Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Ministério da Sáude cria página que reúne informações sobre enchentes

Endereço mostra riscos e orienta sobre como agir em situações de cheia

O Ministério da Saúde lançou, nesta segunda-feira, 10, uma página na internet para reunir informações sobre desastres naturais.

Além de reunir algumas das ações do ministério relacionadas às enchentes, o site tem orientações para a população nas áreas afetadas. São esclarecimentos sobre como higienizar alimentos, tratar a água e agir em caso de ataques de animais peçonhentos. Também são elencadas algumas das doenças relacionadas às cheias: leptospirose, hepatite A, diarreias, dengue, tétano acidental, febre tifóide e cólera, entre outros problemas de saúde.

O endereço também serve para cadastrar voluntários da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (FNSUS), que envolve funcionários públicos do sistema de saúde e voluntários da área médica. Segundo o site, mais de 2.000 voluntários já se inscreveram para atuar nas regiões em emergência.

Fonte estadão

Gastos com saúde e educação perpetuam desigualdade, diz Ipea

Os gastos do governo com assistência social chegam aos que mais precisam da presença do Estado, enquanto a atuação do poder público em saúde e educação se concentra nas regiões mais ricas, informa estudo divulgado nesta terça-feira (10) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

De acordo com Marcio Pochmann, presidente do órgão, o Estado precisa redirecionar seu foco de atuação. Para o economista, o atual modelo das principais áreas em que o poder público tem papel fundamental mantém ou aumenta as desigualdades regionais do país.

"Temos a perspectiva de ser a quarta economia do mundo ao final desta década, então precisamos resolver nossos problemas de pobreza extrema e subdesenvolvimento", afirmou.

O levantamento feito pelo Ipea mostra que 51,1% do número de benefícios concedidos pelo programa Bolsa Família, no ano passado, foram destinados à região Nordeste do país. O Sudeste, que concentra 42,2% da população brasileira, ficou com 24,7% dos benefícios. O Norte, com baixa densidade demográfica, foi o destino de 11,1%.

O foco das medidas de assistência social do país está na direção certa, segundo Pochmann. "O Estado está olhando onde mais se localiza a miséria e atuando. Esse é um padrão recente, o de colocar mais esforços onde eles se fazem mais necessários. Mas há outros padrões em outras áreas de atuação."

Na área de saúde, a lógica se inverte, com o Sul e Sudeste, que possuem melhores indicadores sociais, apresentando mais estrutura. Enquanto as duas regiões possuem 3,7 médicos a cada 1.000 habitantes, o Norte conta com 1,9 e o Nordeste, com 2,4.

Na comparação entre os Estados, a desigualdade se acentua. O Rio Grande do Sul possui 3,2 vezes mais médicos por 1.000 habitantes do que o Maranhão, por exemplo. "A distribuição não é proporcional à população e tampouco leva em conta lugares mais pobres, onde há mais gravidade de doenças."

O levantamento leva em conta os profissionais que atendem pelo SUS (Sistema Único de Saúde). A taxa de frequência líquida de alunos na escola, que não contabiliza apenas matrículas, mas se os estudantes cursaram todo o ano letivo, também aponta para uma menor presença do Estado em regiões com renda per capita menor.

No ensino fundamental, 87,2% da população entre seis e 14 anos do Pará estava na escola, de acordo com levantamento que levou em conta dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2009, coletados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em Mato Grosso do Sul, o porcentual subiu para 94,4%. Em São Paulo, Estado mais rico da federação, a taxa de presença é de 93,4%.

No ensino médio, os números são preocupantes. O Distrito Federal, Estado com maior taxa de frequência à escola entre a população de 15 a 17 anos, o porcentual é de 68,8%.

Rondônia, o pior, possui apenas 31,6% de sua população nessa faixa etária frequentando as aulas.

Segundo Pochmann, as informações apresentadas hoje mostram um entrave que o país precisa resolver o quanto antes. "Ao contrário do que se pensava, não temos acesso universalizado ao ensino fundamental. No ensino médio, a intervenção pública se torna ainda mais forte nas regiões mais ricas e mais fraca nas regiões mais pobres. É inadmissível diferenças tão acentuadas entre os Estados. Com esse desempenho fica muito difícil o Brasil se transformar em uma sociedade do conhecimento."

Fonte Folhaonline

Justiça garante atendimento imediato a clientes de convênios médicos

Consumidor precisa de uma testemunha que não seja da família

O cliente de convênio médico que não for internado por falta de leitos tem o direito de receber o atendimento, mesmo que seja num hospital que não seja coberto pelo plano de saúde, explica a advogada especializada em direito do consumidor Rosana Chiavassa.
- Ao recorrer à Justiça, o consumidor, nesse caso, pode conseguir uma liminar e é internado na hora, antes mesmo de o juiz analisar o caso.

O cidadão pode conseguir isso junto ao Juizado Especial Cível.

- O mais importante, no entanto, é como ele vai provar que não tinha vaga.

A advogada aconselha que o consumidor tenha uma testemunha que não seja da família, de preferência.

- Para a Justiça, o depoimento familiar tem um comprometimento de interesse.

O presidente do Instituto Brasileiro do Direito de Saúde Suplementar (IBDSS) e advogado José Luiz Toro da Silva acrescenta que o hospital que negar a internação por falta de leito comete o crime de omissão de socorro.

- Nesse caso, a operadora tem de arrumar um outro hospital para internar o paciente e é obrigada a arcar com o custo.

Na rede pública o dever é o mesmo.

- É uma obrigação do Estado garantir a saúde para o cidadão.

Contra a administração pública, o cidadão que se sentir lesado deve procurar o Ministério Público da sua localidade e apresentar a sua reclamação.

Fonte R7

Trocar alimentos durante a dieta garante mais saúde e menos calorias

Suco de laranja parece saudável, mas a melhor opção é comer a laranja com o bagaço

Hábitos saudáveis na alimentação são como escovar os dentes. Torna-se natural à medida que se pratica, garantem nutricionistas.

Para quem quer emagrecer e se alimentar corretamente sem o risco de ganhar peso, é preciso saber o que comer e qual a quantidade certa do alimento a ser ingerido.

Veja alguns exemplos:

Suco de laranja: evite o suco de laranja. Um único copo leva três frutas. O melhor e comer a fruta inteira com o bagaço. As fibras dão a sensação de saciedade.

Frutas secas: apesar de serem desidratadas, contêm o mesmo número de calorias das frutas frescas, que, por sua vez, saciam mais. Ao contrário do que se imagina, damasco, ameixa seca e banana passa também engordam

Torradas: seis torradas finas são iguais a meio pão francês e o último sacia mais.

Quando for abrir mão da dieta nos fins de semana, opte pelo equilíbrio. Procure comer o que quiser em poucas quantidades.

Fonte R7

Número de clientes cresce, mas planos de saúde reduzem leitos

Contratos cresceram 13,5% e leitos diminuíram em 10,45%, segundo ANS

Mais usuários e menos leitos. Esse é o panorama do setor de saúde privada ao longos dos últimos três anos, segundo apontam números da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).

De setembro de 2009 até o mesmo mês de 2011, o número de contratos de plano de saúde cresceu 13,5% - de 41,4 milhões para 47 milhões. Por outro lado, os leitos caíram em 10,45% - de 511,6 mil a 458,1 mil (somadas as redes pública e privada).

Dante Montagnana, presidente do Sindhosp (Sindicato dos Hospitais de São Paulo) comentou a situação do sistema.

- As operadoras venderam mais planos em comparação com o número de leitos. Essa é a realidade. Esse é um problema que deve ser solucionado pelas empresas, e não pelos hospitais. E a ANS deveria sentar com as operadoras e resolver isso.

O problema é que a ANS não regulamenta a parte de leitos que as operadoras de saúde oferecem.

A advogada Sandra Regina Montanhani paga convênio médico para sua família e quando seu filho de 2 anos precisou ser internado, teve problemas.

- Ele chegou ao hospital com falta de ar e a médica mandou interná-lo imediatamente.

Mas o menino só foi encaminhado três horas depois, após muita insistência.

- Foi o próprio funcionário responsável pelas internações que me informou da falta de vagas.

O hospital era da própria operadora do plano da qual ela é cliente.

Para a advogada especializada em direito do consumidor Rosana Chiavassa, além de faltar regulamentação para o setor, o "monopólio" de algumas empresas atrapalham a distribuição dos leitos.

- Proporcionalmente, o número de leitos no Brasil em relação aos beneficiários não foge muito da realidade de outros países. O problema é que há poucas operadoras com um número muito grande de clientes. Para esses consumidores, certamente, o leito vai faltar em algum momento. Não há plano que aguente uma situação dessas.

Marco Rocha, gerente financeiro, também enfrentou dificuldade para poder internar seu pai.

- Ele foi diagnosticado com pneumonia e o médico avisou que ele teria de ser internado, mas um funcionário disse que não havia leito em nenhuma unidade. Meu pai paga pelo plano com internação em apartamento individual, mas, simplesmente, depois de muito tempo de espera, ofereceram um quarto de enfermaria.

Menos hospitais

O grande problema, principalmente na cidade de São Paulo, explica o presidente do Sindhosp, foi o fechamento de hospitais.

- Muitas operadoras de plano de saúde que tinham hospitais próprios foram liquidadas. E esses espaços estão inoperantes.

Além disso, novos segurados ingressaram no setor.

- As classes C e D cresceram e as operadores estão facilitando o pagamento para um plano popular.

De acordo com Arlindo de Almeida, presidente da Abramge (Associação Brasileira de Medicina de Grupo), o número de leitos no Brasil caiu por razões alheias aos convênios médicos, embora isso não tenha prejudicado os consumidores.

- Muitos hospitais acabaram fechando, mas, em São Paulo novos leitos foram construídos. Pode haver um local onde faltem leitos, mas isso é pontual. Não sentimos qualquer problemas aqui no que diz respeito às internações.

Já a FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar), que representa as 15 maiores operadoras, informa, de acordo com o Ministério da Saúde, que o número de hospitais credenciados aos planos privados de saúde cresceu 9,7%, entre maio de 2010 e maio de 2011.

A ANAHP (Associação Nacional de Hospitais Privados) projeta que haverá um crescimento de 10% na rede hospitalar privada até o fim de 2012.

Fonte R7

Estudo revela que nicotina ajuda memória de idosos

Pesquisadores advertem que não se deve começar a fumar para melhorar a função cerebral

Idosos com problemas de memória podem se beneficiar de uma terapia que inclui pequenas doses de nicotina, revela um estudo realizado nos Estados Unidos e publicado nesta segunda-feira (9).

A pesquisa divulgada parcialmente na revista Neurology, da Academia Americana de Neurologia, analisou 74 não fumantes com idade média de 76 anos. A metade recebeu um adesivo de nicotina na pele durante seis meses e o outro grupo, placebo.

Os submetidos ao tratamento com nicotina apresentaram melhores resultados em testes cognitivos de atenção e memória, além de maior rapidez e coerência para processar informações.

Após seis meses com o adesivo de nicotina, o grupo "recuperou 46% do rendimento normal para a idade na memória de longo prazo, enquanto o "grupo placebo" teve uma queda de 26% no mesmo período", destaca o estudo.

Os autores do trabalho advertem que os idosos não devem começar a fumar para melhorar sua função cerebral, e que serão necessárias mais pesquisas para confirmar os efeitos positivos da nicotina em longo prazo.

Também é pouco provável que a nicotina ajude as pessoas que já têm boa memória, destacou o autor do estudo Paul Newhouse, diretor do Centro de Medicina Cognitiva da Universidade do Vanderbilt Medical Center.

- Se já está funcionando bem, não é necessária, mas se há declínio, a nicotina pode devolver parte da boa memória. Um pouco dela faz com que o desempenho melhore.

Fonte R7

Beladona

Resumo
Beladona: Planta Medicinal indicada em caso de problemas do sistema nervoso ou da digestão bem específicos. É prescrita sob estrita supervisão médica e é geralmente encontrada em forma de gotas.

Observações
Os medicamentos à base de beladona devem sempre ser prescritos por um médico em caso de patologia bem precisa. Nunca devem ser tomados por conta própria.

Nomes
Nome em português: Beladona
Nome latim: Atropa belladonna (L.)
Nome inglês: belladonna, black cherry, devil's herb
Nome francês: Belladone
Nome alemão: Tollkirsche, Schlafkirsche
Nome italiano: belladonna

Família
Solanaceae (Solanáceas)

Constituintes
Alcalóides (escopolamina, hiosciamina), flavonóides, cumarina

Partes utilizadas
Folha seca (às vezes com as flores e os frutos)

Propriedades da beladona
Parasimpatolítico, espasmolítico, inibidor da secreção, analgésico

Indicações
Tratamento anticolinérgico, cólicas gastrointestinais ou abdominais, asma, prisão de ventre,...

* Atenção, não utilize medicamentos à base de beladona ou a própria planta em automedicação, estes remédios devem sempre ser prescritos por um médico.

Efeitos secundários
Podem ocorrer vários efeitos secundários. Na compra de um medicamento, queira ler a bula e pedir orientações a um especialista.

Contra-indicações
Inúmeras contra-indicações (miastenia, megacólon,...). Na compra de um medicamento, queira ler a bula e pedir orientações a um especialista

Interações
Na compra de um medicamento, queira ler a bula e pedir orientações a um especialista

Preparações à base de beladona

- Tintura de beladona (por ex. em forma de gotas)

- Pó de beladona (Belladonae pulvis normatum)

- Extrato de beladona (Belladonae extractum siccum normatum).

Atenção, nunca faça infusões ou chás de beladona, pois estes podem ser muito tóxicos (venenosos) e até mesmo mortais!

Onde cresce a beladona?
A beladona cresce na Europa.

Quando colher a beladona?
_

Fonte Criasaúde

Humor: Próteses de silicone

Tire suas dúvidas sobre a intolerância à lactose, problema comum na infância

Os sintomas são diarreia, náuseas, distensão abdominal, gases e fezes ácidas


Vicente Sayão Lobato Castro tem três anos e sete meses. Hoje, pode comer de tudo. Mas nem sempre foi assim. Diagnosticado com intolerância à lactose aos seis meses, exigiu dos pais um cuidado redobrado com a alimentação. Não podia compartilhar o leite com a família, comer bolo, doces de festa, iogurte. Aos dois anos — um e meio sem lactose na dieta — foi refeito o exame. O resultado apontou que o garoto não era mais intolerante.

— Nos aniversários, eu levava um kit para ele, com iogurte de soja e uma mamadeira com leite em pó sem lactose — conta a mãe do menino, a representante comercial Tatiana Sayão Lobato, 45 anos.

Provavelmente, você já tenha ouvido falar em casos como o de Vicente. Mas você sabe o que é esse problema, como detectá-lo e quais os cuidados que devem ser tomados? O Meu Filho consultou o pediatra Benjamin Roitman, membro do Comitê de Pediatria Ambulatorial da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, e a nutricionista Magali Martins para esclarecer algumas dúvidas dos pais. As crianças intolerantes apresentam sintomas comuns a outros problemas, como alergia à proteína do leite, ou que são normais em bebês.

Mesmo com intolerância à lactose, é possível levar uma rotina normal, tomando alguns cuidados. Mas nunca se esqueça: antes de adotar qualquer medida, é importante conversar com um médico.

O que você precisa saber

:: O que é e quais são os sintomas

A intolerância à lactose é a incapacidade de digerir o principal açúcar do leite e se caracteriza pela ausência ou deficiência da enzima lactase. Os principais sintomas são diarreia, náuseas, distensão abdominal, gases e fezes ácidas.

:: Como se faz o diagnóstico
Há três exames. O teste de hidrogênio expirado, o teste de intolerância à lactose e o ph fecal. Mas, analisando a história clínica da criança, o pediatra pode fazer o diagnóstico. Para confirmá-lo, retira-se a lactose da dieta e acompanha os efeitos da mudança.

:: Intolerância em diferentes tipos
Um tipo raro de intolerância à lactose é a congênita, que nasce com o bebê. A secundária, mais comum em crianças, ocorre seguida de uma infecção intestinal (após retirar o leite da dieta e as fezes se normalizarem, pode-se voltar a consumir a bebida e seus derivados). Há também a do tipo adulto: de acordo com Roitman, atinge cerca de um quarto da população brasileira, em níveis variáveis.

:: Intolerância à lactose X alergia à proteína do leite
É uma confusão bastante comum, pois elas compartilham alguns sintomas, como diarreia e cólicas, por exemplo. No entanto, a alergia à proteína do leite, típica dos primeiros anos de vida, também pode se manifestar por meio de doenças de pele e respiratórias, assim como outras alergias.

:: Fim ou regressão
Nas crianças, é possível que a intolerância à lactose não se perpetue. E, em alguns casos, mesmo intolerantes podem ingerir leite em quantidades moderadas. Exemplo: em derivados, como queijos e iogurtes, ou em alimentos que tenham leite na composição, como pães e bolos. O consumo deve ser supervisionado por profissionais.

:: Alternativas ao leite de vaca
Os leites semi-elementares, que têm o preço bastante elevado, não são a única alternativa. Marcas de leite em pó conhecidas dos pais já contam com versões sem lactose. A partir dos seis meses, o leite de soja também pode ser considerado uma opção.

:: Ajuda do Estado
Por meio da Assistência Farmacêutica, o governo do Estado disponibiliza quatro fórmulas lácteas. Se o seu filho necessitar de alguma delas, é necessário que seja aberto um processo administrativo na Secretaria Municipal de Saúde, e o seu médico preencha o Laudo para Solicitação de Medicamento Especializado e o Cadastro de Usuários.

Fonte Zero Hora

Sedentarismo é responsável por 54% do risco de morte por infarto, alerta Sociedade Brasileira de Cardiologia

Apenas 20% dos porto-alegrenses praticam exercícios três vezes por semana, conforme pesquisa Índice de Bem-Estar (IBE) da Unimed, realizada em 2010


Pesquisas da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) revelam que a população atual gasta bem menos calorias por dia do que gastava há 100 anos. Atualmente, 70% dos adultos não pratica exercícios físicos regularmente. E é esta a origem de grande parte dos problemas de coração, que já matam mais do que a hipertensão, a obesidade, o colesterol alto, o diabetes e o tabagismo. A vida sedentária pode ser responsabilizada por 54% do risco de morte por infarto e por 50% do risco de morte por derrame cerebral — principais causas de óbito no país.

Na mais recente pesquisa do Índice de Bem-Estar (IBE) da Unimed, realizada em 2010 com 480 pessoas na Capital, o número de pessoas que não praticam nenhuma atividade física somou 38% dos entrevistados. Ou seja: de cada 10 indivíduos, apenas seis praticam algum tipo de esporte. Os que praticam menos de três vezes por semana somam 36%. Os ativos, que praticam exercícios ao menos três vezes por semana (o mínimo recomendado) foi de apenas 20%.

Segundo o cardiologista Luiz Fernando Kubrusly, as atividades físicas são essenciais para a manutenção da saúde em todos os aspectos.

— É possível treinar o coração e usá-lo como um guia para ajudar a obter os resultados desejados. Após uma avaliação clínica, que evita a exposição a alguns riscos, pode-se indicar a melhor atividade e a intensidade de esforço que deve ser praticada, obtendo resultados melhores e mais rapidamente — explica.

Ao observar o funcionamento do corpo, especialistas concluíram que há faixas de batimentos cardíacos nas quais o organismo responde de forma diferente a cada uma delas — as chamadas zonas de batimentos cardíacos-alvo ou zonas de treinamento. Existem faixas nas quais a pessoa deve se exercitar para alcançar cada objetivo que deseja: perda de gordura, aumento de resistência física, entre outros.

Em geral, é indicada a combinação de exercícios aeróbicos (caminhar, pedalar, correr, nadar) com os anaeróbicos (de alta intensidade e curta duração, como musculação). De forma diferente, ambos fortalecem o sistema cardiorrespiratório, além de prevenirem uma série de doenças a curto, médio e longo prazo.

Três razões
A psicóloga Marisa Markunas cita três motivos que levam as pessoas a praticar esportes: em função de necessidades especiais (normalmente por indicação médica), por motivos estéticos e por desejos esportivos (o gosto pela prática). Em cada uma das possibilidades, o sujeito terá um objetivo e um tipo de desgaste para a prática física, do mesmo modo que perceberá ou não diferentes tipos de resultados ou benefícios.

— Quem inicia e consegue manter a atividade física por pelo menos quatro semanas sentirá os efeitos em sua autoestima pelo simples motivo de haver conseguido cumprir o objetivo de realizá-la, e, paralelamente, ao sentir os efeitos objetivos como o bem-estar físico, as mudanças estéticas e os bons resultados médicos — calcula.

Segundo Magnus Benetti, cardiologista e graduado em Educação Física, quanto maior a aptidão física, menor é a taxa de mortalidade cardiovascular. O especialista cita alguns exemplos de doenças que se tornam graves pela falta de bons hábitos.

— A má alimentação, o estresse e a baixa aptidão física aumentam o risco de desenvolver doenças como a síndrome metabólica, câncer e doenças cardiovasculares e respiratórias, além de induzir à hipertensão e elevar os triglicérides — afirma.

Os 20 minutos de ouro
Segundo pesquisas mencionadas por Tom Rath e Jim Harter, ambos do Gallup e autores do recém-lançado O Fator Bem-Estar (Ed. Saraiva, 2011, 160 págs.), mesmo usando estimativas conservadoras, a maioria de nós não faz exercícios o suficiente. Entre 400 mil pessoas entrevistadas pelo instituto, apenas 38% afirmaram que praticaram atividades físicas no dia anterior e apenas 27% fizeram os 30 minutos ou mais de exercícios recomendados cinco dias por semana. Os dados constam no Índice de Bem-estar da Gallup-Healthways, realizado entre 1° de maio de 2008 a 30 de abril de 2009.

Segundo os autores, pessoas que se exercitam pelo menos dois dias por semana são mais felizes e têm significativamente menos estresse. Além disso, esses benefícios aumentam com o exercício mais frequente. A cada dia adicional de atividades físicas em determinada semana — pelo menos até seis dias, quando as pessoas atingem um ponto de rendimento decrescentes — continua a aumentar os níveis de energia.

Um experimento recente revelou que apenas 20 minutos de malhação podem melhorar o nosso humor por várias horas. Conforme declarado em uma publicação da respeitada Mayo Clinic, "a falta de energia muitas vezes resulta da inatividade, não da idade". Uma das grandes vantagens é o aumento da taxa metabólica, o que contribui para queimar mais gordura ao longo do dia. Ou seja: mesmo parado, você gasta mais calorias.

— Pode parecer absurdo, mas uma das melhores maneiras de combater a fadiga é por meio do exercício. Podemos usar a desculpa de estarmos muito cansados para malhar, mas esse é o pior momento para ficarmos parados — afirmam os autires.

Uma análise abrangente de mais de 40 estudos descobriu que o exercício é muito mais eficaz em eliminar a fadiga do que medicamentos usados para este fim. Além disso, faz com que a autoestima fique elevadas.

— Se você se exercitar hoje, terá uma probabilidade mais de duas vezes maior de se sentir atraente amanhã — ressalta Harter.

Pesquisadores da Universidade de Colúmbia descobriram que as percepções psicológicas da nossa imagem corporal podem ser tão importantes quanto as medidas objetivas, como o índice de massa corporal (IMC).

Fonte Zero Hora

Com status de superalimento, a chia é a nova querida dos nutricionistas brasileiros

Grão originário dos Andes é rico em ácido graxo ômega 3, bom para prevenir doenças cardiovasculares


Considerado um dos grãos mais eficazes na prevenção e diminuição do risco de problemas cardiovasculares, pressão alta, obesidade, colesterol e diabetes, a chia chegou no Brasil há pouco. Proveniente da região dos Andes, o alimento é considerado uma importante fonte de ácido graxo ômega 3 de origem vegetal.

De acordo com a nutricionista da Unidade de Doenças Cardiovasculares da Pontifícia Universidade Católica do Chile, Carolina Chica, pesquisadora do grão há quase 10 anos, a chia dispõe de proteínas de alto valor biológico, fibras e antioxidantes, o que confere ao alimento um poderoso aliado no combate aos radicais livres.

— Além disso, a chia tem ação anti-inflamatória e grande capacidade de absorção de glicose, ideal para a prevenção do diabetes e controle da insulina — afirma a especialista.

A aparência do grão de chia é próxima ao gergelim, porém com uma coloração mais escura. Uma de suas vantagens é que pode ser consumido em sua forma natural, sem a necessidade de trituração para obter seus nutrientes, como exigem alguns outros grãos. Pode ser utilizado no preparo de bolos, pães e massas, além de ser normalmente consumido com cereais matinais, sopas, saladas, iogurtes, sucos, vitaminas e frutas.

A grande vantagem da chia é a sua praticidade. Você pode consumi-la em sua forma natural, sem a necessidade de triturar ou moer.

Este alimento tem uma história curiosa: o grão era uma das principais fontes de alimentação dos povos andinos da era pré-colombiana, com plantio desde 2600 a.C. Era cultivado no México e na Guatemala e consumido principalmente pelos maias e astecas para aumentar a resistência física. No entanto, a chia também estava atrelada a rituais sagrados e servia como oferenda aos deuses dessas civilizações, o que despertou a ira de espanhóis católicos que viam a cerimônia como um ritual pagão. Com isso, seu cultivo foi extinto por séculos e só foi retomado no início da década de 90 por um grupo de pesquisadores argentinos em parceria com a Universidade do Arizona (EUA). Desde então, os cientistas têm se voltado para pesquisas com o grão.

Hoje, a chia pode ser encontrada na alimentação dos povos norte-americanos, canadenses, japoneses, australianos, mexicanos, chilenos e de grande parte da América Latina. Estudos científicos apontam seus benefícios na prevenção e no controle de diabetes, colesterol, hipertensão, e câncer de mama, entre outras doenças.

A fibra também é outro ponto importante a se considerar nesse superalimento. Em torno de 40% são fibras dietéticas, sendo 36% de fibra insolúvel e 5% de fibra solúvel. Muitos nutricionistas recomendam seu consumo como um aliado em dietas de redução de peso.

— Seu poder de emagrecimento está relacionado a elevada quantidade de fibras que proporcionam sensação de saciedade. Quando entram em contato com a água, essas fibras formam uma espécie de gel no estômago, dando sensação de saciedade — afirma a nutricionista Fernanda Granja.

Uma gordura essencial
:: O ômega 3 é um ácido graxo essencial. Trata-se de uma gordura importante para o organismo, mas que apesar de necessária, não é produzida pelo corpo humano. Em geral, os ácidos graxos essenciais regulam as funções do organismo e contribuem para a absorção de vitaminas, para a síntese de hormônios e previnem doenças cardiovasculares.

:: O ácido graxo ômega 3 tem um papel essencial nas membranas do sistema nervoso e é muito importante para o sistema cardiovascular. Ele impede a formação de trombos, faz com que o sangue flua melhor e protege a camada do endotélio. Além disso, cumpre uma função importante na parte elétrica do corpo como o coração, a retina e também na capacidade de aprendizado do indivíduo como a atenção e a memória, melhorando o desempenho intelectual.

Fonte Zero Hora

Protetor solar é essencial para aproveitar os dias ensolarados do verão sem sofrer com inconvenientes

Para escolher o filtro de proteção, é essencial preste atenção ao tom e tipo da pele e como ela responde à exposição ao sol

Férias, feriados e finais de semana são momentos de diversão e prazer. Para aproveitar o melhor do sol sem se descuidar da beleza e da saúde, é preciso proteger e cuidar de toda a família. Para isso, o protetor solar é ainda mais essencial na estação mais quente do ano, principalmente durante a prática de atividades físicas ao ar livre, na praia, na piscina e até mesmo dentro da água, onde também há incidência de radiação ultravioleta.

Conforme a consultora médica da Natura, Raquel Toyota, a escolha do protetor solar deve ser feita de acordo com o tipo e tonalidade da pele, além de ser observada a sua reposta à exposição solar.

— Além disso, é importante que os cuidados sigam com uma limpeza de pele e uma hidratação também adequada ao perfil do consumidor— ressalta.

Confira a entrevista
Como escolher o melhor fator de proteção solar?
A escolha de um Fator de Proteção Solar (FPS) depende de algumas características pessoais, como o tipo e a tonalidade da pele, além de sua resposta à exposição solar. De maneira geral, recomenda-se o uso de FPS mais alto, quanto mais clara for a tonalidade da pele.

O FPS 15 é indicado para pessoas que costumam se bronzear e, às vezes, ficam vermelhas, o FPS 30 para pessoas que costumam se bronzear e quase sempre ficam vermelhas e o 60 é indicado para pessoas que quase nunca se bronzeiam e sempre ficam vermelhas. Essas dicas são regras práticas e gerais para a escolha do FPS adequado em relação ao tom da pele.

Podemos dispensar o protetor solar em dias com menos sol?
É muito importante usar diariamente um protetor solar com proteção UVA e UVB. Nos dias de céu nublado também há emissão de radiação solar prejudicial à pele. Por isso, também é preciso se cuidar em dias menos ensolarados para evitar o envelhecimento precoce e doenças de pele, como o câncer.

Qual a importância de um protetor solar específico para crianças ou bebês?
Essas faixas de idade precisam de atenção especial. Em relação aos bebês, recomenda-se a aplicação de protetores solares a partir do 6º mês de vida. Antes disso não é recomendado o uso de filtros solares, salvo sob recomendação médica. Até os 2 anos de idade, são indicadas loções que possuam em sua formulação principalmente filtros físicos (inorgânicos), que têm maior segurança para a pele delicada da criança, com menor potencial alergênico.

Como esses públicos têm particularidades específicas devem sempre ser escolhidos produtos especificamente desenvolvidos para eles. Portanto, sempre prestar atenção à rotulagem dos produtos, procurando por essas informações e se há restrições de uso do produto para determinadas idades e condições. Na dúvida, sempre consultar o médico.

Quais os cuidados específico uma mulher grávida deve ter durante o verão?
Devido às alterações hormonais que ocorrem na gestação, há um maior risco de ocorrência de manchas na pele neste período. Por isso, os cuidados com a proteção solar devem ser redobrados, mas não devem se restringem ao verão e devem ser tomados ao longo de todo ano.
A hidratação é outro ponto fundamental que a gestante deve observar, pois com o aumento principalmente do volume abdominal e das mamas, há maior risco de desenvolvimento de estrias, principalmente se já houver predisposição individual. Hidratar a pele é de fundamental importância para prevenir o desenvolvimento de estrias, porém a despeito de todo o cuidado, as estrias podem aparecer, principalmente se já houver predisposição individual e/ou se houver muito ganho de peso.

Quanto tempo antes de entrar na água é preciso aplicar o protetor solar?
Geralmente, nos produtos de mercado, a aplicação deve ser feita 30 minutos antes da exposição ao sol, para que haja tempo para uma completa acomodação do produto sobre a pele formando uma camada uniforme e protetora. Porém, já existem produtos no mercado que oferecem proteção imediata. Os produtos da linha Fotoequilíbrio proporcionam proteção contra os raios UVA e UVB logo após a aplicação, ou seja, proteção imediata; não sendo necessário esperar para se expor ao sol. Este benefício é proporcionado pelas novas fórmulas porque foram desenvolvidas com ingredientes que favorecem absorção e secagem rápidas. Porém, a reaplicação deve ser feita após exposição prolongada, suor excessivo ou natação, assim como nos protetores solares tradicionais.

Pode usar maquiagem sobre o protetor solar facial? Ele substitui produtos de tratamento antissinais?
Os protetores faciais podem ser aplicados em associação com outros produtos como maquiagem e/ou outro produto de tratamento. Para isso, é necessário apenas ficar atento à ordem para uso dos produtos. No caso da maquiagem, deve ser aplicado primeiro o protetor solar e depois a maquiagem. O procedimento para o uso conjunto com produtos de tratamento é aplicar primeiramente o antissinais ou hidratante, por exemplo, e, após absorção e secagem adequada do produto na pele, aplicar o protetor solar. Para tratamento e maquiagem, a ordem seguida deve ser: tratamento, protetor solar e maquiagem. A Natura entende que oferecer somente proteção contra os raios UVA e UVB não é suficiente. Um protetor solar também deve ter ingredientes que proporcionem ação antioxidante para garantir uma proteção completa, servindo como um complemento no tratamento à prevenção de sinais de envelhecimento. O Complexo Antioxidante Natura está presente em todos os produtos da linha Fotoequilíbrio e é composto por Extrato de Chá Verde, Extrato de Cacau e Vitamina E, atuando contra os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento precoce e por danos às estruturas da pele (como proteínas, aminoácidos, ácidos nucléicos, entre outros).

Autobronzeadores funcionam como uma alternativa para ficar com uma "corzinha" sem precisar tomar sol?
Os autobronzeadores são considerados uma opção segura. O autobronzeamento é obtido por meio da reação entre compostos químicos presentes nos produtos e proteínas da pele. Esta reação resulta num composto de cor marrom, que dá à pele, uma cor semelhante ao bronzeado. A cor volta ao tom normal, à medida que a pele vai sofrendo seu processo natural de renovação. Pelo fato de não depender de exposição ao sol, o autobronzeamento não provoca os efeitos indesejáveis associados à radiação ultravioleta. Devemos, entretanto, salientar que os autobronzeadores não protegem a pele da radiação solar. O consumidor deve sempre associar o uso de um protetor solar, adequado ao seu tipo de pele.

Fonte Zero Hora

Prefeitura de Água Doce (SC) abre 24 vagas

A Prefeitura de Água Doce, Estado de Santa Catarina, disponibilizou ao público geral dois novos editais, sendo um para abertura de concurso público e outro de processo seletivo. Ambos os processos têm a finalidade de preencher 24 vagas no quadro de pessoal do Município, além de servirem para estabelecer cadastro de reserva para futuras contratações. Os salários chegam a ser de até R$ 11.666,60 e os certames serão executados pelo Instituto de Cadastro e Pesquisas S/S Ltda.

Cargos

- Nível Alfabetizado: Agente Operacional (1);
- Nível Fundamental: Operador de Máquinas (1);
- Nível Médio: Instrutor de Judô (1), Professor de 1º ao 5º ano (CR), Professor de Educação Infantil (CR);
- Nível Superior: Engenheiro Civil (1), Médico Clínico Geral (1), Médico Ginecologista e Obstetra (1), Professor de 1º ao 5º ano (5), Professor de 6º ao 9º ano - Artes (1), Professor de 6º ao 9º ano - Ciências (CR), Professor de 6º ao 9º ano - Ensino Religioso (CR), Professor de 6º ao 9º ano - Geografia (1), Professor de 6º ao 9º ano - História (CR), Professor de 6º ao 9º ano - Matemática (CR), Professor de 6º ao 9º ano - Português / Inglês (1), Professor de Educação de Adultos (CR), Professor de Educação Física (2), Professor de Educação Infantil (5), Segundo Professor (2), Terapeuta Ocupacional (1).

Inscrições

As inscrições serão efetuadas exclusivamente via internet, tendo o candidato que preencher formulário próprio, disponibilizado na página http://www.incapel.com.br/, até às 14h59min do dia 10 de fevereiro de 2012.

Os candidatos que não tenham acesso a internet poderão comparecer na Klaus Escola de Informática e Papelaria Ltda (Rua Anita Garibaldi, nº. 40, centro de Água Doce), onde haverá equipamento para realizar a inscrição. O horário de atendimento ao público será nos dias úteis, das 8h às 11h e das 14h às 18h. No último dia de inscrições o atendimento será encerrado impreterivelmente às 14h59min.

Confira o valor da taxa de inscrição a ser paga:
Para os cargos de Ensino Superior: R$ 80,00 ou R$ 60,00;
Para os cargos de Ensino Médio: R$ 60,00 ou R$ 50,00;
Para os cargos de Ensino Fundamental e Alfabetizado: R$ 30,00.

Provas

A seleção dos candidatos no Concurso Público e no Processo Seletivo se efetivará mediante processo específico que se constituirá em provas objetivas, práticas e de títulos.

As provas objetivas serão realizadas por todos os candidatos regularmente inscritos e com inscrições homologadas provavelmente no dia 18 de março de 2012, das 8h às 12h e/ou das 14h às 18h, no Centro Educacional Municipal Frei Silvano, Rua Dom Daniel Hostin, nº. 245, Bairro Vila Nova, município de Água Doce-SC.

Os candidatos ao cargo de Operador de Máquinas serão submetidos à prova prática que tem por objetivo avaliar a aptidão do candidato para o exercício das atividades inerentes à função para a qual se candidatou. As provas práticas para todos os cargos serão realizadas no dia 18 de março de 2012, após o término da prova objetiva e terá como local o Parque de Máquinas da Prefeitura Municipal de Água Doce, Praça João Macagnan, nº. 322, Centro.

Para os candidatos aos cargos de Professor (todos), Instrutor de Judô e Segundo Professor, haverá prova de títulos, sendo esta fase opcional. Participando, poderão aumentar sua média final, cuja pontuação dos títulos é no máximo de 2 pontos, e serão somadas a nota obtida na prova objetiva.

O recebimento dos títulos será realizado após o término da prova objetiva, no Centro Educacional Municipal Frei Silvano, devendo o candidato ao concluir a prova objetiva, se dirigir a sala identificada para a entrega dos títulos.

Validade
O concurso público terá validade inicial de 2 anos e o processo seletivo de 1 ano, a contar da data da publicação dos respectivos resultados finais. Ambos poderão ser prorrogados por idêntico período, caso haja necessidade comprovada pela Administração Municipal.