Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quinta-feira, 22 de setembro de 2011

10 aplicativos para controle da saúde que você tem de conhecer

Os aplicativos para dispositivos móveis estão a tornar-se parte integrante das nossas vidas. Seja como ferramentas de produtividade, para as redes sociais ou para puro divertimento, são cada vez em maior número e maior qualidade os aplicativos que estão a transformar os dispositivos móveis em utensílios imprescindíveis para o seu dia-a-dia. E agora, o smartphone ou tablet também é um importante auxiliar de controlo da sua saúde.

Os App Saúde são cada vez mais populares e a sua utilização vai intensificar-se nos próximos anos. Um estudo feito pela Global Mobile Health Market Report para 2010-2015 e publicado pelo IDG News Service, não deixa dúvidas: cerca de meio bilhão de pessoas usará apps de saúde até 2015.

Destacamos 10 Apps que podem ser úteis no controle de sua saúde.

Para iPhone


pulse screenshot 10 aplicativos para controlo da saúde que tem de conhecer

Para Symbian

health n family screenshot1 10 aplicativos para controlo da saúde que tem de conhecer

Para Blackberry

handylogs screenshot 10 aplicativos para controlo da saúde que tem de conhecer

Smartphones ajudam a controlar doenças crônicas

As lojas de aplicativos estão repletas de programas destinados a ajudar as pessoas a monitorar a própria saúde usando o smartphone. Contudo, a maioria deles somente facilita o registro das medições, como peso e pressão arterial. Não está claro se eles melhoram de forma significativa o comportamento em relação à saúde.

Agora, Joseph Cafazzo, engenheiro biomédico do centro médico da Universidade de Toronto e seus colaboradores desenvolveram aplicativos que fazem muito mais do que isso. Os aplicativos conectam-se sem fios aos dispositivos médicos – incluindo o medidor de pressão arterial e de glicose no sangue – e oferecem sugestões baseadas nas leituras. Eles descobriram que a pressão arterial das pessoas que usaram os programas diminuiu e que elas monitoravam e examinavam os níveis de glicose no sangue atentamente.

Uma das descobertas mais interessantes consiste no fato de que os médicos parecem não ter exercido efeito algum na mudança. “Foram os pacientes, que apenas passaram a se cuidar com mais responsabilidade”, afirma Cafazzo, diretor do centro para a inovação da saúde digital global da universidade.

Fonte The New York Times News Service/Syndicate

Inscrições abertas para o Concurso de Residência Médica 2012

As inscrições para o Concurso de Residência Médica do Ministério da Saúde 2012 (RJ) estão abertas até o dia 21 de outubro. A taxa de inscrição é de R$ 13,17 (treze reais e dezessete centavos) e estão sendo oferecidas 528 vagas, distribuídas em 46 programas de acesso direto ou com pré-requisito. A bolsa auxílio é de R$2.384,82.

Os programas de residência estão distribuídos pelos seis hospitais federais no Rio de Janeiro (Andaraí, Bonsucesso, Cardoso Fontes, Ipanema, Lagoa e Servidores do Estado), Instituto Nacional de Câncer (INCA), Instituto Nacional de Cardiologia (INC), além de unidades hospitalares estaduais, do município de Niterói e da rede D’Or; entre outros.

A prova será realizada no dia 20 de outubro.

Confira mais informações no site oficial do concurso.

Fonte blogdasaúde

Amaranto ajuda a combater colesterol ruim

Grão também não causa alterações na produção de colesterol bom

Um estudo feito pela Universidade de Campinas (UNICAMP), diz que o amaranto, um grão que pode ser usado de diversas formas na culinária, ajuda a combater a aterosclerose e os altos níveis de colesterol ruim, o LDL, no sangue. Esse tipo de colesterol é aquele que forma as placas de gorduras que podem entupir as artérias, causando infartos e derrames.

O estudo foi realizado com um grupo de 18 pessoas com síndrome metabólica, que envolve problemas como pressão alta, obesidade e colesterol alto. Elas foram orientados a consumir, durante o período de um mês, 30 gramas de farinha de amaranto diariamente, o que equivale a uma colher de sopa.  



Antes e depois desse período, os pesquisadores fizeram exames de sangue em cada um dos participantes. Após analisar os resultados, os cientistas notaram uma sensível queda nos níveis de LDL. Segundo eles, proteínas, fibras e óleos encontrados no amaranto podem ser os responsáveis por essa diminuição da quantidade de colesterol ruim no sangue.

Além disso, os autores do estudo afirmam que o amaranto contém esqualeno, um antioxidante que inibe a produção de uma enzima responsável pela síntese de colesterol ruim, sem alterar a produção do HDL, conhecido como colesterol bom.  

Canela também reduz níveis de colesterol
Bastante conhecida por suas propriedades antissépticas e pelo sabor que dá aos alimentos, em especial aos doces, a canela pode ser mais um aliado na luta contra o colesterol. Um estudo realizado pelo Kansas State University, nos Estados Unidos, constatou que consumir meia colher de sopa por dia da especiaria tem papel importante no combate ao colesterol.

Foram avaliados 700 voluntários com idades entre 20 e 55 anos que apresentavam altos índices de colesterol ruim (LDL). Eles foram divididos em dois grupos: 350 pacientes ingeriram uma dose diária de ½ colher de sopa de canela, enquanto os outros 350 não receberam doses da especiaria. 

Após seis meses de estudos, observou-se que 70% dos pacientes que incluíram a canela em sua dieta tiveram uma redução de 10% dos níveis do colesterol ruim, 30% em suas triglicérides (gorduras do sangue), e de 1% a 26% do colesterol total. Já os que não receberam a dose, não apresentaram melhora.
Os pesquisadores acreditam que tal redução é resultado da ação dos antioxidantes, que ajudariam a eliminar parte da gordura ruim que ingerimos com maior rapidez.  

Fonte Minha Vida

Dieta para colesterol alto por portalminhavida no Videolog.tv.

Qual a real importância da vitamina C?

A vitamina C tornou-se popular em virtude do seu papel como antioxidante, com potencial de oferecer proteção contra algumas doenças e contra os aspectos degenerativos do envelhecimento. Mas nem tudo são boas notícias. O excesso de vitamina C pode causar efeitos colaterais, como náuseas e diarréia

O QUE É VITAMINA C?
A vitamina C (também conhecida como ácido ascórbico) é uma das 13 principais vitaminas que fazem parte de um grupo de substâncias químicas complexas necessárias para o funcionamento adequado do organismo. É uma das vitaminas hidrossolúveis, o que significa que seu organismo usa o que necessita e elimina o excesso.

QUAL A QUANTIDADE SUFICIENTE?
Essa é uma pergunta difícil de responder. O Conselho de Alimentos e Nutrição da Academia Nacional de Ciências (The Food and Nutrition Board of the National Academy of Sciences) está revendo as atuais recomendações de ingestão de vitamina C. No número de 21 de abril de 1999 do JAMA (Journal of the American Medical Association), especialistas dos Institutos Nacionais de Saúde (National Institutes of Health) sugerem o aumento das atuais necessidades diárias recomendadas de vitamina C de 60mg para 100-200mg por dia. Eles enfatizam que, sempre que possível, a vitamina C deve ser obtida de frutas e vegetais, e que as pessoas podem ingerir a quantidade recomendada comendo cinco porções de frutas e vegetais por dia.

A vitamina C é encontrada em alimentos como frutas cítricas, tomates, morangos, pimentão-doce e brócolis. A melhor maneira de se obter a quantidade necessária é por meio de uma alimentação saudável e rica em vitamina C. Uma dieta rica em frutas e vegetais também pode ajudar a prevenir alguns tipos de câncer.

Fonte Minha Vida

Evite sete erros ao tomar suplementos alimentares

Usá-los como remédio ou para perder peso pode ser prejudicial à saúde

Apesar de serem cada vez mais indicados pelos médicos e nutricionistas, os suplementos alimentares ainda são mal vistos por muitas pessoas. "Essa falta de informação pode prejudicar a saúde de quem realmente precisa desse novo componente na dieta. Ainda mais hoje, que a maioria da população não consome a quantidade indicada de vitaminas por dia", explica o nutrólogo Wilson Rondó, do Minha Vida.

Segundo dados de pesquisas feitas pelo IBGE, 98% da população brasileira não ingere a quantidade ideal de vitaminas por dia e 92%, não consome frutas com frequência. Além disso, 88% da população ingere mais do que as duas miligramas de sal refinado diariamente, consumo considerado excessivo.

Por esse motivo, suplementos alimentares fazem parte da nova pirâmide alimentar chamada Healthy Eating Pyramid, desenvolvida recentemente por cientistas da Universidade de Harvard (EUA). Mas, na hora de incluir os suplementos na dieta, é preciso tomar alguns cuidados para evitar problemas, como evitar estes sete erros: 

1.Consumi-los sem aconselhamento médico
"Os suplementos são importantes, pois evitam a deficiência e o excesso de nutrientes. Mas é sempre bom lembrar que a quantidade e a variedade de suplementos alimentares devem ser indicadas por um profissional e somente em casos específicos", explica o nutrólogo Máximo Asinelli, da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição.

Não há estudos conclusivos sobre os efeitos colaterais da suplementação alimentar, mas há indícios de pessoas que fazem uso excessivo e que podem apresentar náuseas, tremores, aumento dos batimentos cardíacos e da pressão arterial. Por isso, é importante que o consumo de suplementos seja feito sob a orientação de especialistas em esporte e nutrição.  

2.Achar que apenas quem tem doenças precisa tomá-los"Até uma pessoa livre de doenças e que pratica exercícios físicos, tem uma alimentação balanceada, não bebe e não fuma pode precisar de suplementação", diz o nutrólogo Wilson Rondó. De acordo com o especialista, cada pessoa possui um metabolismo diferente e, por isso, absorve de maneira específica cada tipo de nutriente.

"Além disso, muitos alimentos, que antes eram fontes de nutrientes, passam por tantos processos químicos que o seu consumo não consegue dar conta das necessidades diárias do organismo", completa o especialista.  

3.Tomar mais do que o necessário
"Somente um profissional da área da saúde sabe quais são as doses de suplemento que uma pessoa deve tomar ou se elas são realmente necessárias. Proteínas, carboidratos e até vitaminas, se forem consumidos em doses muito grandes, podem causar efeitos prejudiciais ao organismo", diz o nutrólogo Roberto Navarro.  

4.Não ler o rótulo do produtoAssim como em qualquer outro alimento industrializado, ler o rótulo dos suplementos alimentares que serão consumidos é muito importante. Essa pequena medida pode te proteger de uma série de problemas graves.

Um estudo feito pelo Intermountain Medical Center Heart Institute de Salt Lake City, nos Estados Unidos, mostrou que misturar alguns tipos de suplementos - principalmente aqueles que contêm substâncias como glucosamina/condroitina, óleo de peixe e coenzima Q10 - com o remédio anticoagulante Varfarina - medicamento usado para prevenir a formação de coágulos e evitar um derrame cerebral - pode reduzir o efeito desta medicação. "Esse tipo de informação normalmente está no rótulo do produto. É por isso que é tão importante ler a embalagem antes de comprar suplementos alimentares", alerta a nutricionista Roberta Stella, do Dieta e Saúde. 

5.Consumir suplementos antes do treino para melhorar o desempenho
É muito comum pessoas utilizarem suplemento logo antes do treino, acreditando que ele irá rapidamente aumentar o desempenho do corpo. Segundo os especialistas, isso é um erro, já que a suplementação causa efeitos a longo prazo, e não imediato.  

6.Usá-los como remédios
Se feito com a orientação de um profissional, o consumo de suplementos alimentares fornece a quantidade adequada de nutrientes e substâncias que o organismo necessita para funcionar bem. "Com a quantidade certa de alguns nutrientes, como o zinco e a vitamina C, o corpo fica mais protegido de doenças infecciosas. Por isso, suplementos vitamínicos e minerais, muitas vezes, realmente deixam o corpo mais protegido contra doenças", explica a nutricionista Roberta Stella.

No entanto, eles não devem ser usados para combater doenças já instaladas no corpo, já que não possuem efeito alopático, ou seja, não produzem uma reação oposta aos sintomas dos doentes.
7.Usá-los para perder peso
Usar suplementos alimentares para tentar manter o peso ideal é cada vez mais comum. No entanto, fazer isso pode, na verdade, causar um aumento de peso, já que alguns suplementos contem uma grande quantidade de calorias. "Suplementos de carboidratos e proteínas apresentam calorias e, por isso, a utilização deles deve ser controlada para que a alimentação fique balanceada e não haja aumento de peso", alerta a nutricionista Roberta Stella.

O Institute for Nutrition and Psychology da University of Göttingen Medical School, na Alemanha, afirma que existem diversos tipos de suplementos emagrecedores, que prometem perda de peso. Porém, poucos desses suplementos foram submetidos a testes clínicos para determinar se eles realmente têm algum benefício e, por isso, os usuários não devem esperar grandes resultados. 

Fonte Minha Vida

Mamografia é oferecida de graça em Pelotas para o combate ao câncer de mama

Associação pretende realizar ao menos 15 exames por dia

O Rio Grande do Sul registra a maior incidência de câncer de mama do país, segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer). No Brasil, o câncer de mama é o que mais causa a morte de mulheres. Isso acontece porque a doença geralmente é descoberta em estágio avançado.

O projeto "Por um Mundo Mais Rosa", da Aapecan (Associação de Apoio às Pessoas com Câncer), de Pelotas, vai proporcionar às mulheres atendidas pela associação um acesso mais rápido ao exame preventivo.

Para cada mamografia realizada na clínica de radiologia parceira, será concedida uma mamografia de graça para as mulheres do projeto. Com a iniciativa, a associação espera realizar pelo menos 15 mamografias por dia.

Veja a reportagem completa.

Assista:


Fonte R7

Ministério da Saúde repassa para o Pará R$ 77 milhões

Por meio do FNS (Fundo Nacional de Saúde), o Ministério da Saúde destinou mais de R$ 76,89 milhões para o Estado do Pará, na primeira quinzena de setembro. O valor foi repassado para os 143 municípios paraenses, por meio de seus fundos municipais, e para o Fundo Estadual de Saúde do Pará.

O bloco de MAC (Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar) recebeu mais de R$ 56,9 milhões. O MAC responde pelo custeio de procedimentos de alta e média complexidade, como transplantes, quimioterapia, terapia renal substitutiva, entre outros.

Para o bloco de Atenção Básica, que financia programas como Saúde da Família, Agentes Comunitários de Saúde e Saúde Bucal, entre outros, foram repassados R$ 14,86 milhões. Pelo bloco da Assistência Farmacêutica, o repasse foi de R$ 3,6 milhões.

Esta verba é destinada, geralmente, à aquisição de medicamentos e de insumos, além do custeio de ações como controle de endemias, entre outras.

O total repassado referente à Belém foi superior a R$ 31,5 milhões, sendo R$ 28 milhões para o MAC. O Fundo Estadual de Saúde do Pará foi contemplado com mais de R$ 10,5 milhões desse bloco para ações e serviços envolvendo tratamentos odontológicos, transplantes, mamografias e cirurgias.

Para o Fundo Municipal de Saúde de Belém foram direcionados R$ 18 milhões para a Política Nacional de Cirurgias Eletivas,transplantes, cirurgias e financiamento aos centros de referência em saúde do trabalhador, entre outras ações e serviços. As informações são do Ministério da Saúde.

Fonte R7

Gêmeas siamesas morrem após 3 meses em MG

A Santa Casa de Belo Horizonte informou nesta quarta-feira (21) a morte das gêmeas siamesas Vitória e Viviane, de três meses. Segundo a instituição, as irmãs, que não poderiam passar por cirurgia de separação por ter apenas um coração, morreram no último dia 13 por insuficiência cardíaca.

Vitória e Viviane nasceram unidas pelo abdome, no dia 9 de junho, no Hospital e Maternidade Vital Brazil, em Timóteo, no Vale do Aço mineiro. Elas foram diagnosticadas como portadoras de “cardiopatia congênita complexa”.
A mãe, uma adolescente de 17 anos, não se submeteu a nenhum exame de ultrassom durante a gestação, já que o sexo do bebê seria uma surpresa para o casal.

O boletim médico divulgado no mês de junho dizia que as gêmeas foram submetidas a vários exames laboratoriais e de imagens, que revelaram, além da cardiopatia, a “anatomia normal de um coração”.

O comunicado, assinado pelo coordenador do CTI-Infantil, Júlio César Amorim Sena, diz que, “avaliadas pela equipe cardiovascular foi constatada a inviabilidade cirúrgica”, ou seja, que as garotas não poderiam ser separadas.

O nascimento de Viviane e Vitória foi o primeiro caso de gêmeas siamesas no Vale do Aço

Fonte R7

Porto Alegre: Falta de dados sobre qualidade do ar no Estado dificulta análises médicas

Poluição pode desencadear infecções respiratórias, rinite e até possibilidade de enfarto e isquemia cardíaca

Os dados de monitoramento da qualidade do ar e de vigilância em saúde ambiental que hoje são divulgados no Estado dificultam análises mais precisas sobre os efeitos da poluição na saúde dos gaúchos.

Na literatura médica, é sabido que moradores de locais com alta concentração de poluentes atmosféricos, como área industriais e com grande circulação de veículos, ficam mais sujeitos a complicações respiratórias e cardíacas.

— Normalmente, em dias com muita poluição, a demanda por ambulatórios e emergências aumenta — atesta o pneumologista Carlos Nunes Tietboehl, um dos palestrantes do Seminário Internacional de Qualidade Monitoramento do Ar.

Médico do Hospital de Clínicas de Porto Alegre e professor de pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Tietboehl revela que a falta de dados afeta o trabalho de prevenção, já que as complicações também são provocadas por causas não ambientais. Sem os dados, fica difícil diferenciar os casos que têm influência da poluição.

— Somente com um acompanhamento adequado das populações expostas e a associação com dados de uma rede de monitoramento ambiental fidedigna e de boa qualidade é que se torna possível se estabelecer essa relação de causa-efeito, entre a inalação de poluentes atmosféricos e seus efeitos sobre a saúde humana — afirma.

Idosos e crianças sofrem mais

Crianças com até cinco anos e pessoas com mais de 65 são mais vulneráveis à influência do ar com má qualidade. Em dias secos, com pouco vento, é normal aumentar a concentração de substâncias nocivas à saúde.

Irritação no nariz e garganta, olhos lacrimejando, tosse, chiado no peito, falta de ar são alguns dos indicativos de alta concentração de material particulado e gases tóxicos no ar inalado.

Veja quais são as complicações que podem ser desencadeadas pela má qualidade do ar:

:: Crises de asma

:: Infecções respiratórias

:: Bronquite

:: Rinite

:: Possibilidade de enfarto e isquemia cardíaca

Fonte Zero Hora

Programa de computador é capaz de detectar dor em humanos

Por indicar o local exato da dor, o novo software pode ser muito útil na detecção de problemas

Pesquisadores americanos desenvolveram um programa capaz de detectar dor em humanos. A equipe da Universidade de Stanford, na Califórnia, acredita que o software pode ser útil para ajudar pessoas que não conseguem expressar-se através de palavras.

Os testes foram feitos em oito voluntários que se submeteram a uma ressonância magnética que mapeou seus cérebros, enquanto um objeto quente entrava em contato com a pele, causando dor. O computador, então, detectou mudanças na atividade cerebral das pessoas nas áreas relacionadas ao sentimento de dor.

De acordo com as informações publicadas no PLoS One, o simples fato de o paciente indicar que está com dor não é o suficiente para resultar em um diagnóstico. No entanto, por indicar o local exato da dor, o novo software pode ser muito útil na detecção de problemas.

Fonte Folhaonline

Prática de exercícios exige cuidados com a coluna

Quem sofre com dores nas costas, pescoço, nervo ciático, pernas ou braços deve ser orientado por um especialista sobre quais as atividades são ou não indicadasAlém dos habituais exames clínicos e cardiológicos, antes de começar a praticar atividades físicas é fundamental lembrar também da coluna. Qualquer atleta ou praticante de atividades físicas pode enfrentar problemas sérios ou agravar os já existentes, se não souber como está a saúde das suas costas.

De acordo com o médico João Luiz Pinheiro Franco, a coluna é o órgão de sustentação do corpo e tem amortecedores ou discos intervertebrais que são responsáveis pelo seu movimento, mas que também envelhecem, se desidratam e levam, muitas vezes, a dores.

Quem sofre com dores nas costas, pescoço, nervo ciático, pernas ou braços durante a prática de exercícios deve ser orientado por um especialista sobre quais as atividades são ou não indicadas nestes casos. Segundo Franco, muitos pacientes só procuram ajuda depois de ter abusado dos exercícios sem orientação adequada.

— Uma pessoa que tenha uma hérnia de disco, por exemplo, deve evitar carregar peso e, se muito necessário, manter a coluna apoiada durante a atividade de força. Dor nas costas durante a prática é sinal de alerta — adverte.

Para evitar que a dor aguda torne-se crônica, a pessoa que apresentar crises de dores lombares ou na coluna deve interromper as atividades e procurar um especialista.

Benefícios e cuidados

Os exercícios adequados atuam no fortalecimento da musculatura das costas ajudando na sustentação da coluna e, de certa forma, colaborando para contrabalançar a desidratação discal que acontece com todas as pessoas.

Por esta razão, a prática de atividades físicas é extremamente recomendada e benéfica à saúde da coluna, mas os praticantes devem ter alguns cuidados. Veja quais são:

:: Tenha cuidado com esportes, como o futebol de salão, por exemplo, que propicia as rápidas brecadas ou trancos;

:: Não economize na hora de comprar um tênis para corrida ou prática de alguma atividade específica;

:: Na natação, algumas modalidades não são recomendadas em casos de doenças da coluna lombar e da coluna cervical;

:: Pessoas com hérnia de disco devem ter atenção redobrada e cuidados especiais com a coluna, além de instruções com os professores de educação física, os fisioterapeutas e médicos.

Fonte Zero Hora

Estimular cérebro com eletricidade acelera aprendizado, diz estudo

Estimular eletricamente o cérebro pode ajudar a aumentar a velocidade do aprendizado, segundo especialistas britânicos.

Eles dizem que aplicar uma corrente elétrica de baixa intensidade em uma área específica do cérebro pode aumentar sua atividade, tornando o aprendizado mais fácil.

Segundo especialistas britânicos, uma corrente elétrica de baixa intensidade pode aumentar a atividade cerebral

Os pesquisadores, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, estudaram cérebros de pacientes que sofreram derrames e de adultos saudáveis.

Os resultados da pesquisa foram apresentados durante o British Science Festival, na cidade inglesa de Bradford.

A equipe, liderada pela professora Heidi Johansen-Berg, usou uma tecnologia conhecida como ressonância magnética funcional para monitorar a atividade nos cérebros de pacientes que sofreram derrames enquanto tentavam recuperar sua capacidade motora, perdida como resultado da doença.

Uma das principais revelações do estudo foi a de que o cérebro é muito flexível e pode se reestruturar, desenvolvendo novas conexões e alocando tarefas para áreas diferentes quando ocorre algum problema ou quando uma tarefa nova é realizada.

Como parte do estudo, os especialistas também investigaram a possibilidade de usar estimulação elétrica não invasiva do cérebro para melhorar o processo de recuperação da capacidade motora.

Melhorias a curto prazo já haviam sido constatadas em pacientes que tinham sofrido derrames.

Mas um resultado inesperado foi verificado quando os mesmos estímulos foram feitos nos cérebros de adultos saudáveis: a velocidade de aprendizado desses indivíduos também aumentou consideravelmente.

AUMENTO DE ATIVIDADE
Para observar esse efeito, a equipe criou um experimento em que voluntários memorizavam uma sequência de botões para apertar, "como se aprendessem a tocar uma melodia no piano".

Enquanto faziam isso, recebiam, por meio de dois eletrodos colocados em pontos específicos de suas cabeças, estímulos por corrente transcraniana.

Uma corrente de intensidade muito pequena foi passada entre os eletrodos formando um arco que passava dentro do cérebro e, dependendo da direção da corrente, ela aumentava ou diminuía a atividade naquela parte do cérebro.

Johansen-Berg explicou: "Um aumento na atividade das células do cérebro as torna mais suscetíveis ao tipo de mudança que ocorre durante o aprendizado."

Os resultados do experimento que envolvia apertar os botões em sequência demonstraram os efeitos positivos, em termos do aprendizado, de apenas dez minutos de estímulos ao cérebro, em comparação a um experimento "placebo" no qual não houve estímulo elétrico.

"Os estímulos não melhoraram o desempenho máximo do participante, mas a velocidade com a qual ele alcançava seu ponto de desempenho máximo foi aumentada significativamente", disse Johansen-Berg.

Direcionar o estímulo à área do cérebro que controla a atividade motora permite que tarefas envolvendo movimentos sejam aprendidas mais rápido, e os pesquisadores acreditam que a técnica possa ser usada para auxiliar o treinamento de atletas.

Os experimentos demonstram explicitamente que estimular o córtex motor do cérebro pode aumentar a velocidade do aprendizado de funções motoras.

Os pesquisadores dizem ter esperanças de que o mesmo método possa ser aplicado a outras partes do cérebro para melhorar o aprendizado na educação, simplesmente posicionando-se os eletrodos em locais diferentes de forma que a corrente possa ser direcionada à área correta.

Em função da relativa simplicidade, baixo custo (cerca de US$ 3 mil por unidade) e portabilidade da tecnologia, a equipe acha possível que --após mais pesquisas-- aparelhos sejam criados especificamente para uso em casa.

No futuro, Johansen-Berg e sua equipe pretendem investigar as possibilidades de se aumentar o efeito da técnica por meio de estímulos diários durante períodos de algumas semanas ou meses.

No tratamento de pacientes que sofreram derrames, a técnica poderia ser usada em associação com tratamentos atuais de fisioterapia para melhorar o quadro geral de a recuperação dos pacientes, que tende a variar bastante.

Fonte Folhaonline

Franceses usam ovos de rã para acelerar programação celular

Cientistas franceses descobriram que os ovos de xenopus, rãs carnívoras africanas, facilitam a programação de células e abrem perspectivas no campo da medicina regeneradora.

A equipe do Instituto de Genética Humana de Montpellier, em colaboração com o CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Científica), conseguiu multiplicar a capacidade de transformação de células da pele de ratos em células-tronco com ajuda desses ovos.

Sua aplicação serviu para multiplicar por cem essa eficácia mediante uma técnica dupla: a injeção de quatro genes específicos no núcleo das células de rato e sua posterior incubação em um extrato dos ovos das xenopus.

Com essa técnica, a equipe dirigida por Marcel Méchali conseguiu multiplicar por um fator maior que 100 a obtenção de células-tronco pluripotentes induzidas (IPS).

"Estes resultados confirmam o interesse das células-tronco resultantes de células diferenciadas para fazer autoimplantes e apresentam perspectivas terapêuticas interessantes no âmbito da medicina regeneradora", informou um comunicado do CNRS.

A partir da técnica mista mencionada, o núcleo das células se programa duplamente, embora ainda não totalmente. Outra vantagem descoberta pelos cientistas franceses é que o extrato desses ovos permitiu programar células de maneira impossível com a simples combinação de genes.

Os pesquisadores admitem que ainda falta identificar os componentes presentes nos extratos que são capazes de apagar a identidade de células diferenciadas.

Segundo o CNRS, a pesquisa confirma as possibilidades das células IPS no âmbito da medicina regeneradora.

"As células IPS poderiam no futuro permitir substituir células doentes ou destruídas por ataque de outras células do paciente e reconstruir desse modo o órgão ou o tecido danificado por uma doença ou acidente, sem problema de rejeição", explicou o CNRS.

Os ovos de xenopus --rã bem conhecida pelos cientistas por suas aplicações em pesquisa-- são significantes pela facilidade de serem encontrados em grandes quantidades, ao contrário dos ovos de mamíferos

Fonte Folhaonline

Estudo mostra o que funciona no alívio da dor pós-operatória

Para o alívio da dor após a cirurgia, os analgésicos comumente utilizados funcionam para a grande maioria das pessoas. Contudo, para algumas pessoas eles quase não exercem efeito algum, de acordo com um novo estudo.

Os cientistas analisaram aproximadamente 350 pesquisas aleatórias de medicamentos orais para dor, usados após a cirurgia. Os pesquisadores incluíram apenas estudos de alta qualidade que contavam com métodos padronizados para relatar o alívio da dor e os efeitos colaterais.

As pesquisas envolveram aproximadamente 45 mil pacientes e os pesquisadores descobriram resultados confiáveis para 46 doses e combinações de medicamentos. Eles definiram o medicamento ou combinação como eficaz se oferecesse alívio de 50% da dor durante quatro a seis horas após a ingestão de uma única dose, comparado aos placebos.

Com esse critério, os pesquisadores descobriram que entre os medicamentos mais eficazes para um número maior de pessoas estavam o cetoprofeno, comercializado como Orudis, ibuprofeno de 600 miligramas, 1.200 miligramas de aspirina, e uma combinação de Tylenol com ibuprofeno, codeína ou oricodona. Apenas codeína e doses pequenas de ibuprofeno foram muito ineficazes.

"Entre os analgésicos vendidos sem receita médica, a melhor combinação inclui ibuprofeno e Tylenol --200 miligramas de ibuprofeno e 500 de Tylenol possuem um índice de sucesso de 74%", afirma o principal autor do estudo, Andrew Moore, da Universidade de Oxford.

A análise foi publicada na edição de setembro da revista "The Cochrane Library".

Fonte Folhaonline

Impedir queda de glicose no cérebro ajuda a manter o peso

Quando as fontes de glicose caem, o organismo começa a perder a capacidade de controlar o desejo, o que possibilita o aumento da vontade de comer. Um estudo publicado no "Journal of Clinical Investigation" sugere que impedir a queda dos níveis de glicose no cérebro pode ser o segredo para manter o peso.

A informação foi publicada na terça (20) no site do jornal britânico "Telegraph".

Segundo os pesquisadores, a falta de glicose --que alimenta o cérebro-- dificulta o controle da vontade de devorar alimentos calóricos.

Os obesos são mais vulneráveis. Mesmo a menor queda da glicose pode facilitar a ingestão de carboidratos, a maior fonte de açúcar para o corpo.

Eles podem tanto "bons" carboidratos --como frutas, vegetais frescos, arroz, massas e pão integral-- como outras variedades mais calóricas, que incluem pão branco, açúcar, refrigerantes, bolos e batatas fritas.

Comer menos e várias vezes ao longo do dia pode diminuir a chance de sucumbir à tentação, principalmente para as pessoas obesas, indica a pesquisa.

Segundo Rajita Sinha, da Universidade de Yale nos Estados Unidos, "a chave parece estar na ingestão de alimentos saudáveis que mantêm os níveis de glicose. O cérebro precisa de alimento."

Fonte Folhaonline

Rio exonera diretor de hospital após falha em atendimento

A Secretaria de Saúde do Rio informou ter exonerado nesta quarta-feira o diretor Hospital Estadual Getúlio Vargas, Luiz Sérgio Verbecaro, após falha de atendimento na unidade. Além dele, perdeu o cargo Jocelyn Santos de Oliveira, chefe de equipe de plantão do Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Homem passa por 5 hospitais até conseguir ser internado

O secretário Sérgio Côrtes instaurou sindicância para apurar o atendimento dado ao paciente Gabriel Santos de Sales, 21.

Na segunda-feira (19), o jovem caiu da laje de sua casa, em Duque de Caxias (Baixada Fluminense), e sofreu traumatismo craniano, entre outras fraturas.

A ambulância em que estava, em estado inconsciente, teve que percorrer 88 km em sete horas até conseguir atendimento.

O veículo passou por um posto de saúde e cinco hospitais públicos --entre eles os dois estaduais--, mas só conseguiu internação no último, a unidade municipal Salgado Filho, no Méier (zona norte).

Sales permanece internado no CTI (Centro de Terapia Intensiva), sedado, em estado grave.

De acordo com a secretaria, as informações preliminares indicam divergências de relatos sobre a conduta das equipes dos dois hospitais estaduais. A razão da exoneração, segundo a nota, é para que "a sindicância seja concluída com isenção".

A reportagem não conseguiu localizar os profissionais exonerados.

Fonte Folhaonline

Droga para deficit de atenção pode atrasar puberdade, diz estudo

A Ritalina, remédio usado no tratamento de crianças com deficit de atenção e hiperatividade, exibiu como efeito colateral o atraso da puberdade em um estudo feito com macacos.

O problema, que não foi investigado ainda em humanos, foi descoberto por acaso por cientistas nos EUA.

Os testes, feitos por um grupo dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, tinham como objetivo medir possíveis danos causados pela Ritalina no DNA.

"Todos esses nossos estudos tiveram resultados negativos", disse à Folha Donald Mattison, pesquisador que coordenou o trabalho.

"Ao avaliar macacos que haviam sido tratados com a droga, vimos que a descida testicular [deslocamento dos testículos do abdome para a bolsa escrotal] estava atrasada. Isso foi inesperado."

O estudo foi publicado ontem no site da revista "PNAS".

O trabalho descobriu que os níveis de testosterona dos animais estavam abaixo do normal após 30 meses de tratamento com metilfenidato, princípio ativo da Ritalina.

O cientista afirma, no entanto, que ainda é cedo para tirar conclusões sobre a segurança da droga.

"Esse estudo não implica que a mesma coisa deva acontecer em humanos, mas pode ser que aconteça", afirma o cientista Ridha Joober, da Universidade McGill, de Montreal (Canadá), que vem investigando efeitos colaterais da Ritalina.

"Depois desse estudo, muitos cientistas vão se interessar em checar se há efeitos similares em crianças."
Mattison afirma que não encorajaria pais a mudarem o tratamento dos filhos sem discutir antes com o médico.

OUTRO LADO
A Novartis, laboratório suíço que detém o nome comercial Ritalina e é líder nas vendas da droga, emitiu ontem uma nota sobre o assunto.

"É importante notar que esse é um estudo único conduzido em macacos e que mostra um impacto não permanente do metilfenidato sobre a puberdade", afirma o documento. "A Novartis monitora continuamente os efeitos adversos relatados de todos os seus produtos."

Fonte Folhaonline

Estudo diz que diálise três vezes por semana é insuficiente

Um novo estudo, financiado pelo governo federal dos Estados Unidos, indica que três sessões de diálise por semana não são suficientes para eliminar toxinas do sangue de diabéticos e outras pessoas com problema renal crônico.

Segundo a pesquisa, o número de mortes, ataques cardíacos e hospitalizações são muito mais altos no dia após o intervalo de dois dias entre os tratamentos semanais do que em outros momentos.

O presidente da Fundação Nacional do Rim dos EUA declarou que está "muito preocupado" com os resultados publicados no "New England Journal of Medicine".

"Nós poderíamos estar fazendo um trabalho melhor para os pacientes e isso significa aumentar a frequência da diálise", disse Lynda Szczech, especialista em rins da Duke University, que não teve nenhum papel no estudo.

Os rins filtram os resíduos e fluidos do corpo. A maioria dos 400 mil norte-americanos com problemas renais crônicos sobrevivem filtrando o sangue em clínicas de diálise, três vezes por semana.

Geralmente, a diálise é feita às segundas, quartas e sextas, ou às terças, quintas e sábados. Em ambos os casos, há uma pausa de dois dias entre a última sessão da semana e a seguinte.

O cronograma de diálise de três dias semanais existe desde meados dos anos 1960.

Os médicos já suspeitavam que o hiato de dois dias entre os tratamentos era arriscado. Estudos menores encontraram mais mortes relacionadas ao coração no dia após o intervalo.

Fonte Folhaonline