Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 13 de maio de 2015

Anvisa suspende lote do medicamento Etna Injetável

A Anvisa realizou suspensão da distribuição, comercialização e uso do lote T14J264/L369 do medicamento Etna Injetável (Liofilizado: Acetato de hidroxocobalamina + Fosfato dissódico de citidina + Trifosfato trissódico de uridina – Diluente: Cloridrato de lidocaína)
 
O lote foi fabricado na apresentação comercial (três frascos ampolas de liofilizado e três ampolas de vidro com diluente) e como amostra grátis (dois frascos ampolas de liofilizado e duas ampolas de vidro com diluente).
 
A Agência recebeu um comunicado de recolhimento voluntário encaminhado pela empresa fabricante, Laboratório Gross S.A, em razão de o lote conter incorreção na descrição da concentração dos princípios ativos.
 
A empresa promoverá o recolhimento do lote existente no mercado.
 
A medida está na Resolução nº 1425, publicada nesta terça-feira (12/5) no Diário Oficial da União (DOU).
 
 
ANVISA

Anvisa suspende lotes de medicamentos do laboratório Brainfarma

A Anvisa determinou a suspensão da distribuição, comercialização e uso de sete lotes de medicamentos fabricados pela empresa Brainfarma Indústria e Química e Farmacêutica S/A.
 
O laboratório já iniciou o recolhimento voluntário dos medicamentos após identificar a utilização de insumos fornecidos pela empresa Changzhou Yabang Pharmaceutical não previstos nos registros dos medicamentos.
 
Conforme a Resolução nº 1424 publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (12/5), foram suspensos os lotes B12L1637 e B13H1851 do medicamento Neo Mebend 100mg, comprimido, e do lote B13E0257 de Neo Mebend 20mg/ml suspensão oral.
 
De acordo com a Resolução, os lotes B13L07037 e B12K1774 do medicamento Mebendazol 100mg comprimido e os lotes B12K1312 e B13E0254 do produto de 20mg/ml, suspensão oral, também estão suspensos.

ANVISA

Pesquisadores descobrem como drogas viciantes prejudicam a função cerebral

Cocaína e anfetaminas interferem no transporte de dopamina
 
Em um grande avanço no campo da neuropsiquiatria, pesquisadores do Instituto Vollum, na Universidade de Oregon, Estados Unidos, mostram como a cocaína e anfetaminas prejudicam funções de transporte de dopamina no cérebro. Essa descoberta abre caminho para o desenvolvimento de tratamentos que podem amenizar os efeitos das drogas em pessoas viciadas.
 
A dopamina é uma proteína que tem contribuições fundamentais para doenças neuropsiquiátricas como esquizofrenia, depressão, comportamento abusivo de drogas e transtorno de déficit de atenção.
 
Ao mostrar como essas drogas bloqueiam a sinalização de dopamina - ação responsável por remover o neurotransmissor da sinopse e das regiões de células nervosas - a pesquisa fornece insights que podem ajudar a compreender por que algumas drogas são viciantes e outras não são.
 
— O vício em cocaína e anfetaminas acaba com famílias e vidas. O resultados da pesquisa podem ajudar a desenvolver tratamentos eficazes para as pessoas que são viciadas em cocaína e anfetaminas — disse Eric Gouaux, cientista na Universidade de Oregon.
 
Richard Goodman, diretor do Instituto Vollum, afirma que este trabalho de pesquisa preenche uma grande lacuna que persiste há décadas, auxiliando na explicação de como essas drogas altamente viciantes afetam o funcionamento normal do cérebro.
 
O trabalho dos pesquisadores foi publicado na segunda-feira na revista Nature.
 
Zero Hora

Menino de 3 anos morre durante espera por vaga de UTI, diz família

Miguel Santos Diniz morreu durante espera por vaga de UTI em Caldas Novas Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Foto: Reprodução/TV Anhanguera - Miguel
morreu durante espera por vaga de UTI, diz
família
Garoto foi diagnosticado com pneumonia em Caldas Novas, no sul de GO. Parentes dizem que ele foi liberado de unidade de saúde sem fazer exames
 
Um menino de 3 anos morreu após ser diagnosticado com pneumonia em Caldas Novas, no sul de Goiás. Familiares denunciam que Miguel Santos Diniz não passou por exames médicos na unidade de saúde em que recebeu atendimento e também não obteve uma vaga em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A Secretaria Municipal de Saúde apura se houve algum erro no caso, que aconteceu no domingo (10).
 
Segundo a família, na última semana o menino apresentou problemas respiratórios e foi atendido no Pronto Atendimento Infantil (PAI). Ainda de acordo com os parentes, ele foi liberado sem passar por uma avaliação detalhada. "Custava chegar em um hospital público e o médico falar que ia fazer os exames para ver se tinha infecção? Não é normal uma criança ter infeção toda hora", disse o o autônomo José Cardoso, tio do menino.
 
Segundo o pediatra Ademilson Borges, que atendeu Miguel, não havia indícios de que a criança estava com pneumonia. "Essa criança chegou com dor de ouvido e examinamos o ouvido, fizemos a medicação e eu te garanto que ela estava com estado geral [de saúde] bom", afirma.
 
Porém, no sábado (9), o estado de saúde de Miguel piorou e ele foi levado a um hospital particular, onde o menino foi diagnosticado com pneumonia grave. A família conta que foi solicitada uma vaga em UTI na rede pública de Goiânia, mas todas estariam ocupadas.

A Secretaria de Saúde de Caldas Novas disse que será aberta uma sindicância para apurar se houve ou não falhas no atendimento prestado ao menino. O diretor do PAI, Wellington Carneiro, afirma que as investigações feitas por uma comissão interna devem ficar prontas em 30 dias. "Serão tomadas as providências cabíveis com relação ao atendimento da criança, e todos procedimentos necessários serão tomados".

Já a Secretaria Municipal de Saúde de Caldas Novas afirma que o menino “foi atendido na unidade de Pronto Atendimento Infantil, do dia 7 para o dia 8 de maio de 2015, sendo medicado, e, posteriormente, internado pela família em uma unidade privada de Caldas Novas”.

Além disso, a secretaria afirma que iniciou há um ano, em parceria público privada, a construção de 20 leitos de UTI no Hospital Nossa Senhora Aparecida. A previsão é de que a construção termine em janeiro de 2016.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia afirma que o pedido de vaga em UTI para Miguel foi feito no sábado (9), às 8h53. Depois, às 0h36 foi solicitada a exclusão do pedido e, em seguida, quatro minutos depois, foi feita uma nova solicitação como encaminhamento de urgência.

Segundo a SMS, esse encaminhamento estava em curso quando o paciente morreu. A secretaria diz ainda que “todos os esforços foram feitos no sentido de encontrar a vaga”.
 
G1

5 melhores práticas de hospitais nas redes sociais

Infográfico com dados do mercado norte-americano mostra que os pacientes confiam nas redes sociais para interagir com médicos
 
Entre os assuntos que mais compartilham nas redes estão a sua própria experiência no sistema. Além disso, demostram confiar primeiramente nos posts de médicos, depois enfermeiros e, em terceiro, hospitais.
 
O Facebook aparece como a mídia mais popular entre 1.500 hospitais americanos presentes nas redes.
 
O infográfico traz também o exemplo de cinco organizações de saúde que investem em ações nas redes sociais: Mayo Clinic (Rochester), Rush University Medical Center (Chicago), Massachusetts General Hospital, Scott & White Healthcare (Texas) e Nebraska Medical Center (Omaha)
 
Confira!
 
[infograph] Que pueden hacer los pacientes de forma online para controlar su salud. #hcsmeuES #salu20 #eSalud
Saúde Web

Fiscais constatam descarte irregular de lixo na Maternidade Santo Antônio em AL

Área onde lixo estava armazenado foi interditada pelos fiscais (Foto: Micaelle Morais/G1)
Foto: Micaelle Morais/G1: Área onde  lixo
estava armazenado foi interditada pelos fiscais
Mais de uma tonelada de lixo hospitalar se mistura a lixo comum no local. Hospital tem 24 horas para regularizar situação ou será interditado
 
A Maternidade Santo Antônio, no bairro do Bom Parto, foi notificada na manhã desta terça-feira (12), após uma fiscalização motivada por denúncia anônima que constatou diversas irregularidades na unidade.
 
No depósito de lixo, havia mais de uma tonelada de lixo hospitalar e infectante misturada a lixo comum. O depósito de resíduos foi interditado.
 
A ação é executada pela Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió (Slum) e pela Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente (Sempma).
 
"O lixo infectante estava junto ao lixo comum. Tinha sangue, larva e chorume lá dentro. Além disso, o local não tem licença ambiental para funcionar", disse o coordenador de fiscalização da Slum, Carlos Tavares.
 
O diretor da maternidade, Paulo Sérgio Holanda, alegou que a situação chegou a esse ponto por conta da alta demanda na unidade. "A gente tem um contrato com a empresa que nos dá cinco bombonas e recolhe o lixo uma vez por semana, mas não foi suficiente. Agora vamos aumentar para 15 bombonas e recolhimento três vezes semanalmente", explica.
 
Segundo os fiscais, o flagrante se caracteriza como crime ambiental. A maternidade recebeu um prazo de 24 horas para regularizar a situação ou pode ser interditada por completo. Após a fiscalização, a direção da unidade de saúde acionou uma empresa terceirizada para recolher o material infectante.
 
A Slum informou que a direção da maternidade se comprometeu a regularizar a situação até as 14h desta terça. Devido ao armazenamento irregular do lixo, a unidade de saúde recebeu um auto de infração da Sempma e foi notificada pela Slum.
 
G1