Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Paciente morre após esperar 8 h em ambulância em frente a hospital

Paciente morreu após esperar 8h dentro de ambulância por vaga em UTI (Foto: Reprodução/ TV Morena)Idoso conseguiu vaga em UTI depois que polícia foi chamada, em MS. Ambulância ficou ligada para manter aparelhos funcionando, diz família

Um morador de Costa Rica, cidade a 338 km de Campo Grande, morreu na madrugada desta segunda-feira (22) depois de ficar 8 horas dentro de uma ambulância em frente ao Hospital Universitário (HU) da capital sul-mato-grossense à espera de uma vaga em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ele morreu no Hospital Regional, onde conseguiu leito depois que a polícia foi chamada.

O HU disse que informou a Secretaria de Saúde de Costa Rica que não havia vaga de UTI disponível. Falou ainda que a família do paciente tentou forçar a entrada dele no hospital.

Segundo informações da família da vítima, Sebastião Nogueria da Silva, de 62 anos, precisava de internação por conta de uma insuficiência respiratória aguda, mas o hospital de Costa Rica não tinha vaga.

A equipe médica local conseguiu autorização da Central de Regulação de Vagas de Mato Grosso do Sul para transferir o paciente para o HU, conforme documento entregue à família.

"Entubaram para garantir a vida dele na viagem e foi liberada vaga pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), que é a central, às 11h16", disse o filho do paciente, Wesley Campos da Silva.

A ambulância de UTI móvel saiu de Costa Rica com o paciente às 12h (de MS) de domingo (21) e chegou no HU por volta das 16h30. No hospital, a família foi informada por funcionários que não havia vaga. Enquanto a família tentava resolver o problema, o idoso ficou dentro da ambulância, em frente ao hospital, por 8 horas. Durante esse tempo, a UTI Móvel teve que ficar ligada para manter o funcionamento dos aparelhos essenciais ao paciente.

Segundo a filha de Sebastião, Tatiane Maria Campos Silva Rodrigues, uma enfermeira do hospital disse que a vaga do paciente tinha sido errada, porque o HU estava sem leito, e orientou que a família ligasse para a Central de Regulação de Vagas para tentar transferência para outro hospital.

"A gente mostrando o papel, falando que era para lá, e eles falaram que não, que não tinha vaga, que não tinha como atender, porque tinha muito paciente. Questionamos a enfermeira do hospital, ela falou que a vaga tinha sido errada porque não tinha leito para ele lá, que era pra gente ligar pra Central e vir para outro hospital. Para a gente esperar que de quatro a cinco horas ia sair vaga em outro hospital, só que a gente não podia sair de lá porque a nossa vaga era para lá", explicou a filha.

Diante do impasse, a família resolveu chamar a polícia. O idoso conseguiu vaga em outro hospital depois que o delegado Hoffman D'ávila, da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Piratininga, chegou no HU.

"É um absurdo. Eu fiquei pasma de ver a forma que a gente foi tratado lá. Eu já fui em outros lugares e nunca vi um pessoal tão mal educado. Sinceramente, eu fiquei boba de ver como eles tratam as pessoas", desabafou a filha.

Foto: Reprodução/TV Morena

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário