Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Cientistas dão “passo-chave” para criar pílula anticoncepcional masculina

Até agora, os únicos métodos anticoncepcionais para homens são a vasectomia – efetiva, mas permanente – e os preservativos, que nem sempre são efetivos
 
Uma equipe de pesquisadores japoneses assegura ter dado um “passo-chave” para desenvolver a pílula anticoncepcional masculina, baseada no bloqueio de uma proteína, segundo um estudo divulgado nesta quinta-feira pela revista científica “Science”.
 
A proteína, denominada calcineurina, exerce um papel importante na fertilidade masculina, mas até agora não se tinha identificado concretamente quais de suas diferentes formas era a que afetava em maior medida.
 
“As descobertas deste estudo podem ser um passo-chave para dar aos homens controle sobre seu futuro reprodutivo”, afirmou Masahito Ikawa, professor do Instituto de Pesquisa em Doenças Microbianas da Universidade de Osaka no Japão e autor principal do estudo.
 
A equipe analisou em ratos isoformas de calcineurina expressadas nos genes PPP3CC e PPP3R2, que só se encontraram em células de formação de esperma.
 
Os pesquisadores conseguiram bloquear o PPP3CC nos ratos machos, através de dois fármacos inibidores, e criaram uma mutação na proteína que fez com que os ratos se tornassem temporariamente estéreis, já que esta esperma era incapaz de fertilizar óvulos.
 
A fertilidade dos ratos foi recuperada uma semana após terem encerrado o consumo dos fármacos.
 
Ikawa assinalou que esta evolução específica da calcineurina também se encontra nos seres humanos, razão pela qual poderia ser utilizada como uma estratégia para desenvolver anticoncepcionais reversíveis para homens.
 
Até agora, os únicos métodos anticoncepcionais para homens são a vasectomia – efetiva, mas permanente – e os preservativos, que nem sempre são efetivos.
 
EFE Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário