Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Falta de médicos e demora no atendimento do SUS levam população a ter planos de saúde

População também se queixa da demora nas consultas públicas e do preço do serviço privado A constante falta de médicos em postos de saúde e hospitais e a demora em ser atendido nesses locais são apontados como os principais problemas que impedem o SUS (Sistema Único de Saúde) de funcionar. Essas são informações do relatório SIPS (Sistema de Indicadores de Percepção Social), divulgado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) nesta quarta-feira (9). De acordo com a pesquisa, 58,1% da população aponta a falta de médicos como o principal problema do sistema público de saúde. O tempo de espera para conseguir acesso a determinados serviços de saúde, sobretudo nos postos de saúde e nos hospitais, é considerado um grande problema da rede pública para 35,4% dos entrevistados, seguida de outra preocupação: a demora para conseguir uma consulta com especialista (33,8%). Mesmo entre os que utilizam pouco o sistema, as queixas são as mesmas. Por percepção ou por acompanharem alguém em instituições públicas, eles concluem que a falta de médicos constitui o pior problema do SUS, com percentual ainda maior, 57,9%. Entre os que não usam o sistema público, a reclamação atende ao maior percentual (58,8%). Trecho do relatório indica que a intenção do documento é mostrar diferentes opiniões. - Deve ficar claro que o SIPS aborda a percepção sobre os serviços de saúde a partir da visão de todos os entrevistados ou daqueles que utilizaram ou acompanharam alguém na utilização dos serviços. Embora 50,1% dos entrevistados vejam com bons olhos a gratuidade do SUS, seu atendimento universal (48%) e a possibilidade de ter remédios gratuitos (32,8%), os problemas citados são o principal fator que leva parte da população a optar pelos planos de saúde. Segundo o levantamento, as principais razões que levam a aderir à saúde suplementar são: a maior rapidez para realizar uma consulta ou exame (40%); ter o seguro fornecido pelo empregador de forma gratuita (29,2%); ter mais liberdade na hora de escolher o médico (16,9%). Entretanto, o preço da mensalidade é julgado como o maior problema desse segmento, entre os que têm planos de saúde. Outro problema apontado é a falta de cobertura de algumas doenças e procedimentos (35,7%) ou tratamentos (21,9%). A demora para conseguir um especialista e para ser atendido em hospitais também foi indicada como problemas dos planos, mas com percentuais menores – 18,5% e 15,3%, respectivamente. Os dados do relatório foram coletados durante os dias 3 e 19 de novembro de 2010, por meio de entrevistas com 2.773 pessoas nas cinco regiões do país. Foram consideradas questões como sexo, faixa etária, renda e escolaridade para levantar a percepção da população sobre o SUS. Para a avaliação geral dos serviços públicos de saúde prestados pelo SUS, as categorias de resposta foram: “muito bom, bom, regular, ruim e muito ruim”. Para a apresentação dos resultados, as categorias de resposta “muito bom” e “bom” foram agrupadas, da mesma maneira que as categorias “ruim” e “muito ruim”. http://noticias.r7.com/saude/noticias/falta-de-medicos-e-demora-no-atendimentodo-sus-leva-populacao-a-ter-planos-de-saude-20120208.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário