Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sábado, 16 de novembro de 2013

Escolha o travesseiro ideal para você e evite o torcicolo

travesseiro-ideal-para-evitar-torcicoloAo findar um longo e estressante dia de trabalho, tudo o que se pode desejar é uma bela noite de sono para renovar as forças para mais uma jornada no dia seguinte, de modo que a ausência de um sono tranquilo, tende a trazer prejuízos inúmeros não só ao dia a dia, mas também à saúde.

Na atualidade é bastante comum ver marcas de colchões explorando campanhas de marketing pautadas na necessidade básica que o ser humano tem de dormir bem, entretanto, o fato é que existe um outro item, tão ou mais importante que este para uma noite bem dormida, o travesseiro.

Apesar de não existir nomeadamente um tipo de travesseiro ideal, existem algumas concepções capazes de auxiliar quem deseja evitar problemas mais graves decorrentes de uma má noite de sono, como por exemplo, o torcicolo, por isso, na sequência falaremos um pouco sobre como escolher o travesseiro ideal.
 
O travesseiro ideal
De um modo geral, o travesseiro ideal é aquele que faz com que o individuo acorde disposto e sem nenhum tipo de dor no pescoço ou lombar, portanto, o melhor a se fazer na hora de escolher um novo travesseiro em uma loja é realizar alguns testes a fim de verificar se o modelo atende às necessidade.

 
Vale ressaltar que para evitar problemas com ácaros  e eventualmente a contração de rinites alérgicas, é importante na hora de comprar o travesseiro, optar por modelos anti-mofos, anti-ácaros e anti-alérgicos.

Para compreender melhor sobre a dinâmica dos travesseiros, apresentaremos, na sequência, os principais modelos especificando brevemente para quais posições e situações são recomendáveis.

Veja os modelos de travesseiros

Travesseiro para o corpo
Esse tipo de travesseiro é indicado para quem costuma dormir de lado, por ser um travesseiro grande, encaixa-se perfeitamente entre as pernas evitando o atrito ente joelhos e tornozelos.

Travesseiro anti- refluxo
Esse travesseiro tem um leve inclinação e possui um recheio bem firme, é indicado para quem sofre de refluxo e para quem sente falta de ar durante o sono.

Travesseiro com altura regulável
Esse é um travesseiro indicado para quem dorme em diferentes posições, pois permite a regulagem de altura, geralmente possuem variação entre 10 e 20 centímetros.
 
Clickgratis

Aumento em cirurgias estéticas genitais na Inglaterra preocupa especialistas

Ginecologistas estão preocupados com o aumento da cirurgia
 estética nos genitais femininos na Inglaterra
Fenômeno, segundo eles, está atribuído à popularidade da pornografia
 
Os ginecologistas expressaram nesta sexta-feira (15) sua preocupação com o aumento da cirurgia estética nos genitais femininos na Inglaterra, um fenômeno atribuído à popularidade da pornografia.

O número de operações de redução dos lábios vaginais, ou labioplastia, realizadas pelo serviço público de saúde (NHS) na Inglaterra se multiplicou por cinco em dez anos, revelam estatísticas oficiais. Em 2010, o NHS fez 2.000 cirurgias desse tipo.
 
Para Sarah Creighton, membro do Comitê de Ética do Colégio Real de Obstetrícia e Ginecologia (RCOG),"isso é, provavelmente, apenas a ponta do iceberg, se for comparado com as que devem ser realizadas no setor privado [onde não há obrigatoriedade de guardar os registros das intervenções]".
 
— Não notamos um aumento das patologias nesses últimos dez anos que possa explicar o aumento da demanda desse tipo de operação.
 
Para o filósofo Thomas Baldwin, outro membro do Comitê de Ética, o crescente recurso a essas operações procede de uma "falsa concepção baseada unicamente na imagem do sexo feminino transmitida pela pornografia".
 
O Comitê recomenda que as cirurgias não sejam feitas em jovens com menos de 18 anos e que não sejam praticadas no sistema público, a menos que "haja uma justificativa médica".
 
R7

Óleo pode ter gorduras boas para o corpo, mas excesso faz mal à saúde

O ideal é ingerir, no máximo, 2 colheres de sopa de óleo ou azeite por dia
 
Alimentos fritos, assados, empanados, grelhados: são várias opções de preparo, com sabores, nutrientes e calorias diferentes.
 
No Bem Estar desta sexta-feira (15), as nutricionistas Ana Maria Lottenberg e Simone Caivano explicaram como essas preparações do dia a dia podem interferir na saúde. As frituras, por exemplo, são as que mais oferecem riscos por causa do excesso de óleo usado no preparo, que aumenta muito o valor calórico dos alimentos.
 
Segundo a nutricionista Ana Maria Lottenberg, vale ressaltar que a fritura pode fazer mal por causa do excesso de óleo - em quantidades ideais, porém, o óleo tem gorduras essenciais para o organismo.
 
A especialista explicou que uma alimentação com muita gordura, especialmente a trans, aumenta o risco de formação de placas nas artérias, que pode levar até mesmo a um infarto e, por isso, é importante tomar cuidado.
 
Gorduras vale este (Foto: Arte/G1)
 
Segundo a nutricionista Simone Caivano, a recomendação é ingerir, no máximo, 2 colheres de óleo ou azeite por dia. Para evitar excessos de gordura no preparo dos alimentos, uma das opções são os grelhados, que usam muito pouco ou até nada de óleo.
 
No caso do bife, um dos alimentos mais comuns na mesa dos brasileiros, a forma como é feito traz grandes diferenças no resultado.
 
Se colocado em uma panela elétrica, por exemplo, não precisa de nada de óleo e o resultado é um prato com muito menos calorias, apesar do sabor um pouco diferente, como mostrou a nutricionista Cynthia Antonaccio.
 
Segundo a especialista, além da panela elétrica, o forno é também uma opção interessante para não ter que recorrer à fritura. No caso das batatas, as fritas também são muito mais calóricas – elas têm 260 calorias, enquanto as feitas na panela elétrica têm apenas 140, quase a metade.
 
Porém, já existe a possibilidade de fritar sem óleo, com panelas que usam o ar, como mostrou a reportagem da Natália Ariede.
 
Segundo a gerente de marketing Lídia Luz, essas panelas atingem até 200 graus e podem garantir o mesmo efeito da fritura – quando o ar circula em uma velocidade muito rápida e se choca com o alimento, ele causa a mesma oxidação que o óleo.
 
Mas em casos de alimentos que não tem nada de gordura, pode ser que seja preciso acrescentar uma colher de óleo, mas mesmo assim, o resultado é um prato muito menos gorduroso e mais seco, apesar do sabor um pouco diferente.
 
Para reduzir os riscos do óleo à saúde, as nutricionistas deram algumas dicas na hora de fritar. Caso o preparo faça fumaça, por exemplo, é um sinal de que o óleo está se degradando e que substâncias ruins para a saúde estão se formando. É importante ainda tampar a panela se ela tiver que ficar ligada, para evitar a oxidação do óleo.
 
As nutricionistas alertam ainda que não é recomendável misturar um óleo novo a um óleo velho e, se o óleo velho for reutilizado, é bom filtrá-lo e não misturá-lo ao produto novo. Na hora de guardar, a dica é colocá-lo protegido da luz na geladeira, mas caso ele esteja escuro e com espuma, significa que já não está bom e é preciso descartá-lo no lixo orgânico ou encaminhá-lo à reciclagem.
 
No caso dos vegetais, por exemplo, usar o ovo junto com a farinha na hora de empanar forma uma proteção e faz menos óleo ser absorvido pelo alimento – uma couve-flor empanada com ovo e farinha, por exemplo, tem 252 calorias enquanto o mesmo alimento empanado só com farinha tem quase o dobro, 467 calorias, como mostrou a reportagem da Natália Ariede. Já as carnes não precisam da adição do ovo porque elas têm menos água que os vegetais e já formam uma barreira contra o óleo.
 
G1

Obama anuncia concessão na reforma da saúde nos EUA

O presidente dos EUA, Barack Obama, dá entrevista nesta quinta-feira (14) na Casa Branca (Foto: AFP)
Foto: AFP
O  presidente dos EUA, Barack Obama, dá entrevista nesta
quinta-feira (14) na Casa Branca
Presidente afirmou ter 'escutado' americanos. Democrata disse que quer 'reconquistar' confiança do seu eleitorado
 
O presidente Barack Obama declarou nesta quinta-feira (14) ter escutado perfeitamente as reclamações de americanos, cujos seguros de saúde foram cancelados, e anunciou uma solução administrativa na forma de concessão para mantê-los assegurados.
 
Durante uma coletiva de imprensa na Casa Branca, Obama também reconheceu que o lançamento conturbado de sua reforma da saúde, em outubro, tinha provocado uma perda de confiança dos seus eleitores, e disse estar determinado a conquista-la de volta.
 
A solução administrativa anunciada pelo presidente tem como objetivo permitir que milhões de segurados mantenham por mais um ano os seus seguros, agora ameaçados de extinção porque não atendem às novas exigências da lei em termos de cobertura.
 
Os republicanos, e cada vez mais democratas, exigiam uma mudança para que os americanos que tiveram os planos de saúde cancelados pudessem mantê-los em 2014, mesmo que sem atender aos critérios do Obamacare.
 
"Eu entendo a que ponto (um resistência) pode causar desconforto para muitos americanos, especialmente depois que eles me ouviram dizer que se gostassem de seu plano, poderiam mantê-lo", disse o presidente.
 
"E a esses americanos, quero dizer: eu os escutei. Eu disse que faria todo o possível para resolver este problema e hoje eu apresento uma ideia que vai ajudá-los", declarou.
 
"As seguradoras poderão estender seus planos atuais que seriam cancelados em 2014, e os americanos, que tiveram os planos cancelados poderão optar por se inscrever no mesmo tipo de plano", assegurou.
 
Em relação ao seu índice de aprovação, que caiu consideravelmente desde o início de outubro, Obama disse: "É legítimo esperar que eu recupere alguma confiança sobre a reforma da saúde, em particular, e em geral".
 
"Eu sou o responsável. Perdemos o lançamento da reforma", admitiu.
 
Obama também reconheceu que o Obamacare, uma de suas principais promessas de campanha, tinha se tornado um fardo para os seus aliados democratas, alguns dos quais expressaram sua preocupação com as consequências eleitorais, um ano antes das eleições legislativas de meio-mandato.
 
G1

Garota britânica descobre aos 17 anos que não tem vagina

A britânica Jacqui Beck descobriu síndrome rara, que faz com que não tenha útero ou vagina, aos 17 anos. (Foto: Jacqui Beck/Arquivo pessoal/Iber Press)
Foto: Jacqui Beck/Arquivo pessoal/Iber Press
A britânica Jacqui Beck descobriu síndrome rara, que faz
 com que não tenha útero ou vagina, aos 17 anos
Síndrome rara faz com que jovem também não tenha útero. Apesar do problema, aparência externa de seu órgão genital é normal
 
A jovem britânica Jacqui Beck ficou em choque ao descobrir, aos 17 anos de idade, que não tinha vagina. Seus médicos identificaram na adolescente uma síndrome rara chamada MRKH (sigla para Mayer-Rokitansky-Küster-Hauser) depois que ela comentou, em uma consulta rotineira, que ainda não havia menstruado, de acordo com informações do jornal "Daily Mail".
 
A condição faz com que ela não tenha útero nem vagina, apesar de ter ovários normais. A demora na identificação do problema é comum em casos como o de Jacqui, já que a aparência externa do órgão genital é completamente normal.
 
A diferença é que, no lugar onde deveria haver a abertura vaginal, existe apenas uma pequena cavidade. Por esse motivo, as pacientes descobrem a síndrome somente quando tentam fazer sexo ou quando procuram um médico para investigarem o fato de ainda não terem menstruado.
 
'Como uma aberração'
Jacqui, hoje com 19 anos, conta que ela se sentiu "como uma aberração" quando recebeu o diagnóstico. "Eu nunca tinha me considerado diferente de outras mulheres e a notícia foi tão chocante que eu não podia acreditar no que estava ouvindo", diz.
 
"Tive certeza que a médica havia cometido um erro, mas quando ela explicou que era por isso que eu não estava menstruando, tudo começou a fazer sentido", diz a jovem.
 
Jacqui conta que a médica também explicou que ela nunca poderia ficar grávida e poderia ter de passar por uma cirurgia antes de poder fazer sexo. "Saí do consultório chorando - eu nunca saberia como seria dar à luz, estar grávida, estar menstruada. Todas as coisas que eu me imaginava fazendo de repente foram apagadas de meu futuro."
 
Ela chegou a pensar que não era mais uma "mulher de verdade". Como ela nunca havia tentado fazer sexo, não descobriu o problema antes. Mas, se tivesse tentado, descobriria ser impossível concretizar a relação. A síndrome MRKH afeta uma  a cada 5 mil mulheres no Reino Unido.
 
Lado positivo
Apesar do choque, Jacqui está tentando ver sua condição de maneira positiva. Ela acredita que a síndrome pode até ajudá-la a encontrar o homem certo, já que seu futuro parceiro terá de aceitá-la como ela é, o que para ela funcionará como um "teste de caráter".
 
Ela conta que descobriu a síndrome por acaso, quando foi a um clínico geral porque estava com dores no pescoço. Durante a consulta, mencionou que ainda não havia menstruado. Ele pediu alguns exames e encaminhou a paciente para uma ginecologista, que imediatamente identificou o problema.
 
Hoje, Jacqui é atendida no Queen Charlotte and Chelsea Hospital, em Londres, que é especializado na condição. Lá, ela passa por um tratamento que busca entender seu canal vaginal por meio de dilatadores. caso a alternativa não funcione, ela terá de passar por uma cirurgia.
 
A jovem, agora, quer tornar sua condição conhecida para que outras garotas que passarem pelo problema não sofram tanto quanto ela. Recentemente, publicou um texto sobre o assunto em sua conta do Facebook e conta ter recebido o apoio de amigos e conhecidos.
                                                                                                                                            
G1

Campanha alerta sobre cuidados com bebês prematuros

Campanha alerta sobre cuidados com bebês prematuros Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS
São considerados prematuros os bebês nascidos antes de 37
 semanas de gestação
Brasil está entre os dez países com maior número de casos de prematuridade, que já representam quase 12% de todos os nascimentos
 
Neste domingo (17), Dia Mundial do Prematuro, começa em Porto Alegre uma campanha sobre cuidados especiais necessários com bebês prematuros. A prematuridade ainda hoje é a principal causa de mortalidade infantil durante o primeiro mês de vida, de acordo com dados do Ministério da Saúde de 2011. O lançamento da campanha, que recebeu o nome de “Nascer Adiantado Não Significa Ficar Atrasado”, será feito na Redenção, às 9h e continua, a partir da segunda-feira, no Hospital de Clínicas.
 
Segundo especialistas, são considerados prematuros os bebês nascidos antes de 37 semanas de gestação. Quanto menor o período de gestação e quanto menor o peso do bebê ao nascer, maiores são os riscos.
 
De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o Brasil está entre os 10 países com maior número de bebês prematuros, que já representam quase 12% de todos os nascimentos — números que colocam o Brasil no mesmo patamar de países de baixa renda. Em países de renda média, os bebês prematuros representam cerca de 9 por cento dos nascimentos.
 
O nascimento prematuro é a causa principal de mortalidade infantil durante o primeiro mês de vida, de acordo com dados do Ministério da Saúde (2011). Cerca de 70% dessas mortes ocorrem nos primeiros 28 dias após o nascimento.
 
Uma das principais causas de hospitalização recorrente e morte entre bebês prematuros é a infecção causada pelo vírus sincicial respiratório (VSR), um vírus sazonal, cuja circulação pode variar de região para região. Como seus sintomas podem ser confundidos com uma gripe forte, VSR é erroneamente associado a baixas temperaturas. No Brasil, está presente durante todo o ano, mas seu pico é entre abril e setembro nas regiões sul e sudeste. Nas região Norte, circula a partir de dezembro.
 
Em bebês nascidos prematuramente, ou que sofrem de doença cardíaca congênita e displasia bronco-pulmonar, o vírus pode dobrar o tempo de hospitalização ou o tempo em unidades de terapia intensiva. O VSR é também responsável por constantes hospitalizações e é a principal causa de internação entre bebês abaixo dos dois anos de idade. Uma das sequelas mais comum é um chiado no peito recorrente, que pode perdurar até os 13 anos de idade.
 
Prevenção
Alguns estudiosos acreditam que as taxas de mortalidade relacionadas ao VSR, em bebês prematuros, ficam em torno de 5%. Não há tratamento específico para infecção por VSR, somente prevenção.
 
Medidas preventivas contra a doença incluem lavar as mãos frequentemente e sempre antes de tocar o bebê (o vírus permanece nas mãos por mais de uma hora); evitar aglomerações; lavar sempre os objetos do bebê (em superfície porosa, o VSR pode sobreviver por cerca de 24 horas); evitar o contato de bebês com crianças mais velhas e adultos com sinais de resfriados e com fumantes.

Zero Hora

Soja preta previne melhor o envelhecimento que a amarela, aponta pesquisa

Soja preta previne melhor o envelhecimento que a amarela, aponta pesquisa Claudius Thiriet/Biosphoto/AFP
Foto: Claudius Thiriet / Biosphoto/AFP
Soja preta pode chegar a custar três vezes o preço do grão amarelo
Variedade apresenta o dobro de antioxidante, que evita a degeneração das células
 
Quando se fala em soja, logo se pensa no grão amarelo. Poucos sabem, porém, que a soja preta tem as mesmas qualidades nutricionais, além de apresentar o dobro de antioxidante e prevenir a degeneração das células. Estas características se mantêm mesmo depois do cozimento, segundo o estudo da engenheira de alimentos Diana Figueiredo de Rezende, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP.
 
A maior quantidade de compostos fenólicos e flavonóides e a presença de antocianinas na soja preta são responsáveis pelas propriedades diferenciadas em relação à amarela. Isto porque as substâncias são responsáveis por evitar reações de oxidação de moléculas que podem acelerar o processo de morte celular, ou seja, são antioxidantes. Ao comprovar a relação entre compostos fenólicos, flavonóides e antocianinas com a antioxidação, a pesquisa indicou que, em média, a soja preta apresenta o dobro desta capacidade. O cozimento de ambos os tipos gerou uma perda igual de compostos fenólicos totais, de aproximadamente 40%.
 
As antocianinas contém um pigmento que vai do vermelho ao azul e, portanto, são encontradas principalmente em alimentos destas tonalidades. Elas fazem parte do grupo dos flavonóides, compostos de origem vegetal que não são produzidos pelo corpo humano. As antocioninas são a principal diferença entre as duas sojas, já que é apenas encontrada na preta. Além disto, a pesquisadora identificou os dois tipos desta substância encontrados na soja preta: cianidina-3-O-glicosídeo e a peonidina-3-O-glicosídeo.
 
A qualidade nutricional das duas variedades também foi analisada. Resíduos minerais, lipídeos, proteínas e carboidratos totais foram mensurados nos dois grãos. Neste quesito, o estudo constatou a equivalência da porcentagem destas substâncias, ou seja, a mesma composição. Diante disto, ela garante "poderá haver uma aplicabilidade tecnológica similar e, possivelmente, maiores benefícios à saúde".
 
Para garantir que características do solo não interferissem no resultado do estudo, foram analisados grãos de uma mesma região.
 
— Tomou-se a precaução de que todas as amostras fossem provenientes da mesma safra e que tivessem as mesmas condições de cultivo — explica Diana.
 
A pesquisa também buscou entender se havia diferença de cada espécie e em seus teores de compostos da gordura, os ácidos graxos. Nenhum destes indicadores variou de um tipo para o outro.
 
Provavelmente devido à raridade no mercado, a soja preta pode chegar a custar três vezes o preço do grão comum.

Zero Hora

98% dos brasileiros estão cansados, diz Ibope; sedentarismo é principal causa

Melhora da condição física implica em criar uma rotina de atividades físicas que não esgotem o organismo; varrer a casa e subir escada estão entre os itens válidos
 
Pesquisa do Ibope mostra que quase 100% dos brasileiros se dizem cansados, sendo que 61% se consideram muito cansados. Culpa-se a correria do dia a dia e o pouco tempo para descansar, mas, segundo a doutora Gerseli Angeli, coordenadora científica do Centro de Estudos em Medicina da Atividade Física e do Esporte (CEMAFE), grande parte dessa situação é causada pelo sedentarismo.
 
A lógica é a seguinte: quanto menos atividade física se faz, mais cansado se fica. É um círculo vicioso: quando alguém faz exercícios físicos, o corpo libera o lactato (ácido láctico) que deixa a pessoa um pouco dolorida. O corpo interpreta a dor como uma agressão e reage com uma falta de ânimo. Se a pessoa não perseverar na atividade física, a tendência é que o corpo a convença a se abrigar no conforto que a vida moderna traz, que provoca o sedentarismo e faz com que o organismo “reclame” a cada mínima atividade física, reiniciando o ciclo da falta de ânimo. Isso gera um cansaço cada vez maior, e que não é recuperado com descanso.
 
A solução para melhorar o quadro é fazer pouco e sempre, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o que soma uma queima de 2200 calorias por semana. “E esse número não precisa ser exatamente em exercícios físicos, mas sim em pequenas atividades, como varrer uma casa, subir uma escada, estacionar o carro um pouco mais longe e ir caminhando até o destino”, explica Gerseli.
 
Veja algumas atividades do dia a dia que podem queimar calorias e ajudar a fugir do sedentarismo:
 
- Escada: Substitua o elevador pela escada. Já é um passo em direção contrária ao sedentarismo.
 
- Teve uma pausa no trabalho? Não traga um café para a mesa. Saia com ele por uns 10 minutos para fazer uma caminhada.
 
- Caminhe: reserve alguns minutinhos para fazer uma caminhada pela rua, ou até mesmo dentro da empresa. Desça dois andares e depois suba de escada.
 
- Não delegue mais atividades, procure fazer algum tipo de exercício dentro de casa, como uma faxina.
 
- Quando for fazer pequenas compras, que tal deixar o carro em casa e ir de bicicleta?
 
- Ao invés de deixar o carro no lava-rápido, que tal lavar o carro em casa mesmo? Algumas calorias certamente irão embora e você fará atividade física.
 
- Seja diferente da maioria: prefira escadas fixas às rolantes. Uma pequena atitude já contribui para fugir do sedentarismo.
 
- Estacione o carro um pouco mais distante do local em que você precisa descer. Com isso, você fará uma caminhada a mais.
 
- Deixe a secadora descansar alguns dias, estenda a roupa no varal. Pequenas atitudes já entram como atividade física do dia a dia.
 
- Passeie com seu cão e, quando ele quiser correr, tente acompanhá-lo por alguns minutos.
 
iG

Os 11 erros na hora de se bronzear

Tomar sol é gostoso, mas pede muitos cuidados. Preste atenção
 nas dicas de especialistas
Torrar sob o sol não faz bem a ninguém, isso todo mundo já sabe. Mas, mesmo se protegendo, será que você não está cometendo erros? Veja nossas dicas e descubra
 
Desde a Garota de Ipanema, com seu corpo dourado, até Gabriela, com sua cor de canela, o imaginário nacional está repleto de moças beijadas pelo sol. Não é surpresa que as praias e piscinas fiquem lotadas de pessoas em busca de uma corzinha no verão. No entanto, conseguir um bronzeado bonito e saudável é um processo que exige paciência e, acima de tudo, cautela.
 
Para saber como você deve se proteger e ainda conseguir a cor do verão, o Delas conversou com os dermatologistas Thaís Pepe, Marcelo Bellini e Jardis Volpe e identificou os erros mais comuns na hora de se bronzear. Se você se identificar com um dos maus hábitos, trate de mudar!
 
Passar o protetor solar que não é adequado ao seu tom de pele
A variedade de tons de pele entre as brasileiras é muito grande, mas, para facilitar a vida dos dermatologistas, eles foram divididos em seis níveis. O nível 1 é a pele branca, que se queima com facilidade e quase não produz melanina. Já o tipo 6, extremo oposto, é a pele negra, que não se queima. Na hora de escolher seu protetor, você deve sempre levar em consideração qual o tipo de pele que possui. Peles de fototipo 1 e 2, por exemplo, devem usar protetores com FPS 60 ou mais. Já peles de fototipos com mais melanina podem usar protetores de menor FPS. No entanto, vale ressaltar que em dias de muito sol todo mundo deve usar FPS 60 ou maior, pois nenhuma pele tolera tanta radiação.
 
Pessoas muito clarinhas devem investir em FPS altos, que possuem uma concentração maior de filtros solares e maior FPS. No entanto, o bloqueio dos raios nunca é completo, por isso use barreiras físicas como chapéus e camisetas.
 
Passar protetor solar uma vez só, e não reaplicar
Mesmo com os avanços tecnológicos dos protetores solares, que garantem toque seco e absorção rápida, passar protetor não é das tarefas mais agradáveis. A pele fica melecada e com o cheiro característico. Mesmo assim, faça uma forcinha e aplique o protetor meia hora antes de se expor ao sol e, depois, reaplique a cada uma hora -- em dias mais ensolarados -- ou, no mínimo, a cada duas horas. Isso é necessário porque o protetor perde o efeito depois de um tempo.
 
Caso você esteja na praia ou na piscina, a atenção deve ser redobrada: toda vez que você se molhar, reaplique o protetor, mesmo que ele seja à prova d’água. A água, aliás, potencializa o efeito do sol, por isso invista em grandes volumes de protetor.
 
Proteger o rosto e esquecer do corpo
Sim, é verdade que a pele do rosto é mais sensível que a do corpo, mas isso não significa que você só deve proteger sua carinha bonita. Os protetores faciais devem ter fator de proteção maior que os corporais, pois essa região fica mais exposta e é mais propensa a formar rugas e manchas, podendo levar até ao câncer de pele Já o corpo tende a ser mais resistente, por isso protetores com FPS um pouco menor são permitidos. Mas isso não quer dizer que pode ficar sem protetor!
 
Passar protetor "da cidade" na praia
Não tem jeito, o protetor solar é obrigatório toda vez que você sair de casa, mas a intensidade e quantidade de produto varia de acordo com o ambiente em que você se encontra. Em ambientes urbanos, por exemplo, protetores de fator menor - por exemplo, 30 -, são suficientes na maior parte dos casos. Já na praia e na piscina, como a exposição ao sol é muito maior e mais duradoura, os protetores devem ter FPS mais elevado e textura mais espessa, além de ser aplicados em maior quantidade por todo o corpo.
 
Não passar protetor em áreas do corpo “escondidas” ou periféricas 
Quem nunca viu uma pessoa com marcas de dedos nas costas porque não conseguiu espalhar o protetor? Além de ficar com um efeito engraçado, este deslize pode resultar em queimaduras graves, até mesmo com bolhas. Sempre preste bastante atenção às áreas periféricas do corpo e àquelas que costumam ficar cobertas, como costas e barriga, pois estas são mais sensíveis ao sol. Além dessas áreas, pés, ombros, parte de trás das articulações, orelhas, nuca e axilas merecem cuidado redobrado.
 
Não passar protetor quando está nublado
Já ouviu falar que mormaço não parece, mas queima? Pois essa brincadeirinha boba tem fundamento. Apesar das nuvens filtrarem os raios UVB, os UVA e infravermelhos chegam passam sem grande facilidade por essa barreira.
 
O protetor, então, é sim necessário, mas pode ter um fator de proteção menor que o usado em dias de sol. Essa recomendação vale tanto para quem está na cidade quanto para quem está na praia ou no campo. As regiões de maior altitude, aliás, são mais expostas à radiação solar, por isso redobre a atenção se for passear na serra.
 
Não passar protetor porque está embaixo do guarda-sol
Embora o guarda-sol funcione como uma barreira física para os raios solares, ele não é o suficiente para nos proteger dos seus malefícios. Além da radiação que consegue atravessar, a areia, a água e o piso em volta de piscinas refletem o sol em até 40%, por isso os raios nos atingem de diversos ângulos. O mesmo acontece com chapéus, bonés e roupas: eles ajudam a proteger, mas não são suficientes.
 
No caso de camisetas e saídas de praia, vale lembrar que, quando molhados, os tecidos protegem ainda menos contra o sol.
 
Não proteger o couro cabeludo
Você pode nem lembrar disso, mas embaixo dos caracóis dos seus cabelos existe pele. Pele essa que é extremamente sensível ao sol porque é mais fina e costuma estar coberta por pelos. Quem vai tomar sol deve investir em leave-ins com FPS, bonés ou chapéus para evitar queimaduras no couro cabeludo. Pessoas loiras, aliás, devem proteger ainda mais essa região do que as morenas, pois a radiação solar atravessa os fios com mais facilidade.
 
Usar produtos para acelerar o bronzeado
Os melanócitos só vão produzir melanina -- o pigmento responsável pelo bronzeado -- 72 horas depois da exposição ao sol. Bronzeadores e receitas caseiras que prometem acelerar esse processo devem ser vistos com desconfiança. Esses produtos possuem pigmentos sintéticos e, ainda, queimam a pele com maior rapidez, dando a ilusão de bronzeado.
 
Se você quer ficar com uma cor bacana e ainda ficar saudável, pode até usar um bronzeador por cima do protetor solar, mas com parcimônia, Invista em uma dieta com alimentos ricos em licopeno (como tomate e melancia) e betacaroteno (cenoura, mamão, abóbora, etc). Essas substâncias ajudam na síntese e na manutenção da melanina.
 
Os banhos de Lua, para clarear pelinhos, também não são recomendados: além de não proteger em nada contra o Sol, a água oxigenada pode resultar em queimaduras após longas exposições.
 
Usar apenas cosméticos com FPS, sem protetor específico
Quem acompanha a indústria dos cosméticos já está habituado a ver bases, batons, pós e blushes com proteção solar -- normalmente com FPS 15 ou 20. No entanto, esses produtos protegem pouco ou quase nada contra os raios solares, fazendo-se necessário o uso do protetor antes da maquiagem.
 
Já os BB Creams, que foram a grande sensação de 2013, realmente ajudam a bloquear os raios solares. Esse item multiuso, que promete proteção, tratamento e cor em um só creme, costuma vir com FPS 30 e pode ser suficiente para o uso na cidade, por exemplo. Mas isso só vale para quem não se expõe muito ao sol e passa o dia em ambientes fechados. Ah, e só use produtos de marcas confiáveis!
 
Usar o protetor após a data de validade
Como muita gente usa um protetor solar específico quando vai para a praia ou sai de férias, é comum que o produto demore a acabar. Às vezes, a gente até deixa o frasco na casa da praia e vai usando por um, dois, três verões, mas isso não é uma boa ideia. Assim como cosméticos, os protetores têm data de validade.
 
Além dos filtros solares perderem a eficácia com o tempo, o produto pode acumular bactérias e outros micróbios se for mantido aberto. Também tome cuidado com o armazenamento: nunca deixe o protetor em lugares muito quentes, pois isso acelera a degradação das propriedades protetoras.
 
Delas