Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Mitos e verdades sobre a “Pílula do Dia Seguinte”

O medicamento não substitui os métodos contraceptivos tradicionais

Apesar das formas de proteção sexual, o uso da pílula do dia seguinte ainda é um meio eficaz de prevenção a uma gravidez indesejada. É claro que deve ser lembrado que seu uso não é eficaz na proteção contra o vírus do HIV, Hepatite B e outras DSTs, estas contaminações podem ser evitadas pelo uso de camisinha.

“Muitos mitos ainda cercam a pílula do dia seguinte”, considerou o laboratório de medicina reprodutiva Criogênesis, que recomenda seu uso em casos emergenciais, mas concorda que o medicamento não substitui os métodos contraceptivos tradicionais.

“A pílula do dia seguinte deve ser utilizada com muita cautela e deve ser ingerida apenas em situações de risco, como o estouro da camisinha ou em episódios de violência sexual, por exemplo”, explicou o ginecologista Renato de Oliveira. “A informação e a prevenção ainda são as melhores maneiras de se evitar uma gravidez indesejada”.

Porém, cada caso deve ser analisado individualmente, pelo menos é o que alerta o Hospital Israelita Albert Einstein que aponta como uma “preocupação maior”, casos em que as mulheres tenham antecedentes de Acidente Vascular Cerebral (AVC), tromboembolismo, enxaquecas severas, diabetes com complicações vasculares, problemas com coagulação ou gastrite, e também em pacientes fumantes com mais de 35 anos em razão do aumento do risco de trombose.

Mitos e Verdades

Há um momento correto para utilizar a pílula de contracepção emergencial
VERDADE
Apesar de poder utilizá-la nos primeiros cinco dias, recomenda-se o uso em até 72 horas após o ato sexual. Porém, quanto antes a pílula for tomada, maior a chance de sucesso. Estudos relatam que, nas primeiras 24 horas, por exemplo, a eficácia da pílula gira em torno de 90%. A pílula do dia seguinte é abortiva. MITO. Ela age antes da ocorrência da gravidez, portanto não aborta. Se a fecundação ainda não aconteceu, o medicamento vai dificultar o encontro do espermatozoide com o óvulo ou postergar a ovulação, caso esta ainda não tenha ocorrido. Se ocorrer gestação, sua tomada não causará danos para o embrião. 

O medicamento causa efeitos colaterais
VERDADE
O uso da pílula do dia seguinte pode causar efeitos colaterais. Alterações no ciclo menstrual, diarreia, vômito, náuseas, dores de cabeça e no corpo, além de aumento de retenção de líquido. É necessário receita médica para adquiri-la. MITO. Nos postos de saúde, assim como nas farmácias, a receita não é exigida.

O uso da pílula do dia seguinte tem contraindicações
VERDADE
Mulheres com distúrbios metabólicos, principalmente insuficiência hepática, problemas hematológicos e vasculares, hipertensão ou obesidade mórbida devem evitar o medicamento.

Se uso anticoncepcional regularmente, preciso da pílula do dia seguinte
MITO
Quem faz o uso correto da pílula tradicional, tomando-a da forma como foi prescrita pelo ginecologista, está protegida da gravidez.

A pílula do dia seguinte não substitui o uso de métodos contraceptivos convencionais
VERDADE
Trata-se de um método de emergência, quando não há outro método. Deve-se ressaltar, dentre os métodos contraceptivos, a recomendação de sempre usar preservativos (camisinha), por exemplo, pois também previne homens e mulheres de doenças sexualmente transmissíveis (DST).

EFE Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário