Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

As dificuldades dos idosos que tomam muitos remédios

Pílulas demais em horários diversos confundem usuários

“Imagine que seu médico prescreveu esses remédios”, disseram os pesquisadores a pessoas com idades entre 55 e 74 anos que estavam participando de uma experiência em vários centros de saúde de Chicago. “Por favor me mostre quando você tomaria esses medicamentos ao longo de um dia.” Depois de ler as instruções em sete bulas de pílulas, foi pedido que os participantes as dividissem em uma caixinha de remédios com 24 espaços, um para cada hora do dia.

O ideal é que os sete remédios fossem divididos em apenas duas doses por dia. Mas só 15% dos 464 participantes pensaram nessa possibilidade. O mais comum foi a decisão de tomar as pílulas seis vezes por dia; um terço organizou os medicamentos em sete doses diárias. Dois dos remédios tinham instruções idênticas, mas um terço dos participantes não percebeu que eles poderiam ser tomados juntos.

Quase 80% não entenderam que poderiam tomar duas pílulas juntas se uma bula dizia “a cada 12 horas” e outra “duas vezes por dia” – mesmo que, nesse contexto, elas significassem a mesma coisa.

“Aprendemos de novo como é desafiador manter uma rotina de medicamentos”, conta Michael Wolf, epidemiologista da Escola de Medicina Feinberg na Universidade Northwestern, que liderou a experiência.

A adesão aos remédios, uma ampla preocupação de saúde pública, é um problema especial para pessoas mais velhas. Eles tomam mais remédios do que os pacientes mais novos – não é incomum que tenham sete receitas. Ainda assim os estudos têm mostrado repetidamente que “quanto mais vezes por dia você tem que usar remédios, menor a sua adesão”, explica Wolf. Quando os pacientes não conseguem pensar em um plano que funcione, ou se ater a um, pode haver consequências ruins.

O remédio X parece não fazer efeito, levando o médico a prescrever também o Y quando o problema real é que o paciente não entendeu a dose ou não está tomando o suficiente de X. Ou um paciente mais velho simplesmente desiste de uma rotina complexa de remédios e fica sem medicamentos ou com menos do que o necessário, arriscando-se a cair severamente doente.

Confusão potencial
“Eu vejo isso todos os dias em minha prática clínica. Existe uma possibilidade tremenda de confusão”, diz o doutor William Hall, geriatra que dirige o Centro para o Bem Estar da Vida da Universidade de Rochester em Nova York. Vamos deixar claro que algumas das razões pelas quais os idosos tomam seus remédios de maneira errada são difíceis de resolver. Os custos, por exemplo. No caso de cidadãos dos EUA, apesar de o Medicare e o Obamacare resolverem parte do problema, alguns idosos não conseguem pagar por seus remédios com a frequência necessária.

Ou pior: “Talvez você não compre os remédios porque o farmacêutico diz que não está no seu formulário do Medicare e você terá que pagar do seu bolso”, explica Tood Semla, farmacêutico e ex-presidente da Sociedade Americana de Geriatria. Problemas cognitivos, claro, também afetam a habilidade dos pacientes mais velhos de lidar com seus medicamentos. Os idosos podem deliberadamente parar de tomar remédios quando não gostam dos efeitos colaterais. Mas os lapsos com os medicamentos também acontecem por problemas que, em um mundo mais racional, deveriam ser muito simples de resolver. Os pesquisadores e reformadores descobriram maneiras fáceis.

– O calendário universal dos medicamentos: em lugar de pedir aos pacientes para decifrar bulas complexas (algumas usam abreviações em latim, como TID para três vezes ao dia), elas deveriam ter quatro padrões de tempo – de manhã, ao meio-dia, de noite, na hora de dormir – para tomar os remédios. Quase todos os medicamentos podem seguir esse calendário, que ajuda os pacientes a agrupar as pílulas para que não seja necessário tomar as doses frequentemente, pular algumas ou desistir totalmente.

Em uma conferência do Instituto Nacional de Saúde no mês passado, Wolf e seus colegas relataram um teste (ainda não publicado) envolvendo 845 pacientes no norte da Virgínia. Aqueles que receberam a chamada bula focada no paciente usando o calendário universal – em letras grandes – erraram significativamente menos na hora de usar seus remédios. As melhoras mais notáveis aconteceram entre pacientes com maior risco de não adesão aos remédios: os menos escolarizados e com rotinas complexas.

A Califórnia começou a pedir (não exigir) que se use o calendário universal – junto com bulas mais simples e com letras grandes – em 2011, apesar da resistência da indústria de medicamentos. Mas até agora nenhum outro estado fez o mesmo.

Alterações cosméticas
Uma aparência consistente: pessoas mais velhas geralmente usam o tamanho, o formato e a cor das pílulas para lembrar o que tomar e quanto. Mas como as farmácias constantemente negociam preços mais baratos em medicamentos genéricos e frequentemente trocam de fornecedores, a aparência das pílulas muda muito.

Em um estudo com mais de 11 mil pessoas que saíram de hospitais depois de um ataque cardíaco e a quem foram prescritos remédios cardiovasculares, por exemplo, 29% tomaram pílulas que mudaram de formato ou cor durante o primeiro ano. Os pacientes precisam tomar esses remédios por anos, então facilmente irão se deparar com essas alterações.

“O primeiro ano depois de um infarto do miocárdio é um período na vida da pessoa em que a adesão aos remédios é extremamente importante”, explica Aaron Kesselheim, interno e pesquisador de políticas de saúde do Hospital Brigham and Women em Boston e principal autor do estudo.

Essas alterações cosméticas levam a problemas. Enquanto a maioria dos pacientes permaneceu com suas rotinas, aqueles cujas pílulas mudaram de cor eram 34% mais propensos a parar de tomá-las, comparados com um grupo de controle. Quando as pílulas mudavam de formato, os pacientes tinham um risco 66% maior de abandoná-las.

Kesselheim e sua equipe sugerem que a FDA exija que os fabricantes façam remédios genéricos iguais em cor e formato àqueles com nomes de marca que substituem. Em junho o FDA produziu um guia de recomendações não obrigatórias, afirmando que as mudanças em tamanho (não mencionava cor) poderiam afetar a maneira como as pessoas seguiam a rotina. “Achamos que não foi amplo o suficiente.

As coisas se movem lentamente”, afirma Kesselheim, cuja equipe está desenvolvendo outro estudo que podem fazer com que o FDA tome mais ações. Enquanto espera por melhorias que poderiam ajudar os idosos a lidar com suas rotinas de remédios, alguns se aproveitam de um programa gratuito disponível por meio do Medicare.

A Terapia de Gerenciamento de Medicamento, oferecida por seguros privados que cobrem os remédios, vai rever as prescrições, as doses, os custos e outras questões para os idosos que possuem várias condições crônicas e tomam muitos medicamentos. Isso poderia ajudá-los a se manter na rotina. Ainda assim, deveria ser mais fácil fazer isso. “O incrível é que ninguém faz direito”, diz Hall.

O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário