e quercetina. O chá verde possui efeito termogênico e por isso auxilia na perda de peso. Já o chá de cavalinha é utilizado porque ajuda a diminuir a retenção de líquidos e o chá de menta auxilia na digestão e diminui a formação de gases.  
 
Beba água!
Quer manter a barriga lisinha? Então, beba água! "Nenhuma estratégia para emagrecer ajuda se não tiver água. Isto porque todas as reações do nosso organismo dependem da água. Para queimar gordura, eliminar toxinas, o intestino funcionar corretamente e evitar retenção de líquidos precisamos beber água", destaca Buchman.

A quantidade de água que deve ser ingerida por dia varia de acordo com o indivíduo, levando-se em conta aspectos alimentares e intensidade de atividade física realizada.  
 
Evite alimentos que causam gases
Para conquistar a barriga chapada evite o consumo de alimentos que causam gases. Isto porque o problema irá levar a um leve aumento da circunferência abdominal. Alguns alimentos que podem causar gases são: bebidas gaseificadas como os refrigerantes e água com gás, frituras, pão, queijo, embutidos, enlatado de carne vermelha e certas leguminosas, como feijão. 
 
Evite alimentos que causam retenção de líquidos
Diminuir o consumo de alimentos que causam a retenção de líquidos é importante, pois o problema pode levar ao aumento da região abdominal. Por isso, quem busca uma barriga chapada deve diminuir o consumo de sódio. Os alimentos que possuem boas quantidades da substância são: embutidos, sal em excesso e alimentos processados.

Os embutidos e industrializados ainda contam com conservantes e corantes que criam um processo inflamatório, com a célula inflamada tudo passa a funcionar mal, até a perda de gordura.  
 
Minha Vida

Saiba como prevenir e aliviar as dores do nervo ciático

Ciático é responsável pela sensibilidade, flexibilidade e força
da região lombar, nádegas, pernas e pés
Cuidados simples podem ajudar a evitar o problema
 
Queimação, fisgadas, dormência, falta de sensibilidade e uma dor que "corre" pelas pernas, começa gradualmente e piora durante a noite. São esses os desconfortos mais comuns de quem algum dia já sofreu com a chamada dor ciática.

O incômodo não é à toa: o ciático é o nervo mais longo do corpo humano, leva inervação para toda a musculatura dos membros inferiores, sendo responsável pela sensibilidade, flexibilidade e força da região lombar, nádegas, pernas e pés.

Quando este nervo está irritado por causa de uma inflamação, por uma compressão externa decorrente de uma artrite ou pelo deslocamento do disco intervertebral (hérnia de disco) na coluna lombar, a dor aparece.
 
— A dor ciática causa um desconforto que começa na parte inferior das costas e se espalha pelas nádegas, pernas, tornozelos e, ocasionalmente, para o pé. A dor geralmente é sentida como um entorpecimento, uma pontada ou uma queimação. Ela também pode causar formigamento, parestesias (baixa sensibilidade) ou fraqueza nos músculos da perna afetada — explica o médico neurocirurgião Paulo Porto de Melo.
 
É preciso, no entanto, ficar atento às causas. A dor ciática não é uma doença, mas sim o sintoma de várias. A hérnia de disco, por exemplo, é a maior causadora desse tipo de dor, seguida da degeneração natural desses discos intervertebrais, cujas funções são evitar o atrito entre uma vértebra e outra e amortecer o impacto entre elas. O comprometimento do ciático também pode ser resultado do deslocamento da coluna e do encolhimento do canal vertebral, problemas que comprimem o nervo e, consequentemente, provocam a sensação dolorida.
 
Identificar origem da dor é importante para o diagnóstico
O diagnóstico da dor ciática é clínico, pelo relato do paciente; e laboratorial, através de exames. Após o problema constatado, o tratamento é aplicado. Segundo Melo, no entanto, os males da dor ciática podem ser controlados, sendo que apenas 10% dos pacientes precisam ser tratados ou passar pela cirurgia, que deve ser indicada apenas quando as outras terapias falharam.
 
O controle pode iniciar com períodos de descanso e diminuição da atividade, seguidos de exercícios para melhorar a mobilidade e fortalecer as costas. Se os sintomas persistirem, a fisioterapia pode ser útil.
 
— Para aliviar a inflamação ao redor do nervo, pode ser recomendável que se alterne o uso de compressas quentes e frias. Raramente, a cirurgia é necessária, apenas em casos, como por exemplo, quando a dor é causada por uma hérnia de disco — esclarece o especialista.
 
O neurocirurgião sugere uma série de cuidados para evitar problemas no nervo ciático:
 
Postura
Devemos cuidar de nossa postura. Procurar manter uma posição correta ao sentarmos, ao levantarmos (da cama, do carro, de uma cadeira, usando as mãos), ao carregar um peso, ao abaixar para pegar um objeto, ao inclinar para pegar um bebê no berço, ao receber um objeto pesado das mãos de outra pessoa. De acordo com Melo, prestando atenção nesses aspectos, são menores as chances de se ter um quadro de lombalgia, ciática ou lumbago agudo.
 
Dieta
Devemos procurar manter um peso adequado. Mais peso no corpo significa mais peso para a nossa coluna sustentar, maior probabilidade de dores na região
 
Frio
Cuidado com o frio. Procure se agasalhar bem, não deixe de praticar seu esporte no frio, porém procure realizar os alongamentos com cuidado nesta estação
 
Atividade física
Pratique esportes de forma regular. Se estiver enferrujado comece devagar, aumentando a intensidade progressivamente. Se tiver dores nas coxas e pernas, principalmente as que descem abaixo do joelho, procure a orientação do médico especialista antes de dar prosseguimento ao seu esporte.

Zero Hora

Saiba como diferenciar o inchaço do aumento de peso


Saiba como diferenciar o inchaço do aumento de peso Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação
Variação do peso ao longo do dia não deve ser motivo
 de preocupação
Retenção de líquido, maus hábitos alimentares e menstruação podem ser causas de edemas
 
A sensação de pernas, barriga e mãos inchadas é algo que a maioria das pessoas já vivenciou. Os culpados por este incômodo são a retenção de líquido os maus hábitos do dia a dia.
 
Em alguns casos, esse inchaço pode ser confundido com o aumento do peso. Por isso, não se assuste se você notar que ganhou dois quilos durante o dia.
 
— O edema pode estar associado à oscilação hormonal e à alimentação desequilibrada. E também pode indicar problemas renais, cardíacos ou uma disfunção da tireóide— afirma o cirurgião vascular Fernando Bacalhau.
 
As mulheres que notam um aumento do peso da noite para o dia, não precisam se preocupar. A retenção de líquido, principalmente, durante a menstruação é a culpada por essa sensação de quilinhos a mais.
 
— Durante o período menstrual, ocorre uma alteração nos níveis de estrogênio e progesterona. Quando estão em alta, eles tendem a reter líquidos e dificultar a sua eliminação— explica o médico.
 
O edema só deve ser motivo de preocupação quando for provocado por outros fatores. O inchaço pode ser controlado com a mudança de hábitos quando a retenção de líquido reflete apenas no desconforto corporal relacionado ao excesso de peso. O problema é quando ele está associado à insuficiência renal que necessita de tratamento.
 
As mulheres devem procurar ajuda quando o inchaço não for embora naturalmente e notar um edema nos tornozelos. Nesse caso, o problema pode estar associado a alguma doença do rim, do fígado ou da tireóide.
 
Confira dicas de como evitar o surgimento de edemas através da mudança de hábitos:
 
Fuja do sal. Experimente substituí-lo por limão ou ervas para acompanhar a salada, por exemplo. Evite consumir condimentos como mostarda, ketchup e molhos prontos.
 
Mexa-se. Se você passa muito tempo sentada, levante-se a cada duas horas e dê uma volta. E quando puder, faça caminhadas.
 
Faça exercícios físicos. Eles estimulam a circulação e o fluxo de líquidos e nutrientes pelo corpo, evitando a formação de edemas.
 
Drenagem linfática. A massagem realizada de forma adequada, também ajuda o sistema linfático a eliminar líquidos e toxinas acumulados.
 
Zero Hora

O que fazer quando crianças aspiram corpos estranhos

O que fazer quando crianças aspiram corpos estranhos Daniela Xu/Agencia RBS
Foto: Daniela Xu / Agencia RBS
Pais devem ter atenção redobrada com os brinquedos
A introdução acidental de pequenos objetos no nariz ou boca pode colocar a vida das crianças em risco
 
Um objeto inserido acidentalmente na via aérea da criança geralmente provoca imediata dificuldade respiratória. Nestes casos, os pais devem levar a criança imediatamente ao pronto-socorro, pois a situação pode se agravar em pouco tempo.
 
Da via aérea superior, rapidamente o objeto pode se deslocar à traqueia, aos brônquios e ao pulmão, prejudicando todo o sistema respiratório.
 
Mas segundo o Dr. Marcelo Iasi, membro da Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica (CIPE), nem sempre o acidente é percebido imediatamente.
 
— O mais frequente é a dificuldade respiratória aguda, provocada pela obstrução na traqueia ou em uma via respiratória alta. No entanto, pode acontecer uma obstrução parcial e a criança continua respirando, porém com certa dificuldade. Há outros casos em que a aspiração do corpo estranho obstrui ramificações do pulmão. Então, ao invés de oferecer dificuldade na respiração, impede que o ar entre em determinado lugar no pulmão — afirma Iasi.
 
Neste último caso, explica o cirurgião-pediátrico, mesmo sem prejudicar a respiração, a falta de ar em determinados locais do pulmão pode acarretar sintomas ainda mais graves, que levarão, provavelmente, a infecção pulmonar.
 
Diagnóstico e tratamento
Quando os sintomas começam a aparecer, cabe aos responsáveis pelo pequeno cogitar uma possível aspiração de corpo estranho e encaminhamento ao hospital.
 
— O corpo estranho será confirmado por meio de um raio X de tórax, que inclusive revelará a localização exata do objeto. Nem sempre é possível visualizar o objeto, mas alguma imagem sugestiva da aspiração, como colabamento do pulmão ou até um pneumotórax. Ou seja, algo estranho apontado no raio X é indicação de uma broncoscopia numa situação como esta — acrescenta Iasi.
 
A endoscopia para examinar a via aérea se chama broncoscopia, é um procedimento realizado com anestesia geral na criança, por meio de um aparelho chamado broncoscópio.
 
— Ele invade a via aérea e possibilita a visualização do corpo estranho, sendo, portanto um procedimento diagnóstico e eventualmente é possível retirar o objeto com algum instrumental, sendo, no entanto, terapêutico — conclui o cirurgião.
 
Zero Hora

Nova pesquisa reforça o perigo de ingerir álcool durante a gravidez

Foto: Reprodução
Estudo mostra que bebida pode prejudicar o crescimento da placenta
 
Mulheres que ingerem álcool em doses moderadas ou altas nos primeiros estágios da gestação podem danificar o crescimento e a funcionalidade da sua placenta, órgão responsável por fornecer tudo que o bebê precisa até o nascimento, de acordo com uma pesquisa desenvolvida pela Universidade de Manchester.
 
Os pesquisadores estudaram as placentas em laboratório e mostraram que a ingestão moderada (de 2 a 3 doses) ou alta (de 4 a 6 doses) reduz as taxas de crescimento celular do órgão. A pesquisa, publicada na no jornal PLoS One, investigou os efeitos do álcool na placenta nas primeiras semanas de gestação, período considerado essencial para o bom desenvolvimento da criança. O álcool em concentrações muito baixas, o equivalente a meia dose, não apresentou efeito.
 
Os cientistas também descobriram que o álcool em níveis moderados ou altos reduziu o transporte de um aminoácido importante, conhecido como taurina, da mãe para o bebê. A taurina é vital para o cérebro e para o desenvolvimento fisiológico e a sua redução pode ser a explicação para alguns sintomas neurológicos observados em crianças de mães alcoolatras.
 
— O álcool é conhecido por ser tóxico quando ingerido em altas doses, mas os nossos resultados mostraram claramente que mesmo em quantidades mais baixas, consumidas por muitas pessoas, já ocorrem efeitos negativos na placenta — disse a autora do estudo Sylvia Lui.
 
De acordo com a obstetra Clare Tower, para evitar qualquer risco durante a gravidez, o ideal é abter-se do álcool.
 
— Os estudos já mostraram que ainda há muita confusão na percepção do tamanho de uma dose de álcool, bem como a falta de um auto-monitoramento preciso da quantidade de bebida ingerida — aponta.
 
O professor da Universidade de Manchester John Aplin aponta outra recomendação:
 
— Essa pesquisa também sugere que as mulheres que estão tentando engravidar também devem evitar o álcool, pois os danos podem acontecer nos primeiros dias da gestação, antes mesmo da mulher saber que está grávida — pondera.

Zero Hora

Estudo aponta relação entre tabagismo e câncer de mama

Estudo aponta relação entre tabagismo e câncer de mama Adriana Franciosi/Agencia RBS
Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS
Chance de desenvolver a doença pode ser até 60% maior, segundo pesquisa
 
Uma pesquisa publicada nesta semana pelo periódico científico Cancer, da Sociedade Americana do Câncer, comprovou a ligação entre o consumo regular de tabaco e o tipo mais comum de câncer de mama em mulheres jovens.

Os pesquisadores concluíram que pacientes com menos de 44 anos de idade que fumam pelo menos um maço de cigarro por dia, há pelo menos dez anos, apresentam 60% maior de risco para o desenvolvimento de tumores com receptor hormonal estrogênio positivo — que representa em torno de 80% dos casos de câncer de mama — em comparação com mulheres não fumantes.
 
O estudo, realizado no Centro de Pesquisa do Câncer Fred Hutchinson, de Seatle, avaliou 778 pacientes diagnosticadas com essa subclassificação da doença, além de 182 mulheres com o tipo denominado triplo negativo. Elas foram acompanhadas entre 2004 e 2010 e tinham entre 20 e 44 anos de idade.
 
— Apesar de ser um estudo que não envolve um grande número de pacientes, é um alerta sobre essa possibilidade, mas é difícil somente a partir dele obtermos uma comprovação definitiva. Por outro lado, sabemos que o cigarro talvez seja o carcinogênico mais importante de ser combatido e que aproximadamente um terço de todos os casos de câncer esteja relacionado ao tabagismo — avalia o coordenador do Centro de Prevenção do Câncer da Clinionco, Rafael Castilho Pinto.
 
— Os dados não alteram o tratamento do câncer em si, somente a recomendação de que as pacientes fumantes procurem um tratamento especializado para pararem de fumar, principalmente as mulheres que já apresentam outros fatores associados, o que pode aumentar em muito o risco para desenvolver a doença — ressalta a mastologista Kenia Melissa Borguetti.
 
Até então, era pouco conhecida a influência do tabaco sobre cada subtipo de câncer de mama, porém especialistas têm alertado cada vez mais sobre essa relação.

Zero Hora

Novo protocolo reduz tempo de tratamento para crianças com HIV

Foto: miss.libertine/flickr/Creative Commons
Consulta Pública propõe que tratamento com coquetel antiaids
para recém-nascidos de mulheres soropositivas que se trataram
na gravidez passe de seis para quatro semanas
O Ministério da Saúde colocou em consulta pública a proposta de um novo protocolo de tratamento de crianças e adolescentes com HIV. O documento pretende reduzir de seis para quatro semanas o tratamento com AZT (coquetel antiaids) para recém-nascidos de mulheres soropositivas que se trataram durante o gravidez.
 
As crianças cujas mães não foram acompanhadas durante a gravidez, além de tomar o AZT, deverão tomar três doses de Nevirapina. O protocolo também sugere que crianças de um a cinco anos, com carga viral de HIV superior a 100 mil, considerada alta, iniciem o tratamento. O protocolo ficará em consulta pública até 9 de março. A faixa etária considerada para o protocolo é de recém-nascidos até os 17 anos.
 
Para o infectologista presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Érico Arruda, a mudança é positiva, já que reduz o tempo de tratamento mantendo a eficácia, mas ele ressalta que grande parte das grávidas não tem acesso ao exame que detecta o vírus HIV no pré-natal, algo essencial para o tratamento precoce. Para o especialista, é possível reduzir a quase zero o número de crianças infectadas detectando o vírus da mãe no início da gestação.
 
“Testar todas as mulheres grávidas, ter um programa de pré natal que consiga atender toda a demanda de mulheres gravidas, é o que propõe uma série de medidas nacionais, mas falta a prática” avaliou Arruda.
 
Curitiba foi exemplo neste combate em 2013, ano em que a capital paranaense não teve novos registros de menores de 13 anos com o vírus. O coordenador do programa Mãe Curitibana, Wagner Dias, explicou que quando a gestante inicia o pré-natal em uma unidade básica de saúde de Curitiba, são feitos os testes para HIV e sífilis. O teste é feito duas vezes durante a gestação e ainda é feito um teste rápido no momento em que a gestante dá entrada na maternidade. Quando detectado o vírus, a gestante recebe acompanhamento de um infectologista e inicia o tratamento com retrovirais na 15ª semana de gravidez.
 
No ano passado, 96 gestantes soropositivas foram acompanhadas em Curitiba e nenhuma transmitiu o vírus para o bebê. A transmissão geralmente acontece durante a gestação, no parto ou na amamentação.
 
Arruda recomenda que mães soropositivas não amamentem seus filhos. Ele conta que para a mãe não passar o vírus para a criança é importante que comece a tomar os antirretrovirais preventivos entre o segundo e o terceiro trimestre de gestação.
 
Para estas mães, também é importante que o parto seja cesáreo e que a criança seja limpa imediatamente depois, para que possa ter o mínimo de contato possível com as secreções da mãe.
 
Agência Brasil

Sucos que acordam e fazem dormir

Foto: Thinkstock Photos
Acerte na escolha entre sucos energéticos e relaxantes
Nutricionista sugere cinco receitas para dar o ritmo certo a cada momento do dia
 
Os sucos naturais são mais do que alternativas saudáveis para hidratar o corpo. Eles também ajudam a definir o ritmo do organismo; dão energia e disposição logo pela manhã ou desaceleram o metabolismo antes de dormir. Basta escolher as combinações certas para cada situação.
 
A nutricionista Fátima Domingues, do Hospital São Cristóvão Saúde, preparou cinco receitas a pedido do iG Saúde, sendo uma para cada momento do dia. A ideia é usar os sucos como alternativas de refeições intermediárias, aquelas feitas entre as refeições principais – café da manhã, almoço e jantar.
 
Para acordar
O primeiro suco do dia serve para despertar o organismo e dar energia para trabalhar, estudar e se exercitar. É uma combinação simples de limão, couve-manteiga e gengibre. “Ele é rico em ferro e vitamina C, auxilia na absorção de minerais”, ressalta a nutricionista.
 
Ingredientes:
- 2 folhas de couve
- Suco de 2 limões
- 3 lascas de gengibre
- Gelo
 
Preparo:
Rasgue as folhas de couve com as mãos e bata com os outros ingredientes no liquidificador. O consumo deve ser imediato.
 
A vitamina C do limão fortalece o sistema imunológico e protege o organismo contra eventuais exposições a vírus no decorrer do dia. A fruta traz mais benefícios ainda se for consumida sem ser coada. Isso porque há fibras solúveis em seu bagaço, que agem como detergentes de gordura. Já o gengibre, conta a nutricionista, tem enzimas que auxiliam o processo de digestão. “Elas eliminam toxinas do organismo”, afirma.
 
Para dormir
Outra sugestão da nutricionista é para o final do dia, um suco para tomar antes de dormir. “Ele é relaxante e combate a insônia”, afirma.
 
Ingredientes:
- 1 xícara de chá de erva-cidreira gelado
- 1/2 pera
- 1 maracujá
 
Preparo:
Ferva a água, desligue o fogo e coloque as folhas e ramos de erva-cidreira. Tampe e deixe abafado por aproximadamente 10 minutos. Bata todos os ingredientes no liquidificador. Se preferir, a pera pode ser substituída pela maçã. O consumo deve ser imediato.
 
A nutricionista conta que o maracujá, por ser uma passiflora, tem propriedades sedativas. “A erva-cidreira também é um sedativo natural", afirma.
 
A pêra serve para suavizar o sabor ácido do maracujá, que nem sempre agrada a todos os paladares. “A fruta contém propriedades antioxidantes que combatem os radicais livres”, acrescenta.
 
Para o meio do dia
Além dos sucos para começar e para terminar bem o dia, a nutricionista preparou três receitas para o período da tarde. Neste horário, é difícil estabelecer um suco padrão, pois a necessidade calórica pode variar muito.
 
Se você tem o dia puxado e requer mais energia, a nutricionista recomenda a poderosa receita laranja, beterraba, mamão e açaí.
 
“A energia vem do açaí. Mas a composição do suco apresenta antioxidantes naturais (vitamina C e A), há também carotenóides, ácido fólico e fibras. Tudo ajuda a combater radicais livres e colesterol”, avalia.
 
Ingredientes:
- Suco de 1 laranja
- 1/4 de beterraba crua
- 1/4 de mamão papai;
- 2 colheres (sopa) de açaí (polpa ou massa congelada).
 
Preparo:
Bata tudo no liquidificador e beba imediatamente.
 
Mas se você prefere não abusar das calorias porque está querendo emagrecer, experimente a receita de suco vermelho. “O licopeno, que dá a coloração vermelha, é famoso pela prevenção ao câncer de próstata”, conta Fátima.
 
Ingredientes:
- 1 copo de suco de melancia batida sem água
- 5 morangos
 
Preparo:
Bata tudo no liquidificador e beba imediatamente.
 
Simples e básico
Por fim, se o seu dia é muito corrido, sem tempo para preparar receitas complexas no meio da tarde, existe uma alternativa bem mais simples, fácil de encontrar em qualquer padaria ou lanchonete próxima ao trabalho.
 
Nada mais básico do que um suco de laranja com limão. “Além de ser muito refrescante, ele é riquíssimo em vitamina C e fibras”, aponta ela.
 
Tais substâncias combatem os radicais livres, relacionados ao processo de envelhecimento, e o mau colesterol.
 
“O suco ainda ajuda o organismo a absorver ferro e outros minerais”, afirma a nutricionista.
 
A receita deve ter um limão, sem casca ou caroço, para cada laranja, sem casca ou caroço. Abuse do gelo. Evite adoçar com açúcar e prefira beber sem coar, para melhor aproveitar as fibras.

iG

Acerte no café da manhã de verão

Foto: Thinkstock/Getty Images
Café da manhã de verão requer cuidados especiais
Refeição é fundamental para manter a disposição no calor e até ajuda a ficar bronzeado
 
Agora que a temporada de praia está chegando, as comidinhas matinais ganham importância dobrada e podem se tornar verdadeiras aliadas para a mulher que deseja ficar magra, disposta e bronzeada.

Acha exagero? Pois saiba que existem alimentos capazes de reduzir os efeitos maléficos do sol, possivelmente estimulando a produção de melanina. “São aqueles com carotenóides. Eles ajudam a obter um bronzeado mais saudável e uniforme, além de apresentar um efeito foto protetor”, afirma Dyaiane Marques dos Santos, nutricionista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

Tal substância está presente em alimentos como mamão, laranja, acerola, cenoura, damasco, batata doce e espinafre. A dica é observar quais frutas e verduras possuem pigmentação amarela ou laranja.

Dyaiane recomenda incluir algumas destas frutas no café da manhã cerca de 15 a 20 dias antes da exposição ao sol para obter um bronzeado mais uniforme e duradouro. “Mas vale lembrar que o consumo desses alimentos não exclui a necessidade do uso do filtro solar”, ressalta.

Disposição
O calor destes meses ensolarados dá disposição para ir a festas, parques, praias, piscinas. É normal a pessoa se movimentar mais, parece que o mundo fica mais alegre. Mas essa disposição toda pode acabar rapidinho se alguns cuidados não forem tomados.

O corpo transpira mais no verão, tanto pelo calor quanto pelo acúmulo de atividades. E o suor carrega consigo sais minerais e vitaminais importantes para o funcionamento do organismo. Quando elas ficam deficientes, especialmente quando há muita perda de sódio e de potássio, o nosso pique também diminui.

Não basta beber água para se hidratar. É necessário repor os nutrientes perdidos e, para isso, o primeiro passo deve ser dado no café da manhã. “Água de coco, vitaminas e sucos de frutas são excelentes opções para o café da manhã, pois além de prevenir a desidratação fornecem vitaminas e minerais, essenciais para o organismo”, recomenda a nutricionista. “Os chás gelados também são ótimas opções, principalmente os de ervas”, completa.

Se você misturar frutas e legumes, melhor ainda. Vai repor uma quantidade maior de sais minerais e também terá mais caroteno no organismo. “Laranja, por exemplo, combina com cenoura, beterraba e agrião”, afirma Viviane Chaer Borges, nutricionista do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo.

“Vale destacar as frutas ricas em vitamina C, como laranja, limão, acerola, kiwi, maracujá, pois elas têm propriedades antioxidantes e ajudam a manter uma pele saudável”, ressalta Dyaiane.

Dose certa
Tenha cuidado para não exagerar. “Faça um copo com mais ou menos 300 ml”, recomenda Viviane. Pequenas refeições fracionadas são importantes o ano todo, pois ajudam a manter o metabolismo acelerado e evitam acúmulo de calorias.

No verão, em especial, fracionar as refeições favorece a ingestão de alimentos em menor quantidade, evitando a sensação de estômago estufado. Café da manhã muito reforçado, como algumas vovós recomendavam, pode ser algo perigoso para quem gosta de comer de manhã e ir à praia aproveitar o horário de raios solares menos nocivos. Há risco de congestão.

Horário ideal
Como somos obrigados a cumprir horários e temos nossa rotina ditada pelo relógio, nem sempre o ritmo do organismo acompanha e você pode ter uma indisposição matinal, ficar sem vontade de comer.

Mas as nutricionistas explicam que o café da manhã pode ser tomado até duas horas depois de se levantar. Se passar disso, o excesso de jejum pode obrigar nosso organismo a queimar substâncias importantes, como a massa magra. “Alguns estudos dizem que os indivíduos que ficam em jejum tendem a exagerar na próxima refeição, consumindo uma quantidade de calorias que não necessita”, diz Dyaiane.

Se mesmo assim você continua sem fome de manhã, não deixe de fazer pelo menos uma refeição básica: 1 fruta + 1 iogurte + 1 colher de aveia. “Isso reúne vitaminas, cálcio e fibras. É o mínimo que essa refeição precisa ter”, conta Viviane.

Também é importante ter um intervalo de mais ou menos quatro horas até o almoço. “Tempo necessário para digerir e metabolizar os nutrientes”, afirma a nutricionista. Este período pode ser contemplado com um lanche matinal, como uma barre de cereais, uma maçã ou um lanche de pão integral com queijo branco.

“Pães integrais são uma alternativa melhor no café da manhã por serem ricos em fibras”, esclarece Viviane. As fibras ajudam a dar sensação de saciedade e também absorvem parte da gordura das refeições.

“Se a pessoa quer emagrecer, é melhor ela optar pelo pão integral combinado com queijo branco e leite desnatado”, recomenda. Essas pequenas trocas podem fazer uma grande diferença, especialmente para quem tem poucos dias para entrar em forma.

Fuja das margarinas muito calóricas e com gordura trans. Se estiver num hotel, onde é comum alguns alimentos mais pesados, passe longe do bacon. Vale ainda diluir sucos de frutas com água, especialmente se eles forem industrializados.
 
iG

Cerveja não mata sede nem alivia tensão

Getty Images
Cerveja: ela não mata a sede e pode acarretar desidratação e desmaios
Etanol presente nos drinques eleva a pressão arterial e aumenta o suor; resultado é mais transpiração e, sem cuidado, o resultado pode ser desidratação e desmaio
 
Se um dia quente, com termômetros acima dos 35 graus, é o pretexto perfeito para um happy-hour regado a muita cerveja, a médica nutróloga, Maria Del Rosário, diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), joga um balde de água fria nas desculpas recorrentes para beber após o expediente.
 
Segundo ela, bebida alcoólica não mata a sede e muito menos alivia a tensão.
 
“Pelo contrário. O álcool desidrata ainda mais o organismo e, em excesso, ele ‘rouba’ vitaminas do corpo importantes para combater o estresse”, afirma a especialista.
 
A explicação é fisiológica, esclarece Maria Del Rosário. Como a cerveja é metabolizada no fígado, o corpo gasta mais vitaminas do complexo B para concluir este processo.
 
“São estes nutrientes que ajudam o organismo a lidar melhor com o estresse. Quando estão em falta, a tensão, o cansaço e a estafa aumentam”, ensina.
 
Simultaneamente, o etanol presente nos drinques também eleva a pressão arterial e aumenta o suor. O resultado é mais transpiração e, sem cuidado, o resultado pode ser desidratação e desmaio.
 
Apesar disso, Maria Del Rosário não é contra o happy-hour em dias de calor, oportunidade de bater papo, se divertir e encontrar os amigos. A palavra-chave, aconselha, é moderação no consumo.
 
Confira outras dicas dela para manter a saúde nestas ocasiões:
 
- Chegando ao bar, mate a sede com água e não com cerveja ou outras bebidas alcoólicas
 
- Não se esqueça de manter a hidratação ao longo do evento, sempre com água ou sucos naturais
 
- É preciso se alimentar antes de beber, para deixar o organismo mais forte para metabolizar o álcool
 
- Alguns alimentos são ricos em vitaminas do complexo B, responsáveis por combater o estresse e as mais consumidas pelo álcool. Por isso, opte por aperitivos, pratos ou preparos que contenham castanhas, nozes e frutas cítricas (laranja e limão)
 
- Brócolis e pepino podem ser opções de aperitivos, dois vegetais ricos em nutrientes normalmente eliminados com o consumo de álcool
 
iG

Jogos violentos deixam jovens mais imaturos, diz pesquisa

BBC
Jogos "violentos" são aqueles em que os jogadores matam,
mutilam ou decepam a cabeça de outros personagens 
Analisando 100 adolescentes de 13 a 14 anos, cientistas canadenses constataram que a superexposição diminui sentimento de solidariedade com o próximo
 
Jogar videogames violentos por longos períodos pode prejudicar a "maturidade moral" dos jovens, revelou uma nova pesquisa.
 
Analisando o comportamento de 100 adolescentes de 13 a 14 anos, cientistas canadenses constataram que a superexposição a esse tipo de jogo diminuiu o sentimento de solidariedade deles com o próximo.
 
Mais da metade dos jovens que participou da pesquisa jogava videogame todo dia. A preferência era por jogos mais violentos.
 
Uma das conclusões foi de que os adolescentes estariam perdendo o senso do que é "certo e errado".
 
O estudo observou o comportamento de estudantes de sete escolas em Ontário, no leste do Canadá. O objetivo era entender o tipo de jogos que eles jogavam, o tempo gasto em cada jogo e a influência do videogame em suas atitudes.
 
Falta de solidariedade
Os cientistas descobriram que o videogame era o lazer preferido por essa faixa etária, que dedicava entre uma a três horas diárias à atividade.
 
Jogos "violentos" são aqueles em que os jogadores matam, mutilam ou decepam a cabeça de outros personagens.
 
O estudo destaca, contudo, que muitos adolescentes podem jogar esse tipo de jogo e não desenvolver nenhuma mudança de comportamento.
 
Entretanto, os problemas são notados naqueles que passam mais de três horas por dia em frente à tela da TV ou do computador, jogando continuamente os jogos violentos sem qualquer outra interação com o mundo real.
 
As mesmas evidências não foram encontradas em jogos não violentos, corroborando a tese dos pesquisadores.
 
'Certo e errado'
Segundo o estudo, o hábito acaba atrasando a evolução psicológica dos adolescentes, uma vez que sentimentos como solidariedade, confiança e preocupação com o próximo não são totalmente desenvolvidos.
 
"Passar muito tempo dentro do mundo virtual da violência pode impedir que esses jovens se envolvam em experiências sociais positivas na vida real, além de desenvolverem uma senso do que é certo ou errado", afirma um trecho da pesquisa.
 
Os pesquisadores recomendam aos pais dos aficionados por jogos violentos que tentem inseri-los em ambientes em que eles possam observar as necessidades de outras pessoas, como trabalho voluntário, por exemplo.

BBC Brasil / iG