Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Emagrecer ficou mais difícil nas últimas décadas, conclui estudo

Pesquisa mostrou que, nos anos 1970, a perda de peso era mais fácil do que nos anos 2000
 
Perder peso nem sempre é uma tarefa fácil. Mas, acredite: ela já foi menos trabalhosa em décadas anteriores. Fatores como estilo de vida, poluição, genética e até uso de medicamentos são cruciais para essa mudança, aponta um estudo realizado pela Universidade de Nova York.
 
Para realizar a pesquisa, foram analisados dados de cerca de 34,4 mil americanos coletados entre 1971 e 2008.
 
— Observamos que, para uma determinada quantidade de comida ingerida, as pessoas estavam 10% mais pesadas em 2008 em comparação a 1971 — concluiu uma das autoras da pesquisa, Ruth Brown.
 
O resultado não surpreende a nutricionista Joselaine Strumer. Com 25 anos de experiência, ela percebe que, apesar da infinidade de recursos disponíveis atualmente, nunca foi tão difícil perder peso:
 
— As pessoas estão muito sedentárias, elas não saem mais por medo. Além disso, nunca se tomou tanto antidepressivo como hoje, e sabemos que esses medicamentos estimulam a comer mais doces e carboidratos.
 
Além desses fatores, a especialista ainda aponta o estresse e a ansiedade como desencadeadores da compulsão alimentar — quando o indivíduo procura na comida um antidepressivo "natural". Dietas radicais e modismos também são motivos dessa alteração:
 
— As pessoas fazem dietas da moda e não se reeducam. Sabemos que isso não emagrece. Elas voltam a comer e acabam engordando novamente. No entanto, o efeito rebote é muito maior.
 
Outra questão levantada pelo estudo está relacionada à dobradinha mais comum do emagrecimento: comer menos e se exercitar mais.
 
— É como dizer que um investimento se resume a depósitos e retiradas, sem considerar as flutuações do mercado, do câmbio e taxas do banco — resume a professora Jennifer Kuk.
 
Pesquisadores acreditam que, a longo prazo, a combinação se mostra ineficiente. Isso porque a conta não é tão simples como somar e subtrair calorias, é preciso levar em conta uma série de variáveis do estilo de vida de cada pessoa.

Zero Hora

Nenhum comentário:

Postar um comentário