Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Pomada antibiótica é eficaz contra doença de Lyme, aponta pesquisa

Identificada pela primeira vez nos Estados Unidos em 1975, a condição pode gerar complicações neurológicas e articulares graves se não for detectada e tratada a tempo

Uma simples pomada antibiótica à base de azitromicina é eficaz contra a borreliose de Lyme, uma doença infecciosa e potencialmente perigosa transmitida por carrapatos, que está em plena expansão na Europa, segundo um estudo publicado na segunda-feira (19/12).

Esta pomada mostrou ser 100% eficaz quando aplicada durante os três dias seguintes à picada do carrapato, segundo exames realizados com mil pacientes. "Nenhum deles desenvolveu borreliose de Lyme", afirmou o coordenador deste estudo, Bernd Jilma, da Universidade Médica de Viena. No grupo tratado com placebo, apareceram sete infecções, segundo os resultados desta pesquisa internacional, publicados pela revista britânica The Lancet Infectious Diseases.

Identificada pela primeira vez nos Estados Unidos em 1975, a também chamada doença de Lyme, de origem bacteriana, pode gerar complicações neurológicas e articulares graves se não for detectada e tratada a tempo. O tratamento tradicional ante um suposto caso de borreliose de Lyme consiste em uma ingestão massiva de antibióticos durante três semanas.

A aplicação da pomada de forma preventiva durante três dias permitiria evitar, na maioria dos casos, este tratamento de três semanas, segundo este ensaio clínico de fases II e III, que ainda precisa de novas análises de confirmação antes de que o novo método seja utilizado em grande escala. A doença de Lyme está em plena expansão na Europa, com 200 mil novos casos por ano, 24 mil deles na Áustria, lembram os autores. Na Europa, 20% dos carrapatos são portadores da borreliose, e cerca de 5% das suas picadas acabam transmitindo a doença, segundo estimativas.

Por France Presse

Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário