Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


terça-feira, 29 de novembro de 2016

Entenda o que são os aceleradores lineares e seu uso no tratamento de câncer

Equipamentos de alta tecnologia chegam ao país para atender pacientes que precisam de radioterapia


Uma boa notícia para os pacientes de todo o Brasil que lutam contra o câncer: o Ministério da Saúde vai adquirir 80 novos acelerados lineares, sendo que mais 20 devem ser entregues em 2017. Os aceleradores lineares são equipamentos de alta tecnologia desenvolvidos para emitir a radiação utilizada em diversos tratamentos para combater a doença. A aquisição desses dispositivos faz parte do Plano de Expansão da Radioterapia. O primeiro acelerador linear foi inaugurado nesta segunda-feira (28), em Campina Grande (PB).

Foram mais de R$ 500 milhões disponibilizados pelo Ministério da Saúde para comprar os equipamentos, sendo que a previsão é aumentar em 40% o número de pessoas atendidas. O Blog da Saúde conversou com o coordenador-geral do Departamento de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas do Ministério da Saúde (DAET/MS), Sandro José Martins, para explicar o que a população pode esperar desse investimento.

Confira a entrevista:

Blog da Saúde: O que são os aceleradores lineares?
Sandro Martins: São equipamentos utilizados em uma modalidade do tratamento de câncer, que é a radioterapia. É um aparelho que gera uma forma de radiação, através de corrente elétrica, e o aparelho direciona para a área que se deseja tratar. Essa radiação no tecido doente promove a destruição desse tecido. Basicamente, a radioterapia é isso: destruição de tecido por radiação, e o acelerador linear é o equipamento que produz essa radiação a partir da energia elétrica.

Blog da Saúde: Quem vai ser beneficiado com esses novos equipamentos?
Sandro Martins: A distribuição desses novos equipamentos no país foi pensada de maneira a atenuar a falta de vagas para radioterapia que existe em boa parte do Brasil. Hoje nós temos 274 equipamentos de radioterapia no SUS entre aceleradores lineares e unidade de cobalto, que é outra forma de fornecer radioterapia. Com o plano de expansão se pretende agregar mais 80 ou 100 equipamentos, e vai promover a possibilidade de tratar alguns milhares de pessoas a mais por ano. Cada equipamento desses é capaz de tratar até 50 pessoas por mês. Se conseguirmos no cenário mais otimista, 100 equipamentos novos serão 50 pacientes por mês, durante 12 meses, que resultam em 600 pacientes por ano. Com 100 novos equipamentos são 60 mil pacientes mais por ano.

Blog da Saúde: Esse equipamento é capaz de atender mais de uma pessoa ao mesmo tempo? Sandro Martins: Ele atende cada pessoa em um intervalo de tempo curto. Em média, o atendimento de cada pessoa dura 15 minutos durante o dia. Por isso, que você tem essa capacidade maior de tratar 50 pessoas por mês, no geral.

Blog da Saúde: Vão ser entre 80 e 100 novos aceleradores. O que isso representa para o país? Sandro Martins: A disponibilidade de novos equipamentos é uma necessidade para poder dar assistência adequada a esses pacientes com câncer. O projeto em si é um pouco mais ambicioso do que só comprar equipamentos e colocar à disposição da sociedade. Isso o Ministério de Saúde sempre fez, sempre tiveram linhas de financiamento em que se forneciam recursos para os Hospitais comprar esses equipamentos. Dessa vez se adotou uma estratégia um pouco mais audaciosa, que envolve a instalação de uma fábrica para produção da montagem dos equipamentos no país com intenção de reduzir o custo de manutenção e de substituição desses equipamentos ao longo da sua vida útil. Um equipamento desses vai funcionar bem por 10 ou 15 anos, depois vai precisar de substituição. Nessa ocasião, tendo produção nacional, seguramente vai ser mais eficiente o gasto com essa substituição

Blog da Saúde: Quais são as melhorias que o acelerador vai trazer, além de aumentar o número de pacientes atendidos?
Sandro Martins: Essa modalidade de tratamento do Câncer é muito importante para uma série de tumores. Ele tem um tratamento que pode ser curativo, empregando radioterapia associada à quimioterapia. Então a existência desses equipamentos, para muitos pacientes é uma opção de cura que existe para doença dele. Em outras situações, onde a doença não é curável, por exemplo, um paciente que tem um câncer avançado e tem uma dor e sangramento provocado pelo tumor, consegue aliviar os sintomas pelo tratamento de radioterapia. Então melhora a qualidade de vida de pessoas que estão tratando câncer. É curativo e paliativo para muitos pacientes.

Blog da Saúde: Quando as pessoas vão começar a sentir os benefícios desse investimento? Sandro Martins: As pessoas vão perceber isso quando tiverem as suas necessidades atendidas, ou observar que as pessoas que estão com câncer, e precisando do acesso a radioterapia, vão ter as suas necessidades atendidas em até 60 dias. Um exemplo é o Distrito Federal, onde há uma capacidade baixa de oferta de radioterapia, por isso há centenas de pacientes aguardando o tratamento. Essa disponibilidade de mais dois equipamentos pro DF, um no Hospital Universitário e outro no Hospital Regional Taguatinga, além dos recursos que o Ministério da Saúde pretende investir na construção de um Hospital para câncer, vai fazer com que essas histórias de filas em radioterapia sejam uma coisa do passado. O que se quer é isso, que as pessoas tenham acesso rápido a tratamento. O grande marco disso vai ser quando os sistemas de monitoramento mostrar que o acesso à radioterapia no país está se dando dentro de um prazo razoável, e não da maneira como é hoje.

Blog da Saúde: Todas as regiões do Brasil vão ser contempladas?
Sandro Martins: Sim, todas as regiões. Todos os estados vão receber unidades do plano de expansão da radioterapia. Inclusive o único estado que não tem unidade de radiografia, o Amapá, vai receber a unidade de radioterapia também.

Blog da Saúde: Por que a inauguração do primeiro acelerador será em Campina Grande? Sandro Martins: Todos os 80 projetos começaram na mesma época, mas cada projeto anda em uma velocidade diferente em função de condições locais, disponibilidade de terreno, área de construção adequada no Hospital, licenças para obra obtidas de maneira mais rápida. A ideia é que esses projetos que têm mais dificuldades sejam de alguma forma, apoiados pelo Ministério da Saúde para não demorar muito. Campina Grande e Feira de Santana, na Bahia, são locais que não tiveram grandes problemas com essa fase de projetos e construção.

Blog da Saúde: Em quanto tempo é previsto que sejam instalados todos os equipamentos? Sandro Martins: O primeiro equipamento está sendo instalado agora, fruto de um ano de obras de construção, e o cronograma implica que até dezembro de 2018 tenhamos 80 equipamentos instalados. Se houver a possibilidade de expansão do projeto para 100 equipamentos, como é o desejo do Ministério da Saúde, possivelmente esse prazo de execução vai ser estendido para que mais hospitais possam receber esses equipamentos de radioterapia. Mas até dezembro 2018 a ideia é que 80 equipamentos sejam entregues a população.

Foto: Portal Brasil

Aline Czezacki, para o Blog da Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário