Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Médicos defendem melhora em cuidados paliativos para fim da vida

Qualidade da morte no país é pior do que a de Uganda e Mongólia, segundo pesquisas


Se há um assunto que provoca uma careta involuntária na maioria dos brasileiros, é a morte. Enquanto o valor da qualidade de vida é inquestionável, a importância de se terminar de viver bem é quase ignorada. Raras são as universidades de Medicina do país que têm disciplinas relacionadas a cuidados paliativos — aqueles introduzidos depois do diagnóstico de uma doença incurável. E o Brasil é tradicionalmente avaliado muito abaixo da média no “Índice de qualidade de morte”, da consultoria britânica Economist Intelligence Unit. No último levantamento, divulgado mês passado, ficamos em 42º lugar entre 80 países, atrás de nações como Uganda, Mongólia e Equador.

Falta de infraestrutura, dificuldade na distribuição de analgésicos e negação da morte como um processo natural são alguns dos entraves para que o país avance nessa discussão. O assunto, espinhoso para muitos médicos e pacientes, é tema do simpósio “O direito de morrer”, que acontece hoje na Academia Nacional de Medicina.

— Frequentemente temos a impressão de que a morte é opcional e que a medicalização pode retardá-la indefinidamente. Mas há um momento em que os tratamentos não prolongam mais a vida digna da pessoa, mas, sim, o processo de morte, geralmente com dor — afirma o oncologista Daniel Tabak, coordenador do simpósio. — Estudos revelam que, quando a expectativa de sobrevida é inferior a seis meses, a quimioterapia pode não só acelerar a morte, mas causar maior sofrimento. Isso tem que ser discutido com o paciente e a família.

Cultura Latina
Pesquisas publicadas na revista “Lancet oncology” mostram que, na América Latina, o consumo de analgésicos é muito baixo em comparação com países desenvolvidos. Segundo Tabak, este é um dos melhores indicadores para avaliar a qualidade dos cuidados paliativos. Nenhum país latino-americano apresenta consumo per capita superior a 15mg, enquanto que, em nações desenvolvidas, este número varia de 50mg a 400 mg. Um importante aspecto que explica o baixo uso é a má distribuição.

— Na maioria dos municípios do Brasil, não há distribuição de morfina, por exemplo — lamenta Maria Goretti Sales Maciel, presidente da Academia Nacional de Cuidados Paliativos. — Apesar de alguma evolução nos últimos anos, no Brasil, quem tem dor morre com muita dor.

Outro aspecto é cultural: os latinos têm mais dificuldade de lidar com a morte do que os anglo-saxões e orientais.

— Somos mais passionais em relação a isso — considera José Camargo, especialista em cirurgia torácica e também coordenador do simpósio. — Estima-se que 1,1 milhão de mortes ocorram no Brasil este ano e, destas, 850 mil são absolutamente esperadas, porque são pessoas muito idosas ou com doença crônica. Então, é preciso discutir esse assunto. Hoje, existem situações absurdas, como paciente com doença terminal fazendo hemodiálise. Nesses casos, a interrupção do tratamento é um ato de compaixão com o doente.

Segundo o IBGE, o número de brasileiros com mais de 65 anos quase dobrará em 2030. Com o envelhecimento da população, a morte por doenças do coração, demências e câncer fará cada vez mais parte da realidade. A eutanásia voluntária, por sua vez, ainda é tabu. Aceita em países como Holanda e Bélgica, ela não é permitida no Brasil. E, para o oncologista, está muito distante da situação brasileira.

— Aqui, temos um problema grave: a prática da “mistanásia” (mys significa “infeliz” em grego), termo criado pelo bioeticista e teólogo Marcio Fabri dos Anjos em 1989. É a morte miserável, abreviada pela pobreza e falta de recursos. Antes da eliminação da “mistanásia” como fenômeno corriqueiro nos hospitais brasileiros, a discussão sobre a morte assistida não pode sequer ser iniciada — avalia Tabak.

Foto: Marco Antônio CAvalcanti

O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário