Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Pesquisa mostra que 93% estão insatisfeitos com a Saúde

Andressa Anholete/ Frame/ Estadão Conteúdo
Levantamento foi feito com mais de duas mil pessoas em todo o Brasil
 
Uma pesquisa do Datafolha mostra que 93% dos entrevistados estão insatisfeitos com a Saúde no Brasil. E que 87% avaliam entre péssimo e regular o serviço prestado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Para 18%, o SUS merece nota zero.

Encomendado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), o levantamento indica que a Saúde deve ser a prioridade número 1 do governo, segundo 43% das pessoas ouvidas. Em segundo lugar aparece a Educação, apontada por 27% dos entrevistados, seguida do combate à corrupção, na opinião de 10% dos participantes.
 
A pesquisa foi realizada entre os dias 10 e 12 de agosto, com pessoas com mais de 16 anos de todas as classes econômicas. A amostra é representativa da população, com 2.069 entrevistados em 135 municípios nas 27 unidades da federação. Desse total, 83% são usuários do SUS — ou seja, procuraram o serviço nos últimos dois anos para obter atendimento ou medicamento pelo menos uma vez.
 
Entre os usuários do SUS, 54% deram nota de 0 a 6 e 46%, de 7 a 10. No primeiro grupo, 36% apontaram o tempo de espera como o maior problema, seguido da pouca quantidade de médicos disponíveis (19%) e da falta de estrutura dos locais de atendimento (15%).
 
Do total de entrevistados, 29% relataram que estão aguardando a marcação ou a realização de consulta, exame, procedimento ou cirurgia. A demora chega a até seis meses para 58% das pessoas que estão na fila de espera. E passa de um ano para 25% dessa população. A lentidão aumentou em relação a 2014, quando o tempo na fila ultrapassava um ano em 16% dos casos.
 
— O problema maior é o tempo de espera: 80% dos que aguardam atendimento estão na fila há mais de um mês, o que significa, em muitos casos, a piora da condição de saúde ou a morte — afirma Mário Scheffer, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).
 
Espera por diagnóstico
O ajudante de caminhão André Luiz de Souza, de 32 anos, está há cerca de três meses à espera de um diagnóstico. Sem aguentar as dores, ele pagou pelos exames, mas há quatro dias, quando voltou a ter crises na lombar e na virilha, teve de voltar ao hospital.
 
— Estava me tratando como se tivesse pedras nos rins, mas desde sexta-feira estou sem saber o que tenho. Varei a noite de sexta para sábado esperando um urologista, porque não havia nenhum de plantão no hospital. E tive de trazer comigo minha esposa e meu filho de seis meses — contou André.

O presidente do CFM, Carlos Vital, atribui a demora no atendimento à falta de profissionais: — As condições de trabalho geram atendimento mais lento e, consequentemente, a maior espera do paciente.
 
Quanto mais sofisticado o procedimento requerido, maior a espera. A demora aumenta em cirurgias e tratamentos específicos, que exigem aparelhos caros — como hemodiálise, quimioterapia e radioterapia. Entre os que aguardam algum atendimento há mais de um ano, 44% precisam de cirurgia. Para a doutora em saúde pública e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Lígia Bahia, o levantamento confirma uma tendência:
 
— Outras pesquisas já vinham mostrando que a população aprova programas de distribuição de medicamentos, por exemplo, mas avalia negativamente os procedimentos mais complexos. Na avaliação da especialista, o momento atual da Saúde, com a dificuldade orçamentária e as negociações políticas, sugere que a insatisfação pode se agravar.
 
— Os resultados mostram que os problemas não foram resolvidos. E, de certa forma, estão até mais agravados, com a dificuldade de financiamento e o cenário político, de barganha do ministério pela falta de um plano nacional de saúde — afirma Lígia.
 
Profissionais bem avaliados
O presidente do CFM afirmou que nos últimos 12 anos o Ministério da Saúde deixou de utilizar R$ 171 bilhões do orçamento, que já estavam autorizados e disponíveis. E criticou a justificativa usada pela pasta, de que estados e municípios não apresentam projetos:
 
— A capacitação também cabe à União fazer. Se há dificuldade na elaboração do projeto, é necessário trabalhar junto, fazer uma capacitação dos agentes públicos, para que os projetos apareçam e o dinheiro seja utilizado.
 
Os profissionais de saúde do SUS foram relativamente bem avaliados. Entre os entrevistados, 61% confiam nos médicos que atendem pelo sistema, 93% dizem que os médicos precisam de estrutura de trabalho para oferecer atendimento e 86% afirmam que os médicos do SUS merecem ser valorizados, com salário e estímulos de carreira.
 
Embora a Saúde ainda seja considerada a prioridade para a maior parte dos entrevistados, o percentual de quem faz essa avaliação caiu de 57%, em pesquisa de 2014, para 43%. Por outro lado, aumentou a preocupação com a educação e a corrupção.
 
O Ministério da Saúde informou, por meio de nota, que não teve acesso à pesquisa, mas destacou que tem investido em toda a rede, principalmente na Atenção Básica. O investimento na área, segundo a pasta, passou de R$ 9,7 bilhões em 2010 para R$ 20 bilhões em 2014. Na rede, são 40.749 Unidades Básicas de Saúde (UBS) — “estruturas capazes de resolver em até 80% os problemas de saúde da população, ajudando a desafogar os hospitais gerais”.
 
A pasta também destacou investimentos em 412 Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h) e 39.227 equipes de Saúde da Família, além de programas como “Farmácia Popular do Brasil” e “Aqui Tem Farmácia Popular”, além dos sistemas de média e alta complexidade.
 
O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário