Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


terça-feira, 13 de outubro de 2015

Escoriação e arranhões são as principais lesões infantis causadas por brinquedos

Brinquedo deve ser dado para criança de acordo com a idade
Inmetro orienta observar selo do instituto e faixa etária para prevenir acidentes
 
O Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) alerta aos pais e responsáveis que sigam as recomendações de segurança na hora de comprar os presentes para os pequenos, como brinquedos, que têm grande procura nesta época do ano.
 
A supervisão durante o uso pela criança e a escolha adequada do produto por faixa etária são as principais dicas, além da observação da presença do selo do Inmetro. Esse tipo de medida evita acidentes.
 
Segundo registros do Sinmac (Sistema Inmetro de Monitoramento de Acidentes de Consumo), os artigos da linha infantil são responsáveis por 13% dos relatos recebidos entre os anos de 2006 e 2015. Destes, 28% estão relacionados a brinquedos, ressalta Paulo Coscarelli, assistente da Diretoria de Avaliação da Conformidade.
 
— É de extrema importância que o brinquedo seja adquirido no comércio formal e tenha o selo do Inmetro, e primordial que se respeite a faixa etária correspondente à idade da criança à qual o brinquedo se destina, considerando sempre o interesse e o nível de habilidade.
 
De acordo com as estatísticas do Sinmac, escoriações e arranhões são as principais lesões causadas por brinquedos, com 18%; seguidos dos cortes (16%) e entorses e sufocamentos, ambos com 8% dos relatos registrados. Entre as partes do corpo mais atingidas, estão: mão, com 19%; pé,13%; face, 11%, e partes internas, com 8%. Em 23% dos relatos de acidentes com brinquedos não houve lesão.
 
— É fundamental a participação dos cidadãos. Os relatos que recebemos são valiosas informações para que o Inmetro possa identificar os produtos e serviços que oferecem mais risco à saúde e segurança dos consumidores e, portanto, dar foco nas suas atividades de regulamentação, seja publicando novos regulamentos e programas de certificação, seja aperfeiçoando os já existentes.
 
Segundo Coscarelli, a decisão do Inmetro não é pautada apenas pela quantidade de relatos de acidentes de consumo com um mesmo produto, mas também a gravidade do acidente.
 
— Alguns riscos são mais facilmente percebidos do que outros. Podem até ser invisíveis. Por isso, é sempre recomendável ter um adulto acompanhando a brincadeira da criança e, em caso de acidente, relatá-lo ao Inmetro por intermédio do Sinmac.
 
R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário