Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 27 de março de 2017

Juntos podemos acabar com a Tuberculose

WhatsApp Image 2017-03-24 at 18.23.00“Todos juntos contra a tuberculose” é o slogan da campanha de 2017 do Ministério da Saúde para a redução do número de casos da doença, e conscientizar a população da importância do tratamento, e do apoio aos pacientes

Em 2015, foram estimados 10,4 milhões de casos no mundo. Um dos fatores que podem levar ao alto índice da doença é o desconhecimento da população sobre o assunto, ou a crença de que a tuberculose ficou no passado, explica a Coordenadora-Geral do Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT), Denise Arakaki. “A tuberculose é uma doença do presente e está nos grandes centros urbanos, principalmente nas cidades e comunidades onde o crescimento foi desordenado. Ambientes aglomerados, mal ventilados, com pouca radiação solar, são bastante propícios. Isso também está associado ao baixo reconhecimento da tosse como um alerta para a doença.

Com a virada do século 20 para o século 21, os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM) incentivaram os países a reduzir o número de casos na população, e o Brasil chegou a alcançar a meta estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) antes do prazo estabelecido, diminuindo em mais da metade a incidência e mortalidade em relação à 1990.. Acontece que, mesmo com a redução, o Brasil se comprometeu com uma meta ainda mais ambiciosa: acabar com a doença como um problema de saúde pública.

A Coordenadora-Geral do PNCT defende que o envolvimento de todos é essencial para que o objetivo seja alcançado. “A gente precisa de todos os atores, tanto da saúde quanto da comunidade para acabar com a Tuberculose no país. Que os profissionais de saúde acolham quem tem a suspeita da doença, os pacientes, que ajudem a levar o tratamento até o fim, e que os familiares entendam que é uma doença que tem cura, o tratamento é longo e que a pessoa com a doença precisa de todo apoio possível”.

Os sintomas podem variar, mas o principal alerta é tosse por mais de duas a três semanas. Denise explica que pessoas com HIV e prejuízo do sistema imunológico podem apresentar febre no final do dia, emagrecimento, cansaço e suor noturno, por exemplo. No entanto, se a tuberculose afetar outro órgão que não o pulmão, como por exemplo, tuberculose renal, o sintoma poderá ser urina com sangue. “Quanto mais o sistema imune está preservado, mais relacionado à tosse. Quanto menos preservado, os sintomas são inespecíficos e dependem do órgão acometido”.

A principal maneira de prevenir a tuberculose em crianças é com a vacina BCG. Em adultos a vacina é eficaz.. Outra maneira de prevenir é identificar a “Infecção Latente de Tuberculose”,. A pessoa que foi recém-infectada recebe um tratamento para prevenir o adoecimento. “Uma pessoa que foi diagnostica com tuberculose, que estava convivendo com outras pessoas em casa, por exemplo, deve levar seus familiares para o serviço de saúde com o objetivo de avaliar se foram infectados pelo bacilo da tuberculose. Se os familiares estiverem infectados pelo bacilo iniciamos o medicamento preventivo”, explica Denise Arakaki.

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece ao paciente desde o diagnóstico até a medicação para todo o tratamento. Se o indivíduo está com tosse há mais de três semanas e desconfia que possa ser tuberculose, deve procurar uma Unidade de Saúde e realizar os exames que vão esclarecer se a pessoa tem ou não a doença. Entretanto, para Denise, a conscientização de todos profissionais de saúde, comunidade, pacientes e familiares ainda é a melhor opção para evitar o aumento da doença: Todos juntos podemos vencer este desafio!

Aline Czezacki, para o Blog da Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário