Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Médicos do Rio vão entrar com ação contra Pezão devido à crise na saúde

Ação é motivada por possível infração à lei de responsabilidade fiscal. Presidente do sindicato diz que não existe solução a curto prazo

Coletiva do Sindicato dos Médicos do Rio nesta segunda-feira (11). Ao centro, o presidente do Sindmed, Jorge Darzeete  (Foto: Káthia Mello/G1)
Foto: Káthia Melo/G1 - Coletiva do Sindicato dos Médicos do RJ nesta segunda (11). Ao centro, o presidente
 do Sindimed, Jorge Darze

O Sindicato dos Médicos do Rio anunciou, na tarde de ontem (segunda-feira, 11), que a categoria vai entrar com uma ação contra o governador Luiz Fernando Pezão, por possível infração à lei de responsabilidade fiscal, devido à crise na saúde no estado.

Segundo o presidente do sindicato, Jorge Darze, o governador não é novo no cargo e tem responsabilidade sobre o que está acontecendo.

Ele acrescentou, ainda, que não existe perspectiva para solucionar a crise a curto prazo: "É a falência do setor público".

O anúncio foi feito durante coletiva para jornalistas locais e correspondentes estrangeiros sobre possíveis riscos para os turistas que vêm para as Olimpíadas do Rio.

Ele disse que a situação não pode calar os médicos. Segundo ele, é importante que os turistas venham para o Rio sabendo das dificuldades que vão encontrar e um cenário que não deverá ter melhora.

"A situação é criminosa e é de responsabilidade do governador e do secretário de saúde do estado", afirmou. Darze acrescentou ainda que, com a aproximação das Olimpíadas, o que preocupa é a falta de assistência.

O vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio, Nelson Nahon, também presente na coletiva, disse que o problema hoje na saúde do estado é a gestão.

Segundo ele, o estado não tem falta de profissionais, não faltam unidades, mas falta gestão. Nahon criticou o modelo de terceirização das Organizações Sociais, as chamadas OS. " Se mostrou caro, ineficaz e antiético", afirmou.

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário