Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Segunda dose da vacina HPV – hora de reforçar a proteção

Chegou o momento de vacinar novamente as meninas de 9 a 11 anos com a vacina quadrivalente contra Papiloma Vírus Humano (HPV). As adolescentes que já tomaram a primeira dose em março de 2015, devem voltar aos postos de saúde para o reforço
 
A vacina protege contra dois subtipos de HPV, que são responsáveis por 70% dos casos de câncer do colo do útero e a terceira causa de morte de mulheres no Brasil. Ela está disponível nas 36 mil salas de vacinação espalhadas pelo país. A vacina é mais um reforço na prevenção contra o câncer do colo do útero. Ela tem eficácia comprovada para proteger mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, não tiveram nenhum contato com o vírus.
 
Durante o lançamento da campanha em Brasília, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, ressaltou a importância da vacinação. “Além das medidas tradicionais de prevenção, como uso de preservativo nas relações sexuais e o Papanicolau, temos a oportunidade de escrever uma nova história para a saúde das mulheres do Brasil com mais essa proteção. A vacina é segura e eficaz contra o HPV, por isso precisamos fazer uma grande mobilização”, disse.
 
A vacina contra o HPV é indicada para adolescentes de 9 a 13 anos com três doses. Após a primeira dose, a menina deve receber a segunda seis meses depois, e a terceira cinco anos após a primeira dose.
 
As meninas dentro da faixa etária que não iniciaram o esquema vacinal ou não tomaram a segunda dose também podem ir aos postos de vacinação. Isso também vale para as meninas que tomaram a primeira dose aos 13 anos e já completaram 14 e para aquelas que já tenham passado de um ano da primeira dose. Afinal, a proteção só é garantida com a aplicação das duas doses.
 
Isabella Ballalai, presidente da Associação Brasileira de Imunizações, explicou que os resultados da vacina serão significativos no futuro. “Vacinar sua filha agora não vai ter um resultado visível imediato. Mas veremos as mulheres brasileiras do futuro, daqui a 20 ou 30 anos, protegidas do HPV e do câncer do colo do útero”, disse ela.
 
Neste ano, o Ministério da Saúde incluiu no grupo alvo da vacinação as mulheres de 9 a 26 anos que vivem com HIV. Mais suscetível a complicações decorrentes do HPV, esse público tem probabilidade cinco vezes maior de desenvolver câncer no colo do útero do que a população em geral. Para este grupo, o esquema vacinal também conta com três doses, mas com intervalos diferentes. A segunda e a terceira doses serão aplicadas dois e seis meses após a primeira. Nesse caso, elas precisarão apresentar a prescrição médica.
 
A vacina faz parte do calendário do Programa Nacional de Imunização (PNI) e está disponível durante todo ano. Por isso, mesmo fora do período da campanha as meninas podem ser vacinadas. Se você é pai, mãe ou responsável por uma menina de 9 a 13 anos confira a caderneta de vacinação e leve-a para vacinar. O HPV pode ter sérias consequências e a proteção dura para a vida inteira.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário